Home Aviação de Ataque GAO: F-35 sofre de escassez de peças sobressalentes

GAO: F-35 sofre de escassez de peças sobressalentes

3572
39
F-35A saindo do hangar de manutenção

Segundo o Government Accountability Office (GAO), o Departamento de Defesa dos EUA precisa enfrentar os desafios substanciais da cadeia de fornecimento

O desempenho da aeronave F-35 está aquém dos requisitos de combate – isto é, as aeronaves não podem realizar tantas missões ou voar quantas vezes forem necessárias.

Este desempenho de aeronaves abaixo do desejado se deve em grande parte à escassez de peças sobressalentes do F-35 e à dificuldade de gerenciar e movimentar peças em todo o mundo:

  • Falta de peças de reposição e capacidade limitada de reparo. As aeronaves F-35 não conseguiram voar quase 30% do período de maio a novembro de 2018 devido à falta de peças de reposição.

Além disso, o Departamento de Defesa (DOD) teve uma carteira de reparos de cerca de 4.300 peças de F-35. O DOD está tomando medidas para corrigir esses problemas, como melhorar a confiabilidade das peças. No entanto, não determinou completamente as ações necessárias para fechar a lacuna entre os requisitos dos combatentes e o desempenho que a cadeia de suprimentos do F-35 pode oferecer.

  • Peças incompatíveis no desdobramento de aeronaves. A DOD compra certos conjuntos de peças do F-35 anos antes do tempo para dar suporte a aeronaves em desdobramentos, inclusive em navios. Mas as peças não correspondem totalmente às necessidades dos serviços militares porque as aeronaves F-35 foram modificadas ao longo do tempo. Por exemplo, 44% das peças compradas eram incompatíveis com as aeronaves que o Corpo de Fuzileiros Navais assumiu em um desdobramento recente. Sem um processo para modificar os conjuntos de peças para desdobramentos, o DOD pode não conseguir atender às necessidades operacionais dos serviços.
  • Uma rede global imatura para movimentar peças do F-35. As redes do DOD para movimentar partes do F-35 em todo o mundo são imaturas, e os clientes estrangeiros do F-35 passaram por longos períodos de espera por peças necessárias para reparar aeronaves. Sem um plano detalhado para a rede, o DOD pode não estar pronto para dar suporte a uma frota em expansão.

Ao abordar esses desafios, o DOD precisa lidar com a acessibilidade. A Força Aérea e o Corpo de Fuzileiros Navais identificaram recentemente a necessidade de reduzir seus custos de manutenção por aeronave por ano em 43 e 24 por cento, respectivamente.

O DOD gastou bilhões de dólares em peças sobressalentes do F-35, mas não possui registros de todas as peças que comprou, onde estão ou quanto custam.

Por exemplo, o DOD não está mantendo um banco de dados com informações sobre as partes do F-35 que os EUA possuem, e ele não possui os dados necessários para poder fazê-lo. Sem uma política que defina claramente como acompanhará as peças adquiridas do F-35, o DOD continuará a operar com um entendimento limitado das peças sobressalentes do F-35 de sua propriedade e de como elas estão sendo gerenciadas.

Se não forem abordados, esses problemas de responsabilidade impedirão a capacidade do DOD de obter disponibilidade suficiente dentro de restrições de acessibilidade.

Por que o GAO fez este estudo?

O caça F-35 do DOD fornece recursos básicos de aviação para apoiar a Estratégia Nacional de Defesa dos EUA. O F-35 também é o sistema de armas mais caro do DOD, com custos de manutenção estimados em mais de US$ 1 trilhão em um ciclo de vida de 60 anos. A cadeia de suprimentos do F-35 tem um projeto exclusivo. Em vez de possuir as peças sobressalentes para suas aeronaves, a Força Aérea, Marinha e Corpo de Fuzileiros Navais – juntamente com oito parceiros internacionais e outros clientes de vendas militares estrangeiras – compartilham um conjunto global (pool) de peças do F-35 que são gerenciadas pelo contratante principal.

Conforme o pedido para revisar a cadeia de suprimentos do F-35 este relatório avalia, entre outras coisas, até que ponto:

  1. O desempenho do F-35 está atendendo aos requisitos de combate e quaisquer desafios relacionados à disponibilidade de peças de reposição;
  2. O DOD pode gerenciar e movimentar com eficácia as peças sobressalentes do F-35 para dar suporte a aeronaves em todo o mundo; e
  3. O DOD pode contabilizar as peças sobressalentes do F-35 e seus custos dentro da cadeia de suprimentos. O GAO examinou a documentação do DOD e do contratado, analisou os dados de desempenho e entrevistou funcionários relevantes.

