Home Aviação de Caça Japão aumenta gastos militares em 2020 para investir em futuro caça

Japão aumenta gastos militares em 2020 para investir em futuro caça

6729
55
Concepção do Future Fighter do Japão

O governo japonês pode alocar pelo menos 30 bilhões de ienes (280 milhões de dólares) para programas relacionados ao Future Fighter proposto no próximo ano fiscal, informaram dois importantes veículos de comunicação japoneses. Os números citados são grandes o suficiente para corresponder a um lançamento do desenvolvimento em larga escala do tipo, destinado a entrar em serviço na década de 2030.

O Japão pretende elevar os gastos com defesa para um recorde de 5,3 trilhões de ienes (US$ 49 bilhões) para o ano que começa em 1º de abril, em parte para desenvolver um caça de última geração, informou o Nikkei.

O valor se compara aos 5,26 trilhões de ienes destinados à defesa neste ano fiscal, incluindo os investimentos no desenvolvimento de um jato militar para substituir o caça F-2 do Japão no futuro. O plano fará parte do orçamento anual anual do governo a ser finalizado até o final do mês.

Um aumento nas despesas de defesa marcaria o oitavo ano consecutivo de expansão. O programa de defesa de médio prazo do Japão anunciado há um ano descreveu gastos de 27,5 trilhões de ienes para o período 2019-2023, um aumento de quase 3 trilhões de ienes nos cinco anos anteriores. O país está sob pressão para intensificar as importações militares dos EUA em meio às críticas do presidente Donald Trump aos desequilíbrios comerciais.

O futuro caça japonês visa substituir os atuais Mitsubishi F-2
Subscribe
Notify of
guest
55 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
7 meses atrás

Japão, Austrália, Coréia do Sul, Índia
Todos se armando até oa dentes.
Se a China acha que vai pegar o Mar do Sul da China na mão leve, está enganado.

Jodreski
Jodreski
Reply to  Willber Rodrigues
7 meses atrás

Na mão leve não vai ser… vai ser com uma mão com toneladas de diplomacia… ao meu ver os Chineses deveriam se aproximar ainda mais dos Russos, aprofundar uma aliança militar, econômica e industrial. Essa sim seria uma dupla osso duro de roer…

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Jodreski
7 meses atrás

Diplomacia funciona quando você tem um porrete.
Mas quando os seus vizinhos tambem tem porrete, aí a coisa fica um pouco mais complicada.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Willber Rodrigues
7 meses atrás

Quando voce tem um porrete 3 ou 4 vezes maior que seus inimigos ou quando seus interesses principais são iguais ou semelhantes aos dos seus concorrentes, no caso chinês não é nenhuma das duas hipóteses.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Augusto L
7 meses atrás

Talvez eu não tenha um porrete do tamanho do meu inimigo.
Mas meu aliado tem.

“Quando seus interesses principais são iguais ou semelhantes aos dos seus concorrentes”
Que interesses são esses?

Raduga
Raduga
Reply to  Willber Rodrigues
7 meses atrás

Aliado ou cafetão?

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  Augusto L
7 meses atrás

Você não precisa de um porrete maior do que o do seu inimigo. Ele precisa apenas ser grande o suficiente para causar um dano além do aceitável, fazendo com que o objetivo do outro perca o “custo-benefício”. Aí a vantagem passa a ser de quem está na defesa. Cedo ou tarde Japão e C.S. terão armas nucleares. Não dá para depender apenas de aliados.

sergio ribamar ferreira
Reply to  paddy mayne
7 meses atrás

concordo com o sr. paddy mayne. Dissuasão esse é o nome. Agressor tem um fuzil, o outro também. O agressor tem mais bombas, mas o outro algumas que vão machucar e muito o agressor, mesmo sendo aquele destruído. Juntando-se quatro pequenos contra um grandão este vai pensar duas , três ou mais vezes… Grande abraço.

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  sergio ribamar ferreira
7 meses atrás

abraço

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  paddy mayne
7 meses atrás

Se for abrir precedente pra eles então nós tbm podemos fazer a nossa.

sergio ribamar ferreira
Reply to  Willber Rodrigues
7 meses atrás

de acordo com o Sr. Wilber. Pode até apanhar mais ao agressor pode sair bem machucado e pensar duas vezes na próxima investida, ou um vigiando o outro para ver quem começa a bater. A dissuasão é o melhor meio de impedir aventuras em terras alheias.

sergio ribamar ferreira
Reply to  Willber Rodrigues
7 meses atrás

Concordo com o sr. Wilber. Incluindo Vietnã. Havendo uma corrida armamentista.

Renato
Renato
7 meses atrás

Eles tem que construir seu próprio caça se quiserem não ficar nas mãos de europeus e americanos.

sergio ribamar ferreira
Reply to  Renato
7 meses atrás

Concordo com o Sr. Renato. Muito bem colocado seu comentário.

