Home Aviação de Ataque Futuro avião de combate SCAF/FCAS europeu será caro, muito caro

Futuro avião de combate SCAF/FCAS europeu será caro, muito caro

4976
82

Segundo relatório do Senado francês, o jato de combate europeu SCAF (Système de Combat Aérien du Futur) ou FCAS (Future Combat Air System) – sistema de combate aéreo do futuro será muito caro.

Desenvolvido pela França com a Alemanha e a Espanha, o avião deve custar de 5 a 8 vezes mais caro para desenvolver do que o Rafale, devido à sua complexidade tecnológica.

Ou seja, um custo do programa estimado entre 50 e 80 bilhões de euros.

O objetivo principal é projetar um jato de combate que irá substituir o Rafale e o Eurofighter até 2035.

O sistema completo de aviões de combate e drones deve entrar em serviço com as forças armadas em 2040.

No início de 2019, a Safran e a MTU Aero Engines assinaram uma parceria industrial para projetar e produzir um motor para o SCAF/FCAS.

Mockup do FCAS

FONTE: L’USINENOUVELLE.com

Subscribe
Notify of
guest
82 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ersn
Ersn
2 meses atrás

Em 2035 nosso JAS39E vai estar para o FCAS e futuras atualizacoes do F35 assim como hoje o F5E está para o F22 ,podemos ate fazer um MLU neles mas jamas serão pareo para o que esta sendo desenvolvido ,e bom o Brasil se preparar para se tornar parceiro em algum desses programas ou semelhantes ou então daqui a 20 anos estaremos no mesmo gap tecnológico que estamos hoje.

Last edited 2 meses atrás by Ersn
Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Ersn
2 meses atrás

Pior que se houver um segundo e terceiro lotes, é justamente lá para 2035 que os últimos estarão sendo entregues. Serão caças 0 km mas tecnologicamente já não serão páreos para a 5ta e 6ta geração.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Filipe Prestes
2 meses atrás

Mas precisamos de caças que sejam páreos para caças de 6g ? O que a FAB faz mais hoje é interceptar teco teco de traficantes na Amazônia. É pra isso não precisamos de caças de 6g. Se olharmos o histórico de operações da FAB, o Gripen vai dar conta muito bem do recado! Vejamos: quantas vezes os Mirage e F-5 foram acionados em missões reais de interceptação nesses últimos 40 anos? Umas 10 vezes? Para interceptar UFOs, bombardeiro inglês vindo das Malvinas, avião cubano civil que invadiu espaço aéreo…… E mesmo falando de um hipotético cenário futuro contra uma Venezuela,… Read more »

Mensageiro
Mensageiro
Reply to  Marcelo
2 meses atrás

Marcelo vc pensa pequeno de mais. Eu como pagador de impostos quero o melhor pra força aérea que me protege. No futuro ninguém sabe o inimigo, estar pronto é dever.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Marcelo
2 meses atrás

Correto em termos de América do Sul, com os Gripens a FAB estará em um patamar muito acima dos demais. Por exemplo a Argentina nem caça tem e os Su-30 venezuelanos estão sucateados.

Bor B
Bor B
Reply to  Marcelo
2 meses atrás

Esquece. Nesses sites da trilogia é impossível comentar de forma racional. Aqui a maioria é Pro-Bolsonaro e ignoram todo o resto. Eles acham que equipar as forças armadas tem que ser prioridade por conta de sabe-o-lá pode acontecer no futuro. É trocar a incerteza de uma futura ameaça pela certeza de que nosso país falhou com os nossos mais necessitados. O Brasil tem muitos problemas urgentes e ameaças que precisam de atenção. Uma guerra com outras nações não é uma delas. Eu sei que equipamentos militares são “maneiros” e que vocês adoram games de guerra. E claro, temos sim que… Read more »

Rodrigo Maçolla
Rodrigo Maçolla
Reply to  Bor B
2 meses atrás

Amigo, não concordo com seu comentário, Não é uma é uma questão de ser pro a este ou aquele, nosso pais tem varias necessidades, temos que investir tanto em Saneamento básico quanto em tecnologia de ponta seja militar ou não, Não se pode pensar que temos que deixar nossa defesa de lado em pró de saneamento básico por exemplo o investimento tem que ser nas duas áreas , as duas trazem benefícios para o pais, Agora se quiser discutir politica e governos também podemos, Os governos do PT por exemplo ficaram mais de 13 anos no poder e não resolveram… Read more »

