Home Aviação Agrícola Gasolina contaminada prejudica aviação geral no Brasil

Gasolina contaminada prejudica aviação geral no Brasil

2232
64

A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) recomendou aos distribuidores que comercializam gasolina de aviação (GAV), combustível utilizado preferencialmente em aeronaves de pequeno porte, que, em substituição ao Registro de Análise estabelecido nos termos da Resolução ANP nº 5, de 2009, passem a emitir Boletim de Conformidade em todas as quantidades do produto.

A orientação é resultado de uma investigação sobre possível contaminação da GAV distribuída no território nacional. A ANP informou, que, no dia 8 de julho, recebeu da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) a informação sobre uma ocorrência de possível alteração do produto. Três dias depois foi a vez da Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves (Aopa) formalizar uma ocorrência.

Segundo a ANP, no mesmo dia, a Petrobras divulgou um comunicado no seu site informando que, após testes realizados em seu centro de pesquisas (Cenpes), decidiu interromper, preventivamente, o fornecimento de um lote de gasolina de aviação importada.

A Petrobras informou ainda ter identificado que este lote apresentou um teor de compostos aromáticos diferente dos lotes até então importados, apesar de estar de acordo com os requisitos de qualidade exigidos pela ANP.

Ainda no comunicado, a empresa afirmou que estuda a hipótese da variação da composição química ter impactado os materiais de vedação e revestimento de tanques de combustíveis de aeronaves de pequeno porte.

Diagnóstico

“A Petrobras reforça que ainda não há um diagnóstico completo que permita assegurar a relação de causa e efeito, o que requer um rastreamento em todo o território nacional. Mesmo assim, a companhia preventivamente decidiu interromper o fornecimento desse lote de combustível. Adicionalmente, a Petrobras informa que todos os lotes importados estão dentro dos parâmetros exigidos pela ANP e que dispõe de produto importado para comercialização imediata, mantendo-se, desta forma, o fornecimento de produto ao mercado”, afirmou a companhia.

A petroleira reiterou que todos os produtos que comercializa seguem padrões internacionais. “A gasolina de aviação comercializada é previamente testada para garantir o atendimento às especificações do órgão regulador. A companhia seguirá cooperando com a Agência Nacional de Aviação Civil e ANP”, assegurou.

Conforme a Petrobras, a gasolina de aviação é importada de grandes empresas norte-americanas, a partir do Golfo do México, desde 2018, quando a unidade que produzia o combustível, na Refinaria Presidente Bernardes em Cubatão (RPBC), foi paralisada. A Petrobras acrescentou que, por causa da pandemia de covid-19, a reforma da planta produtora sofreu atraso com a interrupção das obras, mas a previsão é de que a produção seja reiniciada em outubro de 2020.

Também no sábado passado (11), a Anac emitiu o Boletim de Aeronavegabilidade BEA nº 2020-08R1 para informar aos operadores e proprietários de aeronaves que operam com gasolina de aviação, quanto aos riscos associados à operação utilizando combustível contaminado ou adulterado.

A Anac ressaltou, no entanto, que as recomendações tinham caráter informativo e não eram mandatórias, por isso, na sua avaliação, até aquele momento, não se justificava a emissão de Diretriz de Aeronavegabilidade de acordo com os requisitos do Regulamento Brasileiro de Aviação Civil – RBAC nº 39.

Investigação

Foi após a evolução do caso que a ANP emitiu ontem (13) as recomendações, com base nos fatos relatados, considerando, ainda, que está em curso uma ação de investigação, que abriu, com acompanhamento da Anac, para avaliar “a situação e identificar indícios e elementos concretos que correlacionem a gasolina de aviação utilizada nas aeronaves e os problemas objeto de denúncias”, apontou.

A ANP recomendou ainda que o revendedor entre em contato com o distribuidor ou, se couber, junto ao revendedor fornecedor, onde adquiriu produto nos últimos meses “para verificar se há recomendação de suspensão preventiva de comercialização em função de recebimento de produto com as características do lote a que se refere a Petrobras”.

A ANP afirmou que as recomendações seguem também a sua obrigação legal de proteção dos interesses dos consumidores quanto à qualidade dos produtos, conforme determina a Lei nº 9.478, de 1997.

