Home Conflitos em andamento Operação Chammal: ataque conjunto ao Estado Islâmico na Síria

Operação Chammal: ataque conjunto ao Estado Islâmico na Síria

4102
22

Operação Chammal

Durante a noite de sábado, 2 de janeiro e de domingo, 3 de janeiro, forças francesas realizaram um ataque aéreo contra um alvo industrial controlada pelo Daesh (Estado Islâmico), e localizado a vários quilômetros a leste da cidade de Aleppo, na Síria. O objetivo foi destruído.

Vinda do Golfo Pérsico, a força de ataque composta de quatro caças Rafale armados com mísseis de cruzeiro SCALP de longo alcance operou conjuntamente com aeronaves da coalizão.

O alvo era composto de edifícios reforçados, servindo como uma fábrica de foguetes improvisada e uma instalação de armazenamento de armas para a organização terrorista. Este ataque contribuiu para debilitar as capacidades logísticas e militares do Daesh perto de zonas de combate.

FONTE: Ministério da Defesa da França

Subscribe
Notify of
guest
22 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Eduardo
Eduardo
4 anos atrás

Até quando o Daesh vai conseguir resistir!?

Jairo
Jairo
4 anos atrás

Penso que a pergunta pode ser reformulada: quem tem mais dinheiro para continuar? O consórcio de países ocidentais que atacam o EI estão rachando os custos operacionais, mas aponto para a disparidade desses recursos em relação ao que o EI tem e usa para manter suas operações.
O vídeo mostra o quão espetacular são as armas empregadas pela aviação ocidental. Entretanto, também caríssimo, contra uma planta industrial de foguetes improvisados. Quanto custará em recursos e tempo para o EI montar nova planta de fabricação de foguetes e quanto custará ao ocidente espionar, planejar e agir contra o novo alvo.

Luiz
Luiz
4 anos atrás

Eduardo, até os países do Golfo e a Turquia fecharem a torneira…
Ou seja, pode demorar ou pode ser rapidinho, só Allah sabe…

Bosco
4 anos atrás

Eu até entendo o uso de mísseis cruise por parte de navios e submarinos mas realmente pra mim é um completo disparate o uso de mísseis cruise lançados do ar.
Desse jeito não se ganha guerra não.

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Caro Bosco 5 de janeiro de 2016 at 9:35
Pelo vídeo, texto e fonte:
MKT puro.

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Onde está a Super-Power-Hiper-Fodástica aliança “Allahu Akbar” que ia colocar as botas na chon e resolver a parada. Mais de 20 países ….. esses …… Kkkk ….

Bosco
4 anos atrás

Carlos,
É a única explicação! Usando mísseis para propaganda que de outra forma iriam perder o prazo de validade.
“Bons tempos” aquele em que um avião de ataque ia pra guerra a caráter. rrsss
http://i.kinja-img.com/gawker-media/image/upload/u0necmqklzc5wdofc57i.jpg

AL
AL
4 anos atrás

Pois é Bosco!!! Hoje estão fazendo falta os “pés de boi”, menos caros e que desciam o sarrafo em quem não quisesse entender o recado. E querem aposentar o A-10, o último dos moicanos. Depois disso, só restarão os Drones, mas que começam a ficar cada vez mais caros também…

AL
AL
4 anos atrás

Carlos Alberto Soares, veja essa interessante análise, que esclarece essa aliança:

http://internacional.estadao.com.br/noticias/geral,a-falsa-guerra-ao-terror-da-arabia-saudita,1817876

AL
AL
4 anos atrás

Realmente é uma “brincadeira” cara!!! Segundo a Wikipedia, cada um desses SCALP custa a bagatela de U$$ 1.400.000,00. Só estando no limite da validade pra justificar o uso…

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Bosco 5 de janeiro de 2016 at 10:12
Pô Bosco, esse ai foi até estrela de cinema sobre a Guerra do Vietnã.

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

AL 5 de janeiro de 2016 at 12:10
Obrigado, depois comento …. deu meu limite de acesso. (rs) Pobreza, efeito PresidANTA.

AL
AL
4 anos atrás

Carlos Alberto, facinho de contornar isso. Use outro micro, ou mude de navegador (esse segundo recurso funciona às vezes, mas nem sempre), é o que eu faço, hehehe.

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

AL 5 de janeiro de 2016 at 12:10
Pronto, usei outro ID (Kkkk).
Gostei muito do artigo, muito mesmo.
Acrescento:
Não transforma xiitas, Irã e outros em santos.
Na verdade fazem parte da mesma espiga, se me entendes.
O texto pode ser tranquilamente alternado, basta trocar os personagens, dará na mesma.
A culpa é do profeta e ponto.

Wellington Góes
Wellington Góes
4 anos atrás

Off Topic:

A Índia (ao que se comenta pelo The Economic Times), confirmou a aquisição dos 36 Rafales, será que esta “novela” chegou no seu último capítulo?!

Até mais!!! 😉

AL
AL
4 anos atrás

Entendo perfeitamente Carlos Alberto!!!

timuskukii
4 anos atrás

@Wellington Goes

A índia tinha confirmado a compra dos Rafales a alguns anos, mas só não tinham assinado a compra, devido a alguns problemas com a transferência de tecnologia, porquê a suspeitas, já que a Dassault gastou centenas de Bilhões de Euros/doláres, e simplesmente não tem lógica dar tudo de ´´mão beijada“ para um outro país. Veremos as cenas dos próximos capítulos.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
4 anos atrás

Marketing ou não, eu sou fã da Arme de L’Air. Os caras são muito profissionais.

Duanny D.
Duanny D.
4 anos atrás

Ah se o AMX fosse o q um dia prometeu ser.

Carlos Campos
Carlos Campos
4 anos atrás

Off topic
O bunda mole dos States continua sua cruzada contra as demoníacas armas de fogo. E derramou lágrimas de crocodilo, ano q vem vai ser presidente republicano q ocupará o salão oval

carlos alberto soares
carlos alberto soares
4 anos atrás

Caro Cel Rinaldo Nery 5 de janeiro de 2016 at 22:45
Concordo, certamente uma das FA’s mais pró-eficazes do mundo, Top mesmo, mas é MKT.
G abraço
AL 5 de janeiro de 2016 at 15:20
Tenho certeza disso.

AndreMondelo
AndreMondelo
4 anos atrás

Sobre o link que AL postou, isso e uma prova que nessa historia não existem mocinhos, tudo não passa de um jogo de interesse. Não interessa para as grandes potencias se o parceiro e do “mal” ou não. Muito se critica o Irã sobre suas politicas mais extremistas, nos quais não da nem para se comparar com os grupos extremistas sunitas financiados pelos sauditas. Pelo menos, ainda que seja limitada, o Irá e uma democracia, muito diferente da Arabia Saudita no qual e uma monarquia absolutista.