Home Aviação de Ataque Finlândia inicia avaliação de caças do Programa HX de € 10 bilhões

Finlândia inicia avaliação de caças do Programa HX de € 10 bilhões

4866
90

Até dois pares de Boeing Super Hornets, Eurofighter Typhoons, Dassault Rafale, Lockheed F-35s e Saab Gripen serão transportados para a Finlândia para participar de uma série de testes projetados para verificar se eles se encaixam nos critérios especificados na competição de caças HX de € 10 bilhões, a partir de 9 de janeiro.

As informações fornecidas pelas empresas serão verificadas “de maneira justa” e sob condições de baixa temperatura e testes especificados pela Ilmavoimat (Força Aérea Finlandesa).

Cada um dos quatro jatos será submetido a uma série de testes de voo, testes de simulação e testes de laboratório projetados para verificar se ele atende aos requisitos finlandeses na base de Pirkkala no aeroporto de Satakunta até 26 de fevereiro.

O país testará os jatos em baixas temperaturas, pois isso pode afetar o desempenho de sensores eletro-ópticos e outros sistemas ativos e passivos.

A Força Aérea Finlandesa avaliará as capacidades dos candidatos em cinco categorias de operações: combate aéreo, ataque ao solo, ataque marítimo, ataque de longo alcance, inteligência, vigilância e reconhecimento.

Além disso, será avaliado o potencial de desenvolvimento dos candidatos até a década de 2060 e sua capacidade de se adaptar à doutrina da Força Aérea Finlandesa. Cada candidato deve oferecer um sistema de manutenção que permita autossuficiência em condições de emergência.

O Ministério da Defesa emitiu um pedido de cotação (RFQ) que incluiu preços consolidados de caças, sistemas e armas associados às cinco empresas (Lockheed, Boeing, Dassault, Saab e Eurofighter) em outubro de 2019.

O período de teste para os respectivos fabricantes foi definido da seguinte forma:

  • 09-01/17-01-2020: Eurofighter Typhoon
  • 20-01/28-01-2020: Dassault Rafale
  • 29-01/06-02-2020: Saab 39 Gripen NG
  • 07-02/17-02-2020: F-35A Lightning II
  • 18-02/26-02-2020: F/A-18 Super Hornet

Super Hornet Block III
Eurofighter Typhoon
Dassault Rafale
Dassault Rafale
F-35A
Saab JAS 39E Gripen
Subscribe
Notify of
guest
90 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
9 meses atrás

Uai, cadê a participação Russa? kkkkkkkkkk

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  DOUGLAS TARGINO
9 meses atrás

A Rússia É O MOTIVO desse programa.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  Vinicius Momesso
9 meses atrás

Pocha, não entenderam minha risada sínica kk

Coutinho
Coutinho
Reply to  DOUGLAS TARGINO
9 meses atrás

Cabe lembrar que na decada de 80 um destacamento de MIG 23 foi até a Finlândia para uma demonstração (visando venda claro). Possivelmente, outros modelos russos foram oferecidos a Finlândia em outras épocas tambem. Então, até que sua pergunta não chega a ser tão absurda assim.

luiz blower
luiz blower
Reply to  Coutinho
9 meses atrás

Mais que isso: durante a Guerra Fria a Finlândia operava equipamentos de ambos os lados, como política. Usou o MiG-21 inclusive.

Otto Lima
Reply to  luiz blower
9 meses atrás

Luiz Blower, isso se deveu à Doutrina Paasikivi-Kekkonen, que a muito custo manteve a Finlândia neutra na Guerra Fria.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  DOUGLAS TARGINO
9 meses atrás

Seria o equivalente à participação americana em concorrência na Belarus e Cazaquistão.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Antoniokings
9 meses atrás

Não seria não.
Belarus e Cazaquistão fizeram parte da URSS, são nações pobres e de certa maneira dependentes da Rússia.
A Finlândia é rica, desenvolvida, soberana e nunca fez parte dos USA.

kaleu
kaleu
Reply to  DOUGLAS TARGINO
8 meses atrás

Russia participa como “Aggressors”

Clésio Luiz
Clésio Luiz
9 meses atrás

“Cada candidato deve oferecer um sistema de manutenção que permita autossuficiência em condições de emergência.”