Afonso
Afonso
Reply to  Bor B
2 meses atrás

Sou contra o Bolsonaro, mas totalmente a favor de melhor planejamento, gestão e equipamentos para nossas forças armadas. Principalmente a Força Aérea e Marinha. É leviano quem desconsidera que o Brasil pode se envolver em um conflito armado de média ou grande escala nos próximos anos. O Covid-19 provou que diversas ameaças externas, não necessariamente provocadas propositalmente por humanos, podem mudar completamente o cenário mundial economicamente, elevando tensões e possíveis conflitos. Além das ameaças a nossa fauna e riquezas em nossa costa, contrabando, terrorismo e afins. Sim, precisamos investir em saneamento básico ao mesmo tempo que nos capacitamos para defender… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Afonso
Wagner
Wagner
Reply to  Bor B
1 mês atrás

E, claro, seu comentario sera negativado por muitos.

Hélio
Hélio
Reply to  Marcelo
2 meses atrás

Oras, se não precisa, pra que o Gripe? É melhor ficar só no A29, porque esse sim serve para interceptar teco teco. Para que ter forças armadas, então? Vamos acabar com tudo e usar o dinheiro para outra coisa. As forças armadas servem para defender o país de uma invasão estrangeira, seu planejamento é feito a longo prazo, onde nenhum cenário geopolítico pode ser definido. Justamente por isso o preparo deve buscar a vanguarda tecnológica. O que impede que em 2035 um país use caças de sexta geração (se é que isso vai existir até lá)? Pela sua lógica é… Read more »

Luciano
Luciano
Reply to  Marcelo
2 meses atrás

Exatamente. Mesmo que tivéssemos caças de sexta geração quantos seriam necessários para fazer frente a outro inimigo com aeronaves no mesmo patamar? E mais, quantos outros projetos estratégicos seriam comprometidos para comprarmos e mantermos (!!) por exemplo 100 caças assim? O Gripen vai colocar nossa FAB num patamar incrivel! Precisamos de mais aeronaves dessa agora!

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  Ersn
2 meses atrás

Vou ser malhado aqui, mas isso é uma realidade. Caças 6G com IA, atuando em conjunto com drones, etc, serão uma realidade daqui 15 ou 20 anos. Os suecos sabem disso e não vão comprar o Gripen E em grande quantidade. A última versão do Gripen é na verdade um gap filler a espera do caça de 6G em cujo desenvolvimento os suecos já estão embarcando. Isso não quer dizer que o Gripen E não seja bom para o Brasil hoje. Acho que é. Mas realmente significa que não conseguiremos opera-lo na linha de frente por 40 anos, como alguns… Read more »

Ersn
Ersn
Reply to  Adriano RA
2 meses atrás

O melhor para o Brasil e colar nos suecos e israelenses para embarcar em futuros programas de armas, sensores e de aeronaves,se a UE ou EUA venderem alguma coisa para o Brasil pode ter certeza que será venda.de prateleira,até para revisar as aeronaves vai ser nescessario enviar para eles

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Adriano RA
2 meses atrás

Será malhado, não.
Pelo contrário.
Vc tem razão.

Rogério Loureiro Dhierio
Rogério Loureiro Dhierio
Reply to  Ersn
2 meses atrás

Por isso eu penso que o projeto Gripen foi acertado más precisa urgentemente ser revisado justamente já considerando agregar estas aeronaves aos projetos 6G europeus.
Seja o projeto francês/alemão, seja o Tempest.

O objetivo da FAB não seria adquirir o total de 120 Gripens?

Que sejam adiquiridos 60.
Daí sim uns 120 6G para serem integrados como “Drones” trabalhando em conjunto.

Quem aqui se lembra de uma matéria a pouco postado aqui no PA sobre a análise da Inglaterra em repensar o Tempest para ser utilizado como apoio aos F35 e não como aeronaves embarcadas?

