Home Aviação de Ataque O F-35 é barato para comprar (mas não para voar)

O F-35 é barato para comprar (mas não para voar)

8064
112
F-35A

O preço do F-35 Joint Strike Fighter está caindo cerca de 13% nos próximos três anos, resultado de acordo com a Lockheed Martin, de “estratégias inteligentes de aquisição, forte parceria governo-indústria e foco incansável na qualidade e redução de custos”. Com os custos de compra em queda, o custo para realmente voar o jato permanece alto, com o dobro ou mais do custo dos caças de quarta geração.

Deve-se lembrar que em 2001, a Lockheed Martin afirmou que o modelo -A custaria US$ 50 milhões por unidade – ou US$ 71,77 milhões em dólares de 2019. O preço pode cair ainda mais assim que o F-35 concluir testes e avaliações operacionais obrigatórios, o que dará destaque à produção de cadência total e permitirá ao Pentágono e aliados comprar lotes maiores de aviões.

Embora o custo de compra tenha diminuído, o custo de voar permanece alto. O F-35 custa US$ 44.000 por hora para voar, ou US$ 44 milhões para voar por 1.000 horas, ou US$ 352 milhões ao longo da vida útil de 8.000 horas do jato. Isso é mais do que o dobro de outros jatos, como o F-15 Eagle, o F-16 Fighting Falcon e o F/A-18 Super Hornet. A Lockheed Martin quer diminuir o custo por hora para US$ 25.000 até 2025, mas o Pentágono acredita que esse número pode ser inatingível. A Força Aérea alertou no passado que, se o custo por hora de voo não diminuir, poderá acabar comprando menos F-35.

Outro custo que o programa F-35 terá que lidar em algum momento é o custo de trazer jatos mais antigos até o padrão mais recente.

Sob um conceito de manufatura conhecido como simultaneidade, a produção do F-35 começou antes da conclusão do hardware e software do jato. Isso foi feito para levar os jatos para o campo mais rapidamente, para que os pilotos pudessem treinar mais cedo.

O problema é que agora existem muitos, senão centenas de jatos em todo o mundo que precisam ser atualizados para o padrão final, um processo complicado e caro.

O programa F-35 continua avançando nos custos, mas o progresso é desigual e, em alguns casos, pode ser inatingível. A dificuldade de gerenciar um programa tão enorme, complicado e lento levou a Força Aérea dos EUA a buscar produzir seus futuros caças a cada cinco anos, a fim de desenvolver novas tecnologias mais rapidamente e criar mais opções de compra.

FONTE: Popular Mechanics

Subscribe
Notify of
guest
112 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antoniokings
Antoniokings
11 meses atrás

Para a LM o importante é a ‘forte parceria governo-indústria’.

Maurício.
Maurício.
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Antoniokings, mas em se tratando de EUA, isso é um baita mercado, da muito lucro, os americanos prestigiam sua industria de defesa, muito diferente do Brasil, e lá, quando um produto caseiro de grande valor perde alguma concorrência para um produto de fora, o lobby da um jeito, e o produto local acaba ganhando no tapetão, como no caso dos novos kc, a indústria bélica americana se sustenta sozinha, de uma maneira ou de outra.

jagderband#44
jagderband#44
Reply to  Maurício.
11 meses atrás

Esquece, ele não entende.
Talvez o sonho fosse sair do subúrbio carioca e trabalhar na LM.
Mas é difícil largar o serviço público.

Kemen
Kemen
Reply to  jagderband#44
11 meses atrás

É mas é dureza saber que a FAB recebeu seus dois primeiros Phenom construidos em Melbourne, Florida, Estados Unidos destinados ao Esquadrão Guará. Deixaram de ser construidos no Brasil.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Maurício.
11 meses atrás

Sim Maurício.
Mas, o dinheiro usado para as compras sai de onde?
Das árvores?
Os EUA estão se endividando brutalmente para manter essas compras militares.
Isso é inquestionável e o tamanho do rombo geral das contas governamentais passará de US$ 1 trilhão em 2020.
E vai passar fácil.

nonato
nonato
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Desde quando você está preocupado com as contas públicas dos Estados Unidos?

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  nonato
11 meses atrás

Desde quando eles vão em outros países, inclusive o Brasil, para impor coisas absurdas para ganhar vantagens comerciais e estropiar os ‘parceiros’.
Assim, tentam compensar os buracos sem fundo em que eles torram bilhões de dólares.

