Jatos QF-4 aguardando o chamado para a última missão

Ninguém quer acabar sua carreira por baixo.

Muitas vezes, os atletas profissionais vão se aposentar anos mais cedo para evitar terminar sua carreira como alguém que mal contribuiu para a equipe.

Para muitos guerreiros espartanos na Grécia antiga, eles preferiam morrer em batalha do que viver para se tornar um homem velho, desaparecendo até morrerem. Para alguns pilotos, ver seus antigos aviões parados e acumulando poeira no “boneyard” em Tucson, Arizona, parece que parte deles está fazendo o mesmo.

Mas esperar para morrer no 309th Aerospace Maintenance and Regeneration Group não é a única opção para uma aeronave aposentada.

Por exemplo, o F-4 Phantom II pode terminar sua vida ajudando os outros.

Desde 1995, membros do 82nd Aerial Target Squadron na Base da Força Aérea de Tyndall, na Flórida, tiraram os F-4 do deserto e os converteram em aeronaves pilotadas remotamente para um propósito: serem explodidas.

Bem, isso é colocá-lo em termos leigos.

Na verdade, eles estão desempenhando o papel de combatentes inimigos, voando surtidas de treinamento sobre a Costa do Golfo da Flórida, enquanto aeronaves militares testam suas habilidades através do engajamento com munições reais.

Míssil AMRAAM sendo transportado para armar um F-16 que depois o lançará contra um drone QF-4

Os principais clientes do 82º ATS são os pilotos que participam do Combat Archer (Arqueiro de Combate) — um exercício que a base aérea de Tyndall recebe cerca de 40 vezes ao ano, trazendo outros esquadrões de todo o país, incluindo a Guarda Aérea Nacional, reservas e outras agências, disse o major Jeffrey Rivers , Diretor de operações do 83rd Fighter Weapons Squadron, a unidade que realiza o Combat Archer.

Durante este exercício, o pessoal do esquadrão verifica o desempenho do sistema de armas, determina a confiabilidade, avalia a capacidade e as limitações, identifica deficiências, recomenda ações corretivas e mantém os dados de combate da Força Aérea ao disparar mísseis nos QF-4 ou nos alvos menores de subescala reutilizáveis.

Durante a Guerra do Vietnã, os pilotos tiveram pouca ou nenhuma experiência disparando mísseis, e foram realizados muito poucos testes sobre como as aeronaves e o míssil se comportam quando são reunidos para ação, disse Steve Davis, o diretor do programa do contrato no esquadrão de alvos aéreos da Tyndall AFB e um sargento sênior aposentado com mais de 27 anos de experiência como chefe de equipe.

Como resultado das preocupações no Vietnã, o Combat Archer foi organizado para ajudar os pilotos a ganhar confiança e a praticar com sucesso disparando armas em alvos aéreos.

Míssil ar-ar BVR AIM-120 AMRAAM de combate, sem as aletas, à espera para armar um caça na Combat Archer

“Cada tiro que você dá constrói mais confiança”, disse Rivers. “Ao saber como se parece um míssil válido quando sai do seu avião, você sabe o que parece quando um míssil está tendo problemas e precisa lançar outro”.

Como resultado de consistentemente não ver o resultado que os pilotos queriam de seus mísseis, uma lei foi passada, tornando obrigatório que os mísseis sejam testados antes de serem empregados na batalha. Estes testes dão à Força Aérea os dados necessários para ter plena fé no sistema de mísseis, ao mesmo tempo em que oferece aos pilotos a experiência de saber como se sente ao disparar um míssil em um alvo aéreo.

“Eles decretaram no Título 10 do Código dos Estados Unidos que rege as Forças Armadas, para estabelecer um teste de todos os sistemas de mísseis”, disse Davis. “Então, quando colocamos um míssil em qualquer um dos nossos caças, saberemos com confiança que esses mísseis atingirão alvos. E é aí que começamos.

Um par de QF-4 Phantoms preparado para a missão na Tyndall Air Force Base. Os aviões serão derrubados por pilotos participantes do exercício Combat Archer

Guardados em uma pista remota, apelidada de “droneway”, vários QF-4s pegam algum sol da tarde enquanto aguardam sua última chamada — a última missão da Tyndall AFB para o alvo aéreo QF-4.

Deslizando sua mão ao longo da estrutura cinzenta, aço americano cru despojado de sua tinta, Davis sente a história fluir através de suas mãos e em suas veias.

“A pintura conta uma história”, ele diz em voz alta, percebendo dezenas de selos, significando cada rodada programada de manutenção realizada na aeronave enquanto está armazenada no boneyard.

“Muitos desses caças ainda têm suas marcas”, disse Davis. “Elas contam uma longa vida ativa. Tudo conta uma história. A maioria dessas aeronaves foi usada na Guerra do Vietnã, e há muita história nisso”.

