Home Aviação Comercial JetBlue teve desconto de até 72% para trocar Embraer por Airbus, diz...

JetBlue teve desconto de até 72% para trocar Embraer por Airbus, diz Moody’s

2750
37
Concepção do Airbus A220-300 da JetBlue
Concepção do Airbus A220-300 da JetBlue

Venda foi a 1ª após compra do programa C-Series, da Bombardier, pela fabricante europeia

DALLAS – A americana JetBlue Airways conseguiu um negócio e tanto em sua recém-anunciada compra da Airbus, segundo o Serviço para Investidores da agência Moody’s.

A companhia aérea vai pagar cerca de US$ 1,4 bilhão a US$ 1,7 bilhão por 60 jatos Airbus A220-300, ou entre US$ 23 milhões e US$ 28 milhões por avião, disse o analista Johathan Root, da Moody’s, em relatório desta sexta-feira, citando estimativas de especialistas e descontos tipicamente praticados em grandes encomendas. O valor representa um desconto de até 72%, afirma.

“Como para a maioria das empresas aéreas, acreditamos que a decisão foi tomada com base no menor custo total, porque os aviões de corredor único (narrow-body) fabricados pela Airbus e pela Boeing têm capacidade e custos operacionais similares para a maioria dos operadores”, explica Root.

A compra de 60 jatos pela JetBlue em substituição aos jatos Embraer, anunciada no último dia 10 de julho, foi a primeira fechada desde que a Airbus adquiriu o controle do programa C-Series da canadense Bombardier e rebatizou o avião como A220. Embora descontos relevantes sejam comuns em compras de aviões, os detalhes sobre os preços são geralmente confidenciais.

No ano passado, antes da Airbus comprar o C-Series, a Boeing registrou uma queixa comercial contra a Bombardier, alegando que a fabricante canadense havia vendido o avião para a americana Delta Air Lines por preços “absurdamente baixos”. Apesar de, num primeiro momento, o Departamento de Comércio dos EUA ter decidido impor tarifas de até 300% para importação do avião, o painel comercial americano, que é um órgão independente, rejeitou a medida.

Para a Airbus, construir um banco de encomendas para o A220 é um desafio crucial já que a empresa com sede em Toulouse, na França, trabalha para reduzir custos. Para tornar o avião viável, a companhia alega que é preciso chegar a uma redução de dois dígitos nos custos de sua cadeia de fornecedores e vem tocando negociações para alcançar esta meta.

FONTE: O Globo/Bloomberg

Subscribe
Notify of
guest
37 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Doug385
Doug385
1 ano atrás

Pra quem acha que a Airbus entrou de brincadeira nessa fatura do mercado. A Embraer sozinha dificilmente aguentaria tal competição.

Gilbert
Gilbert
Reply to  Doug385
1 ano atrás

Esse é o objetivo apavorar a opinião pública para fazer pressão para que a Embraer seja vendida logo e assim mata uma forte e futura concorrente de ambas no nicho do A-320 e do B-737, onde a Bombardier já está querendo colocar o primeiro pé e logo seria ou será a vez da Embraer

Doug385
Doug385
Reply to  Gilbert
1 ano atrás

Concorrente de quem? Tú tens idéia do lobby que Boeing e Airbus tem? Tens idéia do poder econômico dessas empresas? Acredita que o governo brasileiro subsidiaria a Embraer a risco de ser acionado junto à OMC?
Acorda, rapaz!

Petardo
Petardo
Reply to  Doug385
1 ano atrás

O Brasil já fez isso é, inclusive, já perdeu na OMC por conta desta prática.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
1 ano atrás

Estão levando os aviões praticamente de graça!

Eduardo Holanda
Eduardo Holanda
1 ano atrás

Bombardier não venderia um A220 sequer se fosse vendido pelo preço devido. Os primeiros foram vendidos a preço de banana com a Bombardier sustentando o prejuízo de cada venda. Tava na cara que a empresa não sobreviveria muito tempo dessa forma.