Flanker
Flanker
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Alii…coitadinhos dos outros países…..indefesos e inocentes contra o malvado dos EUA! Nesmo chororô de incompetente que não é capaz de andar com as próprias pernas, tem governos populistas, extremamente paternalistas, que tornam o governo um elefante branco, sorvedor de recursos, ineficiente e corrupto…e a culpa, como sempre, é dos outros! Nunca é dos incompetentes e ineptos, que vivem deitados eternamente em berço esplêndido…..a culpa é sempre dos outros né, sujeitinho??

nonato
nonato
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

É bom viver numa democracia para ficar defendendo ditaduras.
Morar em Cuba, na Rússia, países que não são malvados ninguém quer…
Ficar fazendo provocações no sofá com o iPhone na mão é fácil…

LEONARDO
LEONARDO
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Cada dólar gasto na defesa vira outros 2 segundo eles mesmo, pergunta lá como tá o pib deles e educação e poder aquisitivo. Qual iPhone tem uma criança de 10 anos . E qual carro de um garoto de 16 anos . De uma classe média . Pergunta quantas vezes foram na Disney ou se vai pra universidade. Pergunta quanto sai o galão de gasolina .

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  LEONARDO
11 meses atrás

Fique tranquilo, não, que isso está acabando.
O Mundo está mudando e muito rápido.

JPC3
JPC3
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

E para as forças armadas que participaram do projeto desde o início o importante é ganhar as guerras.

Alessandro
Alessandro
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Antoniokings

Para a LM o importante é a ‘forte parceria governo-indústria’.

__________________

disse o cara que enaltece a China, o país que mais abusa disso no mundo atualmente.

nonato
nonato
Reply to  Alessandro
11 meses atrás

Um soldado a serviço da causa. tchê Guevara vive!!!

Alessandro
Alessandro
Reply to  nonato
11 meses atrás

“vive” debaixo da terra e na mente dos sociopatas.

Talisson
Talisson
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

De qualquer forma esses investimentos retornam em tecnologia para áreas civis e direitos autorais, que beneficiam todo o país. Na CREDN um general comenta que 1 real gasto em tecnologia representa 3 reais para a sociedade civil.
Se na China e na Russia é assim, suponho que no Brasil e EUA também seja.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Talisson
11 meses atrás

Então, basta os EUA investirem US$ 20 tri de dinheiro público para retornar US$ 60 tri para a sociedade civil.
Aí, teremos o moto contínuo da prosperidade econômica e todos os problemas de dívida deles estarão resolvidos..
Isso não existe.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Dívida não existe para quem pode imprimir todo o dinheiro que precise. O problema é o que fazer quando as notas já não sejam aceitas.

Giacometti
Giacometti
Reply to  Joao Moita Jr
11 meses atrás

Pensei a mesma coisa.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Giacometti
11 meses atrás

Como disse o CEO de uma empresa de análise de risco: ‘Mas enquanto (os americanos) continuarem a pedir emprestado para comprar coisas que não podem pagar com dinheiro que não têm, por alguma razão permanecerão otimistas’.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Joao Moita Jr
11 meses atrás

Perfeito João Moita Jr

Uma hora isso acontece e parece que muitos países já ligaram o sinal de alerta.

jagderband#44
jagderband#44
Reply to  Joao Moita Jr
11 meses atrás

Quem pensou em imprimir dinheiro foi um candidato de esquerda nas últimas eleições presidenciais.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  jagderband#44
11 meses atrás

na-na-ni-na-não.
Volte aos livros. Faça a lição de casa e depois volte para discutir.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Talisson
11 meses atrás

Vou lá no EB, quem sabe um Guarani are melhor a terra aqui do que os tratores….

WVJ
WVJ
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Brasil: A mão invisível do deus mercado deve se livrar do Estado e nos salvará da miséria
EUA: O mercado come escondido na mão do Estado para manter as aparências do discurso liberal

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  WVJ
11 meses atrás

Bingo!

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Antoniokings
11 meses atrás

Infelizmente já não estarei vivo em 2099, quando o primeiro lote de F-35 modernizados chegar ao Brasil.

Adriano RA
Adriano RA
11 meses atrás

O couvert é baratinho, mas a bebida…

Ferreras
Ferreras
11 meses atrás

Qual o valor hora do J20 ou do su57? E vou dar de lambuja a diferença salarial dos países

JPC3
JPC3
Reply to  Ferreras
11 meses atrás

Dificilmente algum caça russo vai ter custo operacional tão alto, porém, muitas vezes, não é tão baixo quanto dizem.

