Home Aviação de Ataque Jatos AMX da FAB demonstraram capacidade estratégica em 2003

Jatos AMX da FAB demonstraram capacidade estratégica em 2003

6223
71

Duas aeronaves A-1 do Terceiro Esquadrão do Décimo Grupo de Aviação (3°/10° GAV), Esquadrão Centauro, da Base Aérea de Santa Maria (RS), realizaram com sucesso um voo de longa duração no dia 22 de agosto de 2003.

A missão, que teve início às 7h15 em Santa Maria (RS), sobrevoou a Região Centro-Oeste, contornou o Cabo Orange, Estado do Amapá, e chegou, por fim, à Natal (RN), às 17h15.

Na chegada, as aeronaves foram interceptadas por outros dois A-1 da mesma Unidade, que fizeram passagens sobre o Forte dos Reis Magos e sobre a pista de pouso. Logo no desembarque os pilotos concederam entrevista para a imprensa, e foram recepcionados por integrantes das Unidades Aéreas da Base Aérea de Natal (1°/4° GAV e 2°/5° GAV), por um médico do Esquadrão de Saúde, pelo Comandante da BANT e também pelo Chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica (CECOMSAER).

O voo teve a duração de 10 horas, sem escalas, e percorreu cerca de 6.800 Km. Em termos comparativos, esta distância corresponde, por exemplo, aos trechos Paris-Moscou-Paris ou Roma-Bagdá-Roma.

Para cumprir esse longo percurso, os A-1 foram reabastecidos em voo, três vezes, por uma aeronave KC-137 (Boeing 707) do Segundo Esquadrão do Segundo Grupo de Transporte (2°/2° GT), Esquadrão Corsário, da Base Aérea do Galeão (RJ).

O objetivo do voo de longa duração foi avaliar a capacidade das equipagens de combate e da aeronave A-1 para cumprirem missões de cunho estratégico.

71
Deixe um comentário

avatar
17 Comment threads
54 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
43 Comment authors
Rinaldo NeryKleber PetersNALDOBoscoLuiz Trindade Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

A diferença de hoje é que temos menos aviões como este da foto e não temos mais esse maior… Evolução brasileira.

horatio nelson
Visitante
horatio nelson

a diferença é que esse aviaozaum grandaum sucatão foi substituido pelo kc390 e tem melhor capacidade para revo e temos menos avioes como esse da foto a1 porem modernizados …quantidade não é qualidade…grande evolução da fab!

Felipe
Visitante
Felipe

*Vai ser substituido pelo kc390.

Ainda não temos nenhum operacional.

horatio nelson
Visitante
horatio nelson

olha sem querer ser chato mais os kc390 ja realizaram operações de revo, e ja foi entregue em anapolis…se PRECISAR hj ele já pode cumprir a missão sim…o que o torna operacional pra mim ao meu ver.

Kleber Peters
Visitante
Kleber Peters

Realizar operações não significa estar operacional. Concordo que o toque molhado é um grande avanço no programa de introdução da aeronave, porém até atingir a operacionalidade vai alguns meses ainda. Mas, após alguns atrasos iniciais, o projeto está andando bem agora. Acredito que até setembro/outubro estarão operacionais.

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Uai, a FAB já recebeu 2 KC’s .

Otavio
Visitante
Otavio

Estamos no processo, em pouco tempo teremos todos operacionais, um pouco de otimismo faz bem.

Thiago Mibach
Visitante
Thiago Mibach

Horatio,
O KC 390 já foi sim recebido pela FAB, mas ainda não está totalmente operacional apesar de já ter efetuados os testes referentes ao REVO.
Acredito que o KC390 não tenha a mesma performance de reabastecimento estratégico que um avião de maior porte pode oferecer.
Comparado ao KC137, pode ser que sim, mas aos mais novos A330 MRTT e KC46 acho que ele não consegue acompanhar a “viagem”
Talvez o pessoal mais por dentro dessas performances possa explicar.
Abraço!

