Home Aviação de Ataque Jato Scorpion testa o AgilePod da AFRL

Jato Scorpion testa o AgilePod da AFRL

3048
13
Scorpion com o AgilePod da AFRL sob asa

WRIGHT-PATTERSON AIR FORCE BASE, Ohio – Ser “ágil” significa ser esperto, responsivo e capaz de se adaptar rapidamente e facilmente a qualquer situação.

O principal dispositivo de inteligência, vigilância e reconhecimento do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea dos EUA (AFRL), o AgilePod, fez jus ao seu nome, pois se integrou perfeitamente no avião ISR de ataque leve Scorpion recentemente, com apenas algumas semanas de antecedência sobre a oportunidade.

“Nós nos encontramos com a equipe Textron Aviation Defence Scorpion e discutimos a possibilidade de fazer uma verificação adequada com sua plataforma Scorpion e o AgilePod. Poucos dias depois, eles ligaram e disseram que poderiam chegar com o avião na Wright-Patterson dentro da semana. Não perdemos esta oportunidade de mostrar as capacidades do AgilePod em uma nova classe de aeronaves”, disse Andrew Soine, engenheiro de sistemas eletrônicos na Direção de Materiais e Manufatura da AFRL.

O AgilePod é um pod de reconfiguração de multi-inteligência da USAF, que permite aos operadores de linhas de voo personalizar pacotes de sensores com base em necessidades específicas da missão. O pod aproveita a construção da Sensors Directorate Blue Guardian Open Adaptable Architecture da Diretoria dos Sensores da AFRL e Sensor Open System Architectures. As arquiteturas abertas permitem a integração rápida de tecnologias de sensores através de interfaces de software e hardware padronizados que permitem que o pod seja integrado em plataformas que usam as arquiteturas padrão. Isso aumenta o número de missões que o pod pode ser usado, ampliando o alcance das possibilidades de missão ISR.

“Nós mostramos a disponibilidade do pod, levando uma aeronave com um conjunto padrão de interfaces mecânicas e elétricas e anexando o pod. Em última análise, demonstramos a capacidade de plug-and-play do AgilePod para integração rápida em uma plataforma de arquitetura aberta. Este é um novo paradigma para ISR “, disse Soine.

Construído para integrar as aeronaves das Operações Especiais, como o veículo aéreo não tripulado MQ-9 Reaper, esta é a primeira vez que o AgilePod foi testado em uma plataforma tripulada fabricada comercialmente.

O avião ISR/Ataque da Scorpion da Textron Aviation Defense é uma aeronave ISR de ataque leve de próxima geração, de baixo custo, construída com materiais compósitos e interfaces padrão. As interfaces padrão do setor permitiram que o AgilePod se integrasse facilmente na plataforma, demonstrando o valor do design de arquitetura aberta do pod para as necessidades de missão da Força Aérea.

“Esta é uma situação vantajosa para a Força Aérea, bem como para a indústria”, disse o capitão Russell Shirey, engenheiro-chefe da Direção de Projetos Avançados de Sensores da AFRL e ex-líder da equipe Blue Guardian. “A equipe AFRL Blue Guardian vem desenvolvendo tecnologias e padrões de sensores de integração rápida, que não estão apenas no AgilePod, mas também começam a aparecer em aeronaves. Para a Força Aérea, estamos aumentando a eficiência ao permitir que as aeronaves que operam em todo o mundo troquem sensores e missões diretamente na linha de voo. Ao remover os acessórios e interfaces do sensor proprietário do campo, abrimos concorrência e expandimos a capacidade”.

“Montar o pod no avião no hangar mostra como o AgilePod é adaptável,” disse o capitão Juliana Nine, o gerente do programa AFRL Blue Guardian. “A reconfigurabilidade nos permite focar diferentes conjuntos de missão em comparação com o passado, e podemos fazer isso com curto prazo”.

Os benefícios da arquitetura aberta e a padronização também são vistos favoravelmente pela indústria.

“Isso realmente demonstra o que pode ser feito com recursos plug-and-play”, disse Travis Cottrell, vice-presidente de Gerenciamento de Programas Scorpion da Textron Aviation Defense. “Ser capaz de colocar muita capacidade em um pequeno pacote oferece um valor em termos de custo, tanto da perspectiva de aquisição como operacional. Isso mostra a “arte do possível” quando você traz soluções comerciais e militares à mesa”.

