Saab JAS 39C com MS20, dotado de SDBs, Meteor e IRIS-T

Por Sérgio Santana*

No final dos anos 1970, a Suécia procurou substituir seus Saab 35 Draken e Saab 37 Viggen . A Real Força Aérea sueca exigia uma aeronave Mach 2 acessível com bom desempenho de pouso e decolagem curtos para um plano de base disperso defensivo em caso de invasão; o plano incluía pistas rudimentares de 800 m de comprimento por 17 m de largura que faziam parte do sistema Bas 90.

Um dos objetivos era que a aeronave fosse menor que o Viggen enquanto igualasse ou melhorasse suas características de alcance e carga útil. As primeiras propostas incluíam o Saab 38, também chamado de B3LA, concebido como aeronave de ataque e treinamento, e o A20, um desenvolvimento do Viggen que teria capacidades como aeronave de caça, ataque e reconhecimento marítimo.

Vários projetos estrangeiros também foram estudados, incluindo o General Dynamics F-16 Fighting Falcon, o McDonnell Douglas F/A-18 Hornet, Northrop F-20 Tigershark e o Dassault Mirage 2000. Por fim, o governo sueco optou por um novo caça a ser desenvolvido pela Saab.

Três caças supersônicos da Saab: Viggen, Draken e Gripen

Em 1979, o governo iniciou um estudo pedindo uma aeronave cujos sistemas fossem capazes de executar funções de caça, ataque e reconhecimento durante a mesma missão, o que viria a ser denominado décadas depois como “swingrole”: era o projeto “JAS”, que significa Jakt (Caça), Attack (Ataque) e Spaning (Reconhecimento).

Vários projetos da Saab foram revisados, sendo o mais promissor o “Projeto 2105” (redesignado “Projeto 2108” e, posteriormente, “Projeto 2110”), recomendado ao governo pela Administração de Material de Defesa (Försvarets Materielverk, ou FMV). Em 1980, IndustriGruppen JAS (IG JAS, grupo de indústria do JAS) foi estabelecido como uma joint venture entre Saab-Scania, LM Ericsson, Svenska Radioaktiebolaget , Volvo Flygmotor e Försvarets Fabriksverk, o braço industrial das forças armadas suecas.

A aeronave preferida era monomotor, monoposto leve, adotando a tecnologia fly-by-wire, canards e um design aerodinamicamente instável. O motor selecionado foi o Volvo- Flygmotor RM12, um derivado licenciado do General Electric F404-400; as prioridades de desenvolvimento do motor foram a redução de peso e a redução do número de componentes. Em 30 de junho de 1982, com a aprovação do Parlamento sueco, a FMV emitiu contratos para a Saab, abrangendo cinco protótipos e um lote inicial de 30 aeronaves de produção.

Em janeiro de 1983, um Viggen foi convertido em uma aeronave de teste de voo para os aviônicos pretendidos do JAS 39, como os controles fly-by-wire. O JAS 39 recebeu o nome Gripen (Grifo) por meio de um concurso público, que é o brasão no logotipo da Saab.

Um Viggen modificado, ESS JAS, equipado com o Sistema de Controle Voo Eletrônico, apoiando o desenvolvimento do JAS 39 Gripen, voou pela primeira vez em 1982
Um Viggen modificado, ESS JAS, equipado com o Sistema de Controle Voo Eletrônico, apoiando o desenvolvimento do JAS 39 Gripen, voou pela primeira vez em 1982

Projeto

O Gripen é um avião de caça multimissão, concebido como uma plataforma aérea leve e ágil com aviônicos avançados e altamente adaptáveis. Possui superfícies de controle canard que contribuem com uma força de sustentação positiva em todas as velocidades, enquanto a sustentação generosa da asa delta compensa o estabilizador traseiro produzindo sustentação negativa em altas velocidades, aumentando o arrasto induzido. Ser intencionalmente instável e empregar controles de voo fly-by-wire digitais para manter a estabilidade remove muitas restrições de voo, melhora a manobrabilidade e reduz o arrasto.

O Gripen também tem bom desempenho em decolagens curtas, sendo capaz de manter uma alta taxa de planeio e fortalecido para suportar as tensões de pousos curtos. Um par de freios aerodinâmicos está localizado nas laterais da fuselagem traseira; os canards também se inclinam para baixo para atuar como freios aerodinâmicos e diminuir a distância de pouso. É capaz de voar em um ângulo de ataque de 70–80 graus.

Estudos de configuração do Gripen

Para permitir que o Gripen tenha uma longa vida útil, aproximadamente 50 anos, a Saab o projetou para ter baixos requisitos de manutenção. Os principais sistemas, como o motor RM12 e o radar PS-05/A, são modulares para reduzir o custo operacional e aumentar a confiabilidade. O Gripen foi projetado para ser flexível, de modo que sensores, computadores e armamentos recém-desenvolvidos pudessem ser integrados à medida que a tecnologia avançasse. A aeronave foi estimada em aproximadamente 67% proveniente de fornecedores suecos ou europeus e 33% dos EUA.

Comparação de tamanho entre o Viggen e o Gripen

Aviônicos e sensores

Todos os aviônicos do Gripen são totalmente integrados usando cinco barramentos de dados digitais MIL-STD-1553B, no que é descrito como “fusão de sensores”. A integração total dos aviônicos torna o Gripen uma aeronave “programável”, permitindo que atualizações de software sejam introduzidas ao longo do tempo para aumentar o desempenho e permitir funções e equipamentos operacionais adicionais.

