Home Indústria Aeronáutica Acordo Boeing / Embraer no canal ‘Arte da Guerra’

Acordo Boeing / Embraer no canal ‘Arte da Guerra’

3198
45

canal Arte da Guerra do comandante Robinson Farinazzo traz desta vez um vídeo sobre o possível acordo Boeing / Embraer atualmente em discussão. O canal tem lançado toda semana vídeos no Youtube que abordam análises de conflitos, tecnologia de armamentos e liderança militar, dentre outros temas ligados à Defesa.

Concebido no espírito de promover um debate saudável sobre assuntos militares, o canal Arte da Guerra trabalha com uma pauta bem realista, em estilo afinado com a linha editorial da trilogia de sites Poder Naval/Poder Aéreo/Forças Terrestres.

O objetivo do canal é estimular a reflexão, a busca do conhecimento e a compreensão das novas tendências na área de Defesa. Os comentários, sugestões de pauta e discussões dos leitores são muito importantes e levadas em consideração para a preparação de futuros vídeos.

Então, se você buscava um canal de Defesa profissional, abalizado e que prima por credibilidade, saiba que a qualidade do Poder Aéreo, agora também pode ser assistida no canal Arte da Guerra.

Subscribe
Notify of
guest
45 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
JT8D
JT8D
2 anos atrás

É logico que toda essa análise que o Farinazzo faz já estava sendo desenvolvida pelos estrategistas de mercado da própria Embraer ao longo dos últimos anos. Por isso todas as iniciativas anteriores de associação com a Boeing em projetos como o desenvolvimento de biocombustíveis e até a discreta preferência da Embraer pela Boeing no FX-2. Não sejamos ingênuos, não foi a Boeing que de repente decidiu se associar com a Embraer. Essas coisas não acontecem por impulso. São bilhões envolvidos, todas as alternativas são exaustivamente analisadas. E é óbvio também que o Ozires Silva, com a influência e o trânsito… Read more »

Hellcat
Hellcat
2 anos atrás

O comandante Robinson Farinazzo é da Marinha ou da FAB ?

JT8D
JT8D
2 anos atrás

Hellcat 26 de dezembro de 2017 at 11:49
É da MB

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Pazada de cal em cima do pensamento ezquerzóide.

luiz antonio
luiz antonio
2 anos atrás

O que o Robinson Farinazzo é claro como água da fonte. Ja expressei a mesma opinião em outro post quando simplesmente entendo que no mercado “o maior engole o menor” e que o setor de defesa da Embraer não seria suficiente para se manter, portanto, entendo que a empresa deva achar seu novo lugar nesse quebra-cabeças de poucas peças, para não desaparecer. É uma escolha e não uma guerra, é um negócio e não uma “entrega”. O isolamento da EMBRAER culminaria com sua falência. Felizmente oi infelizmente a realidade é essa.

Everton Matheus
Everton Matheus
2 anos atrás

Falou o óbvio e de maneira didática para todos entenderem. Ainda é capaz de ter uns figura jogando pedra.

Everton Matheus
Everton Matheus
2 anos atrás

se converter os 154M de 94 para hoje, dará cerca de R$ 749.039.715,02.
Vamos lembrar que aquela época a EMBRAER não valia nem perto do que vale hoje e que a falência estava na porta na EMBRAER.

Só não fique supervalorizando a EMBRAER Estatal …

Everton Matheus
Everton Matheus
2 anos atrás

excluam meu ultimo coment, era pra ser na réplica, eu troquei as abas kkk

carcara_br
carcara_br
2 anos atrás

Só um detalhe: a embraer pode até sobreviver, mas quem prosperará é a Boeing no caso de uma aquisição mais ampla.
Não há absolutamente nada a ser comemorado nós investimos em tecnologia para a Boeing é absolutamente inacreditável!
O governo brasileiro injetará uma quantidade absurda de dinheiro e tecnologia numa empresa privada americana sem o menor compromisso com os interesses nacionais e sujeitas ao humor do pentágono!
O problema do brasil é o brasileiro mesmo heehehe

