Home ARP Índia interessada em drones ‘suicidas’ israelenses IAI Harop

Índia interessada em drones ‘suicidas’ israelenses IAI Harop

6655
50

Por Roberto Lopes
Especial para o Poder Aéreo

O Ministério da Defesa da Índia está interessado na aquisição de 15 drones “suicidas” Harop, fabricados pelo grupo israelense IAI (Israel Aerospace Industries).

A informação, divulgada na última quinta-feira (31.01) pelo portal de notícias vietnamita DatViet, reproduz uma notícia publicada, originalmente, no início da semana que passou, pelo conceituado jornal The Jerusalem Post (o mais importante diário israelense no idioma inglês).

Segundo o Post, a encomenda das aeronaves já foi feita. Mas não há confirmação desse pedido, ou indicação de seus custos.

A primeira menção ao IAI Harop data de 2013, época em que o veículo foi apresentado como um “drone anti-radiação”, isto é, um vetor que detectava a fonte de emissões de radar do inimigo e a atacava diretamente, colidindo com ela como um carro-bomba, ou um “bombardeiro suicida” – imagem lançada pelos aviões “kamikaze” japoneses que se projetavam sobre os porta-aviões e demais navios americanos de superfície no Oceano Pacífico, durante a 2ª Guerra Mundial.

Mais tarde a indústria israelense estabeleceu que o Harop poderia ser programado, ou controlado, para atacar qualquer tipo de alvo.

Pantsir Attack

Motor-foguete – Uma das maiores vantagens desse UAV (Unmanned Aircraft Vehicle) é que ele decola movido por um motor-foguete, que queima combustível durante alguns segundos – o bastante para que ele se estabilize em voo, e acione um propulsor a hélice.

Isso o habilita a alçar voo a partir de curtas pistas de pouso em terra, ou mesmo de um contêiner a bordo de um barco de guerra pequeno, como lanchas lança-mísseis, corvetas ou fragatas.

No ar seu voo é facilitado por uma envergadura de asa da ordem de 3 metros.

O Harop pode operar continuamente por cerca de 6 horas, e nesse espaço de tempo cobrir até 1.000 km. Sua velocidade é, contudo, mantida em segredo.

Caso não detecte seu alvo – e, portanto, não mergulhe para o ataque – o Harop pode, eventualmente, voar de volta à base (ou até um aeródromo amigo) e pousar suavemente, em perfeita segurança, como qualquer UAV dotado de inofensivas câmeras de alta resolução, para reconhecimento.

A capacidade de destruição do IAI Harop reside na ogiva que ele transporta, de 23 kg de alto explosivo.

Fontes israelenses citadas pela reportagem do The Jerusalem Post especulam que Israel tenha destruído o sistema de defesa aérea russo Pantsir-S1 (viatura que transporta um mix de canhões de tiro rápido e mísseis), na Síria, com a “munição Harop”.

Subscribe
Notify of
guest
50 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
1 ano atrás

Em principio há um certo espanto pela sacrificio do drone, mas depois que se começa a fazer as contas de quanto seria investido para fazer um drone disparar armas, controlá-las, etc, etc, etc… chegasse a conclusão que é bem mais barato sacrificar o equipamento mais barato contra um alvo bem mais caro.

Carlos Campos
Carlos Campos
1 ano atrás

uma arma muito boa, não sei quanto ao preço, e todo mundo tá dizendo que ele é o carrasco do Pantsir, aí ficamos na especulação, lembro do vídeo mostrar o Pantsir louco atirando desajeitado, parecendo sofrer jamming, então não acredito 100% por cento que foi o Harop, mas depois disso a índia demonstrou interesse, vai ver foi harop mesmo que explodiu os pantsir

Guilherme Bomgrado
Guilherme Bomgrado
Reply to  Carlos Campos
1 ano atrás

Deve ser ele q destruiu os Pantsir, pq pelos vídeos se nota q não é algo veloz igual um míssil.

Edison Castro Durval
Edison Castro Durval
Reply to  Guilherme Bomgrado
1 ano atrás

Guilherme, no vídeo em questão pode se ver o lançamento de dois os três mísseis e aparentemente um abate, logo pode ter sido um ataque de saturação guiado ou não por esse drone e que é finalizado pelo ataque “suicida”.
Quando ao custo, esse drone deve ser bem mais barato que um míssel e pode ser reutilizado coisa que um míssil não consegue, portanto tem um custo benefício muito bom.

Leo Neves
Leo Neves
Reply to  Carlos Campos
1 ano atrás

Carlos Campos
Pelos lançamentos dos mísseis da pra perceber que não era um pantsir. Os mísseis saíram de forma diferente do pantsir.