Se isso significar fazer a própria manutenção sem ajuda externa, o programa “Facebook” de manutenção do F-35 manda lembranças e já avisa que pode esquecer esse sonho. “Your data belong to us”.

Tutu
Reply to  Clésio Luiz
9 meses atrás

O F-35 faz ataque marítimo?

Mauro
Mauro
Reply to  Tutu
9 meses atrás

Apensa se estiver sobre o mar.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Mauro
9 meses atrás

kkkk esta foi ótima…

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Tutu
9 meses atrás

‘Joint STRIKE Fighter…’ e versão navalizada F-35C… enfim… pode ainda não estar habilitado para fazer naval strike, mas com certeza vai.

Tutu
Reply to  Leandro Costa
9 meses atrás

Por exemplo, operando em modo furtivo somente com as baias internas ele pode transportar e lançar um míssil anti-navio (Harpoon)?
Outra dúvida, esse míssil está integrado ao F-35A?

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  Tutu
9 meses atrás

Tinha alguém desenvolvendo um míssil anti-navio que cabe nas baias internas do F-35, não lembro se era a Turquia ou a Noruega.

Quanto ao armamento homologado, você pode apostar que eventualmente tudo que estiver nos arsenais americanos será, com exceção do que estiver para ser abandonado à curto prazo.

Tutu
Reply to  Clésio Luiz
9 meses atrás

Obrigado pelo esclarecimento Clésio.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
9 meses atrás

Bom, procurei em matérias no PA sobre esse assunto, e não encontrei mais nenhum detalhe sobre essa concorrência. Os finlandeses querem ToT? O custo de hora-voo é um fator decisivo, igual no FX-2? Qual os off-set oferecidos por cada um?

Enfim, torço pra Gripen, mas acho que vai dar SH ou F-35.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Willber Rodrigues
9 meses atrás

“O modelo e a avaliação da tomada de decisões serão baseados nas seguintes áreas de tomada de decisão: capacidade militar, segurança do suprimento, participação industrial, acessibilidade econômica e avaliação da política de segurança e defesa.”

https://www.aereo.jor.br/2018/04/28/finlandia-recebe-respostas-ao-programa-de-substituicao-do-caca-hornet/

Tiago
Tiago
Reply to  Willber Rodrigues
9 meses atrás

Acho difícil dar SH ou Eurofighter, por conta da avaliação do potencial de desenvolvimento futuro dos caças. Ambos estão já próximos de encerrar seus ciclos de desenvolvimento – o SH por já não ter muito pra onde ir sem passar por uma atualização tão radical quanto a dos Hornet pros Super Hornet e o Typhoon porque os membros do consórcio não têm dinheiro e/ou interesse em continuar investindo nele. Acho que o Gripen é meio zebra nessa, só tendo uma grande vantagem de saída: a Suécia e Finlândia têm climas muito parecidos, então ele já está “aclimatando” (acho que o… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  Tiago
9 meses atrás

E tem quem defenda a junção do Tempest com o FCAS. Veja o exemplo do Typhoon, ficou muito mais caro do que deveria, teve inúmeros atrasos e terá um fim precoce por causa dos problemas políticos dos quatros donos do projeto. Principalmente por causa do governo alemão. Tanto que os ingleses resolveram fazer o Tempest sem a Alemanha. Pior para Dassault que por conta de ideologia politica vai ter que aguentar o alemães no FCAS.

rui mendesmendes
rui mendesmendes
Reply to  Lucianno
9 meses atrás

É quem mente mais, o typhoon vai acabar porque não têm dinheiro,porque os sócios do programa não se entendem e por aí fora, pois mostrem lá então isso. Basta ir a revistas a sério, como a mais vendida no mundo, a inglesa Aircrafts montly, e vê que o typhon no Uk, vai ser o caça britânico nas próximas decadas, junto com o f35, inclusive vai ser onde vão testar tecnologias do Tempest, e onde actualmente é o caça que têm já praticamente todas as armas incluídas, fala-se até por conta dos typhoon para o koweit, que têm radar aesa, o… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  rui mendesmendes
9 meses atrás

