sexta-feira, outubro 22, 2021

Gripen para o Brasil

Aeronave de treinamento básico HAL HTT-40 pronta para liberação de certificação, diz oficial

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Fontes disseram que a aeronave custaria cerca de US$ 6,8 milhões e a HAL investiu mais de US$ 82 milhões para desenvolvê-la

Depois de demonstrar dez parafusos em 4 de agosto e completar surtidas noturnas nos últimos dias, a aeronave de treinamento HTT-40 (Hindustan Turbo Trainer-40), que foi construída pela Hindustan Aeronautics Limited, está pronta para as autorizações de certificação.

Altos funcionários da HAL disseram que surtidas noturnas da aeronave foram realizadas em 31 de agosto e 1 de setembro. “Terminamos os testes de rotação e de certificação. Agora, daremos continuidade ao processo de liberação das certificações”, acrescentou o responsável.

Destinado a substituir o HPT-32 (Hindustan Piston Trainer), o HTT-40 é uma aeronave de treinamento básico desenvolvida para a primeira etapa do treinamento de pilotos novatos da Força Aérea Indiana. No estágio dois, eles passam a voar no jato de treinamento Kiran Mark II, enquanto o terceiro estágio é feito na aeronave de treinamento avançado Hawk.

Fontes disseram que a aeronave custaria cerca de US$ 6,8 milhões e a HAL investiu mais de US$ 82 milhões para desenvolvê-la.

Inicialmente, atrasos no desenvolvimento da aeronave resultaram em pedidos da IAF para aquisição de 75 turboélices Pilatus PC-7 Mk II de fabricação estrangeira para atender às suas necessidades em 2012. O Ministério da Defesa (MoD) em 2015 optou por comprar 38 aeronaves Pilatus do fabricante suíço com as 68 restantes provenientes da HAL.

No entanto, em 2019, o MoD suspendeu as negociações comerciais com o fabricante suíço devido a uma investigação do Central Bureau of Investigation sobre alegadas irregularidades na ordem de aquisição da aeronave.

Em 2015, a HAL concluiu o projeto do HTT-40 e, no ano seguinte, o primeiro protótipo voou na presença do então ministro da Defesa Manohar Parrikar.

Durante a Aero India 2021, a HAL recebeu um Pedido de Proposta (RFP) da IAF para 70 aeronaves com cláusulas adicionais para mais 38.

As liberações de certificação para o HTT-40 serão dadas de acordo com os protocolos de Revisão de Qualidade e Conformidade do Programa (PCQR) após os quais, a produção ocorrerá nas unidades de manufatura da HAL em Bengaluru e Nashik.

O treinador básico da HAL terá mais de 60 por cento de conteúdo autóctone e é apoiado por agências como o Centre for Military Airworthiness and Certification (CEMILAC) e o Aircraft and Systems Testing Establishment (ASTE), entre outros

Em 2019, a HAL afirmou que o HTT-40 completou todos os principais pontos de teste e atende aos Preliminary Staff Qualitative Requirements (PSQR) emitidos pela sede aérea para o programa de Aeronaves Instrutoras Básicas (BTA). Ele também completou testes de estol, religação de motor, voo invertido, voo acrobático e testes de sistemas.

Em 14 de novembro de 2019, o chefe do ar Marechal RKS Bhadauria realizou seu voo inaugural no HTT-40. Durante a surtida, ele avaliou as características de voo da aeronave, incluindo capacidade de estol e parafuso.

O Ministério da Defesa em 2020 autorizou a compra de 106 aeronaves HTT-40 da HAL.

“As negociações estão em andamento e, com sorte, até o final do ano, a bola começará a rolar. Recebemos o RfP da IAF durante o Aero India e, depois disso, a proposta foi apresentada. O próximo processo é negociação e auditoria. Esperançosamente, até o final do ano financeiro, assinaremos o contrato”, disse um alto funcionário da HAL.

A aeronave turboélice de treinamento, com assentos tandem, será usada para treinamento básico de voo, incluindo acrobacias, vôo por instrumentos, navegação, formação próxima e vôo noturno.