Bosco
Bosco
Reply to  Leo Neves
1 ano atrás

Seja o míssil Delilah, a bomba Spice ou o drone suicida Harop, fato é que naquele ataque aéreo pelo menos num ataque fica evidente que mais de uma “arma” foi direcionado a um alvo tendo em vista que a explosão de um alvo é mostrada pela outra arma que se aproxima. Como a arma se destrói no impacto não tem como ela mostrar a própria explosão e portanto, se vemos a explosão de perto ou foi a aeronave lançadora ou foi um segundo míssil que vinha logo atrás.

cwb
cwb
1 ano atrás

então um sistema s-300 ou s-400 pode ser destruído por esse brinquedo?
se eu fosse um pantsir eu preferiria ser destruído por um f-35,é mais glamuroso…

Hélio
Hélio
Reply to  cwb
1 ano atrás

Um THAAD também, as armas antirradiação tem essa função.

teropode
Reply to  Hélio
1 ano atrás

THAAD é amigo , o Harop nasceu pra destruir tralhas russas , velhos fregueses .

Hélio
Hélio
Reply to  teropode
1 ano atrás

Você tem um talento para falar asneira ou é esforçado, porque olha… impressionante.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Hélio
1 ano atrás

Então meu caro Helio qual a chance de um Harop ser usado contra um THAAD?

Hélio
Hélio
Reply to  HMS TIRELESS
1 ano atrás

Do que você está falando, meu amigo? A questão é que o Harop faria o mesmo com o THAAD, assim como qualquer arma do tipo, é para isso que elas servem. Agora, basta Israel exportar para algum país que tenha utilidade para usá-lo contra o THAAD para que esse seja destruído por ele. Até tecnologia para bomba atômica Israel já exportou, por isso parcerias com eles são tão proveitosas, com eles não tem mimimi. O THAAD, o S500, o Arrow ou qualquer outro sistema do tipo pode ser destruído por algo como o Harop.

teropode
Reply to  teropode
1 ano atrás

Hum 🤔,sei ! Só eu né?

Victor Filipe
Victor Filipe
Reply to  Hélio
1 ano atrás

Começou errado porque o THAAD não tem nenhuma capacidade para deter esse tipo de drone, e nem foi feito para isso.

THAAD é focado em defesa contra misseis balísticos.

Dito isso, esse pequeno Drone destruir um THAAD não seria algo de outro mundo, ridículo seria se ele não conseguisse

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  cwb
1 ano atrás

Falou tudo!

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  cwb
1 ano atrás

Se o F-35 funcionasse-direito, né?

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
Reply to  Antoniokings
1 ano atrás

Os destroços das baterias dos Pantsyr estão lá para atestar que o F-35 funciona sim. Sinto muito mas essa é a realidade.

Chris
Chris
Reply to  cwb
10 meses atrás

Nem PATRIOT, THAAD, S-300 ou S-400 foram feitos pra isto !

E até os sistemas anti-aereos de baixa altitude teriam dificuldade… Pela baixa assinatura de radar desses bichinhos. Pelo que ando lendo por aí !

Em baixa altitude, ainda imagino que se for alvos na cidade, os radares podem confundi-los com carros ou helicópteros.

Realmente parece uma coisa simples e barata que pode acertar qquer país! Aposto que a India é só a primeira, de muitos interessados que virão. heheh

Hélio
Hélio
1 ano atrás

Bem que poderiam aproveitar o MAR-1 para fazer um desses, know how para a construção de drones nos já temos.

teropode
Reply to  Hélio
1 ano atrás

Nem sonhando, a distância que existe entre o Harop e o MAR-1 deve ser calculada levando em conta os 5000 anos de história de Israel e os escassos investimentos brasileiros em pesquisa . Bora calcular ?

Bosco
Bosco
Reply to  teropode
1 ano atrás

Tera,
Na verdade o Harop é tecnologicamente pouco avançado. Por exemplo, ele precisa estar linkado a um controlador humano tempo integral já que não é dotado de um sistema ATA (aquisição automática de alvo) quando operando no modo TV/IIR.
Claro que ATA relativo a alvos móveis é bem complexo, mas é fato que ele não tem.

Hélio
Hélio
Reply to  teropode
1 ano atrás

Calcule aí então, grande especialista, porque pelo o quê você está mostrando, não sabe somar dois com dois.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  teropode
1 ano atrás

5.000 anos de história? Está contando o lançamento de uma pedra por David como um míssil? Fala sério!

Bosco
Bosco
Reply to  Hélio
1 ano atrás

Os dois conceitos são importantes. Um míssil veloz, supersônico, capaz de ser lançado por caças que fazem parte de um pacote de ataque e um míssil antirradiação subsônico, com capacidade de vadiagem e de trancar em alvos não irradiantes.

kornet
kornet
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Bosco,uma matéria sobre o MAR seria muito legal aqui no site.
Claro que o Galante não vai negar,rs.

Hélio
Hélio
Reply to  kornet
1 ano atrás

Se não me engano tem várias que foram publicadas de 2010 para trás, só pesquisar aqui e no forte.

Sérgio Luís
Sérgio Luís
1 ano atrás

Eu adoraria ver uma imagem de um Pantsir 1 explodindo como este acima!
Mas!
Vinda é lógico de um “Deus Vivo” F-35 Adir !!!
Mas acharam melhor ir de Harop mesmo!
Deve ser mais seguro penso eu!

