Home Aviação de Caça VÍDEO: ‘Dogfight’ entre Rafale e F-22 Raptor

VÍDEO: ‘Dogfight’ entre Rafale e F-22 Raptor

11641
181

Assista no vídeo acima à gravação de um treinamento de combate aéreo entre o caça francês Rafale e o F-22 Raptor americano na Operação ATLC 2009, nos Emirados Árabes Unidos.

O vídeo de 3:14 minutos feito a partir do Head Up Display (HUD) do Rafale mostra o F-22 tentando escapar do caça francês em um “dogfight” – combate aproximado.

Na época da divulgação do vídeo houve muita discussão nos fóruns da Internet sobre o desempenho do F-22 contra caças do tipo “eurocanard” (Rafale, Typhoon e Gripen) em combate dentro do alcance visual.

Observar aos 0:52 que o piloto francês anuncia “Fox 2”, que significa o disparo de um míssil MICA guiado por calor, que pode ser feito a uma distância mínima de 500 metros.

Aos 2:32 o F-22 aparece bem na mira para o tiro de canhão do Rafale.

Dassault Rafale
Dassault Rafale
Lockheed F-22A Raptor

181 COMMENTS

  1. Bom, o F-22 não é otimizado para dogfight mas isso é um problemas dela. Estão em um exercício e, talvez, as regras de engajamento favoreçam este tipo de combate, talvez fosse uma missão WVR. Por fim, nunca é possível saber se o que a aeronave demonstrou é o máximo que se pode obter dela e, finalmente, o Rafale é uma aeronave de muito respeito.

    • O F-22 é sim otimizado para combates WVR. Ele é muito potente e extremamente ágil. Ocorre que o Rafale também é extremamente ágil e não existe aeronave suprema.
      Em exercícios os F-22 Já foram eletronicamente abatidos por várias aeronaves, mas a cada F-22 abatido são dezenas das outras aeronaves abatidas.
      Aí é que está a diferença de desempenho.
      Não em um único embate e sim em muitos.

    • F-22 é bom no dogfight sim, só não dá para vencer todos. Também não se sabe qual é o melhor nisso no ocidente e depende muito do piloto.

      • Acredito que ele vença todos os caças e com sobras JPC3.
        Mas como disse o Luís Henrique, “… a cada F-22 abatido são dezenas das outras aeronaves abatidas…”.
        Ainda não conhecemos todas as façanhas de que esta aeronave é capaz.
        Veja que os EUA relutam a anos repassá-lo para outros países. Uma vez que a aviônica fique defasada com o tempo, acredito que muito desta relutância seja devido a sua alta manobrabilidade.

        • O único problema é que, o F-22 é uma relíquia escassa, que fizeram e jogaram a forma fora.
          Além disso para cada F-22, você poderia comprar e operar um bocado de Gripens por exemplo. Embrenhar em dog fight contra 2 ou mais não dá.

          • Em teoria a forma foi preservada, mas esquentar ela de novo parece ser mais caro do que fazer um de 6a geração em custo beneficio digo… Novos aviônicos ajudariam muito o desempenho que já é formidável, mas transformaria ele num 5+? Acho que os americanos preferem apostar esse mesmo dinheiro comprando mais F35 e projetando o de 6a geração de superioridade aérea…

            Abs

          • Quando comentei “… vença todos…”, não quis duzer que pode vencer 5 todos de uma vez. Achei que isto tinha ficado claro…
            Referente a ser uma relíquia, a Rússia entende bem disso, já que a grande maior de sua frota é formada por aeronaves de época similar ou inferior, levando apenas em consideração apenas a idade e não tecnologia embarcada.
            Referente a escassa, são mais de 180 aeronaves. Muito maior que a frota de vários países.

    • André, o f22 é sim optimizado para dogfight, é aliás o último caça americano a ser desenvolvido para esse efeito até ao momento, o mesmo não se pode dizer do F35.
      A doutrina actual americana é pressupor, como se sabe, que a sua parafernalha de plataformas de armas permita às forças americanas não entrarem em “dogfights desnecessários”.
      Isso explica a taxa de abate superior do F35 e f22 em exercícios, comparadamente as aeronaves 4g, que, quando expostas a ambiente menos ideal, não conseguem gerir tão bem a situação, por outro lado, se invertermos os papeis, ou seja, os 5g são os desfavorecidos, a situação tende a mudar de figura.
      Ainda assim, é um feito notável do Rafale e do seu piloto, f22 é uma aeronave com extremo potencial de letalidade, mesmo em combate visual, o Rafale portou se muito bem, pese embora que num ambiente que cada vez mais especialistas concordam ser pouco probavel de ocorrer num cenário de guerra moderna (combates a curta distância).

    • Dizem que os nossos F-5 já venceram o Rafale em um combate WVR em uma das cruzex que os franceses vieram.

      Mas não é por isso que faz os F-5 melhores que o Rafale, pra mim esse vídeo é puro marketing da França pra vender seu peixe, na qual eles tem todo o direito de fazer.

    • Treino é treino, guerra é guerra. Já teve Rafale derrubado por F-4 , nem por isto imagino numa guerra Rafales sendo abatidos pelo velho Phantom. Há dezenas de variáveis que devem ser levadas em conta, especialmente as regras de engajamento.

    • Pois e eu vivi para ver um rafale encoxando o todo poderoso alienware americano, verdade seja dita, o rafale e uma obra prima.Mas como disse nunca saberemos segredos militares e segundas intenções em vazamentos.

      • Na verdade ele apenas dá vantagem em velocidades muito baixas em relação a aeronaves que não o possuem. Sem falar que gera muito arrasto e faz o caça perder muita velocidade, ficando vulnerável.

