Home Sistemas de Armas IAI Harop, o drone que vira míssil

IAI Harop, o drone que vira míssil

1390
22

O IAI Harop, evolução do IAI Harpy 2 é uma aeronave de combate não tripulada (Unmanned Combat Air Vehicle – UCAV) desenvolvida pela Israel Aerospace Industries. Ao invés de levar armamento separadamente, o Harop é a própria munição. Este UCAV é otimizado para missões de supressão de defesas (SEAD – Suppression of Enemy Air Defenses) e sua principal característica é ficar voando sobre o campo de batalha até encontrar um alvo e mergulhar sobre ele, fazendo explodir sua ogiva de 15 kg.

O IAI Harop leva câmeras normais e de infravermelho e tem autonomia de voo de até 6h. É possível que futuras versões tenham trem de pouso e possam retornar para serem usadas em outras missões.

22 COMMENTS

  1. O desenvolvimento de novos meio de ataque, vai reformulando as doutrinas conhecidas hoje. Muita verdade absoluta vai se desmanchando com essas novas maneira de empregar a tecnologia na defesa do ataque. Pesei rapidamente no custo do uso deste material, pois pode ser usado ou dar meia volta e voltar para onde foi lançado. diferente de um foguete lançado, pois não tem volta. Falando a bem planamente.

  2. Boscolino, por gentileza, apedido deste amigão, explica para aquela mente parasitária que citou “copíando os iranianos” quem é que é o bam bam bam dos drones.

    Grande abraço

  3. Dependendo do angulo, ele não lembra um cruzador klingon??!!

    Interessante que ele possui umsistema de lançamento tipo ZEL ou JATO e motor a helice.

    Não consegui entender a doutrina de uso…porque já não seria um missil?? Como ele é empregado na pratica, comparativamente a misseis?? Lanço e fico buscando o alvo até achar?

    lanço e provoco o track das baterias antiareas camufladas para cair sobre elas na sequencia?

  4. Carvalho se permite. O emprego esta no modo de chegar ao objetivo final. Como disse pode ficar por até 6 horas sobrevoando, até que a base receba o local ser detonado. Isso dá uma ampliação no uso da doutrina ser aplicado. Apenas uma singela contribuição.Imagina 10 unidade sobrevoando um local, uma gama variável de terror.

  5. Há um conceito em evidência hoje que são das armas com capacidade de “vadiagem” (loitering), que se demoram sobre uma área esperando o momento certo pra atacar.
    São basicamente drones suicidas (kamikazes).
    Os israelenses já usavam o Harpy na função antirradar há algum tempo e hoje têm o Harop.
    Os britânicos estão desenvolvendo o Fire Shadow.
    Os americanos usam o Switchblade e Battlehawk pesando alguns poucos quilos.
    Alguns são propulsados por turbojato, como o Delilah, o MALD, etc.
    Com as bombas miniaturizadas específicas para serem lançados de UAVs, como por exemplo a Viper Strike, o Pyrus ou a ATKs Hatchet, mesmo UAVs de pequeno porte como o RQ-7 Shadow podem ser armados como se fosse um mini Predator.
    Esses dois conceitos coexistem!

  6. kkkkkkkkk Bosco vc esta dando credito demais ao cara.Nunca substime o nivel de cegueira que um individuo pode chegar, quando ele realmente quer acreditar em algo, mesmo estando muito longe da verdade.Nossos queridos “pão com mortandela”são a prova disso.

  7. O termo “drone” é só força de expressão. Na verdade é um míssil só que propulsado por hélices.
    Um drone teria algum sistema de recuperação, seja trem de pouso, paraquedas, airbags, ganchos de encaixe, etc.
    Como esses drones levam uma ogiva explosiva não seria muito seguro tentar recuperar um que não tenha encontrado seu alvo. Nesse caso ele se autodestrói.

  8. Certa vez, fomentei um conceito de UCAVs de baixo valor, mas focados em ataque de saturação.

    Eles partiam da premissa de carregar 64 foguetes 70 mm similares ao SS-30 mas com 3,90 metros afim de possibilitar ataques navais no horizonte radar. Levariam ainda um FOG MPM com alterado, para que pudesse carregar um designador laser no lugar da ogiva. Os FOGS seriam lançados de forma antecipada e realizariam o track e iluminação para a salva de foguetes que viriam na sequencia. Se conseguissem ser lançados nesta distancia, nenhuma defesa conseguiria bloquear o ataque em curso.

    https://projetosalternativosnavais.wordpress.com/ucav-anfibio-ataques-de-saturacao/

    video do conceito:
    https://youtu.be/ZdGQXFJKZ4A

    O conceito poderia ser utilizado para CAS e na forma terrestre também.

  9. copiando os iranianos foi demais…kkkkkkkkkkkk.. o que falta de informacao nao produz nas pessoas.Alguem explique a diferenca de homem bomba e drone bomba pro rapaz.

  10. Desculpe atrapalhar o bom andamento da discussão, mas se não me falha a memória, eu li alguma coisa, em algum lugar, de que os iranianos estariam recriando algum tipo de nave não tripulada/ drone/aviãozinho de controle remoto com explosivos, de ação kamikase. Não sei se é real ou invenção da mídia e não consegui recuperar notícias disso.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here