rafale beauty

A França e o Qatar concluíram finalmente o negócio para o fornecimento de 24 caças Dassault Rafale no dia de abertura da Doha International Maritime Defence Exhibition and Conference.

A venda dos caças, que inclui mísseis MBDA, treinamento de 36 pilotos e cerca de 100 mecânicos, teve o valor divulgado anteriormente como sendo de € 6,3 bilhões (US$ 6,9 bilhões); no entanto, foi anunciado nesta terça-feira que o negócio é de € 6,7 bilhões (US$ 7,5 bilhões).

O acordo foi feito para o mesmo número de jatos comprados pelo Egito em 2014, mas o negócio do Qatar tem o preço mais elevado devido ao fornecimento de mísseis de cruzeiro de longo alcance, bem como mísseis ar-ar BVR Meteor.

PanoplieRAFALE_DASSAULT_A4-2

O armamento incluído na venda é o seguinte:

  • 60 Exocet
  • 140 SCALP
  • 300 AASM
  • 150 Mica IR
  • 150 Mica EM
  • 160 Meteor

148
Deixe um comentário

avatar
148 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
46 Comment authors
Iväny JuniorAlexandre GalanteKolchakglaxs7Marcos Matos Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Romaldo Medina
Visitante

Cada vez menos agora a dassault precisa do negócio da Índia ,,,

Delmo Almeida
Visitante
Delmo Almeida

Teve financiamento de bancos japoneses e tudo. Me expliquem uma coisa: como terminaram agora se o down payment foi feito em dezembro do ano passado??? Não teria sido apenas um “ajuste” no contrato???
Off-Topic
Alguém sabe me dizer se o Egito realmente teria encomendado 50 Mig-35??? Li isso (rapidamente) de duas fontes essa semana, mas não sabia disso…

ederjoner
Visitante

Isso sim é compra de respeito, e não apenas pelo caça, mas pelo armamento listado, muito bom!
Podemos dizer então que são duas vendas certas já? Sem contar com a novela indiana correto?
Em alguns anos, poderemos verificar com mais detalhes o real valor de operação destes aparelhos franceses, que diga-se de passagem são belos, mas aparentemente muito confiáveis e caros….

Fabiano
Visitante
Fabiano

Falei que essa venda cairia no colo da Dassault se a Boeing não vendese os F15.

Nonato
Visitante
Nonato

O governo indiano disse que irá questionar essa venda.
Foi rápida demais.
O Qatar pode estar sendo prejudicado com essa compra repentina sem off-set sem construção local sem transferência de tecnologia e muito caro.
Pode levar o caso para a ONU ou para a OMC.
Esse compra pode prejudicar os interesses da Índia ja que perde poder de barganha…

Tiago Silva
Visitante
Tiago Silva

Agora a Dassault esta colhendo os frutos de anos de conversa, esta venda do Rafale representa uma série de coisas a principal delas foi a de superar os EUA que se negaram a fornecer um vetor mais potente. Na região que é mais conturbada do que tudo a presença destas aeronaves coloca o Qatar em um novo patamar e fazendo dupla com os Mirage já dá uma força de respeito. O que mais chamou a atenção foi o pacote de armamentos inclusos com uma bela quantidade de misseis SCALP, e também os misseis ar-ar BVR de dois modelos distintos, devemos… Read more »

Gustavo
Visitante
Gustavo

É caro! Mas e muito aviao, muito bonito, muito caça, muito tudo…. calma gente o bichim e bom mesmo mas nao é pra nos. Pelo menos no jogo whawx so jogo com ele…. kkkkkk

Augusto
Visitante
Augusto

Se fôssemos nós fazendo a compra, a FAB viria com a retrógrada e altamente questionável alegação de “informação classificada” para não permitir a divulgação de armamentos em números e tipos.

Mudando de pau para cavaco: essa compra dá mostras da bagunça que a Índia fez no MMRCA e continua fazendo na negociação – já nada a ver com o MMRCA – dos Rafales.