    • bom dia…
      pelo que sei o F22 foi preparado eletrônicamente com limitação de 7G e sem vetoração…
      se fosse um engajamento de igual pra igual e Raptor liberado…. F22 só perde pra qualquer aeronave ocidental se quiser…

  2. O maior limitador é a força g exercida sobre o corpo , vide a respiração ofegante do piloto, resumindo o Rafael é melhor que o f-22 no dogfight , e melhor que o gripen

      • Força G e capacidade de curva sãos itens interligados, mas distintos. Por exemplo, uma curva à 9Gs feita à 700 km/h, terá um raio de curva muito menor que um feito a 1.200 km/h.

        Você pode ler mais sobre isso na Wikipédia, melhor do que eu poderia explicar por aqui.

        • Na verdade, quando o assunto é aviação de caça é um pouco mais complicado. Existe um conceito chamado “Corner Speed” (velocidade de manobrabilidade). Há uma tabela com gráficos referentes à IAS e raios de curva. O que significa que uma determinada aeronave poderia fazer uma curva com um raio mais fechado a 700 km/h do que a 400 km/h, por exemplo.

      • Sim ambos suportam 9g. O limite da célula está relacionado a taxa de giro instantânea, mas esse valor não é mantido na taxa de giro sustentado porque a aeronave perde muita energia durante a curva, a grande vantagem da configuração delta canard é reduzir essa perda de energia durante as curvas, dessa forma eles conseguem manter um fator de carga maior e por consequência realizar curvas com raios menores, dentre os delta canard europeus, segundo o que eu li, o Rafale e o Gripen são otimizados para manobras em baixa e média altitudes e o Typhoon para grandes altitudes.

    • E conclui isso vendo um dogfight?

      Pode até ser, mas uma ou duas vitórias não provam nada. Tem vários dogfights que um caça já começa atrás do outro, por exemplo. Ou tem pilotos melhor treinados e outros que apenas erram.

    • Claudio, o maior limitador é seu baixo nível de inteligencia pra afirmar algo assim …

      E apresente suas fontes, os gráficos comparativos de outros combates envolvendo esses 03 caças que citou por exemplo, caso contrario é Puro achismo barato e ridículo …

      E aproveita volta la para assistir o desenho do naruto que aqui nao é seu lugar …

    • Ainda bem que não é tão fácil assim. Seria natural que o F-22 impusesse um trabalho danado ao Rafale, e foi isso que aconteceu. Digno de nota ressaltar que uma ação desse tipo não é esperada para o F-22 que dever “ver o inimigo e atirar antes de ser visto”.

  3. O entusiasta médio de assuntos militares curte muito a ideia de arma perfeita e infalível, o problema é que a realidade nunca se importou com isso.
    Dependendo da situação, em dogfight se vacilar até o A-4 teria chances contra um F-22.
    Dizer que o F-22 não é pensado pra dogfight é um erro. Ele tem uma mabobrabilidade interessante, não é como o F-35 que aposta mais pesado mesmo no BVR.

    • Exatamente.
      Como ouvi recentemente : “A cultura come estratégia no café da manhã”
      Não adianta nada ter a maior das estratégias e armas, se a cultura de operar ou como dizem por aqui, a doutrina, não estiver a par.

    • A grande questão é sabermos se essa situação seria usual na vida real. Tudo indica que o F-22 esta talhado para atacar sem ser visto, sendo o dogfight uma capacidade secundária do avião. Quanto um avião considerado pior abater um considerado melhor acredito que o pessoal da FAB pode confirmar que existem fotos de A-1 enquadrando F-16 em exercícios aqui no Brasil.

      • Aí que ta, tem muita variável desconhecida. Quais as regras de engajamento? Quais as condições iniciais? Qual a altitude permitida pro combate? Quantas simulações foram feitas?
        Sem saber isso a única coisa que pode se afirmar é “o rafale tem condições em alguma situação de abater um F-22”, mas honestamente, essa afirmação dá pra fazer sobre literalmente qualquer avião em relação a qualquer outro.

    • O F35 Não é otimizado para dogfight pelo simples fato de que numa nova doutrina um F35 será acompanhado por um par de drones que farão o serviço se necessário.

  4. Bem… Como fora dito aqui… Se fosse combate em BVR o F-22 tivesse se sobressaído. Mas em matéria de dogfight o Rafale foi bem sucedido. Eu espero francamente que os EUA não estejam prestes a realizar um equivoco muito parecido com que fez na Guerra do Vietnã. Na época do Vietnã os EUA acharam que os dogfights já tinha terminado e que era hora dos mísseis. Descobriram do pior jeito que estavam enganados. Agora insistem que BVR (Beyound Visual Range – Além do alcance da visão) é o futuro. Sempre haverá espaço para os dogfights. Em algum momento isso acontece e vai vencer que estiver melhor preparado tanto em treino como em equipamento.

    • A grande questão é que a eficiência das armas em 2019 é infinitamente superior as que estavam disponíveis a 50 anos atrás. Quando se fala em Vietnã não se pode esquecer que as regras de engajamento das Forças Americanas contra a aviação Norte Vietnamita equilibrava a relação de forças jogando aeronaves de mais sofisticadas (americanas) em uma arena de combate não tão vantajosa quando comparadas ao cenário para que estavam projetadas.

      • Concordo contigo Ricardo. Agora foi o que eu disse sempre haverá arena para um dogfight. Tanto como armas como contramedidas evoluíram juntos. Uma hora vai ter que ir para o canhão e manobras “Gs” como foi com o Rafale no qual o piloto tava no osso. Volto a dizer… Vai sobreviver quem tiver mais preparo tanto no equipamento como pessoal mesmo.

        • Dizer que é uma desculpa é não saber que os caças não conseguiam reconhecer entre amigo e inimigo a longas distâncias, entre outras razões.

  5. Como é um combate corpo a corpo acho que a furtividade do F-22 não diferença nenhuma aqui. A proximidade faz com que o Raptor apareça no radar francês

  6. No vídeo o Raptor está na mira do Rafale e não consegue sair, mas se o Rafale estivar na mira do caça americano será que conseguiria sair

    • Não. Isso não é assim, não existe isso de usar ou não usar o TVC.
      Pelo menos no F-22.
      No Raptor, o TVC está totalmente incorporado ao FLCS do caça, e não foi feito com/não tem nada no cockpit para o piloto poder simplesmente ativar e/ou desativar o TVC.
      O FLCS é que decide tudo… Quando usar, e quando não usar, como usar, etc…
      E o sistema decide isso com base na velocidade, na altitude e no AoA a que o caça está voando/se encontra.

