Home Aviação Comercial Governo brasileiro aprova parceria estratégica entre Embraer e Boeing

Governo brasileiro aprova parceria estratégica entre Embraer e Boeing

2776
82

São Paulo e Chicago, 10 de janeiro de 2019 – A parceria estratégica entre Embraer e Boeing, que irá possibilitar ambas as empresas a acelerar o crescimento em mercados aeroespaciais globais, foi aprovada hoje pelo governo brasileiro.

A aprovação do governo ocorre após as duas empresas terem firmado, no mês passado, os termos da joint venture contemplando a aviação comercial da Embraer e serviços associados. A Boeing terá participação de 80% na nova empresa e a Embraer, os 20% restantes.

As empresas também chegaram a um acordo sobre os termos de uma segunda joint venture para promover e desenvolver novos mercados para o avião multimissão KC-390. De acordo com a parceria proposta, a Embraer deterá 51% de participação na joint venture e a Boeing, os 49% restantes.

Como próximo passo do processo, o Conselho de Administração da Embraer deverá ratificar a aprovação prévia dos termos do acordo e autorizar a assinatura dos documentos da operação. Em seguida, a parceria será submetida à aprovação dos acionistas, das autoridades regulatórias, bem como a outras condições pertinentes à conclusão de uma transação deste tipo. Caso as aprovações ocorram no tempo previsto, a expectativa é que a negociação seja concluída até o final de 2019.

Informações prospectivas estão sujeitas a riscos e incertezas
Certas declarações neste comunicado podem ser “prospectivas” dentro do significado da Lei de Reforma de Litígios de Títulos Privados de 1995, incluindo declarações relativas aos termos propostos da operação, a capacidade das partes cumprirem as condições para celebração ou consumação da operação e o respectivo prazo, bem como acerca dos benefícios e sinergias decorrentes da operação, e qualquer outra declaração que não se refira diretamente a qualquer fato histórico ou atual. As declarações prospectivas são baseadas em suposições atuais sobre eventos futuros que podem não ser precisos. Estas declarações não são garantias e estão sujeitas a riscos, incertezas e mudanças em circunstâncias difíceis de prever. Muitos fatores podem fazer com que os resultados reais sejam concretamente diferentes das declarações prospectivas. Como resultado, essas declarações são válidas somente a partir da data em que forem feitas e nenhuma das partes assume a obrigação de atualizar ou revisar qualquer declaração prospectiva, exceto conforme exigido por lei. Fatores específicos que podem fazer com que os resultados reais sejam concretamente diferentes dessas declarações prospectivas incluem o efeito das condições econômicas globais, a capacidade das partes de chegar a um acordo final sobre uma transação, consumar tal transação e obter sinergias antecipadas e outros fatores importantes divulgados anteriormente e periodicamente nos registros da The Boeing Company e/ou da Embraer junto à Securities and Exchange Commission.

DIVULGAÇÃO: Boeing/Embraer

82
Deixe um comentário

avatar
28 Comment threads
54 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
46 Comment authors
EduWellington GóesFernando EMBSamuca cobreFilipe Prestes Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Fabio Jeffer
Visitante
Fabio Jeffer

Ainda havia um fio de esperança que isso não se concretizasse

Joao Moita
Visitante
Joao Moita

Sim, havia. Mas agora com Bolsonaro no poder, a musical mudou. Embraer já era.

Filipe Prestes
Visitante
Filipe Prestes

A equipe de Bozosauro não ia deixar a Embraer quieta mesmo. Não fico surpreso

WPS
Visitante
WPS

Isso não é parceria estratégica, mas sim incorporação da principal linha de produtos da Embraer para um empresa concorrente. A empresa brasileira simplesmente perdeu seu principal produto comercial. Agora a empresa se transformou em uma mera linha de montagem da Boeing e nossa soberania já era. A Airbus incorporou a família de aeronaves C Series da canadense Bombardier, ficando com 49% da nova empresa. Já a Boeing incorporou a Embraer e ficará com 80% da nova empresa. Só um país submisso e covarde aceitaria entregar sua principal empresa tecnológica de uma forma tão desvantajosa. Com militares entreguistas assim quem precisa… Read more »

Luiz Henrique
Visitante
Luiz Henrique

Pelo nível de seu comentário percebe-se que o terceiro mundo ainda permeará entre nós por muitos anos,análise superficial de um tema complexo é típico dos brasileiros de “peito estufado”.
È um novo caminho que se desenha, novos desafios que prometem riscos e oportunidades.

