terça-feira, agosto 3, 2021

Gripen para o Brasil

Coreia do Sul oferece turboélice KT-1 ao Paraguai, com produção local

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

KT-1P - foto KAI

Segundo reportagem veiculada pelo site Jane’s na terça-feira, 2 de dezembro, o Paraguai recebeu uma oferta de representantes da empresa aeroespacial sul-coreana KAI (Korea Aerospace Industries) e do governo da Coreia do Sul para a compra de turboélices de treinamento KT-1, oferta que inclui o estabelecimento de uma parceria publico-privada e transferência de tecnologias para a co-produção do KT-1 no Paraguai.

As informações foram dadas no dia 1º de dezembro pelo vice-ministro das Forças Armadas Paraguaias, Rubén Carmelo Valdez.

A Força Aérea Paraguaia busca, há bastante tempo, aprimorar suas capacidades de vigilância aérea e treinamento com a aquisição de seis novos aviões turboélice que reforçariam sua frota existente de treinadores armados EMB-312 Tucano, fabricados pela brasileira Embraer. Em 2009, chegou a ser anunciado como modelo preferido o EMB-314 Super Tucano, mas o Congresso Paraguaio negou a verba de 105 milhões de dólares necessária para o contrato.

 

KT-1 - imagem KAIKA-1 - imagem KAI

FONTE: Jane’s (tradução e edição do Poder Aéreo a partir de original em inglês)

IMAGENS: KAI (em caráter meramente ilustrativo)

COLABOROU: Zampol

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

11 Comments

Subscribe
Notify of
guest
11 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Corsario137

Off-Topic: Airbus começa a se desfazer da Dassault

http://pt.euronews.com/2014/12/01/airbus-vende-participacao-na-dassault-aviation/

Oganza

Corsario137,

interessantíssima essa notícia.

Isso se chama “faxina corporativa” rsrsrs. São os Alemães retirando aos pouquinhos os franceses do escritório.

A pergunta é? Qual a posição corporativa dos ingleses e espanhóis na questão?

Grande Abraço.

Oganza

Putz, é uma pena o Paraguai “não poder” ficar com os STs. É a vetor com maior valor agregado dessa classe do mundo e ao contrário do que muita gente pensa e diz, 70% desse mérito não é da EMB, mas sim da FAB que elaborou requerimentos extremamente exigentes e conduziu todo o processo de desenvolvimento com a EMB. Mas essa ToT ai pode ser boa, vai que tenha alguns Paraguaios mais white flyers e possa até vir para as empresas brasileiras… 🙂 Pq essa produção ai para o Paraguai é com muita sorte 10 anos de linha aberta no… Read more »

Justin Case

Amigos,

Quem assumiu as ações da Dassault disponibilizadas pela Airbus foi a própria Dassault.
A mim não parece uma manobra para a Airbus diminuir a participação francesa, mas parte de restruturação do grupo, também aproveitando para reduzir o conflito de interesses entre Rafale e Typhoon.
Outro aspecto é que, sendo a Dassault estratégica para a França, não faria sentido disponibilizar essa participação no mercado aberto.
Abraços,

Justin

Victor Matheus

Verdade Oganza. Espero que o KC-390 também se torne uma ótima aeronave seguindo o exemplo dos STs. Além de que a FAB deve ter feito requerimentos beeem mais exigentes que os do ST.
Abraços.

Oganza

Justin Case, “Quem assumiu as ações da Dassault disponibilizadas pela Airbus foi a própria Dassault.” – Mas isso é o mais óbvio que a Dassault tinha que fazer. Puro instinto de sobrevivência. “A mim não parece uma manobra para a Airbus diminuir a participação francesa, mas parte de restruturação do grupo, também aproveitando para reduzir o conflito de interesses entre Rafale e Typhoon.” – Vc está correto no conflito Rafale/Typhoon mas o resto é no mínimo duvidoso… explico: Se a Dassault comprou “todas as ações no mercado”, ela não poderia ou deveria saber antecipadamente da venda, mesmo sendo ela “dona”… Read more »

Justin Case

Oganza, Aqui tem mais detalhes, em um link para o site da Airbus: http://www.airbusgroup.com/int/en/news-media/press-releases/Airbus-Group/Financial_Communication/2014/11/20141128_airbus_group_dassault.html “Airbus Group (stock exchange symbol: AIR) in an off-market block trade has sold to Dassault Aviation a total of 810,072 Dassault Aviation shares at a price of € 980 per share, representing a total amount of around € 794 million pre transaction costs. The French State has agreed to waive its rights under the shareholder agreement with Airbus Group, which provides in particular a right of first offer to its benefit, for this block trade, which represents approximately 8 percent of Dassault Aviation’s share capital. After… Read more »

Justin Case
Oganza

Justin, tiveram que fazer uma comunicado/solicitação ao órgão regulador para o “right of first offer” beneficiando a Dassault e garantindo uma “exemption to the requirement to launch a public offer.” Tudo isso para não ocorrer alguma irregularidade que mencionei acima e sem falar na tentativa de garantir um percentual majoritário de capital francês dentro da Dassault. Mas tem 2 poréns interessantes o qual bate com o que falei sobre decisões para uma “faxina corporativa”. 1 – No acordo, “the French State has agreed to waive its rights under the shareholder agreement with Airbus Group”, ou seja, menos pitaco político e… Read more »

Oganza

Justin,

desculpa e não sei se é o caso, mas eu usei a palavra Capital para designar o termo Ativos, o que tecnicamente é incorreto, para tentar facilitar o entendimento do que eu li nas entrelinhas do seu link, bastante esclarecedor por sinal.

Já o link da Dassault é para torcida, mas isso é normal.

De qualquer forma, minhas desculpas por alguma falta de didática. 🙁

Grande Abraço.

Nautilus

Muitas vezes penso que a Embraer cometeu um erro de marketing ao encerrar o desenvolvimento do Tucaninho e focar somente o Super Tucano. Existem muitas situações em que ela poderia oferecer uma versão mais avançada do Tucano, com glass cockpit e outros itens modernizados.

Últimas Notícias

Pilotos russos usaram receptores GPS feitos nos EUA durante missões de combate na Síria

Pilotos militares russos usaram receptores comerciais GPS de navegação por satélite durante suas operações de combate na Síria, de...
- Advertisement -
- Advertisement -