    • “…Os caças com o canard são muito mais manobráveis.”

      Não
      Um caça com design lerx-asa-cauda moderno bem feito pode ser bem mais manobrável que um caça com configuração aerodinâmica canard-asa delta.

      Pelo menos o F-22 e o também o Su-57 muito provavelmente são provas disso.

      O F-16A/B ADF (motor F100-PW-220E!!), segundo os pilotos italianos, está ao mesmo nível que o Eurofighter Typhoon até aos 10,000ft de altitude.
      Agora imagine um F-16 com motor F100-PW-229 ou F110-GE-129.

      Mesmo caças como o F/A-18 Hornet, F/A-18 Super Hornet e F-35 tem as suas vantagens quando comparados com os delta canard europeus. São bem melhores a manobrar a baixas velocidades e a elevados AoA por exemplo…

      • Tanga das grandes, o que os pilotos italianos dizem é que o Typhoon é sem dúvida o melhor avião da sua geração e que só perde para os de 5ªgeração, e não em todos os parametros, isso é o que eles dizem, e não o que tu inventas que eles dizem. Querias, não é? Custa muito, o ressabiamento ainda não desapareceu. Temos pena. Então essa dos motores, é ridicula.

  7. Bem legal. Os pilotos parecem estar bem alto. Só posso imaginar a dificuldade para respirar… Mesmo sendo de gerações diferentes o combate ainda é bem equilibrado. Já vi videos de pilotos de F-22, dizendo que os Rafales foram os mais difíceis em exercícios. Mas pelo vídeo, parece que para travar o alvo num F-22 também não é moleza, mesmo ele estando no alcance.

    • Chute: talvez tenha algo a ver com a refrigeração dos escapes, reduzindo a assinatura de calor e dificultando o travamento dos mísseis WVR IR.

  8. O F-22 é um excelente avião para Dogfight, tem uma excelente taxa potencia/peso, uma taxa de giro sustentado muito boa. ele em todos os aspectos é um bom avião para isso e pode brigar numa boa contra qualquer um (em nenhum momento disse que era o melhor)

    Mas em Dogfight quem manda é o piloto. simples assim. o melhor piloto vence, mesmo não estando no melhor avião.

    Voar contra (mesmo em treinamento) caras como Chuck Yeager, Giora Epstein, Robin Olds ou Erich Hartmann devia ser uma tarefa triste.

    Já vi foto de T-38 talon com a marcação de “kill” de um F-22 e um A-10 com uma dessa também.

    Treinamento, obvio, mas como eu falei, quem manda é o piloto.

  9. O F22 pode não ser otimizado para o dogfight, mas parece que os americanos aprenderam algo com o erro dos F4 iniciais que não tinham canhões por acharem que os mísseis resolveriam tudo e a Guerra do Vietnã provou que estavam errados. Desta vez ainda deixaram alguma capacidade para o dogfight, até mesmo colocaram um canhão arma típica de dogfight, mesmo que para eles o F22 vai resolver a maior parte dos combates em BVR! Não dá para apostar tudo em BVR, e hoje com o avanço das tecnologias o F22 não é tão invisível aos sensores dos adversários!

    • E a linha de horizonte, serve para o piloto ter uma noção como e onde está o terreno sem que seja preciso olhar para o painel onde se encontra o demosntrador do horizonte artificial. Às diversas linhas que aparecem ao seu lado com número em escala são a atitude, e possível saber se está descendo ou subindo. E assim vai o barco kkkk

      • Olá pampapoker. Obrigado pela explicação.
        Desculpe, mas acho que escrevi de forma errônea. Referia-me a uma linha que parece que acompanha a trajetória da aeronave.
        Abraço

    • O francês quase estourou os pulmões nessa brincadeira. A sensação é horrível até assistindo. No 0:30 o piloto já estava gritando, imagino o estado no fim da caçada. Deve ser horrível ainda ter que ficar falando para passar informação ao mesmo tempo.

  10. Se formos considerar somente a aeronave em si, sem nos preocuparmos com o melhor armamento, avionicos, etc, o F-22, Rafale e Typhoon são bastante ágeis e tem uma razão de curva sustentada/instantânea bem próximas. Então acredito que o piloto mais experiente tenha mais chances de vencer num combate corpo a corpo. Mesmo o Gripen sendo um caça mais leve também teria grandes chances num dogfight contra o F-22 ou outras aeronaves de 4/5 gerações.

    • De acordo com sua afirmação os treinos /exercícios de combate são simples gastos e desperdícios de enormes quantias de recursos financeiros?!!!!
      Se treinar é um grande nada em termos de validação de taticas e vetores, o que resta é uma enganação de custos extraordinários sem sentido?
      O jogo é jogado em que bases? As vantagens e limitações de um vetor são aprendidas apenas no jogo?!!!!! Por favor explique o quê serve de base para análise de uma força e seus vetores!

    • Com as informações que temos acesso, eu colocaria o Rafale em outra posição , considerando também os caças que estão próximos de entrar em operação:
      1) F-15 EX
      2) Su-35S
      3) Eurofighter T3A
      4) Super Hornet B3
      5) MiG-35
      6) Rafale F3R
      7) Gripen E
      8) F-16 block 70

        • Ué. Forçou porque? Coloquei ele em 5o lugar.
          As últimas informações sobre o MiG-35 indicam que será um caça multi-missão muito bom, com radar AESA com cerca de 250 km de alcance, IRST, nova suíte de guerra eletrônica, motores melhorados que não soltam fumaça, uma redução significativa na RCS, um custo de hora de voo bem reduzido em relação ao MiG-29 (2,5 x menor).
          E provavelmente o caça mais ágil do mundo com tvc 3d, com razão de subida excelente, velocidade máxima muito boa, carga de armas bastante melhorada e alcance também bem melhorado em relação ao MiG-29.