Canarinho
Visitante
Canarinho

Eh mesmo Luiz Henrique? Pra mim o terceiro mundo permeara entre nos enquanto houverem traidores da pátria e entreguistas no meio de nos, que criticam pessoas que querem o bem da nação de peito estufado. Quando eu morava em Sao Jose dos Campos ja ouvia no DCTA e ate mesmo de gente da embraer a fama que rolava entre as pessoas, desse acordo cara-c*, nao baixo o nível nos meus comentários em respeito aos editores. Eu, assim como outras pessoas ajudarei a encabeçar um abaixo assinado na internet para a intervenção do ministério publico neste crime de lesa pátria. Ja… Read more »

Luiz Henrique
Visitante
Luiz Henrique

“nao baixo o nível nos meus comentários em respeito aos editores.” Você não baixa o nível dos seus comentários porque temos regras de condutas neste blog, leia-os. Seu discurso é muito semelhante daqueles que batiam tambor na porta da Embraer quando a mesma foi privatizada, na época com cerca de 3 mil pessoas em seu quadro de colaboradores. Hoje a mesma tem quase 20 mil colaboradores e novamente o velho discurso nacionalista se levanta,as pessoas buscam sempre e se limitam aos pontos ligados ao pessimismo, sem analisar as imensas oportunidades que podem ser extraídas deste acordo. Por fim encerro meu… Read more »

Antonio
Visitante
Antonio

A Embraer cresceu graças às encomendas e investimentos públicos. Isso agora é incorporação não há como negar……

JPC3
Visitante
JPC3

Quando eu era mais jovem conversei com um diretor de vendas da Embraer e ele me disse que a empresa se encaminhava para a falência, a única solução era privatização na opinião dele.

Embraer cresceu muito mais depois da privatização.

DomSaf
Visitante
DomSaf

Não!
Embraer cresceu graças aos bons gestores que teve, não à privatização. Só privatizou por que a conta dos apadrinhamentos e incompetentes uma hora chegou – como acontece com a maioria das estatais privatizadas (não sou contra privatizações).
Se discordar eu passo a acreditar que a Singapure é a empresa que a VASP se tornou depois de duas privatizações.

Enfim, Embraer chegou onde está hoje unicamente graça a seus colaboradores e gestores, desde os competentes aos que só mamaram.

Leandrokubiack
Visitante
Leandrokubiack

Exatamente, falou oque penso

Leandrokubiack
Visitante
Leandrokubiack

Duvido que dentro de uns 10 anos a Boeing continue com alguma linha de produção no Brasil.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Pois é!
Olha mito trabalhando!
Ele e sua equipe militar.
Triste, mais triste ainda para quem votou Nele kkkkkk.

Adriano Luchiari
Visitante
Adriano Luchiari

WPS, republiqueta de terceiro mundo já éramos há mais de trinta anos. Fomos rebaixados ao quarto mundo nos últimos 16 anos! A comparação que você faz com a Airbus e Bombardier é inóqua, são situações completamente diferentes que não envolveu, por exemplo, a área de defesa da última empresa nem demais condições que ficam definidas pelo governo para a concretização da negociação. Abraço, amigo.

Adriano Luchiari
Visitante
Adriano Luchiari

Me expressando melhor sobre o comentário acima, digo área de defesa que a Bombardier nem atuava, ao contrário da Embraer que teve a EDS preservada e ainda vai contar com a Boeing para comercializar o KC-390.

APS
Visitante
APS

Situações completamente diferentes neste caso, significa que a negociação não envolveu a área de defesa, envolveu apenas o “carro chefe em vendas” da Embraer…Como dizem alguns norte americanos, somos um povo “barato” de visão limitada, quase míopes!

