Home Indústria Aeroespacial Boeing e EADS entregam propostas para o KC-X

Boeing e EADS entregam propostas para o KC-X

269
12

Por ordem alfabética, comecemos com a proposta da Boeing:

A Boeing informou a entrega nesta sexta-feira, 9 de julho, de sua proposta para o programa KC-X da USAF (Força Aérea dos EUA) para um novo avião-tanque. Denominado pela empresa como NewGen Tanker, o avião é baseado no Boeing 767 e tem como objetivo substituir 179 dos 400 aviões-tanque KC-135 da USAF. 

Segundo a Boeing, a proposta tem 8.000 páginas e satisfaz a todos os 372 requerimentos mandatórios da USAF, com destaque em oferecer capacidade, sobrevivência e prontidão pelo menor custo para o contribuinte norte-americano, principalmente no que se refere a custos de operação.

A empresa também destacou, no seu informe sobre a entrega da proposta, que tem mais de 60 anos de experiência no desenvolvimento, construção e apoio de aviões-tanque para as Forças Armadas dos EUA.

Ao mesmo tempo em que é baseado em um avião comercial bastante provado, o 767, o NewGen Tanker incorpora, segundo a Boeing, tecnologias avançadas para atender a requerimentos futuros, o que inclui uma filosofia de projeto do cockpit e displays eletrônicos do Boeing 787 Dreamliner.

A empresa calcula que sua proposta representa uma economia, ao longo de 40 anos de serviço, de mais de 10 bilhões de dólares apenas em custos de combustível, em comparação com o concorrente da EADS. Quanto a custos de manutenção, a Boeing estima que seu produto oferece uma economia de 15 a 20% em relação a seu concorrente. Por fim, a Boeing afirma que seu avião-tanque responderá por 50.000 empregos nos EUA, contando com 800 fornecedores em 40 estados.

Outros países que contrataram derivados do 767 para a missão de reabastecedores aéreos foram o Japão (quatro aeronaves entregues) e a Itália (em contrato).

Agora, um pouco sobre a proposta da EADS:

A EADS North America informou que submeteu sua proposta para o KC-X, programa do novo avião-tanque da USAF, na última quinta-feira, 8 de julho. O prazo final era esta sexta-feira, 9 de julho.

Como destaque do informe sobre a proposta de 8.800 páginas, está o número de 48.000 empregos de norte-americanos para a construção do KC-45, designação da versão para reabastecimento em voo do A330 para a concorrência da USAF.  Vale lembrar que o outro concorrente da disputa, a Boeing, vem insistindo justamente nos empregos que vai garantir em vários estados norte-americanos caso seu NewGen Tanker seja o vencedor, em seus releases divulgados nas últimas semanas (para ver um dos vários exemplos que estão no site da Boeing, clique aqui).

A EADS North America destacou também que seu avião é o único da competição que já está voando e realizando operações de reabastecimento em voo com vários tipos de aeronaves – com mais de 1.000 horas de contatos e reabastecimentos de aviões que incluem o F-16, o F-18, o E-3 AWACS e outros reabastecedores A330. Além disso, ressaltou que o KC-45 será montado em uma nova fábrica a ser construída em Mobile, no estado do Alabama, que também deverá produzir aviões comerciais da Airbus. A base de fornecedores norte-americanos para o avião deverá ser de mais de 200 empresas, incluindo:

  • EATON (bombas, válvulas e outros equipamentos de reabastecimento em voo)
  • GE Aviation (motores e sistemas)
  • Goodrich Corporation (sistemas variados)
  • Hamilton Sundstrand (geradores, turbinas e sistemas relacionados)
  • Honeywell (sistemas de comunicação,de navegação e outros componentes)
  • Moog Inc. (sistemas de controle de voo)
  • Parker Aerospace (receptáculos para reabastecimento, equipamentos do sistema hidráulico e de combustível)
  • Rockwell Collins (eletrônicos)
  • Triumph Aerostructures – Vought Aircraft Division (estruturas das asas)

Baseado no A330 MRTT (Multi Role Tanker Transport – transporte e avião-tanque multitarefa), que já foi selecionado por quatro países em competições em que ganhou de aviões-tanque da Boeing, o KC-45, segundo a EADS, carrega mais combustível, carga e passageiros a distâncias maiores que o seu competidor. 

