Home Aviação de Ataque Lockheed Martin inaugura linha de produção do F-16 em Greenville, Carolina do...

Lockheed Martin inaugura linha de produção do F-16 em Greenville, Carolina do Sul

4947
69
Lockheed Martin F-16 Block 70

Produção do F-16 Block 70 deve começar ainda este ano

GREENVILLE, S.C., 23 de abril de 2019 / PRNewswire / – A Lockheed Martin (NYSE: LMT) organizou uma cerimônia para celebrar sua nova linha de produção de F-16 em Greenville, Carolina do Sul. O ferramental do F-16 e equipamentos anteriormente em Fort Worth, Texas, já foram instalados em um hangar recém-reformado em Greenville, onde a empresa começará a fabricar aeronaves F-16 Block 70 ainda este ano.

“Este é um momento emocionante, pois celebramos outro marco importante para o F-16 – o caca de 4ª geração mais bem sucedido e comprovado em combate do mundo”, disse Michele Evans, vice-presidente executiva da Lockheed Martin Aeronautics. “O futuro é brilhante, e começa aqui mesmo em Greenville, Carolina do Sul – o novo lar da produção do F-16”.

A demanda continua a crescer para novos upgrades de produção de F-16 e F-16V. O Bahrein tornou-se o primeiro cliente do F-16 Block 70 em junho de 2018, a Eslováquia assinou uma Carta de Acordo em dezembro de 2018 para 14 aeronaves Block 70 e a Bulgária e o governo dos EUA estão atualmente negociando a aquisição da nova aeronave F-16 Block 70. O Departamento de Estado dos EUA também aprovou recentemente a proposta de venda de 25 novas aeronaves F-16 Block 72 de produção e upgrades F-16V para o Marrocos.

“Este é um ótimo dia para Greenville e Carolina do Sul”, disse o senador norte-americano Lindsey Graham, da Carolina do Sul. “Temos a melhor força de trabalho no país e agora vamos construir o F-16 mais avançado de todos os tempos aqui no ‘Palmetto State’.”

“A força de trabalho da Carolina do Sul é inigualável, e o fato de a Lockheed Martin continuar investindo e acreditando nos sul-carolinianos para construir os mais novos F-16 em Greenville diz muito sobre nosso estado e a empresa”, disse o governador da Carolina do Sul, Henry McMaster. “Toda pessoa que tem a Carolina do Sul como lar deve se orgulhar de que o F-16 é feito aqui mesmo no estado de ‘Palmetto State’.”

Mais de 400 novos empregos serão criados para apoiar a linha de produção do F-16 em Greenville. A produção de F-16 também suporta centenas de trabalhos de engenharia, aquisição, sustentação e suporte ao cliente da Lockheed Martin baseados nos EUA e milhares de empregos de fornecedores nos EUA. Uma parcela significativa da produção do F-16 ocorre na cadeia de fornecimento, que atualmente inclui mais de 400 fornecedores dos EUA em 41 estados.

Até o momento, 4.588 caças F-16 foram produzidos e existem aproximadamente 3.000 caças F-16 operacionais em operação hoje em 25 países.

Sobre a Lockheed Martin

Sediada em Bethesda, Maryland, a Lockheed Martin é uma empresa global de segurança e aeroespacial que emprega aproximadamente 105.000 pessoas em todo o mundo e dedica-se principalmente à pesquisa, projeto, desenvolvimento, fabricação, integração e manutenção de sistemas, produtos e serviços de tecnologia avançada.

FONTE: Lockheed Martin Aeronautics Company

69
Deixe um comentário

avatar
16 Comment threads
53 Thread replies
2 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
38 Comment authors
DenisPeter nine nineAugusto LVitor SilvaJuarez Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

F-16, o caça que parece nunca perder o fôlego.
A maior pedra no sapato do Gripen.

Blind Mans Bluff
Visitante
Blind Mans Bluff

Isso me fez pensar que daqui 50 anos, quando a FAB ainda estiver (tentando) operar os Gripen, se nao houver uma escalada das vendas do mesmo agora para outras nacoes, vai ficar dificil encontrar pecas de reposicao e aeronaves no mercado para canibalizar. No caso do F-16, seria muito mais facil.