Hélio
Hélio
Reply to  JPC3
11 meses atrás

Isso é verdade, o SU35 é prova viva.

Kemen
Kemen
Reply to  JPC3
11 meses atrás

Um exemplo: “compra quatro J-20 e leva o quinto de graça”, um negócio da China! O problema é que a compra sai barata, mas os preços sobem estorcivamente na compra de peças de reposição, upgrades e manutenção, assim aumentam o lucro os chineses.

MFB
MFB
Reply to  Ferreras
11 meses atrás

Nenhum deles é um quinta geração legítimo.

J-20
J-20
Reply to  Ferreras
11 meses atrás

O Su-35 custa uns 15.000 para cada hora de vôo. Deve-se esperar até o dobro para o Su-57

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  J-20
11 meses atrás

Por enquanto nem tanto já que ele uaa muitas partes do SU-35, ate o motor que aliás e o que pesa mais na hora vôo. Quando o motor for outro, ai sim sobe o preço.

Thiago Aiani
Thiago Aiani
11 meses atrás

Não é bem por ai , o block 4 vai custar para a Italia mais de 140milhões de EURO ( não dolare$) . O Custo que caiu foi desses primeiros lotes , ou seja do block 3F, mas já são previstas as modernizaoes para dotar a aeronave das atuais tecnologias como por exemplo um novo EOTS já inferior e superado pelos pods externos montados nos caças de 4 å geração , há também 53 modificações no hardware e 111 (!) no software para corrigir erros críticos ( o ALIS é um deles ) para o block-4 que será disponível só… Read more »

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  Thiago Aiani
11 meses atrás

A esses custos você adiciona também as modificações que os parceiros tiveram que cobrir com o proprio bolso . Como por exemplo as ” chatices ” da quebra de soberania e segurança, que comporta o sistema Alis, que envia todos os dados recolhidos pela aeronave para Fort Worth em Texas. A Itália colocou um filtro para bloquear essa situação de fuga de informações, mas comportou com certeza um custo ulterior.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
11 meses atrás

Agora vai!
Só assim mesmo!

Thiago Aiani
Thiago Aiani
11 meses atrás

Com o surgimento de novos concorrentes as prospecções de ganhos fáceis pela Lockheed vão se reduzir. Os projetos de 6 geração vão necessitar de cobertura financeira, o cobertor é curto.O Reino Unido e até a Itália poderiam cogitar reduzir seus pedidos. Para a Itália é facil imaginar de manter o pedido o firme apenas para os F-35 B para a MM, insubstituíveis e fundamentais- as versões B da Aeronáutica deveriam ser repassadas para a Marina e seu novo Trieste- e reduzir à 50 unidades os da Aeronáutica para cobrir apenas os Tornados, enquanto os AMX ghibli poderiam ser substituídos pelos… Read more »

Hélio
Hélio
11 meses atrás

É o famoso barato que sai caro.

TOM
TOM
Reply to  Hélio
11 meses atrás

Rapaz pura verdade, caro demais voar nesse DOGE! Kkkkk

carvalho2008
11 meses atrás

Hummmm

Podemos chamar então de Dolce Gusto…ou caso alguem não gostar de cafe e preferir outro nome, chame de impressora….

barato de comprar, mas para trocar o cartucho…..fica complicado….

Noves fora, a daqui de casa somente uso em ocasiões….fica encostada e passo o cafe na cafeteira comum mesmo no dia a dia…

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  carvalho2008
11 meses atrás

Recomendo cafeteira italiana tipo Bialetti. Não conheço melhor relação entre praticidade e custo-benefício. E um bom pó de café, é claro (pode também moer seu próprio grão num moedor portátil). Muito mais barato e vantajoso que essas de cápsulas, onde cada xícara, apesar de deliciosas, saem muito mais caras.

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
11 meses atrás

A famosa “moka ” !! Os napolitanos são capazes de fazer uma discussão infinita sobre come deve ser feito o café nessa bendita cafeteira! Rsrs

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Thiago Aiani
11 meses atrás

Isso! A boa e velha Moka Express.

Mas não tem muito segredo não, é só não compactar quando o pó é mais fino que o desejável (aliás, não se deve compactar nunca) e, quando possível, moer o grão um pouquinho mais grosso do que o normal que se usa pra coador.

Qualquer discussão um pouco mais gourmetizada que isso é frescura de carcamano se achando francês.

