Home Aviação de Ataque Reino Unido declara IOC dos caças F-35B

Reino Unido declara IOC dos caças F-35B

10889
54
O F-35B da Reino Unido e suas armas

Secretário de Defesa estabelece pontos no próximo século do Poder Aéreo Britânico

O secretário da Defesa do Reino Unido, Gavin Williamson, revelou hoje que o poder aéreo da Grã-Bretanha alcançou novos patamares enquanto falava em um novo hangar exibindo cem anos de jatos de combate.

Falando na base de RAF Marham, o Secretário de Defesa anunciou que o Reino Unido agora tem nove jatos F-35 Lightning prontos para serem desdobrados em operações em todo o mundo.

Os F-35 Lightnings formarão a espinha dorsal da frota aérea de combate do Reino Unido, juntamente com os jatos Typhoon, que o Secretário de Defesa também anunciou terem sido equipados com um conjunto de armas complexas de última geração para aumentar enormemente sua capacidade.

No ‘Project Centurion’, no valor de £ 425 milhões nos últimos três anos, o Typhoon agora tem o míssil de cruzeiro Deep Shadow, o míssil ar-ar Meteor e o míssil de ataque de precisão Brimstone à sua disposição.

Isso significa que os jatos aumentaram a capacidade de interceptar alvos aéreos e atingir alvos terrestres, substituindo o papel de ataque do Tornado à medida que este se aproxima da aposentadoria.

Concluídos dentro do prazo e do orçamento, os upgrades transformam a frota em uma plataforma aérea de combate multifunção líder mundial nas décadas seguintes.

Engenheiros militares e funcionários trabalharam em conjunto com centenas de trabalhadores britânicos de empresas de defesa britânicas, incluindo BAE Systems, MBDA e Leonardo, para alcançar o marco.

Lista de F-35B do Reino Unido até o momento

O Secretário de Defesa fez o anúncio na frente de quatro aeronaves diferentes, em um novo hangar de manutenção na RAF Marham, que ele abriu hoje junto com um novo centro de treinamento de última geração.

Essas instalações, juntamente com as pistas reformadas e as novas plataformas de pouso para acomodar a capacidade do jato de pousar verticalmente, são uma parte essencial dos £ 550 milhões investidos na base de Norfolk.

O secretário de Defesa, Gavin Williamson, disse: “Ao nos despedirmos do primeiro século da RAF, estamos nos fixando nos próximos 100 anos. Nossa nação está entrando em uma nova era fora da UE, e nossas enormes conquistas em capacidade aérea tornam claro nosso compromisso com um papel no cenário mundial tanto para nossos aliados quanto para nossos inimigos.

“Os incríveis jatos F-35 estão prontos para operações, um Typhoon transformado tem o poder de dominar os céus na década de 2040 e continuamos a olhar ainda mais para um futuro ambicioso. A RAF há muito tempo mostra a Grã-Bretanha como a maior e a melhor do mundo, e hoje eleva nossa nação a patamares ainda maiores”.

No ano que vem, os pilotos do F-35 Lightning e a equipe de terra continuarão aprendendo a operar e manter os jatos no novo centro, que conta com simuladores de última geração, salas de aula e modelos físicos de aeronaves.

A instalação oferece um ambiente de treinamento real que replica os desafios que os pilotos e a tripulação enfrentarão no suporte e operação do F-35 Lightning.

Os pilotos do 617 Squadron, que já estão baseados na RAF Marham, irão treinar a aeronave da próxima geração a partir de quatro simuladores de missão completos.

Ter o F-35 pronto para operar a tempo é um marco importante no que é o maior projeto de defesa da história, no qual o Reino Unido é um dos principais parceiros há quase 25 anos.

F-35B, Typhoon e Tornado

Cerca de 150 funcionários do Reino Unido estiveram trabalhando com os jatos nos EUA antes que o primeiro lote de aeronaves chegasse ao Reino Unido no verão passado.

O programa não apenas oferece ao Reino Unido uma capacidade militar revolucionária, mas com a indústria britânica fabricando 15% de uma carteira global de mais de 3.000 jatos, ele suporta cerca de 25.000 empregos no Reino Unido e projeta um valor de cerca de £ 35 bilhões para a economia nacional.

O secretário da Defesa fez o anúncio na frente de quatro aeronaves, que representam o passado e o futuro dos caças britânicos.

Eles incluíram o Tornado, que está em serviço desde 1979, fazendo sua estreia no combate na Guerra do Golfo de 1991, e que será retirado de serviço no final deste ano.

