Caças F-35B da MCAS Iwakuni, Japão, voam ao lado de 2 B-1B Lancers da USAF de Ellsworth AFB e 2 caças F-15J da Força Aérea de Autodefesa do Japão em 30 de agosto perto de Kyushu, Japão, em um claro aviso para a Coreia do Norte. (Foto: JASDF)

CAMP H.M. SMITH, Havaí — Os mais novos e mais avançados caças dos Estados Unidos, os F-35B Lightning II do USMC, juntaram-se aos B-1B Lancers da USAF pela primeira vez em uma missão bilateral seqüenciada com as forças aéreas do Japão e a República da Coreia no Nordeste da Ásia em 30 de agosto.

Dois B-1Bs da Base da Força Aérea de Andersen, Guam; quatro F-35B da Marine Air Corps Air Station Iwakuni, Japão; dois F-15Js da Koku Jieitai (Japan Air Self Defense Force); e quatro F-15K da Força Aérea da República da Coreia (ROKAF) executaram esta missão para enfatizar o compromisso combinado com a defesa dos Aliados e da dos EUA. Reforçar a prontidão militar combinada através de missões integradas garante aos líderes nacionais opções militares viáveis ​​e prontas.

Esta missão foi conduzida em resposta direta ao lançamento de mísseis balísticos de alcance intermediário da Coreia do Norte, que voou diretamente sobre o norte do Japão em 28 de agosto em meio a uma crescente tensão sobre os programas de desenvolvimento de mísseis nucleares e balísticos da Coreia do Norte.

“As ações da Coréia do Norte são uma ameaça para nossos aliados, parceiros e nosso país, e suas ações desestabilizadoras serão tratadas em conformidade”, disse o general Terrence J. O’Shaughnessy, comandante das Forças Aéreas do Pacífico dos EUA, que acabou de retornar de uma visita não programada ao Japão para um encontro com os seus homólogos “. Esta complexa missão demonstra claramente a nossa solidariedade com os nossos aliados e sublinha o alargamento da cooperação para a defesa contra esta ameaça regional comum. A nossa força avançada será a primeira a lutar, pronta para entregar uma resposta letal em um momento de aviso se a nossa nação chamar”.

Ao longo da missão de 10 horas, os bombardeiros F-35B, B-1B e os caças Koku Jieitai voaram juntos em águas perto de Kyushu, no Japão. As aeronaves dos EUA e da ROKAF passaram por toda a península coreana e praticaram capacidades de ataque ao lançar armas reais na área de treinamento da Pilsung Range, antes de retornar às suas respectivas estações domésticas.

“O F-35 incorpora nosso compromisso com nossos aliados e contribui para a segurança geral e estabilidade da região do Pacífico indo-asiático”, disse o tenente-general David H. Berger, comandante do Marine Corps Forces Pacific dos EUA. “Ao avançar com base no F-35, o avião mais avançado do mundo, aqui no Pacífico, estamos permitindo que o Corpo de Fuzileiros responda rapidamente durante uma crise em apoio ao Japão, à República da Coreia e a todos os nossos parceiros regionais”

O Comando do Pacífico dos EUA mantém capacidades estratégicas de bombardeiros e caças no teatro Indo-Asiático-Pacífico, mantendo a capacidade de responder a qualquer ameaça regional imediatamente.

F-35B lançando bombas guiadas na Coreia do Sul em exercício
Os F-15K também lançaram bombas

FONTE: US Pacific Command

52 COMMENTS

  1. Cara, eu ‘tenho orgasmos!’ só de ver esse B-1B Lancer voando!! “Vai ser bonito assim lá em casa!” 😛

  2. Foto belíssima e histórica.
    Aos poucos, o F-35 vai tomando o seu espaço.
    Em breve, o Eagle e o Falcon serão passado.
    Daqui a pouco vem o B-21.

