phenom_100ev-9

São José dos Campos – SP – 27 de outubro de 2016 – O jato executivo Phenom 100EV, da Embraer, fará sua primeira aparição pública durante Encontro Anual e Convenção da National Business Aviation Association (NBAA – BACE), principal feira de aviação executiva do mundo, que acontece de 1° a 3 de novembro de 2016, em Orlando, Flórida, Estados Unidos. Com uma pintura especial, alusiva aos seus avanços tecnológicos, a aeronave estará em exposição estática no Orlando Executive Airport, ao lado da linha completa de jatos executivos da empresa.

O Phenom 100EV, que já ultrapassa 100 horas da campanha de ensaio em voo, é uma evolução do jato executivo leve Phenom 100, utilizando uma nova aviônica Prodigy Touch Flight Deck, baseada no Garmim G3000, e um motor Pratt & Whitney Canada PW617F1-E modificado. Essa nova versão oferece mais velocidade e desempenho superior em condições de altas temperaturas e em aeroportos a grandes altitudes. As melhorias, porém não impactam o reconhecido baixo custo operacional e de manutenção. O Phenom 100EV tem chegada ao mercado prevista para o primeiro semestre de 2017.

Anunciado em julho deste ano, o Phenom 100EV terá dois clientes-lançadores. A Across, provedora de serviços de aviação executiva no México, vai se beneficiar do desempenho da aeronave a partir da sua base, no Aeroporto Internacional de Toluca (TLC), que fica 2.580 metros acima do nível do mar. Já a Emirates Flight Training Academy, novo centro de treinamento de pilotos da Emirates Airlines, atualizou seu recente pedido de cinco Phenom 100E para o Phenom 100EV, tornando-se a primeira academia de voo no mundo a treinar seus cadetes com a nova aeronave.

phenom_100ev-4

O Phenom 100 chegou ao mercado em dezembro de 2008 e revolucionou o segmento de jatos leves ao trazer um novo padrão de conforto, desempenho e custo operacional. O Phenom 100 tem sido a principal escolha para preparação de pilotos para companhias aéreas, bem como pilotos-proprietários, departamentos de voos corporativos e as principais empresas de propriedade compartilhada. Atualmente, cerca de 350 Phenom 100 estão em operação em 37 países.

Sobre o Phenom 100 EV

O Phenom 100 EV tem motores Pratt & Whitney Canada PW617F1-E, com 1.730 libras de empuxo, chegando a 405 nós em velocidade de cruzeiro e até 15% mais empuxo em aeroportos elevados e com altas temperaturas, o que equivale a mais alcance e menor tempo de subida. A aeronave tem alcance de 1.178 milhas náuticas (2,182 km) com quatro passageiros e reservas NBAA IFR.

A cabine de comando permite operação com um só piloto, com alerta situacional elevado pela interface homem-máquina da aviônica Prodigy Touch, baseada no Garmin G3000, com painéis maiores e de alta resolução, telas divisíveis e novo radar meteorológico.

O Phenom 100 EV é a evolução da aeronave mais espaçosa de sua classe, com melhorias no interior, tais como novo perfil do corredor para aumentar o espaço e tomadas reposicionadas com carregador USB. A aeronave apresenta onze opções de design do interior, luz natural abundante de amplas janelas, inclusive no lavabo privativo, um recurso tipicamente visto somente em aeronaves maiores, assim como no caso do compartimento de bebidas, a escada integrada e o maior compartimento de bagagem de sua classe.

p100e_cutaway

Sobre a Embraer

Empresa global com sede no Brasil, a Embraer atua nos segmentos de Aviação Comercial, Aviação Executiva, Defesa & Segurança e Aviação Agrícola. A empresa projeta, desenvolve, fabrica e comercializa aeronaves e sistemas, além de fornecer suporte e serviços de pós-venda.

Desde que foi fundada, em 1969, a Embraer já entregou mais de 8 mil aeronaves. Em média, a cada 10 segundos uma aeronave fabricada pela Embraer decola de algum lugar do mundo, transportando anualmente mais de 145 milhões de passageiros.

A Embraer é líder na fabricação de jatos comerciais de até 130 assentos e a principal exportadora de bens de alto valor agregado do Brasil. A empresa mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e de distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

DIVULGAÇÃO: Embraer

Previous articleFAB publica aviso de convocação para 450 vagas de nível superior em todo o Brasil
Next articleFOTOS: caças AF-1 da Marinha e F-5M da FAB em treinamento de reabastecimento em voo
Subscribe
Notify of
guest
36 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Corsario137

Maior sucesso de vendas da Aviação Executiva da década. Onde se pousa nesse país se vê um P100. Nos EUA também não é difícil encontrar um. Clientes altamente satisfeitos. Parabéns a Embraer!

