Home Conflitos em andamento Quais são as opções dos EUA contra a Coreia do Norte?

Quais são as opções dos EUA contra a Coreia do Norte?

6874
134
O B-2 é uma das opções dos EUA para ataques cirúrgicos contra as instalações de mísseis da Coreia do Norte

À medida que a janela fecha rápido para a Casa Branca impedir Kim Jong-un de obter mísseis balísticos intercontinentais, observadores começam a analisar as opções militares do presidente Donald Trump

Com a janela fechando rápido para que os EUA possam parar Kim Jong-un de obter um míssil balístico intercontinental com ogiva nuclear, os observadores da Coreia do Norte estão começando a analisar as opções militares do presidente Donald Trump. Ele alertou na terça-feira que a Coreia do Norte seria engajada com “fogo e fúria” se continuar a fazer ameaças. Depois que as Nações Unidas concordaram com as mais rigorosas sanções no regime de Kim, a Coreia do Norte reiterou sua posição de que seu programa de armas nucleares é necessário para impedir uma invasão dos EUA. Para Trump e os EUA, não há escolhas fáceis.

1. Os EUA não podem fazer um ataque cirúrgico?

Provavelmente não funcionaria bem o suficiente. Os mísseis e instalações nucleares da Coreia do Norte estão dispersos e escondidos em todo o terreno montanhoso do país. Uma falha em atingi-los todos deixaria cerca de 10 milhões de pessoas em Seul, 38 milhões de pessoas na vizinhança de Tóquio e dezenas de milhares de militares dos EUA no nordeste da Ásia vulneráveis ​​a ataques com mísseis — com ogivas convencionais ou nucleares. Mesmo que os EUA conseguissem acabar com todos, Seul ainda seria vulnerável aos ataques da artilharia da Coreia do Norte.

2. Por que Kim pode apelar para armas nucleares?

“Mesmo um ataque limitado” pelos EUA “corre o risco de ser entendido pelos norte-coreanos como o início de um ataque muito maior, e eles podem escolher usar suas armas nucleares”, disse Jeffrey Lewis, diretor do Programa de não-proliferação da Ásia Oriental no Middlebury Institute of International Studies. De alguma forma, os EUA precisariam sinalizar tanto à Coreia do Norte quanto à China — principal aliado e parceiro comercial de Pyongyang — que um ataque militar cirúrgica é limitado e que eles deveriam evitar retaliação nuclear.

3. A mudança de regime é uma opção?

Uma nova liderança não conduziria necessariamente a uma nova maneira de pensar entre a liderança da Coreia do Norte. A exposição prolongada de Kim aos valores ocidentais, enquanto esteve na escola na Suíça, levou alguns a especular que ele poderia optar por abrir seu país para o mundo — até que ele tomasse o poder e provasse que eles estavam errados. Além disso, se Kim de alguma forma fosse alvo de remoção, a camarilha governante que o cerca teria que ir também — levando a uma lista de matança muito longa. A China, temendo tanto uma crise de refugiados como tropas americanas na fronteira, provavelmente procuraria sustentar o regime existente.

4. Isso significa que a guerra total é a melhor opção dos EUA?

Uma invasão em grande escala seria necessária para eliminar rapidamente a artilharia da Coreia do Norte, bem como seus programas de mísseis e de energia nuclear. No entanto, qualquer sinal de um ataque iminente — como o acúmulo de poder de fogo dos EUA, a mobilização de militares sul-coreanos e japoneses e a evacuação de cidadãos americanos na região — poderia induzir a Coreia do Norte a atacar preventivamente. A China e a Rússia também podem ser envolvidas. “Realisticamente, a guerra deve ser evitada”, disse John Delury, professor assistente de estudos internacionais na Universidade Yonsei, na Coreia do Sul. “Quando você executa qualquer análise custo-benefício, é uma insanidade”.

5. Como a Coreia do Norte pode retaliar?

A reação mais imediata provavelmente seria fogo de artilharia maciça em Seul e seus arredores. As instalações de artilharia da Coreia do Norte ao longo da fronteira podem ser ativadas mais rapidamente do que os recursos aéreos ou navais e mísseis balísticos maiores que podem atingir bases sul-coreanas, japonesas ou americanas na região com armas nucleares, químicas e biológicas. Esses países possuem sistemas de defesa de mísseis balísticos no local, mas não podem garantir que eles consigam abater todos. O Japão começou a oferecer conselhos aos seus cidadãos sobre o que fazer no caso de um míssil cair perto deles — essencialmente se esconder sob o solo — e as empresas dos EUA estão comercializando abrigos de mísseis. Embora não esteja claro se a Coreia do Norte pode atingir as cidades dos EUA como Denver e Chicago com um ICBM nuclear, é similarmente desconhecido se os sistemas de defesa dos EUA poderiam derrubá-lo — aumentando as ansiedades americanas.

6. Qual seria o preço econômico se a guerra começasse?

A Coreia do Sul é responsável por cerca de 1,9% da economia mundial e é o lar de empresas, incluindo a Samsung Electronics e Hyundai. Uma queda severa na atividade comercial devido à guerra na península causaria problemas generalizados na região e globalmente — e isso é sem o desdobramento das armas nucleares da Coreia do Norte contra o vizinho. Os mercados financeiros globais também sofrerão um tremendo choque no curto prazo, com migração para ativos seguros como o ouro, o dólar e o franco suíço. “A crise humanitária e a reconstrução econômica da península coreana após esse conflito nuclear exigiriam uma cooperação internacional em larga escala liderada pela China, os EUA e a União Européia e provavelmente levaria mais de uma década para reconstruir a economia”, de acordo com Para Rajiv Biswas, economista chefe da Ásia-Pacífico para a IHS Markit.

7. Quais as opções que permanecem na mesa?

Muitos analistas dizem que é hora de iniciar negociações para impedir que a situação se agrave. Parar a Coreia do Norte da obtenção de uma arma termonuclear, ou mísseis de combustível sólido mais avançados, é um objetivo que vale a pena perseguir, de acordo com Lewis. Por mais desagradável que possa parecer, isso significa oferecer recompensas para atrair a Coreia do Norte de volta à mesa de negociação. Lewis sugeriu que uma recompensa poderia ser reduzir os exercícios militares liderados pelos EUA em torno da Coreia do Norte. A questão do que pode ser oferecido aos norte-coreanos “é uma conversa que deve acontecer com o público, com o Congresso e com os norte-coreanos, em vez de ter essa conversa imaginária sobre cenários de guerra”, disse Delury. “A opção realista é a diplomática que coloca um freio nessa situação. E isso vai exigir muitas conversações”.