    Sds

  3. Desfile dos covardes.
    Na hora H, o B-1 se manda de volta para os EUA.
    O F-35 vai pro arquipélago nipônico se esconder.
    Sobra para o F-16 e o F-15, buchas de canhões. Todos eles viram caixoes voadores perto da supremacia do Fencer e do S-400. O gordinho tem acesso, por isso Tio Sam abaixa o rabo.

  4. Jonas Silva 1 de setembro de 2017 at 0:56
    Desfile dos covardes.
    Na hora H, o B-1 se manda de volta para os EUA.
    O F-35 vai pro arquipélago nipônico se esconder.
    Sobra para o F-16 e o F-15, buchas de canhões. Todos eles viram caixoes voadores perto da supremacia do Fencer e do S-400. O gordinho tem acesso, por isso Tio Sam abaixa o rabo.

    Jesus isso que a droga faz com as pessoas!

  5. Jonas Silva 1 de setembro de 2017 at 0:56

    Pelo visto os leitores da Sputnik e do PlanoBarril agora querem vir aqui emporcalhar o lugar. O sujeito além de adepto de sputnice ainda é ignorante e desinformado pois o Fencer é o Su-24, o mesmo bombardeiro tático que um F-16 turco derrubou tem nem dois anos. E essa do S-400 então?…rrs!

    Fica a dica cidadão: melhor você se abster de comentar aqui…..

  6. Eu não sei se caio na risada, ou mando falo uns baitas palavrões ao ver os comentários dos fãs de países comunistas ou países que se alinham aos ideais comunistas! É doença, bebedeira ou droga?
    Desfile de covardes? A aliança entre Coreia do Sul, Japão e EUA pode varrer a Coreia do Norte do mapa. Se a Rússia e a China vai proteger a Coreia do Norte aí é outra conversa – acredito que esses gigantes não tem muito o que ganhar em troca do delírio do ditador gordinho maluco.

  7. De acordo com o artigo abaixo, faz pelo menos 14 anos que, os USA tentam diplomaticamente evitar que a CN detenha armas nucleares. Em 1993 foi assegurado que não haveria uso da força e nem interferência nas relações da CN. Em 1994, o governo Clinton baixaria as sanções e doariam $ 4bi através da construção de um reator para geração de energia e mais 500mil toneladas de óleo por ano. Entre 1995 e 2008 foram doados mais de $1.3 bi em comida e energia. http://www.newsweek.com/did-us-really-pay-north-korea-extortion-money-25-years-fact-checking-trumps.

    Ao longo dos anos, nenhuma tentativa surtiu efeito, clandestinamente e depois publicamente a CN desenvolveu suas armas e agora faz ameaças cada vez mais reais e frequentes aos USA, CS, Japão, Austrália e até Europa. Em resposta, os aliados praticam exercícios conjuntos regulares e tentam demonstrar prontidão. A China por sua vez nunca mostrou empenho verdadeiro em deter seu pupilo ou costurar um acordo no qual todos ganhassem.
    Considere que as ameaças não irão cessar, considere que um conflito traria perdas catastróficas aos envolvidos, por outro lado considere que a falta de ação militar (já que a diplomática não tem sido efetiva), está permitindo à CN aumentar sua capacidade de infligir danos ainda maiores e letais… The clock is ticking… Não é uma decisão fácil. Abraço a todos!

  8. Acredito que um ataque por parte dos Estados Unidos já deveria ter acontecido e um plano, é claro, já deve estar pronto, só que algum ponto ainda não está solucionado, ainda não se tem certeza que alguma ameaça* em potencial pode ser neutralizada. No momento que eles tiverem essa certeza o ataque será feito.
    .
    .
    * Como por exemplo, a localização precisa de alvos ou a real eficácia de determinada instalação bélica norte-coreana.