FONTES / FOTOS: Boeing (site do programa NewGen Tanker) e EADS (site do programa KC-45)

NOTA DO BLOG: vale a pena visitar os dois sites acima e se divertir acompanhando a guerra de palavras e números das duas empresas. A competição pelo KC-X vem se arrastando no tempo e acumulando controvérsias, incluindo uma típica situação de “ganhou mas não levou” para a EADS. Enquanto isso, a frota de reabastecedores da USAF envelhece a olhos vistos. Para saber mais a respeito, clique nos links abaixo.

VEJA TAMBÉM:

12
Deixe um comentário

avatar
11 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
7 Comment authors
Mauricio R.grifoNunãorobertdrcoakroach Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
bulldog
Visitante
bulldog

desculpem o off topic….msa vejam a entrevista que o Lulla deu pro G1 na África do Sul. Está reproduzida entre aspas..logo…

“Nós estamos querendo que o companheiro Zuma se junte ao Brasil na construção do avião KC-139, que é o novo Hércules que nós estamos construindo, um avião de caça, que é importante, a gente pretende que em 2015 ele esteja pronto”, afirmou. “O Ministério da Defesa e [o Ministério da] Ciência e Tecnologia vão continuar discutindo [a questão]”, disse.

Meu Deussss…estamos perdidos.

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Eu espero que por aqui dê o A-330MRTT, já que iríamos nos beneficiar das instalações (e estoque de peças) da TAM que opera a versão civil do modelo.

drcoakroach
Visitante
drcoakroach

bulldog disse:
10 de julho de 2010 às 2:16

Prezado Bulldog, a despeito da mistureba de palavras, eu espero que o Pres. Zuma tenha feito um lobbyzinho pelo Gripen, a Africa do Sul serah beneficiada se o Brasil fechar com o Gripen (em um futuro…).

[]s!

P.S.: Serah que os dois estavam uhh,… digamos,… err… “alegres” com as bebidas 🙂 O Zuma tb tem uma fama….

robert
Visitante
robert

O KC-X deles é igual ao nosso F-X !!

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Ei, faltou a terceira proposta do KC-X: a Antonov junto com seu parceiro americano US Aerospace, concluiu o envio da proposta deles para o KC-X.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

Até aí se fosse o B-767, o serviço poderia ser feito aqui, pois tem empresa brasileira que foi homologada em Israel p/ modificar essa mesma aeronave p/ cargueiro.
Ganhamos nas duas pontas, enquanto que c/ a TAM é somente a manutenção da aeronave.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“…incluindo uma típica situação de “ganhou mas não levou” para a EADS.”

Ah meu, já chega o Robson…

Pq o blog não publica a decisão do GAO em relação á queixa da Boeing, que cancelou a seleção do KC-45???
Aliás seria didático publicar como se deu a seleção do KC-45, o briefing da USAF que levou a queixa no GAO e a decisão do GAO.
E tb o que orientou a renovação do processo, pós cancelamento da seleção do KC-45 e o novo RfP.
Assim uns e outros aprendem, como os americanos compram materiais de defesa.

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

“…seu avião é o único da competição que já está voando e realizando operações de reabastecimento em voo com vários tipos de aeronaves – com mais de 1.000 horas de contatos e reabastecimentos de aviões que incluem o F-16, o F-18, o E-3 AWACS e outros reabastecedores A330.”

Truco!!! É mentira, Terta!!!
A entrega das aeronaves australianas está 1 ano atrasada, as da RAF 5 anos e meio, as de Arábia Saudita e dos emirados ainda estão sendo modificadas na Espanha.

grifo
Visitante
Member
grifo

Caro Nunão, acho que o ponto aqui do Maurício é que a expressão “ganhou mas não levou” dá a impressão (certamente não intencional) que o processo americano foi esculhambado e direcionado, como se houvessem jobins atuando por lá. Este ponto de vista infelizmente foi divulgado aqui por outras fontes que querem pregar a idéia de que compra militar é igual em qualquer lugar do mundo, o que não poderia ser mais errado. O relatório do GAO, órgão que não temos similar no Brasil mas que se assemelharia em alguns pontos ao nosso TCU, é exemplar em mostrar como se faz… Read more »

Mauricio R.
Visitante
Mauricio R.

De acordo.