          • As ultimas informações são do fabricante que quer vender o avião. Vamos aos fatos:
            O Mig-29 já era inferior a qualquer caça ocidental construído na mesma época. Basta ver a quantidade de Mig-29 abatidos pelos caças ocidentais. O Mig-35 é um upgrade do Mig-29, nem a Rússia quer, comprou apenas uma pequena quantidade para “dar uma força” para o fabricante que está a beira da falência, conforme reportagem mostrada aqui mesmo outro dia. O único comprador estrangeiro, a Argélia, devolveu o caça alegando má qualidade e trocou por um lote de Sukhois. Propaganda aceita tudo, ainda mais do fabricante, duvido que o Mig-35 vire alguma coisa.

          • Luciano, esta é uma análise superficial, da qual eu discordo.
            O MiG-29 possui 6 vitórias e 18 derrotas em combates aéreos. Isso está longe de ser um número expressivo de derrotas para um caça que foi fabricado aos milhares e operado por quase 40 países.
            Uma análise mais abrangente e justa, vai mostrar que as perdas de MiG-29 ocorreram na maioria das vezes contra um país inimigo muito mais rico e preparado, com melhor treinamento, apoio, multiplicadores de força como aeronaves AEW, aeronaves de guerra eletrônica, armamentos mais modernos e versões mais modernas de caças, enfrentando normalmente países mais pobres, menos desenvolvidos, com treinamento inferior, sem aeronaves AEW, com capacidades pequenas ou nulas de guerra em rede, sem multiplicadores de forças, utilizando mísseis antigos e normalmente em versões antigas de MiG-29, com radar datado, armamento datado, treinamento precário, etc.
            Os 5 MiG-29 perdidos na guerra do Golfo pelo Iraque contra uma coalisão internacional liderada pelos EUA, provam meus argumentos. Os outros 6 MiG-29 perdidos pela Sérvia na guerra do Kosovo, contra a Otan também.
            E no conflito Eritreia vs Etiópia, onde os MiG-29 da Eritreia fizeram 3 a 5, destruindo 3 caças MiG-21 e MiG-23 e a Eritreia perdendo 5 MiG-29 para os Su-27 da Etiópia, temos que analisar que a Etiópia tinha um PIB 10 x maior que a Eritreia, forças armadas com muito mais dinheiro e muito mais gente, um número muito maior de aeronaves, pilotos treinados, e o APOIO da Rússia, inclusive o apoio dos EUA, de Israel, da França, etc.
            Enquanto que a Etiópia comprou meros 6 MiG-29 da Moldava. Sem apoio de Moscou. Mesmo assim, perdeu para um caça mais pesado, o Su-27 e para uma nação muito mais rica, com quantidade de aeronaves muito maior, forças muito mais numerosas e com apoio da Rússia.

            Resumindo, inverta as condições e o resultado será provavelmente o mesmo.
            Pegue a Rússia que é uma super potência militar, e forme uma coalizão com várias potências militares, entregue à todos eles caças MiG-29 atuais, com os melhores radares, com os melhores mísseis, com os melhores pilotos e com o apoio de aeronaves AEW, satélites, aeronaves de inteligência, aeronaves de guerra eletrônica, e coloque essa coalizão liderada pela Rússia para enfrentar um país pequeno, pobre, embargado, sem poder comprar armamentos há anos, com uma quantidade pequena de F-16 do primeiro modelo A do bloco inicial, com os mísseis mais antigos Sparrow, com o pior AIM-9, o mais antigo, com o radar antigo, degradado, com um nível de treinamento inferio, com 0 aeronaves AEW, sem suporte, sem apoio.
            Com toda a certeza que a Rússia e a coalizão empregando MiG-29s novos, modernos e bem armados e com muito apoio, massacrariam os F-16 velhos, desatualizados, com armamento inferior, pilotos mal treinados e sem apoio nenhum.

            Pense nisso.

      • O F-15 e o Eurofighter não são caças multimissão “puro sangue” .
        Meu Ranking dos “carrega piano” é assim:
        1) Rafale F3
        2)F-18 Super Hornet.
        3)Gripen E ; F-16 Block 70

        Importante lembrar que dadas as inumeras variaveis envolvidas na guerra moderna , as diferenças podem ser bem relativas ou mesmo minimas…o melhor equipamento é o que melhor atende as especificações estabelecidas pelo Estado Maior das forças armadas de cada país…esse tipo de comparação é arbitraria e até mesmo infantil na maioria dos casos.

      • O meu ranking dos caças de 4.5 geração é assim (é meu ranking de todos os caças modernos 4ª e 5ª geração, só que sem o F-22 e o F-35 nos dois primeiros lugares rsrs):
        1-Eurofighter Typhoon T3
        2-F-15SA/QA/C modernizado/E modernizado
        3-F/A-18 Super Hornet Block 3
        4-Rafale F3-R
        5-Su-35
        6-F-16E/F Block 60
        7-Gripen E/F
        8-F-16V Block 70
        9-Su-30SM/MKI, etc…
        10-MiG-35

      • Multimissão:
        1) Rafale F4
        2) Rafale F3R
        3) F-22
        4) F-15 EX
        5) Super Hornet
        6) Gripen E
        7) F-16 V

        Typhoon tranche 3 também será multimissão, mas é muito cedo para avaliar o potencial (como superioridade aérea é excelente).
        Mig-35 KKKKKKKKKKK
        SU-35 excelente como superioridade aérea.

        • Lucianno,

          Rafale F4 só existe em propaganda por enquanto, pois é previsto para 2024 em diante … e no padrão F3R são pouquíssimos, até o ano passado, salvo engano, apenas 3.

          • O planejado é todos Rafales da AA sejam atualizados para o padrão F3R a partir de 2018 em um proporção de 10 por ano.