  9. Paulo Jorge 31 de agosto de 2017 at 21:43
    Em breve, o Eagle e o Falcon serão passado.
    Discordo do amigo, mas pelo fator ‘tempo’. Acho que o F-15 ainda pode dar ‘muito caldo’, especialmente se a versão Silent Eagle vier a ser escolhida por algum operador! No caso de Israel mesmo, em outro post aqui do Aéreo discutiu-se sobre isso; uma versão atualizada do F-15 seria um possibilidade para Israel ao invés de adquirir F-35B :
    http://www.aereo.jor.br/2017/08/05/israel-demonstra-interesse-na-variante-stovl-do-f-35/
    Abraços.

  10. WFonseca 1 de setembro de 2017 at 10:21
    Por isso que eu sempre comparo a CN a mafiosos que vivem de extorquir empresários em troca de ‘proteção’! ….

  11. Acho que se o grande fiador da CN, a China, simplesmente lavar as mãos e apenas guardar suas fronteiras ante o fluxo de refugiados, deixando claro seus desejos em relação à Coréia do Norte (se deve deixar de existir, ou não), já selaria o destino de Kim Jong-Un. A chave desse cenário, à meu ver, é a China.

  12. Uma intervenção ocidental na Coreia do Norte implicaria oferecer à China manter o país independente e em sua área de influência. Equação simples: se os EUA quiserem destruir o regime do PjongYang, terão que aceitar que tão logo ele caia, os chineses o assumam e mantenham lá o comunismo-capitalista que eles já mantém em seu país e e Hong Kong e Macau.

    A China não abrirá mão disto, razão pela qual sempre bloqueou qualquer tentativa de intervenção, ela não quer mais um país capitalista lhe fazendo fronteira direta.

    A Coreia do Sul não aceitaria, já que entende que a guerra é de reunificação.

    Mas a grande verdade é que as coisas vão se complicando e talvez EUA/Japão/Coreia do Sul tenham de aceitar que é melhor ter um inimigo poderoso mas sensato como a China, do que um fraco, mas tresloucado como o ditador norte-coreano.

  13. É inegável que a CN perderia a guerra, caso estourasse um conflito. O problema disso seria o efeito nas finanças do ocidente com os danos catastróficos na Coréia do Sul e, eventualmente, no Japão.
    É o que segura uma medida mais enérgica. Mais que a China, que, no meu modo de ver, é mais um agente estabilizador, mantendo minimamente suprido de alimentos a população da CN.

  14. Leandro Costa 1 de setembro de 2017 at 11:15
    Certamente que a CN ainda existe justamente porque isso interessa à China! Não sei explanar direito como… mas Beijing usa o regime de Pyongyang, com suas bravatas militares, pra criar ‘dor de cabeça’ para EUA e aliados — Japão e Coreia do Sul …

  15. Fábio Mayer 1 de setembro de 2017 at 11:26
    O que eu não soube explanar em meu comentário anterior, o amigo soube! 🙂

  16. Porque o B-1 não é mais um bombardeiro nuclear? É só uma questão de tratado? As armas previstas quando da sua entrada em serviço não são mais utilizadas mas se ele lança bombas convencionais porque não pode lançar as B 61?

  17. Fábio Mayer 1 de setembro de 2017 at 11:26
    Concordo.
    O Trump achou que poderia deixar a China em suas mãos, mas o resultado favoreceu o exato oposto do previsto pelo Trump. Para a China aceitar derrubar o regime de Pyongyang, passaria tanto por questões geopolíticas e econômicas, eu não tenho a menor dúvida que a China usaria isto para barrar o protecionismo de produtos chineses no mercado americano, e assumir a CN, fora isso acho que a China não deixaria o regime da CN cair.

  18. Fábio Mayer 1 de setembro de 2017 at 11:26

    Se a China quiser pode enxotar o gordinho. Penso que a saída é por aí.

  19. Billy 1 de setembro de 2017 at 11:38
    Ele era! Foi projetado como um bombardeiro nuclear tático. Mas, recentemente, seu uso foi repensado para perfis de missão diferentes! Demais colegas aqui do Aéreo poderão explicar melhor!
    Abraços!