Rodrigo
Visitante
Rodrigo

A Boeing se quiser lança uma linha de jatos para concorrer com a Embraer neste segmente, faz algumas vendas casadas com subsídios aos jatos menores e acaba com a Embraer. Como o Brasil já está quebrado, não teria capital para injetar, muito menos a Embraer teria cacife para competir. Logo, era essa a única opção, preocupação do governo era em reter tecnologias sensíveis, garantias dadas, deixe o mercado trabalhar sozinho. Por sinal, se o governo interferisse menos no mercado já poderíamos ter outras EMB em outras áreas.

Abraço.

T-60
Visitante
T-60

Foi bom enquanto durou. 50 anos, em um país onde o futuro é vender cabeça de gado e minério de ferro.

Mãe Diná modo ON:
A Boeing comprará os 20% restantes da área comercial da Embraer nos próximos 5 anos. E nos próximos 10 anos, o restante que sobrou da Embraer, sumirá como empresa. Triste.

Luiz Henrique
Visitante
Luiz Henrique

Uau, temos mais um magnífico estrategista.

Fabio Jeffer
Visitante
Fabio Jeffer

Parece que vc esta contente

T-60
Visitante
T-60

“Parceria” 80/20, ainda com possibilidade de venda dos 20% restantes dentro de 5 anos (como são generosos)… isso mesmo amigo! MAKE AMERICA GREAT AGAIN!

Guilherme santos
Visitante
Guilherme santos

É luiz henrique, vou salvar essa página e daqui uns anos eu volto aqui.

Alessandro Gomes Bataglia
Visitante
Alessandro Gomes Bataglia

É o fim do nosso orgulho nacional…
nascemos para ser colonia

que tristeza

Cabeça Fraca
Visitante
Cabeça Fraca

brazileiro em geral não tem sonhos…Tem fantasias…Ou pesadelos….

Rui chapéu
Visitante
Rui chapéu

Cadê o rapaz que fez uma analogia com queijos?

Se alguém acha que essa parceria é ruim aprenda com o exemplo dele. Lá está explicado porque essa parceria é necessária para Embraer.

Bille
Visitante
Bille

Pode até ser, mas nesses percentuais? Acho que uma divisão 60/40 ou 55/45 seria menos injusta não?

Marcelo Bardo
Visitante
Marcelo Bardo

Agora já era…

Fabio Jeffer
Visitante
Fabio Jeffer

Eu não entendo, a Embraer desenvolveu e vai produzir o KC390 e vai receber apenas 51% da venda de cada exemplar

Junior
Visitante
Junior

O pior nem é isso, nós (contribuintes brasileiros) pagamos 100% do desenvolvimento desse projeto e a Boeing vai ficar com 49% dos lucros da venda da aeronave sem ter que fazer praticamente nada, que negócio da China esse que a Boeing esta fazendo, os executivos da mesma devem estar dando gargalhadas da gente lá em Seatle

Luiz Henrique
Visitante
Luiz Henrique

As vendas de aeronaves militares não dependem somente de aspectos técnicos, mas principalmente de aspectos políticos e de financiamento.
Temos um best-seler no segmento que é o C-130J, derrota-lo com o perdão do trocadilho é uma tarefa hercúlea, a parceria com a Boeing pode trazer a Embraer para o jogo onde sozinha ela não jogaria.
Enfim é melhor 51% de 100 KC-390 do que 100% de 5 KC-390.

ODST
Visitante
ODST

O C-130 já está no fim de sua vida útil ao redor de todo o mundo, e aviões como o cargueiro da Embraer são substitutos naturais, basta com que o governo brasileiro tome vergonha na cara e passe a negociar os KC-390 com outros países. TODOS fazem isso, será que o único que não aprendeu ainda foi o Brasil?

wilson
Visitante
wilson

O senhor esta equivocado quanto ao C-130.
O C-130 J Super Hércules tem muito tempo de vida pela frente e uma reputação das versões anteriores a seu favor, o KC-390 mesmo sendo superior em alguns quesitos não tem nome no mercado e o Brasil não tem força política perante os EUA.(lembre-se do Osório)

APS
Visitante
APS

E assim, seguimos exportando commodities baratas e importando tecnologias caras “Ad Eternum” para a felicidade daqueles que tem o coração mais ao norte que ao sul.

Adriano Luchiari
Visitante
Adriano Luchiari

Fora os royalties que a FAB recebrá sobre cada unidade comercializada, assim como ocorre com cada A-29A/B.

