Home Aviação de Ataque ‘Nós impedimos Israel de ir à guerra’, diz chefe da IAF ao...

‘Nós impedimos Israel de ir à guerra’, diz chefe da IAF ao se aposentar

9695
48
O Comandante da Força Aérea de Israel, Major General Amir Eshel, em 2015

O major-general Amir Eshel diz em entrevista sobre como se prepararam para um ataque ao Irã, levaram a cabo ataques aéreos ao Hezbollah e evitaram confrontos com jatos russos na Síria. Sobre Gaza, ele diz: “Nós matamos mais terroristas e menos civis”

Por Amos Harel

Poucas pessoas exercem tanta influência sobre a situação estratégica de Israel e sobre o grau de segurança que os cidadãos do país desfrutam do que o comandante da Força Aérea de Israel. O poder aéreo de Israel, que em períodos relativamente silenciosos é exercido apenas de maneira equilibrada e geralmente longe dos olhos do público, permanece o mais importante como a garantia da segurança do país — seguido apenas pelo apoio diplomático americano e a ajuda militar. Este status está relacionado à qualidade profissional do pessoal da IAF, aos sistemas de armas ultra-caros que emprega e, em grande medida, também à cultura organizacional da força, que continua a parecer um parente distante (e geralmente mais bem sucedido) das unidades terrestres.

No início do mês de agosto de 2017, o major-general Amir Eshel se retirou do serviço ativo nas Forças de Defesa de Israel após uma carreira de 40 anos, um pouco mais de cinco deles como comandante da força aérea. Juntamente com a missão tradicional do chefe da IAF — preparar a força para a guerra — Eshel teve uma tarefa adicional: manter essa guerra à distância e impedir que o país se deslocasse para um conflito armado.

Isso ficou aparente em duas campanhas. A primeira – ataques para bloquear a entrega de armas avançadas ao Hezbollah – foi conduzida com poder limitado sem que a situação se deteriorasse em uma guerra total no norte. Quanto à segunda – bombardeio das instalações nucleares do Irã – não foi implementada, embora a força aérea tenha treinado para isso vigorosamente, uma tarefa na qual Eshel desempenhou um papel importante. Ele prosseguiu no seu trabalho sem irritar seus superiores, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e três ministros de defesa (Ehud Barak, Moshe Ya’alon e Avigdor Lieberman). Na verdade, todos eles sinceramente o elogiam.

“Não é difícil levar Israel a um emaranhado”, Eshel me disse quando eu falei com ele no início do mês, na véspera de sua aposentadoria. “Até agora conseguimos pisar nos freios”.

Ele está se referindo principalmente à atividade para frustrar o tráfico de armas ao Hezbollah através da Síria e a outras organizações terroristas em outros setores. Pouco depois que a guerra civil entrou em erupção na Síria, em 2011, Israel demarcou suas linhas vermelhas no norte: responderia com força militar a cada ataque em seu território da Síria e agiria para interromper a transferência de sistemas de armas “decisivos” para o Líbano. O fato de Israel prosseguir ativamente esta política sem se envolver na guerra na Síria e na convulsão geral no Oriente Médio é provavelmente a conquista mais significativa que os sucessivos governos de Netanyahu podem se creditar nos últimos anos.

A maioria das informações sobre os ataques baseia-se em reportagens na mídia internacional.

O que o público israelense não compreende sobre essa história?

Eshel: “Eu acho que o público entende bem. O primeiro-ministro e o ministro da defesa fizeram declarações sobre o fato de que Israel não permitirá que certas coisas aconteçam. Eles fizeram a declaração com a intenção de realizá-la. Há uma ampla gama de ações que podem ser tomadas e tem havido muitos sucessos. Se não tivéssemos conseguido, as ameaças potenciais seriam hoje muito mais significativas”.

A força aérea afetou adversamente as capacidades militares do Hezbollah?

“Das coisas que o Hezbollah queria ter em sua posse, uma grande parte não foi realizada. Vou dar-lhe números, arredondados. Israel também está lidando com terrorismo longe de suas fronteiras. Se você levar a atividade contra o terrorismo em seu senso mais novo – a campanha contra o transporte de meios estratégicos de combate – não é que Israel não tenha feito coisas semelhantes no passado. Isso aconteceu, mas a situação no Oriente Médio mudou. Até 2012, se você voltar 10 anos, houve poucas operações preventivas, longe da fronteira, pela força aérea. Você pode contar com menos do que os dedos de uma mão. E houve operações, que eu não tenho que lhe dizer, pelo Mossad.

“Desde 2012, estou falando sobre muitas dezenas de operações. Digamos que o número é próximo a três mil, no setor setentrional e em outros setores. Uma operação pode ser algo solitário, pequeno e específico naquele ponto, ou pode ser uma semana intensa na qual um grande número de itens estão envolvidos. Felizmente, ocorre sob o radar. Você pode vê-lo como uma realização direta, dado o equipamento destruído. Mas também aconteceu algo mais, que eu acho muito significativo: conseguimos não mergulhar Israel nas guerras”.

Nesta foto de arquivo, feita em 18 de dezembro de 2015, fornecida pelo Serviço de Imprensa do Ministério da Defesa da Rússia, um monte de munições está preparado para ser carregado em aviões Su-25 russos na base aérea de Hemeimeem na Síria. Vadim Savitsky / AP

Isso poderia ter acontecido?