Suas capacidades exclusivas foram agora transferidas para o Typhoon.

Além do Typhoon e do F-35, o modelo de jato de combate a conceito Tempest também estava em exibição.

O modelo, que representa um exemplo da capacidade futura do Reino Unido, foi revelado no último verão no Farnborough International Air Show, quando o Secretário de Defesa lançou a Estratégia Nacional de Combate Aéreo para garantir que o Reino Unido permaneça como líder mundial no setor no futuro.

Tempest, F-35B, Typhoon e Tornado

O objetivo é, então, que uma capacidade de próxima geração tenha capacidade operacional inicial até 2035.

O Marechal Chefe da Força Aérea, Sir Stephen Hillier, disse: “Tenho orgulho de confirmar que a capacidade de combate aéreo da RAF deu mais um passo significativo em direção à realização de nossa Força Aérea da Próxima Geração. Com sua tecnologia stealth de ponta, nossos F-35s agora estão prontos para serem desdobrados em operações e, juntamente com nosso Typhoon comprovado em combate, oferecem uma mudança radical em nossa capacidade de empregar poder aéreo em todo o mundo.

“Além disso, a integração bem-sucedida do Stormshadow, Brimstone e Meteor no Typhoon completa e aprimora a transição de capacidades de classe mundial do Tornado e permite que um robusto inventário de Combate Aéreo da RAF se retire de serviço.

“O sucesso dessas conquistas e o potencial oferecido pelo Projeto TEMPEST continuarão a garantir a capacidade da RAF de proteger a nação, defender os interesses do Reino Unido e apoiar a agenda nacional de prosperidade agora e no futuro.”

A RAF já testou a interoperabilidade entre o Typhoon e o F-35.

Em uma série de testes operacionais, as evidências demonstram claramente a eficácia de ambas as plataformas quando operam lado a lado.

Com sua carga útil maior e maior agilidade e alcance, o Typhoon operará em conjunto com o furtivo F-35 e seus sensores de próxima geração, fazendo da RAF uma das poucas forças aéreas com a capacidade de explorar a sinergia das aeronavesde combate de 4ª e 5ª geração e fornecer ao Reino Unido uma força potente equipada para combater as ameaças em evolução no ambiente global.

O Reino Unido é um líder mundial no setor aéreo de combate, que apoia mais de 18.000 empregos altamente qualificados, com um mix de habilidades e tecnologias únicas na Europa.

O setor movimenta mais de 6 bilhões de libras esterlinas por ano e acumulou mais de 80% das exportações de defesa do Reino Unido nos últimos dez anos.

Mockup do caça Tempest

FONTE: Ministério da Defesa do Reino Unido

54
Deixe um comentário

avatar
22 Comment threads
32 Thread replies
2 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
33 Comment authors
Rene Dos ReisPedro nine-nineBILL27PathfinderSidney Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Mais um pais declarando IOC do F-35. estou ansioso pra ver a noticia de quando os “imbatíveis” SU-57 e J-20 terão seus respectivos IOCs declarados.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Está bom. Trump fica feliz, os EUA ficam felizes e tudo continua como dantes no Quartel d’Abrantes..

JPC3
Visitante
JPC3

A participação do Reino Unido no programa e as encomendas da aeronave aconteceram muito antes do Trump ser presidente.

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Cuidado, perturbar os sonhos de um sonambulo é perigoso…

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

A China declarou IOC do J-20 em setembro de 2017.

Além disso existem evidências que conseguiram terminar o motor definitivo ws-15 e portanto poderiam iniciar a produção em massa já em 2019.

A produção em massa pode ser superior a 100 aeronaves por ano, igualando ou superando a produção anual de F-35.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Isso. A tendência é que a China equilibre o poder militar em poucos anos.
E o pior (para os EUA) é que será concentrado na região da Ásia o que dará uma imensa superioridade com relação aos americanos.

Flamenguista
Visitante
Flamenguista

Para mim, a reportagem parece ter sido feita para exaltar o Typhoon!!Com sua carga útil maior e maior agilidade e alcance…

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

E foi mesmo caro amigo Rubro Negro, mas nada alem do normal. Ontem foi os francês que financiaram a noticia de dizer que o Rafale e F-35 tem a mesma capacidade de fusão de sensores. como sempre, a maioria do publico acreditou.

JPC3
Visitante
JPC3

Estranho isso pois Typhoon só tem maior alcance com tanques externos de combustível.

