Home Drones INDRA testa com sucesso o Targus opcionalmente pilotado

INDRA testa com sucesso o Targus opcionalmente pilotado

3726
17

MADRID — A Indra concluiu com sucesso os primeiros voos de teste com seu Targus Optionally Piloted Vehicle (OPV) e alcançou um dos marcos decisivos da Iniciativa Civil UAVs, promovida pelo Governo da Galiza, para tornar a região líder neste setor.

A Indra realizou esses voos experimentais inovadores em espaço aéreo não segregado com um drone que pesa 1,25 toneladas e uma envergadura de 11 metros.

Nenhum outro UAV recém-desenvolvido recebeu permissão para realizar esses voos antes. Este é um marco para a aviação espanhola e um passo em frente para o desenvolvimento neste setor.

O primeiro voo ocorreu em 24 de junho e foi o início de uma série de testes realizados nas últimas duas semanas. Todos esses voos cumprem a Aprovação das Condições de Voo emitida pela Agência de Segurança da Aviação da União Europeia (EASA) e com a Aprovação de Voo pela Agência de Segurança e Proteção da Aviação (AESA) da Espanha, que autoriza seus testes.

Também foi estabelecido um protocolo de comunicação especial com o controle de tráfego aéreo do aeroporto de Santiago de Compostela.

A bordo do Targus, o piloto de teste realizou a manobra de decolagem e, uma vez que a aeronave está no ar, entrega o controle ao centro de controle de solo.

A partir desse momento, começa o trabalho dos engenheiros da Indra e da Gaerum: seu trabalho é verificar se todos os sensores e sistemas de controle de voo estão funcionando corretamente.

Com essa importante conquista, a Indra alcançou, dentro do prazo, um dos marcos mais complexos e exigentes da Iniciativa Civil de VANTs, colocando a Galiza na vanguarda no desenvolvimento de drones na Europa.

Obter a aprovação das Condições de Voo para um OPV da Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA) é um sucesso de grande importância por si só, pois é um processo que nunca foi realizado antes e oferece experiência e competitividade, uma vantagem para o futuro.

A estratégia da Indra de desenvolver um drone que pode transportar um piloto no cockpit para assumir o controle, se necessário, ou entregá-lo à estação terrestre, conforme apropriado, permitiu que esse projeto progredisse em um ritmo muito rápido.

Ele também oferece uma grande vantagem operacional para futuros usuários, que poderão sobrevoar áreas urbanas ou pousar em aeroportos sem restrições quando tripulados e voar sem piloto quando chegar à área de operação. Esse uso duplo aprimora significativamente o apelo comercial e os recursos do Targus.

O projeto agora entra em sua fase final para finalizar o desenvolvimento do OPV este ano. O Targus se tornará a aeronave mais avançada e eficiente para a realização de missões como resgate aéreo-marítimo, vigilância da zona de pesca, proteção ambiental, detecção de descargas no mar, monitoramento do uso da terra e do patrimônio histórico e apoio ao combate a incêndios.

Sobre a Iniciativa Civil UAV

Liderada pelo governo da Galiza, a Iniciativa Civil UAV levantou 165 milhões de euros distribuídos em quatro grandes programas. O primeiro enfoca a criação e o aprimoramento da infraestrutura aeronáutica e do aeródromo de Rozas para facilitar o desenvolvimento do setor na região; o segundo é um programa de P&D com um investimento de 115 milhões de euros para trabalhar no desenvolvimento de novos produtos, tecnologias e soluções; o terceiro pilar baseia-se em onze propostas pré-comerciais para soluções baseadas no uso de VANTs destinados a melhorar a gestão do ambiente terrestre e rural, a vigilância marítima e o controle do tráfego aéreo; e o último é o programa de incubação e aceleração de negócios, que lançou recentemente o Business Factory Aero, lançado para atrair e apoiar projetos de empresas e startups de qualquer lugar do mundo.

A Indra é uma das principais empresas globais de tecnologia e consultoria e parceira tecnológica para as principais operações de negócios de seus clientes em todo o mundo. No exercício financeiro de 2019, a Indra obteve receita de € 3,204 bilhões, com mais de 49.000 funcionários, presença local em 46 países e operações comerciais em mais de 140 países.