            Todos de exportação estão neste padrão. No final de 2019 o Egito já terá recebido os 24 do primeiro lote, e o Qatar também já começou a receber neste padrão.

          • Lucianno,

            Você só confirmou o que eu disse. Rafale padrão F4 ainda não existe e o F3R são pouquíssimos nesse momento.

          • KKKK. É um pouco de zoação. Eu considero o F-22 “hors concours”, nem tem nenhum outro caça que se aproxime dele.

            SU-35 e Typhoons são excelentes na superioridade aérea, F-35 é caça de ataque e o Gripen tem o melhor custo/benefício. Mas como multimissão o melhor mesmo é o Rafale.
            SH, F-16 e Mig-35 são caças de projetos antigos que caminham para aposentadoria.

  11. Muito bom. Essa situação retratada não se enquadra em sua doutrina de emprego, mas mesmo assim é sempre bom treinar essas situações mais extremas em que nunca deveria ser empregado.

  12. Que sinistro, treino no deserto, parece que tem uma tempestade de areia, e o piloto do Rafale parece que ia perder o pulmão, realmente não dá pra tirar conclusões das imagens, só vimos quantas vezes o Raptor apareceu no visor do Rafale, mas não pudemos ver quantas vezes o Rafale apareceu no viso do Raptor.

  13. Ele esteve algumas vezes travados tanto pelo radar e infravermelho, o erro de quem estava no Rafale foi ficar em torno do próprio eixo várias e várias vezes oque facilitou um pouco a vida do piloto do F22 em evitar disparos contínuos, se o piloto do Rafale tivesse logo após do primeiro disparo quebrado a linha de visão do piloto do F22 ele teria uma grande vantagem e ficaria grudado nas 6 do F22 por ele ter menor vetor, oque fica bem evidente na quantidade de giros que o piloto francês fez e ainda conseguiu ter visão do Eagle varias vezes.

  14. Alguém prestou atenção no míssil guiado por calor e o engajamento com canhão, isso é feito devido ao fato do stealth não poder ser travado por mísseis guiado por radar !

    Ou seja, mesmo que consiga o engajamento, resta somente os mísseis IR e os canhões para enfrentar um F 22 / 35

  15. Desculpe discordar do amigo, mas táticas de conservação de energia já eram bem desenvolvidas e praticadas na 2ª GM, afinal, era a única maneira de um caça como o FW-190 e P-38 derrotar os Spitfires e Zeros, respectivamente. Alias, os pilotos alemães que participaram da guerra civil espanhola, particularmente Werner Mölders, estão entre os pioneiros dessa tática.

    O que aconteceu foi a modificação do treinamento em caças destinados à interceptação, particularmente nos EUA com os pilotos de F-4. Em outras forças, como na israelense, a ênfase em táticas de combate aéreo e manutenção de energia nunca deixou de ser ensinado. Mesmo entre os americanos, os pilotos de F-8 Crusader recebiam treinamento dedicado em dogfight, bem diferente dos de F-4, com ênfase nos mísseis e BVR. Este teve toda a sua vantagem tecnológica perdida pela tática de voo rasante abaixo da linha de detecção do radar, aliás, tática desenvolvida ainda na 2ª GM.

    Já estol violento não era característica exclusiva de caças à jato, pois os convencionais voltados à máxima performance como o P-51 e o já citado FW-190, sofriam cronicamente com isso. Perda de velocidade em curva tem mais a ver com potência e carga alar do que enflechamento da asa em si, como por exemplo as diferenças de desempenho em curva entre o Spitfire e o P-51. Mesmo motor, capacidade de curvas bem distintas.

  16. é um truque … isso é um truque, fizeram imagens a partir de um simulador bem realista e acrescentaram o som de um piloto numa luta pessoal com a privada e deu nisso kkkkk

  17. Aqui vamos nós outra vez…🤦‍♂️🤷‍♂️🙄

    1-
    “Aos 2:32 o F-22 aparece bem na mira para o tiro de canhão do Rafale.”

    Não. Mentira. Aí já não valia, o engagement já tinha, basicamente, terminado.

    Aos 2:20, podemos ouvir o piloto do Rafale falando com o piloto do F-22, e podemos perceber que ele diz: “Alex, confirm you are restoring”
    Nessa parte do video aí eles falam isso e já aí começam a se reposicionar para terminar por completo o exercício.

    Reparem que depois disso o F-22 não faz nenhum esforço para se evadir do Rafale.

    Além disso, podemos ver que surge o aviso de combustível no Rafale logo aos 2:10.

    Notar também que durante a maior parte dos 3:14 de video, o F-22 não aparece muito tempo/muitas vezes no HUD do Rafale.

    2-
    Na série de combates que houve Rafale vs F-22 no ATLC 2009, houve 5 empates e 1 vitória para o F-22 segundo algumas fontes francesas.
    Os franceses reconheceram a superioridade do Raptor:
    http://www.f-16.net/forum/download/file.php?id=22251&mode=view

    http://www.f-16.net/forum/download/file.php?id=22264&mode=view

    3-
    T-38s, F-15s, F-16s, F/A-18 Hornets, F/A-18 Super Hornets, etc, etc… Pelo menos todos estes caças que mencionei já “abateram” F-22s em vários exercícios de combate com diferentes RoE e diferentes intenções/objetivos nos EUA (E assim irá continuar a acontecer)
    https://www.youtube.com/watch?v=UXmDj3mFrXQ

    Pela lógica de muitos a USAF deveria então comprar muitos mais T-38s, e retirar os F-22s de serviço operacional… 🤣🤦‍♂️

    Olhem o Rafale… Já foi abatido por F-4 Phantoms por exemplo:
    http://suptg.thisisnotatrueending.com/archive/29469246/images/1389581456461.jpg

    Isso significa que o F-4 é melhor caça ou que manobra melhor que o Rafale?!
    Mas é claro que não, como todos sabemos.

    4-
    O F-22 é bem melhor e superior ao Rafale no quesito de performance bruta e pura, e agilidade/manobrabilidade.