“Por fim, a ANP está trabalhando intensamente para identificar o lote de GAV com problemas anunciados pela Petrobras, orientando a retirada e substituição por produto regular, de forma a assegurar a normalidade de suprimento do mercado”, concluiu a nota.

FONTE:
ANP

Subscribe
Notify of
guest
64 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Matheus Mascarenhas
Matheus Mascarenhas
29 dias atrás

Se eles soubessem o quanto isso é uma tentativa de homicídio contra populações isoladas no norte brasileiro. Tem local que você só consegue tirar um paciente com Cessna 210, Cessna 206 e varias aeronaves de pequeno porte ainda tem os aeroclubes que suspenderam suas próprias operações por causa desse caso e até alguns aviões agrícolas que não querem voar para não arriscar o equipamento. É muita sacanagem os caras tentarem reduzir a importância de algo assim alegando que apenas aeronaves de pequeno porte usam AVGAS

Luiz Trindade
Luiz Trindade
Reply to  Matheus Mascarenhas
29 dias atrás

Pois eh Matheus… Eu moro em Manaus praticamente do lado do Aeroclube de Manaus e apesar ter Caravan que usa QAV vc lembrou muito bem que temos muitos aeronaves que usam GAV e muito delas no interior do Amazonas que são usadas em resgate e transporte de pacientes. Um erro grotesco por parte da BR… Por isso que temos muitos partidários da quebra do monopólio de distribuição do petróleo no país.

Matheus Mascarenhas
Matheus Mascarenhas
Reply to  Luiz Trindade
28 dias atrás

Eu trabalho numa das empresa do Aeroclube de Manaus

Camaergoer
Camaergoer
29 dias atrás

Caros Colegas. Creio que a produção de combustível para aviação seja uma capacidade estratégica para o país. Considerando que existe demanda doméstica capaz de consumir a produção nacional em escala suficiente para ser economicamente viável, qual seria a explicação para interromper a produção desde 2018?

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Camaergoer
29 dias atrás

Olá Colegas. Peço desculpas. O texto explica sim que a unidade de produção está em reforma. Faz sentido a importação nessas condições (acho que a dinâmica dos anúncios que somem e aparecem no meio do texto pode ter me levado ao erro. Explica mas não justifica). Foi mal.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Camaergoer
29 dias atrás

(tentei negativar meu comentário mas o sistema impede). Fica o registro.

Nilo Rodarte
Nilo Rodarte
Reply to  Camaergoer
29 dias atrás

Mas não deixa de ser pertinente a sua colocação de como o combustível de aviação é estratégico para o pais e isso nos leva a outra questão: como é possível que só haja uma planta de produção no país? Quanta coisa pode acontecer para paralisar essa produção? E se o mesmo motivo que impedir o funcionamento da unidade de produção também impedir o acesso ao produto importado? Será que não justifica uma redundância – ainda que possa ser ativada apenas temporariamente? Outra coisa: agora tudo é covid19! Tá atrasando a reforma. Ora,desde quando está parado e qual a dificuldade em… Read more »

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Nilo Rodarte
29 dias atrás

Olá Nilo. Isso depende da capacidade de produção da unidade, da demanda nacional e da viabilidade de exportação. Por exemplo, os países da América latina compram combustível de quem e por qual preço? Ou será que a manutenção de um estoque estratégico e regulador seria mais apropriada? Sempre vai ter algum econominólogo (mistura de economista com guru astrólogo) dizendo que é mais barato comprar da China (afinal a montanha de minério de Carajás vai durar 200 anos). O problema da COVID19 é real. Atividades como construção civil que demandam grandes equipes trabalhando juntas foram todas afetadas.

Rival Sensor
Rival Sensor
Reply to  Nilo Rodarte
29 dias atrás

Ai, quanta bobagem, essa conversa mole de setor estratégico, se fosse assim tinha que estatizar todos os supermercados, o que é mais estratégico do que comida? <Margaret Thatcher>

Thiago
Thiago
Reply to  Rival Sensor
29 dias atrás

Comparação bem descabida Rival, podes discordar que seja um setor estratégico , mas é com certeza bem mais complexo e difícil a implantação de uma refinaria do que um supermercado. Qualquer ze , até eu, monta um mercadinho. Outra, ser estratégico não é sinônimo de estatizar e sim de ter um planejamento, uma linha guia, um foco eespecial e um maior suporte para um determinado setor. Por exemplo nos EUA foi incentivado e favorecido a criação de conglomerados gigantescos para ser mais competitivos, a mesma coisa está tentando fazer a UE , póis muitos países possuem excelentes capacidades mas competem… Read more »