Fligth_Falcon
Visitante
Fligth_Falcon

Lembrando que peças de motor por exemplo, são as mesmas do F-18.
Eletrônica tem muito de desenvolvimento nacional.
Não creio que será tão ruim assim, mas fácil não ter dinheiro para operar que essa dificuldade de peças.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Discordo quanto a parte da FAB demorar 50 aos pra operar o Gripen.
O problema é que, independente do quão bom seja o Gripen, a SAAB e a Suécia simplesmente não tem o mesmo peso político da LM e do Tio Sam.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

‘F-16, o caça que parece nunca perder o fôlego.’

É o resultado direto do esforço pra vender para Romênia, Bulgária, Eslováquia e outros menos cotados.

PauloSollo
Visitante

Não existe essa coisa de “menos cotado” no mercado aeronáutico militar pois por menor que seja a encomenda, as cifras são na casa dos bilhões. E se somar todos os pequenos clientes, as encomendas passam da centena. Centenas de novo F-16 cercando a antiga tirana Rússia com seus vetustos Migs que “já perderam o fôlego”, ninguém quer, e Sukhois que vendem a conta gotas para “menos cotados”, e alguns não os querem mesmo com os russos aceitando sacos de chá e óleo de palma como pagamento.

Rodrigo Martins Ferreira
Visitante
Rodrigo Martins Ferreira

Enquanto isto a China e Rússia só vendem com exceção do Paquistão e Índia para que grande nação ?

Denis
Visitante
Denis

De forma alguma. Neste mercado, caiu na rede, é peixe.

Antunes 1980
Visitante
Antunes 1980

Segundo amigos que moram lá, a Argentina e ate mesmo a Colômbia estão de olho nesta nova linha de produção do F-16 block 70.
Quem sabe através da nova política de Trump, alguns poucos destes não caem por aquelas bandas.
Uns 12 para a Argentina e mais uns 20 para a Colômbia. Seria muito bom para a América do Sul.
O F-16 é um excelente peso leve, que com inúmeras melhorias, bate forte como um peso pesado.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Argentina com F-16 Block 70?
A mesma Argentina que teve que contar cada centavo no fundo do bolso pra comprar meia dúzia de Super Etandart e luta pra manter meia dúzia de Skyhawnk minimamemte em condições de simplesmente levantar vôo?
É infinitamente mais fácil a Colômbia, talvez, o Chile comprarem essa aeronave do que a Argentina.

RENAN
Visitante
RENAN

Willber Acho que o caminho natural da Argentina é se render aos encantos da China, logo daqui uns 15 anos no meu ver a Argentina estará de juelhos aos chineses, e sua economia estará atrelado ao consumo chinês, seus meios militares será doações chinesa, com direito a um porto chinês e base chinesa na América do sul. No meu ver é um grande erro deixar este vácuo de poder em um país latino-americano. Teremos uma Venezuela atrelada a Rússia. Uma Argentina ligada a China. Seria mais sábio os EUA, dar um jeito de escorar a Argentina antes que ela caí… Read more »

Helio Eduardo
Visitante
Helio Eduardo

Sábias palavras Renan. A Argentina vive um inferno astral econômico, outro social e outro militar. São um povo orgulhoso e tinhoso.

Também não vejo alternativa no curto prazo, talvez se o Brasil tivesse realmente decolado, eles nos seguissem por força de uma possível, hipotética, complementaridade econômica advinda da proximidade física. No entanto, o Brasil continua a engatinhar, a AL, no geral, idem, e a única luz no fim do túnel pode vir a ser a China.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Concordo.
O único motivo da Argentina AINDA não ter comprado JF-17 da China em troca de carne ou grãos é porque argentino continua sendo um povo orgulhoso pra diabo.
Mas orgulho não combina com pobreza, e a compra de materia chinês em troca de terras ou carne é só questão de tempo.