O que o GAO recomenda

O GAO está fazendo oito recomendações, incluindo que o DOD determine ações para fechar a lacuna entre os requisitos dos combatentes e o desempenho da cadeia de suprimentos do F-35; e abordar os desafios com implementações, movimentação de peças globais e responsabilidade de peças sobressalentes.

O DOD concordou com todas as recomendações do GAO.

Para acessar o relatório completo (81 páginas em PDF) do GAO clique aqui.

Subscribe
Notify of
guest
39 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
CB Vicente
CB Vicente
1 ano atrás

Ainda tem quem defenda a FAB adquirir o F35, séria um caos operacional.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  CB Vicente
1 ano atrás

Nego querendo F-35 pra MB usar em seus futuros NaE.

É sério, já ví gente sonhando com isso na Trilogia.

Washington Menezes
Washington Menezes
Reply to  CB Vicente
1 ano atrás

E se fosse um caça Russo ou Chines ai diriam olha como é o pós venda, vejam que bosta, e querem que o Brasil compre isto. Pois é, vou ter que concordar com os comentários, vejam que bosta e queriam que o Brasil comprassem essa merda sem peças sobressalentes.

Washington Menezes
Washington Menezes
Reply to  Washington Menezes
1 ano atrás

E pior, quem comprou antecipado as peças não servem, prejuízo dobrado e outro tempo de espera para as apropriadas. Deu ruim.

Chris
Chris
Reply to  Washington Menezes
1 ano atrás

Pior que desta vez concordo com os haters…

Sem registro das peças compradas ? Compraram peças erradas ?

Já é incrível haver um problema de falta de peças num projeto tão grande e caro… Imagine isso !

Nao ha controle ? Codigos ? Em qquer carro comum, existe !

Assim da até medo de voar no avião !

marcus
marcus
Reply to  CB Vicente
1 ano atrás

Devem estar comprando peças da China. Cualidade zelo né.

Mateus Lobo
Mateus Lobo
1 ano atrás

Como eu disse em outro post, o maior adversário do F-35 é a disponibilidade operacional.

Antoniokings
Antoniokings
1 ano atrás

Um grande fiasco!

Madmax
Madmax
1 ano atrás

Caramba, que bagunça, não tem um simples controle de estoque de peças já compradas? Isso é caso de demissão por incompetência.

Samuel Lirio
Samuel Lirio
Reply to  Madmax
1 ano atrás

O DoD explicou o motivo disso não funcionar. “Peças incompatíveis no desdobramento de aeronaves. A DOD compra certos conjuntos de peças do F-35 anos antes do tempo para dar suporte a aeronaves em desdobramentos, inclusive em navios. Mas as peças não correspondem totalmente às necessidades dos serviços militares porque as aeronaves F-35 foram modificadas ao longo do tempo. Por exemplo, 44% das peças compradas eram incompatíveis com as aeronaves que o Corpo de Fuzileiros Navais assumiu em um desdobramento recente. Sem um processo para modificar os conjuntos de peças para desdobramentos, o DOD pode não conseguir atender às necessidades operacionais… Read more »

Flávio Henrique
Flávio Henrique
Reply to  Samuel Lirio
1 ano atrás

Não, ele está falando desse trecho:

“O DOD gastou bilhões de dólares em peças sobressalentes do F-35, mas não possui registros de todas as peças que comprou, onde estão ou quanto custam”

Ou seja eles nem sabem o que compraram e esse essas peça podem ou não servir… Fora que devemos lembrar que no projeto estava a possibilidade de imprimir peças em 3D será que eles estão fazendo controle? Se considerarmos que o controle de compra é mais fácil….

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 ano atrás

Sabem o que isso significa?

Mais um cheque em branco pra LM.

E esse cheque em branco será feito, porque não há alternativa.