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
11 meses atrás

Sim, verdade não existe segredo, simplesmente é o jeito deles, como um nordestino enfatizaria
o seu cuscuz e sua cuscuzeira, o gaúcho seu chimarrão, o carioca…bem o carioca não sei …rs
mas é apenas aquele típico jeito bairrista de quem ama até os gestos pequeninos e típicos do cotidiano da própria terra.
Quanto ao se achar francês é difícil, carcamano tem tradição e cultura bem mais velha e prestigiosa…seria ofensa se passar por francês rsrsrs

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Thiago Aiani
11 meses atrás

Hahaha, verdade. Mesmo porque a cafeteira francesa é muito estranha e bem mais chata de usar e lavar.

Jacinto
Jacinto
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
11 meses atrás

Mas a francesa gera um bom cafe tambem, desde que se use cafe moído corretamente, a cafeteira tenha sido aquecida antes e que se tenha a paciencia de esperar o tempo de infusao correto.

Marcio Cosentino
Marcio Cosentino
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
11 meses atrás

Peraí, os Carcamanos são bem superiores que os franceses…. 🙂
Nós é que colonizamos eles 🙂

smichtt
smichtt
Reply to  Marcio Cosentino
11 meses atrás

È vero!

Thiago Aiani
Thiago Aiani
Reply to  Marcio Cosentino
11 meses atrás

Marcio, concordando, o maior condottiero militar dele, um dos personagens históricos mais relevante, o Napoleone, era um carcamano!! kkkkkkk brincadeira rsrsrs eles também tem varios meritos, por exemplo aquela maravilhosa Monalisa , uma da peças mais famosas e importantes do Louvre …. peraí, agora que lembrei a Monalisa também é italiana kkkkk brincadeira , brincadeira kkkkk

Tomcat
Tomcat
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
11 meses atrás

Rapazes, essa foi a melhor discussão em anos aqui!!!!! É off topic, mas de uma cultura finíssima! E de sabor inigualável!!! Amo café!!!

Antunes 1980
Antunes 1980
11 meses atrás

Uma força área formada com 70% de aeronaves de ataque leve e 30% de caças seria o mais racional.
Vale mais a pena manter uma força aérea com vetores mais modestos como o SuperTucano, Gripen NG e Boeing/SAAB T-X.
O custo de operar vetores como o F-35 se tornará cada vez mais proibitivo.
Mix de vetores “simples” mas atualizados e investir consideravelmente em sistemas de defesa como o S-400 e S-500.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Antunes 1980
11 meses atrás

E por isso que a FAB só quer 108 caças gripen que vão ficar onde e mais provável no caso do improvavel acontecer, uma invasão do espaço aéreo Brasileiro.

Kemen
Kemen
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
11 meses atrás

Houvi ainda hoje que devido a cortes no orçamento da FAB, as entregas do Gripen poderiam ser menores ao longo do tempo e este se estenderia por mais 2 ou 3 anos.

Salim
Salim
11 meses atrás

O custo hora vôo e diferente nas varias forças aéreas pelo mundo. Para uma comparação seria teríamos que padronizar customização ou ter estes valores em aberto. Varias fontes indicam valores bem dispares referentes a mesma aeronave, ate para um mesmo pais. Porem levanto uma duvida, como economias menores que a nossa conseguem e nos náo!??! Sera que são mais patriotas em relação a defesa da pátria e das pessoas que lá vivem!?!!? Quanto vale nossa segurança!?! Sera que estão fazendo o melhor com as verbas disponibilizadas por nos ( entre os 10 maiores gastos defesa mundo)!?

Fernandes
Fernandes
11 meses atrás

Para manter as despesas baixas e enquanto o F-35 não amadurecer e baixar também os custos de operação, há uma oferta no mercado da Rússia de 6 SU-30 de segunda mão, porém revisados e modernizados na fábrica. Não poderia ser, como chama a MB, uma compra de oportunidade?

Carlos Campos
Carlos Campos
11 meses atrás

o Preço de se manter vai cair também, acredito que quem quer devia esperar sanarem os problemas e os valores de aquisição e manutenção cair, para o Brasil acredito que o Melhor seria comprar depois de 2030 aqui na America do Sul não tem ninguém com armas tão poderosas, enquanto isso poderíamos desenvolver um drone furtivo armado com outros países, desenvolver mais mísseis, desenvolver um míssil com o motor do 14-X, desenvolver um Radar Embarcada de GaN, Taiwan tem um radar assim e com a China ameaçando eles, provavelmente mesmo que os EUA não queiram, um dinheiro a mais seria… Read more »

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Carlos Campos
11 meses atrás

Esquece brother, eu não quero essa banheira aqui, o Brasil vai sair do Gripen para um de sexta geração.