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

É só para demonstrar o relativamente baixo interesse no F-35 na Europa.

JPC3
Visitante
JPC3

Quem sabe começa a fazer comentário produtivos ao invés dessas opiniões nada a ver?

Pela baixa disponibilidade das forças europeias fica bem claro que não estão nem um pouco preocupados com guerras.

Por que deveriam comprar mais F-35?

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Concordo com vc. A Europa não parece estar muito interessada em guerra. É paranoia do Trump.

Luiz Henrique
Visitante
Luiz Henrique

“Pela baixa disponibilidade das forças europeias fica bem claro que não estão nem um pouco preocupados com guerras.”

Tem certeza disso?

JPC3
Visitante
JPC3

Se eles não estão gastando para manter os aviões que já tem por que deveriam comprar outros ainda mais caros para manter?

Se estivessem realmente preocupados com uma guerra não teriam metade ou um terço de suas forças paradas por falta de investimentos em manutenção.

Minha opinião apenas, mas quem está preocupado em guerrear não deixa os equipamentos com baixa disponibilidade e as tropas com pouco treinamento.

Rui Chapéu
Visitante
Rui Chapéu

O Tempest tá parecendo um mini craque coca cola com esse canopy desproporcional aiheioheoi

Mr. White
Visitante
Mr. White

Para mim, pareceu um pelicano… Nao achei bonito.

Denis
Visitante
Denis

Bom dia, senhores. Também achei feio. As linhas da fuselagem parecem desproporcionais.

Douglas Rodrigues
Visitante
Douglas Rodrigues

Isso é para quem pode!
4 gerações de caças em que fazem/farão parte de uma força aérea em uma só foto…
Geração 3 – Tornado
Geração 4 – Typhoon
Geração 5 (ou 4++ segundo alguns) – F-35
Geração futura (6?!) – Tempest

Douglas Rodrigues
Visitante
Douglas Rodrigues

Agora que fui pesquisar mais a fundo, o Tornado já é considerado de geração 4, enquanto o Typhoon seria 4.5…

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Enquanto isso no Brasil,

A nossa FAB aposta todas sua fichas num lote de 36 caças gripen para substituir os 110 caças/jatos que temos atualmente.

Posso estar enganado mas parece uma tendencia do países disporem de um caça principal superioridade aerea, um caça multi-missao e um Lift.

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Paulo, a questão é a necessidade/custo o objetivo principal do Brasil é conseguir comprar mais de 100 caças Gripen. uma aeronave que para a região mais do que atende todas as nossas necessidades. Países que fazem oque você falou “caça principal superioridade aerea, um caça multi-missao e um Lift” como os EUA tem a necessidade disso, manter uma força completa de caças modernos é caro então oque eles fazem. Superioridade aérea: F-22 Multifunção: F-35 Usados quando o cenário ta quente F-16 e F-15 quando a situação estiver mais calma e por fim o avião mais leve como um Super tucano… Read more »

JPC3
Visitante
JPC3

Acho o Gripen excelente para nós, nossa preocupação seria mais com a defesa do nosso espaço aéreo e para isso o Gripen nos atenderá muito bem, com eletrônica avançada, boa performance e alta disponibilidade. Já no caso da Inglaterra eles participam de intervenções e bombardeios em outros países e continentes, além da rivalidade com os russos, por isso precisam de aeronaves capazes de transportar maior quantidade de bombas em distâncias maiores. Sem contar que nosso orçamento é mais limitado, não adiantaria termos Eurofighters e Rafales se não conseguiríamos pagar o treinamento dos pilotos ou manutenção. Mas eu não leio muito… Read more »

Flanker
Visitante
Flanker

A França que possui uma das principais Forças Aéreas da europa, e do mundo, não pensa assim, pois disporá somente do Rafale daqui alguns anos. E a especialização para pilotos de caça será feita em turboélices. Mesam coisa que a FAB, com o Gripen e o A-29. Fazendo um paralelo com os vetores que a FAB possuía, sendo Mirage 3 e depois o 2000, para defesa aérea, o F-39 possui, nessa função, capacidades superiores. Na função de caça tático, o F-39 substitui, com folga, as capacidades do F-5. Nas funções puramente de ataque e reconhecimento, o F-39 supera o A-1… Read more »

Nilson
Visitante
Nilson

Bem, na verdade os 36 Gripen (mais possíveis outros 24 ou 36, a longo prazo) vão substituir uns 60 caças/jatos que temos atualmente. Esses 110 a que vc se referiu são conta do passado.