ARILSON ARAUJO CASTRO
Visitante
ARILSON ARAUJO CASTRO

O que diferencia os EUA da China??? Qual vantagem temos em nos aliar a um ou a outro??? Todos, sem exceção, são usurpadores e ladrões. Utilizam a força e a inteligência militar para auto benefício. Só mesmo idiotas para imaginarem que americano é bonzinho e russo ou chinês que não prestam. Ou vice versa!!

Jeff
Visitante
Jeff

‘Palmetto State” ??

cvn76
Membro
Famed Member
cvn76

Sim, é o apelido do Estado da Carolina do Sul…todo Estado dos EUA possue um apelido.

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Então qual é o apelido de Israel?

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Kipa State

Delfim
Visitante
Delfim

RJ é putharia state.

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Prezados.

Uma pesquisa, o mercado internacional de aeronaves de combate é disputado e caro, quase sempre imprevisível. Naturalmente, questões políticas e econômicas sempre influenciam a escolha final. Cite possíveis países compradores para as seguintes aeronaves de combate.
Caso queira, explique com um breve comentário a razão de sua escolha.

Lockheed Martin F-16V:

Boeing F-18 Super Hornet:

Lockheed Martin F-35 Lightning II:

Boeing F-15SE Silent Eagle:

Saab JAS 39C/D Gripen:

Dassault Rafale:

Eurofighter Typhoon:

Mikoyan MiG-35:

Sukhoi Su-35/Su-30:

Sukhoi Su-57:

CAC/PAC JF-17 Thunder:

Chengdu J-10:

HAL Tejas:

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Lockheed Martin F-16V: Colômbia, Chile.

Boeing F-18 Super Hornet: Nenhum.

Lockheed Martin F-35 Lightning II: Canadá, Finlândia, Suiça, Espanha.

Boeing F-15SE Silent Eagle: Oriente Médio, Sudeste Asiático.

Saab JAS 39C/D Gripen: Nenhum.

Dassault Rafale: India.

Eurofighter Typhoon: Nenhum.

Mikoyan MiG-35: Nenhum.

Sukhoi Su-35/Su-30: Mongólia (Su-30), Venezuela (Su-30), África.

Sukhoi Su-57: Nenhum.

CAC/PAC JF-17 Thunder: Laos, Cambodja, Irã.

Chengdu J-10: Nenhum.

HAL Tejas: Nenhum.

Denis
Visitante
Denis

Boeing F-18 Super Hornet: Canadá (porque já opera um avião da mesma família).
Chengdu J-10: Talvez a Coreia do Norte compre, um dia (porque a China é o único país com reais possibilidades de vender um avião de combate a eles).

RENAN
Visitante
RENAN

Lockheed Martin F-16V: Colômbia, Romênia, Elováquia, Bulgária,

Boeing F-18 Super Hornet: Índia, Ucrânia

Lockheed Martin F-35 Lightning II: Chile, Twain, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

Boeing F-15SE Silent Eagle: Inglaterra, Canadá, Austrália,

Saab JAS 39C/D Gripen: nenhum comprador

Dassault Rafale: nenhum comprador

Eurofighter Typhoon: nenhum comprador

Mikoyan MiG-35: Peru, Muamar, Bangladesh, Argélia.

Sukhoi Su-35/Su-30: Venezuela SU 35, Irã SU30, Índia SU35, Corea do norte SU30, Paquistão SU30, Turquia SU35, Egito SU35, Indonésia SU35,
Sukhoi Su-57: Índia, China, Egito

CAC/PAC JF-17 Thunder: Polônia, Irã, Malásia, Corea do norte,

Chengdu J-10: se tiver algum cliente será africano

HAL Tejas: nenhum comprador

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Bom.
Myanmar já comprou Su-30.
Coreia do Norte acho difícil adquir alguma coisa, mas o JF-17 foi boa dica.