Antoniokings
Antoniokings
7 meses atrás

O que se tem noticiado é que o Governo americano está forçando a compra do F-35 pelo Japão.

MBP77
MBP77
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás

Sério?!
Nossa, não sabia que os nipônicos devolveram os que já adquiriram.
Obrigado por nos manter tão bem informados, kings! 🙂
Sds.
Obs.: Como está o coração diante das últimas notícias envolvendo a “fogueira de São João” no Kuznetsov e a suspensão na construção do 5º PA chinês? A realidade o machucou muito?

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  MBP77
7 meses atrás

Acidente no estaleiro, só isso.
Quanto aos chineses, a ‘Military Review’ noticiou que está confirmado o sétimo porta-aviões e que será de propulsão nuclear.
O poder da China é irrefreável e ela fará valer seu poderio.

Mauricio R.
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás

O último poder naval irrefreável no Pacífico, o Marinha Imperial Japonesa, foi jantada em pouco mais de 3 anos, em uma violentíssima campanha industrial, aeronaval, submarina e de guerra de minas.
Foram 15 anos de preparação, expansão e modernização, até a estréia em grande estilo em dezembro de 1941 e a completa aniquilação em setembro de 1945.

Rafael
Rafael
Reply to  Mauricio R.
7 meses atrás

Não vamos esquecer que isso só foi possível porque os Soviéticos avançaram contra os nazistas com tropas na casa dos milhões de soldados, e também contra os próprios japoneses impondo pesadas baixas nas tropas que ocupavam a manchúria o que permitiu que os americanos se concentrassem na Guerra do Pacífico.

sergio ribamar ferreira
Reply to  Mauricio R.
7 meses atrás

Um grande erro da Marinha Imperial japonesa. Sorte nossa à época. Azar deles. De acordo com o Sr. Maurício.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás
Antoniokings
Antoniokings
Reply to  MMerlin
7 meses atrás
MMerlin
MMerlin
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás

Portal do Abraham Ait é tão confiável quanto o Sputnik.

Leandro Marinho
Leandro Marinho
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás

O problema da China, e isso até eles próprios assumem, é a falta de experiência em combate. Estão tentando compensar isso na quantidade e na qualidade dos equipamentos. Só resta saber se esses equipamentos são tão bons quanto dizem ser.

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás

Manda seu curriculo para eles. Quando chegar a “Pax Sinensis” voce poderá ser flanelinha da embaixada local.

JPC3
JPC3
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás

Igual aqueles que a Bielorrússia disse que só dava prejuízo e preferia F-16 porque gasta menos e dura mais?

Brummbär
Reply to  JPC3
7 meses atrás

“Igual aqueles que a Bielorrússia disse que só dava prejuízo e preferia F-16 porque gasta menos e dura mais?”
Na verdade o que aconteceu, é que um “ispecialista” Bielorrusso resolveu comparar um caça pesado bimotor com um leve monomotor, além de inventar uma baboseira de que o F16 voaria 35 anos com o mesmo motor…

Wellington Rossi Kramer
Wellington Rossi Kramer
7 meses atrás

Essa concepção artística parece ser um F-15 stealth!

Luiz Trindade
Luiz Trindade
7 meses atrás

Se for pela foto acima não é tentar melhorar o que já existe e sim partir para outro totalmente diferente.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
7 meses atrás

Ele é baseado num projeto da GD/Lockheed para aumentar a área alar do F-16, compensando o aumento de peso (~ 1t) desde as versões iniciais. No caso do F-2, foi para aumentar a carga de armas, obviamente. O canopi em duas peças corrige um problema que o anterior possui, que é a forma como o canopi reage ao impacto de ave, a onda de choque se propaga para trás e pode impactar o topo da cabeça do piloto (li isso naque livro da Lockheed, Semper Viper). Outra vantagem é a ejeção através do canopi (ao invés de esperar ejetá-lo antes),… Read more »

Kemen
Kemen
Reply to  Clésio Luiz
7 meses atrás

C L – Interesante a sua explicação, não tinha reparado e nem sabia, legal.
Pensava que era cópia pura.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  Kemen
7 meses atrás

A Lockheed ajudou no projeto, foi tudo licenciado. Posteriormente resolveram cortar o número total à ser adquirido, aumentando os custos por unidade e por isso o projeto acabou sendo muito criticado internamente.

Mas ao meu ver foi tudo muito bem feito, com todas as modificações efetuadas fundamentadas em motivos operacionais lógicos.

sergio ribamar ferreira
Reply to  Clésio Luiz
7 meses atrás

Obrigado Sr. Clésio Luiz pela explicação. Interessante.

Fernando
Fernando
7 meses atrás

O F-2 é bem parecido com o F-16

MBP77
MBP77
Reply to  Fernando
7 meses atrás

Fernando, o projeto do F-2 “deriva” diretamente do F-16, com anuência/apoio norte-americano.
Sds.