Agora com a Airbus, fica mais possível oferecerem descontos, através de vendas conjuntas, sacrificando um pouco a margem de lucro da venda de aeronaves próprias da Airbus para vender o A220.

CSeries é um avião muito inovador, mas o projeto custou uma fortuna.

Vanessa Cioffi
Vanessa Cioffi
1 ano atrás

O CEO da Airbus foi muito claro e nós funcionários aqui na Embraer estamos ciente…
Em outros palavras, ele disse “Vamos matar todas as Vendas de E2 a Embraer nos próximos 18 meses”

Pq ele sabe muito bem que a Embraer sozinha não consegue competir, seja porque não tem um governo para subsidiar e não tem capital em caixa para absolver uma venda com um preço tão baixo

Que a Embraer consiga se seguras nesses 18 meses

Jr
Jr
Reply to  Vanessa Cioffi
1 ano atrás

O detalhe é que a aeronave escolhida foi o A220-300, infelizmente a Embraer não tem uma aeronave para competir com a verão 300 do C-series, a Embraer adora forçar a barra em dizer que o E-195, que ainda esta em testes, compete com a versão 300 do C-series.

LucianoSR71
LucianoSR71
1 ano atrás

Essa é uma situação tão absurda que basta ver a venda de 25 EMB-175 p/ a United Airlines, que em conta de padaria saiu a US$ 44 milhões cada, uma aeronave menor e ainda da geração E1, que é mais barata que a E2, enquanto esses ex-C Series, que são bem maiores, e saíram p/ US$23/28 milhões. Se isso não é dumping, eu não sei o que é, talvez presente de natal fora de hora.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
1 ano atrás

Abaixo da tabela “0”.

Pagou para vender LucianoSR71.

E ainda tem muita gente que critica a fusão.

“Boeing e Embraer: uma necessidade.” William Waack comenta:

https://www.youtube.com/watch?v=dwc1oyVy8M0&feature=share

O vídeo é publico.

LucianoSR71
LucianoSR71
Reply to  Carlos Alberto Soares
1 ano atrás

Carlos Alberto Soares, é o que eu tenho comentado. É como se a Embraer fosse um campeão de boxe peso leve, aí seu oponente começa a usar doping ( subsídios do governo canadense ) e como se não bastasse trocam o oponente por um peso pesado e anabolizado. Não há mais regras, virou vale tudo, até dedo no olho. Se a Embraer tentar se manter no ringue da mesma forma que antes, vai correr sério risco de morte.

Paulo Viana
Paulo Viana
Reply to  Carlos Alberto Soares
1 ano atrás

Não é ser contra a dita negociação e sim os valores. Ficar 80℅ para a Boeing e 20℅ para a Embraer é ridículo, pois tudo neste avião foi criado pela Embraer. Numa divisão 60/40 no meu ver se faria justiça. Mas como não tenho ações Quero é que se exploda

LucianoSR71
LucianoSR71
Reply to  Paulo Viana
1 ano atrás

Acho que vc e muitas outras pessoas ainda não entenderam que essa JV não ficará restrita ao portfólio atual da Embraer e, certamente, deverá contar c/ pelo menos uma nova aeronave situada entre o EMB-195-E2 e o B-737 que deve ficar c/ versões c/ capacidade maiores, já que sua estrutura mais pesada não o torna eficiente p/ uma quantidade menor de passageiros. Tem que bater c/ os “novos modelos da Airbus” ( C-Series ).

Alex
Alex
1 ano atrás

Quem sustentou a Bombardier foi o Governo Canadense. Se nao fosse bilhoes de $$ do povo para a empresa, ja teria falido a muito tempo. Agora o problema e da Airbus.

Nao creio que a Airbus se interessa em projetar avioes tipo CSeries, mais ganhou de bandeja um projeto bom que foi financiado pelo povo Canadense.