Hellcat
Hellcat
2 anos atrás

O series tem desvantagens enormes contra os E-jets. É por isso que a Bombardier acumulou perdas, ela so conseguiu vender o C-series com prejuízo abaixo do custo de fabricação. Quanto mais a Bombardier vende o C-series mais ela tem prejuízo. Apenas as versões esticadas do C-series (que nem existem hoje) seriam uma ameaça para a Boeing.. O C-100 é mais pesado e mais caro, so ganha venda sobre os E-jets com venda no prejuízo. A Airbus vai bancar o prejuízo? Pra que ? Se o mercado dos E-jets é nanico ? Não tem logica nenhuma esse negocio. Vai perder bilhões.… Read more »

Hellcat
Hellcat
2 anos atrás

E o que o segmento de jatos executivos da Embraer vai falir também ??

A Embraer pode muito bem focar no segmento de jatos executivos que inclusive é maior que esse de aviões regionais.. continuar sendo uma empresa do tamanho de uma Gulfstream, Dassault e Textron.

A vontade de sair dizendo que a EMbraer vai falir e que a unica alternativa é vender tudo é maior do que analisar a realidade.

Jr
Jr
2 anos atrás

Hellcat, pois é, o debate aqui virou algo que nada tem a ver mais com Boeing x Embraer, basta ver o comentário do Marcos, isso aqui virou uma briga de ideologias, desvirtuando totalmente o assunto principal em discussão.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Uma outra solução: o GF faz um aporte gigantesco na Embraer, e ai a gente compra a divisão de aviões comerciais da Boeing.

Farroupilha
Farroupilha
2 anos atrás

Incrível mas esse ex-militar mais parece um traíra declarado. Repete várias vezes que o destino da Embraer fora da Boeing é quebrar. Ahh Tá! Já deveria ter quebrado então. Que a Boeing é trozentas vezes maior e assim a Embraer não poderá competir com ela. É mesmo? E o que ela vem fazendo no mercado, não é competir a anos com as grandes e com as mais tradicionais? E não só sobrevivido mas crescendo de forma constante. – O consumidor não quer saber se quem produziu a aeronave é o maior produtor do planeta, mas se o produto é de… Read more »

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Entrevista de Ozires Silva Para o Valor Econômico:

26/12/2017 às 05h00 1 Boeing não quer controle da Embraer, diz Ozires Silva

http://www.valor.com.br/empresas/5237329/boeing-nao-quer-controle-da-embraer-diz-ozires-silva

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Excelente entrevista, onde quem fala é quem teve acesso à Carta de Intenções da Boeing.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Bate o desespero das criancinhas.

Jr
Jr
2 anos atrás

Farroupilha, eu acredito que esse interesse da Boeing pela Embraer é mais por dois motivos, um é responder a altura a JV da Bombardier com a Airbus no projeto C-Series e a outra, e mais importante, é que com essa JV Bombardier/Airbus o principal produto dela (Boeing) a família 737 ( vaca leiteira da companhia) ficou muito exposta e fragilizada, a Airbus já tinha vantagem antes oferecendo a família A320 que é um projeto mais moderno e atual que a família 737 e agora com o C-Series a vantagem da Airbus com sua família A320 ficou ainda maior. A Airbus… Read more »