Ele pensa em uma última despedida, uma vez que um dos QF-4s recebe a chamada e o taxia até o final da pista para o seu voo final antes de ser derrubado no Golfo — “você sempre quis morrer em glória”.

Embora essas aeronaves não estejam encontrando sua morte no campo de batalha, suas contribuições finais aumentarão as chances de que os pilotos americanos também não encontrem.

Bem, isso é diferente

Um membro do 82º Esquadrão de Alvos Aéreos na Tyndall AFB, na Flórida, realiza as verificações do motor no QF-4 Phantom antes de uma missão. Uma vez que as verificações do motor estejam concluídas, ele deixa o cockpit vazio e fecha o canopy, deixando o avião sobr controle do piloto remoto

Desde que a missão aérea oficial de alvos começou durante a Guerra do Vietnã, o programa viu muitas mudanças de aeronaves, incluindo a conversão do F-106 Delta Dart, F-100 Super Saber, F-102 Delta Dagger e o F-4 (e atualmente o QF-16) em aviões de caça remotamente pilotados.

Enquanto os elementos do programa são complexos, o conceito é bastante simples.

Quando um QF-4 está programado para uma missão, os chefes de tripulação civis preparam a aeronave de forma semelhante a qualquer avião de combate normal, iniciando os motores e realizando verificações de teste dos sistemas, com algumas pequenas diferenças.

“Nós temos chefes de equipe que deixam esse avião pronto, e nós temos uma certa etapa em que passamos a aeronave para o piloto que está em um local remoto”, disse Davis.

A partir desse ponto, as coisas ficam interessantes.

Desde 1995, os membros do 82º Esquadrão de Alvos Aéreos da Tyndall AFB, Flórida, levaram os F-4 do Boneyard e os converteram em aviões com controle remoto, projetados para serem derrubados por pilotos em exercícios de treinamento

Uma vez que a aeronave é considerada aeronavegável pelo piloto, que está sentado em uma sala mal iluminada do outro lado da base, olhando para os painéis de instrumentos, “saímos do cockpit, fechamos o canopy e nos afastamos”, disse Davis.

Quando o chefe da equipe se afasta do QF-4, o piloto remoto assume o controle da aeronave e, em poucos minutos, decola para o encontro com um míssil e o fundo do Golfo.

Embora tenham passado cerca de quatro décadas desde que Gene McCormick viu pela primeira vez um avião de combate decolar sem um piloto, é uma imagem gravada em sua memória.

“A primeira vez que eu saí de Eglin (Base da Força Aérea, Flórida) e vi uma missão não tripulada é algo que ainda me lembro claramente”, disse McCormick, um piloto de caça aposentado e um membro do programa de alvos aéreos. “O drone decolou — um bonito F-104 totalmente alaranjado — e foi derrubado. E os rapazes simplesmente foram embora. Eu disse: “Desculpe, mas vocês vão deixar seu avião desaparecer assim.” Eles disseram: “É nossa missão. É um alvo. “Você deve aceitar isso. É o preço da paz “.

De acordo com McCormick, às vezes é difícil para os pilotos aceitarem esse destino para suas aeronaves, ao contrário dos pilotos que conheceu em Eglin décadas atrás.

A relação entre um piloto e uma aeronave vai além de um mestre e uma ferramenta. É um relacionamento verdadeiro, com sentimentos que permanecem.

“É como se estivessem atirando em seu cachorro, eu acho. Você ama o avião”, disse McCormick. “Você tem uma ligação pessoal”.

Compreendendo esse relacionamento, McCormick mantém um registro mestre de cada QF-4, para que ele possa informar os aviadores que tiveram conexão com um F-4 específico.

“Eu tenho uma lista principal de números de cauda. Quando eles me ligam e me dão um número de cauda, ​​eu posso procurar os dados, e dizer: “Este QF-4 foi abatido nesta data com este míssil.” Isso faz as pessoas se sentirem melhor quando você sabe como e por quê. As pessoas ainda choram”.

Um abate, dezenas de pessoas salvas

Um QF-4 parte para a sua última missão, ser abatido por um míssil sobre o Golfo do México

A primeira vez que alguém vê o QF-4 decolar, seus motores traseiros iluminados com chamas, como um ônibus espacial, é impressionante. É barulhento o suficiente para fazer com que o estômago de uma pessoa se agite pela potência. Os motores gêmeos traseiros gritam um som grave e profundo como em um concerto.

Mas a sensação de admiração rapidamente se transforma em desapontamento na constatação de que há uma boa chance de que o avião não volte.

Esse sentimento de decepção pode ser atenuado pelo entendimento do propósito do sacrifício da aeronave.