Johnny Michel
Visitante
Johnny Michel

Um vetor maior Boeing KC-767 MMTT ou até uma conversão israelense (caso liberada) ou um Airbus A-330 MRTT (KC-330) é bem mais vantajosa em termos estratégicos, pois transporta carga/passageiros ou o misto de ambos e o combustível de forma mais racional, liberando a cabine de passageiros/cargas somente para essa função e não necessitando contar com apoio de outro aparelho para levar o material adicional. Ainda é possível operar com sonda telescópica para operar com aparelhos dotados de receptáculo, também tem a opção de instalação de uma terceira unidade de mangueiras na parte traseira da fuselagem, para reabastecer aviões de maior… Read more »

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

Horatio concordo em parte com você que quantidade não é qualidade. Depende muito do que precisamos… Quando se diz que temos menos é preciso avaliar… O que temos supri as necessidades de defesa aérea?
E ae? Deixo a resposta para vc e dos demais…

horatio nelson
Visitante
horatio nelson

os a1 tem um papel ofensivo são de ataque ao solo,no nosso t.o creio que dão conta do recado, e se completando a entrega dos gripen creio q para as nossas necessidades estaremos bem supridos para nossas demandas regionais, claro que em caso de uma agressão de uma potência estrangeira as 3 forças não tem condições de oferecer resistência…

horatio nelson
Visitante
horatio nelson

e tem mais um detalhe o a1 armado com o mar se torna uma arma muito letal,ainda mais em um país saturado de defesa aa…

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Disse tudo caro Douglas.
O Brasil e sua gente é o único país com seres humanos que evoluem regredindo kkkkkkk!
Não vou nem citar exemplos, basta prestar bastante atenção!

Otavio
Visitante
Otavio

Mas temos o KC390.

Flanker
Visitante
Flanker

O KC-390 é um vetor tático. Um KC-767 ou A330 MRTT são vetores estratégicos . Todos fazem REVO? Sim. Mas, são vetores com alcance, capacidade de combustível, capacidade de carga e espaço de cabine de carga diferentes. Então, por mais que muitos pensem que sim, na realidade o KC-390 não substitui o KC-137, o famoso sucatão. Não acreditam? Basta ver o interesse, ainda não abandonado, da FAB em adquirir 767 ou A330, em suas versões REVO.

Paulo Victor Soares
Visitante
Paulo Victor Soares

Interessante, mas resta saber qual a carga de combate que poderia ser levada numa missão como essa. Só se torna estratégica se , além de alcance longo, puder ter poder de fogo razoável.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Sim, seria interessante saber qual era a carga das aeronaves.

Rodrigo Martins Ferreira
Visitante
Rodrigo Martins Ferreira

Senão me engano eram 4 Mk82 ou 2 Mk83..

O ex Fabianos que me corrijam por favor…

nonato
Visitante
nonato

Não vejo necessidade prática alguma para um vôo desses, fora o treinamento.
Acredito que para atacar um país na América do Sul não precisaria voar tanto.
Dependendo do país, sai de uma base mais próxima.
Se fosse para atacar a Venezuela, podería sair de Manaus.
E se o problema fosse receio de a base ser atacada, como um reabastecedor iria entrar em no espaço aéreo venezuelano?

Fernando "Nunão" De Martini
Editor
Famed Member

“Se fosse para atacar a Venezuela, podería sair de Manaus.” Mesmo assim é uma boa distância, dependendo do alvo. Com reabastecimento em voo mais próximo da fronteira as possibilidades de atacar alvos mais distantes se ampliam. E também as possibilidades táticas. Por exemplo, quando mais próximo da fronteira os jatos podem reduzir altitude para fugir dos radares. Porém, voando baixo o consumo de combustível é maior, então um reabastecimento em voo feito antes disso pode fazer muita diferença. “E se o problema fosse receio de a base ser atacada, como um reabastecedor iria entrar em no espaço aéreo venezuelano?” Não… Read more »

Valgo
Visitante
Valgo

A Força Aérea da Venezuela, é muito mais bem equipadas que a FAB,eles contam com Sukoys e MIGS ,aí o bicho pega, né?

Flanker
Visitante
Flanker

Quais Mig’s a Venezuela opera?

Pablo
Visitante
Pablo

Da onde tirou a informação que a força aérea venezuelana é bem mais equipada que a FAB? qual mig faria a interceptação??

Fabio
Visitante
Fabio

Só vocês que não sabem, a Venezuela usa Mig-28, até então desconhecidos por todos aqui😂

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

LOL Fabio

frapal
Visitante
frapal

Sem falar que a Venezuela dispõe do melhor sistema de defesa antiaérea da A do Sul.