Farroupilha
Farroupilha
2 anos atrás

Não Jr. Isso é só uma grande desculpa. O assédio da Boeing para cima da Embraer precede em muito esse acordo da Airbus com a Bombardier, e isto é algo que “criancinhas” (não seu caso) não conseguem enxergar, inclusive os Sr. do vídeo, erra em sua análise limitada. Formalmente o assédio (disfarçado por boas intenções, começa “diplomaticamente”, ou seja, a nível de estratégia de governo externo) em 2011, quando a ex-embaixadora americana é oficialmente colocada como representante da Boeing para negociações com a Embraer… Donna Hrinak é nomeada para liderar a Boeing no Brasil.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Caros colegas, Ontem (21/dez), confirmamos nossas discussões com a BOEING sobre uma potencial combinação dos nossos negócios. Embora não haja garantia de que fecharemos um acordo, eu acredito que haverá benefícios muito positivos para as duas empresas, se viermos a nos unir. Tenho certeza de que essa notícia impactou todos vocês e gerou muitas dúvidas, mas por enquanto não temos mais informações a adicionar. Uma parceria desse porte é muito complexa, há muito a ser discutido e aprovado, inclusive junto ao governo brasileiro, ás agências reguladoras, conselhos de administração e acionistas. Quando as discussões evoluírem, me comprometo a informá-los. Nesse… Read more »

Danilo José
Danilo José
2 anos atrás

O que mais encomoda, é o fato de se pagar caro na tranferencia de tecnologia da Saab e o FX-2, e a Boeing assume a Embraer e vai herdar a tecnologia de graça.

Marcos
Marcos
2 anos atrás

De lambuja, numa espécie de… sinal? Não, não, não. Compensação? Garantia? Também não. Bom… enfim, eu pediria uns 84 F18 para começar a conversa.

Jr
Jr
2 anos atrás

Farroupilha, temos que ser realistas, sou contra sim a pura e exclusiva venda do controle da Embraer, não faz sentido isso para mim, afinal a Bombardier que estava passando por todas essas dificuldades que o Farinazzo disse que a Embraer vai passar no futuro, não vendeu o seu controle. Ela fez uma parceria no PROJETO Cseries coma Airbus, ela vendeu por 1 dólar 50% do projeto e ficou com 30%, com o Governo de Quebec ficando com o resto por meio do seu fundo de pensão. A Bombardier manteve sob o seu controle a divisão ferroviária, os CRJ, o avião… Read more »

Antonio de Sampaio
Antonio de Sampaio
2 anos atrás

Danilo José 26 de dezembro de 2017 at 14:29
Que tecnologia da Saab e do FX-2 a Boeing necessita ?? kkk……

Marcos
Marcos
2 anos atrás

Jr
Leia a entrevista do Ozires Silva para o Valor. Daí você vai ficar mais tranquilo.

Carlito
Carlito
2 anos atrás

Ótimo vídeo. Apenas um detalhe deve ser corrigido, a Airbus não adquiriu uma parte da Bombardier, e sim uma parte do programa CSeries. Isso significa que a Bombardier continua sendo uma empresa independente e que seus demais programas continuam sob seu controle. É um detalhe bastante relevante, principalmente quando se discute a questão da autonomia da empresa. “EU” acredito que o acordo entre Boeing e Embraer resultará em dois caminhos: 01) A criação de uma nova empresa através de uma Joint Venture para a produção de jatos regionais em solo americano e/ou em algum país asiático. 02) Se houver aquisição… Read more »

carcara_br
carcara_br
2 anos atrás

Antonio de Sampaio 26 de dezembro de 2017 at 14:40 Danilo José 26 de dezembro de 2017 at 14:29 Que tecnologia da Saab e do FX-2 a Boeing necessita ?? kkk…… Nenhuma, quem precisa desenvolver tecnologia é o BR! agora imagine que maravilha, a gente pagou pelo fx-2, mas quem vai levar são os americanos, afinal onde vão comprar e desenvolver as aeronaves?. É preciso REVISAR o programa de aquisição de caças porque NÃO FAZ O MENOR SENTIDO A BOEING produzir o Gripen no Brasil… Agora a coisa melhora quando se pensa nos projetos futuros, a BOEING terá acesso aos… Read more »

Zorann
Zorann
2 anos atrás

Olá a todos! . A coisa não é tão simples assim: 64% das ações da Embraer estão pulverizadas nas mãos de milhares de acionistas. De acordo com as regras em vigor, nenhum acionista pode ter sozinho 35% das ações e no máximo 40% das ações podem estar nas mãos de estrangeiros. Qualquer mudança nestas regras depende de aprovação do Governo Federal. . Mesmo que a Boeing compre no mercado 35% das ações, ela não poderá exercer votos em cada Assembleia Geral em número superior a 5%. Esta regra impede que um acionista individual brasileiro ou estrangeiro tenha o poder de… Read more »