Last edited 29 dias atrás by Thiago
nonato
nonato
Reply to  Thiago
29 dias atrás

Mas nos Estados Unidos antigamente havia concentração em diversas áreas e eles dividiram.
A Russia juntou tudo…

Camargoer
Camargoer
Reply to  Rival Sensor
29 dias atrás

Caro Rivai. O que seria estratégico seria a capacidade de cultivar. Para isso existe a Embrapa caso contrário o agronegocio estaria dependente da Monsanto ou Cargill.

nonato
nonato
Reply to  Camargoer
29 dias atrás

Infelizmente, parece que a Embrapa cria muitos transgênicos.
Poderia criar tecnologia mais natural.
Tipo como enfrentar pragas sem pesticidas.
Mas no desgoverno anterior, a Embrapa criou muitos transgênicos.

Camargoer
Camargoer
Reply to  nonato
28 dias atrás

Olá Nonato. Existem várias técnicas para adaptar uma espécie vegetal. A mais simples seria por seleção. A cada geração se escolhe a plantinha mais adequada para fazer um novo canteiro e assim sucessivamente. Após algumas gerações a espécie está adaptada. Atualmente tem sido possível clonar a planta adaptada. O importante sempre será ter um banco de sementes das gerações primitivas. Outra possibilidade seria bombardear a planta com radiação ionizante para provocar mutações. Uma terceira opção seria combinar plantas para formarem híbridos. Transgênicos seria introduzir o gene de uma espécie em outra. Além disse, tem sido possível inocular bactérias usando nanotecnologia… Read more »

JOAO LUIZ BARRETO PASSOS
JOAO LUIZ BARRETO PASSOS
Reply to  Camaergoer
29 dias atrás

Olá Camargoer. Apenas para explicação: desde 2010 a RPBC vinha passando por uma extensa modernização de sua capacidade de produção (ex.: produção de Diesel S-10). Porém, entre 2015 e 2018 diversas empreiteiras contratadas quebraram, sucessivamente, deixando um passivo trabalhista e com fornecedores enorme. Alem disso, alguns projetos foram suspensos para revisão, por motivos diversos.

athalyba
athalyba
Reply to  JOAO LUIZ BARRETO PASSOS
29 dias atrás

Vou tomar a liberdade de corrigir o colega: elas não quebraram, foram quebradas.

Last edited 29 dias atrás by athalyba
Observador
29 dias atrás

Jamais vimos este tipo de coisa ocorrer nos EUA com a AvGas produzida e distribuída por lá.

Se análises apontaram este lote irregular ainda em posse da Petrobrás e o problema já ocorre a certo tempo, porque irregularidades não foram detectadas nos lotes anteriores repassados a distribuidores e que causaram corrosões impressionantes e assustadoras em diversos componentes de centenas ou milhares de aeronaves?

Negligência? Que espécie de “teste prévio” foi este que andaram fazendo nos lotes anteriores?

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Observador
29 dias atrás

Olá Observador. Eu também não lembro de lotes de combustível produzido pela Petrobras terem problemas. Fica difícil saber se o combustível veio com problemas, se isso ocorreu aqui por acidente ou adulteração criminosa por exemplo por meio da distribuidora. Existe uma máfia na adulteração de gasolina pela adição de solventes (que tem impostos menores). Aliás, além de bingos e revendedoras de carros, postos de gasolina são frequentemente usados para lavagem de dinheiro.

Rival Sensor
Rival Sensor
Reply to  Camaergoer
29 dias atrás

Não tem nada de criminoso, é negligência e incompetência desse dinossauro chamado PTrobrás, fizeram m… só isso. Monopólio traz essas aberrações.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Rival Sensor
29 dias atrás

Caro Rivai. A refinaria ou importadora tem responsabidade até o momento que a distribuidora retira o combustível. A distribuidora tem responsabidade até o momento que entrega o combustível para o posto de abastecimento. Além disso, o monopólio do combustível foi derrubado durante o governo FHC.