EduardoSP
Visitante
EduardoSP

Ao custo de US$ 300 milhões a unidade, ficou caro. É avião para quem tem muito dinheiro ou um patrocinador afluente.
O noticia fala de armamento e treinamento, mas será que inclui um pacote de manutenção?

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Oh Augusto, queremos saber quantos mísseis BVR a Venezuela tem, e não sabemos. Que coisa mais retrógrada eles esconderem essa informação sensível, né? Faça-me o favor, amigo. Informações sobre armamento SEMPRE serão sigilosas, a não ser que saia no Diário Oficial, como saiu a compra dos Harpoon. E nesse caso específico, acho que a FAB comeu mosca.
Então vamos entrar em combate e todo mundo vai saber quanto tempo vai durar nosso estoque? Você fumou um estragado.

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Boa Sorte Qatar!

Quando a venda é de prateleira é tudo mais simples e rápido. E o comprador ainda ganha um maravilhoso Brinde Surpresa…
Um chipador…
Chip desativador: Zumbi eletrônico dormente (Acordam à noite? Nada disso, só em caso de guerra para sacanear).

Pacote manutenção Dassault = ralo dourado para seus US$$$ ou €€€€.

Mas como Qatar é um punhado de gente num pequeno pedaço de terra boiando sobre petróleo e gás (terceira maior reserva do mundo), para eles dindim e Dassault (assalto) não é problema.

Trollbuster
Visitante
Trollbuster

Se comprasse um monte de mísseis e com frequência, não era problema divulgar..

Problema é quando compra meia-dúzia a cada 10 anos.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Troll, se comprassem todo dia uma centena não seria divulgado. E divulgar informação sigilosa é crime previsto no CPM.

Augusto
Visitante
Augusto

Ronaldo Nery,

É sério que a Venezuela não divulga? A Coréia do Norte e o Irã também não. Só essas democracias atrasadas, tipo Estados Unidos, Suécia e Alemanha cometem uma imprudência dessas de ficar divulgando.

Sejamos diretos e francos: a FAB não divulga porque os números são vergonhosamente modestos. E quanto a ser crime, é por que antes a informação fora classificada como sigilosa. Não fosse assim (e não deveria ser, salvo raras exceções), não haveria tipicidade no código militar.

Ah, e caso dos Harpoons foi só mais uma coincidência do tipo “comeu mosca”? Quantas reiteradas coincidências, hein!

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Harpoon nem precisa ver o DOE. Era só ver a notificação do FMS.
No mais, os países vendedores e os que possuem serviços secretos decentes descobrem facilmente as quantidades . No fundo só o grande público não sabe.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Me mostra onde estão as informações de TODO o armamento da USAF, tipo e quantidade nos paióis. E no caso dos Harpoon, com certeza alguém tomou uma carcada na DIRMAB, pela publicação ostensiva. Qual foi a outra coincidência? As informações sobre armamento SEMPRE serão classificadas. E, aliás, na minha época era grau de sigilo SECRETO.
Esse teu raciocínio é bem de civil, mesmo. Todo mundo é bonzinho, e tudo tem que ser divulgado. Moro na Suíça, e tudo é transparente. Menos as contas secretas nos bancos.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Ahh, me mostra também as informações do Chile.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Rafael, e o grande publico não tem q saber esse tipo de informação. Nesse caso, esse papo de contribuinte não serve. Nem com a Lei de Acesso a Informação.

Zmun
Visitante
Zmun

Duvido que a OTAN não saiba exatamente quantos mísseis o Brasil tem. O contribuinte paga a conta e tem o direito de saber, sim. Os militares precisam de algumas aulinhas de democracia. E outra, se a FAB precisa ler jornal pra saber quantos mísseis a Venezuela tem, então ela realmente está comendo mosca.

Alexandre Samir Maziz
Visitante

Bem vamos aos fatos não sei porque dessa obsessão de saber a quantidade exata quantos mísseis a FAB compra ou não , e ainda dizer que é uma atitude ridícula de não informar , conforme o caro Rinaldo Nery informou em vários posts e uma informação sigilosa , que esta mais do que certo não divulgar para que dar informações estratégicas para inimigo .Realmente o Rafale é um lindo caça eficiente também , mas não é para nosso bolso ,abraços !!!!!