PauloSollo
Visitante

Porquê acha que a Polônia, membro da OTAN, operando o F-16 e com 100% de chances de comprar o F-35, já que os EUA a incluíram como possível novo cliente e os poloneses disseram que poderão adiantar o processo de aquisição, iria comprar o sino-paquistanês JF-17? Creio que seja fora de cogitação, tanto por falta de interesse, por ser desnecessário taticamente, e porque um membro da OTAN assume um compromisso que vai além da defesa mútua, abrangendo ao uso de equipamentos apenas de membros e aliados, algo que só a Turquia não entendeu, ou esta pagando aos russos pelo abate… Read more »

RENAN
Visitante
RENAN

Comentários retido

Humberto
Visitante
Humberto

Lockheed Martin F-16V: Croácia, Taiwan (acho difícil serem novos por causa da China), Colômbia e os clientes de sempre, Israel, Chile, Iraque etc. Não seria surpresa a India decidir ir para os F-16. Boeing F-18 Super Hornet: Apesar das desavenças o Canadá, quem Suíça e a India, por causa do PA. Lockheed Martin F-35 Lightning II: Canadá, Suíça e Alemanha (acho difícil, mas os militares de lá, sempre tiram o F-35 do chapéu). Boeing F-15SE Silent Eagle: Israel, EUA com grandes possibilidade. Saab JAS 39C/D Gripen: Suiça, Canadá, India, Croacia, Finlandia. Dassault Rafale: Egito, Índia (por causa do PA, mas… Read more »

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Sobre o F-35 na Alemanha, concordo, no final das contas, pode acontecer.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Lockheed Martin F-16V: Chile (novos e modernizados), Romenia, Bulgaria, Croácia, Portugual ( modernizados), Taiwan ( Modernizados e Novos ), Singapura ( Modernizados ), Grécia ( Modernizados a um padrão V grego), Coreia do Sul ( modernizados ), Marrocos ( Novos e Modernizados). Boeing F-18 Super Hornet: Alemanha, Kuwait. Lockheed Martin F-35 Lightning II: Canadá, Cingapura, Taiwan, Espanha, India, Vietnã. Boeing F-15SE Silent Eagle: Israel. Saab JAS 39E/F Gripen: Suíça, Finlandia, Republica Tcheca, Colombia, Equador, Malásia, Argentina, Africa do Sul. Dassault Rafale: India. Eurofighter Typhoon: Kuwait, Alemanha. Mikoyan MiG-35/29: Egito, Myamar, Peru, Bielorrússia, Argelia, Mongólia. Sukhoi Su-35/Su-30: Peru, Bielorrússia, Irã. Sukhoi… Read more »

Jagderband#44
Visitante
Jagderband#44

É o F5 dos anos 2020.

Ilan
Visitante
Ilan

Acho que não.

JT8D
Visitante
JT8D

Não mesmo

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Vida longa à “Águia de Aço”!!!

Luiz Floriano Alves
Visitante

Ainda teremos F-16/B70 na FAB. Espero….

Junior
Visitante
Junior

Vou te dar um conselho, se for esperar, espera sentado

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Olha Luiz, eu já fui meio cético com essa idéia, mas, em recente entrevista para a Revista ASAS. o Chefe do COPAC deixou no ar que podemos ter sim mais um lote do F-39, mas, tb analisarmos outrols modelos se a SAAB aumentar os preços. assim, dei uma “viajada na maionese”:

– 72 F-39
– 24 F-16/70

Aproveitando a excelente relação com os EUA.

Será?

JT8D
Visitante
JT8D

Não, não será

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Se realmente tivéssemos 72 Gripens, pra que compraría-mos 20 F-16?

Ivan BC
Visitante
Ivan BC

F-16 eu não acredito, porém, F-15 seria excelente para a FAB, seria uma aeronave para complementar o Gripen.
72 gripen + 24 F-15 seria ótimo…No fundo seria melhor 72 gripen + 24 F-35…se complementam.
Problema que não há interesse algum nas forças armadas e principalmente da classe política (e olha que melhorou 10000% com o Bolsonaro, antes a coisa estava terrível…os grupos políticos anteriores do Bolsonaro odeiam o nacionalismo e as forças armadas).

