sexta-feira, março 5, 2021

Gripen para o Brasil

F-X2: a quarta prorrogação

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

A Força Aérea Brasileira (FAB) prolongou por mais seis meses o prazo para a licitação bilionária para compra de 36 aviões de caça. A FAB pediu que os três fabricantes de aviões voltem a manifestar interesse pelo contrato de 5 bilhões de dólares. O último prazo terminou em 30 de junho e se estenderá agora até o final do ano.

Em comunicado, a Força Aérea disse que este novo pedido de apresentação das propostas financeiras é um “procedimento normal”, enquanto a seleção não é finalizada. A disputa está entre o modelo Rafale, da fabricante francesa Dassault, o F/A-18 Super Hornet, da norte-americano Boeing, e o Gripen NG, da sueco Saab.

Segundo o diretor da filial brasileira da Dassault, Jean-Marc Merialdo, o novo prazo é a “quarta prorrogação”. “É simplemente uma questão administrativa, não há nenhum outro motivo”, diz. Uma das principais condições do Brasil aos fabricantes é a transferência total da tecnologia. Assim, a construção das aeronaves poderá ser realizada de forma local, com a possibilidade de venda imediata no mercado regional.

FONTE: VEJA

- Advertisement -

17 Comments

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Daglian

Creio que é uma questão ideológica, não administrativa ou econômica. As duas últimas simplesmente são inconsistentes. Se não há dinheiro para 36 caças de quarta geração na quinta economia do mundo, como pode haver na Venezuela? Essa desculpa nunca colou e não vai ser agora que vai colar.

Marcos

Chávez ainda não se decidiu por qual aeronave comprar.
O grande problema é que no todo ou em parte as aeronaves tem componentes americanos, o grande Satã… não, não, não… grande Satã é como os iranianos chamam os americanos… para o pessoal daqui éééé… grande país imperialista. Como eu dizia, as aeronaves tem componentes americanos, o grande país imperialista ao Norte. O ideal seria adquirir aeronaves russas os chinesas, mas ambos não estão na lista final do programa FX.

Marcos

Quando o governo brasileiro decidir por qual aeronave comprar, o ganhador irá informar que infelizmente não terá mais condições de fornecer as aeronaves, pois as mesmas não são produzidas há pelo menos vinte anos.

Giordani RS

O Futuro é incerto e o fim está sempre perto!
– MORRISON, Jim –

helder junior

No Brasil é assim sempre pra frente frente frente frente depois depois e só sai quando não tiver mais jeito de enrolar!

Baschera

Não sei vocês …. mas eu não suporto mais este Efexis – Dois !!

Vou mudar o nome para Efeshit – Dois !!

Sds.

Nick

Até o Merialdo abriu o bico 🙂

Ele falou algo certo: NÃO EXISTE MOTIVO. Ou talvez exista e está relacionado sim à ideologia, e a política mas política eleitoeira. Ou seja querem o caça mais caro, mas não querem se expor por motivos eleitoeiros. E como temos eleições de 2 em 2 anos, fica difícil eles terem a cara-de-pau de anunciarem o Rafale.

[]’s

andersonrodrigues1979

Vergonha !!!!!!!!!!!!!!

Grifo

Senhores, acho que a intenção do governo infelizmente é matar o FX-2 de velhice. Não sei até quando as empresas podem manter os mesmos termos negociados em meados de 2009, daqui a pouco as propostas caducam de vez e uma outra seleção vai ter que ser feita.

Eu hoje duvido que o FX-2 saia do jeito em que foi concebido. No fim das contas acho que vamos ter “tampax”, ou uma compra menor tipo 12 unidades do FX-2 só para o GDA, ou nada.

Giordani RS

O problema maior não são os eternos adiamentos, o problema maior e que quando o tal jacto for escolhido, o caça já estará 10 anos defasado…

“Efeshit”: A melhor denominação!!!!

Srs. Editores, sugestão de matéria; O melhor(ou menos pior) Tampax no mercado…

Eu aposto em Forevis-5 Tiger III, ex-FACh…

Mauricio R.

E segue o enterro, da FAB enquanto força aérea.
Que se nada mudar, deverá ter um futuro brilhante, como empresa de taxí aéreo e transporte de carga.

ernaniborges

A matemática é a seguinte:
O Brasil quer o melhor caça mas sua tecnologia não está disponível para transferência, por ser de “ponta”.

Enrolo a “licitação”, até que ela esteja disponível.

Pronto. Vou comprá-la mesmo que seja daqui a cem anos. É questão de honra!

alphasr71a

É nada, o Brasil, como país do futuro, está esperando o futuro chegar para se decidir.

Esperando o amanhã

Vader

Realmente, acho que o governo do PT decidiu matar o FX2 de velhice.

Franco Ferreira

“Grifo disse:
8 de julho de 2012 às 4:37
Senhores, acho que a intenção do governo infelizmente é matar o FX-2 de velhice…”

Já matou, amigo, já matou! O negócio agora é ter cuidado com os F-5.

Aqui mesmo no aéreo, nós e outros já debatemos esta morte em:
http://www.aereo.jor.br/2011/02/26/morte-do-fx-2-oferta-de-consultoria-fx-3/#comments

Respeitoso abraço – Franco

Ozawa

Hoje mesmo tava revendo meus arquivos com dezenas e dezenas de revistas RFA, ASAS, Aero, S&D, T&D de uns bons 10 anos… E esbarrei com uma RFA de Mar/Abr/Mai 2003, para reler uma entrevista magistral do então Comandante da IAF, Major-General Dan Haloutz… Das altas nuvens dessa entrevista desci para o nível do solo, em rota de colisão com o terreno, para o editorial dessa mesma revista sobre…, o então cancelamento do FX 1… “Um banho de água fria caiu repentinamente sobre os planos e as esperanças de milhares de integrantes da FAB que esperavam pela definição dos diversos programas… Read more »

Combates Aéreos

- Advertisement -
- Advertisement -