Se o Reino Unido tivesse feito o Typhoon sozinho o programa seria mais rápido, barato e com atualizações mais descomplicadas. Os sócios mais atrapalharam do que ajudaram. Mais é claro que o Typhoon será o caça britânico para as próximas décadas, o investimento já foi feito, eles já estão lá, não poderia ser diferente. E com certeza a BAE Systems testara tecnologias do Tempest nele, é algo natural e de rotina, não tem nada de surpreendente nisto. Os Typhoons tranche 3 vendidos para o Kuwait realmente são excelentes caças. Muito melhores por exemplo que o Gripen E. Mas poderiam ter… Read more »

Vitor Lajes
Vitor Lajes
9 meses atrás

Pessoalmente, a ordem final seria Gripen por ser parte de um sistema completo, tal como os Suecos têm e como eles pretendem, além ter sido preparado para o clima e utilização que eles pretendem Rafale por ser bimotor e provado em combate pela França, e ter sido vendido e integrado em sistemas multi-origem e estarem a trabalhar para não dependerem dos EUA ou Rússia, exemplo do Egipto e Índia, só não está provado a utilização intensiva no frio. Typhoon, devido a ser parecido ao Rafale, mas muito dependente do desenvolvimento que poderá ser prejudicado porque a maioria dos utilizadores estar… Read more »

Robsonmkt
9 meses atrás

Pontos que considero positivos ao Gripen:
– caça projetado para o ambiente de baixas temperaturas;
– potencial de desenvolvimento até a década de 2060;
– capacidade de se adaptar à doutrina da Força Aérea Finlandesa;
– sistema de manutenção que permita autossuficiência em condições de emergência.

Pontos que considero negativos ao Gripen:
– dificilmente o avião estará 100% pronto e integrado para o volume e nível de testes aos quais os dois exemplares de série já produzidos terão de encarar em fevereiro;
– o F-35 está no páreo com uma solução conceitualmente mais moderna (5G);

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Robsonmkt
9 meses atrás

E você acha que os suecos não terão como enviar as unidades que já estão em testes?

Robsonmkt
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
9 meses atrás

Levar, levarão. A questão é saber se todos os seus sistemas e armamentos estarão plenamente integrados como os de seus concorrentes.

Rodrigo LD
Rodrigo LD
9 meses atrás

Programa de avaliação curto e rápido. Seria só para dar um ar de transparência a alguma negociação já em vista??? Já teriam realizado a sua escolha??? Abraço camaradas.

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Rodrigo LD
9 meses atrás

O calendário apresentado na matéria é apenas para os testes operacionais. A previsão é de submeter o avião escolhido ao parlamento finlandês em 2021. Esse processo começou no primeiro semestre de 2018, ou seja, vai durar uns três anos no total, o que é até rápido, comparado com outros processos como os da Índia, Brasil e Canadá.

TJLopes
TJLopes
9 meses atrás

Ou da Hornet, que eles já tem, ou Gripen que foi projetado tendo em vista praticamente as mesmas condições de clima e o mesmo inimigo. Qualquer outra escolha é zebra e tolice dos finlandeses.

Maurício.
Maurício.
Reply to  TJLopes
9 meses atrás

TJLopes, essa história de o “mesmo inimigo” vale para todos os concorrentes, todos alí são “inimigos” dos russos, portanto qualquer um tem condições de ganhar.

Rommelqe
Rommelqe
9 meses atrás

No quesito combate aereo, certamente serão analisados vários perfis em wvr e bvr. Mas, em se tratando do TO finlandez, entendo que os combates a curta e medias distâncias serão mais valorizados, pois é inimaginável considerar uma longa incursão no território inimigo .. .O Gripen já ganhou, até porque os ataques ao solo a longa distancia(não confundir com combate) – perfil no qual perde para os seus oponentes – será analisado, penso, mais por desencargo de consciência . Se o Gripen ganhar essa concorrência, suas vendas vão disparar.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Rommelqe
9 meses atrás

O Gripen em termos de desempenho é disparado o pior dos 5 concorrentes. A única vantagem do Gripen é o custo, o caça sueco somente vai vender onde o custo for o principal requisito, como por exemplo foi na FAB.