“Facilmente. Um erro pode ter muitos componentes: fricção indesejável com inimigos, com grandes poderes, ou todos juntos. A coisa inteligente é ser eficaz, conseguir o que é necessário, mas abaixo do limiar no qual escalamos a guerra. E no Oriente Médio, é muito fácil escalar a guerra. Eu acho que essa é uma grande conquista. É suficiente fácil ser um touro em uma loja de porcelanas. Conseguimos agir corretamente e não entrar em uma guerra. Em alguns casos, a força que usamos era como um martelo e, em alguns casos, era apenas um pequeno “clique”, e isso é suficiente. E se você tiver em conta a inteligência excelente—- inteligência realmente extraordinária — e a determinação dos tomadores de decisão, isso significa que, quando Israel tem interesses constituídos, atua apesar dos riscos. Eu acho que nos olhos de nossos inimigos, tanto quanto eu entendo, essa é uma linguagem que é entendida aqui e também entendida longe do Oriente Médio”.

Também é entendida em Moscou?

“Sim. Há algo mais aqui, que poderemos avaliar apenas em retrospectiva, mas, em minha opinião, nossas ações reduziram a possibilidade de guerra. Não a eliminamos, isso não significa que não haverá algum erro de cálculo amanhã — tudo é possível. Mas quando alguém sente que você conhece mais sobre eles do que eles esperariam, e quando você está decidido a agir, mesmo que pareça impossível, e você age com decisão e precisão, isso não gera um desejo de guerras.

“Eu sou a última pessoa que quer transmitir uma mensagem aqui que acabaram as guerras no Oriente Médio. Vou dizer com muita sobriedade. Eu não estou me enganando, porque as coisas podem se afastar do controle aqui. Mas cada ação como essa — e eles sabem o que está acontecendo — é uma mensagem que é bem compreendida: “Não vale a pena, agora não.” Esse é um resultado positivo dessas operações, mesmo que não seja seu objetivo central”.

Novo garoto no bairro

A partir de setembro de 2015, a liberdade de ação da IAF sobre a Síria enfrentou um desafio agudo, após o desdobramento pela Rússia de dois esquadrões de combate no norte da Síria, com o objetivo de salvar o regime do presidente Bashar Assad. Posteriormente, os russos instalaram sistemas avançados de defesa aérea, cujo radar é capaz de identificar cada decolagem de uma base israelense, pelo menos até o norte do Negev. Netanyahu foi a Moscou rapidamente na época, a fim de providenciar, com o presidente Vladimir Putin, um mecanismo para evitar o atrito aéreo entre as duas forças aéreas. Netanyahu e Putin se reuniram cinco vezes em cerca de um ano. Em algumas reuniões, eles foram acompanhados pelo diretor da Inteligência Militar, o General de Divisão Herzl Halevi, e pelo chefe de gabinete, o tenente general Gadi Eisenkot, ao lado de seus homólogos russos.

“Nós percebemos que um jogador novo e muito significativo entrou na arena”, diz Eshel. “Um potencial de fricção, que poderia causar resultados perigosos, foi criado. Certamente não temos nada contra eles, mas temos interesses e eles têm interesses, e eles convergem para o espaço aéreo sírio. Como você reduz a possibilidade de danos mútuos não intencionais? As conseqüências estratégicas podem ser graves. Até o momento, [o mecanismo que foi elaborado] resistiu à prova”.

Primeiro-ministro Benjamin Netanyahu dentro de um helicóptero Apache conversando com o chefe da Força Aérea de Israel, Amir Eshel, durante sua visita à base aérea Tel Nof no sul de Israel. Amir Cohen – Reuters

Em novembro de 2015, aviões turcos derrubaram um avião de guerra russo na fronteira Síria-Turquia, provocando uma séria crise entre Moscou e Istambul. Israel procurou evitar, quase a qualquer preço, um confronto semelhante com os russos. “Há uma coisa que você tem que entender: no ar, as coisas podem acontecer dentro de um segundo, com todo o respeito a uma diretriz de Putin ou do primeiro ministro”, explica Eshel. “No final, a questão é: como fomentamos uma situação em que um tenente aqui, ou seu homólogo do lado russo, não cometa esse erro. O tenente tem que decidir aqui e agora, e é possível que dentro de um segundo ele tenha cometido um erro, e nós fomos e enredamos Israel. Isso é algo que não podemos nos permitir. No sentido técnico, reduzimos a possibilidade de que isso aconteça. Nós sabemos como se comunicar. Nós não coordenamos nossa atividade com os russos com antecedência. E nem dizemos o que vamos fazer [na Síria]”.

Como funciona, se você não coordena com eles?

“Há algo técnico aqui, e há diretrizes de líderes e confiança. Não pretendemos prejudicar os russos, e fazemos tudo para evitar prejudicá-los. Eles entendem por que estamos agindo. Eles não concordam ou nos dão autorização, mas acho que eles entendem o que Israel está fazendo. É combater o terrorismo, impedindo a entrega de meios de combate”.

Maj Gen Amir Eshel em 2015. Foto IDF

O acordo não faz parte da história?

“Não é uma questão de acordo. Os Estados soberanos precisam respeitar outros estados e, neste caso, estamos envolvidos com o mesmo espaço geográfico. Não temos problemas com os russos. Nós temos um problema com entregas de armas que ameaçam nossa segurança “.

Faz quase dois anos. Os aviões russos ou os sistemas de defesa já travaram nos aviões israelenses? Houve situações de quase confronto?

“Travar não é uma situação de quase ser atingido. Não houve situações de confronto próximo, porque estamos nos conduzindo corretamente. Quando vejo agora o escopo da atividade russa durante dois anos, em quantas vezes eles violaram a soberania israelense, meu ponto de partida é que a maioria foi por engano, não foi nada. Houve situações em que nos contatamos em tempo real e dissemos que houve um erro [dos russos que entram no espaço aéreo israelense], e eles imediatamente responderam e corrigiram. Tudo bem. Nós não vimos provocações”.

Ainda assim, quando um avião sem piloto – aparentemente russo – aparece de repente nos céus de Israel, o que acontece?

