Home Aviação de Transporte Reuters: Alemanha tem preocupações sobre as capacidades do Airbus A400M

Reuters: Alemanha tem preocupações sobre as capacidades do Airbus A400M

3556
42
Airbus A400M

Por Sabine Siebold

BERLIM (Reuters) – Há preocupação dos militares da Alemanha de que a aeronave Airbus A400M não atenderá às suas necessidades a tempo, já que o problemático programa enfrenta mais problemas, segundo relatório visto pela Reuters.

O relatório militar alemão confidencial disse que há um “risco significativo” de que o A400M não cumpra todos os seus requisitos táticos no momento em que as forças armadas retirarem uma frota de aviões de transporte antigos C-160 Transall após 2021.

“Não está claro se, quando e quantos A400M estarão disponíveis com o pacote de recursos táticos contratualmente necessário”, disse o relatório.

“Há riscos significativos associados à disponibilidade das capacidades táticas necessárias no momento da aposentadoria do C-160. Uma lacuna de capacidade não pode ser excluída após 2021 ”, acrescentou.

Os problemas incluíam dados como o uso de combustível que precisa ser inserido em vários sistemas, o que significa que pode levar até 50 homens-hora para planejar evacuações médicas e outras missões, o que o relatório disse que “não é aceitável” operacionalmente.

A Airbus, que no mês passado cobrou mais 1,3 bilhão de euros pelo programa multinacional A400M, disse que a avaliação alemã do tempo de planejamento de missões difere significativamente de outras nações. Por exemplo, os militares franceses levaram no máximo 90 minutos para planejar uma missão tática e apenas 40 a 60 minutos para uma missão de rotina, disse um porta-voz da companhia à Reuters.

O programa A400M foi inicialmente avaliado em 20 bilhões de euros (US$ 25 bilhões), mas alcançou mais de 30 bilhões de euros, disseram fontes à Reuters no ano passado.

A Alemanha, o maior comprador do A400M, recebeu mais de 17 das 53 aeronaves A400M que planeja comprar.

A400M decolando de pista de terra

PROBLEMAS “CRÍTICOS”
O relatório alemão disse que o processo de planejamento da missão significava que certas tarefas, como o fornecimento de socorro a desastres ou a evacuação de soldados feridos, “não podem ser executadas”.

Embora o planejamento possa ser encurtado para seis a dez horas, isso só foi possível com a redução da carga de passageiros e equipamentos, disse o relatório.

O mais recente revés para a Airbus vem de um acordo preliminar pelo qual a Alemanha e outros seis países da OTAN concordaram em desacelerar o cronograma de entrega planejado e negociar a remoção de certos requisitos difíceis de alcançar para a aeronave.

Em troca, a Airbus prometeu fornecer “todo o apoio e recursos necessários” ao maior projeto de defesa da Europa.

O relatório citou as preocupações contínuas sobre a incapacidade do avião em atender aos requisitos, como a capacidade de lançar tropas de paraquedas. A empresa disse que a Airbus também pode buscar recursos adicionais para concluir o trabalho sobre as capacidades autodefensivas.

Ele também citou atrasos na realização de testes do avião devido à insuficiência de infra-estrutura na Europa, e disse que um local em Yuma, Arizona, agora está sendo considerado.

Houve também problemas “críticos” com a produção de chips sensores para o sistema de alerta aéreo do avião que não foram resolvidos, disse o relatório, observando que a Alemanha recebeu cinco aeronaves A400M sem o sistema de alerta.

FONTE: Reuters

Subscribe
Notify of
guest
42 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Wellington Góes
Wellington Góes
2 anos atrás

Filho com muitos pais dá nisso.

Jean-Marc Jardino
2 anos atrás

Na forca aérea francesa ele esta trabalhando a todo vapor, em diferentes teatros operacionais.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Jean-Marc Jardino
2 anos atrás

Com ou sem problemas? Os aviões de vocês são bem complicados. Sou instrutor de ATR72, 200 e 600, e agora voando A320Neo. Os manuais franceses são péssimos.

jorge Alberto
jorge Alberto
Reply to  Jean-Marc Jardino
2 anos atrás

Uai…. e Pai fala mal de filho? (principalmente se for comercial…)

Mark
Mark
2 anos atrás

Estou achando os ocidentais “sincerões” demais. Mas a democracia cobra seu preço em assuntos que deveriam ser mais reservados. Accountability meus amigos…

JT8D
JT8D
2 anos atrás

Enquanto nossos amigos arrancam os cabelos com o A400 e o F-35 a FAB está tranquila com o KC-390 e o Gripen. Não pode só criticar, tem que elogiar também quando as decisões certas são tomadas

Gustavo
Gustavo
Reply to  JT8D
2 anos atrás

disse tudo. Principalmente ao caça

Bosco
Bosco
2 anos atrás

Um artigo que jamais leremos seria desse tipo: “Russos têm preocupação sobre a real capacidade do sistema S-400 em detectar, rastrear e interceptar aeronaves sealths.
Isso “non ecsiste”

Mark
Mark
Reply to  Bosco
2 anos atrás

Se alguém faz uma declaração dessas lá, passa mal é é internado as pressas depois de beber uma breja em um restaurante. É a famosa gripe russa. 😂

Bosco
Bosco
Reply to  Mark
2 anos atrás

rsrsrr
Uns analistas “sincerões” como os que brotam feito baratas no Ocidente, lá na Rússia, ficariam logo “gripados” . Já sabendo disso eles nem se atrevem!