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Lucianno
9 meses atrás

Luciano, vc acredita mesmo que QQ um dos três diferentes F35 é pareo para o Gripen em dogfighting? E que trocar uma turbina de Gripen em base desdobrada perto de uma geleira vai demorar mais do que trocar duas turbinas de um f35qualquer coisa? Que um Rafale vai poder contar com o mesmo nível de logística de apoio à manutenção que um Gripen? Na realidade não estou desmerecendo qualquer um dos concorrentes até porque considero todos excelentes aeronaves. Acontece que nas condições estabelecidas, inclusive e principalmente de um ponto de vista físico (geográfico, climático, estratégico/tático, etcccc) o Gripen leva vantagem… Read more »

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Rommelqe
9 meses atrás

Corrigindo, UMA turbina de um F35 ou duas de um Rafslle, de um F18SH ou de um Typhon…Sorry by that…

Kemen
Kemen
Reply to  Rommelqe
9 meses atrás

R. –
Trocar turbina não é uma atividade muito frequente, mas em qual deles a turbina se troca em menos de 1 hora? Sem mencionar em rearmar e reabastecer coisa muito fácil no Gripen, essa poderia ser uma operação necessaria mais frequente em caso de conflito belico.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Rommelqe
9 meses atrás

Rommelqe,

1) O F-35 opera no Alasca que é mais frio que a Finlândia;
2) Raríssimas vezes ocorrem Dogfight, provavelmente o Gripen será abatido sem sequer descobrir onde estava o F-35 que o derrubou;
3) O nível de logística de apoio da Dassault é ótimo para quem pode pagar;

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Lucianno
9 meses atrás

Vc acha que uma eventual e totalmente indesejável guerra em que a Finlandia esteja envolvida ela terá espaço para bvr? E que não haverá dogfight neste cenário?
Quando o revestimento stealth de um F35 tiver que ser “recalchutado” vc acha que o farão no Alasca?

Lucianno
Lucianno
Reply to  Rommelqe
9 meses atrás

Um eventual conflito envolvendo a Finlândia somente poderia ser com a Rússia e com certeza será com bvr. Dogfight? Talvez…

Tutu
Reply to  Rommelqe
9 meses atrás

Também disseram que o F-4 phantom nunca iria entrar em dogfight….
O F-16 paquistanês mandou lembranças.

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Rommelqe
9 meses atrás

DSC : Pelo visto vc entende tudo hein! Parabéns!

Mateus Lobo
Mateus Lobo
Reply to  Rommelqe
9 meses atrás

A RAF estava se queixando de desgaste prematuro e um relatório apontou que velocidades supersônicas danificam o revestimento. A prática não corrobora para seu argumento.

Mateus Lobo
Mateus Lobo
Reply to  Lucianno
9 meses atrás

Por que o Gripen tem disparado o pior desempenho dos 5?

Lucianno
Lucianno
Reply to  Mateus Lobo
9 meses atrás

A política influencia a compra de caças. Países cuja defesa depende dos USA são “obrigados” a comprar caças americanos. Não existe de fato concorrência para compra de caças no Japão, Canadá, Israel ou Coréia Sul porque é o imposto dos cidadãos americanos quem paga parte da segurança desses países. Da mesma maneira com pequenos países europeus da OTAN. O mesmo acontece em países vinculados a Rússia como por exemplo a Venezuela. Mas também existem países militarmente soberanos que podem comprar os caças que bem entenderem. Alguns desses em regiões pacíficas como o Brasil, compram o mais barato, como foi a… Read more »

rui mendesmendes
rui mendesmendes
Reply to  Lucianno
9 meses atrás

Os países Europeus não precisam dos USA para se defender, mas sim da NATO, que ao contrário do que tu pensas, não é pertença dos Americanos, eles são sócios da OTAN, se quiserem que saiam, mas aposto que não vão sair, porque será? Para proteger só a Europa é que não é, mas para proteger todos os sócios da OTAN.