Zorann
Zorann
Reply to  Observador
29 dias atrás

Exato!!! Não há controle de qualidade no que se está importando.

LUIS NATAL
LUIS NATAL
Reply to  Zorann
29 dias atrás

Perfeito Zorann! Já se sabe há muito tempo que o poder de fiscalização das Agência Reguladoras tem diminuído, mas a ANP é uma piada.

Rival Sensor
Rival Sensor
Reply to  LUIS NATAL
29 dias atrás

Todas as agências reguladoras são uma piada, só servem de cabide de empregos, geram concursos públicos infinitos, milhares de barnabés para produção de documentos que ninguém vai ler, plano de cargos, licença-prêmio, auxílios e benefícios que nenhum outro trabalhador brasileiro possui, a gente trabalha pra sustentar esses vaga-bundos, é isso.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Zorann
29 dias atrás

Caro Zorann. Vice precisa considere se a contaminação ou adulteração ocorreu na distribuidora ou no ponto de abastecimento.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Observador
29 dias atrás

Pelo que estou entendendo se trata de adulteração de combustível.

Sagaz
Sagaz
Reply to  Observador
28 dias atrás

Uma agência nacional que só possui alguma ação após algum cliente reclamar. Cabide de empregos. Homologa quantos cnpjs quiserem para virarem fiscais, inclusive fiscais uns dos outros, em todos os setores e receberem baseado nas multas que aplicam, aí sim veríamos outra qualidade em todos os serviços (saúde, energia, combustíveis, telecom, marítimo, rodoviário, etc)

Fábio T Fernandes
Fábio T Fernandes
Reply to  Sagaz
24 dias atrás

Sagaz, eu mesmo denunciei um posto de abastecimento da cidade onde moro, para a Agência Nacional de Petróleo ANP, por estarem fazendo cambalacho na litragem… A bomba marcava 10 litros mas só colocava 8 no tanque do carro. Eles disseram que era pra fazer um B.O. na delegacia de polícia pois não é da competência deles investigar. Por aí já da pra entender onde começa a corrupção e a omissão que imperam no país. Por sorte o Ipem estava fazendo uma blitz na cidade e atenderam a minha denúncia e o posto foi autuado após testarem todas as bombas e… Read more »

Last edited 24 dias atrás by Fábio T Fernandes
GuiBeck
GuiBeck
29 dias atrás

Uma empresa estatal que não se presta nem a refinar gasolina de aviação geral em território nacional…. e depois vem falar em auto suficiência. Que vergonha.

Rival Sensor
Rival Sensor
Reply to  GuiBeck
29 dias atrás

Meu caro, o Brasil já é auto-suficiente, mas nunca baixaram o preço da gasolina, pelo contrário, só aumentam, toda vez que descobrem um poço novo fico arrepiado, vai ter aumento de gasolina! Essa estatal inútil só está verdadeiramente funcionando a contento agora depois de 2019, antes disso era um antro de corrupção, barnabés, vaga-bundos, essa “empresa” já devia ter sido vendida há muito tempo, falta ter aquilo “roxo”.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Rival Sensor
28 dias atrás

Caro Rival. A politica de preços dos combustíveis depende muito do governo (sem entrar no mérito se a política é certa ou errada). Por exemplo, o governo pode manter o valor equalizado pelo preço internacional ou pode criar um fundo de compensação (quando o preço internacional é menor que o preço interno, o excedente é depositado no fundo; quando o preço internacional sobe, o fundo é usado para cobrir custo). O custo de produção influencia apenas uma parte pequena do preço final. Tem os impostos (que pode mudar dependendo do estado) e o custo de distribuição (quanto mais longe de… Read more »

nonato
nonato
Reply to  GuiBeck
29 dias atrás

Em 2006, Lula queria inundar o mundo com etanol brasileiro.
Em 2012, até gasolina estávamos importando…

Marcos
Marcos
29 dias atrás

Eficiencia estatal em seu auge

Zorann
Zorann
29 dias atrás

E tem gente querendo que o Brasil produza caças de 5 geração. Não produzimos sequer combustível de aviação.

Deus é brasileiro mesmo, tenho certeza.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Zorann
29 dias atrás

Produzimos, sim. Há muito tempo.