FONTEwww.independent.co.uk / Tradução e adaptação do Poder Aéreo

134 COMMENTS

  1. Que situação! Infelizmente deixaram chegar em um ponto longe demais, agora é baixar a cabeça e tentar conversar, pois qualquer intervenção militar certamente vai afetar o mundo todo. Coitado do planeta…

  2. Pelo jeito a Coréia do Norte (CN) vai continuar por um bom tempo sendo a maior propriedade privada do mundo (o gordinho é dono de tudo e de todos), com milhões de escravos a sua disposição.
    Na minha humilde opinião, acho que em caso de conflito a China não tomaria posição. A China tem interessa na Coréia do Norte, mas acaba no momento que começar uma guerra, acho que será o primeiro a ficar inerte diante de um ataque contra a CN. A China é economicamente muito dependente do mundo, não apenas nas exportações, mas na importação de produtos.
    “”””A exposição prolongada de Kim aos valores ocidentais, enquanto esteve na escola na Suíça, levou alguns a especular que ele poderia optar por abrir seu país para o mundo — até que ele tomasse o poder e provasse que eles estavam errados””””
    Caramba, que ideia estúpida kkkkk por que alguém deixaria de ser dono de milhões de escravos? Por que alguém deixaria de ser dono de um país?

  3. “A opção realista é a diplomática que coloca um freio nessa situação. E isso vai exigir muitas conversações”.

    Depois de tudo que vimos sob Obama, ler uma asneira dessas é demais.

    Todos vimos o que ocorria sob o nazismo na Alemanha e comunismo da Rússia. Na CN certamente estão ocorrendo fatos escabrosos, diria mesmo demoníacos, com campos de concentração como os nazistas (que aprenderam com os soviéticos -vejam no youtube A verdadeira historia soviética)e terrores os mais imundos. Sou favorável a uma guerra total contra a CN, os milhões de seres humanos na CN merecem e nossa humanidade exige uma ação definitiva. O mal não pode prevalecer.

  4. Ivan BC, *** Caramba, que ideia estúpida kkkkk por que alguém deixaria de ser dono de milhões de escravos? Por que alguém deixaria de ser dono de um país? *** não entendi, o que tem de obvio nisto ?? E estupidez ser sensato, humano e ético ??

  5. Quanto mais o tempo passa, pior fica.
    O maior risco é o de Seoul.
    O problema de atacar a Coreia do norte não pode ser feito em minutos.
    Qualquer ataque pode levar dias e semanas se envolverem navios e aviões ou mesmo horas se envolver mísseis de cruzeiro.
    É hora de usar inteligência maciça.
    Onde estão os silos de mísseis?
    Onde estão as armas químicas?
    Como destruir em poucos minutos a cadeia de comando?
    Acho que os alvos prioritários deveriam ser esses silos de mísseis balísticos, não importa quantos sejam, toda a artilharia ao longo da fronteira e os líderes do país.
    Ainda fica o risco dos drones com armas químicas…
    Mas se não for agora no futuro será pior.
    Não sei porque ao longo do tempo não limitaram a população de Seoul.
    Deveriam ter levado as empresas mais importantes, o grosso da população para outras cidades. Paulatinamente.

  6. Juliano Bitencourt 9 de agosto de 2017 at 15:16

    Uma guerra total significa centenas de milhares de mortos nas Coréias e no Japão, principalmente, além dos soldados “ocidentais” e norte coreanos. Isso não é o jogo War. Os EUA estão em guerra permanente desde a segunda guerra do Iraque e seu orçamento e equipamentos não seriam suficientes, creio. Além da opinião pública, que conta muito por lá.

  7. Nonato 9 de agosto de 2017 at 15:37
    Não sei se os mísseis estão em silos. Normalmente as imagens mostram o disparo a partir de plataformas móveis.

  8. Já está aparecendo mais um FDP propondo dar grana aos comunas. O problema é que tem imprensa demais dando espaço ao “porquinho vermelho”. Foda-se esse cara! Não tem coragem de atacar Guam ou qualquer outra parte do mundo. O que os EUA tem que fazer e apontar os Minuteman para cabeça daqueles boiotas e pronto!

  9. Lá só se for no esquema de encostar alguns submarinos de ataque, 2 porta-aviões, vários navios de desembarque, tudo ao mesmo tempo, correria e gritaria… Padrão Blitzkrieg, com ajuda de Japão e Coreia do Sul, pro gordinho maluco não ter nem chance de terminar o flango dele. Assim Japão e Coreia do Sul não sofreriam os ataques… mas o trump não ta nem aí pra Seul ou Tóquio né… então deixa quieto, deixa assar mais um pouco.

  10. André Bueno 9 de agosto de 2017 at 15:38
    São mais de 25 milhões de seres humanos sendo massacrados, abusados, tortutados, assassinados, destroçados TODOS OS DIAS há décadas e décadas. Libertá-los não tem NADA a ver com jogo War, mas tem tudo a ver com dever ético, com consciência, com decência e dignidade. Nós sabemos o que aconteceu na Alemanha Nazista e na Rússia Comunista. E sabemos o que ocorre na Coréia Comunista. Fechar os olhos para isso é cômodo e poupa nossas consciências, mas é INDECENTE.

  11. De boa como nação soberana a Coreia do Norte tem todo o direito de possuir o artefato nuclear.

    O problema é que gera uma mudança de poder na região, coisa que não agrada os E.U.A.

    Em vez de trabalhar para a paz na região ficar ameaçando com “fúria e fogo” não vai resolver o problema.

  12. O caso da Coréia do Norte não tem solução, infelizmente.

    Se os EUA iniciam um bombardeio em larga escala para derrubar o regime do gordinho, milhões de pessoas morrem devido ao contra-ataque norte-coreano e Seul — sede de algumas das empresas mais importantes da economia mundial — é destruída; se os EUA não fazem nada, o gordinho continua com seu programa nuclear e seu reinado intacto, podendo até mesmo dominar a tecnologia para criar a bomba de hidrogênio no futuro, aumentando ainda mais seu poder dissuasivo.

    De todas as opções possíveis, a diplomacia — por mais ineficaz que possa parecer — ainda é o caminho mais sensato na atual situação. É isso ou uma crise humanitária e econômica que nenhuma potência está preparada para lidar.

  13. Juliano Bitencourt 9 de agosto de 2017 at 15:51

    Com certeza o que lá ocorre é um horror. Mas o custo-benefício em vidas, de ambos os lados, será ainda maior. Se correr, o bicho pega, se ficar, o bicho come.
    Penso que passou o tempo,perderam o timing para um ataque.

