quinta-feira, dezembro 9, 2021

Gripen para o Brasil

Congresso dos EUA determina Força Aérea maior e aumento para 225 bombardeiros

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

B-1 Lancer, B-2 Spirit e B-52 Stratofortress da USAF

Os congressistas da Câmara e do Senado dos EUA exigem uma Força Aérea maior na versão final do projeto de lei fiscal de política de defesa de 2021, direcionando a Força para construir os 386 esquadrões de combate que disse precisar cumprir a Estratégia de Defesa Nacional e, especificamente, aumentar a frota de bombardeiros para 225 aeronaves, como os líderes da USAF e vários grupos de reflexão (think tanks) sugeriram no ano passado.

A frota de 3.580 aeronaves constitui uma “estrutura de força de aviação de risco moderado”, e a Força Aérea só pode reduzir o número de aviões existentes se certificar que alguns deles foram danificados além do reparo econômico, ou que aumentou a eficácia. Conforme certificado pelo Joint Chiefs of Staff (Estado Maior Conjunto), a frota atende ao nível de capacidade exigido. Os novos números valerão até o ano fiscal de 2025.

“Os conferencistas concordam que a quantidade atual de aeronaves codificadas para combate da USAF incorre em um nível de risco além do moderado e não está alinhado com a Estratégia de Defesa Nacional”, segundo a linguagem conjunta. “Estudos múltiplos, independentes e de todo o departamento” confirmam esta conclusão e recomendam níveis semelhantes de aeronaves, a fim de alcançar uma força de “risco moderado”, conforme definido pelo Presidente da Junta de Chefes de Estado-Maior no manual “Análise Conjunta de Risco” .

O Senado definiu níveis específicos de estoque em sua versão do projeto, enquanto a Câmara definiu apenas o número geral, com a conferência adotando a linguagem do Senado. Ambas as câmaras ainda precisam aprovar o projeto, e o presidente deve assiná-lo antes que a National Defense Authorization Act se transforme em lei.

A linguagem transformaria em lei as recomendações não oficiais da Força Aérea no ano passado de que a frota de bombardeiros, agora com 157 aeronaves, fosse expandida para 225, e o número de estoque de aeronaves de missão primária – aquelas prontas para partir a qualquer momento – é para não cair abaixo de 92 aeronaves. Esses novos mínimos também são definidos até o ano fiscal de 2025.

B-52 e caças F-16

“O longo alcance, as grandes cargas úteis e as capacidades multi-missão dos bombardeiros são exatamente o tipo de atributos que os comandantes de teatro precisam para deter a agressão”, escreve o coronel aposentado Mark Gunzinger, diretor de futuros conceitos aeroespaciais e avaliações de capacidades nos Estudos do Mitchell Institute for Aerospace, na edição de dezembro da Air Force Magazine. “No entanto, vários estudos concluíram que a força de bombardeiros atual não pode gerar surtidas de ataque convencionais suficientes para um único grande conflito com um adversário semelhante e sustentar a dissuasão nuclear simultaneamente e, portanto, recomendou que a Força Aérea aumentasse o estoque o mais rápido possível … Em suma, é necessária uma mistura maior e mais equilibrada de bombardeiros penetrantes e isolados”.

Os conferencistas concordaram que a frota de B-1, que tem 62 aviões ao todo, dos quais 36 são codificados em combate, será reduzida em 12 aeronaves codificadas em combate, para 24. A Força Aérea havia solicitado a retirada de 17 B-1s, com planos de usar a economia para atualizar e operar as aeronaves restantes em um nível de prontidão mais alto. Quatro B-1s retirados do “cemitério” na Base da Força Aérea Davis-Monthan, Arizona, devem ser mantidos no Type 2000, ou armazenamento recuperável, para garantir que suas peças possam ser usadas.

Os conferencistas decidiram exigir que uma capacidade de manutenção para o B-1 seja mantida até que o B-21, o próximo bombardeiro stealth da Força Aérea, “seja colocado em campo.”

Concepção do B-21 Raider

O ataque de longo alcance com armas de combate “será conduzido principalmente pelos bombardeiros B-1 Lancer e B-52 Stratofortress na próxima década”, disse a conferência. Os membros “acreditam que é imperativo fornecer um programa de modernização de bombardeiros legado que seja compatível com a vida útil pretendida”.

