quarta-feira, abril 21, 2021

Gripen para o Brasil

O chefe das PACAF pede que os E-7s substituam os antigos E-3 AWACS

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O chefe das Forças Aéreas do Pacífico (PACAF) da USAF está pedindo novas aeronaves em seu teatro para atender à necessidade de superioridade aérea, incluindo uma substituição rápida de curto prazo para velhas aeronaves de controle e alerta aerotransportado e, no futuro, o caça de próxima geração da Força.

O chefe das PACAF, general Kenneth S. Wilsbach, disse a repórteres durante o Simpósio de Guerra Aeroespacial virtual da Associação da Força Aérea que está defendendo que a USAF adquira rapidamente a aeronave de controle e alerta aerotransportado E-7 Wedgetail, derivada do Boeing 737 já em uso pela Austrália e Coreia do Sul para substituir os velhos E-3 Sentrys que têm dificuldade para se manter no ar.

“O fato é que realmente precisamos de algo relativamente rápido por causa da confiabilidade do E-3”, disse Wilsbach. “Está cada vez mais difícil voar com eles.”

O E-3 AWACS da USAF é baseado no antigo Boeing 707. Houve atualizações recentes e espera-se que a frota voe até 2030, embora Wilsbach tenha dito “é um desafio no momento devido à sua idade”.

No Pacífico, as PACAF terão a tarefa de lutar em áreas de negação de área anti-acesso montadas por adversários, o que exigiria a destruição de mísseis terra-ar e a retirada da capacidade ar-ar de um inimigo. O E-7 modernizado ajudaria com a percepção do domínio, e então as PACAF precisariam de um caça avançado para completar as missões.

Para esse fim, Wilsbach disse que está defendendo a futura plataforma Next Generation Air Dominance (NGAD) da USAF e suas armas avançadas “para que possamos permanecer relevantes enquanto nossos adversários continuam avançando”.

“A superioridade aérea é fundamental para a maioria das outras coisas que gostaríamos de poder fazer em nosso teatro”, disse ele. “Porque se você não tem superioridade aérea, quase tudo o que você deseja fazer está realmente em risco.”

FONTE: Air Force Magazine

- Advertisement -

13 Comments

Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Carlos Campos

pelo que sei os radares do E3 não são AESA, se for verdade fica mais suscetível a EW, tem que se mudar mesmo, a ÁSIA hoje é o lugar mais importante para os EUA.

Rinaldo Nery

O radar do E-3 é um TA-10 . Bem antigo.

Rinaldo Nery

TA-10 modificado.

JuggerBR

A verdade que a USAF está com o cobertor mais curto do que nunca, a maioria das aeronaves já passou muito do planejamento inicial de tempo de operação e não há verbas pra repor tudo… F-35 é aquilo que sempre falamos, KC-46 com problemas também. T-7A ao menos parece ir bem até agora.

Renato B.

Engraçado a Air Force Magazine esquecer que o E-7 é usado pelos turcos. Foi o primeiro que eu vi em Farnborough 10 anos atrás.

Nilton L Junior

Recado dado, orçamento aprovado e logo logo os 707 serão subtstituido.

Bosco

Duvido muito que essa distribuição de painéis consiga dar cobertura de 360º. Nesse ponto há uma perda em relação ao E-3. Mas claro, as outras vantagens faz compensar a substituição.

Rui Chapéu

Mas realmente precisa dos 360?

E pelo custo acho que deve ser mais barato por uns 2 737 voando do que 1 707 hoje em dia…

Ajb

Bosco
Boa tarde!

Lembro de palavras do Com. Nery, que disse mais ou menos assim:
“Se você precisar cobrir 360 graus está em lugar muito errado.”

Era um posto sobre a atualização dos aviões de alerta aéreo antecipado da FAB.

Abraços,

Carlos Crispim

Não concordo com isso não, principalmente para cobertura em alto-mar, os Awacs, que nos PAs americanos são realizados pelos E2C, necessitam de cobertura 360º, pois a ameaça pode vir de qualquer lado, sem falar que nos E3 a distância de detecção é muuuuuuuito superior aos radares fixos, bem, eu acho que o ideal é ter um de cada, para cada necessidade.

Last edited 1 mês atrás by Carlos Crispim
Rinaldo Nery

Não amigo, não pode vir de qualquer lado. Nem sobre o mar, nem em Marte. Volto a repetir: se uma força tarefa da US NAVY não sabe onde está o inimigo, volte pro porto, e rápido! Não devem ter um sistema de inteligência operacional tão ineficiente assim.

Fabio Araujo

A diferença de tecnologia e um avião mais moderno são razões suficientes para a substituição!

PCOA

a Boeing produziu para o Japão, uma versão AWACS do 767. Não seria uma célula maior, mais robusta, capaz de receber futuras atualizações e futuros incrementos? além de padronizar a frota com o KC-46. Motores, aviônica, ferramental.

Além do alcance, autonomia do 767, o que aumenta o tempo em campo de batalha e haja visto que os compromissos da USAF são globais.

Reportagens especiais

John Boyd, o piloto de caça que mudou a arte do combate aéreo

A foto acima mostra os dois caças que foram projetados segundo as ideias de um piloto chamado John Boyd....
- Advertisement -
- Advertisement -