    Tem aceleração, taxas de curva instantanea e sustentada, e voo de baixas velocidade e elevados AoA bem superiores aos do Rafale.
    Essa vantagem considerável do F-22 aumenta ainda mais quando comparamos ambos os caças prontos para ir para a guerra, equipados em configurações de combate equivalentes.

    Por exemplo, de acordo com um antigo estudo da hoje inexistente britânica DERA (Defence Evaluation and Research Agency):

    http://web.archive.org/web/20160110082031/https://typhoon.starstreak.net/Eurofighter/tech.php
    “…
    In addition to these overall combat performance results a number of individual comparisons have been made available. Of enormous importance for BVR combat is acceleration at medium altitudes and here the Eurofighter’s acceleration at Mach 0.9 and 22,000ft equals that of the F-22. At supersonic velocities (Mach 1.6 and 36,000ft) the sustained turn rate of the Eurofighter betters all but the F-22, while its instantaneous turn rate is superior to the F-22. At low altitudes, Eurofighter can accelerate from 200kts to Mach 1.0 in under 30 seconds. In a similar vain to its supersonic performance, the sustained and instantaneous subsonic turn rates of the Eurofighter are bettered only by the F-22. Only the Rafale comes close to the matching the Eurofighter’s capabilities in these comparisons.
    …”

    • Não dá para confiar em tudo o que é publicado, principalmente se for britânico. Tenho livros ingleses da década de 80 que afirmam que o Tornado ADV é o melhor interceptador do mundo (naquela época). Hoje sabemos que foi um péssimo caça, inclusive aposentado precocemente da RAF. (Favor não confundir ADV com IDS).

  18. Treinamento e isto, no mundo real dificilmente Rafale estaria nesta posição para dogfigth . O caça quinta geração sempre levara vantagem. Lembro que USAF só opera com cobertura radar o que resultou no f35 otimizado para esta doutrina operacional: bvr, cobertura radar e ataque em equipe com enorme troca de dados entre envolvidos operação. Acredito que no real qdo chegar perto disto eles vazam. Parece ser ótima tática, porem só funciona com muito dinheiro, meios em quantidade e muito treinamento.

    • O F-22 é um caça de superioridade aérea, ou seja, focado em combates aéreos. O Rafale F3 é um faz tudo e quando tentamos conciliar várias funções em um projeto só a tendência costuma ser o sacrifício do desempenho ótimo…resumindo , o F-22 até o presente momento o que há de mais avançado no mundo em desempenho e furtividade.

    • Um f 22 é parte de um sistema! Ele isolado teria de denunciar sua posição pelo uso do radar para localizar o oponente! Num cenário hipotético mas nada improvável em que o f 22 não conte com cobertura/suporte de aviões awacs ( alvos estratégicos prioritários) a possibilidade de um combate a curta distância aumenta enormemente! Por isso tal exercício é de fundamental importância

      • Qual caça não é parte de um sistemas?

        Um F-22 pode usar os dados do radar de outro F-22. O fato de denunciar a sua presença não impede um disparo a média distância, por exemplo.

  19. A discussão sobre a real veracidade desse vídeo só será demolida quando as naves entrarem em um combate real. Até lá, ficam as especulações para alimentar fóruns de fãs de aviação. Mais de duas décadas, o Raptor ainda é o segredo militar mais bem guardado do mundo.

  20. Quero saber quem determinou que o F-22 é superior a tudo e todos? baseado em que critérios? para mim, uma arma só é comprovadamente superior quando TESTADA EM COMBATE. Quem acha que o F-22 é o top, tem que afirmar que não passa de opinião. Simples assim. Mas os fanboys criam mitos que, logo, se dissipam. Um dos maiores derrubadores de mitos chama-se Síria. Outro derrubar de mitos foi Vietnã.

    • assim como sua negativa de que seja melhor é. Não passa de achismo. So que os que afirmam que ele é superior tem a seu favor o fato de ele ser de geração mais recente e representar o máximo da tecnologia dos EUA a mais avançada do planeta.
      Ele é em tese superior na maioria dos quesitos, perderá em alguns e de modo algum é invencível. Apenas tem mais chances. E qualquer um que pudesse comprar e manter o adquiriria sem pensar duas vezes.

    • Qual caça dos EUA foi abatido na Síria? Qual “mito” foi derrubado na Síria?

      S-300? Pantsir, T-90, F-22, Tomahawk?

      Dizemos que o F-22 é melhor porque é a opinião da maioria dos especialistas, inclusive especialistas russos. Ninguém está inventando nada.

  21. Que dia ein … Se tivesse arquibancada no ceu, as rafaletes iriam a histeria. Mas me pergunto como um conteúdo de treinamento militar consegue vazar, asssim, afinal isso um entre muitos combates desse treinamento e de outros sigilosos entre os paises. Me parece uma propaganda do produto por parte dos Franceses o “vazamento”.

  22. Como a força G é cruel para um piloto…tem que ter muito treinamento e realmente não é para qualquer um. Em certas manobras parece que ele está em uma sessão de tortura. Belo vídeo.

  23. Ranking de manobrabilidade.
    1) F-22 Raptor
    2) SU-35
    3) Rafale
    4) SU-57
    5) Gripen NG
    6) J-20
    7) F-16
    8) F-15
    9) MIG-29
    10) Eurofighter
    11) F-18 SuperHornet
    12) F-35

    • Eu acredito que o Gripen seja melhor em curva instantânea e sustentada que o Rafale. Pelo menos é o que dizem informações divulgadas no próprio blog

      • JT8D, também sou dessa opinião, a manobrabilidade não se refere à rapides para inicio de uma manobra e à velocidade com que se pode iniciar uma manobra. A minha dúvida também é se o Gripen permite desativar os limites controlados (=9) para manobras, pelo seu sistema.