Tiago
Visitante
Tiago

Não dá pra comparar o Brasil com um membro pleno da OTAN, como a Inglaterra. A doutrina militar das nossas forças armadas é totalmente voltada para a defesa e a não intervenção em outros países, exceto como parte de forças de paz da ONU – e esse tipo de missão de paz não prevê o combate em espaços aéreos contestados, por exemplo. O que precisamos, portanto, é de forças armadas fortes o bastante para ter poder de dissuasão caso algum inimigo surja. E, levando em conta nosso contexto geopolítico, o Gripen nos atende perfeitamente.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Deep Shadow é o Storm Shadow ?
Alguma variante com maior alcance ?

Ricardo Bigliazzi
Visitante
Ricardo Bigliazzi

Esse caça não é uma porcaria???

Antoniokings
Visitante
Antoniokings

Tudo leva a crer que sim.
Em tempo:
Ficou muito bom o sistema de aprovação/desaprovação de cometários.

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Depende do que você considera porcaria…

Luiz Trindade
Visitante
Luiz Trindade

E a Royal Navy?!? Como fica nessa história? Para quem quer se desdobrar no mundo com esse vetor, o HMS Elizabeth Queen não é o mais apropriado?

Leandro Malheiros
Visitante
Leandro Malheiros

O poder econômico americano é impressionante, essa coisa que chamam F35, conseguiu se impor frente ao Typhoon, mesmo ele e sua hora de voo custando mais caro, não entro no mérito do Vetorado, mas a literatura e as ações em combate mostram ue oTyphoon é superior em quase tudo.

WFonseca
Visitante
WFonseca

“a literatura e as ações em combate mostram que o Typhoon é superior em quase tudo”. Leandro, de onde você tirou essa conclusão? O Typhoon é um excelente caça mas seria destruído ao tentar fazer entregas na mesma freguesia do F35. Ambos são caças multirole, mas com perfis e prioridades diferentes.

JPC3
Visitante
JPC3

Typhoom é superior em algumas coisas sim, mas o que não se sabe é a relevância que elas tem na guerra moderna. Como você diz, são projetos com propostas diferentes.

BILL27
Visitante
BILL27

O Typhoon só é superior na arena ar ar e de curto alcance.

ALEX ROCHA DA SILVA
Visitante
ALEX ROCHA DA SILVA

Achei este Tempest com uma cara bem grande. Parece que ficou desproporcional ao resto do avião. Ou é questão da forma como a foto foi tirada.

Roberto da Silva Rocha
Visitante

Muitos brazucanos achavam que a Rússia e China iriam buscar a paridade com os EUA numérica e simétrica. Mais porta aviões e mais aeronaves stealth. Mais destróieres e mais submarinos.
Desde a guerra do Yonk Pur e Vietnã a defesa antiaérea só foi percebida pelo livro branco da grã Bretanha e pelos aviadores dos B52. O Pentágono desdenha e zomba. Mas, agora, não deixa a Turquia, Índia, Grécia, Irã Arábia Saudita, Quatá comprar os S400.

JPC3
Visitante
JPC3

Mas China está buscando paridade numérica com EUA. A Rússia é diferente porque tem uma economia menor.

Não vejo o pentágono desdenhar as defesas anti-aéreas russas, ao contrário, respeitam muito e investem bilhões em formas de superá-las. Tem sido assim desde o fim da guerra do Vietnam. F-22, B-2, F-35 e diversos outros sistemas são exemplos disso.

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

A FAB deveria solicitar uma apresentação completa do F-35 Para a Lockheed Martin e o governo dos EUA, antes de fechar novos lotes de Gripen.

Seria muito bom poder comprovar na prática se o F-35 é muito superior ao Gripen ou não.

Dependendo das avaliações a FAB poderá decidir por novos lotes de Gripen até atingir o número pretendido de caças Ou adquirir o F-35 Para compor um mix com os Gripen.