Frederico Santos
Frederico Santos
Reply to  Rogério Loureiro Dhierio
2 meses atrás

Dúvido muito, mas muito que compremos caças de 6ª geração antes de 2045~2050.

Já foi/está sendo uma dificuldade tremenda para colocar os 3 lotes de Gripens no inventário da FAB, imagine agora um caça que provavelmente custe quase o dobro do preço. E isso nem falando do preço da hora de voo.

Agora eu concordo em relação aos drones. A FAB tem que começar a mexer o pausinhos para com essa tecnologia.

Rogério Loureiro Dhierio
Rogério Loureiro Dhierio
Reply to  Frederico Santos
2 meses atrás

Frederico. O meu ceticismo é o mesmo que o seu, ainda que eu tenha exposto minha forma de pensar mais como um desejo pessoal de um fã militar do que uma pessoa com olhos a realidade, como bem complementou o amigo.

ABS.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Rogério Loureiro Dhierio
2 meses atrás

O pessoal fala aqui como se as FA tivessem nadando em dinheiro!
O Gripen foi escolhido num processo que levou 20 anos e atravessou 3 governos: FHC, Lula e Dilma!
Nossos navios de combate mais poderosos tem 40 anos nas costas!
Parem de sonhar! Dói menos!
Temos que ser realistas! E a realidade é que o Gripen tá bom demais pra grana que temos!
Antes de pensarmos em partir pra 120 Gripens, temos que torcer pra que a FAB compre os 36 originalmente propostos.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Rogério Loureiro Dhierio
2 meses atrás

Muito sonho. O Brasil vai ficar somente com os 36 Gripens contratados, pelo menos nos próximos 50 anos.

Rogério Loureiro Dhierio
Rogério Loureiro Dhierio
Reply to  Lucianno
2 meses atrás

Eu acredito em pelo menos mais um lote, más muito mais por lobby do que por planejamento.
Enfim.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Rogério Loureiro Dhierio
2 meses atrás

Realmente. Eu acho que devem vir somente mais 12 para fechar 4 esquadrões de 12, em um total de 48 Gripens. Muito difícil ter orçamento para mais do que isso.

bjj
bjj
Reply to  Ersn
2 meses atrás

Eu vejo isso de forma diferente. Primeiramente acho esse prazo muito otimista. O F-35, um projeto de 5 geração tocado pela maior potência militar do mundo e primeiro país a projetar e colocar em serviço um caça desta geração mostra o tamanho do desafio.O FCAS deverá ser um programa ainda mais avançado, um caça de geração 5.5 ou 6, tocado por países com orçamento menor em comparação com os EUA e que ainda não possuem experiência no projeto e fabricação de aviões de combate furtivos. Acho que algo próximo de 2050 seria um prazo mais realista para a entrada em… Read more »

Hélio
Hélio
Reply to  Ersn
2 meses atrás

Nos foi oferecido no FX-2 e deu no que deu. Queria entender o que o pessoal tinha na cabeça quando escolheram um caça de quarta geração quanto já poderíamos estar na quinta. Se o Brasil tivesse aceitado o PAK FA, hoje já estaríamos incorporando os primeiros SU57.

Marcelo M
Marcelo M
Reply to  Ersn
2 meses atrás

Não vai. Na pior das hipóteses como o Super Hornet está para o F35, contra o qual tem várias vantagens. O Gripen E ainda receberá muitas atualizações. Foi feito para permitir isso!

Gil U
Gil U
2 meses atrás

Eu pensava que com o avanço da tecnologia, projetos militares em geral (como esse, um novo avião de caça multifunção) seriam mais baratos e rápidos para desenvolver. A realidade no entanto é totalmente diferente.

Jean Jardino
Jean Jardino
Reply to  Gil U
2 meses atrás

Tecnologia de ponta custa caro meu filho.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Gil U
2 meses atrás

Ou é tecnologia no estado da arte, ou é barato. Os dois não dá.

Gil U
Gil U
Reply to  Willber Rodrigues
2 meses atrás

O avanço tecnologico não deveria facilitar os projetos e baratear os custos?