“Quando vemos um QF-4 voltar com o dano de batalha, isso diz muito para este programa”, disse Davis, observando que não é incomum para os caças serem incapazes de abater a aeronave. “Esse míssil não foi eficaz. Não abateu essa aeronave. Se fosse um adversário, eles teriam pousado naquele avião, fariam alguns reparos em danos de batalha e voltariam para o combate.

“Esse míssil não funcionou; Não fez o seu trabalho”.

Um míssil AIM-120 sai do trilho de um F-16 durante o exercício Combat Archer

Como resultado de dados e análises capturados durante essas missões, as atualizações são feitas nos sistemas de mísseis sempre que o desempenho deficiente consistente tenha sido demonstrado, disse Davis. É comum, após meses de atualização, que os mísseis voltem para a segunda rodada mais bem sucedida.

“Nós vemos mísseis que não estavam funcionando nas primeiras etapas de tiros, e dentro de seis meses de trabalho neles, é um abate seguro”, disse Davis. “Você não pode fazer isso com um computador. Você precisa de um alvo real.”

Quando um QF-4 é encarregado de uma missão para a Combat Archer, ele normalmente está voando contra um piloto da Força Aérea, da Marinha ou dos Fuzileiros, que está experimentando pela primeira vez o que é realmente disparar um míssil em um alvo, enquanto outros no solo estão testando e estudando a eficácia do míssil.

“Isso os coloca sob a pressão de disparar um míssil, sendo observados, e levando broncas”, disse McCormick. “Ele desempenha um papel importante no mundo operacional”.

Os cenários que os pilotos experimentam durante a Combat Archer variam, mas o programa pretende replicar algo que eles possam experimentar no futuro.

Armeiros da 177ª Fighter Wing, New Jersey Air National Guard, preparam-se para carregar mísseis AIM-120 até os F-16 Fighting Falcons na Base da Força Aérea de Tyndall, durante o exercício Combat Archer

“Nós levamos a tripulação dos aviões e os colocamos em uma situação em que eles estão indo contra um alvo e eles realmente disparam um míssil verdadeiro de seus aviões, onde eles conseguem o som e a sensação de quando esse míssil sai”, disse o capitão Jeffrey Rivers, o diretor de Operações do 83rd Fighter Weapons Squadron — a unidade que conduz o Combat Archer. “Nós pegamos todo o treinamento que eles tiveram neste momento; eles estão preparados para o combate e agora tudo o que fazemos é aquela parte do tiro real para dar-lhes essa experiência”.

Com o sucesso do Combat Archer e do 82nd ATS, outros ramos das Forças Armadas também solicitaram o treinamento.

“As pessoas seguem toda a carreira da Marinha, talvez atirando apenas um míssil … às vezes sem atirar nenhum”, disse o tenente da Marinha Bobby Hallum, do Esquadrão VFA-31 em Norfolk, Virgínia, um dia depois de ter lançado seu primeiro míssil.

Para Hallum, disparar um míssil é algo que um simulador não consegue replicar. Tendo essa experiência reduzido suas preocupações com o desconhecido, se ele um dia precisar disparar um míssil contra um inimigo.

“Você não quer se surpreender com o míssil demorando um pouco para sair do seu avião”, disse ele. Há muitas coisas que devem acontecer para o lançamento do míssil. Você quer estar confiante em seus sistemas, ter confiança em sua aeronave e confiar em si mesmo que você pode fazer o trabalho quando chegar a hora “.

Rivers ainda lembra do seu primeiro míssil saindo do trilho, referindo-se à experiência como “espetacular”.

Este treinamento serviu Rivers bem, tendo quase que aplicá-lo pouco depois de participar do Combat Archer.

Enquanto estava estacionado na Europa, a missão diária de Rivers era policiar os céus da Islândia e dos Bálticos. Durante um voo, ele teve que interceptar uma aeronave russa sobre as águas internacionais.

“Estive perto de aviões russos com munições reais”, disse ele. “Se alguma coisa acontecesse onde me pediram para tirar fotos, tendo passado por este programa, tinha a confiança de saber se meus mísseis iriam funcionar. Se não funcionassem, eu saberia logo, então eu poderia transitar imediatamente para outro procedimento”.

Agora a USAF emprega drones QF-16 como alvos aéreos

À medida que o sol se põe no programa QF-4 na Tyndall AFB, os F-16 estão se alinhando para sair do boneyard.

Começando oficialmente no Outono de 2015, 13 drones QF-16s foram para Tyndall, permitindo que o programa reflita melhor o adversário potencial.

“Nós queremos atirar contra aviões reais — aeronaves que têm o tamanho apropriado, além de nos dar o retorno adequado no radar”, disse Rivers. “O tamanho do alvo, o retorno do radar e a manobrabilidade, bem como a atual ameaça de alto desempenho, é muito melhor representada pelo QF-16”.