Denis
Denis
11 meses atrás

Que texto mais mal escrito.

Fernandes
Fernandes
Reply to  Denis
11 meses atrás

Porém com idéias a serem consideradas

Rui Chapéu
Rui Chapéu
11 meses atrás

Papel aceita tudo e cada país pode contabilizar de um modo diferente. Se a Rússia “compra” combustível subsidiado de alguma estatal russa, eles podem dizer que o litro sai por U$0,000001 o Litro e isso vai baixar o custo de hora de voo dos Sukhois deles absurdamente. China idem. Se não me engano os americanos contam tudo, até as ferramentas pra manutenção. Só um exemplo de como cada nação pode baratear ou aumentar os custos de operação. Mas isso tende a cair já que é uma arma nova e há muito que se aprender sobre a mesma ainda. E continuo… Read more »

João Adaime
João Adaime
Reply to  Rui Chapéu
11 meses atrás

Prezado Rui
Considerando teu comentário sobre as diferentes formas de contabilizar os custos (combustível, ferramentas, etc) podemos acreditar que a operação de um equipamento norte americano tende a diminuir custos. Por outro lado, equipamentos de outros países podem ter aumento significativo de custos, à medida que esqueletos vão sendo descobertos e retirados do armário.
Abraço

Barba
Barba
11 meses atrás

Pelo este preço para manter o F35 depois da compra, o melhor é ter o Gripen mesmo….

Tomcat4.0
Tomcat4.0
11 meses atrás

Matéria bem pontual pra fazer a turma do eu quero uns na FAB e ou CFN colocarem os pés no chão.

Kemen
Kemen
Reply to  Tomcat4.0
11 meses atrás

Do jeito que anda a coisa, até os Gripen podem ficar só nos 36… entregues a perder de vista.

Jodreski
Jodreski
Reply to  Kemen
11 meses atrás

Não tem como a FAB encolher tanto, hoje temos uma força composta por F-5 e por AMX, Se vc somar a quantidade dos dois o valor se aproxima das 100 unidades, para a FAB ser encolhida a apenas 36 unidades vários esquadrões precisariam ser fechados. Certamente a FAB fará compra de outros lotes a medida que os F-5 e AMX forem dando baixa.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Jodreski
11 meses atrás

Jodreski,

Se somar os F-5 e A-1 efetivamente em serviço, dá pouco mais da metade disso aí.

E olhe lá.

Já se foi o tempo em que se tinha 100 jatos de combate de primeira linha na FAB, e na prática já se tem menos esquadrões do que há 10 anos.

RENAN
RENAN
11 meses atrás

Mas alguém coloca no papel qual o custo de ceder a um inimigo, o custo de não dar uma dura resposta a um inimigo, o custo de não poder fazer frente a este inimigo? Qualquer país que tente agredir o Brasil sabe que nossas forças armadas está com tecnologia de 1970. E vamos a guerra como tartaruga. Então podem pressionar politicamente e até nos agredir que não terão a resposta adequada. Mas se nosso país operar no mínimo 24 unidades deste caça. Qualquer país sabe que se eles decolarem irão causar danos significativos ao agressor. Primeiro pelos seus ótimos armamentos,… Read more »

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  RENAN
11 meses atrás

Concordo com a primeira parte: o custo de uma derrota militar será muitíssimo mais alto.

Wilson Lobe Junior
Wilson Lobe Junior
11 meses atrás

Muitos leitores ficam debatendo se este seria um bom avião para a FAB, principalmente agora que seu custo de aquisição esta mais baixo que o próprio Gripen E (algo previsível pelos ganhos de escala). Mas se esquecem que os Americanos, NÃO VENDERIAM ESTE CAÇA AO BRASIL. Nosso país nunca foi convidado para fazer parte deste projeto, mesmo tendo, na época, a quarta maior industria aeronáutica. Vários projetos de tecnologia bélica e aeroespacial do Brasil foram boicotados pelos EUA. Entendam que os EUA nos veem como seu quintal e não admitem que nenhum país latino-americano desenvolva minimamente suas forças armadas.

Fernandes
Fernandes
Reply to  Wilson Lobe Junior
11 meses atrás

Assistam ao vídeo abaixo, mostrando as razões técnicas de porque o Brasil não aceitou comprar os F-18 SH no projeto FX:
https://www.youtube.com/watch?v=VSb2QjX57rY
Fica claro o risco de comprar tecnologia bélica americana.