Mauricio R.
Reply to  MBP77
7 meses atrás

Anuência e apoio???? Fale isso para alguém da Mitsubishi, do governo japonês ou da JSDAF, pra ver o qnto você apanha!!!

Lucianno
Lucianno
Reply to  Mauricio R.
7 meses atrás

Apanha nada! Até para bater em alguém o Japão pede autorização aos americanos. Sem os americanos nunca existiria o F-2.

dom.vitto
dom.vitto
Reply to  Fernando
7 meses atrás

Ele é o F-16, só que com esteroides

Sérgio Luís
Sérgio Luís
7 meses atrás

Bocal de motor de 3 geração!?!?!
Para com isso!!!
O Saporo Sakay deve tá indignado com essa falta de criatividade dos projetistas japoneses.
Pega o bocal do F-22 e faz uma releitura uai!

akivrx
akivrx
Reply to  Sérgio Luís
7 meses atrás

O motor XF-9 que esta sendo desenvolvido para o F-3 tem empuxo vetorado 3D igual ao Flanker por isto tem este formato.

Mauricio R.
7 meses atrás

Shinshin que era pra ser somente um demonstrador de tecnologias, agora vai a guerra!!!!
Japão, Taiwan, Coréia do Sul, Índia, Austrália e EUA precisam urgentemente sentarem pra conversar, sobre como conter a PRC.
Desse jeito vão perder no básico, no tamanho do cofre necessário pra financiar a contenção chinesa.

akivrx
akivrx
7 meses atrás

Somente para informar o desenho do projeto deve sair no próximo ano.
https://www.youtube.com/watch?v=Jl_-o_q2hEc
Motor do futuro F-3.

Masa
Masa
Reply to  akivrx
7 meses atrás

Praticamente já está pronto…
O motor XF9-1 tem um empuxo de 15t que só perde para o F135-PW100 de 19,4t e F119-PW100 de 15,8t dos caças F-35 e F-22 respectivamente. Com a vantagem de ser menor e mais leve, o que possibilita mais espaço para o armazenamento de armas dentro da fuselagem.
comment image

OVNI
OVNI
7 meses atrás

Todo este esforço visa criar um recado conjunto para a China, que por sua vez quer retomar a hegemonia que possuía no século 15.

Por outro lado, economicamente são nações interdependentes e que já sofreram muito com guerras em seu território. Vamos ver aonde isto tudo vai dar.

Julio
Julio
7 meses atrás

Seria tão bom se o Brasil tivesse está visão de investir na indústria bélica pra desenvolver o se próprio caça e não comprar de fora

OVNI
OVNI
Reply to  Julio
7 meses atrás

Infelizmente nossa “cultura” é das beneses para os “senhores do poder”, sem nenhum interesse cívico ou noção de sociedade.

Delfim
Delfim
7 meses atrás

O F-2 é um F-16 que gostaria de ver na FAB, com maior alcance e carga bélica.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Delfim
7 meses atrás

Mas dizem que ele é inferior ao falcon…

Delfim
Delfim
Reply to  Adriano Madureira
7 meses atrás

Seria um caça de ataque suplantando o A-1.

sergio ribamar ferreira
Reply to  Delfim
7 meses atrás

Em proporções geográficas, salvo engano. O Japão compreende o Estado do Rio e Espírito Santo. Um país a ser uma potência militar de respeito, já é! Alemanha comparando Sergipe(geograficamente) Faz refletir…. Grande abraço sr. Delfim.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  sergio ribamar ferreira
7 meses atrás

Sergio, Se querer tirar a ideia geral comparativa do comentário, de relacionar tamanhos de estados brasileiros com o de algumas potências militares, mas as comparações que você fez estão fora da realidade. Você pode escolher outros estados que vai ficar melhor. O Japão, somando todas as ilhas de seu arquipélago tem 369 mil km2, o que não é muito diferente da área da Alemanha, de aproximadamente 356 mil km2. Isso equivalente mais ou menos a áreas de estados brasileiros como Mato Grosso do Sul (357 mil km2) ou Goiás (340 mil km2). Sergipe é muuuuuuito menor do que isso, com… Read more »

sergio ribamar ferreira
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
7 meses atrás

Obrigado Sr. Fernando Nunão. Foi no olhometro, ledo engano da minha parte.. Tudo bem . Porém e quanto a maior ilha do Japão. só esta. Grande abraço. Obrigado.

Michel Moreira
Michel Moreira
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
7 meses atrás

Isto porque esta comparação é só territorial, porque uma coisa que tem que entrar aí é a população, educação e indústria.

sergio ribamar ferreira
Reply to  Michel Moreira
7 meses atrás

De acordo Sr. Michel. Faz-me refletir ainda mais. Um abraço.

Mateus Lobo
Mateus Lobo
7 meses atrás

Parece um F-18 melhorado, sei que não se trata disso, mas as dimensões e formato se assemelhem.