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

A Embraer caiu na real de que não conseguiria vender o KC-390 e se desesperou, fazendo este acordo com a Boeing.
Melhor teria sido comprarmos o KC-130J com os recursos que o Brasil investiu no projeto.

Fernando EMB
Visitante
Fernando EMB

Porque o desespero se o projeto está pago? Se meu vender mais nenhum além dos 30 da FAB não terá grandes prejuízos.
A parceria no KC nada tem a ver com desespero, e sim com oportunidade.

Pedro S.
Visitante
Pedro S.

Brazil, you are a colonia!

DomSaf
Visitante
DomSaf

9 pessoas acham que ganharão um greencard com esta parceria
Kkkkkkk

Alessandro Gomes Bataglia
Visitante
Alessandro Gomes Bataglia

Uma empresa que representava o nosso orgulho
e o pior, com o meu dinheiro investido nela…

A embraer é do povo brasileiro, o que o bolsonaro está fazendo é um crime lesa-pátria

Não há mais o que fazer ??

Luiz Henrique
Visitante
Luiz Henrique

Deite-se suavemente no chão em posição fetal e chore copiosamente.

Thomaz Alves
Visitante
Thomaz Alves

Temos um advogado da Boeing aqui! Grande estadunidense!

Guilherme santos
Visitante
Guilherme santos

Tu é um entreguista. HIpócrita!!!

Thiago
Visitante
Thiago

Deite-se suavemente na cama de um estadunidense usando uma linda lingerie… Depois chore copiosamente, de dor ou prazer … Pelo visto os dois , você deve ser um daqueles que amam jogos fetish e masoquistas. Mais dor = mais prazer .
Não é de se esperar mais com brasileiros desse calibre.

Samuca cobre
Visitante
Samuca cobre

Você é acionista???

Samuca cobre
Visitante
Samuca cobre

Se for quero ver você reclamar daqui alguns anos

Samuca cobre
Visitante
Samuca cobre

Porque se for quero ver você reclamar daqui alguns anos!!

Raduga
Visitante
Raduga

Isso é uma venda e não uma “parceria estratégica”.

APS
Visitante
APS

Isto é uma doação de empresa, empregos e formação de mão de obra especializada. Tudo em um.

Filipe Prestes
Visitante
Filipe Prestes

É caracu mesmo

Gustavo
Visitante
Gustavo

podem latir vira latas.

Cet
Visitante
Cet

Você é o cara da foto?
Não entendi o ” podem latir virá latas.
Tem espelho em casa?

Silva
Visitante
Silva

Mais uma grande empresa brasileira que se vai. Essa divisão 80 a 20 é um escárnio total. Quando o mundo todo diz que o Brasil não passa de uma grande mina e de uma grande fazenda, bom, não é por acaso e isso parece que jamais irá mudar. A pouca e escassa tecnologia de alto valor agregado e consequente autonomia que o país consegue desenvolver com muita penúria, décadas de estudo e ao custo de bilhões do dinheiro público que fora investido, acaba sendo entregue a estrangeiros com a maior naturalidade possível. O Brasil parece uma P%#@ velha, que se… Read more »

GripenBR
Visitante
GripenBR

Bra”Z”il acima de tudo e Deus acima de todos! Hahaha que trolada! EmbraEra! Não é e não mais será! Boeing terá subsidiária no “brazil” se é até quando lhe interessar. Em qualquer lugar do mundo era um orgulho quando voando em um Embraer dizer que aquela aeronave era brasileira. Sempre que possível voei no Brasil pela Azul, foram muitas viagens nos magníficos e-jets. Minha sensação era de segurança, confiabilidade, conforto superior e orgulho. A primeira viagem da minha filha foi em um EMB 190. Foi bom enquanto durou!

APS
Visitante
APS

Bra”Z”il acima de tudo e Deus acima de todos!

Leandrokubiack
Visitante
Leandrokubiack

Fim de um orgulho nacional.