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Seria uma contradição, o que, no caso, não seria nenhuma surpresa. Todavia, seria uma admissão tácita de que a escolha do Gripen foi um erro. Ou seja, esqueça.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

É verdade, viajei, até porque são dois modelos fazendo a mesma coisa. Linha logística dupla, ferramental, etc. Nada a ver mesmo, me impolguei de novo!!! rsrsrsrs

André
Visitante
André

Bahrein, Eslováquia, Bulgária e Marrocos….imagino a lágrima escorrendo nos saudosos da URSS

Rodrigo M
Visitante
Rodrigo M

Já estava demorando alguém começar com esse mantra chato de argentina..
É só aparecer qualquer novidade, se qual for, que já começam.. Seria bom se esse pessoal se preocupasse com o Brasil pelo menos a metade que preocupam com esses caras. Putz..

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Rodrigo, tirando a birra que a imprensa nos enfia pela goela de que somos inimigos, torço sim para que a Argentina saia do buraco, até porque, eles importam , ou já importaram, muitos produtos acabados de nós. Desde eletrodomésticos a automóveis. Não é bom para nossa Economia que eles estejam mal das pernas!!!

PauloSollo
Visitante

Um projeto fantástico, vencedor, com dezenas de milhares de operações bem sucedidas em seu currículo, belo, super eficiente, ágil, resistente e mortal, longevo e inigualável. Enquanto isto aquela presa do Viper, o vetusto e reumático Mig-29/35 nem os russos querem operar mais

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

A fábrica em Fort Worth é muito grande – a instalação tem uma milha de comprimento e chegou a fazer uma B-24 a cada 100 minutos durante a guerra – hoje é usada exclusivamente para a produção do F-35. Espaço não falta.
É curioso a Lockheed ter transferido a produção para um novo local em outro estado.

Ivan
Visitante
Ivan

Política, amigo Roberto. Política interna! . Observe o parágrafo: ‘ “A força de trabalho da Carolina do Sul é inigualável, e o fato de a Lockheed Martin continuar investindo e acreditando nos sul-carolinianos para construir os mais novos F-16 em Greenville diz muito sobre nosso estado e a empresa”, disse o governador da Carolina do Sul, Henry McMaster. “Toda pessoa que tem a Carolina do Sul como lar deve se orgulhar de que o F-16 é feito aqui mesmo no estado de ‘Palmetto State’.” ‘ . Votos dos congressistas do Texas estão garantidos com a fábrica de Fort Worth. Agora,… Read more »

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Sim Ivan, é bem possível.
Mas tenho a impressão de que quando decidiram transferir a produção, àquela altura dos acontecimentos, ninguém imaginava que o F-16 ainda iria ter mais novas e tantas encomendas. Creio que a própria Lockheed não esperava.

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Se não me engado a Airbus tb tem uma linha de montagem por lá. Me corrijam aí!

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Ah, não, é em Mobile, Alabama. O amigo abaixo respondeu

cvn76
Membro
Famed Member
cvn76

Motivos foram 2:
Fazer espaço em Ft. Worth para a produção do F-35 e os custos trabalhistas na South Carolina são mais baixos do que no Texas…
A própria Boeing abriu uma linha de produção em Charleston, South Carolina pelo mesmo motivo…custos trabalhistas no Estado de Washington são maiores…
A Airbus fêz a mesma coisa em Mobile, Alabama, Estado vizinho…
Também a indústria automobilística abriu várias fábricas na região em prejuízo do Meio-Oeste…

Roberto F. Santana
Visitante
Roberto F. Santana

Sim.
A empresa deve ter um planejamento muito bom, como disse, à epoca do anuncio da transferência de produção, acredito que só se tinha conhecimento do término da produção dos exemplares destinados ao Iraque e outra encomenda.
Vi um vídeo do novo local, com os equipamentos e todo ferramental quase todos prontos. Muito bom.

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Vinda longa ao Viper.

Israel está negociando uma grande encomenda, com brinquedos Israeli no conjunto.