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Gil U
2 meses atrás

Essa lógica serve geralmente pra bens de consumo, por causa da grande quantidade produzida. Pra equipamentos militares, que são feitas sob encomenda e personalizadas pra cada “cliente”, geralmente essa lógica não funciona.

Fernando Turatti
Fernando Turatti
Reply to  Gil U
2 meses atrás

Ele facilita para todos, a questão é que assim como na evolução das espécies(corrida da rainha vermelha, google it), a tecnologia militar também precisa correr muito para continuar no mesmo lugar.
Barateou pra você ao mesmo tempo que barateou pros concorrentes? Já era, não barateou pra ninguém e todos vão continuar escalando os gastos.

DanielJr
DanielJr
Reply to  Gil U
2 meses atrás

Você e o Willber Rodrigues estão corretos, e ainda podemos colocar mais uma perspectiva nesse assunto, pelo avanço tecnológico e barateamento de alguns processos é que é possível realizar esses projetos de ponta. As tecnologias que temos hoje na linha de produção já existiam antes mas não de forma que fosse viável a sua implantação, então hoje ela é cara mas realizável.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  Gil U
2 meses atrás

Muitas dessas tecenologias não podem ser nem tão caras assim, mas tudo que envolve armas se torna caro por ser uma defesa… é feito remédio: gastam para fazer um comprimido 1 real e vende por 50

Gil U
Gil U
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Acho que essa ideia então se aplica a diversos ramos, não apenas na defesa.

Pablo Maroka
Pablo Maroka
2 meses atrás

Está em tempos deles se arrependeram e migrar para o Gripen NG

OSEIAS
OSEIAS
2 meses atrás

Nada mais natural, quer desenvolver coisa nova com valores de coisa velha. Ai não dá.

Adriano RA
Adriano RA
2 meses atrás

Nesse ponto tiro meu chapéu para os russos. Com uma economia menor que a de alguns países europeus, são capazes de desenvolver caças (e tudo mais) de ponta, comprar em quantidades adequadas e são ainda um player global do ponto de vista geopolítico. Não sabemos ainda em que nível de desempenho o SU-57 se encaixa, mas não acredito que será incapaz de lidar com as ameaças atuais e tenho certeza que foi desenvolvido com uma fração do orçamento gasto no F-35. Esse caça europeu vai mesmo custar uma fortuna, pois precisará de tecnologias 6G, sendo que nem mesmo um caça… Read more »

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Adriano RA
2 meses atrás

O Super Faturamento não é exclusividade do Brasil. Se tudo fosse calculado como realmente deveria, projetos como esse cairiam de preço no mínimo pela metade.

Last edited 2 meses atrás by Vinicius Momesso
Ersn
Ersn
Reply to  Vinicius Momesso
2 meses atrás

Desenvolver novas tecnologias custa muito caro ,países que detém capacidade para criar fazem isso a séculos, enquanto no Brasil nos ainda nem sabemos como construir uma turbina aeronaltica viável, nações como Inglaterra, França, alemanha,Rússia e Estados Unidos fazem isso em escala industrial a pelo menos 70 anos.

Luis
Luis
Reply to  Ersn
2 meses atrás

até escrever em seus próprios idiomas eles sabem

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Adriano RA
2 meses atrás

Não se iluda.
Em termos de paridade de poder de compra, a economia da Rússia é equivalente à da Alemanha.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Kkkkkkk. Tá certo e o Papai Noel é o ministro da economia na Rússia.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

E os outros, é que se iludem????
A Alemanha é a 4 maior economia do mundo e nesse projecto está junto com a 6 maior.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Adriano RA
2 meses atrás

Esse conceito de 5G foi criado pelo lobby americano e está basicamente relacionado á furtividade.

Gabriel BR
Gabriel BR
2 meses atrás

O Franceses têm que pular fora dessa canoa furada

Teropode
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

E vão , não faz sentido torrar esta grana em algo que vai voar daqui a 25 anos , vão cometer o mesmo erro do SEPECAT Jaguar . Os franceses farão melhor na evolução do RAFALE e no desenvolvimento de mísseis menores , sthealts e mais rápidos .

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

A França pode e deve desenvolver seu caça com tecnologia própria , um caça genuinamente francês é o ideal!