        • Kemen, o limite de 9G não pode ser desativado pois é o que garante a integridade estrutural da aeronave. Nenhum avião pode ultrapassar seus limites estruturais. Mas a manobrabilidade vai além da carga G admissível. Dois caças podem puxar os mesmos 9 G numa curva, só que o mais manobrável fará a curva com um raio menor

    • Antunes 1980

      O F-35 tem de estar bem mais acima e o Su-35 bem mais pra baixo.

      E MiG-29s há muitos mesmo com bastantes diferenças. Qual o que vc se refere? MiG-35? MiG-29M? MiG-29K? MiG-29SMT? Mig-29S? MiG-29A? etc, etc…
      F-15s digo o mesmo. Qual? F-15C? F-15E? F-15K? F-15SG? F-15QA? etc, etc…
      E F-16? Qual? F-16A? F-16C Block 50? F-16C Block 52? F-16E Block 60? etc, etc…

    • J-20?

      O Super Hornet deve ficar atrás do F-35A( que já venceu F-15 algumas vezes) e B.

      Também pode ser que o Su-35 fique na frente do F-22 abaixo apenas do Su-57.
      Mig-29 em velocidade subsônica supera o F-16 e F-15, e possivelmente o J-20 que é enorme.

      Eurofighter também supera o F-15 e F-16, já venceu até o F-22 inclusive.

      Mas todos os casos podem mudar de acordo com atitude e carga.

    • Deve estar errado! Com certeza o gripin é o caça mais manobrável do universo, melhor até que a nave espacial do Luke Skywalker!

      Ranking de manobrabilidade é bem polemico, mas segue o meu:
      1) Typhoon
      2) Rafale
      3) Gripen
      4) SU-35
      5) F-22

    • Colega, do lado ocidental, se só nos referirmos a manobrabilidade suportada pela extrutura do avião, sem considerar outras coisas, e que não cause o descontrôle do caça, o Rafale é o primeiro da lista, pode chegar por pequenos períodos emergenciais a 11 mediante um acionamento especial do sistema de contrôle, que libera essas manobras além do limite. Tem risco? Sim por isso é apenas emergencial. Do lado oriental, desconheço todos os dados dos aviões.

  24. Impressão minha ou a tal conservação de energia foi pra cucuia? Quer dizer pareciam lentos e dai a importância de se atingir altos AOA.

    • estava vendo o vídeo e aparentemente o Rafale tem os controles de voo “travado” pra atingir no máximo 30º de ângulo de ataque, nas condições do vídeo, e assumindo que o indicador de velocidade se encontra no canto superior esquerdo do HUD o combate se inicia por volta dos 400 (unidades de velocidade, que desconheço). Lá pros 16s atinge um pico de 516. Por volta dos 30 segundos o piloto está sentindo uma alta força G na curva e a velocidade cai abruptamente durante a manobra, repare que o AOA não para dos 20º, ao final da primeira manobra a velocidade ja é 230. Na próxima curva, mesmo jogando o nariz levemente pra baixo a aeronave já perde bastante energia chegando aos 160 e e o angulo de ataque parece já está sendo controlado pelos sistema de voo, próximo aos 30º. Aos 1.47 velocidade mínima 89. Aos 2:06 o F-22 parece mostrar um pouco da sua super manobrabilidade, ele muda de direção bem rapidamente o rafale perde muita energia chega a 87 de velocidade. O “combate” se inicia a 20000 de altura (provavelmente pés) e termina a 7000.
      Em fim é um vídeo extremamente interessante queria ver um rafale com TVC…

  25. Tudo vai da habilidade do ser humano,vc pode ter a melhor tecnologia maior desempenho mais não tem habilidade no manuseio,vc pode estar armado mais não tem habilidade nem treinamento e nem dom pra isso,entao digo que vc será só mais um alvo a ser abatido.

    • Baseado nesses dados e que me pergunto. Sera que valeu apena a Inglaterra deixar de adquirir Typhoons mais baratos de adquirir e operar, para fazer o investimento de bilhões no F-35? Para a Marinha Inglesa ate entendo por questões de ser uma versão de decolagem vertical mas para a Força a Aerea foi um mau investimento.

  26. Há muito falatório com relação a aeronave X ser melhor que Y e o pessoal esquece de como funciona uma guerra. Desde que se registra combates nem sempre o melhor equipamento garante a vitória, visto que na segunda guerra os alemães tinham carros de combate inferiores aos franceses, mas os alemães adotando melhores doutrinas conseguiram derrotar os franceses. Quem se lembra dos primeiros anos de Israel como Estado recém formado e as aeronaves árabes? O que faz um bom combatente É A DOUTRINA! O adestramento adequado permite que unidades, esquadrões e tropas estejam aptas para o combate seja ele qual for e como for. Neste caso aí é apenas um exercício em que não se sabe precisamente como foram as condições exatas e que objetivo tinha (além do óbvio). Independente disso o Raffale é uma excelente aeronave e o F-22 dispensa comentários

  27. Ser engajado com extrema dificuldade por um Rafale em um dogfight não é demérito nenhum para o Raptor, o F-22 foi pensado para ser superior ao F-15 inclusive nesse aspecto, daí já se pode concluir o quão manobrável é.

  28. Um só video em manobras acho que não asegura vitórias, entretanto o F-22 não é o avião mais indicado para executar dogfigth que não é um combate muito previsivel atualmente, lembro que ele pode levar 2 sidewinder que é o misil mais eficaz nesse tipo de combate, todos os outros misseis ar-ar que pode levar são para BVR. A sua produção parou apenas por um problema de custo, veio a ser substituido pelo F-35 mais leve e com menor custo, também vieram algumas melhorias por ser um projeto posterior. Com relação ao Rafale a manobrabilidade limite de um e do outro (F-22) se equiparam, entretanto em pequenos períodos de uso emergenciais, mediante o acionamento especifico do software pelo piloto, pode ter a sua manobrabilidade limitada de 9 para 11 (emergencia). Entretanto se o piloto usar demais a manobrabilidade extendida a extrutura pode sofrer danos ou mesmo ocorrer um acidente. E não é o caso aparente do video, onde as manobras são bem “limitadinhas’

  29. um treinamento isolado cujos detalhes e condições não conhecemos não define nem uma nem outra aeronave. O F22 é de uma geração posterior e é mais avançado, o que não significa que terá sempre a vitória, assim como o Rafale pode ser derrotado por um caça bem inferior. O combate é máquina+ homem+ condições específicas+ sorte. É preciso uma máquina e quem a saiba usar aproveitando o que ela tem de melhor e minimizando seus pintos fracos.A superioridade poderá vir e pode mesmo ser momentânea, mas decisiva. Ninguem é invencível.