A Força Aérea deve fornecer um “roteiro” até 1º de fevereiro de 2021, explicando como sua estrutura de força de bombardeiro “atenderá aos requisitos de sua missão de ataque de longo alcance” sob o NDS. Especificamente, a Força Aérea deve declarar o número mínimo total de bombardeiros de que precisa e o número mínimo daqueles a serem contados como aeronaves da missão primária.

A USAF também deve explicar quanto da força de bombardeiros precisa ser capaz de penetrar nas defesas aéreas inimigas e o número mínimo de bombardeiros de que necessita para esta missão, tanto no geral quanto no código de combate. O B-1 e o B-52 não são mais considerados capazes de penetrar nas defesas antiaéreas modernas e devem ser relegados a um papel isolado. Devem ser estabelecidas datas específicas para quando a Força Aérea alcançaria todos esses níveis de estoque de bombardeiros. A USAF deve enviar uma versão classificada e publicamente liberável do roteiro.

O número mínimo de aviões para a Força Aérea definido pela NDAA são os seguintes:

Os conferencistas definiram 287 como o número mínimo de aeronaves do tipo C-130 como o número total mínimo, com 230 como o número de aeronaves de missão primária disponíveis a qualquer momento. O Secretário da Força Aérea pode reduzir esse número apenas se um próximo Estudo de Requisitos de Capacidade de Mobilidade mostrar que um número menor será suficiente. Qualquer excesso deve ser transferido para “uma missão de voo alternativa.”

Os conferencistas disseram que foram “encorajados” pelos esforços da Força Aérea para encontrar uma solução para o sistema de visão remota do avião-tanque KC-46, que está impedindo que versões iniciais da aeronave sejam usadas como reabastecedores.

Até que a solução seja implementada, porém, os conferencistas limitaram a Força Aérea a retirar oito aviões de reabastecimento KC-10 Extender no restante deste ano, depois 12 por ano nos próximos dois anos e os 26 restantes no ano fiscal de 2023.

O Força Aérea também não pode gastar dinheiro para retirar os KC-135s e deve manter uma frota de 412 aviões-tanque como o estoque de aeronaves da missão principal.

FONTE: Air Force Magazine

- Advertisement -

23 Comments

Subscribe
Notify of
guest
23 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Adriano RA

Ainda bem que nossos congressistas também estão bastante preocupados com as condições operacionais de nossas Forças Armadas.

RenanZ

Se eles descobrissem algum método de ganharem dinheiro fácil com aparelhamento das forças armadas, tal qual várias empreiteiras e petrolíferas há algum tempo, faríamos inveja à União Europeia neste quesito.

Saldanha da Gama

2!!!!!!!!!!

Carlos Campos

os congressistas não sabem nem o que é Forças Armadas

M4CH1N3

Como dizia Dr. ENÉAS forças armadas que não estão armadas.

Marcelo Andrade

Só que lá, além da preocupação existe uma coisa chamada Lobby da Industria de Defesa e é legalizado, inclusive com pessoal agindo dentro do Congresso

RenanZ

500 reabastecedores como número mínimo….

Acho que a Boeing e Lockheed têm mais assentos no congresso do que qualquer partido, Republicano ou Democrata.

Carlos Campos

A LM financia os dois partidos.

Ferreras

Substituir os B-1 , B-52 e C-130 (em menor grau) exigirão um grande volume de recursos em um período relativamente curto.

Welington S.

A FAB possui 715 aeronaves (claro, não estão todas operacionais). Então, dada as dimensões do Brasil, a FAB deveria ter metade do que a frota dos EUA tem?

Nilo Rodarte

As responsabilidades e compromissos assumidos por cada uma das Forças Armadas dos EUA e do Brasil são completamente desproporcionais. Não é só uma questão de tamanho de território. O que, obviamente, não justifica a falta de investimento nas Forças Armadas Brasileiras.

Paulo

Aqui grande parte da midia e dos politicos querem o fim das forças armadas

Matheus S

Com o aumento de possíveis ameaças e a necessidade de patrulhar e cobrir todo o Pacífico podem ser as principais razões para isso acontecer, estão se preparando para transformar a força de bombardeiros maior e com mais capacidade para a USAF cumprir o seu papel. Isso é claro visto o número mínimo de aeronaves de reabastecimento, pois não há muitos lugares para pouso no teatro do Pacífico por conta do oceano aberto. Isso também vai expandir drasticamente as capacidades das aeronaves de ataque em toda a região do Pacífico, aumentando o alcance dessas aeronaves cobrindo grandes distâncias.