Rui Chapéu
Rui Chapéu
Reply to  Wilson Lobe Junior
11 meses atrás

Foi oferecido sim e o Ministro da Defesa da época, o boçal Nelson Jobim falou que ele era demais pra nós. https://www.aereo.jor.br/2009/12/01/o-dia-em-que-o-ministro-jobim-descartou-o-f-35/ Jobim reconheceu que o F-35 “é impressionante”, um jato de quinta geração mais arrojado que os concorrentes: “Não tem comparação com os Sukhoi e os Rafale”. Mas, segundo ele, o F-35, de ataque, é bom demais para a expectativa brasileira: “Um dos problemas é a incompatibilidade dos aviões com as nossas necessidades”. Dirigindo-se ao comandante da aeronáutica, Juniti Saito, que o acompanhava, Jobim perguntou: “Não é, Saito?” Desconfortável, o brigadeiro foi reticente e pareceu discordar: “Bem… O Brasil… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Rui Chapéu
11 meses atrás

Rui, Postei essa matéria num comentário ontem mesmo, em dúvida parecida feita na outra matéria recente do F-35. Isso que aconteceu em março de 2008, até onde se sabe, não foi um oferecimento formal, nem uma recusa formal, foi opinião expressada a um jornal durante uma visita aos EUA ainda na primeira fase do programa F-X2, no qual a Lockheed Martin, fabricante do F-35, optou por concorrer com o F-16. Na ocasião da visita foram apresentados vários armamentos dos EUA ao Jobim e ao Saito. Segundo a fonte original, até mesmo o F-22. Bastaria à Lockheed Martin ter oferecido formalmente… Read more »

Rui Chapéu
Rui Chapéu
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
11 meses atrás

Os armamentos e a maioria da tecnologia embarcada no Gripen é tudo americana (AMRAAM só pra citar um belo exemplo).

Pq diabos não iam nos fornecer o F-35?

Até de Super Hornet veio oferta, o cavalo da USNAVY. E completinho.

Eu ainda falo que a FAB / governo da época fizeram besteira com essa transferencia de tecnologia ai.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Rui Chapéu
11 meses atrás

“ Pq diabos não iam nos fornecer o F-35?”

Rui, vamos ao fato principal:

O F-35 não foi oferecido no F-X2, que foi o programa de aquisição de caças da FAB. O porquê de não ter oferecido o F-35 na disputa e ter concorrido con o F-16 é uma pergunta que pode ser feita à Lockheed Martin.

Guilherme Poggio
Guilherme Poggio
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
11 meses atrás

Teve manifestação formal do Lockheed na época. Segundo eles o F-16 atendia perfeitamente aos requisitos da FAB e em condições de preço mais competitivas.

Evgeniy (RF).
Evgeniy (RF).
Reply to  Rui Chapéu
11 meses atrás

Pq diabos não iam nos fornecer o F-35?

—–

Esta é obviamente a questão.

Space Jockey
Space Jockey
Reply to  Rui Chapéu
11 meses atrás

O nosso Gripen vai de Meteor, Iris-T e A-Darter, nenhum americano.

rui mendesmendes
rui mendesmendes
Reply to  Rui Chapéu
11 meses atrás

A Maioria é Americana. Será? Não. E em questão de mísseis, já que disses-te, ´´amraam, só para citar um belo exemplo, nenhum dos mísseis embarcados será Americano. Também podia dizer que o novo avião de treino, o T/X Boing/Saab, é quase todo Sueco, mas estaria a mentir.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
11 meses atrás

Meio maluco, mas dada a sofisticação do menino chega a ter a sua lógica.

Pode ser o custo a ser pago pela maior eficiência no cumprimento das missões e pela maior probabilidade de sobrevivência no teatro de operações.

Sincero Brasileiro da Silva
Sincero Brasileiro da Silva
11 meses atrás

O EUA usam o Mod Dinheiro Infinito, assim fica fácil! Quem disse que dinheiro não nasce em árvore? kkkkk

horatio nelson
horatio nelson
Reply to  Sincero Brasileiro da Silva
11 meses atrás

é pq lá o dinheiro publico tem outras finalidades…lá não tem direitos trabalhistas nem saude publica,maquina publica inflada…aqui um acensorista ganha 20 mil por mes…caso não tivessemos q investir trilhoes nisso teriamos 500 f35 e 10 porta aviões

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Sincero Brasileiro da Silva
11 meses atrás

Sendo “sincero”, vc está errado em sua analise. O que fazem é tratar com muito mais respeito a coisa publica. Defesa é caso sério.