Delfim
Delfim
1 ano atrás

Eu não acredito nesse valor em termos competitivos. É prejuízo. Surreal.
E a Airbus ainda tem o micão do A-380 para absorver. Não tem como manter tais preços por muito tempo. Se a Boeing der apoio, no final a Airbus vai perder.
.
Lembrando que se realmente os E-Jets ficarem difíceis de vender, passá-los à Boeing pode não ficar tão feio assim, no final das contas.
.
Quero saber como o sindicato dos aeroviários dos EUA faz cara feia para o E-190-e2 e aceitará o A-220 numa boa.

Eduardo
Eduardo
Reply to  Delfim
1 ano atrás

Não precisa manter isso por muito tempo. Só precisa manter 1 dia a mais que a Embraer consegue se manter viva.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Delfim
1 ano atrás

Foi para o E175 e E170 concorrentes dos MDs Series da Bombardier.
Quanto ao E190 e E195, A200-100 e A200-300 não há restrições.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Augusto L
1 ano atrás

Não entendi?

FIREMAN
FIREMAN
1 ano atrás

Não acredito que a Airbus conseguirá convencer, por muito tempo, aos seus acionistas europeus bancar estes super descontos para emplacar o A-220 (C-series) no mercado americano, justamente num momento de protecionismo exacerbado do Trump, parece ser uma inversão de valores, castigando os americanos com um generoso e abundante desconto, similar aos praticados pelos chineses, mas com a diferença que oferece um produto de alta qualidade, desenvolvido, testado e aprovado com o suor dos contribuintes canadenses e doados e agora bancados em parte pelos europeus… Não acredito que consiga superar os 18 meses sugeridos, antes disto terão dificuldades para manter estes… Read more »

Humberto
Humberto
1 ano atrás

Difícil questionar a veracidade de uma análise da Moody’s, pois é uma das maiores agencias de análise do mundo, mas este valor não tem sentido algum. No final do ano, a Delta x Bombardier x Boeing tiveram um embate (a Boeing perdeu o primeiro Round) na compra, pois alegava-se que o avião estava sendo vendido com subsídio (um terço do valor). Ou seja, a Jetblue, pode ser o primeiro do A220, mas a Delta era o lançador do Série C, de repente este foi com a ajuda dos governos canadenses (tanto federal como da província, que sei la se vão… Read more »

MARCOV
MARCOV
1 ano atrás

Nos EUA, no momento, esta é a empresa a ser monitorada mais de perto.
Na sua frota ela opera 43 MD-80’s, 20 E190’s e 125 A319’s.
Concorrência grande para o E2 e o CSeries.

Gonçalo Jr.
Gonçalo Jr.
Reply to  MARCOV
1 ano atrás

A American Airlaines já está no terceiro pedido de E-175 da Embraer.
Foram 10 em outubro passado 15 em maio deste ano e agora mais 25 aeronaves. Fora que ainda opera o ERJ-140 e ERJ-145 isto é, essa empresa opera todos os modelos de E-JETs da EMBRAER.

MARCOV
MARCOV
Reply to  Gonçalo Jr.
1 ano atrás

Eu sei e esta é a parte boa, mas não estou falando das linhas alimentadoras (como a American Eagle), mas da linha aérea principal (American Airlines).
Esta utiliza aeronaves maiores e os modelos que citei serão substituídos ou pelo E2 ou pelo CSeries.

Eduardo
Eduardo
1 ano atrás

Não importa. Por mim a Embraer morrerá abraçada em uma bandeira brasileira. E meu amigo americano acionista da Embraer que se lasque… não, pera….

Audaz
Audaz
1 ano atrás

As custas de quantos empregos brasileiros meu caro Eduardo?

Hélio
Hélio
Reply to  Audaz
1 ano atrás

A JV vai custar quantos empregos brasileiros? A venda para a boeing é como cometer suicídio por não ter coragem de encarar a vida. Antes que lute e desapareça que se render e desaparecer da mesma forma.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
1 ano atrás

A Embraer ja passou por crises antes sem se jogar no colo dos americanos, a verdade é que esta diretoria quer esta fusão e estão adorando tudo isso para fazer as malas.
Como eu nunca fui fã da Embraer desde que tirou o “Empresa Brasileira” do nome para agradar os acionistas americanos estou achando graça.
A tempos a Embraer virou uma exportadora de empregos, com cada vez mais partes sendo feitas na França, Portugal e EUA, pois que vão de vez embora, este é o objetivo desta administração atual.

