Home Mísseis Paquistão: novo míssil de cruzeiro pode equipar futuro caça de 5ª geração

Paquistão: novo míssil de cruzeiro pode equipar futuro caça de 5ª geração

4218
49


O Paquistão realizou nesta terça-feira (18/2) um teste bem-sucedido do seu mais recente míssil de cruzeiro Ra’ad-II (Air-Launched Cruise Missile – ALCM), com um novo alcance de 600 quilômetros.

Segunda a ISPR, mídia militar do Paquistão, o Ra’ad-II (“Trovão”) melhora significativamente a capacidade estratégica. “A arma apresenta sistemas aprimorados de orientação e navegação,” garantindo o engajamento de alvos com alta precisão “.

Quando foi apresentado pela primeira vez como uma maquete em 2017 durante um desfile anual no Paquistão, o Ra’ad-II tinha um alcance declarado de 550 quilômetros. Pequenas mudanças no design da admissão levaram à especulação de que o alcance extra foi alcançado devido a um motor mais avançado do que o usado no Ra’ad-I, que tem um alcance de 350 quilômetros.

Essa especulação pode estar correta. Embora as imagens do teste de terça-feira tenham sido deliberadamente de baixa resolução, a traseira do Ra’ad-II parece ter sido totalmente redesenhada com uma nova superfície de admissão e superfícies de controle.

O Ra’ad-I  (imagem acima) tinha o que pode ser descrito como uma grande “cauda dupla”, enquanto o Ra’ad-II parece ter adotado um layout de configuração “X” mais compacto, comum com mísseis similares em serviço em outros lugares. Essa mudança deve ajudar no transporte em uma ampla gama de plataformas, talvez até internamente, se o programa de caça de quinta geração do Paquistão, oProject Azm, der frutos e apresentar um compartimento de armas interno.

Até o momento, os mísseis Ra’ad só foram vistos sendo transportados por caças Mirage III (como o exemplar que aparece nos vídeos de lançamento), caça amplamente utilizado pelo Paquistão.

O aumento do alcance permitiria o lançamento do míssil bem dentro do território do Paquistão, enquanto seria capaz de atingir alvos críticos na Índia – Nova Délhi fica a aproximadamente 430 quilômetros de Lahore, por exemplo. Essa necessidade assumiu uma importância maior devido aos esforços de modernização da defesa aérea da Índia através da aquisição de sistemas como o russo S-400.

Washington também liberou recentemente o Sistema Integrado de Defesa Aérea para venda na Índia.

Mansoor Ahmed, membro sênior do Centro de Estudos Estratégicos Internacionais de Islamabad, especializado no programa nuclear do Paquistão e em suas plataformas de entrega, acredita que o Ra’ad-II é “a resposta do Paquistão ao desenvolvimento da Índia do míssil de cruzeiro Nirbhay”.

Ele acredita que Ra’ad-II “aumentará significativamente a flexibilidade operacional e de direcionamento da parte aérea das forças estratégicas do Paquistão”.

“O míssil oferece capacidade aprimorada para ataques de precisão contra alvos militares críticos em terra e no mar a partir de distâncias seguras. Com seu amplo alcance, forças e ativos até então invulneráveis ​​agora podem ser atingidos com maior precisão, que antes eram cobertos apenas pelos mísseis balísticos do Paquistão “, afirmou.

 

FONTE: Reuters (tradução e adaptação do Poder Aéreo a partir do original em inglês)

49 COMMENTS

  1. Comparando o míssil com o tamanho do Mirage ele parece ser grande para caber numa baia interna de caça. Se o projeto do caça de 5a geração paquistanês sair acho muito pouco provável que ele seja transportado internamente.

  2. Míssil cruzeiro em um país que fabrica armas nucleares com certeza é uma combinação preocupante, principalmente num país que tem problemas com radicais islâmicos!

  3. Que bacana até os dias de hoje 2020 ver o Mirage III atuando, principalmente com um papel estratégico como este da matéria !! Enquanto isso em Putênfia os Mirage 2000 que são muito mais modernos que o Mirage III estão largados em algum canto de uma Base Aérea !!

    • Só porque o Mirage III voa no Paquistão, não quer dizer que tenha valor militar significativo. Os Mirage 2000 do Brasil foram desativados por motivos amplamente divulgados e discutidos aqui. E se eles estão largados em algum canto de uma Base Aérea, eu não sei em que Base e em qual país, pois eles foram todos vendidos (com exceção de 1 exemplar, qie está preservado no Musal) para uma empresa de serviços de treinamento agressor e de combate aéreo.

  4. Esse negócio de caça de 5ª geração já passou da fase de carne de vaca, até a torcida do Curinthia tem.
    Só Banânia que não tem…
    Falta de industria aeroespacial, que desenvolva tecnologia e fica enrolando aguardando pela União compra-la dos outros; dá nisso.

    • Brasileiro votando melhor é a única solução. Não custa nada dar uma averiguada na vida pregressa dos candidatos.

      Eramos para sermos pau a pau com os EUA (com enorme classe média, pequena classe C e uma diminuta classe D, zero favelas, termos Subnucs, NAes nucleares, sondas-satélites-naves-laboratórios-armas espaciais, algumas bases militares em outros continentes, sermos meca do turismo de verão etc).
      Rússia, China, Europa, Japão, deveriam estar na rabeira dos dois grandes das Américas. Mas infelizmente estamos sempre repisando na Jaca do subdesenvolvimento com o baixo nível moral e cultural de nossa classe política que consegue se eleger.