Bardini
Bardini
11 meses atrás

Eu ainda vejo claras vantagens. E como muita gente está comprando, não deve ser só eu que vejo essas vantagens… . O fato é que para o Brasil, a única versão que faria sentido é a versão B, e tanto faz se é para FAB ou para MB. Seria algo a disposição do Brasil. . E quando falam dessa aeronave para o Brasil, eu sempre penso que deveriam criar um Esquadrão que seria como um elemento de “Operações Especiais”, equipado com F-35B. Esse Esquadrão poderia operar de forma independente ou ser integrado aos demais equipados com Gripen E/F, poderiam ser… Read more »

Salim
Salim
Reply to  Bardini
11 meses atrás

Bardini, praticamente o mesmo que eu acredito ser melhor, seria caça tático para limpar área gripens ou garantir avanço armada, entendo que Israel esta operando nestes parâmetros também.

RENAN
RENAN
Reply to  Bardini
11 meses atrás

Exatamente isso
Devemos ter um grupo de pronta resposta com equipamentos no estado da arte. Não deve ser grande mas o suficiente para dar uma dura resposta

Sérgio Luís
Sérgio Luís
11 meses atrás

Todas as telemetrias pós missão vão parar no pentágono ñ importa o usuário!
E aí é bom ñ é!?!?!

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Sérgio Luís
11 meses atrás

Faríamos o mesmo se fossemos capazes, não só nós, o resto também (se é que não fazem… quem pode garantir isso?)

Peterson Borges Rodrigues
Peterson Borges Rodrigues
11 meses atrás

Seria viável o Brasil adquirir alguns F-35 futuramente e combinar uma frota de Gripen NG e F-35?

Daniel
Daniel
Reply to  Peterson Borges Rodrigues
11 meses atrás

Qual motivo de ter F-35 no futuro se dominaremos a tecnologia, e teremos toda a logística de manutenção do Gripen E?
Queimar nosso parco dinheirinho?

Daniel
Daniel
11 meses atrás

Muitos na outra matéria criticando o custo do Gripen E ser mais alto.
Ora! 4,5 mil trumps por hora voo versus 44 mil trumps (sem transferência de tecnologia) diz tudo.

TeoB
TeoB
11 meses atrás

Como disse no outro post, não existe nada mias caro que uma BMW barata…

nonato
nonato
11 meses atrás

No caso do Brasil, se comprasse 12 por 960 milhões, bastava voar pouco.
Só interessa voar na hora da guerra.
Em tempos de paz, é simulador e 50 horas de vôo por ano.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  nonato
11 meses atrás

Nonato,

A Coreia do Sul está pagando cerca de 160 milhões por caça (na conta de padaria) em seus dois contratos do F-35, o que normalmente inclui treinamento, simuladores, material de apoio em terra, sobressalentes, logística, enfim, tudo que é preciso para os aviões operarem.

https://www.aereo.jor.br/2019/10/11/coreia-do-sul-vai-comprar-mais-vinte-cacas-f-35/

Então pode multiplicar por 2x essa sua estimativa de 960 milhões por 12 F-35 para o Brasil. Esse preço de 80 milhões por caça não inclui nada além do avião. E olha que a Coreia do Sul é muito mais importante para os EUA que o Brasil.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
11 meses atrás

Caro é coisa de pobre, ter força aerea de alto níve custa o que for preciso para manter.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Nilton L Junior
11 meses atrás

É por aí, “quem não sabe brincar, não desce pro play”.

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Nilton L Junior
11 meses atrás

Quando se trata de dinheiro espoliado dos outros como é o dinheiro público, CxB deve contar na hora do planejamento.

Cavalo-do-Cão
Cavalo-do-Cão
Reply to  Nilton L Junior
11 meses atrás

Pobre só sobe na vida quando explode o barraco…

Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Cavalo-do-Cão
11 meses atrás

Kkkkkkk essa foi boa! Única forma do pobre voar!