  14. Qualquer movimento sem aprovação dos chineses estará fadado ao fracasso. Tanto militarmente, quanto economicamente.
    .
    Resta saber se o governo chinês finalmente resolve destruir o monstrinho que eles criaram, ou se permanece tudo na mesma.

  15. Clésio Luiz 9 de agosto de 2017 at 15:59

    Teria a China ascensão suficiente para barrar ainda mais asneiras norte-coreanas?

  16. André Bueno, esquece cara, não adianta tentar explicar o óbvio para certas pessoas, esse tipo de gente acha que o mundo é igual aos joguinhos de PlayStation que eles estão acostumados a jogar. Se fosse tão simples assim atacar a Coreia do Norte os EUA com certeza já o tinham feito como fizeram no Iraque, Afeganistão e Líbia. O Pentágono sabe que em relação a Coreia do Norte a ferida fica bem mais embaixo, e não é só porque a mesma tem armas nucleares não, mas a quantidade gigantesca de armamento convencional que a mesma tem a poucos KM de Seul e de seus soldados na zona de fronteira, os EUA sabem que uma guerra ali logo ao lado de 3 entre as 15 principais economias do mundo seria um desastre, tanto econômico como humanitário, milhares de pessoas morreriam, inclusive soldados americanos.

  17. Sei não viu, acredito que caminhamos para um colapso mundial em meio a guerras ferrenhas e esta ae pode ser o pontapé inicial.

  18. hannes, tem solução sim, é só a China parar de exportar componentes para os misseis coreanos, os EUA já mandaram várias indiretas para Pequm, vamos ver até quando a China vai continuar apoiando o gordinho maluco

  19. Não sei a China está disposta a pagar o preço do que o King Kong JR aprontar.
    Mas quem já leu o livro “Fuga do campo 14” dá para imaginar o que passa o povo de lá se não estiver “entre os amigo do rei” e a Venezuela faz tempo que está indo para o mesmo caminho.
    Bardini 9 de agosto de 2017 at 16:19 no livro, ele comenta que todo refugiado da CN primeiro vai pra China e depois de algum tempo daí sim para a CS.
    O maior vilão da história parecer ser os democratas.
    Eles estão tão obcecados que o Trump se ferre que não querem nem mais saber o que isso vai custar. Obsessão deles por isso chega a ser psicopática.

  20. MARCELO SOUSA BASTOS 9 de agosto de 2017 at 15:18
    Você não entendeu o que eu quis dizer! Eu quis dizer que um ditador jamais vai deixar de ter escravos e ser dono de um país por motivos éticos ou sensatez. Eu não esperaria uma mudança de comportamento do gordinho da CR pelo fato de estudar na Suiça, se tivesse bons valores e uma ética valiosa ele não seria ditador. Abraço!

  21. John Delury, professor assistente de estudos internacionais na Universidade Yonsei, na Coreia do Sul, escreveu:
    “Realisticamente, a guerra deve ser evitada.”
    “Quando você executa qualquer análise custo-benefício, é uma insanidade”.
    .
    Ok!
    Ele tem razão nas duas afirmações, mas começa a viajar na maionese diplomática quando afirma no final:
    “A opção realista é a diplomática que coloca um freio nessa situação. E isso vai exigir muitas conversações”.
    .
    A diplomacia falhou, porque a ameaça dos canhões não era verossímil.
    A cúpula de Pyongyang não vai largar o poder assim facilmente e os chineses desconfiam até da própria sobra. Assim sendo, eles vão continuar levando esta situação ‘com a barriga’ indefinidamente.
    .
    Na verdade, o ‘doido’ da Coréia do Norte sempre foi um ótimo instrumento desestabilizador contra os ianques na Ásia, sendo ótimo para a China.
    .
    Guerra total?
    Ataque cirúrgico?
    Provavelmente não, mas é necessário que EUA, Coreia do Sul e Japão escalem as opções de força com firmeza, levando Pequim a levar a sério uma possível guerra – cirúrgica ou total – na sua fronteira.
    .
    Refugiados…
    É uma arma demográfica que sempre foi usada contra o ocidente.
    Talvez agora os chineses tenha que considerar os seus efeitos, só que contra eles.
    .
    A escalada é necessária.
    Pyongyang pode nem ligar.
    Mas Pequim terá que rever suas posições.
    .
    Abraço,
    Ivan, o Antigo.

  22. Os EUA devem negociar com a China a manutenção (e portanto não fechamento) do comércio US-China, e mesmo fortalecimento desta relação, em troca de sinal verde(secretamente) para uma ataque total das forças americanas, japonesas e sul-coreanas(600.000 guerreiros altamente treinados)contra os criminosos que comandam a CN. A UE deve entrar também nas negociações com a China, com seu mercado. A Rússia isolada não vai encarar essa. E sua pequena e recessiva economia não permitiria. É hora de decisões difíceis e dolorosas, que não podem ser postergadas. E que paguemos o preço, pois não tomar essa dicisão agora significa pagar um preço muito mais alto no futuro, quando qualquer ação será, aí sim, impossível.

  23. não sei não mas creio que a China tem algo na manga , um guerra entre os EUA e esse gordim …. poderia desestruturar a economia mundial ( inclusive a dos EUA e a China assumir um protagonismo …..sei não muita coisa por trás desse silêncio ….

  24. obs China ta comprando TUDO desde a Africa até em terra BRASILIS …empresas ..áereas ….minérios , produções…..e 1 Bi e 200 Milhões de boquinhas ……….

  25. Jr 9 de agosto de 2017 at 16:09
    “EUA sabem que uma guerra ali logo ao lado de 3 entre as 15 principais economias do mundo seria um desastre, tanto econômico como humanitário, milhares de pessoas morreriam, inclusive soldados americanos.”
    .
    Talvez você não saiba, mas JÁ ocorre há décadas seguidas um desastre humanitário permanente envolvendo TODA a população da Coréia do Norte. E também um desastre econômico, onde a miserável população norte coreana morre de fome, milhares todos os dias, mas parece que isso não importa nada para certas pessoas.
    De nada adianta se maravilhar com as tecnologias bélicas, com o profissionalismo e capacidade de combate dos melhores exércitos, marinhas e forças aéreas, com táticas e estratégias militares geniais, tudo isso é um meio, e deve ser usado para alcançar objetivos defensáveis. O desastre que é uma guerra deve servir a um fim nobre. E nada mais nobre que libertar 25 milhões de pessoas inocentes de uma máquina de esfacelar corpos e almas.
    Tenho certeza que o povo coreano (vide Coréia do Sul) tem a tenacidade e capacidade para reconstruir sua nação, como tiveram no passado japoneses, alemães, ingleses.

  26. Não deve ser ignorada a participação da Austrália nesse imbróglio.
    Se houver pega-pra-capá, com certeza vai sobrar pra eles também.