Jeff

Qual o preço dessa brincadeira?

Nonato

Há algum tempo alguém aqui mencionou algumas deficiências desse modelo. Se não me engano o Cel. Nery…

Carlos Alberto Soares-Israel

O 300 é presença total no flightradar24.com em todo o planeta
O 100 nos USA e Brasil.

Farroupilha

Ficou linda a pintura.
Maravilhoso… é pequeno, fácil de guardar e ótimo pr viagens curtas e rápidas.
E ainda dá para beber umas que outras com todo conforto.
Quantas garrafas de veuve clicquot (ou caninha 51 vai saber da preferência do manguaceiro) cabe em seu barzinho? rsrsrs!!

EduardoSP

Logo, logo, saindo da linha de produção de Melbourne – FL.

Marcos

Nonato:
Obviamente quem opera um Phenom 300 e for operar um Phenom 100 vai sentir falta de potência e de velocidade. É como sair de um BMW 328 e ir para um Uno Mille.
Mas é bom lembrar que o avião foi concebido assim. E centenas de proprietários estão satisfeitos.

Marcos

Phenom 100, 300, Legacy 450 e ST já são montados na Flórida.
Já a fabricação de peças e componentes… essa é uma parte complicada, já que o maquinário é muuuuiiito caro e está instalada no Brasil.

Maria do Carmo Lacoste

Eu sempre vejo uns aviões pequenos e narigudos aqui pelos arredores de Congonhas em pousos e decolagens, sempre achei que era o Phenom100, mas tinha a dúvida por achar suas asas muito retas ou pouco flechadas, mas noto agora que o pequeno Phenom100 tem as asas mais ou menos retas mesmo, então deve ser ele. Fiz uma pesquisa no google por imagem, e creio que já deva ter visto muitas vezes o Phenon300 também, ele é maior, asas em flecha acentuada e com o winglet. Já devo ter visto centenas de vezes estes dois aviões por aqui, mas sempre achei… Read more »

Denis Dias

Maria do Carmo Lacoste
Acredito que você tenha visto um Piaggio P180 Avanti.

Carlos Alberto Soares-Israel
Carlos Alberto Soares-Israel

Farroupilha
Ampliei agora, concordo …. muito inda essa pintura em degradê.
Essa homologação para um piloto torna a aeronave imbatível.
Motores PW 17F1-E By Canadá. (rs).
Além de ótimos …. ótima jogada.

Tomcat

Maria, provavelmente é o Piaggio Avanti. Belo avião.

https://en.wikipedia.org/wiki/Piaggio_P.180_Avanti

Rodrigo

**Off: os dois KC390’s e E2 estão voando nesta manhã.

Acompanho diariamente e são frequentes os vôos, muitas vezes de manhã e de tarde.

Alguém sabe dizer quantas horas mais ou menos os programas de ensaios já somam? E quanto precisam somar?

F-18 Super Hornet

Rodrigo, até agora há pouco estava acompanhando os dois KC`s também, estavam voando a tanto tempo que pensei que não iriam parar pra almoçar rs, respondendo a sua pergunta eu já ouvi que são necessários 2.000 horas de voo pra certificar o KC das quais 850 horas já foram cumpridas. Até mais!!

Maria do Carmo Lacoste

Tomcat 28 de outubro de 2016 at 9:57 Sim, é esse avião mesmo, eu sabia que era italiano, ontem mesmo pesquisei e cheguei nesse P180 Avanti, eu já tinha visto ao acaso uma matéria desse avião com uma bandeira do Brasil ao fundo, depois o vi por aqui. O interessante é seu ruído inconfundível, um barulho muito alto mesmo, nem precisas ir na janela olhar para saber de quem se trata, parece um barulho de moto serra, bem alto. Faz tempo que eu não o vejo, ou melhor, o ouço passando por aqui. ____________________ F-18 Super Hornet 28 de outubro… Read more »

F-18 Super Hornet

Também tenho esta impressão, em meados de dezembro algum protótipo deve partir rumo aos EUA pros testes na neve…tem também os testes de decolagem em alta altitude onde os mesmos devem ser realizados na Bolívia, a Embraer também disse que iria testar os sistemas defensivos, mas e os testes feitos em CG de lançamento? não foram automáticos? SDS!!

F-18 Super Hornet

OFF** 002 voando agora sobre Ibitinga. provavelmente o último da semana, depois é por no hangar que segunda tem mais. 🙂

Maria do Carmo Lacoste

F-18 Super Hornet 28 de outubro de 2016 at 15:58
Acho que em Campo Grande foram apenas testes de abertura dos paraquedas e extração, mas não houve lançamento automático.
O lançamento automático é em sequência, e segundo consta, é computadorizado, ou coisa que o valha.