Com velocidade máxima de 450 km / h, a aeronave terá os parâmetros técnicos de sistemas de aeronaves modernos, como Full Authority Digital Engine Control com assentos com ejeção zero-zero e visores multifuncionais. Uma das características da aeronave é que ela tem uma alta taxa de subida e pode decolar em distâncias curtas. A aeronave pode voar uma distância máxima de 1.000 quilômetros.

FONTE: The Indian Express

- Advertisement -

21 Comments

Subscribe
Notify of
guest
21 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nilo

Me parecesse ainda ter vantagem do piloto do assento traseiro sentado um pouco mais acima que o dianteiro, do Tucano e do ST.

Nilo

…parece…

Teixeira

Compra de oportunidade para o Brasil

Flanker

Fuselagem bastante curta. Asas e profundores bastante próximos. Sei que foi projetado por engenheiros e eles sabem o que fazem, mas não fica um pouco instável lateralmente?

Tutu

Será que dá um bom substituto para o T-25?

Maurício.

Tutu, para o substituto do T-25 eu acho mais interessante uma aeronave com assentos lado a lado, tipo o grob 120tp.

Nostra

Hansa-NG 1st flight couple of days ago

E-XPx6bX0AMTRu6.jpeg
Nostra

In other news HTT36 intermediate jet trainer has renewed its flight tests

It has completed 2 turn spin recovery tests which will be scaled upto 10 as required by IAF

14105927_etwqsf2voaauhlk_jpeg_jpegb655a0caa701b5944534a534bd101ac8.jpeg
Nostra

Here on the tail section of HTT36 one can see the recovery gantry, it contains a parachute required by safety regulations during spin recovery flight tests

During flight tests the aircraft is forced into spin and the aircraft must be able to recover from the induced spin

14105935_e9mlhivvcaiunap_jpeg_jpeg16097d6f365c776e16511bd51bc3b26f.jpeg
rui mendes

Congratulations, is a right way.

Neto

Se não Brasil quiser entrar no ramo de construtores de motores há demandas futuras interessantes que podem fomentar nossa indústria.
.
– De motor a pistão dos futuros substitutos dos t-25
– turbo-helice para uCav para MD;
– motor a jato para substituto de controle remoto do P3, e, talvez, em um treinador a jato e substituto parcial do A-29.

Joli Le Chat

Hi Nostra,

Do you know if the HTT-40 engine manufacturer is also from India?

Alisson Mariano

De acordo com a Wikipedia, o propulsor é o Honeywell Garrett TPE331-12B turboprop.

Saudações.

V12 aero

Nome oficial “rabicó” coisa mais feia e esquisita.

fewoz

Pouco a pouco, a Índia vai chegando lá e acho 60% de nacionalização um valor muito bom. Alguém saber me dizer se o preço está bom para esse tipo de aeronave? Lembro do programa espacial indiano, especialmente de sua missão a Marte, que teve orçamento baixíssimo. Fazem muito com pouco.

Nostra

60% indigenous content is for prototype stage , as production starts , progressively indigenous content will increase beyond 60%

Marcelo

Quem diria que aos poucos os indianos estão se livrando da dependecia de material de guerra estrangeiro e beneficiando o produto nacional mesmo que seja um pouco inferior !!!
Parabéns aos indianos !!!!

Luiz Floriano Alves

Poderiamos ter um Mini Tucano nesse segmento. Algo mais avançado que o Universal e atual nos avionicos e aguma arma leve.

João Mauro

Pessoal, qual aeronave poderia ser considerada como a “mãe” de todos os projetos que seguem essa linha de desenho, que tem familiaridade com o desenho do Tucano/Super Tucano, Wolverine, Pilatus etc. Pensei no Mustang e também no Skyraider. Estou certo?

Wagner

Caro João, parece mesmo que herdaram as linhas gerais do Mustang Ooo avião bonito!

Rinaldo Nery

Sim, as asas do T-27 forma baseadas no perfil da asa do P-51.

Últimas Notícias

Finlândia participa do Exercício de Defesa Aérea 2021 na Suécia

FORÇAS ARMADAS DA SUÉCIA – Durante o período de 21 de outubro, das 12h a 27 de outubro às...
- Advertisement -
- Advertisement -