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  Zorann
29 dias atrás

Produziu…até 2018. depois foi importado segundo a norma Q.M.S.

nonato
nonato
Reply to  Zorann
29 dias atrás

Uma coisa não tem nada a ver com a outra…
Até porque combustível de aviação sabemos produzir e a refinaria está em reforma…

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  Zorann
28 dias atrás

o que o Brasil produz mesmo é corrupto. Nisso é imbatível.

JuggerBR
JuggerBR
29 dias atrás

A Petrobras e ANP nem sabem dizer onde está este combustível adulterado, é muita várzea…
Quem será responsável pelos possíveis acidentes com estas aeronaves?
Quem paga o prejuízo? Isso é fácil de responder, o meu, o seu, o nosso, dinheiro…

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  JuggerBR
29 dias atrás

Olá Jugger. Se a contaminação (nem vou falar em adulteração) ocorreu durante a distribuição, só a fiscalização da ANP saberia rastrear. A Petrobras só pode atestar até o momento de fornecer à distribuidora. Não está claro se todo o lote importado estava com problemas ou se isso ocorreu durante a distribuição.

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Camaergoer
29 dias atrás

Mas dá pra fazer rastreamento até a fonte de contaminação a partir dos aeroclubes/aeroportos afetados, se é um caminhão, uma empresa, ou todo o lote. Como são muitas reclamações, não é um caso isolado, ao menos lendo as notícias.

Camargoer
Camargoer
Reply to  JuggerBR
29 dias atrás

Olá Jugger. A investigação cabe a ANP e seria caso de polícia. Nada a ver com a Petrobrás.

marcus
marcus
Reply to  Camaergoer
29 dias atrás

Indústrias sérias testam tudo que compram. A indústria metal-mecânica executa testes metalográficos,tração,dureza e impacto em todas as peças ou chapas de aço que recebe, A Petrobras não consegue testar a qualidade de combustíveis.

Camargoer
Camargoer
Reply to  marcus
29 dias atrás

Caro. Se a adulteração ocorreu na distribuidora ou no ponto de abastecimento, isso nada tem a ver com a Petrobrás.

nonato
nonato
Reply to  marcus
29 dias atrás

Percebo muita critica à Petrobras.
Quem disse que não testa?
Quantos carros tiveram recall por peças defeituosas?
Aviões foram “aterrados” por defeito em peças?
Não estou dizendo que o controle de qualidade da Petrobras é bom, mas que não há nenhuma comprovação em contrário.

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  nonato
28 dias atrás

A questão é a falta de capacidade de rastreio até a fonte da contaminação, numa cadeia de produção séria isso não é um grande problema.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  JuggerBR
28 dias atrás

Olá Jugger. Segundo a ANP, o responsável pela qualidade do combustível é o revendedor na ponta, mas a fiscalização é feita pela ANP a partir de denúncias dos consumidores (no Procon, na ANP ou por boletins de ocorrência) e pelas ações de iniciativa da própria ANP.

athalyba
athalyba
29 dias atrás

Pergunta que não quer calar: havia produção desse tipo de combustível aqui no Brasil?

Spoiler:
https://outline.com/HsrvGV

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  athalyba
29 dias atrás

Vi a resposta agora no Jornal da Band: como uma refinaria está em reforma, certa quantidade de gasolina de aviação foi importada dos EUA.

Ricardo
Ricardo
29 dias atrás

Mostrou a importância de termos refinarias aqui dentro do Brasil, mas os nossos queridos safados políticos preferem roubar o dinheiro investido nelas

Jmgboston
Jmgboston
29 dias atrás

A minha maior surpresa é que não produzimos gasolina desse tipo. Compensa mais importar que prozuzir aqui ou é limitação técnica,? E a petrobras não testa o que compra? Em filmes onde ha transação de cocaina por exemplo até os traficantes tem controle de qualidade usando nariz ou quimicos para atestar a qualidade do produto.

Alexandre Santos
Alexandre Santos
29 dias atrás

O mercado de combustíveis é livre, qualquer um pode montar uma refinaria, basta querer.
Seja de gasolina comum ou para avião ou mesmo diesel. Agora fica a pergunta, por que ninguém se interessa em montar?