NALDO
Visitante
NALDO

Que podem ser atacados e destruídos, basta eles ativarem os radares para serem destrídos por missies anti radiação.

GFC_RJ
Visitante
GFC_RJ

A galera só pensa naquilo… armas! Rs.

Sr. Nunão.
Para missões de patrulha e reconhecimento esse tipo de capacidade (vôos longos) é bastante necessário, não?

Abraços.

Charly
Visitante
Charly

Poxa Nonato, vc já viu o padrão de missões na Guerra do Golfo e no Afeganistão?Tenho certeza que sim. As aeronaves saiam com um envelope padrão e voavam até surgir um alvo de oportunidade, como que não tem necessidade prática dessa missão? E se o alvo for na costa africana? Me lembro bem dessa consideração an época.

Valgo
Visitante
Valgo

E dar de cara com Sukoys e MIGS …

Bravo Charlie Tango
Visitante
Bravo Charlie Tango

kkkkkkkkk

Flanker
Visitante
Flanker

Onde??

Pablo
Visitante
Pablo

para de jogar video game e volta pra realidade!

Thiago Mibach
Visitante
Thiago Mibach

Nonato, o tempo de vôo pode significar o poder de alcançar um alvo muito longe (estratégico) ou um maior tempo de permanência “on station”, dando cobertura às tropas aliadas no solo. Daí podemos deduzir diversas opções de emprego para a aeronave
Abraço!

Bosco
Visitante
Bosco

Nonato, Você não está de todo errado. O que esse tipo de missão demonstrou foi a robustez do avião e não uma capacidade de ataque estratégico. Concordo quando diz que para atacar um alvo no interior de um dado país “P” o mais certo é partir de uma base mais próxima “possível”. No máximo para o ataque seria feito um reabastecimento na ida, próximo à fronteira e muito provavelmente um reabastecimento na volta na mesma posição para permitir o retorno seguro à base original. Isso levando-se em conta que o pacote de ataque e a (s) aeronave (s) tanque (s)… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Supondo que 6 aviões de ataque AMX partam de um hipotética base a 300 km da fronteira, cada um com 2 bombas de 500 kg . Em estando previsto o reabastecimento em voo os aviões podem decolar só como combustível suficiente para chegar a um ponto (digamos, uns 50 km da fronteira) onde se dará o reabastecimento no ar e lá encherem o tanque para penetrar em território hostil. Ao retornar, em tese, não teriam combustível para pousar na base e seriam novamente reabastecidos com o mínimo necessário para o retorno. Por que então os aviões de ataque não partem… Read more »

Thiago Mibach
Visitante
Thiago Mibach

Ao que me lembro, pelas reportagens que vinna época, poderiam levar pelo menos 4 bombas, já que estavam com os tanques subalares. A carga bélica dependeria do perfil da missão.
A missão foi encurtada pois o Kc-137 foi chamado de emergência pra buscar os brasileiros a serviço da ONU no Iraque (se não me falha a memória) (situação onde morreu um representante brasileiro junto a ONU Sérgio Vieira de Melo)
Os pilotos falaram que poderiam voar mais um pouco ainda.

Jack Ryan
Visitante
Jack Ryan

O kc-137 foi chamado para auxiliar o resgate em Alcântara….

jpjoker
Visitante
jpjoker

Ainda tenho a revista força aérea com o relato completo da missão.

Pablo
Visitante
Pablo

eu li essa reportagem e também tenho a revista, se não me engano, nessa missão um dos pilotos bateu a marca de 15 ou 20 mil horas de voo.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

NINGUÉM na FAB possui, ou possuíra, 15 ou 20 mil horas de vôo! Tá louco! Fui pra reserva com 5.500 horas, e olha que voei muito! Agora que atingi a marca de 11 mil horas, voando há nove anos na Azul.
Os dois pilotos eram o Ribeiro (da minha turma, à época o Operações do centauro) e o Kabzas, que havia servido comigo na AFA.

pangloss
Visitante
pangloss

Não sei se estou enganado, mas a distância do voo não determina se uma missão é estratégica ou tática. Tal aspecto é definido pela natureza do alvo, não?