Alessandro
Visitante
Alessandro

Bola fora do novo governo da forma como foi feito, sei que o acordo começou no governo anterior, mas o Bolsonaro poderia ter revisto isso, temo no futuro perdemos a nossa única empresa aeronáutica de alto valor tecnológico para os gringos, a sorte está lançada

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Lamentável!
Poderia esperar isso de qualquer um de menos militares e ex militares.
Como as coisas mudaram, duvido muito que isso aconteceria em outras épocas.
É esperar para mais surpresas desagradáveis e míticas kkkk.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

!!!

Cet
Visitante
Cet

Agora temos um presidente sionista.

Walfrido Strobel
Visitante
Walfrido Strobel

Sionista eu preferia o Juca Chaves presidente, pelo menos é judeu assumido.

Anders Hansen
Visitante
Anders Hansen

O Brasil foi criado apenas para servir as potências ocidentais, esse circo ai nunca será um país decente, relembre o que Henry Kissinger disse: Não permitiremos um novo Japão ao sul do Equador.

Quem não gostou que mude de país porque o país de vocês nunca será.

Rafael_PP
Visitante
Rafael_PP

Henry Kissinger tem mais citação na internet que Clarice Lispector…

APS
Visitante
APS

Este é o nível de pensamento que vem do norte. Explica quase tudo aqui no sul. Só não fica claro para os entreguistas sempre de plantão e convencidos dos propósitos das regras de mercados que só nós cumprimos.

Daniel
Visitante
Daniel

Que covardia!

Jota
Visitante
Jota

Não dou 5 anos para a Embraer desaparecer do mercado.

Pedro Dunker
Visitante
Pedro Dunker

A Boeing vai passar parte da linha de fabricação de peças para o Brasil pelo custo, e capacidade técnica do nosso pessoal a nova politica americana e evitar qualquer custo fazer algo na China, acredito que em 5 anos o numero de nosso funcionários vai passar de 200 mil

Filipe Prestes
Visitante
Filipe Prestes

Calma lá, Pedro. É muito otimismo pra um post só, vai devagar com isso aí

Marquês de São Vicente
Visitante
Marquês de São Vicente

Sinceramente ainda não tenho certeza sobre esse negócio, mas uma coisa é certa, existe hoje no Brasil milhares de engenheiros aeronáuticos, gestores e colaboradores técnicos do mais alto nível graças a EMBRAER.
O que precisamos é reduzir a burocracia, viabilizar crédito e investir. Se uma Embraer foi possível é fundamental desenvolver um ambiente de negócios que possibilite o nascimento de outras.
Não podemos desistir.

Sidney Otaviano de Sousa
Visitante
Sidney Otaviano de Sousa

Que pena para nossa indústria aeronáutica, o pais inventor do avião que levou mais de um século para desenvolver uma indústria mediana da construção de aviões vai ficar sem sua principal empresa, pois vai levar muito tempo para desenvolver outras empresas que traga independência nesse setor.
Vai acontecer o mesmo com a indústria de automóveis. Alguém duvida?

ALEX ROCHA D
Visitante
ALEX ROCHA D

Sidney com o perdão, mas este negócio de que o Brasil foi o inventor do avião já caiu por terra, tanto é assim que nenhum outro país fora nós mesmos acreditamos nisso. O primeiro voo de avião foi feito nos Estados Unidos pelos irmãos Wright anos antes do voo do 14Bis. Fato.

Sidney Otaviano de Sousa
Visitante
Sidney Otaviano de Sousa

você tem certeza disso?

ALEX ROCHA
Visitante
ALEX ROCHA
APS
Visitante
APS

Esta história não é tão simples assim. Cada um escolhe sua versão. E a sua é apenas uma versão.

Adriano Luchiari
Visitante
Adriano Luchiari

Os irmãos Wrigth realmente voaram seu Flyer pouco antes de Santos-Dumont voar o 14Bis. A diferença entre eles é que o Flyer era lançado por uma catapulta, enquanto o 14Bis decolou propulsado por seu próprio motor (se não me engano era um Levavassèr ciclo Otto francês). Também é atribuída a Santos-Dumont a aeronavegabilidade, ou seja, o controle em três eixos de comando do avião, cujo princípio é o mesmo e universalizado até hoje. Há alguns anos, tive oportunidade de visitar o National Air and Space Museum do Instituto Smithsonian em Washington. Com muito custo, achei uma pequena referência a Santos-Dumont… Read more »