Zmun
Visitante
Zmun

O inimigo já sabe, Alexandre. O sigilo é só para o contribuinte, mesmo.

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Qualquer governante, administrador, até nós mesmos temos informações sigilosas. Que para o nosso bem é melhor que fiquem assim.
Democracia não é sinônimo de irresponsabilidade e inconsequências em nome de uma liberdade sem parâmetros.

E serviços de informação (secretos) é para isso mesmo, descobrir o que não é informado. Mas daí a terem sempre exito (vamos escancarar tudo então) a coisa não é bem assim não.

A maionese tá escorrendo de certos comentários.

Robson
Visitante

Um colega ai citou que pela conta de padaria cada caça sairia por 300 milhoes de verdinhas… em reais daria algo em torno de 1,1 a 1,2 bilhes de reais…. vixe kkkkkkkkkk….. já imaginou explicar isso para o contribuinte….

Duanny D.
Visitante
Duanny D.

Garalio 1 bilhão de reais a unidade?
Brinquedo caro.

fonseca
Visitante
fonseca

Quanto ao sigilo, não sou do ramo.
Sem dúvida, faz sentido haver sigilo, especialmente quando se tem pouco…
Mas, por exemplo, quanto aos harpoons, pelo menos o vendedor saberia. E seus aliados…
Claro que muitos outros não saberiam.
Não sei até que ponto o sigilo faz sentido, especialmente quando alguns dos detalhes da compra são amplamente discutidos na imprensa.
Muitas dessas compras são uma novela e muitas das informações são discutidas na imprensa.
Outro ponto é quando onde e como serão usadas.
Do que adianta ter 100 mísseis se estão todos estocados?
Não servirão no caso de um ataque repentino…

Trollbuster
Visitante
Trollbuster

Em termos de inteligência, quem tem que saber dos nros de munição e quantas naves estão disponíveis na ordem de batalha do dia sabe. Fora as reais capacidades dos vetores da FAB. Quem não sabe é o público que paga a conta. Até o quanto vale a pena divulgar estas informações varia de país para país e do quanto de respeito as FFAA e o Governo em geral tem com o público do seu país. Eu sou atirador e o respeito que o EB tem por nós é algo próximo do zero e olhe que não nos fazem favor algum.… Read more »

ederjoner
Visitante

Zmun 30 de março de 2016 at 23:59 “se a FAB precisa ler jornal pra saber quantos mísseis a Venezuela tem, então ela realmente está comendo mosca.” Comentário fantástico rapaz, concordo com você! A população leiga, assiste os desfiles de sete de setembro e acha que somos a maior potencia militar do universo, isso é um dos motivos que levam a desaprovação de grandes compras para nossas forças. Se ao invés disso, fosse mostrado por exemplo que: Temos quarenta caças de quarenta anos de idade média, ao ponto que os EUA tem 1500 nos hangares…. (sem falar o resto); Que… Read more »

Zmun
Visitante
Zmun

Se for levar em consideração do episódio do famoso telefonema da chefe de estado e, o apresso demonstrado pela segurança de informação, não duvido nada que essas comprar super secretas sejam negociadas usando contas de e-mail do yahoo no MD.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Olha só. Tem comentaristas inteligentes que perceberam a necessidade do sigilo. Que entendem que o que está nos paióis da BACO não tem que ser publicados no Zero Hora. E parem com esse papo de “respeito ao contribuinte”, “democracia”. Não confundam as coisas. Parece papo de universitários . Informação sigilosa de assuntos referente à Defesa Nacional não será divulgada, e pronto. Dados técnicos operacionais de equipamentos vocês acham no Wikipédia, que aqui alguns adoram consultar. Quanto aos mísseis venezuelanos, vou assinar o jornal de Caracas, já que o amigo disse que está publicado lá. Como chama mesmo o jornal?

dieter91360
Visitante
dieter91360

Quanto querem apostar que todos os Rafales chegarão a seus respectivos compradores muito antes do primeiro Gripen chegar ao Brasil???