Edison Castro Durval
Edison Castro Durval
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

E bem mais barato!!

teropode
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Se for destruído por um drones suicida auxiliado pelo Adir vale ? Ou ele tem que voar a 40 metros do Pantsir e jogar um tijolo na cabeça dele para ser válido o ataque ?

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  teropode
1 ano atrás

Se o “Deus Vivo” for lá em damasco e tocar o terror com seu cajado dourado nos avise!
Lembro que tem muita gente na fila pra avisar viu!

teropode
Reply to  Sérgio Luís
1 ano atrás

Sério isso ? Não é preciso ir lá em Damasco , o Adir por exemplo pode tocar terror em Damasco sobrevoando as pitorescas áreas litorais Libanesas , o Adir cara , o Adir .

Sérgio Luís
Sérgio Luís
Reply to  teropode
1 ano atrás

Edir Macedo?
Ele pode ir mesmo nos ensolarados litorais qualquer lugar do mundo!

Rui chapéu
Rui chapéu
1 ano atrás

Ué?

Mas a força aérea indiana não é inteira de aviões kamikazes já? Toda hora se jogam no chão!

PauloSollo
1 ano atrás

O aniquilador de Pantsir. Pra que usar o F-35 se os israelenses podem liquidar as defesas antiaéreas sírias com estes brinquedos? Felizmente nos livramos da idéia de pagar US$ 1 bilhão para trazer uma bateria deste alvo de drones para cá.

Gorgoroth
Gorgoroth
Reply to  PauloSollo
1 ano atrás

Boa kkk

teropode
Reply to  PauloSollo
1 ano atrás

Pensando bem para uma região tranquila como a América do Sul o Pantsir teria vida fácil, passaria a maior parte do tempo engajando drones recreativos , pipas e pombos , agora em áreas mornas ele já corre sério risco .

Jardel
Jardel
1 ano atrás

kkkk, Rui Chapéu falou tudo.

Bosco
Bosco
1 ano atrás

O problema da compra tem que ser resolvido dentro do tratado MTCR ao qual a Índia é signatária.

WVJ
WVJ
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Mas isso é um drone, ou não é? Ótima idéia israelense

Bosco
Bosco
Reply to  WVJ
1 ano atrás

É um drone porque “em tese” pode ser recuperado caso não ache um alvo. Apesar disso ser possível, acho difícil de ocorrer. Sei que há referência a essa recuperação mas nunca vi vídeo ou foto e até onde sei ele não tem nenhum sistema que permita aterrissar ou ser recolhido.
Há alguns problemas referente à recuperação de um drone suicida com uma ogiva viva. Mas claro, tudo no mundo tem solução.

Bosco
Bosco
Reply to  WVJ
1 ano atrás

Vale salientar que o MTCR também contempla os drones suicidas.

WVJ
WVJ
Reply to  Bosco
1 ano atrás

Nesse caso está explicado, valeu!

WVJ
WVJ
Reply to  Bosco
1 ano atrás

” it was agreed to expand the scope of the MTCR to include nonproliferation of unmanned aerial vehicles (UAVs) for all weapons of mass destruction” Há uma lacuna sobre o que seria Arma de Destruição em Massa, não acha? Esse drone aí anda no limite do permitido pelo tratado.

Bosco
Bosco
Reply to  WVJ
1 ano atrás

WVJ,
É que os drones , mesmo os de pequeno porte, podem ser um excelente e barato vetor de armas químicas e biológicas.

Bosco
Bosco
1 ano atrás

Com a retirada dos EUA do tratado INF e logo logo os americanos irão colocar alguns projetos em andamento e um deles é um míssil baseado no MALD, lançado de terra, com 1000 km de alcance, que utiliza um conceito semelhante ao Harop.
O INF limitou muito a “criatividade” tanto dos americanos quanto dos russos, enquanto isso israelenses e chineses surfaram na onda.

Antunes 1980
Antunes 1980
1 ano atrás

E a Índia continua gastando o dinheiro internacional que recebe para ajuda humanitária, em equipamentos militares.. o país sem vergonha essa Índia !

PauloSollo
Reply to  Antunes 1980
1 ano atrás

A Índia esta cercada por inimigos que não param de expandir suas capacidades militares, e tem disputas territoriais com ambos, Paquistão e China. E os chinos com a tal estratégia colar de pérolas quer cercar a Índia pelo mar. Se não se armarem a altura serão engolidos.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
1 ano atrás

Tae… A FAB podia adquirir alguns desses neh?!?

Marcos
Marcos
1 ano atrás

I hope people here know the terms and conditions associated with foreign aid ? All foreign aid money are used either 1. To buy goods and services from the donor country 2. To promote the interests of the donor country 3. To cultivate assets in the target country by exploiting religious , social , political differences for furthering the interests of donor country. There is no such thing as a free ride in this world. Importantly Indian government does not receive any international money for humanitarian aid. The Indian government banned all international aids since 2004. Foreign aid cannot by… Read more »

Marcos
Marcos
1 ano atrás

India already acquired 100+ harop drones since 2010.

The 15 drones are in addition to the existing stock and also to upgrade the older harop drones to the latest builds.