GIOVANI BENTO
GIOVANI BENTO
Reply to  Bosco
2 anos atrás

Bosco, é que você ainda não entendeu, tudo que sai das indústrias de defesa russa é perfeito, por isso ninguém relata problemas. rsrsrs

JT8D
JT8D
Reply to  Bosco
2 anos atrás

Concordo Bosco. Mas acho o caso do F-35 um pouco similar ao do F-4. A indústria sempre tenta “empurrar” o mais caro e sofisticado, por motivos óbvios. O F-4 nem canhão tinha, pois segundo os teóricos de então o combate aéreo seria resolvido apenas com mísseis. Talvez isso seja verdade hoje, mas certamente não era no Vietnam

Wagner
Wagner
Reply to  Bosco
2 anos atrás

Ainda bem que aqui, ao contrário da China e Russia, temos uma certa liberdade e as informações conseguem chegar até nós, não é mesmo? Ademais, a reportagem se refere ao A400, não ao S400 que derruba até disco voador, ou efinho, ou supertrunfo. Vamos falar sobre a reportagem? Vamos tentar?
Esse A400 é outra jaca com asa. E com motor ruim ainda por cima. Tigre de papel. Especificamente em aviação, toda vez que critérios políticos atravessam pra valer os critérios técnicos, dá nisso. É assim desde o tempo dos dirigíveis ingleses.

amadeuparrinha
amadeuparrinha
2 anos atrás

Ainda bem que Portugal saiu desse imbróglio e passou para o kc 390

Delmo Almeida
Delmo Almeida
2 anos atrás

O programa já tem um monte de problemas, mas eu acho que a Alemanha é um deles. Reclama demais, tudo eles dizem que o próprio produto não é capaz de executar enquanto os outros sócios vão ampliando gradativamente o envelope de emprego e ainda tem a cadência de produção. Inicialmente eles pressionaram a Airbus pra reduzir a cadência de produção e postergar a entrega de aviões já prontos por questões fiscais e de alegada não urgência no recebimento dos mesmos, um tempinho veio o trágico acidente com o equipamento Turco, a Airbus reduziu ainda mais pra investigar e corrigir as… Read more »

Caerthal
Caerthal
Reply to  Delmo Almeida
2 anos atrás

Delmo,

Acho que o acidente ocorreu com uma aeronave da FA espanhola, onde por um erro de software o combustível foi cortado dos quatro motores. Mudando de assunto a matéria faz referência a problemas com o lançamento de paraquedistas. Alguém sabe algo a respeito?

Delmo Almeida
Delmo Almeida
Reply to  Caerthal
2 anos atrás

Era o primeiro vôo de testes de um A400M para a força aérea da Turquia, isso foi na fábrica espanhola da Airbus, onde esse avião é montado. Se não me falha a memória, o corte de potência foi em três dos quatro motores durante a decolagem porque tinha zerado sem querer o software que gerencia os mesmos. A questão é: como é que esse software pode ser zerado tão facilmente???

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Delmo Almeida
2 anos atrás

Uma grande parte dos custos foi assumida pelos clientes também no caso do A-400M (olhe o preço “de lançamento” e o preço “atual” da aeronave).

Yuri
Yuri
Reply to  Delmo Almeida
2 anos atrás

Não foi a Alemanha q pediu pra reduzir, foi a Airbus q pediu pra desacelerar a produção e retirar alguns requisitos iniciais q n conseguiriam cumprir.

Os países, incluindo a Alemanha apenas concordaram.

Lembrando q a Alemanha tem todo o direito de reclamar. É o maior comprador do programa.

Washington Menezes
Washington Menezes
2 anos atrás

A Alemanha poderia encomendar uns KC390

Washington Menezes
Washington Menezes
Reply to  Washington Menezes
2 anos atrás

Menor capacidade de carga que os C160 mas maior autonomia e maior velocidade.