Kemen
Kemen
1 ano atrás

A provavel causa real, o fabricanye calculou mal o MTTR e o MTBF, acreditando que era um caça materialmente perfeito em tudo.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
1 ano atrás

No começo da década de 1950, na corrida para colocar na linha de frente aeronaves mais modernas que os soviéticos (depois da surpresa do MiG-15 na Coreia), inventaram esse estúpido sistema de construir unidades de série antes mesmo da entrega do primeiro par de protótipos. O F-100 foi o primeiro e até o final da década, parte da série Century foi feita dessa forma. Não é preciso dizer que foi o maior fracasso na época. Desde então a USAF exige a construção de protótipos antes do início da produção em série. Aí, em plena era pós Guerra Fria, sem nenhum… Read more »

Ricardo N. Barbosa
Ricardo N. Barbosa
Reply to  Clésio Luiz
1 ano atrás

Na verdade os custos da simultaneidade (valor para corrigir problemas da produção antecipada) do F-35 estão em pouco mais de 1 bilhão até a aeronave 500 se não me falha a memória. Lembro que dá pouco mais de 2 milhões por aeronave (que dá cerca de 2% do custa da aeronave). A vantagem é que a produção em larga escala mais rápida está levando a uma redução rápida dos custos de produção, já se fala em 75 milhões por um F-35A no lote 14.

Ricardo N. Barbosa
Ricardo N. Barbosa
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Na verdade são 1,4 bilhão para aproximadamente 500 aeronaves. Cerca de 2,5 milhão por aeronave, cerca de 2,5% dos custos de uma célula.

http://m.aviationweek.com/defense/pentagon-estimates-f-35-concurrency-costs-total-141b

Washington Menezes
Washington Menezes
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Quando os pilotos das nações precisarem das aeronaves em prontidão, e não houver, eles levam este relatório que você postou o link e aí fica tudo bem.

RICARDO RAMOS
RICARDO RAMOS
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Mas qual é o custo verdadeiro do produto? Pesquisa, desenvolvimento e produção?

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Os custos não são apenas financeiros Ricardo, mas de prontidão operacional da frota.

O programa do F-35 está muito atrasado. Toda a velocidade que se ganharia foi perdida na demora em achar soluções para os problemas que seriam triviais se houvesse apenas uma pequena frota de protótipos, mas a engenharia teve que rebolar muito para corrigir problemas sem afetar a área de produção.

O resultado está aí. Inventário infernal, sobressalentes inúteis em blocos mais avançados, capacidade operacional de aeronave em fim de carreira por falta de peças.

Ricardo N. Barbosa
Ricardo N. Barbosa
Reply to  Clésio Luiz
1 ano atrás

F-15 no início dos anos 80 sofreu mesmo problema (50% de prontidão) e Rafale em 2016 tinha prontidão igual a do F-35 (48,5% de prontidão).

Ricardo N. Barbosa
Ricardo N. Barbosa
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

Em tempo, Rafale em 2010. Typhoon nem se fala.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  Ricardo N. Barbosa
1 ano atrás

A taxa do F-35 agora é de míseros 27%. Não está aumentando está diminuindo.

O resultado desse desastre será o que foi feito 60 anos atrás: uma custosa reforma numa frota novinha apenas para evitar gargalos na área de manutenção.

É como dizem: quem não conhece a história, costuma repetir os memos erros do passado.

Ricardo N. Barbosa
Ricardo N. Barbosa
Reply to  Clésio Luiz
1 ano atrás

Não, o valor de referência é a Capacidade de Missão que está em 52%, os números de F-22 e Rafale que dei foi de Capacidade de Missão, ambos inferior ao F-35. Typhoon nem se fala.

Ricardo N. Barbosa
Ricardo N. Barbosa
Reply to  Clésio Luiz
1 ano atrás

Lembrar também que ainda em início de vida operacional o F-35 já possui prontidão superior ao F-22. Segundo o próprio GAO, basta um incremento na linha suprimentos que é possível chegar a 70% de prontidão.

Humberto
Humberto
Reply to  Clésio Luiz
1 ano atrás

Não sei, tem gente que está simplificando algo que não é, vou tentar explicar em poucas linhas algo MUITO complexo. Trabalho com projetos (de TI e não de defesa) então posso colocar aqui os meus pitacos, obviamente são universos diferentes, mas as melecas tendem a ser as mesmas. DUVIDO e coloco aqui em letras maiúsculas, que a LM desejou ou deseja este processo de construção, que é montar as linhas de produção (em plural mesmo) antes que o caça esteja relativamente bem testado. É claro que a preferencia seria por ter um quantidade grade de protótipos e os mesmos sendo… Read more »

Pericles Ferreira Leite
Pericles Ferreira Leite
1 ano atrás

Problemas inerentes a ter-se começado a fabricar um projeto que ainda não está/estava pronto. E vai ficar ainda mais caro.