Lucianno
Lucianno
Reply to  rui mendesmendes
9 meses atrás

Na teoria todos são sócios da OTAN, mas na prática os USA sempre desde o início fizeram o que quiseram e todos outros disseram “amém” (com exceção do De Gaulle).
Há muito tempo a França tenta sem sucesso criar um exercito europeu para todos saírem da tutela das USA, mas nunca deu certo porque os europeus preferiram se acomodar, gastar pouco com defesa e deixar tudo nas mãos dos americanos.

Roberto Medeiros
Roberto Medeiros
Reply to  Lucianno
9 meses atrás

Lucianno: causa estranheza, se o Gripen C foi o pior avaliado na Suíça, até pq ele nem concorreu lá. O modelo apresentado pela SAAB para a concorrência da Suíça, foi o Gripen E.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Roberto Medeiros
9 meses atrás

Observe que estou me referindo a primeira concorrência que foi posteriormente cancelada por não ter sido aprovada em um referendo, nesta estava o Gripen C com versões mais antigas do Typhoon e do Rafale.
Na concorrência atual também estão o F-35, o SH, além de versões atualizadas dos participantes anteriores (Typhoon tranche 3, Rafale F3R e Gripen E).

Roberto Medeiros
Roberto Medeiros
Reply to  Mateus Lobo
9 meses atrás

Boa pergunta. Quero ver alguém responder. Até onde eu sei, daquela lista ali, o Gripen E faz frente a (ou supera) qq um dos concorrentes em termos operacionais ( exceto, TALVEZ, o F35 ).
Mas aí entra o fator manutenção/ hora de vôo/ disponibilidade

Lucianno
Lucianno
Reply to  Roberto Medeiros
9 meses atrás

Já respondi para o Lobo. Observe que me referi somente ao desempenho, sem levar em consideração custos, manutenção ou disponibilidade.
Por exemplo capacidade de carga é desempenho. O Gripen tem aproximadamente a metade da capacidade de carga dos outros 4 concorrentes. Ou seja precisamos de DOIS Gripens para fazer uma mesma função ofensiva de UM Rafale ( ou SH ou etc.)
O Gripen já está em operação há longos 25 anos, já foi oferecido para metade dos países do planeta e nenhuma força aérea de ponta interessou em comprar. Estão todos errados?

Mateus Lobo
Mateus Lobo
Reply to  Lucianno
9 meses atrás

O Gripen está apto a realizar qualquer tipo de missão que o Rafale e similares estão, toda vez tenho que voltar a dizer isso, não estamos mais no tempo da ww2 em que se despejava toneladas de bombas sobre os alvos, hoje o tipo de armamento que pode ser empregado pela aeronave conta muito mais e o leque do Gripen é bem amplo, desde de bombas de 250lb até às KEPD 350 com 1500kg aproximadamente e nesse sentido ele tem uma vantagem em relação aos outros, seu sistema de armas é independente do sistema de vôo, o que facilita e… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  Mateus Lobo
9 meses atrás

Mas o leque de armas de todos os 5 concorrentes é bastante amplo, não tem vantagem clara para nenhum deles neste quesito.

Roberto Medeiros
Roberto Medeiros
Reply to  Lucianno
9 meses atrás

Lucianno Desculpe, mas o q vc escreveu mostra q vc está confundindo as aeronaves. Não tem.como comparar o Gripen C ( que é a aeronave que vc deve ter tomado como referência) com o Gripen E. É o mesmo que vc querer comparar o SU30 Venezuelano com o SU 35. ambos são flankers. mas são totalmente diferentes. Só para vc ter uma idéia, o alcance e a velocidade do Gripen E superam bem os mesmos parâmetros do SH. E a capacidade de carga do SH é somente 800 kg a mais que a do Gripen E. O erro q vc… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  Roberto Medeiros
9 meses atrás

Roberto, seguem os números aproximados de capacidade de carga:

1) Rafale = 9,5 ton
2) F-35 = 9,4 ton
3) Typhoon = 9,0 ton
4) F-18 SH = 8,1 ton
5) Gripen E = 6,0 ton
6) Gripen C = 5,3 ton
Conclusão: o concorrente com pior desempenho em capacidade de carga é o gripen.