FONTE: Indra

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Eduardo
Eduardo
28 dias atrás

Quando eu digo que a próxima geração de caças será não tripulada, me criticam. Podem ter certeza que todas as grandes potências militares trabalham com esse viés atualmente.

Karl Bonfim
Karl Bonfim
Reply to  Eduardo
28 dias atrás

Eu acho que não, não sou especialista mais deve ser um sistema “híbrido”, ou seja, um avião com piloto cercado por vários drones por ele comandado, dando cobertura, atacando alvos pré designado, outros defendendo a formação de ataques, etc., e assim vai!

Andre
Andre
Reply to  Karl Bonfim
28 dias atrás

também ponho minhas fichas em algo assim. Não sei se isso definirá a 6° geração, mas talvez seja a 5+

Lu Feliphe
Reply to  Eduardo
28 dias atrás

E quanto a inteligência artificial servir para complementar as missões do piloto? Não creio que irão substituir os pilotos em um futuro breve, mas sim para complementar as missões auxiliando o piloto.

JuggerBR
JuggerBR
28 dias atrás

Ainda há alguns desafios tecnológicos para se ter uma força aérea totalmente não tripulada, como transmissão via satélite de qualidade, com velocidade e confiabilidade, além de ser a prova de interferências.

Lu Feliphe
Reply to  JuggerBR
28 dias atrás

A questão da latência também é muito importante.

groosp
groosp
Reply to  Lu Feliphe
28 dias atrás

Satélites como o Starlink diminuem esse problema.

Pablo
Pablo
Reply to  JuggerBR
27 dias atrás

Com certeza, sempre que surge uma nova arma, também vai surgir uma contra medida para enfrentar essa ameaça.

Paulo
Paulo
28 dias atrás

Vcs estao vendo o nascimento do trasporte avioes cargueiros 100% nao pressurisados sem gabine…(drones) intercontinentais de ponto a ponto. +ou- 5 anos no maximo.

Charles
Charles
Reply to  Paulo
27 dias atrás

Boa Observação. É um nincho a ser explorado.

Maicon Martins
Maicon Martins
Reply to  Paulo
27 dias atrás

Bem colocado, quando vi a foto desse belo bichinho tb veio aquele pensamento automático: nossa, parece um Cessna Caravan do futuro, sem piloto…

No futuro ainda vai vir o AirLander, para transporte de cargas, novos tempos sim, mais automatizados, sem dúvida.

Joli Le Chat
Joli Le Chat
28 dias atrás

Na Convenção de Chicago, de 1944, tem o Art. 8º:

ARTIGO 8º

Aeronaves sem pilôto

Nenhuma aeronave, capaz de navegar sem pilôto, poderá sobrevoar sem pilôto o território de um Estado contratante sem autorização especial do citado Estado e de conformidade com os têrmos da mesma autorização. Cada Estado contratante se compromete a tomar as disposições necessárias para que o vôo sem piloto de tal aeronave nas regiões acessíveis de aeronaves civis seja controlada de modo a evitar todo perigo para as aeronaves civis.

Preocupação com os aviões sem piloto em 1944 é muita clarevidência…

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Joli Le Chat
28 dias atrás

Isso foi por causa dos V-1 e V-2. Essa tecnologia na era nascente era ainda pouco entendida.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
28 dias atrás

Acho o Super Tucano perfeito para essa transição. Espero que algum engenheiro da Embraer esteja trabalhando nisso. Aí está um mercado praticamente virgem pronto para dar frutos.

Palpiteiro
Palpiteiro
Reply to  Joao Moita Jr
27 dias atrás

Acredito que o Ipanema seria melhor. Até por operar em área sem habitantes.

carvalho2008
carvalho2008
28 dias atrás

Este pequeníssimo avião é um exemplo de equipamento muito barato para realizar patrulhas para os distritos navais.

Luiz Floriano Alves
Reply to  carvalho2008
23 dias atrás

Um projeto hibrido com motor elétrico e turbina pode proporcionar um avião sem assinatura térmica expressiva. No TO com alvos.próximos e ataque leve ao solo seria interessante. Em se tratando de alvos valiosos pode ser um Kamikaze muito eficiente.