Flanker
Flanker
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

A França talvez tivesse condições tecnológicas para uma empreitada dessas, mas não tem condições financeiras de bancá-la sozinha. E se hoje afirmam que esse avião será caro, em parte é pela participação francesa, que historicamente produz aeronaves caras de produzir e operar

Lucianno
Lucianno
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

Se associar aos alemães é furada. O parlamento alemão atrasou e encareceu tanto o Typhoon quando o A400. Os ingleses aprenderam e saíram fora dos alemães. A Airbus é especialista em superfaturar tudo o que faz. O senado francês é dominado pelos globalistas do Macron e querem criar uma indústria comum europeia de defesa, e pasmem, privilegiam sempre a Airbus europeia em detrimento da Dassault que é francesa. Duvido que custe tudo isso, o objetivo é tocar o terror para forçar uma parceria europeia. O melhor para França era fazer o caça sozinha como sempre fez ou compor com os… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  Lucianno
2 meses atrás

Realmente, uma coisa é a teoria, mas na prática com a Inglaterra sendo governada por conservadores e a França por progressistas, fica impossível mesmo.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
2 meses atrás

Os caras querem fazer um caça com tecnologia de 6° geração…é óbvio que vai custar os olhos da cara pro P&D e fabricação do mesmo.
Uma nova geração de caças ( ou de qualquer equipamemto militar ) jamais é mais barato que a anterior.

paulop
paulop
Reply to  Willber Rodrigues
2 meses atrás

Utilizando o conversor de moedas do BC, temos um valor, em reais e na cotação atual do Euro, de 330 a 530 bilhões de Reais…
Eita lasquera… haja troco heim..
Abraço.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  paulop
2 meses atrás

Apenas pra efeito de comparação, esses 530 bilhões que vc disse são quase metade do que o GF arrecadou em impostos ano passado.
Arrisco dizer que é mais que o orçamento BR em Defesa, Saúde e Educação.

Lyw
Lyw
Reply to  Willber Rodrigues
2 meses atrás

Lembrando que esse é o valor previsto para investir no projeto diluído durante todos os anos do seu desenvolvento, ou seja, em torno de 15 anos. O que dá uma média de um pouco mais de 5 € bilhões por ano. É um baita volume de grana, mas está a altura de França, Alemanha e agregados.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
2 meses atrás

Não é surpresa, não é a toa que os britânicos correram da parada e os suecos quando decidiram se juntar á um projeto foram atrás dos britânicos.

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

O projecto britânico, a menos que seja menos capaz, ou alvo da introdução de menos inovação, será tão ou mais caro.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

Os suecos se juntaram para colher os frutos dos desenvolvimentos de tecnologias. Ou seja, vão trabalhar junto, desenvolver juntos para aplicar o aprendizado no próprio Gripen E e em um futuro caça sueco. Eles não firmaram intenção de adquirir o Tempest. Eles, provavelmente aprenderão as principais tecnologias, as que eles julgam que precisam saber e o resto eles irão adquirir de países parceiros, motores, etc. Eles provavelmente utilizarão o mesmo motor do Tempest, mas pagarão somente o valor de compra do motor, sem terem que gastar uma fortuna desenvolvendo um motor de nova geração. Ou comprarão um motor americano. Eles… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  Luís Henrique
2 meses atrás

Nossa esses suecos são os caras mesmo! Quando crescer quero ser igual a eles! Vão conseguir o motor do Tempest sem pagar pelo desenvolvimento???? Que brilhante!
Tadinho dos ingleses são tão simplórios. Irão gastar bilhões do dinheiro do contribuinte britânico com o desenvolvimento do motor do Tempest para depois vender o motor bem baratinho para os concorrentes suecos poderem lucrar e roubar vendas do Tempest. Com certeza o governo britânico irá aprovar, afinal o projeto do Tempest com toda sua cadeia irá gerar apenas 100 mil empregos diretos e indiretos.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Lucianno
2 meses atrás

Lucianno, a Suécia é um país pequeno em poder economico. O orçamento militar deles é quase Metade do orçamento da Colômbia e cerca de 10x menor que o inglês ou francês. Eles sabem que não é economicamente viável para eles possuírem um caça nacional 100% sueco. Ao mesmo tempo eles não querem depender 100% dos aliados. Eles aceitam possuir um bom nível de independência tecnológica mas depender de países aliados para fornecer aquilo que eles não podem fazer sozinhos. Veja o Gripen, custou muitíssimo menos que o Rafale ou Eurofighter para desenvolver. Essa é a receita da SAAB para competir… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

Os suecos não fazem parte do projeto do Tempest. Aliás não fazem parte de nenhum projeto de caça de 5 ou 6 geração.

