sexta-feira, maio 27, 2022

Gripen para o Brasil

Gripen estará operacional na Tailândia em 2011

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Os primeiros pilotos e técnicos de Gripen da Royal Thai Air Force estão passando por treinamento na Suécia, para tornar operacional em 2011, o Esquadrão 701 da 7ª Ala.

A Tailândia está inicialmente comprando 6 jatos Gripen, com planos para aumentar a frota para 12 aeronaves. Compras posteriores são possíveis, “mas primeiro teremos que esperar pelas experiências operacionais com o caça na Tailândia”, diz o comandante Jackkrit Thammavichai, que será o primeiro comandante do Esquadrão. Entretanto, ele também diz, “Não prevejo nenhum problema” quanto à aquisição de mais aeronaves.

Quatro pilotos estão agora na Suécia para treinamento como pilotos instrutores, com outros seis pilotos chegando em janeiro, para treinamento como pilotos de alerta rápido. Os primeiros pilotos voaram Gripens A/B e começarão o trabalho nos C/D em breve, com o treinamento terminando em dezembro.

O comandante Thammavichai diz que a experiência de transição dos ex-pilotos de F-5 e F-16 tem sido boa, com uma aeronave “fácil de voar”. O sistema de controle de voo é “muito suave” e a interface homem-máquina é “bem projetada”.

Todos os seis Gripens deverão ser entregues à Tailândia em março de 2011. As aeronaves inicialmente serão armadas com mísseis Sidewinder AIM-9M e AIM-120 AMRAAM, embora a Tailândia também esteja comprando o míssil de dogfight IRIS-T para o Gripen.

Como parte do chamado Gripen Integrated Air Defense System, a RTAF também vai operar a aeronave AEW Erieye. A rede completa estará operacional no próximo ano, segundo Thammavichai.

FONTE: Saab

SAIBA MAIS:

- Advertisement -

11 Comments

Subscribe
Notify of
guest
11 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Jonas

É bom ver os países cumprindo com seus objetivos de defesa. Enquanto isso no Brasil…

É impressão minha ou parece que todo novo operador de Gripen também acaba solicitando um AEW? Esta “venda casada” para utilizar toda a funcionalidade do vetor parece ser nova e não era observada com frequencia a venda de outros modelos…

Vader

Jonas, é quase unânime para quem entende do assunto que a guerra aérea do futuro será travada em redes de várias aeronaves operando como um único organismo; neste sentido, um AEWC compatível potencializa as características de uma aeronave que é toda projetada desde sua concepção para operar dessa forma. Com efeito, um esquadrão de Gripen operando com um AEWC é um adversário mortal para qualquer aeronave do mundo. Para uma Força Aérea que já conta com um AEWC compatível, o Gripen seria a melhor escolha. Mas enfim, o que não se faz para ver os “parceiros estratégicos” contentes né? 🙂… Read more »

Gutex

Dando seguimento ao seu raciocínio Vader,
para uma Força Aérea que já conta com um AEWC compatível,
para uma Força Aérea que utilizará um míssil compatível,
para uma Força Aérea que necessita subistituir perto de 100 aeronaves em um futuro próximo com baixo orçamento, o Gripen seria a melhor escolha.
Essa pelomenos é a minha opinião e me parece a mais lógica, porém respeito quem discorda…

cal

Vader, quer dizer então que se escolhermos o rafale os nossos AEWC ficarão obsoletos e será necessaria uma nova encomenda?

A7X

Vader disse:
20 de julho de 2010 às 11:31

“Para uma Força Aérea que já conta com um AEWC compatível, o Gripen seria a melhor escolha.”

Concordo. Incluisve, no caso do Gripen NG, o sistema de datalink já estará praticamente integrado as aeronaves R-99.

Abs.

david

o melhor custo beneficil, eo os nossos ngs, ja estariam conectados aos r-99, reduzindo custos, verdade ou nao esses sao os melhores como o vader disse sao os melhor para quem tem pouco dinheiro e muita demanda!

Edu Nicácio

“sao os melhor para quem tem pouco dinheiro e muita demanda!” Pois é… Se cada um custasse aos nossos cofres US$ 50 milhões quando feito aqui, com US$ 6 bilhões poderíamos adquirir todas as 120 unidades pretendidas… E essas encomendas podem ser diluídas em 10 anos (2012-2022), garantindo ocupação da linha nacional e empregos aqui e lá na Suécia… Creio que o Brasil pode muito mais e TERÁ que fazer muito mais se quiser ser levado a sério. Seria ótimo vermos o GF fechando com a Suécia agora (FX-2) e abrir o FX-3 para o desenvolvimento de uma aeronave de… Read more »

Rafael

Apos a escolha do caça no FX-2, quanto tempo até o dito cujo estar plenamente operacional pela FAB?

Pimenta

É muito bom ler comentários tão racionais. Tem gente que realmente “viaja na maionese”. Parabéns, pessoal.

Fabio Mayer

O Alto Comando d FAB esfrega as mãos de contentamento:

Logo haverá mais F-5 dsponíveis no mercado!!!

Vader

cal disse:
20 de julho de 2010 às 13:02

Repito a resposta que deu um famoso astrofísico americano a um jornal que lhe pediu que dissesse em 500 palavras se existe vida fora da terra:

Ele respondeu:

“Ninguém sabe” (250 vezes) 🙂

Últimas Notícias

Japão permitirá exportações de caças e mísseis para 12 países

Índia, Austrália, Vietnã, Tailândia, Malásia, Filipinas entre destinos TÓQUIO - O governo japonês planeja permitir a exportação de caças, mísseis...
- Advertisement -
- Advertisement -