A linguagem de programação Ada foi adotada para o Gripen e é usada para os controles de voo primários nos protótipos desde finais de 1996 em diante e em todas as aeronaves de produção subseqüentes. O software do Gripen está sendo aprimorado continuamente para adicionar novos recursos, em comparação com o Viggen anterior, que foi atualizado apenas em um cronograma de 18 meses.

Cockpit dos Gripen A e B

Grande parte dos dados gerados pelos sensores a bordo e pela atividade do cockpit são registrados digitalmente durante toda a missão. Essas informações podem ser reproduzidas no cockpit ou facilmente extraídas para análise pós-missão detalhada usando uma unidade de transferência de dados que também pode ser usada para inserir dados da missão na aeronave.

O Gripen, como o Viggen, foi projetado para operar como um componente de um sistema de defesa nacional em rede, que permite a troca automática de informações em tempo real entre aeronaves Gripen e instalações terrestres. De acordo com a Saab, o Gripen apresenta “o link de dados mais desenvolvido do mundo”. O sistema de navegação tática Ternav combina informações de vários sistemas de bordo, como computador de dados aéreos, radar altímetro e GPS para calcular continuamente a localização do Gripen.

O novo Gripen E/F usa um novo radar Active Electronically Scanned Array (AESA), Raven ES-05, baseado na família de radares Vixen AESA da Selex ES. Entre outras melhorias, o novo radar é capaz de escanear um campo de visão muito maior e alcance aprimorado. Além disso, o novo Gripen integra o sensor Skyward-G Infra-red search and track (IRST), que é capaz de detectar passivamente emissões térmicas de alvos aéreos e terrestres nas proximidades da aeronave. Os sensores do Gripen E são considerados capazes de detectar alvos de baixa seção transversal do radar (RCS) além do alcance visual. Os alvos são rastreados por um sistema composto por sensores a bordo ou por meio da função de link de dados da Unidade Auxiliar do Transmissor do radar.

Sistema de controle de voo do Gripen
Sistema de controle de voo para o Saab JAS 39 Gripen – FCS digital de autoridade total com três canais e sistema de backup digital
Como atuam as superfície de controle do Gripen
Como atuam as superfície de controle do Gripen
Principais sistemas do Gripen
Parceiros do Gripen

Os controles de voo primários são compatíveis com o princípio de controle Hands On Throttle-And-Stick (HOTAS) – o manche montado centralmente, além de pilotar a aeronave, também controla os visores da cabine e os sistemas de armas. Um sistema fly-by-wire digital triplex é empregado nos controles de vôo do Gripen, com um backup mecânico para o acelerador. Funções adicionais, como comunicações, navegação e dados de suporte à decisão, podem ser acessadas por meio do painel de controle frontal, diretamente acima da tela central do cockpit.

O Gripen inclui o sistema de exibição do cockpit EP-17, desenvolvido pela Saab para fornecer aos pilotos um alto nível de consciência situacional e reduzir a carga de trabalho do piloto por meio do gerenciamento inteligente de informações. O JAS 39 apresenta uma capacidade de fusão de sensores, informações de sensores e bancos de dados a bordo são combinadas, analisadas automaticamente e dados úteis são apresentados ao piloto por meio de um amplo campo de visão Head-Up Display, três grandes monitores coloridos multifuncionais e opcionalmente, um sistema de exibição montado no capacete (HMDS).

Cockpit do Gripen C

Dos três visores multifuncionais (MFD), o visor central é para dados de navegação e missão, o visor à esquerda do centro mostra o status da aeronave e informações de guerra eletrônica, e o visor à direita do centro exibe informações sensoriais e de fogo informações de controle. Nas variantes de dois lugares, os mostradores do assento traseiro podem ser operados independentemente da disposição do mostrador do próprio piloto no banco da frente. A Saab promoveu esta capacidade como sendo útil durante a guerra eletrônica e missões de reconhecimento, e durante a realização de atividades de comando e controle. Os MFDs são intercambiáveis e projetados para redundância em caso de falha, as informações de voo podem ser apresentadas em qualquer um dos monitores.

A Saab e a BAE desenvolveram o Cobra HMDS para uso no Gripen, baseado no Striker HMDS usado no Eurofighter. Em 2008, o Cobra HMDS foi totalmente integrado em aeronaves operacionais e está disponível como opção para clientes de exportação; ele foi adaptado para Gripens suecos e sul-africanos mais antigos. O HMDS fornece controle e informações sobre indicação de alvo, dados do sensor e parâmetros de voo, e é opcionalmente equipado para operações noturnas e com filtragem química/biológica. Todas as conexões entre o HMDS e o cockpit foram projetadas para desprendimento rápido, para uso seguro do sistema de ejeção.

Motor

Motor GE F404

Todos os Gripens em serviço em janeiro de 2014 são movidos por um motor turbofan Volvo RM12 (agora GKN Aerospace Engine Systems), um derivado fabricado sob licença do General Electric F404, alimentado por um duto em Y com placas divisoras; as mudanças incluem maior desempenho e confiabilidade aprimorada para atender aos critérios de segurança de uso de um único motor, bem como maior resistência a incidentes de colisão com pássaros. Vários subsistemas e componentes também foram redesenhados para reduzir as demandas de manutenção. Em novembro de 2010, o Gripen havia acumulado mais de 143.000 horas de voo sem uma única falha ou incidente relacionado ao motor.

Equipamentos e armamentos

O Gripen é compatível com vários armamentos diferentes, além do canhão único de 27 mm Mauser BK-27 da aeronave (omitido nas variantes de dois lugares), incluindo mísseis ar-ar, como o AIM-9 Sidewinder, mísseis ar-terra, como o AGM-65 Maverick, e mísseis antinavio, como o RBS-15. Em 2010, a frota Gripen da Força Aérea Sueca concluiu o processo de atualização do MS19, permitindo a compatibilidade com uma variedade de armas, incluindo o míssil MBDA Meteor de longo alcance, o míssil IRIS-T de curto alcance e a bomba guiada a laser GBU-49.