Para Rivers, ter um avião de combate armazenado, esperando para morrer, vai contra a mentalidade do guerreiro.

“Se esses aviões fossem humanos, eles poderiam ir para o asilo dos idosos e simplesmente desaparecer e morrer”, ele disse, com seus olhos se iluminando. “Ou você pode morrer a morte de um espartano — a morte de um guerreiro. Isso é o que esses alvos aéreos em escala completa (RPAs) estão fazendo”.

FONTE/FOTOS: Airman Magazine, 13 de julho de 2015/USAF — Tradução e adaptação do Poder Aéreo

16
Deixe um comentário

avatar
16 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
15 Comment authors
Rodrigo FigueiredoLeandro CostaAlexandre GalanteDelfim SobreiraRedel FN Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Tallguiese
Visitante
Tallguiese

Vendo esta materia, logo penso! Seria possivel converter velhos xavantes, miragens ou tucanos como alvo aereo? Ha ta, esqueci. Não temos muitos misseis para treinar. E para usa los para este tipos de exercicos tos que esperar o poucos que temos estar perto de vencer. Hoo pobreza….

carcara-br
Visitante
carcara-br

Épico! E revelador…

Guilherme Poggio
Editor
Famed Member

Parabéns pela tradução, Galante!

sergio ribamar ferreira
Visitante
sergio ribamar ferreira

Confirmado: estamos 50 anos atrasados. (sem pesquisa, sem conhecimento, sem desenvolvimento). Não tem vontade política para tirar o país do buraco. Digam o que quiserem, porém observemos os EUA, Rússia China… países que são protagonistas,(senhores da guerra) Enquanto nós continuaremos na periferia, à margem de tudo. Assisto ao programa chamado obras do nazismo e comparo como um país como à Alemanha adquiriu em pouco tempo uma tecnologia e enfrentou quase a totalidade do mundo por cinco anos até sucumbir na 2ª GM. Um país cujo território maior um pouco do que Alagoas.( sem pesquisar espaço geográfico). É de dá dó… Read more »

Marcelo Andrade
Visitante
Marcelo Andrade

Calma gente!! Ninguém vê Inglaterra, França, Alemanha, Rússia, China, etc. utilizando aviões antigos ou retirados de serviços sendo usados como drones.

Os EUA tem muitos aviões mantidos no deserto e , apesar deste uso inédito, não acho que seja uma opção barata, o uso de drone alvos específicos é mais barato.

Salvo melhor juízo!!!

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

“Ou você pode morrer a morte de um espartano — a morte de um guerreiro. Isso é o que esses alvos aéreos em escala completa (RPAs) estão fazendo”.
.
What a load of bulls… Como diriam os americanos. Se eles fossem morrer a morte de um espartano, estariam armados e revidando o ataque…

Leonardo M.
Visitante
Leonardo M.

Bem que os F5 quando derem baixa podem servir de tiro ao alvo.
Seria uma ótima utilidade para eles.
Os Mirages também …

Dudu
Visitante
Dudu

Será que podemos trocar : pegamos alguns f-16 e entregamos nossos f-5, xavante e mirage 2000 com uma pequena volta…

André Luiz.'.
Visitante
André Luiz.'.

Muito boa a matéria! Tivesse eu alcançado meu sonho de criança, de me tornar ‘caçador’, e fosse um caça que eu pilotei convertido para alvo de tiro, eu me sentiria exatamente como falado no texto: um misto de tristeza — pela perda de um amigo! — com um certo orgulho pela ‘morte honrosa’ dele!

Jeff
Visitante
Jeff

Interessante essa imagem que aparece nos 2:50min do vídeo, seria a formação de imagem do míssil??
.
PS.: Usem os drones da PF como alvos, senão vão morrer enferrujados lá no depósito. Que triste isso.

Redel FN
Visitante
Redel FN

Bela matéria, muito boa tradução.

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

Fico pensando, teremos drones para testar os mísseis A-Darter ?

Delfim Sobreira
Visitante
Delfim Sobreira

E o AIM-9X que pagou mico para um Su-22 ? Foi bem testado, né ?
Drones manobram, acionam chaffs, flares e jamming ?

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Sim, os drones manobram. Mesmo quando ainda não usavam aeronaves ‘Q’ e usavam drones menores, eles já manobravam e tentam tornar a vida do piloto de caça ‘atirador’ mais difícil possível.

Rodrigo Figueiredo
Visitante
Rodrigo Figueiredo

“Quando vemos um QF-4 voltar com o dano de batalha, isso diz muito para este programa”

Comandar remotamente um caça avariado e pousar. Haja pulso, não?