Bosco
Visitante
Bosco

Pangloss,
Você está certo.
Missões de interdição são de cunho estratégico apesar de influenciarem diretamente nas ações táticas. Por exemplo, interrompendo o deslocamento de veículos que se dirigem à linha de frente num ponto dentro do território inimigo. Destruindo pontes ou linhas férreas, etc.
Já por exemplo, atingir um lançador de foguetes Iskander com 500 km de alcance que pode estar mandando ver nas tropas em ação na linha de frente é um alvo tático porque mesmo bem afastado ele influencia diretamente nas ações que se desenrolam na linha de frente.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Não. Um alvo da Tarefa de Interdição só será considerado estratégico se fizer parte de um centro de gravidade do inimigo (um hidrelétrica, por exemplo). Pontes e rodovias sempre serão alvos táticos.

A C
Visitante
A C

O texto dah a entender que o reabastecimento se deu por uma unica aeronave KC-137, o que me pareceu bastante interessante. Por certo enquanto os AMX completavam as pernas o aviao-tanque “cortava caminho” a espera to proximo REVO.

Serah que na ocasiao a FAB divulgou algum mapa?

JuggerbBR
Visitante
JuggerbBR

Entendi isso também, não sei se o Corsário tinha mais de um kc na época, talvez tivesse e apenas ficou mal entendido esse trecho…

Johnny Michel
Visitante
Johnny Michel

Em geral é o mesmo vetor de reabastecimento, quando a FAB adquiriu os Mirage, foi o KC-137 do 2°/2°GT quem fez o apoio logístico, trazendo material, equipamentos de apoio e pessoal especializado, além de prover combustível e auxílio em caso de pouso de emergência, principalmente durante sobrevôo no oceano Atlântico. A capacidade de uma força que possuí um avião-tanque estratégico é muito superior a de uma que conta com um vetor tático (KC-390, KC-130, ou de aeronaves com Kit Buddy-Buddy)…

danieljr
Visitante
danieljr

Na época eu li na revista força aérea uma reportagem sobre esta missão, como prepararam os pilotos para a fadiga, alimentação, fazer número 1 na cabine e etc. O KC-137 realmente penava pra se reabastecer e estar no lugar e hora correta para o próximo reabastecimento. De tanto em tanto tempo os pilotos tinham uma missão, para passar a monotonia de voo reto somente, tipo passagem de bombardeio em tal usina, etc.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Sim, o mapa foi divulgado. O KC sedeslocava para os pontos pre determinados. Foi somente um KC, comandando pelo Parente, da minha turma.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Impressionante.
Mas esses AMX estavam “pelados”, ou eetavam carregando alguma carga bélica?
3 abastecimentos pra quase 7.000 km’s…parece que o AMX tem mesmo um bom raio de alcance.

Charly
Visitante
Charly

Me lembro dessa reportagem em uma revista impressa da época, achei fantástico, descrevia até a comida, os locais das missões simuladas, imagina quando o F39 estiver operacional, o salto que teremos.

V12 aero
Visitante
V12 aero

Tem algum tipo de piloto automático para ajudar? Pilotar por 10 horas seguidas, sem nem poder esticar as pernas, não deve ter sido fácil.

cwb
Visitante
cwb

se não me engano, essa missão antes de acontecer teve um médico para ministrar uma dieta nos pilotos por causa do tempo de voo.
o organismo tem que se adaptar (tipo de alimentação e líquidos).
teve uma outra missão que o coronel potengy simulou uma missão com os f-5 para ver se o motor aguentava um certo número de horas de voo.(parece que iriam buscar alguns na ásia).
desculpe o resumo,mas o assunto é muito rico.
abraço a todos!

Charly
Visitante
Charly

Na época da missão, me lembro que foi mencionado o recorde anterior com um quarteto de F5, se não me falhe a memória queriam saber a duração do óleo no motor, acho que era para essa possível missão que vc mencionou.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Nem vou reescrever aqui o que já escrevi nos outros temas relacionados ao AMX para não ficar chato.
Será que a FAB diária um desses para estudos de engenharia para mim ? Rsrsrs
Meu sonho !

Pablo
Visitante
Pablo

Lembro de ler sobre essa missão em uma revista especializada na época, se não estiver enganado, um dos pilotos bateu a marca de 15 ou 20 mil hora de voo.