  27. Não existe opção boa, não se deve brincar com quem não tem nada a perder, e a Coreia do Norte não tem nada a perder. Espero que as pessoas na Coreia do Sul, no Japão e nas demais nações próximas estejam preparadas para o que virá.

    -Saudações!

  28. Juliano Bitencourt, como eu disse para o André Bueno é inútil tentar explicar o óbvio para certas pessoas, mas pelo menos essas “certas pessoas” são minoria aqui, a maioria não só entendeu muito bem porque essa situação da Coreia do Norte não é tão simplória de resolver, como também deram exemplos do porque os EUA não atacam o gordinho maluco.

    ” É hora de decisões difíceis e dolorosas, que não podem ser postergadas. E que paguemos o preço” Paguemos quem???? Você é que não deve ser, afinal os misseis da Coreia do Norte não tem capacidade de atingir a sua casa ou de seus parentes, é muito fácil falar de sacrifícios quando se esta em um lugar confortável e distante da zona de conflito

  29. Em minha humilde opinião, não há mais o que fazer senão monitorar minuciosamente os movimentos do regime e investir pesadamente em um guarda-chuva anti-mísseis cercando a Coréia do Norte (a lá Israel). Não há ataque preventivo que seja eficaz, a não ser o total, e isso é uma loucura sem precedentes e impensável. Ninguém assinaria isso, nem mesmo Trump.
    É preciso entender que o regime se nutre desse “conflito” e silenciar é a melhor política. Os Chineses mantém a Coréia do Norte respirando e tem o poder de moderar os ânimos. O fato é que não querem. Botar pressão econômica nos chineses dará resultado (a lá House of Cards….rsrsrsrs).

  30. De novo leio o absurdo de acusarem Obama pela situação da Coreia do Norte, tem dois culpados pela situação, o Pres. Dem. Harry S. Truman que de 1950 a jan/1953 não conseguiu ganhar a guerra e o Pres. Rep. Dwight D. Eisenhower que pulou fora fazendo com que a ONU assinasse uma trégua no meio de 1953 que dura até hoje.
    Se Obama tivesse atacado a Coreia do Norte seria responsabilizado pela morte de milhares de Sul Coreanos nos ataques a Seul, mesmo sem as nukes.

  31. Eu já não sei se devo catalogar o brasileiro como um povo lacaio ou lacaio e retardado, já dou por sentado que somos apatridas.

    USA ainda hoje ocupa militarmente a Alemanha com mais de 40 mil soldados
    Somente em Okinawa tem quase 30 mil soldados.
    Na Coreia do Sul tem a minucia de 35 mil soldados

    USA ademas tem quase 600 bases pelo mundo e um nefasto e extenso historico de intervenção em terceiros paises (entre eles o Brasil) desde o final da WWII

    A Coreia do Norte somente não foi invadida como Libia graças a que tem armas atomicas e a capacidade de colocar las já praticamente em territorio americano.

    Somente um ignorante historico, um idiota integral e um lacaio vende patria achariam que os norte coreanos são os maus desse filme, se USA quer a paz na região o primeiro que deve de fazer e parar de interferir no pais que ele ajudou a dividir.

  32. Acho que se perdeu a oportunidade de frear a Coréia do Norte para adquirir armamento nuclear. Agora se sentar na mesa e procurar acordos com ela e se fazer o que era impensável até um ano atrás que é reconhecer ela, Coréia do Norte, como uma nação nuclearmente armada. Do contrário, Deus nos guie nas outras opções sendo uma delas uma guerra!

  33. Existem as linhas e as entre linhas deste imbróglio todo. Não existem soluções simplistas para esta situação. Se fosse fácil os Estados Unidos teriam resolvido. O detalhe é a China. O gordinho é o Pit Bul dos Chineses, ele é útil e interessante como instrumento de desgaste contra os Estados Unidos e pode causar danos sérios e irreparáveis a Coréia do Sul e Japão. Não sei se somente bravatas resolvem este caso. Que entrem em sena os especialistas.

  34. Creio que há alguns detalhes a serem observados neste caso:
    1 – Será que a China, ansiosa em se tornar a maior potência econômica do mundo , vai querer uma guerra em suas fronteiras?
    2 – Será que a mesma China vai querer sacrificar suas relações econômicas com os EUA e aliados por causa de um ditador maluco? O que rende mais, o comércio EUA-China ou o comércio China- CN ?
    3 – a mesma coisa poderia ser questionada com relação à Russia … Putin vai querer se sacrificar economicamente em relação à CN?
    4 – Os EUA vão esperar até quando para tomar uma decisão – drástica ou não – em relação ao ditador gordinho? Até ele resolver lançar um dos seus mísseis nucleares e começar uma guerra generalizada na região?
    5 – Não deveriam subestimar o tal ditador gordinho, pois a cada dia ele prova estar disposto a se manter no poder de qualquer forma.
    Ao meu ver, esta é uma situação que deveria ser resolvida o mais rápido possível, pois essa guerra nunca acabou – vale lembrar que em 1953 foi assinado um cessar-fogo, não um armistício e portanto, a guerra continua. Mas desta vez outros fatores são levados mais a sério.
    Abraços a todos.

  35. A China faz jogo duplo, obviamente, interessa a eles uma CN nuclear capaz de destruir cidades na CS, Japão e principalmente EUA, enquanto a China fica na boa, fora dessa guerra….. E sai ganhando muito, certamente…. Ou é quem menos perde….

  36. Vocês subestimam demais o poder da China.

    Esse cenário irreal onde os EUA fazem pressão na China e esta última é obrigada a aceitar de bico calado, se é que existiu alguma vez nas últimas décadas, não existe mais hoje em dia. Atualmente, ambos falam de igual pra igual.

    Se a China decidir que o gordinho deve ficar no poder, ele vai permanecer lá independentemente da vontade dos americanos.

  37. O maior ganho para a China seria se tornar outro Japão, capitalista e imperial (trocando o regime forte comunista pelo regime forte imperial), e cada vez mais desenvolvida. Com a vantagem de não estar subordinada militarmente aos EUA. O comunismo na China foi um fracasso sangrento, genocida. Foi o capitalismo que a elevou entre as nações. E se combinar o capitalismo com a volta do Império do Meio, com um Imperador Qing de fato, mantendo o atual parlamentarismo, e dando mais liberdade de mercado, empreendedorismo e inovação, a China pode, ao invés de dividir o mundo, torná-lo mais rico e mais forte, como sempre foi ao longo dos milênios de atuação do Império Chinês.

