Home Noticiário Internacional USAF erra nos custos previstos dos novos bombardeiros em relatórios para o...

USAF erra nos custos previstos dos novos bombardeiros em relatórios para o Congresso

601
11

Northrop Grumman Long-Range Strike Bomber concept

A Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) erra nos custos previstos dos novos bombardeiros em relatórios para o Congresso errou no custo de 10 anos de pesquisas, aquisição e apoio do seu novo bombardeiro de longo alcance em relatórios anuais ao Congresso.

No ano passado, a Força Aérea estimou o custo do novo bombardeiro “top secret” em 33,1 bilhões de dólares do ano fiscal 2015 até 2025. Este ano, ela relatou o custo fiscal de 2016-2026 como sendo 58,4 bilhões de dólares.

Instada a explicar a mudança de uma estimativa para a outra, a Força Aérea respondeu que os dois números estavam errados – e os corretos seriam 41,7 bilhões de dólares para cada período. O custo de 10 anos é a primeira parcela no que poderia ser um programa de 30 anos.

“A Força Aérea está trabalhando através de processos adequados para garantir” que o relatório enviado ao Congresso “está correto, e que os nossos relatórios nos anos subsequentes sejam precisos”, disse o porta-voz da Força Aérea Ann Stefanek em um e-mail.

FONTEBloomberg News

Subscribe
Notify of
guest
11 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Claudio Donitz
Claudio Donitz
4 anos atrás

E tinha gente interpretando esta matéria de forma equivocada.

Lewandowski
Lewandowski
4 anos atrás

Dizem que parte dessas verbas top Secret são desviadas para P&D de novas tecnologias, ou outros projetos de monta da Força.

Mas é um erro grande… U$ 8 bi… Esses ‘estagiários’.. Hehehe

Farroupilha
Farroupilha
4 anos atrás

Esse orçamento ainda vai ser bem alterado:
O cálculo de valor para o B-3 é de que saia por cerca de U$ 900.000.000,00 cada. Como esse projeto tem como um de seus objetivos fazer do B-3 o futuro substituto dos atuais bombardeiros de longo alcance B-2 e B-52, esse orçamento de cerca de 41 bilhões seria apenas para cerca de 45 bombardeiros, número insuficiente. O mínimo é mais de 100.

Farroupilha
Farroupilha
4 anos atrás

Top-Secret…….
….. destrua depois que ler.

B-3…LRS-B:
Subsônico;
Tamanho 1/2 B-2;
+ Furtivo;
100 enfase em tecnologias inovadoras;
Carga útil 1/2 B-2;
Alcance direto cerca de 9000Km;
Capacidade de operar em rede, em nuvem;
Tripulado;
Bombardeio nuclear opcional, p/ evitar restriçoes de acordos de armas estratégicas;
Capacidade de ir no centro dos territórios inimigos e fazer multiplos ataques, com maior quantidade de novas bombas menores.

joao.filho
joao.filho
4 anos atrás

Erro??? Rsrsrs.

Aqui está outro exemplo… Pallets com cerca de US$40 000 000 000 “desapareceram” assim que chegaram no Iraque… me engana, que eu gosto!!!

http://www.cnbc.com/id/45031100

johnatan warp drive
johnatan warp drive
4 anos atrás

o B3 deveria ter propulsao baseada no gravitomagnetismo, assim faria valer o termo invisivel ao radar, pois sem emissao de calor dos propulsores convencionais nao haveria assinatura termica para se detectar

Marcelo
Marcelo
4 anos atrás

johnatan warp drive 19 de agosto de 2015 at 12:48 #

me diz o que você está usando que eu também quero…

Vader
4 anos atrás

Pois é, mas há quem diga que o B-2 já tem essa p. aí, seja lá o que for.

Por isso que ele tem maior autonomia e raio de combate do que é possível pela quantidade de combustível que carrega.

E por isso que não pousa em qualquer outro lugar que não bases americanas ao redor do mundo.

Carlos Campos
Carlos Campos
4 anos atrás

B2 é tão mitoso ( é um mito, da engenharia estadunidense) que parece ser uma nava alienígena

Carlos Campos
Carlos Campos
4 anos atrás

corrigindo, onde se ler ‘nava’, leia se ‘NAVE’

johnatan warp drive
johnatan warp drive
4 anos atrás

Marcelo, Pesquisa. Vader, o gravitomagnetismo e um efeito previsto na relatividade onde um corpo em rotaçao produz certo arrasto no tecido do espaço tempo, o que foi provado pelo experimento da Nasa – Gravity probe B – onde tambem estava envolvida a lockheed martin (http://science.nasa.gov/science-news/science-at-nasa/2004/19apr_gravitomagnetism/) , experimento relacionado a tal area tambem foi feito por Martin Tajmar e sua equipe na ESA (http://www.sciencedaily.com/releases/2006/03/060325232140.htm), onde perceberam que tal efeito de arrasto era bem mais significativo do que previa a relatividade, ou seja produzia uma cova no espaço tempo muito maior, que por sua vez é a gravidade em si, ele ate… Read more »