Em voo, o Gripen normalmente é capaz de transportar até 6.500 kg de diversos armamentos e equipamentos. O equipamento inclui pods de sensores externos para reconhecimento e designação de alvos, como o pod de mira LITENING de Rafael, o sistema de pod de reconhecimento modular da Saab ou o pod de reconhecimento conjunto digital da Thales.

O Gripen possui um conjunto de guerra eletrônica avançado e integrado, capaz de operar em um modo passivo indetectável ou para interferir ativamente em radares hostis; um sistema de alerta de aproximação de mísseis detecta e rastreia passivamente os mísseis que se aproximam. Em novembro de 2013, foi anunciado que a Saab seria a primeira a oferecer o bloqueador ativo descartável BriteCloud desenvolvido pela Selex ES. No ano seguinte, o Módulo de Autoproteção Modular com Tecnologia de Sobrevivência Aprimorada, um módulo de defesa contra mísseis, realizou seu primeiro voo no Gripen.

A interface homem/máquina muda ao alternar entre funções, sendo otimizada pelo computador em resposta a novas situações e ameaças. O Gripen também está equipado para usar vários padrões e sistemas de comunicação diferentes, incluindo rádio seguro SATURN, Link-16, ROVER e uplinks de satélite.

Usabilidade e manutenção

Durante a Guerra Fria, as Forças Armadas suecas deveriam estar prontas para se defender de uma possível invasão. Este cenário exigia a dispersão da força defensiva de aeronaves de combate no sistema Bas 90 para manter uma capacidade de defesa aérea. Assim, um dos principais objetivos do projeto durante o desenvolvimento do Gripen era a capacidade de operar a partir de pistas de pouso cobertas de neve de apenas 500 metros, com equipamentos capazes de possibilitar que uma equipe de seis militares pudesse aprontar o JAS 39 para uma missão de caça em até dez minutos, enquanto para missões de ataque o tempo previsto seria o dobro.

Durante o processo de projeto, grande prioridade foi dada para facilitar e minimizar a manutenção das aeronaves; além de um layout de fácil manutenção, muitos subsistemas e componentes requerem pouca ou nenhuma manutenção. As aeronaves são equipadas com o sistema HUMS, que monitora o desempenho de vários sistemas e fornece informações aos técnicos para auxiliar na manutenção. Informações do HUMS e outros sistemas podem ser submetidas para análise.

Testes, produção e melhorias

jas-39_gripen_cutaway_lg.jpg

A Saab lançou o primeiro Gripen em 26 de abril de 1987, marcando o 50º aniversário da empresa. Originalmente planejado para voar em 1987, o primeiro voo foi adiado por 18 meses devido a problemas com o sistema de controle de voo. Em 9 de dezembro de 1988, o primeiro protótipo (número de série 39-1) realizou seu voo inaugural de 51 minutos com o piloto Stig Holmström nos controles.

Durante o programa de testes, surgiram preocupações sobre os aviônicos da aeronave, especificamente o sistema de controle de voo fly-by-wire e de estabilidade relaxada. Em 2 de fevereiro de 1989, esse problema levou à queda do protótipo durante uma tentativa de pouso em Linköping; o piloto de teste Lars Rådeström saiu com o cotovelo quebrado. A causa do acidente foi identificada como oscilação induzida pelo piloto, causada por problemas com a rotina de controle de pitch do Sistema de Controle de Voo.

Em resposta ao acidente, a Saab e a empresa Calspan introduziram modificações no software da aeronave. Um Lockheed NT-33A modificado foi usado para testar essas melhorias, o que permitiu que os testes de voo fossem retomados 15 meses após o acidente. Em 8 de agosto de 1993, a aeronave de produção 39102 foi destruída em um acidente durante uma exibição aérea em Estocolmo.

O piloto de teste Rådeström perdeu o controle da aeronave durante uma rolagem em baixa altitude quando a aeronave estolou, forçando-o a ejetar. Mais tarde, a Saab descobriu que o problema era a alta amplificação das entradas rápidas e significativas na coluna de controle comandadas pelo piloto. A investigação subsequente e a correção de falhas atrasaram ainda mais os voos de teste por vários meses, retomando em dezembro de 1993.

Quatro protótipos do Saab Gripen. O primeiro deles, com indicativo – 1, foi perdido em acidente por causa de defeito no software de controle de voo, posteriormente corrigido

O primeiro pedido incluía uma opção para outros 110, que foi exercida em junho de 1992. O Lote II consistia em 96 JAS 39As monopostos e 14 JAS 39B bipostos. A variante JAS 39B é 66 cm mais longa que a JAS 39A para acomodar um segundo assento, o que também exigiu a exclusão do canhão e uma capacidade interna de combustível reduzida. Em abril de 1994, cinco protótipos e dois Gripens de produção em série haviam sido concluídos. Um terceiro lote foi encomendado em junho de 1997, composto por 50 JAS 39C monopostos atualizados e 14 JAS 39D bipostos, conhecidos como ‘Turbo Gripen’, com compatibilidade padrão OTAN para exportação.

As aeronaves do Lote III, entregues entre 2002 e 2008, possuem aviônicos mais potentes e atualizados, capacidade de reabastecimento em voo por meio de sondas retráteis a estibordo da aeronave e um sistema de geração de oxigênio a bordo (OBOGS) para missões de maior duração. O reabastecimento em voo foi testado por meio de um protótipo especialmente equipado (39-4) usado em testes bem-sucedidos com um VC10 da RAF em 1998.