“Tudo se acelera, certamente. Fazemos o que precisa ser feito. Tudo está na velocidade máxima, mas nos comportamos de forma responsável. Eu acho que os russos sabem que não somos a Turquia”.

Ataque preventivo

A abordagem sóbria de Eshel não entrou em conflito com sua determinação em desenvolver o armamento ofensivo da força aérea. Isso é aparente quando ele apresenta, pela primeira vez, o que ele vê como uma das missões-chave da força sob seu comando.

“Cinquenta anos após a Guerra dos Seis Dias”, diz ele, “nós restauramos a capacidade de primeiro ataque de Israel para o setor setentrional. Essa capacidade é baseada em inteligência precisa. Quando você age de surpresa, você choca o inimigo. Não estou dizendo que Israel deveria lançar um ataque preventivo. Esse é um dilema estratégico, e tudo precisa ser examinado em seu contexto. Mas hoje temos essa capacidade, inclusive contra os novos inimigos: organizações terroristas com um sistema de controle relativamente descentralizado e com altas capacidades”.

Israel nunca teve essa habilidade?

“Na verdade não. A questão é, quão eficaz você é. Há algo aqui agora que foi traduzido em planos. É possível uma vitória que considere fenomenal. Não vai acabar com a guerra dentro de três horas, mas nos avançará para a vitória, para encurtar a guerra, dramaticamente. A força motriz aqui é o chefe de gabinete. Nós fomos empenhados em construir essas capacidades até antes, mas no início de seu mandato nos sentamos juntos. Essa é uma conversa que não vou esquecer. Ele perguntou: Você será capaz de criar um tipo de equivalente à Operação Moked? Moked é, naturalmente, a operação mais famosa na história da IAF: a destruição da maioria dos aviões das Forças Aéreas Egípcias e Sírias nas primeiras horas da Guerra dos Seis Dias de 1967.

“Eu disse a ele: claro. Demora anos, não é fácil, não é que tenhamos algum tipo de receita. Temos capacidade e, no final, tem que ser traduzida em planos e treinamento. Esse recurso está de volta na nossa caixa de ferramentas. Se o ativamos ou não, isso já é um assunto diferente”.

A questão é se essa capacidade pode ser uma tentação para os decisores políticos às vezes, e poderia levar o país a lugares desnecessários.

“Isso já é uma questão de contexto. Eu acho que nosso papel é criar essas ferramentas.

A força aérea de hoje oferece as capacidades às IDF e ao Estado de Israel que, na minha opinião, são sem precedentes. Existe o potencial para fazer as coisas de forma diferente. Uma estratégia diferente. Em face disso, você pode dizer: quem tem uma determinada ferramenta, cada martelo vai procurar por suas unhas. A maneira usual de pensar em relação a um ataque preventivo é que você levanta um bom dia e ataca alguém. Esse não é o evento em que vivemos. O preço estratégico de um movimento como esse seria muito alto. Mas o que acontece em uma situação de tensão, como na Guerra dos Seis Dias, com suas três semanas de espera? Os estados de tensão podem durar muito tempo. A questão é se [enquanto isso está acontecendo], você tem a capacidade de se levantar e atacar. Agora, você está tentado a usá-lo? Não estou discriminando ninguém, mas não vi alguém com pouca responsabilidade na tomada de decisões por muitos anos. Qualquer pessoa que vá para ações como essas entende que a situação em seu rastro será completamente diferente, e há preços altos a pagar. Mas o que eu vi – e eu já vi bastante – têm muita responsabilidade”.

Exercício internacional Blue Flag, liderado por Israel

Disputa sobre o Irã

A partir de 2008, mesmo antes do aumento da tensão na frente do norte, a hierarquia política e de segurança em Israel estava imersa em uma disputa que a dividiu por anos, na questão de atacar ou não as instalações nucleares iranianas. A questão foi levantada pela primeira vez para discussão no final do mandato de Ehud Olmert como primeiro ministro, particularmente pelo ministro da Defesa na época, Ehud Barak. Quando Netanyahu assumiu o cargo, em maio de 2009, ele imediatamente instruiu a IDF a acelerar os preparativos operacionais para um ataque. Em poucas palavras, uma coalizão formada por figuras seniores nos ramos de segurança agiram para restringir as ambições de ataque de Netanyahu e Barak (o último continuou a servir como ministro da Defesa na coalizão liderada pelos Likud).

A coalizão consistiu em três chefes de pessoal sucessivos (Gabi Ashkenazi, Benny Gantz e Eisenkot), dois chefes do Mossad (Meir Dagan e Tomer Pardo) e um diretor do serviço de segurança Shin Bet (Yuval Diskin). No momento em que a questão surgiu pela primeira vez, Eshel foi chefe da diretoria de planejamento do Estado-Maior. Pouco antes da morte de Meir Dagan, ele insinuou, em uma entrevista com Ilana Dayan, no programa “Fato” do Canal 2, que a oposição dos chefes dos órgãos de segurança tinha impedido os decisores políticos em várias ocasiões, quando eles pediram que as IDF preparassem uma opção prática para um ataque. No final, Netanyahu e Barak não forçaram sua visão sobre os especialistas em segurança.

Fontes de segurança que estiveram envolvidas nas discussões secretas disseram ao Haaretz que Eshel, que assumiu o cargo de comandante da IAF em maio de 2012, continuou e intensificou a agenda adotada por seus dois predecessores, Eliezer Shkedi e Ido Nehushtan — em atualizar os preparativos da força e aperfeiçoar seu funcionamento e capacidade para um ataque, enquanto expressava reservas sobre um ataque unilateral que não envolveria os americanos. Na prática, o comandante da força aérea conseguiu retirar algo que era quase contraditório. A postura da força aérea era crítica, pois seu pessoal possui a única autoridade profissional para estimar a probabilidade de sucesso de uma operação tão complexa.