Outros (FAB):
Mirage 2000 = 6,3 ton
Mirage lllE = 4,0 ton
F-5E = 3,2 ton

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Lucianno
9 meses atrás

Lucianno, Olhando assim por cima, percebo que em alguns dos exemplos de aeronaves que você colocou essa capacidade de carga, somada ao peso vazio e ao do combustível interno, ultrapassa o que eu me lembro ser o peso máximo de decolagem (MTOW). Uma coisa é a capacidade de carga nominal somada dos pilones, que frequentemente é divulgada por fabricantes (entre os motivos, mostrar a flexibilidade do uso das estações de armas), outra é capacidade máxima determinada pelo MTOW. No caso do Gripen C e E, se não me engano os valores estão próximos dos corretos, mas tem outros que não.… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
9 meses atrás

Prezado Fernando, acredito que os valores estão corretos, eu realmente pesquisei antes de postar. Os valores do Rafale, SH e Gripen E são inclusive os mesmos informados aqui mesmo no Poder Aéreo por ocasião do FX2. Com exceção dos valores do F-35 e do Gripen E , os demais estão disponíveis em diversas fontes, pode conferir.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Lucianno
9 meses atrás

Lucianno,
Sem tempo para conferir tudo, me desculpe, escrevi de lembrança por ter achado uns dois ou três dados um pouco diferentes e devo ter me enganado mesmo.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
9 meses atrás

Tranquilo.
Minha maior surpresa foi com a capacidade de carga do SH, que achei pequena para um caça grande e bimotor. Como comparação, as versões recentes do pequeno e monomotor F-16 levam até 7,7 ton !

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Lucianno
9 meses atrás

De fato, a capacidade de cargas externas do F-16C dos lotes mais recentes é grande, mas isso teve um custo: a capacidade interna de combustível não cresceu muito desde o F-16A, quando comparada ao grande aumento da potência do motor, com mais consumo, e ao grande aumento do peso máximo de decolagem – mesmo levando em conta avanços no consumo específico dos motores nas últimas décadas. Ele leva pouco mais de 3 toneladas de combustível, internamente, para um motor que é capaz de gerar mais de 13 toneladas de empuxo (máximo, PC ligado, apenas para comparação com os dados dos… Read more »

Kemen
Kemen
Reply to  Lucianno
9 meses atrás

Poderia seja um pouco mais específico, e nos detalhar em que quesito o Gripen E é pior? Obrigado.

TukhMD
TukhMD
9 meses atrás

Para quem tem dinheiro e necessidade de confronto real contra superpotência vejo como escolha óbvia o F35. É o único caça ocidental que preenche os critérios para ser considerado um 5ª geração. Além de levar consigo todo o suporte diplomático e militar americano. Algumas dúzias deles na Finlândia e os russos encontrariam uma nova muralha de Inverno.

Marcelo
Marcelo
Reply to  TukhMD
9 meses atrás

Infelizmente para o Gripen acho que vai acontecer isso mesmo.

Kemen
Kemen
Reply to  TukhMD
9 meses atrás

Eles poderiam capturar um dragão… digo um F-35 kkkkkk

Jhon
Jhon
9 meses atrás

Acho que vai dar Rafale, eles tem preferência por bimotor, F18 não deve ter vida até 2060, não se encaixa no objetivo do programa.

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
9 meses atrás

Nao sou especialista, mas acho que a Finlândia deveria escolher o SAAB Gripen porque atende suas necessidades como um caça sofisticado e criado pela suécia para atuar nesse tipo mesmo tipo de ambiente, mas se escolher o F-35 vai ta pagando mais do que realmente necessita e talvez o fator manutenção e ate climático seja desfavorável para um caça tao sofisticado mas tambem complicado.
Os demais concorrentes, nao estão a altura desses dois, mas é uma pena nao ver nenhum caça russo nessa etapa da concorrência por razoes obvias.

rui mendesmendes
rui mendesmendes
Reply to  Entusiasta Militar
9 meses atrás

Os dois demais são os melhores, a seguir ao F35, e mesmo a esse dão-lhe grandes dores de cabeça, o principal problema desses dois é os custos, de compra e operação.