Zeca
Zeca
2 meses atrás

Não tem como saber até onde o “caro” é resultado obra da natureza ou o do do desejo ardente o fabricante em lucrar.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
2 meses atrás

Perguntinha básica, existe algum caça com tecnologia avançada barato? ou o senadores Franceses fazem um upgrade no entendimento do que é ter forças armadas modernas ou então vão fazer coisas mais uteis como proteger o queijo Frances.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Nilton L Junior
2 meses atrás

Mas aí vem a questão…
Caro/barato, em relação a quê?
Japão e Israel compraram/comprarão centenas de F-35.
Já o Brasil, nem pode sonhar em manter uma aeronave dessa.
Existe equipamento caro, ou equipamento que seu país não pode manter?

rui mendes
rui mendes
Reply to  Nilton L Junior
2 meses atrás

Eles têm forças armadas modernas, e tecnologia de ponta. E os políticos fazem só o seu papel.

Amaral
Amaral
2 meses atrás

Não é um pouco estranho a Europa desenvolver um caça 6G, sendo que eles ainda nem tem um 5G ?

rui mendes
rui mendes
Reply to  Amaral
2 meses atrás

Não têm porque até á pouco tempo, só os americanos tinham, mas agora decidiram que é importante e como só entrará em serviço em 2040, eles sabem nessa data e durante os décadas seguintes, a tecnologia evoluirá muito, por isso, o 6G.

Luis
Luis
Reply to  Amaral
2 meses atrás

pura propaganda. a engenharia e a eletronica avançam, mas dizer q vão sair de rafale e typhoon pra construir algo pulando uma geração, sem ter feito nem um avião-conceito de 5ª, apenas fabricando algumas peças do f-35 projetadas nos estados unidos é otimista/fantasioso/falacioso, mesmo porque uma geração além vai ser definida quando um caça real, desenvolvido, mostrar q tem tanta superioridade sobre os outros q pode ser considerado dessa forma, por enquanto são projetos e desejos. engraçado o esforço dos europeus para promover esse pretenso novo paradigma, enquanto os americanos já voavam o yf-22 e yf-23 há 30 anos atrás,… Read more »

Jad Bal Ja
Jad Bal Ja
2 meses atrás

Vão cometer o mesmo erro dos EUA com o F-22, gastar rios de dinheiro no desenvolvimento de uma aeronave megapoderosa pra depois ficar sem recursos para comprá-la na quantidade adequada e vão ficar esticando a vida dos velhos caças.

Rogério Loureiro Dhierio
Rogério Loureiro Dhierio
2 meses atrás

É impressão minha ou cada vez mais os 5G estão ficando mais finos, feito filha da papel?

Olhem a última foto.
As asas são uma casquinha de ovo.
Ma rapaaaaazzzz

Marcelo
Marcelo
2 meses atrás

Uma coisa é certa: custarão sim os olhos da cara! Outra coisa que é certa: continuarão fazendo o que os caças de hoje já fazem: jogar bombas no inimigo, voando rente ao solo, desviando de obstáculos e mísseis SAM! Pergunto; pra fazer as mesmas coisas, precisa de plataforma nova? Vai ser invisível, como o avião da Mulher Maravilha, vai ter IA a ponto de voar sozinho e decidir por conta própria o que fazer numa situação de combate? Vai ter hiper mega velocidade com baixo consumo de combustível ? No final, vai ser um avião com sim, um pacote tecnológico… Read more »

Peter nine-nine
Peter nine-nine
Reply to  Marcelo
2 meses atrás

Se não for bem pilotado ou se não não contar com o necessário apoio “complementar” provido por outros sistemas.

