terça-feira, maio 18, 2021

Gripen para o Brasil

FMV testa biocombustível sueco no motor do Gripen

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

No total, o motor turbojato RM12 do Gripen funcionou com uma mistura de biocombustível 50/50 por 2 horas e 49 minutos, dos quais 14 minutos com a pós-combustão ligada e incluindo oito partidas do motor e 25 ignições da pós-combustão, sem alteração detectável no desempenho (Foto GKN)

O projeto FMV, que avalia os biocombustíveis na cooperação bilateral com os Estados Unidos, deu mais um passo. Desta vez, foi um biocombustível produzido pela Swedish Biofuels que foi testado no motor RM12 do Gripen nas instalações da GKN em Trollhättan. Nenhuma mudança no empuxo ou consumo de combustível foi detectada.

Antes do teste, a FMV, com a ajuda das Forças Armadas suecas, misturou o combustível biojet em barris com o combustível padrão Flygfotogen 75 das Forças Armadas suecas em uma mistura 50/50. Foi analisada a mistura para poder verificar se ela era aprovada para ser entregue para teste de motor na GKN por tanque, segundo Ingela Bolin Holmberg, especialista em combustível da FMV.

O biocombustível à base de álcool foi misturado na proporção 50/50 com o combustível normal do motor RM 12 do Gripen, conhecido como Flygfotogen 75. A mistura de 50% do biocombustível é hoje a maior permitida pelas especificações de combustível para querosene de aviação. O teste foi o primeiro em que este de biocombustível em particular foi testado em um motor de aeronave maior.

“O objetivo do teste foi estudar as diferenças entre a mistura 50/50 e o Flygfotogen 75 em relação à função e desempenho do motor”, disse Erik Prisell, especialista em sistemas de propulsão aérea da FMV.

O teste foi realizado em uma plataforma de testes na empresa GKN Aerospace Engine Systems Sweden em Trollhättan. No total, o motor funcionou por quase três horas com uma mistura 50/50. Depois de várias partidas do motor e ignições do pós-combustor, Erik Prisell resume:

“O motor funcionou sem problemas. Não surgiram avisos ou indicações que pudessem ser devido às diferenças entre os dois combustíveis. ”

No total, o motor funcionou com mistura 50/50 por 2 horas e 49 minutos, sendo 14 minutos com pós-combustão acesa, oito partidas do motor e 25 ignições da pós-combustão.

No teste, que foi realizado na plataforma de testes da GKN Aerospace Systems em Trollhättan, a função e o desempenho do motor foram comparados com uma mistura 50/50 de um biocombustível sueco e Flygfotogen 75 com apenas querosene de aviação.

Após o teste, a câmara de combustão do núcleo do motor foi inspecionada e não foram vistos sinais de que a mistura 50/50 havia afetado a câmara de combustão.

Resumidamente, os resultados dos testes com a mistura 50/50 em comparação com Flygfotogen 75 mostraram:

  • Empuxo e consumo de combustível muito semelhantes em relação ao empuxo e tempos de transição do motor;
  • Sem indicações de distúrbios de pressão relacionados à combustão
  • Mesmas características para partida e reinicialização do motor

Após o exame FOI atual, que termina no primeiro trimestre de 2021, o projeto de biojet da FMV fará uma avaliação e compilação junto com seus parceiros americanos, USAF/NAVAIR.

O relatório final para as Forças Armadas ocorrerá em 2021.

A Administração de Material das Forças Armadas Suecas adquire, desenvolve e entrega material e serviços às Forças Armadas Suecas. Reunimos especialistas em tecnologia, negócios, direito e gestão de projetos. Nossas diferentes peças se tornam inteiras e nosso compromisso se converte em entregas. É assim que atendemos às necessidades da defesa sueca – em paz, crise e guerra.

FONTE: Swedish Defence Materiel Administration, FMV

- Advertisement -

11 Comments

Subscribe
Notify of
guest
11 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
PACRF

A adoção em larga escala de fontes alternativas de energia no mundo, só não avança mais rapidamente por uma única razão: a indústria do petróleo.

GFC_RJ

Tem nada a ver isso. As energias não fósseis crescem exponencialmente e, inclusive, empresas consolidadas da área de O&G estão diversificando cada vez mais o portifólio. A Shell, por exemplo, é a controladora da Raízen, maior empresa de álcool do Brasil. O petróleo não deixará de existir como fonte de energia no mundo como combustível da mesma forma que o carvão não deixou de existir. Sabe porque o petróleo continuará? Porque é uma fonte barata, consolidada, com infra montada. Ou seja, continuará sendo uma das fontes mais lucrativas. Se dá lucro, terá oferta. Se for barata terá demanda. Simples assim.… Read more »

André Luiz Domingues

Só não esqueça de um detalhe: como todo recurso mineral, é um recurso finito. Duvido muito que as reservas atuais de hidrocarbonetos durem mais de 100 anos. Sem falar da questão ambiental, relacionada à emissão de gases carbono.

Last edited 5 meses atrás by André Luiz Domingues
H.Saito

Não, o problema é hipocrisia que não permite tirar terras de alimentos para produzir biocombustível, mas permitem que usem essas terras para produzir cocaína, maconha, heroína, tabaco, campos de golfe, resort para artistas, fazendas solares e eólicas…

Nilo

Acordo análogo a Boing/Embraer – biocombustível motor turbofan.

João Fernando

Acordo Boeing Embraer é o acordo Caracu

João Fernando

Em tese, traria alguma economia a FAB? O álcool tem uma queima mais limpa, não daria uma vida útil maior alem de ser 100% nacional?

Phu

Não

Marcos 10

O problema dos biocombustíveis é a formação de bactérias nas peças e consequente corrosão.

MMerlin

Não. Pelo contrário. O custo do SAF fica entre três e seis vezes o custo do combustível tradicional.

JuggerBR

É uma boa noticia, alternativa é sempre bom, vai que por algum motivo a extração e refino de petróleo é afetada, como uma interdição naval aos campos de extração por algum Nae inimigo.

Reportagens especiais

Medindo o desempenho da tecnologia Stealth

Para os países além dos EUA que estão comprando o F-35 Joint Strike Fighter da Lockheed Martin, será sua...
- Advertisement -
- Advertisement -