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Israel não encomenda, Israel ganha de presente com combustível, peças, manutenção e transporte de brinde kkkkkkkkkkk

Vitor Silva
Visitante
Vitor Silva

Espero que Portugal faço o upgrate a curto Prazo do F-16 MLU block 50/52 para o F-16V block 70/72, pelo menos capacidade por parte das OGMA não deve faltar. Em tempos falou-se no valor de €16 milhoes por unidade, assim continuar a cumprir com as missões NATO no leste Europeu

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Eu já não sou da mesma opinião….

Vitor Silva
Visitante
Vitor Silva

Eu compreendo e respeito a sua opinião. Queria só acrescentar que muitas vezes é muito difícil decidir a favor desde ou daquele fabricante/modelo de avião. O F-35 é um avião da 5º geração sem duvidas por ser fortuito e muito difícil de ser detetado, mas também não deixa de ser verdade que é muito caro ( €135 milhões cada), também ainda se encontra longe de atingir a sua maturidade e agora debate-se com escassez de sobresselentes para além dos atrasos na entrega de kits e/ou de novos aviões. Pelo menos o F-16 têm muitas provas dadas ao longo de anos… Read more »

Peter nine nine
Visitante
Peter nine nine

Assim já falamos melhor, Vítor Silva, referir só que a qualificação das OGMA com os F16 foi obtida às custas da expertise da Força Aérea…. Não confundir méritos. ^^ Quando disse não concordar, era mais no sentido de que o F16 não é o substituto do F16, mas concordo com a sua modernização, no entanto, acredito que Portugal tem a obrigação de os retirar de serviço dentro de 10 a 15 anos, de preferência nunca depois de 2030, no máximo 2035. E é aqui que fico na dúvida, valerá a pena elevar para o padrão Viper para um serviço de… Read more »

Vitor Silva
Visitante
Vitor Silva

Sim em relação ao tempo penso que têns razão, deve-se fazer uma analise swot com todos as suas vantagens e desvantagens de tal dicisão. Eu até diria que não é preciso fazer a regereção de toda a frota, pelo menos entre 12 e 20 unidades ( algumas das verbas vêm das verbas da venda dos 5 F-16 MLU adicionais á Roménia), agora resta saber se a nível de logistica esta situação é sustentável por 10 a 15 anos. Em relação ao treinador avançado, penso que deves estar a falar do PC-21 ou dos Super Tucano, essa renovação de esquadra vai… Read more »

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Este muito provavelmente será o futuro caça da Força Aérea Mexicana, da Força Aérea Chilena e provavelmente da Força Aérea da Colômbia.

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Acho que também cairia bem aos peruanos adotar o Block 70 como substituto aos MIG-29

Joao Carlos
Visitante
Joao Carlos

Os peruanos só compram bagulho russo… e alguma coisa francesa…

Gabriel BR
Visitante
Gabriel BR

Ainda acredito que tomamos a decisão correta ao selecionar o Gripen NG para a FAB, mas para a MB o F-18 SH (24 unidades) cae melhor.

Leonel Testa
Visitante
Leonel Testa

Concordo que a combinaçao gripen super hornet pra nos seria melhor mas esse F 16 e um verdadeiro highlander a isso e …

Andrigo
Visitante
Andrigo

Pelo andar da carruagem, o F-16 vai ser o B-52 dos caças, interminável!

Delfim
Visitante
Delfim

Parem de viajar.
Se a FAB quisesse o F-16 já o estaria usando há uns 20 anos, desde o F-X1.

Luiz Floriano Alves
Visitante

Se tivéssemos comprado F-16, Block qualquer um já esatariamos com as aeronaves nas nossas bases garantindo nossa bandeira. A Indonésia comprou alguns Shukois e depois foi garimpar F-16 no deserto do Arizona. concluíram, acertadamente, que é melhor F-16 recauchutado do que trombolhos russos zero bala. #nquanto isso continuamos assistindo videos de testes da Saab, cada vez um sistema. Acho que breve vamos ver o teste do capacete HUD.

Juarez
Visitante
Juarez

Só não teve porque o FMS não dá opções escusas de negociações e “adendos” contratuais, e se paga o mesmo preco que o contribuinte americano paga.

Tonho da Lua.
Visitante
Tonho da Lua.

É lindo demais esse caça !!!