Peter nine nine
Peter nine nine
2 meses atrás

Eles querem o avião principal a servir dentro de 15 anos. Vai ser apertadinho o cronograma. Tudo nesse projecto vai requerer pesquisa e desenvolvimento, estudo de produção e finalmente produção… Etc… Cinco anos depois entram os parceiros autónomos do avião principal. Eu gosto da ideia, mas não sei se as economias francesa, alemã e espanhola vão conseguir abrir as torneiras como deve de ser. Por fim, introduzir o bicho vai ser dispendioso, 80 mil milhões para desenvolver, e para comprar quantos milhar de milhão serão necessários ? Perfeitamente realizável, sem dúvida, mas são países onde a opinião pública conta muito… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  Peter nine nine
2 meses atrás

A Alemanha que usa os caças até o osso ainda vai comprar SH daqui alguns anos. Ou seja irão amarrar o dinheiro do FCAS. Duvido que esteja pronto antes de 2045.

filipe
filipe
2 meses atrás

A FAB escolheu o Gripen por causa das inovações, o Gripen NG têm uma electrónica muito avançada que é base para muitos dos projectos futuristas de 5G e 6G, a SAAB se associou a BAE System no projecto TEMPEST , o Gripen já utiliza IA, todo mundo sabe que a base dos caças 6G é a furtividade e o IA , o Brasil naturalmente estará associado a consorcio Leonardo + BAE + SAAB , quem sabe a EMBRAER.

Lucianno
Lucianno
Reply to  filipe
2 meses atrás

A SAAB até tentou, mas não consegui entrar no projeto do Tempest.
Fiquei curioso em saber quais são os projetos de 5G ou 6G baseados no Gripen, será a nave espacial do Luke Skywalker?
A FAB comprou o Gripen porque era o mais barato. O principal critério na escolha era o menor preço.

JuggerBR
JuggerBR
2 meses atrás

Os europeus deveriam ao menos unificar o desenvolvimento, e trabalhar por motor, radar e sistemas em comum entre os dois projetos. Mas o Ego não deixa…

JuggerBR
JuggerBR
2 meses atrás

Esse padrão lembra um pouquinho um tubarão baleia…

Luiz Trindade
Luiz Trindade
2 meses atrás

É mesmo é?!? Não diga!!! O que como diria o falecido humorista Costinha… “Tais brincando?!?”

marlos barcelos
marlos barcelos
2 meses atrás

A furtividade pode ser desenvolvida através de duas fórmulas. A primeira decorre do designe e tintas absorvedoras de radar. Esse método que atualmente é eficiente, talvez não dure 20 anos. Digo isso porque já estão desenvolvendo radares quânticos. A segunda forma pode ser feita atavés de sistemas de guerra eletrônica. Esse tipo independe do designe e pode ser muito mais eficiente, pois pode até mesmo impedir o travamento de mísseis por radar. Sou mais adepto a sistemas avançados de armas de longo alcance, um moderno sistema de guerra eletrônicas, que um avião stealth por designe que custa 60.000 dólares a… Read more »

Kemen
Kemen
2 meses atrás

Acho estranho, o FCAS mal esta saindo do papel de intenções, tem quase tudo indefinindo e já tem colega falando em 6a. geração. Não sei nem se o FCAS seria 6a. geração ou 51/2… afinal o que se propõe para 2035 pode virar 2040… 2045. É so ver a história do que ocorreu com o Eurofigther para não atrasar, temos Tranche 1… Tranche n, e os compradores que paguem pelos upgrades ou não os comprem.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Kemen
2 meses atrás

Essas definições de 5G foram elaboradas pelo lobby americano..

Juarez
Juarez
2 meses atrás

Que novidade, eles só fazem coisas caras, inoperaveis e repletas de restrições.
A lista e grande, A 400, Tiffie, Tiger, NH 90, Rafale, Kombis…..e da para encher uma página com seus eurobambis.

Leandro
Leandro
2 meses atrás

Olá, e se surgir um radar viável capaz de detectar estes aviões? O F-35, por exemplo, fora a capacidade stealth, não tem muita vantagem sobre a geração de caças 4 ++.