Eshel concorda em comentar o assunto apenas indiretamente; Esta é a única vez na entrevista que ele parece agir com extrema cautela. “Temos responsabilidade operacional aqui”, diz ele. “Isso se destaca bruscamente na força aérea, porque há poucas pessoas que entendem essa capacidade. Nós colocamos nossa verdade profissional na mesa com muita força. O que é possível e o que é impossível. Você pergunta sobre um nível adicional, o nível estratégico: de fato é certo atacar? As discussões ocorrem em pequenos fóruns fechados. Temos o direito de expressar nossa opinião nos fóruns mais elevados. No final, alguém acima de nós decide.

“Você tenta analisar, e o Estado nem sempre diz o que quer claramente”, continua Eshel. “Você se pergunta: Ok, o que eu tenho na mão, o que posso desenvolver ou o que posso fazer para implementar o que o [Estado] quer? E agora vem a questão de saber se você é proativo ou passivo. Nós nos percebemos como pessoas que se movimentam, iniciam, persuadem. É claro que eles não são especialistas em nossas capacidades. Só nós entendemos o que sabemos como entregar, mas isso exige que conheçamos o nível estratégico, para entender as [mudanças que ocorrem regionalmente]”.

Digamos que em mais 20 anos, um historiador da força aérea pergunte qual foi o principal desafio no seu tempo. Você vai dizer-lhe que se empenhou em melhorar as capacidades de ataque ao pressionar os freios estratégicos?

“Eu não senti que freei nada [com respeito à questão iraniana]. Em nosso idioma, a frenagem significa abaixar um gancho e parar o avião. O exército não pressiona o freio. O exército afirma sua verdade profissional. Quando há processos adequados, quando o diálogo ocorre, quando você está informado sobre os diferentes ângulos e os grandes desafios … estes não são assuntos técnicos. São questões substantivas com grande influência. Com isso, você vem e descreve seu ângulo profissional. Há muitos problemas profissionais em que você diz [aos decisores políticos]: Ouça, o fato de que você quer isso está bem, mas pense um momento sobre as implicações, sobre os possíveis desenvolvimentos. Agora vamos nos perguntar se isso é o que queremos. Um processo profissional geralmente traz melhores resultados”.

O exercício internacional Blue Flag liderado por israelenses, realizado em 2015.

Novos amigos

Amir Eshel, 58, nasceu e cresceu em Ramat Gan. Ele foi recrutado em 1977 no curso de treinamento de pilotos. Posteriormente, ele comandou esquadrões de F-16 e Phantom, foi o chefe do departamento de operações da IAF, comandou as bases aéreas de Ramon e Tel Nof, e serviu como chefe de gabinete.

Nos últimos anos, a força aérea dedicou esforços consideráveis ​​para estabelecer relações mais estreitas com seus homólogos em outros países. Grécia, Chipre e Romênia. Aqui e ali, na mídia árabe e internacional, vislumbrou-se mais relações clandestinas, às quais Eshel se refere apenas de forma implícita e indireta à “diplomacia aérea” ou à criação de uma “ponte aérea”.

Nos Estados Unidos, os aviões israelenses e jordanianos participaram de exercício em paralelo, e aviões israelenses – de acordo com fontes de notícias estrangeiras – supostamente reabasteceram aviões jordanianos no meio do caminho para um exercício em Nevada. Dois anos atrás, o The Wall Street Journal informou que Israel transferiu helicópteros de combate Cobra fabricados na América para a Jordânia, depois de terem sido desativados progressivamente pela IAF. Wilayat Sinai, o ramo do Estado islâmico na Península do Sinai, acusou repetidamente Israel de usar suas aeronaves não tripuladas para atacar seu pessoal, ao serviço do Egito. É claro a partir das reportagens que as guerras no mundo árabe permitiram que Israel encontrasse novos aliados, ao longo dos contornos desses novos conflitos regionais.

Eshel confirma que, “A situação mudou, há uma convergência de interesses entre Israel e outros países da região. Vemos os mesmos inimigos olho a olho. A cooperação no ar é muito mais fácil. Existe uma linguagem comum, compreendida; existem coisas indesejáveis ​​que podem ser evitadas. A cooperação no ar está muito mais próxima do que parece do solo. Somos um instrumento dos estadistas, que pode ser rápido e facilmente Como disse o primeiro-ministro, isso cria tremendo patrimônio para o estado. Dois anos atrás, eu não teria imaginado que coisas assim acontecessem, que chegássemos aos lugares que conseguimos. Não em tal escala, não em termos de distância.”

Chefe do Estado-Maior da Força Aérea dos EUA, general David Goldfein, concede a Legião do Mérito ao Comandante da Força Aérea de Israel, comandante Major General Amir Eshel, 14 de agosto de 2017

Em cerimônia de 10 de agosto, na qual assumiu o novo comandante da IAF, Maj. Gen. Amikam Norkin, o general David Goldfein da Força Aérea dos EUA conferiu a Eshel o prêmio Legion of Merit. Durante o comando de Eshel, cerca de 15 comandantes de forças aéreas visitaram Israel.

Eshel observou o problema mais importante nos últimos 18 meses, principalmente ao lado. O pessoal da IAF esteve envolvido no confronto com o terrorismo na Cisjordânia, e o furor gerado pelo julgamento de Elor Azaria, o “atirador de Hebron”, ignorou completamente a força. Eshel está convencido de que o chefe de gabinete atuou devidamente no caso Azaria. “Havia muito pouco entendimento de que este era um evento anômalo por qualquer critério”, diz ele. “A investigação foi profissional e a resposta correta. É claro que há um fracasso profissional e uma falha moral aqui. Dois tribunais já julgaram. A habilidade de comandar os oficiais para investigar, para falar com clareza, moralmente e profissionalmente, é o coração e a alma do exército. Sem isso, vamos desmoronar. Nós podemos fechar a loja então.”