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Se a gente comprar F-35 ele vai ficar apenas no Hangar, apesar do custo unitário não ser diferente do que pagamos no Gripen, seu custo de Hora de voo é bem proibitivo para nossas condições

Thiago Telles
Visitante
Thiago Telles

Considerando que o Brasil é o país com maior incidência de relâmpagos no mundo, nao acredito seja muito boa essa opção. Kkkkkkk sorry…

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Em tempo, esse tom azul ficou muito bonito, pode deixar ele no Aéreo e Naval e o Verde no Forte. combinação muito boa

Victor Filipe
Visitante
Victor Filipe

Apenas uma pequena explicação para todos que com frequência questionam a compra de outros modelos de aeronaves para a FAB para complementar os Gripen. O principal problema meus amigos não é o custo unitário das aeronaves (que por si só é um problema) e sim o Custo de Hora de Voo. em resumo, Manutenção. de todos os caças do FX2 o Gripen era o com o menor custo de Hora de voo. Entre ter um carro 1.0 (F-5) e um carro 2.0 (F-35) a FAB pegou o 1.6 (Gripen) Melhores capacidades possíveis para uma hora de voo que não é… Read more »

J.Silva
Visitante
J.Silva

Concordo em parte. O momento a curto e médio prazo é do Gripen E/F, o foco é brigar para ele seja a espinha dorsal, como foi o F-5 das últimas quatro décadas. A pressão tem que ser para que esse governo, que é sensível às Forças Armadas, contrate, lá em 2022, o segundo lote de 36 Gripen para que a FAB tenha condições de formar 4 esquadrões com 18 aeronaves cada e para dar escala à toda infraestrutura industrial criada para fabricar o Gripen no Brasil. Mas no momento de um futuro terceiro lote, lá por 2030, não será má… Read more »

Jorge Madureira
Visitante
Jorge Madureira

Então os f35 não são um grande fiasco como vem sendo relatado nas imprensas internacionais???

arnaldo
Visitante
arnaldo

Fiasco? Depende! O modelo de construção pode ser um fiasco nos custos, já que ele entrou em produção antes de ser testado, isso gerou varios problemas, atrasos e claro, nos reparos das unidades fabricadas antes de detectar e solucionar os problemas. Mas conforme o projeto andou vários problemas foram e ainda estão sendo resolvidos, por isso ele custou caro, mas ele possuí excelentes vantagens e o F35B vai proporcionar uma economia tremenda para os cofres da rainha uma vez que pode pousar no porta aviões sem ter que jogar combustível mísseis e bombas de centenas de milhares de libras no… Read more »

Heli
Visitante
Heli

Alguém sabe informar se o AIM9X já esta integrado no F35, se já foi feito lançamentos dessa arma?

Pathfinder
Visitante
Pathfinder

AIM9X já está integrado ao F-35, e o mesmo já foi testado.
*gosto dessa futura configuração de armas made in Uk do F-35B.

Mercenário
Visitante
Mercenário

Ao que parece vão integrar o SPEAR 3 aos F-35B britânicos.

Sidney
Visitante
Sidney

A aviação OCIDENTAL e especificamente dos EUA nunca INVOLUIU. Nunca andou para trás, sempre mais performance, mais economia de combustível, mais segurança e no caso específico das aeronaves militares mais poder bélico em armas e sistemas. Mas isso não significa que não existiram projetos muito ruins que não atenderam seus objetivos e tinham problemas sérios em suas performances, capacidades bélicas e segurança. Os críticos do F-35 ao redor do mundo dizem que ele será o sexto avião desta lista, minha opinião de leigo baseada em tudo que leio aqui neste Fórum e em outros sites especializados (e não em vídeos… Read more »

Denis
Visitante
Denis

Bom dia a todos. Aos editores: Sinto-me muito feliz vossa decisão de permitir aos visitantes participar das discussões, pois sou leitor assíduo do Poder Aéreo há muitos anos. Quanto à matéria: Apesar de todo o investimento recente em poderio militar, por parte das forças ocidentais, tenho a impressão de que a OTAN está se esfacelando aos poucos. O Reino Unido parece estar, passo a passo, se afastando ideologicamente dos EUA, e pelo que eu vejo, há discordâncias também em termos de doutrina militar (vide as declarações do Parágrafo 10º, linhas 2 e 3, e Parágrafo 11, linhas 3 e 4).… Read more »

Pedro nine-nine
Visitante
Pedro nine-nine

O reino unido está a entrar numa onda nacionalista muito perigosa para Europa. Nem falo do brexit, mas sim das intenções que se seguem em respeito aos seus aliados da UE. Tratam se como se não se “conhecessem”. É um bocado triste, não estou muito convencido que uma Europa nacionalista e dividida possa fazer peito ao resto do mundo, especialmente no que respeita às nações emergentes. Não digo isto por causa do F35, avião que apesar de algumas críticas da minha parte eu gosto e respeito bastante, mas sim pelo futuro avião a ser desenvolvido pelos britânicos e parceiros, única… Read more »

Rene Dos Reis
Visitante
Rene Dos Reis