  38. Tem outro detalhe, a China pode assistir a esta confusão toda ser sair de casa e se meter, depois vai dizer que o cidadão era maluco, instável, etc.
    Mas os EUA terão gastos altíssimos em caso de conflito, coisa de bilhões de dólares que a Coreia do Sul não vai pagar com o próprii prejuizo que vai ter no conflito e depois com a reunificação.
    Conforme ja postei a Alemanha ja gastou mais de um trilhão de dólares com sua reunificação.

  39. Para nós fica a lição:
    Só se é respeitado quem tem um belo porrete na mão.
    O Brasil já deveria ter suas nukes a muito tempo..
    Mas.. Continua deitado eternamente em berço esplêndido, confiando na sorte.
    Sem uma capacidade nuclear plena de nada adianta 100, 200 ou 300 Gripens, frente a uma potência como os EUA.

  40. Rodrigo M, não sei se teriamos necessidade de ter nukes, elas nos causariam problemas no início.
    Quanto aos problemas criados por elas, depois de um tempo a coisa é esquecida, lembrem que India e Paquistão sofreram pressoes e embargos, mas hoje nem se fala mais nisso.

  41. Hannes,
    .
    O problema não é o “gordinho” no poder.
    O problema é o “gordinho” com armamento nuclear de longo alcance.
    .
    Este é um “perigo real e imediato”.
    Se a ameaça era contra a Coreia do Sul e Japão, agora a ameaça é contra os Estados Unidos da América.
    .
    Neste contexto a China, por mais poderosa que seja hoje e no futuro, não vai querer escalar o jogo, pois um ‘inferno nuclear’ provocado pelos ‘cowboys’ poderá ser maior e mais devastador que o que está à disposição deles…
    … com uma diferença:
    Os ianques podem colocar um pouquinho de ‘inferno nuclear’ onde quiserem e do tamanho que acharem conveniente.
    .
    Claro que os americanos podem optar por um ‘inferno menos quente’, tipo convencional.
    .
    A questão é que o establishment norte americano, independente do Trump, colocou Pyongyang na alça de mira, embora o alvo seja Pequim.
    Isso mesmo.
    Aponta o ‘inferno’ para Pyongyang visando mobilizar uma reação concreta de Pequim.
    .
    Mas há outras variações sobre o tema…
    .
    Coreia do Sul e Japão não estão parados.
    Isso não combina com aquelas nações que já passaram por tantas agruras.
    Estão caminhando com o desenvolvimento de armas de defesa e ataque todos os dias, basta dar uma olhada nos mísseis balístico e de cruzeiro dos ‘coreenses’ do sul.
    .
    Lembrando que coreanos e japoneses dominam o ciclo atômico, a única coisa que os impede de desenvolver armas nucleares é a vontade dos seus povos.
    Mas, diante de ameaças constantes, a vontade pode mudar.
    .
    Então a situação vira.
    O maior receio da China é ter uma Coreia do Sul e, principalmente, um Japão com armas nucleares e meios para lançar.
    .
    Sds.,
    Ivan.

  42. É bom lembrar que a culpa maior disso é da própria China como patrocinador da CN. A China jamais deveria ter deixado a CN iniciar esse tipo de desenvolvimento, e foi a China, olha do por seus próprios interesses, que salvou a CN no final de 1950 e garantiu sua sobrevivência para se tornar sua buffer zone.
    .
    O trabalho da diplomacia agora é justamente convencer a China que a CN é um inconveniente também para ela, assim como para toda a região.

  43. “A pergunta é a seguinte. Os norte-coreanos querem mesmo ter arma nuclear, ou querem é chegar tão perto que ela fique a seu alcance? (…) Eles se expõem a risco maior tendo as armas nucleares [mísseis com ogivas, etc]. Sua capacidade de pressão aumenta se chegarem perto de ter, mas não tiverem. (…) Se [uma negociação] acontecer, precisa ser por agora. Os Estados Unidos, a Coréia do Sul e o Japão declararam todos que desejam negociar. Todos os sinais porém sugerem que a Coréia do Norte está acelerando no sentido de obter capacidade de lançar arma nuclear e dissuadir qualquer país que queira mexer com ela.”

    https://geopoliticalfutures.com/north-korea-nukes-negotiations/

  44. O regime de Kim só não foi parar nos livros de história ainda por causa da China. Não se iludam com essas análises. Se a China quisesse pagar a conta da reconstrução da Coréia do Norte ela já teria voltado para o paleolítico em menos de 12 horas por um ataque americano, sul-coreano e japonês.
    O problema é quem vai pagar a conta depois da guerra.
    Quem vai reconstruir o país e cuidar do povo destruído e passando fome? Ninguém quer pagar a conta, nem China, nem Coréia do Sul, nem Japão, nem EUA, nem Rússia.
    O custo maior da guerra é a calamidade posterior. Por isso o Kim tá por aí ainda.

  45. Opção 1: EUA e China chegam a um acordo sobre a CN. Afinal a CN só existe graças a China. Pouco provável.
    Opção 2: EUA “libera” CS e Japão para desenvolverem rapidamente artefatos nucleares e assim recuperam um certo equilíbrio de forças na região. Não acredito.
    Opção 3: EUA providencia o assassinato do Kim Jong. Tenho um novo líder, há uma nova esperança, sem contar que o novo líder temeria que o mesmo acontecesse consigo. Pra mim a melhor opção.
    Opção 4: EUA tira da cartola um “coelho” daqueles que só eles tem no deserto de nevada, assombrando CN, China e o resto do mundo num ataque hipersônico, minimizando ao máximo a capacidade de reação da CN. <- viagem na maionese.
    Opção 5: Comece uma mobilização sem precedentes desde a Guerra do Golfo, leva tudo o que pode pra região e paga pra ver se os CN não vão blefar. Se blefarem ótimo, do contrário, pau na máquina! Por piores que sejam as consequências, será melhor do que ter um lunático com vários ICBMs ativos na mão em 2 anos! <– não gosto da ideia mas apostaria que é bem o que os EUA deverão fazer.

  46. A solução é mísseis balísticos intercontinentais sem ogivas nucleares.
    Localiza o gordinho, os principais centros de comando, as artilharias na fronteira.
    Em meia hora está tudo terminado.
    Poderia também ter a mother of ALL bombs.
    Não sei se cabe num icbm.
    Menos tempo para a reação. E logo em seguida os bombardeiros stealth, caso necessários.
    Não precisa haver refugiados.
    Acredito que a maioria da população e dos refugiados não apoia o ditador.
    Há muita gente lá louca pelo poder.