Flanker
Flanker
2 anos atrás

Essa neurose de que a Boeing vai ficar de dona so FX-2, e de toda tecnologia desse peograma, chega a ser cômica!! Já foi feito o negócio entre Boeing e Embraer? Já se definiu o que vai ser vendido ou compartilhado? Para muitos parece que é só a Boeing chegar aqui e dizer:”Agora é rudo meu! Se o Brasil quiser, vai ter que comprar os F-39 de mim!”. Vocês esquecem que o negócio do Gripen para a FAB envolve o GF/FAB, Embraer e Saab. Foram assinados acordos e contratos determinando quem é responsável pelo que. Isso não pode ser mudado… Read more »

Zorann
Zorann
2 anos atrás

Quanto ao FX2: . A tecnologia a ser transferida foi definida pela FAB. É a FAB que controlará esta tecnologia e decidirá quem receberá partes dela, para que o serviço seja executado, ou pesquisa no setor. . Além disso, são pessoas que vão receber (serão capacitadas) e usarão parte deste conhecimento. A Boeing, ou qualquer outra empresa, não precisa necessariamente comprar a Embraer para ter acesso a isto. Basta contratar estes funcionários. E sinceramente, nada que a SAAB vá nos transferir, já não é de conhecimento da Boeing. A tecnologia comprada é nova para nós, não para eles. . Quanto… Read more »

Carlito
Carlito
2 anos atrás

“Zorann 26 de dezembro de 2017 at 17:59”

Perfeito!

Carlos Miguez _BH
Carlos Miguez _BH
2 anos atrás

O resumo, para mim, é muito mais simples do que qualquer “teoria da conspiração”; posso até dizer que é simplório: uma nova empresa vai surgir com produtos sendo vendidos com o nome Boeing, produzidos nos EUA e projetados pelos engenheiros da Embraer para disputar o mercado que existe entre os produtos verdadeiramente Boeing e Embraer. Este “novo” nicho é o que a Bombardier viria a dominar: acima de 120 e abaixo de 220 passageiros; que, como o Engº Ozíres Silva ressaltou em sua entrevista, é a faixa de mercado em que existirá a melhor expectativa de crescimento, e a melhor lucratividade.

JT8D
JT8D
2 anos atrás

Carlos Miguez _BH 26 de dezembro de 2017 at 20:31
Concordo com sua análise Carlos. Espero que seja isso mesmo

Satyricon
Satyricon
2 anos atrás

O comentarista pede pragmatismo, com uma grande cara lavada, então vamos a ele: CASO a Boeing assuma o controle da Embraer, aquela tentará maximizar seu investimento, e a melhor forma disso é cortar custos. Não se justifica, por exemplo, manter vários centros de desenvolvimento e pesquisa (EUA, Brasil, etc). Portanto, existe ENORME probabilidade do centro da Embraer Brasil ser fechado, transferindo suas atividades para os EUA. E o paiseco chamado Brasil perde um centro de excelência, numa tacada só. ESQUEÇAM portanto o desenvolvimento de soluções customizadas para a FAB, como os E-99, A-29, KC-390 e outros tantos. Já imaginaram que,… Read more »

JT8D
JT8D
2 anos atrás

É até engraçado pensar na Boeing comprando a Mitsubishi:
1) Se a Boeing quer agilidade, a Mitsubishi é uma tartaruga tetraplégica, que está tentando há mais de uma década fazer o que a Embraer faz em 4 ou 5 anos.
2) A Mitsubishi é um gigante industrial japonês, que está investindo no setor aeronáutico por uma espécie de orgulho nacional. E quando se fala em orgulho nacional, não brinquem com os japoneses. Ou seja, a Mitsubishi não está a venda