Durante a edição 1995 do Paris Air Show, a Saab Military Aircraft e a British Aerospace (BAe, agora BAE Systems) anunciaram a formação da joint venture Saab-BAe Gripen AB com o objetivo de adaptar, fabricar, comercializar e apoiar o Gripen em todo o mundo. O acordo envolveu a conversão das aeronaves das séries A e B para a “exportação” das séries C e D, que desenvolveu o Gripen para compatibilidade com os padrões da OTAN.

Esta cooperação foi ampliada em 2001 com a formação da Gripen International para promover as vendas de exportação. Em dezembro de 2004, a Saab e a BAE Systems anunciaram que a BAE venderia grande parte de sua participação na Saab e que a Saab assumiria total responsabilidade pelo marketing e pedidos de exportação do Gripen.

Em 26 de abril de 2007, a Noruega assinou um acordo de desenvolvimento com a Saab para cooperar no programa de desenvolvimento do Gripen, incluindo a integração das indústrias norueguesas no desenvolvimento de futuras versões da aeronave. Em junho do mesmo ano, a Saab também firmou um acordo com a Thales Norway A/S referente ao desenvolvimento de sistemas de comunicação para o JAS39 Gripen.

Em dezembro de 2007, como parte dos esforços de marketing do Gripen International na Dinamarca, foi assinado um acordo com o fornecedor dinamarquês de tecnologia Terma A/S que os permitiu participar de um programa de cooperação industrial nos próximos 10 a 15 anos. O programa dependia parcialmente da aquisição do Gripen pela Dinamarca. Posteriormente, a Dinamarca optou por adquirir o F-35 Joint Strike Fighter.

O JAS 39E/F

Saab JAS 39E Gripen

Uma aeronave de dois lugares, designada ” Gripen Demo”, foi encomendada em 2007 como um teste para várias atualizações. Era movido pelo General Electric F414G, um desenvolvimento do motor do Boeing F/A-18E/F Super Hornet. O peso máximo de decolagem do Gripen NG foi aumentado de 14.000 para 16.000 kg, a capacidade interna de combustível foi aumentada em 40% com a realocação do trem de pouso, o que também permitiu a adição de dois pontos duros adicionais na parte inferior da fuselagem.

Seu raio de combate era de 1.300 quilômetros ao transportar seis AAMs e tanques alijáveis. O radar PS-05/A é substituído pelo novo radar AESA Leonardo Raven ES-05, baseado na família de radares Vixen AESA da Selex ES. O voo inaugural do Gripen Demo foi realizado em 27 de maio de 2008. Em 21 de janeiro de 2009, o Gripen Demo voou a Mach 1.2 sem pós-combustor para testar sua capacidade de supercruzeiro. O Gripen Demo serviu de base para o Gripen E/F, também conhecido como Gripen NG (Next Generation) e o sistema operacional MS (Mission System) 21.

Em 2010, a Suécia concedeu à Saab um contrato de quatro anos para melhorar o radar e outros equipamentos do Gripen, integrar novas armas e reduzir seus custos operacionais. Em junho de 2010, a Saab declarou que a Suécia planejava encomendar o Gripen NG, designado JAS 39E/F, e entraria em serviço em 2017 ou antes, dependendo dos pedidos de exportação. Em agosto de 2012 a Suécia anunciou que planejava comprar 40–60 caças Gripen E/F. O governo sueco decidiu comprar 60 Gripen Es em janeiro de 2013. Após um referendo nacional em 2014, a Suíça decidiu não adquirir caças substitutos e adiou o processo de aquisição.

Gripen NG Demo com radar AESA ES 05 Raven

Em julho de 2013, começou a montagem do primeiro Gripen E de pré-produção. Originalmente, 60 JAS 39Cs deveriam ser adaptados como JAS 39Es até 2023, mas isso foi revisado para Gripen Es com fuselagens novas e algumas peças reutilizadas de JAS 39Cs. Em março de 2014, a Saab revelou o projeto detalhado e indicou planos para receber a certificação de tipo militar em 2018. O primeiro Gripen E foi lançado em maio de 2016.

A Saab atrasou o primeiro voo de 2016 para 2017 para se concentrar na certificação de software de nível civil; os testes de táxi de alta velocidade começaram em dezembro de 2016. Em setembro de 2015, foi anunciado que uma versão de Guerra Eletrônica do Gripen F estava em desenvolvimento. Em junho de 2017, a Saab completou o primeiro voo do Gripen E.

Em maio de 2018, o Gripen E havia alcançado o vôo supersônico e deveria iniciar os testes de carga. E pouco mais de três anos depois, a Saab anunciou que os primeiros seis Gripen Es estavam prontos para serem entregues às forças aéreas sueca e brasileira. O programa de testes de voo com Gripen Es de pré-produção tem continuado mesmo após as entregas iniciais para as Forças Aéreas da Suécia e do Brasil.

Histórico operacional

África do Sul

Saab JAS 39D Gripen da SAAF

Em 1999, a África do Sul assinou um contrato com a BAe/Saab para a aquisição de 26 Gripens (padrão C/D) com pequenas modificações para atender às suas necessidades. As entregas para a Força Aérea Sul-Africana começaram em abril de 2008. Até abril de 2011, 18 aeronaves (nove bipostos e nove monopostos) foram entregues. Enquanto o estabelecimento de uma Escola de Armas de Caça Gripen na Base Aérea de Overberg na África do Sul estava sendo considerado, em julho de 2013 a Saab descartou a opção devido à falta de apoio local para a iniciativa; A Tailândia é um local alternativo sendo considerado, assim como a base aérea tcheca de Čáslav.