  47. os eua ja devem estar em defcon 4 no minimo axo q infelizmente a guerra é inevitável ao meu ver o japão declarou guerra aos eua pelo embargo de petroleo ou seja por muito menos…essas ultimas sanções foram muito severas até o carvão sofreu sanções o q levará a cn a viver a base de pedras, sinceramente não vejo mais saida para essa situação, agora no jn já revelaram q a cn planeja lançar 4 misseis q passarão sobre o japão e cairão nas aguas a 40 km de guam…

  48. Nonato, a tua opção, Tio Sam teria que avisar Russos e chineses previamente, para não tomarem como lançamentos de ICBM, ninguém garante que os chineses não avisem o menino maluquinho antes.
    Sinuca de bico. Tio Sam já movimentou uns oito navios de apoio logístico para guam, ou seja, a batata assadada menino maluquinho está quase pronta .

    g abraço

  49. Muitos citam que para a China a atual situação da Coréia do Norte – CN é benéfica, mas se for pensar tal afirmação não é tão verdadeira.
    1 – Quanto mais “nuclear a Coréia do Norte – CN” mais EUA, Japão e Coréia do Sul desenvolverão escudos para interceptar tal arma. Já há na Coréia do Sul o sistemas THAAD, não sei se ja existe no Japão.
    Quanto mais sistemas THAAD nos arredores da China, pior! Pois mais fácil será neutralizar em uma situação hipotética uma ação nuclear chinesa. Justamente por isso a China pede o tempo inteiro para retirarem o sistemas THAAD da Coréia do Sul.
    Quanto mais nuclear a Coréia do Norte, maior será aceitação popular dos japoneses e coreanos (sul) para o desenvolvimento local desse tipo de tecnologia, maior será os gastos nesse campo e com aceitação popular (cientistas nesses 2 países não faltam).
    Ou seja, diante desse risco nuclear, em 1 década a China poderá estar rodeada de modernos sistemas de interceptação de mísseis nucleares e isso é péssimo para a China.
    2 – Quanto maior o risco da CN, mais próximo ficam os governos da Coréia do Sul e Japão (países que no passado eram hostis entre si). Aliás, de 2000 até os dias atuais já mudou muito…Inclusive é visível a existência de um grupo de países (bloco) da região com grande desconfiança da China (um problema comum que necessita de ação coordenada), por exemplo, aproximação de India, Japão, EUA, Coréia do Sul, Taiwan, Vietnã, além de outros menores.
    3 – Quanto pior fica a situação por causa da CN, pior fica a imagem da China perante a opinião pública. Aliás, já observo muitas pessoas com grande desconfiança em relação a China e sua política externa, por diversos motivos: controle total do mar da China (praticamente roubam o litoral de outros países), apoio a CN, atrito com a India, atrito com Taiwan, repressão em Hong Kong, planos de bases no exterior…

  50. Ivan, eles, China, dependem muitíssimo de suas linhas de abastecimento pelo mar de insumos diversos e ate alimentos, não vão, pelo menos enquanto não puderem defender fortemente estas linhas, arrumar encrenca verdadeira com ninguém. Nesta equação tem coeficiente de dilatação para uma troca de canhoneio com os Indianos no Himalaia, mas não mais do que isto.

    g abraço

  51. Estivéssemos em 1991, não tenho dúvidas que os EUA já teriam tomado uma medida mais “enérgica” contra essas ameaças. Acontece que após 16 anos de guerra contínua, a situação é um pouco diferente. As Forças armadas dos EUA estão cansadas. A China, maior e melhor parceiro da Korea do Norte, é a única que pode fazer uma pressão efetiva. Pressão na China é algo temerário, visto que a mesma é o maior comprador de títulos da dívida americana (o que financia o déficit dos EUA). Portanto, pressionar a China é preocupante. O resto é retórica, como o Trump vem fazendo.
    O mundo todo torce pela diplomacia, mas a verdade é que ela foi pouco efetiva neste caso e, no fim das contas, nos trouxe até aqui. Renovadas sanções e novas pressões internacionais possuem efeito nulo a um país fechado como a Korea do norte.
    Todos imaginam que a grande preocupação hoje seja com os civis inocentes, na Korea do Sul, no Japão, Guam, etc, mas não é bem assim. Bem, isso é parte da equação, mas está longe de ser o foco principal. A segurança dos EUA é o ponto central. Ameaças ao território americano nunca foram bem recebidas (ou toleradas). Acredito que a cúpula pensante americana esteja preocupada não com o tal gordinho, mas com o próximo maluco a colocar as mãos num artefato nuclear. Na mentalidade de potência preponderante, a mensagem para esses malucos precisa ser forte e inequívoca.

  52. Resolução colocar mais armamentos na península até estrangular a Coreia do norte e mostrar ao Kim que os EUA estão dispostos a tudo até que ele mude de ideia e para com essa insanidade aí os armamentos dos EUA também seria retirados. Ou seja uma estratégia parecida com a adota pela OTAN nos 80 de implantar os pershing ii na Europa para pressionar os soviéticos a negociação!

  53. O uso massivo de dissuasão é melhor jeito, sempre foi e sempre será. E a situação só chegou a esse nível pq não foi usada essa táticas pelos presidentes dos EUA passados. Obs: pra aqueles que vão ridicularizar meu comentário parem em pensem a Coreia do Norte usa essa tática e consegue dissuadir os América e sul coreanos, ou seja , os EUA também podem usá-la, pau que bate em Francisco bate em Chico

  54. Esse negócio que a China tem 1 trilhão em títulos de dívida americana é besteira.
    Se os EUA peitarem a China podem não pagar a dívida.
    Diz pago dos outros. A China não. E ela fica com o prejuízo.
    Até porque os EUA tem cacife para isso.

  55. Quanto ao uso dos icbm e avisar Rússia e China, eu faria um aviso genérico e com muita antecedência. Já teria ligado para Putin e xi ping.
    Meu amigo, é o seguinte.
    Está tudo na mesa.
    Podemos usar de tudo contra a Coreia do norte, inclusive mísseis nucleares.
    Portanto, se virem algum na direção de lá (até porque a trajetória de mísseis balísticos é previsível (a trajetória da descida é oposta a da subida), dá para a Rússia saber que não é contra Moscou.
    E acho que a própria China, apesar da proximidade maior.
    E justamente para isso existem os submarinos, para revidar em casos de ataques ao seu território.
    Acho que essa seria a melhor alternativa.
    Rápida e sem tempo de reação.
    As outras seriam mísseis de cruzeiro com danos muito limitados.
    E que podem levar horas até atingir o alvo.
    E dependendo do ponto de lançamento e da coordenação para que sejam simultâneos, no momento que um alvo for atingido, o alarme disparara. Acabou o efeito surpresa.
    Mísseis de cruzeiro são lentos e podem ser detectados com antecedência.
    Os icbm levariam no máximo meia hora.
    E se fossem em grande quantidade e com alto poder destrutivo, poderiam provocar grande destruição nos pontos considerados chave.
    Especialmente na sede do governo e quartéis generais e nessas artilharias de fronteira.
    Talvez nas plataformas de lançamento dos mísseis norte coreanos.
    Por falar nisso, alguns dos mísseis lançados recentemente achei muito bonitos.
    De uma aparência muito moderna tipo um prata escuro, com lançamento muito estável, sem torres laterais para dar apoio ao míssil…

  56. O que o ditador norte coreano quer mesmo é chantagear o mundo para financiar seu regime corrupto, brutal e assassino, e descobriu que mísseis grandões e bombas nucleares são ótimos instrumentos de chantagem. Ele pode atacar ? Acho muito difícil, louco ele não é, sabe que se apertar o botão nuclear a retaliação será devastadora e seu governo será eliminado.