LucianoSR71
LucianoSR71
Reply to  Washington Menezes
2 anos atrás

Negativo, amigo:
C-160 max. 16 t X KC-390 max. 23 t ( 26 t p/ carga centralizada )
C-160 Max c/ 16 t=1.850 km X KC-390 max. c/ 23 t=2.850 km

O problema é que eles querem aproveitar a retirada dos C-160 e adquirir uma aeronave c/ capacidade bem maior, no caso do A400M, 37 t.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

Jean-Marc Jardino 30 de Março de 2018 at 17:30

Cite-os com as fontes.
_________________________________

“amadeuparrinha 30 de Março de 2018 at 17:53
Ainda bem que Portugal saiu desse imbróglio e passou para o kc 390”

Quando foi assinado o contrato ?

amadeuparrinha
amadeuparrinha
Reply to  Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

Tem razão ainda não assinaram nada,mas o estado português já começou as negociações para a compra de 5 aviões mais 1 como opção mais 1 fullflight simulator,o flight simulater será para ser instalado em território nacional,Fontes:dn,passaro de ferro.pplware.
O dn tinha também informação que o kc 390 tinha um custo de 59 milhões por unidade, mas não acho credível esse valor pois a linha de produção ainda não está em funcionamento total

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
2 anos atrás

Em 2009 a Força Aérea Francesa pensou na possibilidade de adquirir o KC-390, por conta dos atrasos do A400. A conversa ocorreu num encontro entre o Presidente da COPAC e o comandante da Força Aérea Francesa. O motivo do encontro foi o HX-BR.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Rinaldo Nery
2 anos atrás

Em algum momento do FX-2, o então MD francês disse que se o Brasil comprasse o Rafale, a França compraria o KC-390, que seria um carrinho de mão voador.
Felizmente o Brasil não comprou o Rafale.

Wellington Góes
Wellington Góes
Reply to  Rafael Oliveira
2 anos atrás

E com certeza estamos com nossa aviação de caça no topo dos melhores, não é mesmo?! Rsrsrsrs

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Wellington Góes
2 anos atrás

Claro que não.
Mas estaríamos pior com o caríssimo Rafale.
Com o Gripen podemos sonhar com mais 36 ou até 72 unidades. Com o Rafale, não.

HMS TIRELESS
HMS TIRELESS
2 anos atrás

Imaginem se os europeus tivessem projetado o F-35? Teria tido dez vezes mais problemas que o da LM.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
2 anos atrás
Wagner
Wagner
Reply to  Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

Eh, Carlos Alberto. Pode ser que a espinha dorsal do transporte europeu acabe nas asas do Hércules. E não consigo enxergar espaço para o KCtão nesse cenário. Complicado para a Embraer.

gilson
gilson
2 anos atrás

É isso mesmo, os custos do F35, e A400M, está ficando muito caro para as forças armas europeias e eles já detequitaram isso, não seria surpresa se isso, KC390, EMBRAER, passar de raspando pela cabeça dos europeus, Portugal, saiu na frente.

Carlos Crispim
Carlos Crispim
2 anos atrás

O A400 é uma avião magnífico, mas se tivessem optado pelo Antonov An-70 seria a melhor opção e não estariam passando por tantos problemas, o An-70 é uma máquina!

Walfrido Strobel
Reply to  Carlos Crispim
2 anos atrás

Mas o Antonov An-70 tem seu motor de hélices contra rotativas da era soviética que usa componentes russos e agora vai ser substtuido por motores turbofan da família D-436 totalmente produzidos na Ucrânia e vai virar An-188.
As turbinas aeronáuticas da família D-436 são testadas e aprovadas e usadas nos Antonov An-148/158/178, Antonov An-72/74, Beriev Be-200, Tupolev Tu-334 e Yakovlev Yak-42M.

Mauricio R.
2 anos atrás

A Armée de l’Air bem que poderia levar a Luftwaffe pra passear ali pelo Mali, assim coisa de força aérea com veia expedicionária, ou então os alemães poderiam aproveitar os Hércules que a RAF está desativando.

Walfrido Strobel
Reply to  Mauricio R.
2 anos atrás

A Alemanha ja comprou C-130J em conjunto com a França.

Caerthal
Caerthal
2 anos atrás

O que eu encontrei sobre a dificuldade de lançar paraquedistas:

“One of the A400M’s other roles is dropping parachutists.

Free-jumping from the side doors has been approved but dropping paratroopers from both sides at once to speed up penetration of territory has introduced the risk of collision.”

Será que o KC-390 consegue lançar de ambas as portas laterais simultaneamente?

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Caerthal
2 anos atrás

Não foi feito no ensaio em Campo Grande? Acho que sim.

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Rinaldo Nery
2 anos atrás

Foi feito. Tem no vídeo da Embraer.

jorge Alberto
jorge Alberto
2 anos atrás

Um bloco de nações tao antigas como a Europeia e nao conseguem trabalhar juntas!

Fico a imaginar a real capacidade da OTAM funcionar em caso de conflito…rs

Pois eh…. e os SulAmericanos, com muito menos “tradicao” em avioes, conseguem criar um transportador singular e diferenciado, sem tantos problemas e em menor tempo…

jorge Alberto
jorge Alberto
2 anos atrás

Ja testaram essa capacidade, e os PQDTs adoraram, disseram ser muito suave a saida.

SE nao me engano, a Embraer colocou um “spoiler”, para que quando as portas laterais se abrirem, nao gerar turbulencia.

Segue link:
https://airway.uol.com.br/kc-390-realiza-primeira-lancamento-de-paraquedistas/

Mauricio R.
2 anos atrás

O C-130 tem esse mesmo spoiler, assim como o A-400M.
Então nada de novo no front.