Entre abril de 2013 e dezembro de 2013, os contratados sul-africanos detinham a responsabilidade principal pelo trabalho de manutenção na frota Gripen, pois os contratos de suporte com a Saab haviam expirado; esse arranjo gerou temores de que operações estendidas não fossem possíveis devido à falta de manutenção adequada. Em dezembro de 2013, a Armscor concedeu à Saab um contrato de suporte de longo prazo para a empresa realizar serviços de engenharia, manutenção e suporte em todos os 26 Gripens até 2016.

Brasil

F-39E Gripen

O programa de caça F-X2: o Dassault Rafale B/C, o Boeing F/A-18E/F Super Hornet e o Gripen NG. A Força Aérea Brasileira planejou inicialmente adquirir pelo menos 36 e possivelmente até 120 posteriormente, para substituir suas aeronaves Northrop F-5EM e Dassault Mirage 2000C. Em fevereiro de 2009, a Saab apresentou uma proposta para 36 caças Gripen NG.

No início de 2010, o relatório final de avaliação da Força Aérea Brasileira teria colocado o Gripen à frente, sendo fator decisivo o menor custo unitário e custos operacionais. Após atrasos devido a restrições financeiras, em 18 de dezembro de 2013 foi anunciada a seleção do Gripen NG. Os principais fatores foram oportunidades de fabricação doméstica, transferência total de tecnologia, participação em seu desenvolvimento e exportações potenciais para a África, Ásia e América Latina.

Em abril de 2022, o Brasil recebeu as duas primeiras aeronaves de série produzidas do F-39E e no mesmo mês a Força Aérea Brasileira anunciou a compra de mais quatro Gripens E/F para o primeiro lote, totalizando 40 aeronaves, e os estudos em andamento para um segundo lote, composto por 26 Gripens, que serão montados na fábrica da Embraer em Gavião Peixoto.

Hungria

Após a adesão da Hungria à OTAN em 1999, houve várias propostas para alcançar uma força de combate compatível com a OTAN. Considerável atenção foi dada ao estudo das opções de aeronaves de segunda mão, bem como à modificação da frota existente de Mikoyan Gurevich MiG-29 Fulcrum do país. Em 2001, a Hungria recebeu várias ofertas de aeronaves novas e usadas de vários países, incluindo Suécia, Bélgica, Israel, Turquia e Estados Unidos. Embora o governo húngaro inicialmente pretendesse adquirir o F-16, em novembro de 2001 estava negociando um contrato de arrendamento de 10 anos para 12 aeronaves Gripen, com opção de compra da aeronave no final do período de arrendamento.

Inicialmente, a Hungria planejava alugar várias aeronaves do Lote II; no entanto, a incapacidade de realizar reabastecimento aéreo e as limitações de compatibilidade de armas geraram dúvidas húngaras. O contrato foi renegociado e assinado em fevereiro de 2003 para um total de 14 Gripens, que originalmente eram padrão A/B e passaram por um extenso processo de atualização para o padrão C/D ‘Export Gripen. As últimas entregas de aeronaves ocorreram em dezembro de 2007.

Embora a Força Aérea Húngara opere um total de 14 aeronaves Gripen sob arrendamento, em 2011, o país supostamente pretendia comprar essas aeronaves. No entanto, em janeiro de 2012, os governos húngaro e sueco concordaram em estender o período de arrendamento por mais dez anos.

Dois Gripens foram perdidos em acidentes em maio e junho de 2015, deixando 12 Gripens em operação. A partir de 2017, a Hungria voltou a operar 14 caças.

Em agosto de 2021, foi assinado contrato com a Saab para modernização da frota Gripen da Força Aérea Húngara. O radar será atualizado para PS-05/Mk4 e o software será atualizado para o nível MS 20 Bloco 2. Novas armas seriam adicionadas ao arsenal dos Gripens húngaros. Os mísseis IRIS-T foram encomendados em dezembro de 2021.

Reino Unido

Gripen do ETPS

A Escola de Pilotos de Teste do Império (ETPS) no Reino Unido tem usado o Gripen para treinamento avançado de jatos rápidos de pilotos de teste sob um acordo de “arrendamento com tripulação” desde 1999. Ela opera uma aeronave Gripen D.

República Checa

Quando a República Tcheca se tornou membro da OTAN em 1999, eles precisaram substituir sua frota existente de caças Mikoyan Gurevich MiG-21 Fishbed por aeronaves compatíveis com os padrões da OTAN. Em 2000, a República Tcheca começou a avaliar uma série de aeronaves, incluindo o F-16, F/A-18, Mirage 2000, Eurofighter Typhoon e o Gripen. Uma das principais condições de aquisição foi o contrato de compensação industrial, definido em 150% do valor de compra esperado. Em dezembro de 2001, o governo tcheco anunciou que o Gripen havia sido selecionado. Em 2002, o acordo foi adiado até depois das eleições parlamentares; meios alternativos de defesa aérea também foram estudados, incluindo o arrendamento da aeronave.

Em junho de 2004, foi anunciado que a República Tcheca iria arrendar 14 Gripens modificados para atender aos padrões da OTAN. O acordo também incluiu o treinamento de pilotos e técnicos tchecos na Suécia. As seis primeiras foram entregues em abril de 2005. O arrendamento foi por um período acordado de 10 anos; as 14 aeronaves ex-Força Aérea Sueca incluíam 12 monoplaces e dois treinadores JAS 39D de dois lugares.