  57. Regime corrupto, brutal e assasino?
    Isso soa a Brasil, pais mais corrupto e com mais assasinatos no mundo.
    Seria um sonho ver uma bomba dessa cair em Brasilia, ainda que pro Brasil o melhor seriam varias bombas de neutrons.

    Post Data: Tá cheio de estrategista aqui, o Pentagono deveria de ficar de olho na Trilogia

  58. Ataque nuclear contra o Comando, Controle, Comunicações e Inteligência (C3I). Uma vez decapitada, duvido que se arriscariam a uma destruição total. Duvido que Russia ou China ariscarão destruição mútua por causa do embusteiro kin Yon. Quanto algum revide? A Coreia do Norte não tem capacidade de atingir os EUA. Koria do Sul e Japão pagariam o preço de teem falhado em eliminar a Piong Yang no passado. Baixas em guerras são inevitáveis. E daí?? Continuaremos…………e os bebês continuarão nascendo.

  59. Billy 10 de agosto de 2017 at 8:35

    E o C3I está lá, estático, no topo de um edifício, aguardando ser atacado?

    Japão não tem qualquer responsabilidade pela Coreia do Norte e o Sul tem de forma limitada. Ou você pensa que uma guerra, por exemplo 30 anos atrás, seria apenas entre Seul e Pyongyang? China e a então União Soviética estariam por trás, como estiveram na década de 50.

    “Baixas em guerras são inevitáveis. E daí?? ” Diga isso às pessoas que lá moram e aos seus familiares. Ter uma guerra longe de nossos pés é bem fácil, não?

  60. Na humilde opinião de Titio, o Gordinho da CN tá jogando um truco brabo! Primeiro, o maluco do topete dos EUA, gritou truco! O Gordinho agora tá pedindo 6! Agora o maluco do Topete tá pedindo 9! Acho que os chineses vão colocar a mão no ombro do Gordinho e falar com ele para perder essa rodada pois uma guerra na Coreia vai prejudicar em muito os interesses chineses! O Gordinho não vai trucar os 9 do Topete!!!

  61. A melhor opção é rezar para alguém menos insano tomar o poder lá.

    Brabo é que uma confusão destas ou iria parir um novo ditador com muita força ou poderia gerar até uma guerra civil na Coréia do Norte com bala sobrando para todo lado.

    Militarmente qualquer intervenção lá seria uma catástrofe. Por mais que haja superioridade naval e aérea dos EUA e Coréia, quem ganha guerra é soldado com o pé no chão. E seria muito difícil para a turma que está lá na DMZ segurar 200 ou 300.000 norte coreanos numa distância tão curta da fronteira até Seul.

  62. A grande maioria da artilharia da Coréia do norte não tem alcance para atingir Seul e não acredito no avanço das tropas em direção a Seul porque levariam uma chuva da artilharia sul coreana e da força aérea, se os norte coreanos fizerem a besteira de mandar as tropas avançarem será um massacre.

  63. O Pentágono e CIA não sabem o que fazer mas os comentaristas já estão com o plano de batalha montado. Interessante. Pensem que existe aquilo que sabemos, aquilo que não sabemos e aquilo que nem sabemos que não sabemos. O “não sabido não sabido” é a porteira do desastre. Saudações.

  64. Ednard na década de 80 a OTAN desenvolveu uma tática para vencer oponentes muito mais numerosos leia-se URSS, procure aí airland battle, essa tática foi feita apartir das vitórias israelense sobre os árabes. Agora coloca essa tática muito eficaz com um gap tecnológico imenso. O pessoal coloca muito hype nas capacidades destrutivas do “godinho”.

  65. Eu ainda acho que a melhor maneira de se evitar uma guerra contra a Coreia do Norte seria atraves da MAD ou seja se vc tem armas nucleares eu vou te atacar nuclearmente.

  66. A também o escudo anti-misseis bem forte naquela região também que ngm está levando em conta, ou seja, se os EUA realizarem um ataque premptivo contras as capacidades nucleares norte-coreanas e nao consegui destruir todas mas destruírem uma boa parte o que é bem possível o escudo poderia interceptar as que sobrarem.

  67. Ivan BC 9 de agosto de 2017 at 21:43

    Seu comentário é muito interessante. Reflete o jogo atual. Mas vejamos:

    É inevitável, no meu ver, que a China vá estender (ou pelo menos tentar) seu domínio territorial e militar na Ásia. Vide as “ilhas artificiais” sendo construídas. Mas os dois locais realmente importantes para a expansão chinesa na Ásia, num primeiro momento, são Taiwan e o fortalecimento de suas bases (terrestres, aéreas e navais) em Hong Kong.
    Sem a “crise” da Coréia do Norte, este seria um movimento complicado, senão impossível. EUA e aliados reagiriam prontamente à ocupação de Taiwan.

    Mas agora, com a “crise”, quem reagiria a um aumento (ou deslocamento) das Forças Armadas norte-americanas, japonesas, sul-coreanas e aliados para a região seria…a Coréia do Norte! E claro: a China também iria “berrar”.

    Então enxergo que é a China, e não a Coréia do Norte, quem está movimentando as pedras no “tabuleiro da crise”. Acredito que num futuro bem próximo, a China assumirá o lugar da ex-URSS em uma nova Guerra Fria: algo do tipo “Yellow is the new Red”. E que presente melhor poderiam os deuses dar à China do que ter um parceiro, econômica e militarmente dependente, mas com artilharia, mísseis e “nukes”, que sirva como “boi de piranha” para suas pretensões regionais e globais?