  20. A China é a chave, os amigos estão corretos. O que a China decidir em relação à CN, apoiar, lavar as mãos ou ela mesma intervir (dentre tantas outras possibilidades sutis ou grosseiras), se refletirá no futuro do gordinho megalomaníaco.
    O diabo mora, como se diz, nos detalhes: e se um míssil de teste desses falhar e cair em solo japonês? E se a cadeia de comando falhar e um míssil for considerado como ameaça real e for abatido? E se num exercício desses um B1 se perder por acidente e cair em solo norte-coreano? E se um avião civil acabar abatido nessa confusão? E se outro destróier A. Burke da VII Frota colidir com outro cargueiro (olha o elemento “teoria da conspiração” se fazendo presente”)?
    Com meus pobres exemplos quero ilustrar que são tensões como esta que acabam em guerras, basta um único dos milhares de soldados, centenas de comandantes ou dezenas de políticos errar um pouquinho seu papel nessa história para o primeiro tiro sair e o mundo se lascar.
    Eu acho que o potencial para um conflito em larga escala existe porque a região é foco dos EUA, Japão, Coréia do Sul, China e Rússia (esta talvez em menor escala). Tem muito poder geopolítico envolvido.

  21. HMS,

    Eu duvido que a China o faça, porque daí ela teria um inimigo declarado na sua fronteira, mesmo que destroçado. Penso que a solução vem do ocidente, com a benção chinesa, mas a China mesmo não vai fazê-lo. Ademais, se o ditador caísse, seria muito mais fácil o generalato do enorme exército norte-coreano negociar com os comunistas chineses do que com os reunicistas sul-coreanos ou mesmo os capitalistas americanos.

  22. A CN é um dos melhores clientes comerciais da China, 80% do aço utilizado nos EUA é proveniente da China, fora vestuário e tecnologias. A China não vai descer do muro, ela irá tentar uma solução diplomática entre esses dois Eua e CN. A Rússia não deverá tomar partido a favor da CN, o Presidente Putin ficará articulando com o Presidente Chinês para uma solução diplomática. Enquanto isso o Ping-pong e o Trumpalhão ficarão de birra mostrando que um tem mais força que o outro. O Fogueteiro contra o Megalomaníaco.

  23. Billy,
    Devido à redução de armas nucleares não havia mísseis AGM-86B suficientes para armar os B-52 e os B-1 e preferiram conservar o mais antigo para a função e para levar bombas nucleares de queda livre a função ficou reservada ao B-2 que por ser furtivo não tem maiores problemas em penetrar no território inimigo.
    Acabou que não tinha mais lugar pro B-1 na “tríade” e a ele foi reservado o papel de bombardeiro convencional somente.

  24. Ivanmc 1 de setembro de 2017 at 12:19
    A CN é um dos melhores clientes comerciais da China ” — se me permite o colega, a China é que um dos melhores clientes comerciais da CN, porque é quase o ÚNICO! A China compra mais de 82% das exportações norte-coreanas (principalmente carvão mineral: 35% das exportações; e alguma produção têxtil…)
    https://brasil.elpais.com/brasil/2017/04/20/economia/1492664119_821475.html
    De resto, é como o colega descreve mesmo: a China ‘deve’* continuar em cima do muro, se ‘fingindo de morta’, mas vai querer bloquear qualquer ação enérgica que os EUA resolvam tomar.
    * eu digo ‘deve’ porque prefiro não afirmar nada! Não tenho informação privilegiada nenhuma pra saber de antemão o que os outros vão fazer…!
    Abraços!