Anderson Rodrigues
Anderson Rodrigues
9 meses atrás

Dá-lhe Gripe.

José Carlos Balsi
José Carlos Balsi
Reply to  Anderson Rodrigues
9 meses atrás

Só dei de uma coisa,Filandes é frio não só devido à temperatura de seu pais, mais também em suas decisões e, pior, quando encurralado, sabe se sair muito bem, com todos os “Perkele e Satana” possiveis !

Kemen
Kemen
Reply to  José Carlos Balsi
9 meses atrás

Tu ta errado, finlandesas não são frias, conheci uma bem quente, ao contrario do clima, pena que voltou logo pra lá. O problema era entender o inglishfin, mas tem uma linguagem que todas entendem…

Antunes 1980
Antunes 1980
9 meses atrás

É uma questão de tempo de uma enxurrada de notícias difamatórias sobre as aeronaves e o programa finlandês.
Devagar a linha de defesa nórdica vai aumento seu nível de poder contra a ameaça russa.

A melhor escolha recai sobre o F-18 SuperHornet e o Gripen NG.

Pedro
Pedro
9 meses atrás

Interessante o Congresso dos EUA liberar o F-35 para um país que tem uma grande fronteira com a Russia e não eh membro OTAN ou aliado preferencial (como Japão, Coreia do Sul, Cingapura e Israel). Creio que o corte da Turquia tem que ser preenchido por outros países para a escala do projeto reduzir os custos colossais do projete. A questao de estar tao perto da Russia continental eh importante ja que os mesmos podem espionar o mesmo bem como usar meios para que a Finlandia o coloque proximo a fronteira para que meios ELINT e SIGINT trabalhem nele. Em… Read more »

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Pedro
9 meses atrás

“Interessante o Congresso dos EUA liberar o F-35 para um país que tem uma grande fronteira com a Russia e não eh membro OTAN ou aliado preferencial (como Japão, Coreia do Sul, Cingapura e Israel)”. Money talks. “A questao de estar tao perto da Russia continental eh importante ja que os mesmos podem espionar o mesmo bem como usar meios para que a Finlandia o coloque proximo a fronteira para que meios ELINT e SIGINT trabalhem nele”. Pra isso existe a Estônia, geograficamente muito mais próxima de Moscou, S. Petersburgo e Kaliningrado (só para citar alguns hotspots) e isso sem… Read more »

Matheus
Matheus
9 meses atrás

Inteligente é ir com SH
Bom pra nós é se forem com Gripen
Burrice é ir com F-35

nonato
nonato
9 meses atrás

Seria muito bom assitir essa disputa.
Talvez fazer uma batalha simulada entre eles…
Deve ser complicado para fabricantes de primeira linha ter que participar de provas de avaliação, especialmente não sendo junto às maiores potências.
Mas é um bom contrato.
Dez bilhões no bolso..
Até para a Boeing que está a ver navios com o 737, é um dinheirinho bem-vindo.

Lucianno
Lucianno
9 meses atrás

Potencial de desenvolvimento até 2060?? Neste caso a concorrência será entre o F-35 e o Rafale. O SH e o Gripen são projetos antigos da década de 80 e não tem mais muito potencial de desenvolvimento. Já estavam operacionais enquanto o F-35 ainda estava na prancheta! E a Finlândia espera que o fabricante banque o desenvolvimento. Neste quesito ficam fora o Typhoon e o Gripen. No caso do Typhoon, Inglaterra e Itália irão desenvolver o Tempest e a Alemanha não está disposta a investir em nada. No caso do Gripen, não haverá ninguém para bancar o desenvolvimento, nem a Suécia… Read more »

John
John
Reply to  Lucianno
9 meses atrás

Facepalm…

Delfim
Delfim
9 meses atrás

Ué, cadê o F-16 ? :))

Kemen
Kemen
Reply to  Delfim
9 meses atrás

Não passaria nos testes, principalmente se tivesse que pousar e decolar em estradas e rodovias como na Força Aérea Sueca. Imagino os outros concorrentes se tiverem que fazer isso nos testes.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Delfim
9 meses atrás

A LM está concorrendo com o F-35.

