Home Memória Nota de falecimento – comandante Nilton Miguel Ajuz

Nota de falecimento – comandante Nilton Miguel Ajuz

2138
3
Ajuz
Enquanto aguardava instruções em Porto Rico, Ajuz posa dentro de um P-38 da USAAF no Campo de Borinquen
Ajuz velho
Comandante Ajuz em foto no livro de Hélio Higuchi

Faleceu no dia 25 de julho o comandante Nilton Miguel Ajuz que voou P-47 na FAB e posteriormente P-51, P-38 e Mosquito na Força Aérea da República Dominicana. Foi por muitos anos comandante da VASP, terminando no Boeing 727. Posteriormente foi instrutor de simulador de 727 e 747 da VARIG.

Sua história foi contada no livro “A Serviço do Generalíssimo”, de Hélio Higuchi. Ajuz faleceu aos 88 anos em seu barco no Iate Clube do Rio de Janeiro, onde chegou a ser Comodoro.

Ele foi dos personagens de uma história pouco conhecida no Brasil. Terminada a segunda Guerra Mundial, a FAB liberou centenas de pilotos, destes, um grupo de uns dez — Ajuz entre eles — foi contratado entre 1948-1950 para treinar a Força Aérea Dominicana em plena ditadura de Rafael Trujillo (1891-1961).

P-51D El Negrito
Foi com o P-51D 405 que Nilton Miguel Ajuz juntamente com seus companheiros Itamar e Guimarães interceptaram um Boeing B-29 da USAF.

O SUFOCO DE AJUZ

“Além de difícil, o treinamento nos EUA podia ser perigoso. Ajuz foi um dos que escapou por pouco. Era um vôo com uma esquadrilha de quatro aviões. Ajuz era o “número 2” e Guimarães, o “4”. “Pegou fogo no motor do avião de Ajuz. A torre disse apenas, ‘fica a seu julgamento’. Ele subiu na vertical, uns 500, 600 pés, então o avião parou. Ele saltou, a própria explosão e a alta velocidade do avião ajudaram a abrir o pára-quedas. Achei que ele tinha morrido, mas depois vi o turco meio chamuscado. Foi de um sangue-frio incrível”, declara Guimarães, que não se lembra de ter visto, em sua carreira de aviador, nenhum outro caso semelhante de decisão tão rápida e precisa. Detalhe importante: Guimarães voou por 51 anos antes de se aposentar recentemente.

Quase meio século depois, Ajuz ainda guarda de lembrança o pára-quedas salvador, coberto de óleo, tão próxima foi a explosão. Nunca se esqueceu da data do acidente: 14 de janeiro de 1947. “A torre disse, tem um avião pegando fogo. É muito fogo, salte. Saí fora da formação. Eu falei, ‘vou retornar’, a torre disse que era tarde”. Antes de saltar, ele viu que o painel registrava cerca de 300 milhas por hora de velocidade. O pouso foi instantâneo.

Depois de atendido pelos médicos, Ajuz foi chamado pelo coronel comandante, poucas horas após o acidente. Recebeu ordem para voar em seguida. Ajuz foi, já estava sentado no novo avião, quando o comandante abortou o voo. Era apenas um teste para ver se ele se acovardava.” – Texto retirado das páginas da Revista Força Aérea

Conheça mais um pouco da história dos “Trujillo Boys” clicando aqui.

COLABOROU: Alexandre Manderbach

3
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
Ronald Van Der PutReinaldo DepreraClésio Luiz Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Clésio Luiz
Visitante

Esse senhor teve uma vida com muitos causos para contar, com certeza. Poucos pilotos puderam pilotar a trindade da caça americana, os P-38, P-47 e P-51, como os Trujillo Boys tiveram. Que descanse em paz.
.
A manobra de saltar para fora da aeronave, se não me engano, era fazer a aeronave subir, soltar todos os cintos e cabos te ligando à aeronave, então empurrar o manche pra frente (alguns falam com o pé) e deixar a força G negativa te expulsar da aeronave. Imagino que tenha sido isso que ele fez antes da explosão descrita no texto.

Reinaldo Deprera
Visitante
Member
Reinaldo Deprera

Que privilégio. Thunderbolt, Lightning e Mustang.
Para a altura que está agora, deve ter escolhido o JUG.

Save Ajuz!

Ronald Van Der Put
Visitante
Ronald Van Der Put

Cmte Ajuz foi meu instrutor de B727 na VARIG e um grande amigo do Iate Clube do Rio de Janeiro – ICRJ. Tive o prazer de reencontrá-lo dois anos antes do falecimento, quando ele me presenteou com um exemplar do seu livro contando sua aventura na Republica Dominicana. Cmte Ajuz foi um instrutor a frente de seu tempo, e tenho eterna gratidão e reconhecimento por seu profissionalismo e amizade.