No dia 20 de maio, os jornalistas da Saab Press Trip 2024 puderam fazer um “walkaround” no Gripen E 6011, nas instalações da Saab em Linköping, Suécia.

Vários detalhes do Gripen E 6011, que está sendo usado no programa de desenvolvimento, podem ser vistos nas imagens, como o IRST, antenas de guerra eletrônica, sistema de alerta de aproximação de mísseis (MAW), mísseis ar-ar IRIS-T e Meteor e os novos elevons, que melhoram a performance do avião com cargas mais pesadas.

Durantes os testes, o Gripen E se destacou em exercícios de guerra eletrônica com a Força Aérea Sueca. As entregas das primeiras unidades operacionais serão feitas à Ala F7 em Såtenäs, em 2025.

O editor Alexandre Galante não perdeu a oportunidade de aparecer ao lado do Gripen E

FOTOS: Saab

Subscribe
Notify of
guest

24 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Bueno

Top!!
Interessante o míssil Meteor de manejo com um cabeamento externo , este cabo não é visto visto no míssil Meteor de manejo no Gripen FAB4100 na Base Aérea de Belém (PA)

Rommelqe

Otima observação caro BUENO! Imagino que esta cablagem externa foi lançada para adquirir novos resultados de testes especiais, talvez para avaliar a estabilidade do conjunto frente às modificaçõs nos elevons.

Rommelqe

Olhando nas fotos a gente percebe que há um revestimento da cablagem externa (tipicamente para proteger a mesma frente aos esforços aerodinamicos durante voo) assim como há pontos protuberantes nas extremidades. Estes pontos me parecem que são formados por resinas muito similares aos que usamos, por exemplo, para revestir acelerômetros em medições especias que fazemos em turbinas hidráulicas. Os acelerômetros (ou instrumentos similares) são colados na parte externa do objeto que está sendo submetido a medições especiais e recebem estas resinas justamente para protege-los de serem arrastados.
Não consegui “colar” uma imagem aqui no texto para indicar visulamente…abs

Rommelqe

Mais um aspecto interessante: se foram acelerometros mesmo, há que se medir em pelo menos duas direções ortogonais para conseguirmos discretizar o valor absoluto, em amplitude, sentido e direção. Assim podemos ver que perto da ogiva há dois aceleromentros e na parte dos lemes de direç~]ao mias dois. Se fossem, por exemplo, extensômetros a instalação seria diferente.

Rommelqe

Olhando novamente para as fotos os sensores aderidos ao Meteor podem ser giroscópios. Contudo, se houver um disparo logicamente a cablagem citada será interropinda e os sinais deixam de ser transmitidos ao sistemas de análise de sinais, certamente instalados no interior da aeronave … ” ….Um sistema de navegação inercial (INS) é um auxílio computadorizado usado em aplicações de aviação, marinha, orientação de mísseis e voos espaciais. O sistema utiliza um estilo de cálculo morto de orientação posicional com base nas entradas de acelerômetros e giroscópios e calculado por um computador de bordo. Os sistemas INS não requerem referências externas… Read more »

Rommelqe

Para os “negacionistas” de plantão, vejam um acelerômetro industrial em TE 8102 Triaxial Piezoelectric Accelerometer – Durham Instruments (disensors.com) ; ha também gisroscópios…

Rommelqe

Considero que instrumentos de teste de primeira linha são fornecidos pela B&K Civil & Defence Aircraft | Aerospace & Defence – HBK (hbkworld.com)

Rommelqe

Outro fornecedor de excelentes transdutores é a BALLUFF. Inclination sensors . Quando vc, “negacionista”, tiver já empregado pelo menos um destes me avisa. Aí vamos começar a conversar….

Leandro Costa

Rommelqe, não se ligue nas negativações. Tem gente que nem lê e sai negativando.

Algum tempo atrás, lembro que o Camargoer sugeriu que a negativada exigisse uma justificativa. Seria interessante.

De qualquer forma você trouxe boas informações. Obrigado!

Camargoer.

Pois é…. Quando avaliamos um.projeto, se for para aprovar é direto… Para negar tem que justificar.

Aqui, o maus simples é ignorar mesmo… Gente legal, quando discorda, coloca um comentário inteligente no debate.. eu e o Leandro estamos debatendo lá no “naval” a história das guerras..

E discordando de muita coisa.. riso.

Rommelqe

Ô prezado professor, tudo bem contigo? Pois é, tenho acompanhado o diálogo de vcs la no Naval. Quando o debate/análise em conjunto é realizado de forma honesta, sincera e produtiva o objetivo do forum é atingido! Agora, quando a negativação é sem sentido, meramente gratuita, é para pensar mesmo com qual objetivo é realizada. Lembramos, certamente, de n casos nos quais, por exemplo, uma informação de pleno conhecimento público é realizada e o cara vem negativar. Isso não tem sentido mesmo e só tumultua o fórum. Forte abraço. Qq dia vou por aí em SC.

Tomcat4,5

O sorriso do “garoto” perto da máquina !!!rs

teno

que tal agora um caça bombardeiro de longo alcance; pois sabemos que a tal aeronave tem seu limite.

Sensato

Acho mais provável o desenvolvimento na linha do KC390 “entregando” munições inteligentes pela rampa traseira na linha do projeto Rapid Dragon dos EUA

Carlos Campos

ia falar a mesma coisa

Sensato

Sugestão aos editores. Saiu uma matéria em outro site sobre declarações de um representante da Saab falando sobre intenções de desenvolvimentos de sexta geração em conjunto por Saab e Embraer. Daria um bom debate.

Fernando "Nunão" De Martini

Sensato, obrigado pela informação, mas ela é a mesma que já temos, pois foi apurada no mesmo lugar.
Amanhã publicaremos matéria aqui no site justamente sobre isso. Aguarde para discutir o assunto nela.

Marcelo Andrade

Eitcha , a galerinha do “isso não tem no nosso Gripen” vai começar a pertubar!!! 1, 2 e….

Ricardo Neto

A primeira foto mostra o que parece ser um farol lateral de identificação de alvos, obliquamente apontado para cima, provavelmente para visualizar a barriga dos bombardeiro e caças russos durante interceptações noturnas.

Last edited 4 dias atrás by Ricardo Neto
Camargoer.

Olá. A sexta foto mostra a pintura desgastadas pelo atrito, já mostrando a superfície do material compósito usando na fabricação da peça.

Rinaldo Nery

Só uma pequena correção: o nome correto para “turbina de partida jato” é LPU (Low Pressure Unit).
http://www.alptron.com.br/lpu-aeronave

Last edited 4 dias atrás by Rinaldo Nery
Marcos
Fernando "Nunão" De Martini

Marcos,
Amanhã haverá matéria aqui no Poder Aéreo justamente sobre esse assunto.
Aguarde.