Não vou ficar nem um pouco surpreso se em uma década ainda estiverem caçando “Gremlins” técnicos nas unidades LRIP.

E ainda tem gente caindo no “conto da carochinha” de declaração de FOC…

RENAN
RENAN
1 ano atrás

Teoria da conspiração: Não vejo como a maior e mais desenvolvida indústria militar do planeta pode errar assim. Para mim sempre é planejado o erro para ter lacunas no intuito de desviar bilhões de dólares para programas que o congresso americano saberá daqui 30 ou 40 anos que existe e necessita de recursos para se produzir em escala industrial. Isso se as peças de reposição não viram algumas dezenas caças montados sem registro para realizar missões clandestina. (Pois caso perder a aeronave podem checar o inventário estamos com todos os aviões aqui) “O DOD gastou bilhões de dólares em peças… Read more »

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Eu sempre fiquei curioso sobre como os EUA restringiriam a frota de F-35 de aliados que mudem de lado e deixem de ser aliados. Bem, aí está.

Luiz Henrique
1 ano atrás

No lugar de escrever que o desempenho não está sendo correspondido, deve ter escrito que a disponibilidade não está boa, pq em desempenho esse caça já mostrou que realmente é eficaz. É uma nova tecnologia, um projeto ambicioso, a logística terá de evoluir muito para atender melhor o uso dos F-35. Eles estão sendo pacientes, e um dia colherão os frutos do projeto JSF.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Luiz Henrique
1 ano atrás

Exatamente, vai evoluir assim como outros problemas vão aparecer e estes serão corrigidos, essa transparência incomoda principalmente se olharmos projetos russos e chineses que parecem sair perfeitos de fábrica mas pra quem tem mais que dois neurônios sabe que não é assim mas no final só sobra dor de cotovelo no famoso “quem desdenha quer comprar”!

Vitor Bruno Fonseca Rodrigues
Vitor Bruno Fonseca Rodrigues
1 ano atrás

Lendo todos os comentários, acho que agora sei o porque de ainda usarmos o velho F-5. Dá para fazer umas gambiarras e deixar o bicho voando em 15 minutos com alguns clips de papel, fitas isolantes, parafusos e pedaços de pneus de bicicleta…

Pericles Ferreira Leite
Pericles Ferreira Leite
1 ano atrás

Este link sobre a “concurrency” no programa do F-35 é muito bom: https://www.pogo.org/analysis/2017/10/21-billion-worth-of-f-35-concurrency-orphans/

“Concurrency, as a RAND Corporation analyst explained in testimony before the House Committee on Government Reform on May 10, 2000, is rooted “in the politics of the acquisition process.” (…) this practice serves to limit the available political options for restructuring programs experiencing significant test failures or cost overruns. When the Pentagon makes substantial procurement commitments well before development or testing is complete, it severely increases the political costs of cancelling the program due to all the money already invested and all the jobs already created.”

CESAR ANTONIO FERREIRA
CESAR ANTONIO FERREIRA
1 ano atrás

Faltam Spare Parts para os caças F-35…
Mas quem tem pós-venda ruim são os russos…

Segue o circo.

Rustam
Rustam
1 ano atrás

How can this be in the most technologically advanced country, for the last 10 years on this blog, lovers of the United States and all Westerners assured us that problems with logistics can only be in Russia

Kkkkk

Rui chapéu
Rui chapéu
Reply to  Rustam
1 ano atrás

Yeah!
The russians dont have any problem with This with the overwhelming 12 Pak fa.

You dont have problems If you dont have airplanes!

Evgeniy (RF).
Evgeniy (RF).
Reply to  Rui chapéu
1 ano atrás

Primeiro não de 12, mas de 15.
Em segundo lugar, este é o primeiro contato.
Em terceiro lugar, os Estados Unidos não experimentaram uma crise como a da Rússia.
Em quarto lugar, ao contrário da Rússia, não há correspondência nos EUA. Comunistas e o ditador Putin. Então a Rússia pode.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
1 ano atrás

Tipo assim
São tão caras que só produziram uma única pra cada aeronave!

Gabriel BR
Gabriel BR
1 ano atrás

É o Abacaxi Voador com novas surpresas!

Sérgio Luís
Sérgio Luís
1 ano atrás

São de ouro maciço!