Rival Sensor
Rival Sensor
Reply to  Alexandre Santos
28 dias atrás

Basta querer? Então por que vc não abre uma? Quem vai investir numa refinaria de milhões de dólares com essa insegurança jurídica e com o governo controlando o preço da gasolina?????? O controle de preços via Petrobras ficou notório durante o primeiro mandato de Dilma Rousseff, ninguém vai querer. Como pode em pleno século XXI o governo ser dono de posto de gasolina? É uma aberração, estatal no Brasil é pra manter uma casta de barnabés, procure no google sobre os “crachás dourados” da PTrobrás.

Antônio Palhares
Antônio Palhares
29 dias atrás

O país produzia. Aí entrou um especialista na parada, fechou a fábrica e agora importa. Somente no Brasil.

nonato
nonato
Reply to  Antônio Palhares
29 dias atrás

O texto é claro. Volta a produzir em outubro.
Por falar nisso, a Suíça produz combustível de aviação? Portugal? Dinamarca?

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  nonato
28 dias atrás

Olá Nonato. Portugal produz 19 mil barris por dia de gasolina para aviação. A Dinamarca produz 4,8 mil barris. O Brasil produzia 94 mil barris por dia (era o 14 produtor mundial); A Suiça produz cerca 800 mil barris por dia. A Suíça tem apenas uma refinaria funcionando, Portugal tem duas. Dinamarca também tem duas refinarias. O Brasil tem 17 refinarias.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
29 dias atrás

OFF- Imagem de míssil hipersônico japonês vazou numa foto publicada no twitter pelo viceministro da defesa!
defensa.com/africa-asia-pacifico/misil-hiperveloz-japones-descubierto-error

Mattos
Mattos
29 dias atrás

BRASIIIIIIILLLLLL. Só chorando mesmo.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
28 dias atrás

Poxa, tou chateado. É isso mesmo?
Nem sequer combustível de aviação é confiável no Brasil???

Camargoer
Camargoer
Reply to  Joao Moita Jr
28 dias atrás

Caro João. Podemos lembrar que não se pode confiar nos níveis de emissão dos motores alemães, que não se pode confiar nos fundos de investimento nós EUA (devido ao Madoff), que não se pode confiar no secretário de Estado dos EUA quando ele levar fotos e vidrinhos de talco no Condelho de Segurança dos ONU, que não se pode confiar nos informes da CIA sobre a Al Qaeda, que não de pode confiar na indústria de tabaco dos EUA… A lista também seria longa

Rival Sensor
Rival Sensor
Reply to  Joao Moita Jr
28 dias atrás

João, procure ler sobre os “crachás dourados” da PTrobrás e vc vai entender por que o Brasil não funciona, vou colcar um quadro sobre uma determinada e famosa universidade brasileira e vc vai entender por que o Brasil não decola, todos nós trabalhamos para sustentar o serviço público brasileiro, é um câncer que está comendo o corpo.

ufrjXtoronto.jpg
Frederick
Frederick
Reply to  Rival Sensor
28 dias atrás

Falta muita conexão para que tudo isso que demonstrou esteja, pelo menos, errado.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Rival Sensor
28 dias atrás

Olá Rival. Esta tabela precisa ser lida com atenção, senão vira confusão. Você compara a Univ. de Toronto coma a UFRJ (poderia comparar a UT com a USP, ou poderia comparar o MIT com a UNICAMP, ou a Univ. Tokyo com a UNB…. dá no mesmo). 1. Os orçamentos para a pesquisa são obtidos por meio de projetos de pequisa individuais (os chamados “Grants”). Estes recursos não aparecem nessa tabela. Em SP, o orçamento da FAPESP é de R$ 1 bilhão por ano. O orçamento do CNPq costumava ser R$ 3 bilhões, mas agora está próximo a R$ 1 bilhão.… Read more »

Fábio T Fernandes
Fábio T Fernandes
24 dias atrás

Boa noite a todos. Li a maioria dos comentários e apesar de não ter muito conhecimento sobre aviões, mesmo porque tenho vertigem e pavor de altura, me veio a mente a possibilidade de uma sabotagem para desestabilizar ainda mais a situação do Brasil que já está deficiente diante da epidemia de COVID-19.
Estou sendo pessimista demais ou essa hipótese pode ter fundamento?
Diante da guerra política que temos vivenciado ultimamente, não duvido de mais nada.