Home Aviação de Ataque Força Aérea Indiana procura Jaguares de outros países para sobressalentes

Força Aérea Indiana procura Jaguares de outros países para sobressalentes

7029
13
Jaguar Darim III indiano modernizado
Jaguar Darim III indiano modernizado

A Força Aérea Indiana (IAF) está buscando adquirir Jaguares velhos da França, Reino Unido e Omã para obter fuselagens e peças sobressalentes para sua própria frota de Jaguar.

“Atualmente, a IAF tem 118 Jaguares (26 deles bipostos), mas sua disponibilidade operacional diminuiu drasticamente devido à obsolescência, à falta de peças de reposição e ao fechamento de linhas de montagem pela Hindustan Aeronautics (HAL). Assim, a busca por fuselagens e peças de diferentes países está em andamento”, informou o Times of India citando uma fonte do Ministério da Defesa.

De acordo com a reportagem, a IAF e a estatal HAL estão trabalhando no fechamento do projeto de US$ 1,5 bilhão para a remotorização de cinco esquadrões de Jaguar (80 caças) com o F-125IN Honeywell no lugar dos velhos Adour-811 da Rolls-Royce.

Quarenta Jaguares foram introduzidos pela IAF em 1979, seguidos de uma produção licenciada de 150 desses caças britânicos pela HAL.

Enquanto o Reino Unido e a França aposentaram seus Jaguares, a reportagem diz que com a atualização mais recente, a frota indiana da Jaguar pode ultrapassar o ano 2035.

A IAF está recebendo 31 aeronaves da França, oito motores e 3.500 peças de reposição de Omã e dois bipostos e pneus/ componentes do Reino Unido. Curiosamente, as peças sobressalentes foram fornecidas gratuitamente pela França e Omã, enquanto o Reino Unido cobra US$ 500.000.

Segundo a reportagem, o “presente” da França vem à luz do contrato de US$ 8,5 bilhões para 36 caças Rafale entre a Índia e a França.

Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
2 anos atrás

Esse aviãozinho é o AMX indiano?

Marcos Andrey
Marcos Andrey
2 anos atrás

Mas que sopa de letrinhas que é essa força aérea indiana! Coitado do pessoal da logística!

Ramon Grigio
Ramon Grigio
2 anos atrás

Lá busca-se manter operacional o máximo possível de células. Aqui vamos desativando uma a uma.

Realidades e prioridades financeiras distintas…

Carlos Marques
Carlos Marques
2 anos atrás

Ser pobre é uma m….Sera que eles comprariam o chevete do meu cunhado?

Alexandre
Reply to  Carlos Marques
2 anos atrás

Não vejo dessa forma. Por motivos óbvios a Índia precisa de sua força aérea na sua melhor forma possível.

Esses jaguares são fracos para o padrão atual, mas servem muito bem para treino em grande escala. E também num eventual ataque amplo da china. Eles serão bem úteis como bois de piranha.

Dessa forma, podem dar uma sobre vida maior aos equipamentos mais modernos e ter um plantel de pilotos bem treinados que seja mais eficiente e disponível.

Sempre com o custo mais baixo.

Luiz Henrique
Luiz Henrique
2 anos atrás

os setores logística e manutenção da IAF deve ser uma loucura, a IAF é como várias F.A em uma só.

Rommelqe
Rommelqe
2 anos atrás

Sempre que algo é citado a respeito do problema logistico da India haveria tambem que se notar a questao quantitativa. De fato, considerando o exemplo do Jaguares, se na FAI houver uma seçao exclusiva destinada à logistica de manutençao dessas aeronaves, sua gestao é mais facil, por exemplo, do que os argentinos tem com seus super etandard; claro, os SE foram fabricados em muito menor quantidade, possuem uma barreira comercial bem maior, foram comprados por um poucos paises. E vamos e venhamos, em uma força aerea que detem varias centenas de caças o corpo de funcionarios alocados tem que ser… Read more »

Daniel
Daniel
2 anos atrás

Lógico, USD 8,5 bilhões por 36 Rafales a França teria que “dar” além os Jaguares outras “coisitas” mais.

Almeida
Almeida
2 anos atrás

US$ 1,5 bilhão para remotorizar 80 aviões ultrapassados com vida útil de 10 ou 15 anos. Com esse dinheiro dava pra comprar mais uns 24 Su-30MKI novos fabricados em casa ou 30 pelos russos. Sem contar o preço dos radares Elta adquiridos em 2015. Some-se a isso aquela modernização escandalosa dos Mirage 2000.

Essa obsessão indiana por quantidade ao invés de qualidade ainda vai acabar com a IAF…

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
FABIO MAX MARSCHNER MAYER
Reply to  Almeida
2 anos atrás

A Índia não quer colocar todos os seus ovos em uma cesta apenas.

Telemaco
Telemaco
Reply to  Almeida
2 anos atrás

A velha praga da “conta de padaria”…na alta tecnologia a coisa não funciona assim amigo.

pgusmao
pgusmao
2 anos atrás

O setor de peças e mecânica da Força Aérea Indiana deve ser um loucura, é avião: americano, russo, francês, brasileiro, canadense e suíço.