Matheus S

Vale destacar que em uma entrevista com repórteres em Abril de 2020, o chefe do AFGSC(Air Force Global Strike Command), general Timothy Ray, teria dito que o número de 220 era um “mínimo, não um teto” e acrescentou: “Nós, como Força Aérea, agora acreditamos que seja mais de 220.”

Essa notícia não pode ser uma coincidência. Resta saber se o Congresso concordará em pagar por tantos B-21s.

Last edited 11 meses atrás by Matheus S
sj1

Um dos motivos porque dá certo lá: o poder político determina o que as FFAAs irão operar, a finalidade, a quantidade e os meios que darão baixa ou não(vide o caso do A-10). Aqui cada força pensa o que quer como numa ilha e o resultado é esse de hoje.

Paulo

Cada força armada deve pensar o que quiser até porque é ela que vai utilizar o equipamento, para a sua proteção e defesa do país, então ela deve saber o que é melhor e o que precisa. Mas aqui quem decide não é a força. O melhor exemplo disso foi a escolha dos novos caças para a FAB os militares queriam o Gripen mas o Lula queria o Rafale. Preciso dizer o porque? Os militares é que devem decidir as opção e o governo comprar segundo as nossas possibilidades, dentro do que é possível. Agora deixar nas mão de um… Read more »

Zorann

É assim que se faz. Um congresso que determina o que é necessário e como será gasto o orçamento da defesa.determinando em detalhes a quantidade de aeronaves que devem ser mantidas em serviço. Um orçamento “impositivo”.

Bem diferente daqui onde os militares fazem as maiores bizarrices e irresponsabilidades, colocando em risco a integridade de nosso país, sem jamais serem cobrados.

Marcelo Andrade

É,,, não é bem assim não meu caro! O lobbismo lá é legalizado!!! E me diz aí onde nossos militares fazem estas bizarrices que você cita? Acho que você se confundiu com a Instituição, Não é do STF que você se refere?

sj1

Fazem sim, tem Nae São Paulo, tem Trader reformado do deserto para operar em terra, tem TGs, tem cada força operando um manpad diferente, etc etc… Não são cobrados pq simplesmente o poder político não está nem aí pra defesa, é por isso que a coisa tá desse jeito.

Last edited 11 meses atrás by sj1
Paulo

O congresso americano determina o orçamento militar baseando-se em informações fornecidas pelas forças armadas. Além disso são vários os congressistas veteranos de guerra, isso faz toda a diferença. Aqui no Brasil o que vemos é comunistas querendo enfraquecer e até acabar com as forças armadas. Lembram quando o canalha do Hadad falou que as nossas forças armadas não conseguiriam se defender de uma Venezuela?; Lembram disso em plena campanha eleitoral, um candidato a presidente da republica fala isso! vergonhoso, ainda mais depois de passarmos por dois presidentes petistas, mais vergonhoso ainda.

Antunes 1980

Nem somando os bombardeiros da Rússia e China, chegam perto destes números!
Por enquanto os Estados ainda são de longe a única super potência do mundo.

Wagner

Numeros impressionantes! Quando se compara com as unicas duas potencias rivais, a Russia e a China, a superioridade numerica e tecnologica dos meios de ataque é esmagadora. Entretanto, há alguns aspectos pouco discutidos. Bombardeiros (especialmente os furtivos) são armas primordialmente de ataque, nao apenas dissuasao, já o arsenal nuclear pautado em ICBM é, de maneira oposta, pensado na ideia de “não me ataque, senão…” (MAD). A política americana desde o fim da segunda guerra mundial é a de intervir, invadir e conquistar. Entao faz sentido a frota de bombardeiros dos USA e explica a diferença nesse quesito em relação aos… Read more »

Last edited 11 meses atrás by Wagner
Billy

A FAB precisa de uma força de Bombardeiros Médios e Mísseis de Cruzeiro em substituição aos AMX.

Últimas Notícias

Kryptus apresenta equipamentos e soluções de cibersegurança e criptografia adotados pelas Forças Armadas na 6ª Mostra BID Brasil

Empresa apresenta portfólio exclusivo na 6ª Mostra BID Brasil, de 7 a 9 de dezembro, em Brasília Segurança cibernética e...
- Advertisement -
- Advertisement -