      • Bom Farroupilha, nos EEUU tem classe C, D e não exatamente favelas, mas tem bairros com diminutas casas velhas de madeira, mal pintadas ou sem pintura, andei livre por conta própria por bairros não “badalados” bem distantes do centro das cidades e pouco mencionados, com ínfima ou pouca infra estrutura, ruas bem estreitas e sem asfalto, tem pobre lá sim, tem menos mas tem. Pare de ver os filmecos estonteantes de Hollywood com suas casas de Beverly Hills, a realidade é um pouco diferente. É só ir a um Big Bear ou outro supermercado, e verá como tem gente que chega no caixa e larga alguns produtos porque o dinheiro não dá. Vais ver gente checando preços para economizar centavinhos, vá a um armazem pequeno e veja uma dona de casa discutindo com o dono por causa do preço que ela acha exorbitante de algum produto. Aquele povo tem vários méritos, conhecem seus direitos e o que é liberdade, e não precisam de nada mais, a grande maioria ama a fundo seu pais.

      • Como se o entreguismo da classe política brasileira só tivesse 14 anos… Depois reclama que brasileiro tem memória curta. Não lembra nem do Collor!

  5. Seria uma interessante cooperação com o Paquistão o desenvolvimento conjunto do MAR-01 MK2 (versão 2 do MAR-01), radar SPC-01 MK2, e uma ampla família de mísseis ar/solo, solo/ar, um novo caça baseado no JF-17, projeto original das CCT,s/ CPN e uma gama de equipamentos e tecnologias que a industria paquistanesa domina e nós não.
    Mais um país se tornando uma nação independente, verdadeiramente soberana.
    Enquanto nosso país que não é nação, escolheu a submissão e eterna dependência de outras nações ocidentais.
    Parabéns ao Paquistão, e como brasileiro só me resta invejar seus feitos na área técnico/militar!

    • Existe alguns entraves nesta questão, uma seria a Índia outra seria o BRICS.

      A questão do domínio da tecnologia é relativa, nós conseguimos fabricar meios que entram no clube do primeiro mundo por exemplo.

      Para desenvolver a tecnologia que eles possuem podemos fazer uma parceria com Israel, Turquia, Coreia do Sul e outros países europeus por exemplo.

      Ou desenvolver tudo aqui mesmo, nossa capacidade é muito maior, basta ver que até os EUA copiaram o Astros II .

      • com certeza existem paises melhores para se cooperar…Coreia do Sul seria bem interessante, ja Turquia esta quase no nivel do Paquistao, politicamente falando.

        • Países melhores em que quesito caro Marcelo?
          Só se for por alinhamentos políticos, pois Tecnológicamente falando o Paquistão está há anos luz do Brasil e sua politicagem medíocre.

      • Caro Maurício, lá eles não tem essas empresas e fazem tudo isso, imagina se tivesse !
        Nós temos e não fazemos nem um terço do que eles fazem (aliás a primeira de sua lista não temos mais ).

    • Prefiro uma cooperação com a Índia.
      O projeto de caça de 5a geração AMCA indiano tem a cara da FAB e do Brasil.
      O projeto de navio aeródromo indiano.
      Eles serão a 3a potência inconteste em pouco tempo. E no longo prazo irão rivalizar com EUA e China.
      Mas como Hoje não estão no nível tecnológico de topo como os EUA, acredito que eles aceitem mais facilmente uma cooperação estratégica entre iguais em vez da cooperação entre Mestre e Escravo.
      A cooperação com potências consolidadas muitas vezes rende poucos resultados, nos ensinam aquilo que é menos importante, transferem parte das tecnologias e não 100%, já com um país em desenvolvimento como a Índia, acredito que possamos desenvolver juntos e ter ganhos muito maiores.
      E eles possuem escala de produção, vontade, desejo político e muito dinheiro.
      Nós precisamos organizar nosso orçamento de modo que tenhamos uma boa porcentagem para aquisições e buscar os parceiros que ofereçam mais.
      Índia, Israel, África do Sul, Coreia do Sul, Suécia, etc. Países interessantes para parcerias em equipamentos militares, em minha opinião.

  6. Um míssil de cruzeiro de longo alcance é uma arma estratégica. Mesmo que os adversários possuam os melhores sistemas antiaéreos como os S-400, um míssil com 600 km de alcance permite o disparo sem entrar no alcance da antiaérea inimiga.
    Por isso que a FAB quer o MICLA-BR. Os nossos Gripen com MICLA serão top demais.

  7. Uma das grandes qualidades da Força Área Paquistanesa é ter consciência das limitações de material em relação à Índia, E buscar soluções através de: treinamento, doutrinas e táticas próprias além de soluções inovativas e que viáveis. Como manter o Mirage e capacidade plena de manutenção (PAC Mirage Rebuilt Factory) ou o JF- 17 Thunder. A condução da operação Swift Retort em um ambiente altamente complexo frente a Índia é outra demonstração.

  8. Mísseis de cruzeiro são interessantes para determinadas situações muito específicas mas são caros. Os EUA contam com cerca de 10.000 entre Tomahawks, JASSM, JASSM-ER e SLAM-ER.
    Na Guerra do Golfo os EUA lançou cerca de 100 mil toneladas de bombas em uns 40 dias. Todos os 10 mil mísseis cruise americanos juntos têm carga bélica de cerca de 5 mil toneladas.
    O Sun Tzu já havia dito há 2500 anos: “missil de cluzeilo é muito bom mas não ganha guela nem aqui na China e nem na putaquipaliu… né?”

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here