Gabriel
Gabriel
1 ano atrás

Sem a Boeing a Embraer não vai sobreviver no mercado e certamente iria a falência. A aquisição da mesma é muito importante.

Walfrido Strobel
Walfrido Strobel
Reply to  Gabriel
1 ano atrás

Isso é o que querem que os brasileiros pensem.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Walfrido Strobel
1 ano atrás

Concordo. Muito tolinho acreditando em ¨lei de marcado¨, ¨globalização¨. A EMBRAER vai desaparecer. A EDS não se sustenta.

GripenBR
GripenBR
1 ano atrás

A Embraer anunciou durante a feira britânica de aviação de Farnborough que a companhia aérea Wataniya Airways, do Kuwait, fez um pedido firme de 10 jatos E195-E2, incluindo direitos de compra para outras 10 aeronaves, em uma encomenda que pode atingir 1,3 bilhão de dólares segundo preços de tabela do modelo. , também assinou uma carta de intenção com a suíça Helvetic Airways, para a venda de 12 aviões E190-E2. A intenção inclui direitos de aquisição pela companhia aérea suíça de mais 12 aviões que poderão se transformar em E195-E2. Se todos os direitos de compra forem exercidos, o acordo… Read more »

GripenBR
GripenBR
1 ano atrás

Considerando o valor de aquisição da linha Cseries da Bombardier por $ 1,00 pela Airbus, a que se imaginar que houve muitas cláusulas que não vieram a publico no acordo, que os reais valores que deveriam ser pagos talvez estejam sendo utilizados justamente para subsidiar o velho e bom dumping. Negócio assim, nestes termos, é bom que Embraer não efetive de modo algum! Não pagam as contas, os salários. Nem mesmo a Airbus pode manter essa dinâmica por muito tempo, o lucro na indústria aeronáutica comercial é apertado. As vendas aos poucos estão saindo. E bom lembrar que a Embraer… Read more »

GripenBR
GripenBR
1 ano atrás

O A220-300 concorre justamente com algumas versões do A-320/319 e 737, o teto de assentos do EMB-195 e2 que ainda não está pronto, está abaixo do piso do de assentos do A220-300. sob este ponto de vista o A220-300 já colo nos modelos Airbus e Boeing.

Telemaco
Telemaco
1 ano atrás

O mundo está de cabeça pra baixo. Trump passou a semana passada inteira dando esculacho nos seus aliados da Europa. O único país que gostou e abanou o rabinho foi o UK, mas como sabemos que o sonho eterno dos ingleses é ser, um dia, declarado o 51o. Estado dos USA, isso não conta muito. Na semana seguinte ele vai pra Finlândia, age como se fosse “miguxo” do Putin e ainda usa a sua aberrante “diplomacia de twitter” para fazer um mea culpa e dizer que “a culpa é nossa, desculpa aí Rússia!”,ou seja, CIA e FBI não sabem o… Read more »

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
1 ano atrás

Dumping não é crime comercial e que a OMC tende a julgar?

Gilberto Rezende
Gilberto Rezende
1 ano atrás

Simplesmente a Airbus e a Boeing fazem um joguinho de compadres para tirar a Bombardier e a Embraer do cenário comercial internacional. Se terminarem com a Embraer, com o já feito com a Bombardier, as duas mega empresas ficarão hegemônicas no mercado mundial até o fim da viabilidade desse perfil de tecnologia atual de aviação comercial, sendo que mesmo improvável que um concorrente chinês de peso possa vir a emergir. Só se um veículo de transporte aéreo de tecnologia inovadora surgisse o que altamente improvável mesmo a longo prazo. Fala-se aqui e alhures na divisão de 20 contra 80% da… Read more »

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Gilberto Rezende
1 ano atrás

Exato.