  25. Não fumei nada.
    O Lancer foi convertido em arma de ataque à baixa altitude. O relevo e a proximidade com a China contra indicam o uso dele por lá.
    O F-35 não está com o software de combate plenamente operacional. Ele participa de desfiles, mas se chover volta pro Hangar.
    Restam as buchas de canhões F-15 e F-16 que são versões desatualizadas e alvos fáceis a qualquer sistema S-300/400.
    O Fencer russo abatido na Turquia foi pego de surpresa. Em condições normais ele apaga um AEGIS, quanto mais um F-16 de merda.
    Tudo isso é desfile e no fim de tudo eles peidam na farofa.

  26. Amigos,
    .
    Os chineses são, de longe, os que mais estão lucrando com essa situação…
    .
    Por um lado, jogam pra platéia dizendo que haverão de defender os norte coreanos. Mas resta evidente que não tomarão posição, caso sejam os coreanos do norte a iniciarem uma refrega…
    .
    Pra mim, está claro que se não forem os americanos a agir, serão os próprios chineses que vão mexer os pauzinhos e botar a CN no seu lugar…
    .
    Até aqui, os chineses estão deixando correr frouxo porque claramente veem que a situação não os ameaça.
    .
    Fica também evidente o papel fundamental dos chineses nessa questão, abrindo a possibilidade de negociar mais a frente, no que poderia dar a estes a oportunidade de se auto afirmarem como “player” maior na região, dando aos EUA e Rússia um papel secundário.
    .
    A rigor, os chineses podem tirar proveito de qualquer situação, mesmo que seja um ataque a CN… E podem resolver agir em nome da “segurança da região”.
    .
    Mas ocorre que os coreanos do norte podem não fazer necessariamente esse jogo… Estes podem se decidir por negociar unilateralmente, o que os colocaria em uma posição de destaque maior até que a China na questão… Seria uma potência dialogando com outras, o que traria um reconhecimento da causa de Pyongyang e sua auto afirmação entre as nações. Claro que isso depende da aceitação dos aliados, evidentemente, mas não é impossível. Na busca por pacificar a situação, os aliados podem decidir por entrar nessa jogada, e também tencionando um golpe nos chineses… Não há dúvida de que coreanos do norte, sentados a mesa unicamente com coreanos do sul e americanos, deixando os chineses de fora, seria um tremendo revés para os chineses…

  27. André Luiz.’. 1 de setembro de 2017 at 13:19

    André, considerando o que sei, fruto exclusivo do meu interesse e estudo do tema, estou de acordo com seu ponto de vista: a China tem muito mais a ganhar ficando em cima do muro, até porque com isso ela acaba desgastando seus antagonistas regionais – Japão, Coréia do Sul, etc – e seu principal antagonista, os EUA.
    Aqui mesmo na Triologia já tivemos reportagens sobre o desgaste dos meios navais japoneses, dado o aumento das comissões em função da “expansão” chinesa. Também a dois dias saiu uma reportagem sobre as possíveis causas da colisão do USS Fitzgerald (http://www.naval.com.br/blog/2017/08/30/investigadores-advertiram-marinha-dos-eua-antes-das-colisoes-mortais/), com dados sobre o excesso de comissões e falta de treinamento, o que me serve de subsídio ao meu raciocínio.
    O problema está no que eu escrevi acima: são muitas as variáveis, fortes e decisivas as vaidades (considero tanto o gordinho quanto o Trump capazes de puxar o gatilho por motivos pessoais….) e tem gente demais com poder nessa história. Um erro qualquer, trivial em outro cenário, poderá resultar numa guerra.

  28. helio 1 de setembro de 2017 at 14:33
    Valeu, helio! Mas, se discordar, também não tenha melindres em comentar! É sempre bom ter outro ponto de vista! 🙂
    Abraços!

  29. O Coreano maluco do norte fica brincando de jogar pedra na janela alheia, arrotando bravatas para quem quiser ouvir!!!!!!
    Ele tem alguns Mig-29, 27 e 21, alguns SU-25 e talvez SU-24… MI-8, Mi-17 e Mi-24, MD-500 contrabandeados e algumas aeronaves compradas de forma ilícita da Nova Zelandia. Caças chineses , mas não os mais modernos.
    Já o Tio Sam e amigos tem F-4, F-15, F-16, A-10, F/A-18,B-1, B-52, Apaches, cobras , dentre outros…. Só pelo ar já basta?