Chefe da IAF Maj. Gen. Amir Eshel com o chefe das IDF, general Gadi Eisenkot e Maj.Gen. Tamir Hayman em 2016

Os dilemas da força aérea nos territórios são de uma ordem completamente diferente. De acordo com os dados da IDF, 2.125 palestinos foram mortos na Operação Protective Edge, a mais recente guerra na Faixa de Gaza, em 2014. Houve um grande número de mortos em ataques aéreos. A IDF reconhece que havia 761 civis entre eles. No entanto, o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários argumentou que era muito maior, totalizando pelo menos 1.483.

“No nosso caso, se cometermos um erro no planejamento dos ataques, você pode chegar na manhã seguinte com 2.000 não-combatentes mortos em Gaza”, disse ele, acrescentando: “Mas quando eu busco um os dados por um momento e comparo com exércitos em outros lugares … eu não reivindico que somos mais morais do que eles são. Quando o assunto surge com os americanos, com outros membros da coalizão, os alvos do ISIS na Síria e no Iraque – estamos muito à frente nesses índices, e nosso modo de operação é altamente considerado pelos nossos colegas. Em comparação com os outros, matamos mais terroristas e matamos menos civis não combatentes.

“Eu digo isso com cuidado. Não foram poucas as campanhas nas quais recebemos críticas do exército por não sermos duros o suficiente. Eu coloquei a minha opinião com clareza: amigos, nós também somos responsáveis. Se não tivéssemos parado, talvez tivéssemos terminado com muito mais não-combatentes mortos. Essa crítica a nós é legítima. Mas eu sinto um certo orgulho precisamente pelos alvos que não atacamos e não autorizamos – mesmo que a missão da força seja atacar e vencer”.

Durante a guerra, Gideon Levy publicou uma coluna extremamente crítica sobre a força aérea neste artigo. Publicado em 15 de julho de 2014, foi intitulado, em hebraico, “O pior para a força aérea” [uma brincadeira com o emblema icônico, “O melhor para a força aérea”; título no site da edição inglesa: “Ações mais baixas das alturas mais altas”].

Uma família palestina se senta em sua casa destruída na cidade de Gaza, que foi atacada por Israel durante a Operação Protective Edge, setembro de 2014. Anne Paq – Activestills.org

Eshel: “Isso beliscou e esfaqueou. Não gostei do que ele escreveu, mas é parte da liberdade de expressão. Depois que a peça apareceu, manifestantes vestindo vestidos brancos manchados de sangue apareceram no portão da base de Hatzor, durante a guerra. Mas, no final, nosso papel é defender todos.

“O tipo de confronto não vai mudar nas próximas campanhas, não em Gaza e especialmente no Líbano. Essa é a minha hipótese de trabalho. Vai se tornar mais intenso do que foi até agora. Eu terei que tomar uma decisão de atacar uma casa, porque há dois foguetes nela que serão disparados contra Israel em algum momento, ou talvez não acertá-la, porque talvez eu prejudique civis inimigos. Todos os casos foram examinados no nível de contexto e proporcionalidade. Isso é uma decisão – uma decisão moral destinada a defender os moradores do país. Eu sei que existem foguetes lá, e eu sei que também há uma família lá. E agora eu tenho que decidir o que fazer se houver um foguete que atinja a mesma casa em Israel, onde há uma família ou quatro famílias. Esses são os dilemas. E eu vou ter que me perguntar o que estamos fazendo nesse caso. O que dissemos antes do confronto, durante a guerra. O significado que adotamos.

“É claro para mim que não seremos capazes de evitar isso inteiramente, não há dúvida disso. Daí a minha recomendação ao povo do Líbano – você já ouviu isso centenas de vezes: eles sabem exatamente o que eles têm em casa, em aldeias do Hezbollah no sul do Líbano – e avisaremos para não ficarem em casa. Aqueles que não ficarem em casa vão sobreviver. Não vamos prejudicá-los. Eles têm que entender que o Hezbollah casou-se com esses meios (de combate), e não podemos ajudá-los. Não teremos escolha senão agir. Não seremos capazes de deixar Israel indefeso quando milhares de foguetes por dia estão sendo lançados no país. Quem pensa que vamos esperar três semanas antes de tomar medidas – não será o caso.

“Nossa inteligência continua a melhorar, e os braços tornam-se mais precisos, também. Mas a luta no setor setentrional será mais importante do que a palavra, tanto aqui como aí. Não falo sobre anarquia moral. Isso não acontecerá “.
Eshel também observa uma grande melhora na capacidade da IAF de atacar alvos dentro de um tempo limitado – aumentou em um fator de 4 a 5 em poucos anos. A força também aumentou a interoperabilidade com as forças de terra, em meio ao combate cerrado com os inimigos, permitindo que estes sejam atacados pelas forças que ameaçam as unidades das IDF, mesmo em áreas densamente construídas.

Ao mesmo tempo, a capacidade de interceptação foi aprimorada. Desde 2011, quando os foguetes foram disparados da Faixa de Gaza, 1.320 foram interceptados, com uma taxa de sucesso de 90 por cento para o sistema Iron Dome (e pelo menos em um caso, o sistema Arrow). Disparos também se originaram do Líbano, Síria e Sinai. Além disso, nos últimos cinco anos, 10 UAVs de vários países que infiltrarams-se no espaço aéreo israelense  foram abatidos. Em contrapartida, a força aérea continua buscando soluções para como responder ofensivamente a foguetes de curto alcance. Em tempo de guerra, o Hezbollah desdobrou-se no coração de aldeias lotadas no sul do Líbano.