Em setembro de 2013, a Agência de Exportação de Defesa e Segurança anunciou que um acordo de acompanhamento com a República Tcheca havia sido concluído para estender o arrendamento por 14 anos, até 2029; as aeronaves arrendadas também passarão por extensa modernização, incluindo a adoção de novos datalinks. O arrendamento também tem a opção de eventualmente adquirir os caças de uma vez. Em 2014, o arrendamento foi prorrogado até 2027 e o contrato de serviço da Saab foi prorrogado até 2026.

Em 2015, o serviço decidiu atualizar sua frota para a configuração MS20, que foi concluída em 2018.

Suécia

Saab Gripen C e D junto a um Saab 340 AEW

A Força Aérea Sueca fez um pedido total de 204 Gripens em três lotes. A primeira entrega ocorreu em 8 de junho de 1993, quando 39102 foi entregue durante uma cerimônia em Linköping; o último do primeiro lote foi entregue em 13 de dezembro de 1996. A Força Aérea recebeu seu primeiro exemplar do Lote II em dezembro de 1996.

O JAS 39 entrou em serviço com o Ala F 7 em Skaraborg em novembro de 1997.A última aeronave do Lote três foi entregue à FMV em 26 de novembro de 2008. Este lote de Gripens foi equipado para reabastecimento em vôo de Hércules TP84s especialmente equipados. Em 2007, um programa foi iniciado para atualizar 31 dos caças JAS 39A/B da força aérea para JAS 39C/Ds. Em janeiro de 2013, a Real Força Aérea da Suécia tinha 134 JAS 39 em serviço e em março de 2015 recebeu seu JAS 39C final.

Em 29 de março de 2011, o parlamento sueco aprovou a Força Aérea Sueca para um desdobramento de 3 meses para apoiar a zona de exclusão aérea ordenada pela ONU sobre a Líbia. O desdobramento de oito Gripens, dez pilotos e outro pessoal começou em 2 de abril. Em junho de 2011, o governo sueco anunciou um acordo para estender o desdobramento de cinco Gripens.

Em 25 de agosto de 2012, o governo sueco anunciou que 40-60 JAS 39E/F Gripens deveriam ser adquiridos até 2023. Em janeiro de 2013, o governo sueco aprovou o acordo para 60 JAS 39Es a serem entregues entre 2018 e 2027.Em 3 de março de 2014, o ministro da defesa do país afirmou que outros 10 JAS 39Es poderiam ser encomendados, o que foi posteriormente confirmado.

Também há planos para manter alguns dos Gripen C/D ativos após 2025. Isso foi recomendado pelo comitê consultivo de defesa sueco em 2019.

Em dezembro de 2022, a Suécia encomendou um pacote de atualização da Saab para vários de seus caças Gripen C/D. A atualização inclui novos motores, um novo radar e um novo sistema de guerra eletrônica. O período do contrato é 2023-2029.

Tailândia

Saab 340 AEW e Gripen D – foto Saab

Em 2007, o Parlamento da Tailândia autorizou a Royal Thai Air Force (RTAF) a gastar até 34 bilhões de baht (US$ 1,1 bilhão) como parte de um esforço para substituir a frota Northrop F-5 existente da Tailândia. Em fevereiro de 2008, a RTAF encomendou seis Gripens (dois modelos C de assento único e quatro modelos D de dois assentos) da Saab; as entregas começaram em 2011. A Tailândia encomendou mais seis Gripen Cs em novembro de 2010; as entregas começaram em 2013. Em 2010, a Base Aérea de Surat Thani foi selecionada como a principal base operacional do Gripen da RTAF.

A primeira das seis aeronaves foi entregue em 22 de fevereiro de 2011. A Saab entregou três Gripens em abril de 2013 e mais três em setembro de 2013.

Variantes

Gripen A, ou JAS 39A: versão inicial de assento único que entrou em serviço na Real Força Aérea sueca em 1996. Vários foram atualizados para o padrão C.

Gripen B, ou JAS 39B: versão de dois lugares do 39A para treinamento, missões especializadas e conversão de tipo. Para encaixar o segundo membro da tripulação e os sistemas de suporte à vida, o canhão interno e um tanque de combustível interno foram removidos e a fuselagem alongada em 0,66 m.

Gripen C, ou JAS 39C: versão de assento único compatível com a OTAN com capacidades estendidas em termos de armamento, eletrônica, etc. Pode ser reabastecido em voo. Foi entregue em setembro de 2002.

Gripen D, ou JAS 39D: versão de dois lugares do JAS 39C, com alterações semelhantes ao JAS 39B.

Gripen NG: Demonstrador de tecnologia Gripen Demo. As mudanças do JAS 39C incluem o motor F414G mais potente, o radar Raven ES-05 AESA, maior capacidade de combustível e carga útil e duas estações de armas adicionais.

Gripen E, ou JAS 39E: versão de produção monoposto desenvolvida a partir do programa Gripen NG, ao preço de US$ 85 milhões a unidade. A Suécia e o Brasil encomendaram a variante. A designação brasileira para esta variante é F-39E.

Gripen F, ou JAS 39F: versão de dois lugares do JAS 39E. Oito encomendados pelo Brasil, para serem desenvolvidos e montados em São Bernardo do Campo, Brasil; planejados para treinamento de pilotos e combate, sendo otimizados para gerenciamento de batalha aérea a partir do assento traseiro, como interferência, guerra de informação e ataque de rede, além de oficial do sistema de armas e funções de guerra eletrônica. A designação brasileira para a variante é F-39F.