Silva
Visitante
Silva

Oi Alex. pois é. Essa falácia de que Santos Dumond inventou o avião não se sustenta em lugar nenhum do mundo, apenas no Brasil essa “estória” é tida como verdade. Nem a França, onde “voou” a estrovenga de Santos Dumond, reconhece e acredita nessa mentira. O 14 Bis não poderia ser considerado um avião. Ele não voava de fato, apenas plainou durante alguns metros até se chocar contra o solo. Não virava para nenhum dos dois lados e o piloto ficava de pé sobre ele. Só que brasileiro acredita em qualquer coisa e tentar desmentir isso para o povinho tupiniquim,… Read more »

Adriano Luchiari
Visitante
Adriano Luchiari

Pois deve ter sido assim mesmo com o 14Bis, amigo Silva. Mas é inegável que em 12 de novembro de 1906 Santos-Dumont conquistou o Prêmio Archdeacon e o Prêmio do Aeroclube da França ao realizar um voo de 220 metros com o 14Bis em Paris. Quanto ao comando em três eixos que garante a aeronavegabilidade, Dumont já havia desenvolvido esse conceito em dirigíveis antes do 14Bis. E seu Demoiselle, avião projetado após aquele, é considerado o pai dos aviões modernos.

Silva
Visitante
Silva

Oi Adriano. Não quis desmerecer o trabalho de Santos Dumont. Ele pode não ser de fato o inventor do avião, mas reconhecidamente, deu sim grandes contribuições e é uma figura importante na história da indústria da aviação. Foi um grande inventor para a sua época e merece o nosso respeito e consideração como brasileiro e visionário.

ALEX ROCHA
Visitante
ALEX ROCHA

Senhores estou vendo muito gente chorando e se esperneando por algo que já foi decidido. Fato. Acabou. Se fosse fácil algum de nós mudar a situação já tínhamos mudado agora é se conformar com a situação e conviver com ela da melhor forma que dá e tocar o barco pra frente. Era uma empresa estatal com dinheiro do contribuinte era, porém também é uma empresa que têm acionistas e administradores e estes visam lucro. Sem lucro não há empresa e se não me falha a memória no ano passado foi noticiado aqui mesmo por este canal que o repasse para… Read more »

APS
Visitante
APS

Nada foi finalizado ainda.

Cabeça Fraca
Visitante
Cabeça Fraca

Adriano Luchiari Pois deve ter sido assim mesmo com o 14Bis, amigo Silva. Mas é inegável que em 12 de novembro de 1906 Santos-Dumont conquistou o Prêmio Archdeacon e o Prêmio do Aeroclube da França ao realizar um voo de 220 metros com o 14Bis em Paris. Quanto ao comando em três eixos que garante a aeronavegabilidade, Dumont já havia desenvolvido esse conceito em dirigíveis antes do 14Bis. E seu Demoiselle, avião projetado após aquele, é considerado o pai dos aviões modernos. ……. “Eu não quero tirar em nada o mérito dos irmãos Wright, por quem tenho a maior admiração;… Read more »

Wellington Góes
Visitante
Wellington Góes

Um negócio com muita desinformação e manipulação dos fatos, acaba não sendo um bom negócio. O tempo vai dizer quem estava certo ou errado, mas uma coisa é certa, os envolvidos nisso estarão para sempre marcados na história da industria aeronáutica brasileira. Só resta saber se serão os mocinhos ou os bandidos.

Obs: Na minha opinião, será a segunda opção.

Edu
Visitante
Edu

Parceria estratégica? Joint Venture? A Embraer entra com: – 100% dos produtos – Uma família novinha de aeronaves de última geração CERTIFICADA; – Todas as patentes adquiridas com as pesquisas para a aviação comercial; – 20 bilhões de dólares em pedidos (só fabricar e entregar); – 100 clientes pelo mundo conquistados em meio século; – Parque industrial completo, incluindo as fábricas em Portugal; – Alta capacidade de verticalização da produção como assentos, trens de pouso, sistemas fly-by-wire (a Boeing não tem nada disso); – Corpo técnico extremante experiente e competente. A Boeing entra com: – 4,2 Bi para acionistas da… Read more »