Enquanto o dia se concentrou apenas na demonstração da velocidade de integração do AgilePod em uma nova plataforma com curto prazo, a aeronavegabilidade, a integração do solo e os testes de comunicação precisam ocorrer antes de poderem ser testados em voo.

No entanto, a integração, auxiliada pela equipe de contratos da Leidos do AgilePod, foi um sucesso rápido e suave.

“Tudo isso aconteceu em apenas algumas semanas, mostrando a agilidade do AgilePod. É uma situação vencedora para todos”, disse Shirey.

FONTE: Air Force Research Laboratory

Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rommelqe
Rommelqe
2 anos atrás

O AgilePod poderia ser integrado agilmente ao A-29? E mesmo a um F-39? Acho que pode sim.

Glauber Prestes
Glauber Prestes
2 anos atrás

Tem que ver a altura do cabide em relação ao solo, esse pod é muito alto, talvez não caiba embaixo da asa do A29

João Bosco
João Bosco
2 anos atrás

Provavelmente não, pois a altura do solo em relação às asas é muito baixa em ambos. A não ser se esse pod tivesse as dimensões de um tanque de combustível subalar.

Alex Nogueira
Alex Nogueira
2 anos atrás

O F-39 com certeza tem capacidade de levar esse POD, quanto ao A-29 não tenho certeza, pois mesmo que a altura não seja um impedimento, o peso deve ser, pois pelo que me lembro o peso máximo para os pilones das asas é de 250kg.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Alex Nogueira
2 anos atrás

“Alex Nogueira em 01/02/2018 às 16:24
… pois pelo que me lembro o peso máximo para os pilones das asas é de 250kg”

Alex Nogueira,
Os dois pilones subalares internos (mais próximos da fuselagem) do A-29 Super Tucano podem levar bombas M117 de 340kg:

http://www.aereo.jor.br/2013/04/05/configuracoes-armadas-do-super-tucano/

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

Deve dar um arrasto enorme, basta ver a forma !

Nonato
Nonato
2 anos atrás

Interessante é que o pod foi desenvolvido pela própria força aérea e não por uma empresa privada.

Gonçalo Jr.
Gonçalo Jr.
2 anos atrás

Em se tratando de um dos aviões testados junto ao A29-ST, saiu uma notícia referente a um dos aviões que iria se tornar mais um concorrente no mercado internacional. => Saiu na imprensa que o a NOVAER demitiu funcionários hoje. Porquanto parece que houve problemas com a CALIDUS LLC que se juntou à empresa brasileira para produzir e projetar o concorrente do A29 ST o B-250 Bader, onde houve investimentos nacionais no avião. Abaixo: NOTA À IMPRENSA A NOVAER, INDUSTRIA AERONÁUTICA SEDIADA EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS INFORMA COM PESAR QUE, DEVIDO A DIFICULDADES IMPREVISTAS, CAUSADAS PELO INADIMPLEMENTO CONTRATUAL DE… Read more »

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
2 anos atrás

Gonçalo Jr. 1 de Fevereiro de 2018 at 18:50

Boa postagem, vale tema-tópico.

http://www.aereo.jor.br/?s=Novaer

Alex Nogueira
Alex Nogueira
2 anos atrás

Nunão, obrigado pela informação!

Gonçalo Jr.
Gonçalo Jr.
2 anos atrás

Carlos Alberto Soares 2 de Fevereiro de 2018 at 8:54
Obrigado!

Vou repostar lá.

Gonçalo Jr.
Gonçalo Jr.
2 anos atrás

Sobre a demissão dos funcionários da NOVAER fabricante do avião BADER 250 tido como novo concorrente do A29 ST, junto a CALIDUS LLC postei sobre neste link:

http://www.aereo.jor.br/2017/11/11/calidus-b-250-bader-novo-concorrente-do-29-super-tucano/

Caerthal
Caerthal
2 anos atrás

http://www.washingtonexaminer.com/air-force-picks-wolverine-and-super-tucano-as-finalists-for-light-attack-aircraft/article/2647948

Aparentemente as FFAA norte-americana decidiu não seguir com a avaliação do Scorpion e o mata-mosquito. Os finalistas seriam o T-29 e o AT-6. Estou começando a ficar otimista.

Entendo que a questão crítica é “baixo custo”, o que tende a favorecer os turbo-hélices.