  30. Eu ainda aguardo o dia em que o pessoal vai descobrir que Dogfight é decidido pelo piloto.

    As diferenças entre desempenho do F-22 e Rafale podem ser consideradas “negligenciáveis” já que apesar de existirem elas não serão um fator determinante para o resultado de um Dog. não é a diferença que se encontra entre um F-4 Phantom e um F-16 em que um pode literalmente fazer curvas dentro do Raio da curva do outro.

    nem tão determinante quanto as diferenças entre um F-15 e um MiG-25 (o ultimo um verdadeiro caminhão no quesito manobrabilidade)

    Em um combate a curta distancia como no vídeo com Aeronaves como o F-22 e Rafale que apesar de cada uma ter a sua vantagem em determinados cenários e situações, eles são próximos o suficiente para que isso seja decidido apenas na pericia de cada piloto.

    Querem um exemplo? o Relato aqui mesmo no Poder Aéreo de uma matéria chamada “O Duelo”

    que conta a historia do Tenente Aviador Roberto Tormin Costa que em um “combate” “derrubou” 2 P-51D americanos. tudo por causa da sua pericia como piloto.

    O combate não foi fácil para o Rafale, nem para o piloto dele, isso é registrado pela exaustão que ele sofreu.

  31. Interessante. Quais eram as ROE? Abertura Charlie? O Rafale estava no poleiro? O combate sempre se resume aos iô iô de alta e iô iô de baixa. Por que não comandou knock it off quando cantou Fox 2?

    • Seus questionamentos sao pertinentes, a única resposta que eu humildemente especulo é: é pouco provável que uma força da estatura da França aceitaria uma posição de ” café com leite” num exercício dessa dimensão! Ou teremos de admitir que exercício como a Cruzex não exprime uma real validade das capacidades e competências da FAB ! Tudo se resume ao cenário estabelecido! Mas acredito que uma vez defeinido, o combinado não sai caro!

      • As CRUZEX têm uma fase inicial chamada FAM/FIT (Familiarization/Integration Training), onde são realizadas missões de navegação a baixa altura (familiarização com o terreno) e combates dissimilares 1 x 1 e 2 x 1. Esses combates tem uma Ordem de Instrução específica, com exercícios predeterminados e¨livre manobrar¨. Normalmente, são controlados pelo E-99 (voei algumas dessas missões).
        Na fase LIVEX, onde as missões aéreas compostas de ataque são realizadas, o engajamento é livre, seguindo as ROE estabelecidas na Ordem de Operações do exercício (EXOPORDER). Somente algumas regras de segurança são mais rígidas.

  32. O que mais me impressionou neste vídeo foi o som do piloto… parecia que eles estava apanhando ou travando uma luta de boxe ou algo parecido… ofegante e ate deu uns “gritinhos” … negocio ali é serio mesmo em treinamento!

  33. Bobagem ficar discutindo quem é melhor, são dois supercaças ocidentais, o melhor da França contra o melhor dos EUA, sim, é verdade, em um combate o Rafale ganhou, parabéns pra ele, que não é um caça qualquer, é o Rafale, o melhor que a França já construiu, não vejo demérito no F-22 ter perdido, e pelo que os outros comentaram o Raptor ganhou todos os outros combates, 6X1, portanto, eu continuo achando o F-22 insuperável, o melhor caça ocidental e o Rafale também é um p*ta caça, com qualquer dos dois uma nação ficaria bem na fita.

  34. Sao 2 aeronaves fantásticas. Contudo o f22 esconde seus mistérios, creio que nessa ocasião as regras do combate favoreceram o francês.
    Bem provável que o f22 não estivesse em modo furtivo. Acredito que numa situação real de combate o f22 tenha muita vantagem ou os americanos são especialistas em “fazer” aviões hiper caros e não tão bons.

  35. Uma situação que em condições normais não acontece mesmo.
    O F-22 é menos detectável, tem sensores melhores, e desempenho superior.
    Pura e simplesmente o piloto do F-22 detectará o Rafale primeiro, disparará seus mísseis e se evadirá.
    Ao piloto do Rafale restará tentar se livrar do ataque do F-22, e mesmo sendo bem-sucedido nisso nunca detectará o F-22 que se evadiu em velocidade superior.

  36. Caras que sufoco é esse heim ! O piloto do Rafale quase botando os bofes pra fora pelo efeito da gravidade. Eu não pensava que um dogfight nessas condições era tão penoso.

  37. O F-22 é superior ou inferior ao F-35 ? Cada um foi projetado para uma missão específica ou ambos são multimissão como Rafale e Grippen ?

  38. Meu Deus que vídeo tenso de acompanhar… o esforço do piloto é absurdo!
    Impressionado com a força G q o piloto puxa constantemente no início do vídeo.

    Vamos lembrar q é sempre mais fácil seguir alguém e reagir ao q ele está fazendo do que ser perseguido e ter q se defender muitas vezes sem visão atrás. O piloto do F22 pra mim pareceu ser um puta piloto e usou bem a capacidade da aeronave pra chegar em baixa velocidade aonde deveria ser superior mas mesmo assim não adiantou. Dá pra ver pelo rafale a cento e poucos knots tendo dificuldade pra manobrar e o F22 virando pra um lado e pro outro com menos difuldade graças ao TVC.
    Pra mim 2 pilotos sensacionais usando o q cada um tem de melhor.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here