Leonel matos
Leonel matos
11 meses atrás

Há que levar em conta que apesar do f35 ter sido feito com o objetivo de ser um caça de 5 geração ao preço de 4 isso não incluída de toda o preço da manutenção pois caças de 5 geração tem sensores avançados tinta absorvente e estrutura que igual absorve ondas de radar e isso tem outro tipo de custos adicionais logo sempre será superior aos de 4g

Heber Leandro Silveira De Lima
Heber Leandro Silveira De Lima
11 meses atrás

A força do F35 JSF nas três versões está em sua grande parceria com o Governo Americano e Com países parceiros do projeto. Levando em consideração o grande interesse de outros países aliados que não faziam parte dos planos de Mercado e agora podem ter a oportunidade de fazer uso do mercado “aberto” do Caça.

RENAN
RENAN
11 meses atrás

Vamos as contas Partindo do suposto de 24 aeronaves. Cada uma completa com seus kits de manutenção e acessórios( treinamento, simulador, etc) vamos dizer 200 milhões por aeronaves 24*200= 4800 M$. 24*352= 8448M$. 2 000 M$ em armamento. Então teremos 15.248 milhões de dólares ou se preferir 15,3 Bilhões de dólares para operar um equipamento altamente dissuador. Por 20 anos com cada aeronave voando 400 horas por ano. Está muito bom o valor. Coloca 15248 / 240 meses são 63,5 milhões de dólares por mês durante 20 anos. Se um país que tem mais de 1 trilhão de PIB não… Read more »

JOAO BORGES QUEIROZ JUNIOR
JOAO BORGES QUEIROZ JUNIOR
Reply to  RENAN
11 meses atrás

Como assim “está muito bom o valor” ?
63,5 milhões de dólares (254 milhões de reais) **POR MÊS** por apenas 24 aeronaves, e “está bom” o valor?

RENAN
RENAN
Reply to  JOAO BORGES QUEIROZ JUNIOR
11 meses atrás

O câmbio está 4 para 1 porque o governo quer
64 milhões de dólares para nosso Brasil não é nada
Só o judiciário consomem 29 Bilhões de dólares ano mais de 2 bilhão mês
Nossa força armada tem orçamento de 2 Bilhões de dólares mês.
Todos os funcionários públicos consomem 8,4 Bilhões de dólares mês.
Então espaço para míseros 64 milhões não é problema. Vide aumento do fundo partidário, que já está em 1 Bilhão de dólares ano ou mesmo o aumento para os militares de 1 bilhão de dólares.
Portanto um valor irrisório perto do orçamento federal

Thiago Telles
Thiago Telles
11 meses atrás

Super barato kkkkkkk

Denis
Denis
11 meses atrás

#EuJáSabia!

Peter nine nine
Peter nine nine
11 meses atrás

Continuo a não aconselhar a comprar do dito avião, ou de qualquer outro de 5 geração. Isto se o dito país tiver caças de 4 geração aptos de servir durante mais 10/15 anos. Porque? A 5 geração é ainda uma incógnita, uma geração pouco solidificada que, em meio ao surgimento da 6ª, pode muito bem morrer na praia. O F35 vai ser um sucesso, sem dúvida, com pelo menos uns poucos milhares de células vendidas, mas para forças monetariamente menos capazes, que só podem se dar ao luxo de realizar este tipo de envestimento a cada 30/40 anos, adquirir o… Read more »

Oseias
Oseias
11 meses atrás

É igual carro francês automático com 10 anos de uso: pode até ser barato pra comprar, mas depois você deixa até o fígado no mecânico.

Adriano Madureira
Adriano Madureira
Reply to  Oseias
11 meses atrás

Rapaz,se fala muito de carro francês,mas acho que a integridade mecânica e “física” do carro se dá muito ao zelo do dono,tem dono que usa carro como sabonete.
Fazendo manutenção preventiva,usando o carro com parcimônia e não como se fosse um jeep Wrangler,o carro pode ter uma vida mecânica agradável e servir ao dono por um bom tempo.

Usar peças de qualidade e mecânicos confiáveis é algo importante…

Os mais criticados são o Peugeot!

Boa tarde Oseias…

rui mendesmendes
rui mendesmendes
Reply to  Oseias
11 meses atrás

Pois, só se for aí, aqui na Europa, um carro Francês, têm das manutenções mais baratas, os Alemães, são mais caros e Americanos e Japoneses ainda mais caros são.

CARLOS FERREIRA DA SILVA FILHO
CARLOS FERREIRA DA SILVA FILHO
11 meses atrás

O problema é com um custo desse, no futuro muitas dessas aeronaves ficaram aterradas para economizar dinheiro. Mesmo que se voe 200 horas ano, mesmo assim o custo é muito salgado.