terça-feira, maio 18, 2021

Gripen para o Brasil

Sukhoi Civil Aircraft desmente possibilidade de falência

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Сборка самолета Sukhoi Superjet 100 в Ульяновске

Fabricante de aeronaves acumulou uma dívida de US$ 2 bilhões e violou os termos de empréstimos. Mas empresa socorre ao Estado para incrementar as verbas do programa Sukhoi Superjet e garantir o principal projeto da indústria de aviação russa.

Dária Tíkhonova

vinheta-clipping-aereoA fabricante de aviões de passageiros Superjet, a Sukhoi Civil Aircraft (SCA), desmentiu estar à beira da falência, apesar da crise interna. O jornal “Kommersant” teve acesso a fontes internas que preferiram não ser citadas na matéria. De acordo com os dados da publicação, a SCA acumulou dívidas de 2,1 bilhões de dólares e violou os termos de uma série de empréstimos. Em 2012, por exemplo, a empresa atrasou os pagamentos para o Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento e violou os termos de empréstimo recebido da corporação estatal “Banco de Desenvolvimento e Assuntos Econômicos Externos” (VEB) e do Banco Europeu WestLB.

Por meio de uma negociação, a SCA conseguiu que, ao longo de 2013, os bancos não exijam o pagamento antecipado de empréstimos – período que a empresa terá para superar as dificuldades financeiras. Se antes do final do ano a fabricante do Superjet não conseguir o dinheiro, ela terá que decretar moratória sobre os empréstimos.

Superjet e Sukhoi
O avião de passageiros Superjet foi o primeiro avião projetado e produzido na Rússia, e não na União Soviética. Em 2012, a SCA conseguiu vender 12 aviões Sukhoi Superjet. Em 2013, está prevista a venda de 27 aeronaves. Os prejuízos da empresa totalizaram 111 milhões de dólares em 2012. A empresa SCA foi criada em 2000. Setenta e cinco por cento menos uma ação da fabricante do Superjet pertencem à empresa Sukhoi, controlada pela empresa estatal United Aircraft Corporation. A italiana Alenia Aeronáutica também detém cerca de um quarto das ações da SCA.

No momento atual, o destino da SCA está sendo discutido pelos ministérios ligados ao setor e por credores. Do montante total da dívida da empresa, cerca de 600 milhões de dólares deveriam ser destinados ao banco estatal VEB. Supõe-se que a dívida com o Banco do Desenvolvimento (VEB) será convertida em ações da SCA ou de seu acionista, a JSC “Sukhoi”. O VEB também pode emitir um subsídio adicional para a empresa no valor de meio bilhão de dólares. Para quitar as dívidas com os outros credores, a SCA poderá disponibilizar títulos no valor de 0,6 a 1 bilhão de dólares. O governo, por sua vez, tem como oferecer uma garantia para esses títulos.

A empresa pediu um apoio adicional ao Estado para o programa Sukhoi Superjet (SSJ). A proposta é realocar os recursos do Programa de Metas Federal, que estavam destinados para a implementação da produção da aeronave de transporte de carga AN-70, em favor do SSJ. Outra opção de subsídio adicional para a SCA viria do próprio VEB. Uma das fontes do “Kommersant” sugeriu que o retorno desses recursos poderia ser obtido com a venda de 5% das ações da EADS (estrutura controladora da Airbus SAS), que o VEB comprou em 2007 do Banco VTB. Independente da decisão sobre o futuro da empresa, o departamento de imprensa da SCA adiantou que não há qualquer possibilidade de falência.

Oleg Panteleiev, da agência Aviaport, acredita que a fabricante de aeronaves não deve se desenvolver apenas à custa do governo. “Mas o SSJ é um projeto-piloto da indústria da aviação russa, por isso, é essencial que a SCA cumpra com as suas obrigações para com os credores, inclusive para manter a credibilidade das partes contratantes internacionais”, acrescentou o especialista. Diante de tal situação, a intervenção do governo por intermédio do banco “parece ter fundamento”.

FONTE: Gazeta Russa

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

6 Comments

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Vader

Amigos, dado tantos problemas com essa aeronave e tantos boatos sobre falência, a pergunta que não quer calar é: quem será a ESTÚPIDA companhia civil que adquirirá uma aeronave dessas?

De modo que, sim, a Sukhoi Civil está falida. no pior tipo de falência aliás: a perda de credibilidade.

Por mim, aliás, já vai tarde. Que a Sukhoi se contente em ficar replicando ad infinitum seus caças da Guerra Fria.

Jackal975

Olha, a situação dessa aeronave é a prova cabal de que JAMAIS se deve lançar um projeto aeronáutico comercial sem que antes se tenha certeza de que o mercado está precisando da mesma. A história da aviação é pródiga em nos dar exemplos de aeronaves “bonitinhas”, “excelentes” ou “revolucionárias” que fracassaram de modo monumental pois foram lançadas ANTES ou DEPOIS da existência de necessidade do mercado. Para o ANTES, temos o maior dos exemplos, o “Concorde”, que, penso eu, só será necessário daqui a algumas décadas, quando a tecnologia permitir vôos supersônicos econômicos. Para o DEPOIS, temos inúmeros exemplos, entre… Read more »

Joner

É, esse seguimento parece ser como um lago congelado, qualquer pisada na bola, e já era. As empresas devem viver com a faca na garganta!!
Tomara que a Embraer tenha feito uma boa escolha com o KC390, pois o projeto é muito bonito, agora é torcer para que corresponda aos cálculos.

champs

Uma pena…

Wagner

Deveria ter deixado a Tupolev ou a Iliushlin fazer os novos aviões civis, e não a Sukhoi.

Enfim, o negócio é seguir na marra, pois a recuperação da indústria civil aeronáutica russa depende desse projeto.

Bom, perto do que estavam em 95, os progressos foram notáveis.

Deve-se seguir em frente…

Vassili

Para o bem dos empregos ali em SJC……………………………. espero que a Sukhoi continue sendo uma excelente fabricante de aeronaves militares.

E nada mais rsrsrsrsrsrssss………………..

Pois ja ficou claro que fora a Aeroflot e algumas outras companhias aéreas sem grande prestígio mundo à fora não vão encomendarem o modelo russo.

abraços.

Reportagens especiais

Inovação à brasileira: o trem de pouso do KC-390

Desenvolvido para suportar 84 toneladas, o trem de pouso do KC-390 desafiou os engenheiros brasileiros e colocou a indústria...
- Advertisement -
- Advertisement -