Nesta foto de 29 de julho de 2014, fumaça e fogo de um ataque israelense sobre a cidade de Gaza. Hatem Moussa – AP

A força aérea pode continuar operando sob a ofensiva de milhares de mísseis e foguetes do Líbano?

“A questão é que será impossível parar a força aérea. Não porque eu emiti uma determinada ordem. Realizamos inúmeras análises. Há muito voodoo aqui, e muitos receios, e isso é perfeitamente normal. Não há ninguém mais preocupado do que nós – que surpreendemos o outro lado na Guerra dos Seis Dias – de que algo similar ocorra na direção oposta. Especialistas civis em análise de desempenho revisaram nossos pressupostos básicos e disseram que somos muito conservadores”.

F-35 de Israel

 

No final de 2016, a força aérea recebeu seus primeiros caças F-35 dos EUA — os aviões mais caros que Israel já comprou. Eshel voou a aeronave 10 vezes nos últimos meses. A liderança da IAF, incluindo Ido Nehushtan, apoiou inequivocamente a controversa aquisição. A integração do avião, diz Eshel, será um “evento totalmente diferente” do ponto de vista da força aérea.

“Eu não olho para ele apenas como um avião e capacidade”, explica. “Antes que o avião fosse recebido, pensávamos em como adaptar a força aérea ao caça de quinta geração, e não o oposto. Se tivéssemos feito o contrário, teríamos apenas diminuído as capacidades do avião. Você precisa olhar para ele em um nível de todo o sistema. Como o F-35 torna os outros aviões muito mais efetivos, a informação que compartilha com os centros de comando, como eles podem fazer muito mais do que essa informação. Isso vai além do fato de que ele pode operar em lugares em que nenhum outro avião pode”.

Várias reportagens da mídia americana dizem que o avião é um elefante branco que vai implodir, que o projeto está cheio de obstáculos e é o mais caro da história. E sua resposta é de que elas são “tolices”?

“[Os americanos] embarcaram em algo muito ambicioso em suas capacidades. Já vimos o que esse avião tem. Nem tudo é perfeito. Há coisas que você aprende ao longo do caminho. Esse foi o caso com cada avião que adquirimos. Mas quando você decola da base de Nevatim, não pode acreditar. A 5.000 pés, todo o Oriente Médio está ali para você no cockpit. Você vê as coisas, é impensável.

Pilotos americanos que nos visitam porque voam sobre o Arizona ou a Flórida, e aqui, de repente, vêem o Oriente Médio como uma zona de combate — as ameaças, os diferentes combatentes, de perto e longe. Só então você compreende o enorme potencial desta máquina. Nós já estamos vendo isso com nossos olhos.”

FONTE: HAARETZ

48
Deixe um comentário

avatar
47 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
24 Comment authors
Delfim SobreiraangelohammadjrJeffAlexandre Galante Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Interessante entrevista de um ex-comandante de uma força aérea altamente profissional, certamente a melhor treinada do mundo.

carcara_br
Visitante
carcara_br

Individualmente pode não ser um grande caça, mas operando dentro de um sistema de quinta geração o F-35 já demonstrou capacidades incríveis!

Acho que israel teve que engolir a Russia no final das contas, espero que não ocorram conflitos quando as forças russas deixarem a região…

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Carcará, lembra quando nossas mães diziam que “quando um não quer dois não brigam”? Esse é o caso! Nem Rússia e tampouco Israel querem confusão um com o outro. E os interesses de ambos os países convergem quando se trata do Hezbolah como atesta a inação russa ante aos ataques israelenses contra esse grupo terrorista.

Guizmo
Visitante
Guizmo

Um país exemplar, sua força aérea é reflexo da mentalidade e seriedade de seus cidadãos no cumprimento de suas funções.

sub-urbano
Visitante
sub-urbano

Israel depende de airlift americano para uma guerra com mais de 3 meses de duração. Isso ocorreu em 73.

Israel é um Conor Mcgregor, é bom no que se propõe, vence qualquer um do tamanho dele, mas a Russia é um peso-pesado. É outra categoria.

A melhor solução para Israel é se tornar o 51º estado americano. Isso já foi ventilado, não estou brincando.

A bomba atômica deles é outra mentira fruto de desinformação profissional. Seriam o primeiro país a desenvolver um nuke sem nunca ter testado um nuke.

cwb
Visitante
cwb

Acho que tio jacó irá tirar coelhos da cartola quando começar a descobrir os potenciais desta aeronave

cwb
Visitante
cwb

Acho que o f-35 irá começar a atingir seu real potencial na força aérea de Israel

cwb
Visitante
cwb

Pelo que eu li na trilogia a bomba foi testada no oceano indico.Favor me corrigir se estiver errado.

sub-urbano
Visitante
sub-urbano

cwb – aquela bomba era da Africa do Sul

Renato de Mello Machado
Visitante
Renato de Mello Machado

A bomba poderia ser testada em outro lugar,ou simplesmente fornecida pelos EUA.Israel é uma simples base americana.Sem os EUA lutariam mas logo seria subjugados,pois em Israel invadiu alguns KM’s invadiu o país todo.Esse negócio de povo e tropa treinada é besteira,uma grande perda lá já seria fatal.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

É tanta besteira que uns e outros dizem aqui que somente restar dar risadas. Quer dizer que em 1973 Israel dependeu de ponte aérea dos EUA? E os países árabes? Ah! Eu sempre me esqueço que na oportunidade o presidente argelino foi à Moscou e ouviu dos russos que tudo o que os árabes estavam fazendo era entregar as armas a Israel. E as bombas atômicas israelenses são tão reais que até interferiram em um satélite dos EUA (Vela incident).