JAS 39C/D

Características gerais

  • Comprimento: 14,1 m; JAS 39C, 14,8 m  JAS 39D
  • Envergadura: 8,4 m
  • Altura: 4,5 m
  • Área da asa: 30 m2
  • Peso vazio: 6.800 kg
  • Peso máximo de decolagem: 14.000 kg
  • Carga útil: 5.300 kg
  • Motorização: Um motor turbofan Volvo RM12, com potência máxima seca de 5.488kg e 8.210kg em pós combustão
  • Velocidade máxima: Mach 2
  • Alcance de combate: 800 km
  • Alcance máximo: 3.200 km
  • Teto de serviço: 15.240 m
  • Limites de g: +9/−3 (+12 se necessário)
  • Carga da asa: 283 kg/m
  • Impulso/peso: 0,97
  • Distância de decolagem: 400 m
  • Distância de pouso: 500 m

Armamento

Canhões: 1 × canhão revólver Mauser BK-27 de 27 mm com 120 cartuchos (somente modelos de assento único)

Hardpoints: 8 (dois sob a fuselagem, dois cada asa e um em cada ponta de asa, sendo um destes para pods de FLIR/ECM/Laser/Reconhecimento com capacidade para 5.300 kg, com provisões para transportar combinações de:

Mísseis:

  • 6 IRIS-T (Rb.98) ou AIM-9 Sidewinder (Rb.74) ou A-Darter
  • 4 MBDA Meteor (Rb.101), AIM-120 AMRAAM (Rb.99) ou MBDA MICA
  • 4 AGM-65 Maverick
  • 2 Taurus KEPD.350
  • 2 RBS-15F míssil

Bombas:

  • 4 GBU-12 Paveway
  • 8 Mk82
  • 16 GBU-39

Outras cargas

  • 1 Pod de contramedidas eletrônicas (ECM) ALQ-TLS
  • 1 Pod de Reconhecimento Conjunto Digital

Aviônicos

  • Radar: PS-05/A Pulse-Doppler
  • Visor montado no capacete Cobra (HMD)

JAS 39E/F

Gripen armado com 7 mísseis ar-ar Meteor

Características gerais

  • Comprimento: 15,2 m JAS 39E; 15,9 m, JAS 39F
  • Envergadura: 8,6 m
  • Altura: 4,5 m
  • Área da asa: 30 m2
  • Peso vazio: 8.000 kg
  • Peso máximo de decolagem: 16.500 kg
  • Carga útil: 7.200 kg
  • Motorização: 1 × motor turbofan de pós-combustão General Electric RM16 (F414-GE-39E), de 6.304kg de empuxo seco e 9.979kg com pós-combustor
  • Velocidade máxima: Mach 2
  • Alcance de combate: 1.500 km
  • Alcance máximo: 4.000 km
  • Teto de serviço: 16.000 m
  • Limites g: +9 -3
  • Carga da asa: 283 kg/m2
  • Impulso/peso: 1,04
  • Distância de decolagem: 500 m
  • Distância de pouso: 600 m

Armamento

As cargas externas do Gripen E. Clique na imagem para ampliar

Canhões: 1 × canhão revólver Mauser BK-27 de 27 mm com 120 cartuchos (somente modelos de assento único)

Hardpoints: 10 (três hardpoints sob a fuselagem, dois sob cada asa, um em cada ponta da asa e um dedicado para o pod FLIR/LD/Recon) com capacidade para 7.200 kg, com provisões para transportar combinações de:

Mísseis:

  • 8 IRIS-T (Rb.98), AIM-9 Sidewinder (Rb.74) ou A-Darter
  • 7 MBDA Meteor (Rb.101)
  • 2 Taurus KEPD.350
  • 6 Rbs.15F

Bombas:

  • 7 GBU-12 Paveway II
  • 8 Mark 82
  • 16 GBU-39 SDB
  • 12 Bombas alternativa de pequeno diâmetro

Outras

  • 1 pod de contramedidas eletrônicas (ECM) ALQ-TLS
  • 1 Pod de Reconhecimento Conjunto Digital
  • 1 Pod de Reconhecimento Rafael Reccelite
  • 1 pod de segmentação Litening III

Aviônicos

  • Radar Selex ES-05 Raven AESA
  • Sistema IRST Skyward-G
  • Sistema tático de link de dados ar-ar e ar-superfície
  • Exibição de área ampla (WAD)
  • Visor montado no capacete Targo (HMD)
  • Sistema avançado de visão noturna ANVIS/head up display (HUD)

*Bacharel em Ciências Aeronáuticas (Universidade do Sul de Santa Catarina – UNISUL), pós-graduado em Engenharia de Manutenção Aeronáutica (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/MG). Colaborador de Conteúdo da Shephard Media. Colaborador das publicações Air Forces Monthly, Combat Aircraft e Aviation News. Autor e co-autor de livros sobre aeronaves de Vigilância/Reconhecimento/Inteligência, navios militares, helicópteros de combate e operações aéreas

Subscribe
Notify of
guest

26 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
109F-4

Interessante a sincronia entre os canards, os elevons e os “edge flaps”… em altos AoA os canards ficam num ângulo que profundores tradicionais não ficariam…

Rafael Coimbra

Isso tb é interessante… “o novo Gripen integra o sensor Skyward-G Infra-red search and track (IRST)” ….. menos o brasileiro…

Bruno

Pronto. Tópico do Gripen não é tópico sem IRST…nunca falha ! Rs

Coronel James Braddock

O jato é mais britânico do que sueco.

Impressiona a quantidade de componentes britânicos no caça

Tomcat4,4

Diziam o mesmo do Rafale e hoje vende a rodo então……

Emmanuel

O lobby francês é muito maior que o sueco. Não tem como fazer comparação.
A França pesa muito mais que a Suécia numa mesa de negociação.
Assim como a França vira Suécia numa concorrência contra os Estados Unidos.