Marcelo Bardo
Visitante
Marcelo Bardo

Deverão chegar antes mesmo, pois o projeto já está pronto. O Gripen NG ainda está em andamento.

rodrigo maçolla
Visitante
rodrigo maçolla

“dieter91360” é possível mesmo afinal o Rafale existe e o GripenNG não….. Mais ainda acho que a FAB fez escolha certa entre GripenNG e Rafale, (meu favorito era o F/A18 SH) pois o Rafale, é claro, sabemos que é um “baita” avião, mais e o custo de opera-lo? na atual FAB inviável…. e o que ia ter de “pichuleco” nesse possível negócio com o Franceses ia nos custar uma fábula…. e pior sem estes armamentos que o Qatar ta comprado (de muito respeito) A essa altura a Lava jato já tinha chegado nesse negócio, então seria de fato uma operação… Read more »

Roberto F Santana
Visitante
Member
Roberto F Santana

Ora, a quem interessa saber sobre o número de suas armas?
Somente ao inimigo.
No caso do Qatar, a quantidade de armas é tanta, que o número toma a função de dissuasão e dependendo da vizinhança, isso tem certa eficácia. Por outro lado, guardar segredo sobre a quantidade de armas e munições, de certa forma, subentende-se que o número de armas seja reduzido.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Rinaldo, Em 2009, o Chile foi autorizado a comprar até 100 AIM-120. Já tinha comprado antes, se pesquisar, a gente acha quanto o FMS informou ao Congresso. http://www.aereo.jor.br/2009/11/13/chile-podera-comprar-100-aim-120c-7/ . Israel não sabe quantos Derbys e Phitons compramos? Não deve ter informado aos seus alados? É esse meu ponto principal. Os “inimigos” mais poderosos sabem o tipo e a quantidade. E os não alinhados com fornecedores, no mínimo, tem uma boa estimativa do que temos. A FAB não informa nem quais misseis “comprou” para o Gripen. O MPF soltou a informação sem cerimônia. . E se a quantidade comprada for grande,… Read more »

Zmun
Visitante
Zmun

O jornal se chama ” Inteligência News”. Quem decide o que é sigiloso ou não é o congresso, não os militares. Já que o senhor não entendeu eu volto a afirmar: O sigilo imposto sobre compras se refere ao contribuinte brasileiro, não ao fornecedor, muito menos aos seus aliados.

Roberto F Santana
Visitante
Member
Roberto F Santana

Pois é senhores militares…
Vocês foram dar democracia para esse pessoal, agora aguenta.
Daqui a pouco vão querer ver os ingredientes e a informação nutricional das bombas dos Gripen!

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Apesar das bravatas do Lula e do Serra quanto a não gastar dinheiro com as FAs, em geral, a população não seria contra o Brasil ter um poder razoável. Uma das poucas coisas boas que a esquerda fez foi botar medo na população de que os EUA vão roubar a Amazônia. Como já disseram aí em cima, o problema é que o povo acha que somos uma potência e por isso o gasto seria supérfluo. Eu já ouvi várias vezes de leigos que ficaram impressionados vendo o NAe SP quando pousam no Santos Dumont. Aí eu falo que aquilo lá… Read more »

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Roberto F Santana.
Eles não deram a democracia.
Devolveram o que tomaram a força e ilegalmente.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Meus Deus…. Rafael, qual é a sua idade? Você quer morar em Cuba? Você apoia a Dilma?
Roberto, vamos publicar no Globo o envelope cinético do A-Darter.

Roberto F Santana
Visitante
Member
Roberto F Santana

Prezado Rafael Oliveira,

Não se toma de quem não tem.
Quem era o presidente da república em 1964?