ANTONIO OLIVEIRA DOS SANTOS JUNIOR
ANTONIO OLIVEIRA DOS SANTOS JUNIOR
9 meses atrás

Os outros são figurantes para o F-35
Não tem concorrentes entre esses

Mauro
Mauro
Reply to  ANTONIO OLIVEIRA DOS SANTOS JUNIOR
9 meses atrás

O único maior concorrente do F-35 é uma coisa chamada “orçamento.”
60.000 mil dólares a hora de voo… não gosta de tomar muito sol e nem muita chuva, hangar tem que ser na base do prosdócimo se não a pintura estraga.. uma coisa é comprar, outra é manter operacional, nem os EUA estão sendo capazes em manter toda a frota pronta, pode pesquisar aqui mesmo o grau de prontidão da USAF….
Amigo, a economia não é uma ciência exata, é uma ciência social, mas a teoria funciona, acima da chamada Linha de Restrição Orçamentária, nada, absolutamente nada pode ser feito.

Kemen
Kemen
Reply to  Mauro
9 meses atrás

É não é? Bem baratinho para un pais pequeno como a Finlandia, mas a coisa pode ir por ai… uns 120 Gripen ou uns 24 F-35.

FAP
FAP
Reply to  ANTONIO OLIVEIRA DOS SANTOS JUNIOR
8 meses atrás

Sem dúvida nenhuma! Em testes realizados e conversa entre pilotos da NATO não são um nem dois mas uma esquadra de F-16 block 50, F-18, e typhons .. nenhum conseguiu sequer rastrear o F-35..
A qualidade tem um preço e a Finlândia consegue pagar. Preferia ter uma/duas esquadras de F-35 que 150 gripens.
Como abater um avião que não sabes onde está??
É um desafio ou “teste” desigual.. 4a geração vs 5a geração.

Otto Lima
9 meses atrás

Depende de qual critério os finlandeses julgam mais relevante para si. Se for o potencial de desenvolvimento, o F-35 é pule de dez. Se for custo operacional e logística de combate, o Gripen leva a melhor. O Rafale correria por fora; SH e Typhoon são cartas fora do baralho.

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Otto Lima
9 meses atrás

Tem mais critérios, como comentei mais acima:

“O modelo e a avaliação da tomada de decisões serão baseados nas seguintes áreas de tomada de decisão: capacidade militar, segurança do suprimento, participação industrial, acessibilidade econômica e avaliação da política de segurança e defesa.”

https://www.aereo.jor.br/2018/04/28/finlandia-recebe-respostas-ao-programa-de-substituicao-do-caca-hornet/

Carlos
Carlos
9 meses atrás

O F-35 é o único participante que terá 10 dias de testes, todos os outros terão 8…

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  Carlos
9 meses atrás

A Finlândia tem o histórico de guerras violentas com seus vizinhos. Certamente escolherá por potencial de combate e, não, por custo da hora de voo. O F-35 parece a opção mais adequada para a Finlândia. Fica com um caça de ultima geração.

Mateus Lobo
Mateus Lobo
9 meses atrás

A disputa estará entre F-35 e Gripen, com o SH correndo por fora, pode anotar aí. Vai depender dos requisitos do governo finlandês, se quer o melhor caça disponível ou o de melhor custo-benefício. O Gripen tem desempenho equivalente e alguns aspectos é superior aos demais caças de quarta geração mas custando uma fração dos outros para manter, oferecendo um offset industrial robusto e podendo operar sob condições de pouco apoio, vale lembrar que o cenário da Finlândia é muito similar ao da Suécia.

Foxtrot
Foxtrot
9 meses atrás

Veremos se mais alguém engole esse Gripen.
Ou só os brasileiros “espertos” mesmo !