Ps: Sub-urbano (ou seria melhor subdesenvolvido) acho que você é o sedizente Relojoeiro que sempre passa vergonha em outros sites.

Antonio M
Visitante
Antonio M

Sempre há um sentimento esquerdista que quer rebaixar Israel a mero subserviente americano mas, são muito mais do que isso. Um país que caberia dezenas de vezes dentro do Brasil que “se não consegue enfrentar ameaças por 3 meses”, não aguentaríamos a mesma por 3 segundos. Além disso tem de enfrentar até a ONU, que 85% de suas resoluções são contra Israel, como bem lembrado pelo Roberto, neste vídeo da Prager U https://www.youtube.com/watch?v=_Q8QF-Q0hOY

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

Quanto aos Russos, Israel mantém ótimas relações em dupla mão. É o maior exportador de frutas, legumes e hortaliças para o Urso depois da Turquia. Não haverá rusgas, sem chance. Não é por este motivo, mas mísseis balísticos Jericho iii deram outro status a Israel. __________________________________ Guizmo 22 de outubro de 2017 at 17:21 Onde assino ? __________________________________ Excelente Tema-Tópico e texto, PARABÉNS AOS EDITORES. __________________________________ “…. No sentido técnico, reduzimos a possibilidade de que isso aconteça. Nós sabemos como se comunicar. Nós não coordenamos nossa atividade com os russos com antecedência. E nem dizemos o que vamos fazer [na… Read more »

Guizmo
Visitante
Guizmo

Eu sou cristão e neto de libaneses, mas tiro meu chapéu para Israel e seu povo. Quem critica, achando que são uma colônia americana, não conhece sua história, não conhece o potencial do país. Desconhece todo desenvolvimento científico e tecnológico autoral, nascido no país. Esquece que milhares de palestinos são empregados e ganham a vida graças a Israel.
E essas comparações a lá Corinthians x Palmeiras, dizendo que a Mãe Rússia ganharia na chave de braço, me dá preguiça só de ler

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares
Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Considerações: 1- Israel se especializou em ataque cirúrgico, só que isso só funciona contra cachorro morto ou quase. Pois qualquer ataque militar dentro do território de outro país se trata de uma declaração de guerra. O que se tem visto é tanto EUA, Rússia, Israel e OTAN se valerem de ataques aéreos (chamados de cirúrgicos – politicamente mais corretos) contra adversários sem nenhuma possibilidade de revide a altura. Nada portanto que esteja fora de uma lógica de resultados positivos para esses atacantes. Assim (faltando uma lógica inflexível apontando para o lado positivo), o tão esperado ataque israelense contundente contra as… Read more »

Mikhail Bakunin
Visitante
Mikhail Bakunin

sub-urbano@22 de outubro de 2017 at 17:32
Incidente Vela

PRAEFECTUS
Visitante
PRAEFECTUS

Meus caros, é adimiravél a seriedade, clareza de raciocinio demonstrada pelo General. Absolutamente ciente da realidade que se insere o Estado de Israel. Lideranças assim, fazem toda diferença. Israel, costumo dizer que é o umbigo da Terra… Não preciso me estender aqui, sobre as qualidade das Forças Armadas de Israel, porque isso já é notório em toda a Terra. Alguém disse em outra postagem, que os EUA, estariam colhendo informações valiosas a partir da operação por parte de Israel, do F-35. Isso é evidente, e fica bem claro essa informação, quando o General relata na entrevista a diferença que pilotos… Read more »

sub-urbano
Visitante
sub-urbano

hms tireless

O Vela Incident foi da bomba sul africana que tem fotos e provas que existiu.

A bomba israelense é baseada em recortes de jornal e notícias plantadas por aí.

Vc parece membro de um fã clube pró-Israel. Relaxa cara, eles nem sabem que vc existe. rsrs

Mikhail Bakunin
Visitante
Mikhail Bakunin

O teste foi conjunto de Israel e SA, havia intensa cooperação militar, visível nos Cheetah/Kafir e nos misseis balisticos

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

O Maj General utiliza várias vezes a expressão “martelo”,
faz parte de um ditado na comunidade.
____________________________________

Mikhail Bakunin

“A maça não cai longe da árvore.”
____________________________________

Caro Guizmo

“Se quiser que os outros pensem que você é muito inteligente, simplesmente concorde com eles.”

Provérbios Israeli
Paz

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Meu caro subdesenvolvido, os sul africanos desenvolveram sua bomba com auxílio israelense como fazem prova diversos documentos desclassificados pelo governo sul africano. E o teste do Incidente Vela foi conjunto entre África do Sul e Israel.

jonas Bloch
Visitante
jonas Bloch

A Coreia do Norte também não tem bomba atômica. Israel também não.

sub-urbano
Visitante
sub-urbano

Meu caro Fanboy Israelzete… – Não existe nenhuma prova de que Israel tenha armas nucleares. – A Africa do Sul teve armas nucleares, existem inclusive fotos dessas armas e uma investigação da ONU a respeito. – Os nukes israelenses são pura teoria da conspiração. – A miniaturização de um Nuke é um desenvolvimento complexo, que chama atenção, todos os países que desenvolveram isso fizeram inúmeros testes. Só os USA fizeram mais de 1.000 testes nucleares. A Coréia do Norte já fez 6 e mal conseguiu colocar uma ogiva em um míssil. – Mas acredita nisso aí quem quiser. – Até… Read more »

sub-urbano
Visitante
sub-urbano

Afinal, qual a função de um Nuke?

É dissuasão, é você ter e os outros saberem que você tem.