Vira-lata Sincero

Compramos um avião ainda no papel… Afundamos submarinos parados … Contratamos um técnico para seleção que nunca treinou ninguém…Não adianta. O DNA português fala mais alto…

Camargoer.

Portugal foi o primeiro estado moderno. Foi o primeiro a se lançar nas grandes navegações. Foi a primeira potência global. D.João IV foi o único regente europeu que enganou Napoleão. A família real portuguesa foi a única que permaneceu no poder após após a independência da sua principal colônia. E tem Fernando Pessoa. O DNA português é poderoso.

ChinEs

O Gripen mais parece um aviao do UK, muitos componentes ingleses.

Wellington Kramer

A nacionalidade é dada pelo projeto.

ChinEs

Mais uma razao da Argentina estar fora da lista dos compradores do Gripen

Alberto

O interesse do Brasil começou em 1995, em 2022 começa a receber os aviões, por um preço altíssimo pois terá transferência de tecnologia… O Irã em alguns meses negocia e acerta a compra de 24 SU-35, que possivelmente no final serão 64 caças, com uma parte fabricada no Irã, e oque os russos não transferirem de tecnologia o Irã fará engenharia reversa. Incrível… O mais interessante, China e Rússia um dia podem ter interesse em uma ação militar contra o Brasil? A Rússia é riquíssima em matérias-primas, a China tem a Rússia e os países africanos para fornecer matérias-primas. Mas… Read more »

Henrique

O mesmo interesse que os outros tem na Amazônia é o mesmo interesse que a Rússia e China tem.. pra Rússia não custa nada falar que todo mundo aqui é nazi e ela precisa proteger o povo venezuelano que é descendente de russo ou povo russo na Venezuela kkkkkkk


Brasil compra do ocidente pq o negócio funciona e tem garantia pós venda… A china tem isso? (Não inclua a Rússia na resposta pq vai ser piada pronta)

Alberto

Não há motivo para China e Rússia ter interesse na Amazônia.
Até hj não tiveram nenhuma ação em relação a isso.
O Ocidente tem motivos, mas o principal, AGE nesse sentido.
Deixa pra lá…
Com relação a qualidade dos armamentos mesmo não estando em combate é só ver a quantidade de falhas de equipamentos dos EUA e Europa, a todo momento tem notícias…

Henrique

“Não há motivo para China e Rússia ter interesse na Amazônia.” HA mais interesses na Amazônia que que arvores lá… tu acha que China não teria interesse em minerar terras raras na Amazônia.. pra ela seria ótimo.. polui o pais do tupiniquim lá e fecho ainda mais se do nada parecer algum tribo querendo se separar — “Com relação a qualidade dos armamentos mesmo não estando em combate é só ver a quantidade de falhas de equipamentos dos EUA e Europa, a todo momento tem notícias…” pois é… a diferença é que gente sabe da falhas pq eles mesmo falam… Read more »

Last edited 11 dias atrás by Henrique
Slow

” O mesmo interesse que os outros tem na Amazônia é o mesmo interesse que a Rússia e China ” Nada disso, além da Rússia defender o Brasil ter bomba atômica ela também defende a ampliação do conselho de segurança da ONU pra entrar Brasil e Índia . ” não custa nada falar que todo mundo aqui é nazi e ela precisa proteger o povo venezuelano ” Acorda pra vida a Rússia não tem cacife e nem interesse pra bancar tropas aqui ainda mas pra defender a Venezuela contra o Brasil kkkkkkkkkk .. ” e outra vc vive falando que… Read more »

Willber Rodrigues

Sem comparação.
Esses SU-35 já estavam prontos pra entrega pro Egito, quando a venda foi embargada, e estava estocadas, quando foram compradas pelo Irã. Por isso a pronta entrega´´.
Além do mais, ao contrário do Brasil, o Irã não tem muitas opções de compra no mercado, devido ao embargo.
Ou compra da Rússia, ou compra da China.

Saldanha da Gama

Todos tem interesse na Amazônia. É reserva mundial da água ao minério e vice-versa.

Camargoer.

Caro Alberto, Como o valor total do contrato envolve treinamentos, armamentos, compra de prateleira ou fabricação local, é preciso cuidado. De qualquer modo, a Alemanha comprou F35 com capacidade nuclear por cerca de US$ 200 milhões a unidade (valoes de padaria), a Polônia comprou F35 de prateleira sem offset por US$ 150 milhões. O Brasil comprou o F39, já envolvendo a fabricação nacional e uma séria de acordos de offset por cerca de US$ 110 milhões (padaria). Se quer sustentar um argumento, precisa apresentar os fatos e números.

Alberto

E foi justamente a União Soviética que entregou a localização dos navios ingleses no Atlântico para a Argentina…

Alberto

O Brasil dorme em berço esplêndido e brinca com sua soberania no horizonte…

Morgoth
Nonato

“A Real Força Aérea sueca exigia uma aeronave Mach 2 acessível com bom desempenho de pouso e decolagem curtos”…
Não querem nada…

Nonato

Já terminou a materia?
Preciso de alguns dias para ler tudo…
Uma enciclopedia…

José C. Messias

EXCELENTE MATÉRIA. Rica em aspectos técnicos que revelam a evolução e sofisticação do Gripen. Parabéns ao autor, Sergio Santana.

Joli Le Chat

Totalmente de acordo, é muito bem escrita e traz muitas informações relevantes. Conteúdo diferenciado. Parabéns ao Sérgio Santana.