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Rinaldo,
Eu tenho 33 anos. Não quero morar em Cuba, muito menos quero que o Brasil vire uma. Não votei na Dilma, fiz campanha contra e sou a favor do Impeachment.
Roberto,
Era o João Goulart e deveria assumir o Ranieri Mazzilli em seu lugar. Os militares poderiam agir para empossá-lo, caso fosse necessário. Jamais tomar o seu lugar, muito menos ficar por mais de 20 anos.
Qual havia mais democracia durante o governo Jango (apesar dele flertar com o autoritarismo) do que com os militares, que efetivamente implantaram um regime autoritário. Ou não? Houve democracia de 64 a 85?

Gustavo Borges
Visitante

Problema não é a existência de sigilo, mas sim a quantidade de armas que possuímos. O número é notoriamente pequeno se levarmos em consideração a porcentagem do PIB investido em devesa e a quantia desse dinheiro que é drenada apenas por salários e pensões. Duas mudanças são necessárias: a primeira é elevar os investimentos em defesa à média mundial e a segunda é parar de contar gastos com pessoal como investimento.

Gustavo Borges
Visitante

Adianta nada um país ter muitos soldados mas poucas armas para equipá-los. Não podemos esquecer o exemplo russo na Primeira Guerra Mundial.

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Rafael, menos mal. Como você bem sabe, a intervenção impediu que o nosso País se tornasse uma Cuba, ou a “União Soviética do Brasil”. Nasci em outubro de 64, e gracas a Deus e aos militares, não nasci num país comunista.
Já tá mais que provado que é um regime falido. Inventaram outros nomes, socialismo, bolivarianismo, mas é tudo a mesma m… Vide o que estamos vivendo agora. Como você, também estou torcendo pelo impeachment.

Roberto F Santana
Visitante
Member
Roberto F Santana

Prezado Rafael Oliveira, Meu caro, não conheço sua orientação política, sua orientação filosófica ou mesmo sua orientação religiosa. Digo isso porque necessariamente, caso continuemos nesse assunto todas essas questões irão aflorar aqui, não é o espaço para isso. Sou contra a democracia, sou contra a república, sou terrivelmente contra o marxismo e igualmente contra o liberalismo. Sou monarquista, entretanto, reconheço que isso hoje em nosso país nem mesmo beira o sonho, é pura demagogia. Muito possivelmente você, caro Rafael, repudia todo esse meu posicionamento, é natural, entretanto gostaria de responder seu questionamento sobre o golpe de 64, da melhor forma… Read more »

Zmun
Visitante
Zmun

Será que se passar um pente fino nesses contratos sigilosos não acha algumas “coisinhas”? Os pais das recebedoras de pensão se colocariam à prova? Aproveitem enquanto puderem, senhores. A vez dos contratos militares vai chegar. O ex-ministro do STF Barbosa já disse que não faz sentido a existência de tribunais militares em tempos de paz. O número de pessoas que concorda com isso é cada vez maior. Vem aí uma nova geração que não será tão complacente com a corrupção. Pesquisem qual a média de idade do MP que investiga na Lavajato.

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

Rinaldo, tenho lá minhas dúvidas se a intervenção militar era necessária. Necessário era o combate aos comunistas, mas acho que seria impossível fazer isso com um presidente civil que usasse as forças armadas para o combate. Tem um monte de país que não abandonou a democracia e não virou comunista por causa disso. . Apesar do contexto ser diferente, acredito que a presidente irá cair sem necessidade de ruptura institucional. Cai assume o Temer. Se ele cair, entra quem for o presidente da Câmara no momento. Sem grandes traumas. . A verdade é que os militares de 64, desde o… Read more »

Rafael Oliveira
Visitante
Rafael Oliveira

“mas NÃO acho que seria impossível fazer isso com um presidente civil”

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Excelente vídeo, Roberto. Em 64 vivíamos o auge da guerra fria, comunismo contra capitalismo. Foi nesse cenário que ocorreu a intervenção militar.
Mas, hoje acho que um pouco de “cassetete” nos “mortadelas” não seria ruim…. kkkkkkk

Roberto F Santana
Visitante
Member
Roberto F Santana

Sobre a competência em assuntos de armamento – em um país – é única e exclusivamente dos militares, sempre foi assim em qualquer lugar do mundo.
O contrário não passa de pura enganação.