Israel não tem e plantou por aí que tem para assustar seus vizinhos.

Israel está negociando uma base americana em seu território.

Que diabos um país com armas nucleares e mísseis balísticos com capacidade MIRV precisa de uma base estrangeira para protegê-los?

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares
HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Típico de subdesenvolvido é querer brigar com os fatos. EUA, Rússia, China, França e GB, todos potências nucleares e com serviços secretos eficientes, reconhecem Israel como potência nuclear. A África do Sul reconhece com todas as letras que desenvolveu suas armas nucleares com auxílio israelense. O regime fascista iraniano grita para quem quiser ouvir que Israel tem armas nucleares. E ainda assim o subdesenvolvido diz que não passa de teoria da conspiração…..😉

Augusto
Visitante
Augusto

Israel não atacou o Irã por causa do acordo nuclear e qualquer desvio do acordo por parte do Irã e não resolução por meios diplomáticos Israel atacará como um outro israelense falou lá reportagem lá do forte os S;-alguma número não faram diferença

helio
Visitante
helio

Amigos, Tamanhos sempre será documento, não só da tropa, mas da economia. Israel depende sim dos EUA mas que dependência!!! Ser dependente não significa, aqui neste contexto, não ser independente. Eles poderiam apenas se sentar no berço esplêndido da ajuda norte-americana desfrutar da aliança mais do que estratégica… Mas não!! Israel sempre avança para além de ser um mero assistido pelos EUA, e o resultado é o que assistimos fazem 25/30 anos: um pequeno país, cercado de “inimigos”, em permanente estado de beligerância, que construiu e mantém forças armadas treinadíssimas, com doutrina irrepreensível, cadeia de comando e de decisão exemplar.… Read more »

Bavaria Lion
Visitante

A melhor decisão é sempre pela paz, com atuação cirurgica para resolver o problema. Israel ensina isso desde sempre…

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Helio, a doutrina militar israelense se funda em dois pilares básicos: as guerras precisam ser rápidas e travadas no território do inimigo.

CET
Visitante
CET

” Pequena quadrilha internacional sem raízes, que promove a discórdia entre os povos e não permite que o mundo viva em paz”.

helio
Visitante
helio

HMS TIRELESS 23 de outubro de 2017 at 11:27 , exato.

O que eu quis dizer é que se dependessem apenas da ajuda que recebem, já teriam sucumbido. São altamente profissionais, e sabem muito bem onde estão , do que são capazes e conhecem bem os potenciais inimigos. Sem mi mi mi, se politicagens, sem rodeios.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Helio, 10:38h, traduziu tudo em poucas palavras. Excelente.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Plamber 23 de outubro de 2017 at 12:27

E você está chorando por antecipação caso alguém por ventura venha falar mal da “Mãe Rússia”…rs!

Tiago Jeronimo ☠ (@TiagoJL)
Visitante

Rega nº 01 da internet que o pessoal por aqui esquece de seguir: DO. NOT. FEED. THE. TROLLS.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Tiago Jeronimo ☠ (@TiagoJL) 23 de outubro de 2017 at 13:29

Realmente você está certo! O problema é que essa turminha quer transformar o site em plenária do grêmio estudantil.

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Antonio M, Israel é a Disneylândia dos EUA na economia financeira e bancária e o melhor tentáculo no Oriente médio. Por essa razão o Estado de Israel é o protegido número 1 dos EUA.

Jeff
Visitante
Jeff

Eu gostaria muito que o Brasil possuísse as armas nucleares que Israel não possui. Mas com certeza não temos a seriedade necessária para comandar um arsenal deste tipo.

Ivanmc
Visitante
Ivanmc

Alexandre Galante 23 de outubro de 2017 at 14:35.
.
Ok. Mas não foi o meu objetivo em criticar o Estado de Israel. Eu admiro e sou a favor da causa. Já fui 2 vezes para Israel e fui muito bem recebido em Jerusalém e diversas cidades. E quando me aposentar vou passar um ano em Tel Aviv.
Alexandre Galante, desculpa qualquer coisa.

HMS TIRELESS
Visitante
HMS TIRELESS

Ivanmc 23 de outubro de 2017 at 16:30

Não foi para você e sim para outras pessoas que fizeram comentários inclusive carregados de antissemitismo. Fica frio!

Carlos Alberto Soares
Visitante
Carlos Alberto Soares

helio 23 de outubro de 2017 at 10:38
Perfeito.
_______________________________

Alexandre Galante
Perfeito.
Adonai Shalom

hammadjr
Visitante
hammadjr

Assalam Aleikum para quem entende, não atacou os Persas porque sabiam e sabe que tio jacó só bate em cachorro magro, lá a coisa é bem mais séria e porque no final da equação o resultado seria duvidoso.

angelo
Visitante

Achei o artigo excelente independente de opiniões pessoais pois mostra a importância de ponderarmos nossas ações independente de nossas capacidades.

CET
Visitante
CET

Acho engraçado a posição dos judeus aqui neste espaço, se o Brasil entrasse numa guerra contra Israel eles ficariam do lado da pátria a quem eles devem de fato lealdade.

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

Coisas que passaram batido e vcs não perceberam : 1-“Eshel foi recrutado”, o que significa que ele não se alistou : em Israel os melhores alunos em Matemática são recrutados pela IAF. E diga-se de passagem, são askhenazis. Não que sefardis sejam burros, mas Israel foi fundado por judeus europeus, e quando os primeiros sefardis pobres e morenos vieram do Iêmem foi um escândalo. Porrisso que o marrano aqui não se interessa pelo “retorno”. . 2-A questão não é se Israel tem ou não condições de atacar o Irã, e sim, porque não atacou se as tem. Com certeza alguns… Read more »