Carlito
Carlito
2 anos atrás

Sobre a questão da Mitsubishi, a empresa não tem um produto consolidado. Levará muito tempo ainda para que a o produto da Mitsubishi demonstre algum potencial de mercado. Quanto a estar a venda ou não, certamente se seu produto já tivesse demonstrado viabilidade comercial, poderia sim estar na mira da Boeing. Apenas para constar, a divisão automobilística da Mitsubishi já passou várias vezes de mão nos últimos anos. Teve como sócio majoritário a Chrysler, depois foi absorvida pela Daimler-Benz quando a empresa alemã adquiriu a Chrysler, depois passou a ser novamente uma empresa independente após a Chrysler separar-se da Daimler-Benz,… Read more »

JT8D
JT8D
2 anos atrás

Carlito 26 de dezembro de 2017 at 22:51
Se a Boeing está atrás de expertise de engenharia aeronautica, a Mitsubishi, hoje, não é uma boa opção. Seus engenheiros vieram em grande parte da Bombardier e da própria Embraer

Jorge Bezerra
Jorge Bezerra
2 anos atrás

Boa noite a todos!
O que imagino a respeito do interesse da Boeing em relação a Embraer, tem muito a ver com a taxação do governo americano, aos aviões da Bombardier. Creio que o mercado de aviação executiva, ficará aberto aos aviões da Embraer e Boeing quer aproveitar o momento favorável.
Além disso, existe o possível contrato relativo aos A29, e tbm ao KC 390.

Carlito
Carlito
2 anos atrás

JT8D 26 de dezembro de 2017 at 22:57

Compactuo da mesma opinião. Não se sabe ainda como o mercado irá absorver a família MRJ. E se absorver, certamente não representará grande dor de cabeça às líderes Embraer e Bombardier, especialmente se o produto for comercializado como Mitsubishi, uma empresa que hoje não possui tradição neste mercado.

Jr
Jr
2 anos atrás

A maioria dos engenheiros que estão trabalhando no projeto MRJ são ex Bombardier e Embraer. Alguém postou por aqui um link do site Leehan News onde ex engenheiros e engenheiros que estavam trabalhando nesse projeto relatando um verdadeiro caos no projeto, fui procurar essa matéria no site e o editor infelizmente apagou todos os comentários. A Boeing nesse momento não precisa de mais uma mala pesada para carregar nas costas, ela não tem tempo para ficar corrigindo erros no MRJ, o que ela precisa é uma parceira experiente para juntar forças e concorrer com a Airbus/Bombardier. Infelizmente para a Boeing,… Read more »

Jonatas
Jonatas
2 anos atrás

Se de fato houver a aquisição da Embraer pela Boeing, como ficaria o processo de transferência de tecnologia do Gripen? Talvez essa aquisição além de econômica seja também estratégica pois uma empresa americana iria deter a tecnologia.

Gripen BR
Gripen BR
2 anos atrás

“Ah! A EMBRAER não pode concorrer no futuro! Por isso, a de se fazer um conglomerado na proporção de 15/1 e o 1 some no final!” Teriam dito a mesma coisa da SAAB na década 90, e hoje a Suécia ou voaria o F-16 ou o Typhoon, do qual fariam talvez uma parte do trem de pouso. A SAAB não fábrica mais seus turboélices, más alem disso cresceu, aumentou sua Gama de produtos e serciços, adquiriu outras empresas inclusive estaleiros. Diriam o mesmo da Dassault a dois anos atrás. Pelo contrário isso é ser imediatista. Más as ações da Embraer… Read more »

Marcos10
Marcos10
2 anos atrás

Antes de comentarem, sugiro lerem a entrevista que Ozires Silva deu ao Valor Econômico.

Marcos10
Marcos10
2 anos atrás

Gripen BR
A Saab já projetava e fabricava aviões quando o Brasil ainda andava de carroça.

Péricles
Péricles
2 anos atrás

Se a Boeing comprar a Embraer, ela acaba, se não comprar ela quebra. Ficou difícil.