Flanker
Visitante
Flanker

2 ou 3 mil horas, pode ser. 15 ou 20 mil horas de voo, em aviação militar, é praticamente impossível. Uma média, em tempos de paz, é cada piloto militar voar 150 horas por ano. Sendo assim, é só fazer as contas e perceber que, em 20 anos, ele pode alcançar algo como 3 mil horas. Muitos vão para a reserva sem alcançar nem isso.

Pablo
Visitante
Pablo

Não me lembro, posso realmente ter dito algo errado. Como falei, li a reportagem na revista Força Aérea na época, ou seja, há praticamente 17 anos.

Rico Zoho
Visitante
Rico Zoho

Duas perguntas:
1. Levavam bombas e se sim quais e qual peso?
2. Quantas vezes este tipo de manobra foi repetida? Foi apenas uma única vez ou aconteceram outras

Carvalho2008
Visitante
Carvalho2008

O bichano foi bem desenhado, um especialista!! Podem colocar outros defeitos, mas esta e a genetica nata dele!!! Um Especialista dos melhores.

Fica a evidência de outra importante força de seu projeto, atacar sem seu ninho de origem ser atacado. Grande autonomia.

Isto faz pensar o que realmente seria um AMX naval. Alcançar o adversário sem deixar ser alcançado é muito importante no meio naval

Jonathan Pôrto
Visitante
Jonathan Pôrto

O governo da Esquerda achou tão perigoso que em 13,5 anos afim de não promover uma corrida armamentista na pacífica América do Sul apenas 3 A-1 foram para o padrão M . País pacífico não pode ser confundido com país desarmado disse Dilma !!

Flanker
Visitante
Flanker

Até hoje foram entregues 6 A-1M. Nesse ritmo, não sei se chegarão aos 14 planejados.

Kommander
Visitante
Kommander

O que o governo de esquerda tem haver com isso? Aliás, foi no governo de esquerda que o orçamento das Forças Armadas começaram a aumentar, não que isso seja mérito, é apenas a realidade. No mais, todo mundo sabe aqui que o problema das FA não é falta de recurso, e sim o uso desses recursos pra pagar viuva e filhas de militares, além do excesso de contigente.

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

E ficou só nisso….

Delfim
Visitante
Delfim

Com $$$ sobrando se teriam os 72 inicialmente previstos e até mais, e continuamente aperfeiçoados.
Mas $$$ sempre faltou, se passaram 17 anos, agora é torcer por dois lotes de F-39 e olhe lá.

Claudio Moreno
Visitante
Claudio Moreno

Mais uma vez, tenho somente a dizer:

Fantástico.

CM

Emanuel
Visitante
Emanuel

Pena terem dado fim prematuramente aos KC.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Prematuro? É… idade é uma droga mesmo hehehehe

Flanker
Visitante
Flanker

Por incrivelcqie pareça, os LC-137 ainda tinham razoável vida útil disponível. Voaram muito menos na FAB do que voaram na Varig. Sua retirada de serviço se demais por dificuldades de suprimentos e até por conta do barulho de seus motores JT3D. Miitos, pra nao dizer todos, aeroportos da europa tem restrições de ruído para os motores aeronáuticos que podem operar lá. Então, aeronaves “barulhentas” tem dificuldade em operar nesses locais. Foi um somatório de fatores, mas as células ainda davam um caldo. O infame apelido Sucatão foi dado pela imprensa leiga e, pegou! Aconteceu após uma pane de motor (com… Read more »

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Conheço bem as capacidades do KC-137 e ainda havia algum sopro de vida nele sim, mas exatamente pelos fatores que você descreveu que digo que não foi uma aposentadoria prematura, para não falar na total ineficiência dos motores, que para os padrões atuais são extremamente beberrões. Mas na minha humilde opinião, ele deveria ter tido um substituto razoavelmente com as mesmas capacidades de carga/alcance, porém mais moderno e mais barato de operar. O Corsário ainda está usando aquele 767 em leasing?

Delfim
Visitante
Delfim

Muitos KC-137 e B-707 fizeram upgrade de motor para turbofans, e ainda estão voando porraí. Nada que uma maior visão estratégica dos governantes não pudesse resolver. Poderiam estar voando até hoje, assim como os KC-137 da USAF.
.
Sem falar dos B-767 da Transbrasil abandonados até virarem sucata, e de outras operadoras brasileiras de carga e passageiros. Mas só se pensa em GTE.