Matheus Henrique

Seria uma boa jogada da Embraer, realizar os testes de neve lá no Canadá lá não falta neve rs, e eu ainda tenho esperanças na concorrência da RCAF 🙂

Marcos

Mais uma denúncia contra a Embraer.
Ai, ai, ai!!!!

Matheus Henrique

Explica melhor isso aí Marcos?

Jr

Provavelmente o Marcos esta falando do caso da Saudi Aranco da Arábia Saudita, nesse caso não seria uma nova denuncia, mas umas das quatros que estavam sendo investigadas pelos EUA e pelo MP do Brasil e que foi fechado acordo com ambas instituições pela Embraer, logicamente que o fechamento desse acordo pela Embraer nos EUA e no Brasil, não impede que Índia, Arábia Saudita, Moçambique e Rep. Dominicana façam as suas próprias investigações.

Rinaldo Nery

O Phenom 100 é um VLJ, e tem um desempenho aquém dos demais jatos corporativos. Teve falhas de projeto no sistema de freios. Parece que corrigiram. Sua velocidade de cruzeiro é a mesma dos Super King Air ( mais ou menos 300 KT).Só leva 4 pax. Tem baixa autonomia. Mas foi projetado assim, na categoria VLJ. O BNDES abriu uma linha de financiamento para aquisição do Phenom 100, por isso vendeu tanto no Brasil. Voei o Premier 1A, que é bem superior, mas não é VLJ. Se eu fosse milionário não compraria o Phenom 100. Somente para me fazer entender… Read more »

Matheus Henrique

Você tá comparando classes distintas, é óbvio que será superior.

Rinaldo Nery

Não estou comparando. Estou afirmando algumas características. O Phenom 100 e o 300 tem uma avionica fantástica. Muito melhor que a do Premier.

Marcos

Só uma observação: um Phenom 100 não substitui o King Air C-90 por exemplo. Você não consegue operar um Phenom 100 em uma pista semi preparada, coisa que um C90 consegue fazer. Especificamente aqui no Brasil, com muito menos infraestrutura que nos EUA, muita gente optou pelo Phenom 100 enquanto deveria ter optado por um C90.

Nonato

Acho que foi Nery que havia feito esse comentário.
E se não me engano, falava algo sobre fazendeiros brasileiros arrependidos e talvez tenha a ver com essas pistas semi preparadas, os freios e o King air que não é jato, não é isso?
E seria mais adequado para muitos fazendeiros.
Sempre fico satisfeito quando fico sabendo que um modelo da Embraer é superior aos concorrentes ou pelo menos se equipara.
Mas parece que jatos de longo alcance existem melhores opções lá fora, não é? Bombardier, Dassault.
Me parece que alguns ricoes brasileiros viajam para a Europa em jatos não Embraer…

JT8D

Nonato 30 de outubro de 2016 at 1:31
A Embraer simplesmente ainda não tem produtos para concorrer no mercado de jatos de longo alcance. Então não é que Gulfstream, Bombardier e Dassault sejam melhores opções, mas é que a opção da Embraer ainda não existe nesse segmento. Culpar a empresa por não liderar um segmento em que não atua é meio forçado

Rinaldo Nery

Tem o Legacy.

Marcos

Segundo uma revista especializada em aviação, no quesito preço X desempenho, o Legacy é imbatível.

Luiz Fernando

O Legacy não é um ultra long range… Nesta categoria s Embraer não tem produto.

Caerthal

Rinaldo Nery,

Em comparação com o King Air o Phenom 100 está em outra categoria. Voa muito mais rápido, em maior altitude (mais conforto e segurança). Agora se a pista é de terra, o King Air é uma ótima opção.

Rinaldo Nery

Não voa “muito mais rápido”. A cruise speed do Phenom 100 é 300KT. O King F350 quase chega nisso.

Caerthal

Não sei onde 100 knots é pouco (~400 vs ~300 knots). É outra categoria.

Fazendo um paralelo com a aviação comercial regional: Nos EUA, os turboprops somente se mantém onde não há concorrência com os jatos regionais, pela esmagadora preferência dos usuários. Já na Indonésia onde não há concorrência,os ATR mandam. Já o Q-400 ficaram no meio do caminho e vendem muito pouco.

Rinaldo Nery

Vamos lá, pra ficar claro: os VLJ estão um patamar abaixo dos demais corporate jets. Por isso tem um custo operacional menor, óbvio. O Premier 1A (um patamar acima), voa a 420KT. Assim como os Citation, Learjet etc. O King F350 voa quase na mesma velocidade do Phenom 100, leva mais gente e consome menos combustível. O cliente compra o que ele achar melhor. Sou piloto de Premier 1A, instrutor de ATR72-200, 500 e checador de ATR72-600.
Volto a dizer, não estou dizendo que o avião é ruim. Estou dizendo que há outras opções melhores (na minha opinião).