  30. Há de se levar em conta que Seul está a 50 km da fronteira da CN., segundo analistas americanos, eles têm perto de mil peças de artilharia, (na fronteira), apontadas para Seul, que em sua região metropolitana tem cerca de 25 milhões de habitantes, seria um estrago surpreendente. Não acredito que a CN iniciará um ataque pura e simplesmente, pois, conhece muito bem o revide a que seria submetida. Esse “chove-não-molha” deve continuar e tudo permanecerá como sempre.

  31. Jonas Silva,
    Quer dizer que você acredita nas sputineces que alegam que um Fencer é capaz de paralisar um destróier Aegis mas chama os F-15 e 16 de buchas de canhão desatualizados?
    E pra você combate aéreo agora tem que avisar antes? Se pegar na surpresa e covardia? Deve ser por isso que o Stealth russo tem 5 radares né. Como os russos são muito dignos e honrados eles vão de caça furtivo mas emitindo mais que a torre Eiffel. Provavelmente os russos e chineses como não são covardes como os ocidentais vão pintar seus caças de vermelho ou quem sabe, laranja.
    Quanto à penetração em baixa altitude, há muito deixou de ser a tática adotada pela OTAN como norma. Ainda é utilizada mas hoje a preferência é pelo ataque a média altitude com ECM intensiva ou a grande altitude com aeronaves stealths.
    Mas independente disso o B-1 pode lidar muito bem com o relevo da Coreia do Norte caso fosse necessário uma penetração furtiva a baixa altitude, mas ele não deverá fazer isso. Ele tem uma suite de ECM completa e conta até com despistadores rebocados ALE-50. Diferente dos furtivos o B-1 é capaz de chutar a porta e entrar dando tiro porque ele não tem medo de ser descoberto.
    Infelizmente o ditador que você tanto gosta é um pé no saco e vai levar um chute no traseiro de uma bota americana e quem mais vai gostar são os chineses e russos, que como sempre vão deixar o piano nas costas dos americanos e vão posar de bonzinhos e tolerantes pra galera da extrema esquerda poder se fartar de ódio contra os imperialistas.

  32. Fora o fato que a CN esta toda mapeada, os exercitos aliados conhecem todo o territorio muito bem(em caso de bombardeio por parte dos eua ja sabem onde jogar as bombas)

  33. Dizem que a artilharia do xaropinho tem de 10 mil a 20 mil peças.
    18 milhões de pessoas da KS sob alvo desse inferno.
    _____________________________

    Quem assistiu a eqüação da KN + KS + JAPÃO + AUSTRÁLIA na CNN Live ontem a noite ?
    Um Cel Americano já retirado resumiu tudo e creiam a coisa é feia.

  34. Carlos Alberto, gostaria de ter assistido esse da CNN ontem!
    Jonas Silva, prezado… F-15 e 16 buchas de canhão?? Misericórdia…
    Senhores
    No último acirramento da crise, foi amplamente divulgado um Sub Nuc americano se dirigindo pra região. Ele tinha um DDS… logo, conclui-se q há Op Esp na KN e não é só suposição…
    Embora China e EUA não queiram o conflito, a cada dia vemos a tensão aumentar.
    Para uma belonave americana ser atacada na região ou avião ser abatido, é o q pouco custa pras coisas explodirem.
    sDS

  35. Esqueçam qualquer ataque à Coréia do norte, essa janela já fechou faz anos. Mesmo em um ataque maciço algum míssil nuclear do gordinho poderia passar, principalmente endereçado para a CS ou Japão, esse é o maior receio. Israel por exemplo adotou essa medida bem antes do inimigo ter capacidade nuclear, neutralizou os reatores de forma magnifica.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here