    Não acredito em casualidades, principalmente em se tratando dos chineses. O que resta de fato, para além das interpretações e “possíveis cenários” é que, no médio ou longo prazo, suas pretensões estão agora MUITO mais fáceis de serem realizadas. As bases militares norte-americanas no Japão, Coréia do Sul e Guam representam para a China o que Cuba representou para os EUA durante a Guerra Fria. Do mesmo modo que a tentativa de enviar mísseis soviéticos para Cuba nos anos 60 foram prontamente rechaçadas pelos EUA, interessa agora à China um “acordo diplomático” para diminuição progressiva das FFAA americanas na região: mas veja…agora isto pode ser conseguido não por pressão ou exigência chinesa, e sim devido à “ameaça norte-coreana”. Repito: presente dos deuses, cuidadosamente planejado, na minha limitada (estou longe de ser especialista no assunto) mas calejada opinião. Resta saber como a Rússia iria se posicionar: mas isso daria espaço para um novo tópico.

    Saudações

  68. A Coreia do Norte só não foi invadida por causa da Coreia do Sul. Uma guerra naquela península levaria a economia de Seul para o caos, sem falar dos efeitos colaterais no parque industrial e nos centros urbanos, eventualmente atingidos por retaliações do gordinho.
    Ainda temos a questão migratória. Ninguém na Coreia do Sul quer receber o passivo social do Norte. Até hoje a antiga Alemanha Oriental sofre com as consequências de décadas de insanidade comunista, quanto mais na CN onde impera o comunismo feudal hereditário.
    A China só seria afetada pelo aumento da influência estadunidense na região. A mão de obra escrava Norte coreana seria absorvida no parque industrial chinês sem muita dificuldade.
    Fora isso, ambos os lados divagam em retórica. Os EUA tem capacidade de barrar vários mísseis e ogivas russas de tecnologia mais avançada, como justificar o temor por aqueles mísseis de isopor do gordinho? A histeria é alimentada por interesses escusos e no velho jogo de gato e rato.

  69. MAD não funciona nesse caso, já que o Norte-Coreano tem plena noção da capacidade dos EUA de nivelar o país dele com armamento nuclear, e ao mesmo tempo, sabe que os EUA não estariam disposto à fazer isso justamente por causa de possível envolvimento da China e provável enfraquecimento de sua aliança com a Coreia do Sul. É bom lembrar que a Coreia do Sul ainda nutre esperanças de uma reunificação algum dia, e herdar uma terra devastada por ataque nuclear não seria nada bom, fora a possível nuvem radioativa pairando sobre a Coreia do Sul, claro.
    .
    Agora é a hora em que a diplomacia se faz mais necessária e todos os dispositivos multilaterais precisam ser utilizados de forma pró ativa. Demonstrações de poder de fogo em nada estão adiantando. Só porque a diplomacia de governante X não funcionou, não significa que a do atual não vai funcionar. O governo Trump precisa ser ousado nesse campo, da mesma forma que Nixon e Kissinger foram em 1972, e claro, estarem preparados para respaldar em essa diplomacia com força militar.
    .
    O ideal seria Trump ir até o Conselho de Segurança da ONU, convocando uma reunião de emergência ou mesmo uma assembleia geral de emergência e discursar pessoalmente denunciando todos os crimes cometidos pelo regime norte-coreano, e ao mesmo tempo pedindo ajuda internacional para estender uma mão amiga ao povo da Coreia do Norte, pedindo ajuda e mediação Chinesa, e se oferece do para se encontrar com o gordinho doido em qualquer local neutro, como Pequim, Suíça ou onde quer que seja, para resolverem suas diferenças, junto com representantes sul-coreanos, japoneses, chineses e russos, com o objetivo de terminar as ameaças de uma vez por todas e ‘dar uma chance de desenvolvimento’ ao povo norte-coreano.
    .
    A ideia é dar uma sinuca de bico no gordinho (e na China) e ao mesmo tempo angariar apoio internacional, mostrando as boas intenções e evidenciando que, caso algum conflito ocorra, o agressor intransigente é a Coreia do Norte, e ao mesmo tempo ser firme em afirmar que a defesa dos EUA, Coreia do Sul e Japão, estarão sempre em primeiro lugar. Mas para esse tipo de coisa funcionar, tudo tem que ser público, para o Mundo inteiro ver e empatia com a empreitada, causando comoção e, consequentemente pressão, principalmente em cima da China.
    .
    A China normalmente caga e anda para a opinião pública Mundial, sempre perseguindo seus interesses de forma sempre autônoma, até porque seu regime político blinda o governo chinês de precisar se importar, mas agora que a China está colocando as manguinhas de fora e extendendo sua influência ao redor do Mundo, e sem a menor possibilidade de se imporem sanções à China por meio de OIs, a saída é utilizar pressão internacional sobre ela, já que seus negócios e ações no campo internacional à deixam, pela primeira vez, suscetível à esse tipo de ação. Acho sinceramente que a China se preparou tanto para enfrentar o Hard power, que não está preparada para a ação de soft power.
    .
    É hora de utilizar todos os dispositivos disponíveis para arrefecer a situação, junto com os aliados regionais, potências regionais, e finalmente engajar o Mundo nesse sentido. Unilateralmente vai ser problemático e vai ser justamente o que a Coreia do Norte, China, Rússia e a grande mídia gostariam de ver e criticar.

  70. Bardini 9 de agosto de 2017 at 15:12
    Concordo e acrescento:
    Uma chuva de Tomahawk em áreas militares abertas, tanques/estoques de combustíveis, refinária(s)(?), estações de geração e distribuição de energia, nas baterias de artilharia e AA, etc ….
    Os USA tem que bancar a retomada da CN, toma-la, declara-la ZONA NEUTRA MILITAR e entrega-la a Korea do Sul. Enfim …. corrigir a merd …. que fizeram na década de 50.
    Quantos ao Urso ? Vai ficar na dele.
    Os Han vão latir mas não vão morder.

  71. “MAD não funciona nesse caso, já que o Norte-Coreano tem plena noção da capacidade dos EUA de nivelar o país dele com armamento nuclear, e ao mesmo tempo, sabe que os EUA não estariam disposto à fazer isso justamente por causa de possível envolvimento da China e provável enfraquecimento de sua aliança com a Coreia do Sul” funciona plenamente porque uma guerra nuclear todos perderiam, ou seja, ngm teria coragem de derramar o copo. O maior involvimento da China numa estratégia de MAD so serviria para aumentar a eficiência da estratégia, os chineses são bravos mas não ia querer serem exterminados assim com os nortes-coreanos

  72. Os EUA também deveria basear armas químicas na península para fazer uma contra resposta eficiente as do Norte-coreanos. O uso de armas químicas atrapalharia também a movimentação e operação da tão “temida” artilharia Norte-coreana

  73. “Rodrigo M 9 de agosto de 2017 at 19:07
    Só se é respeitado quem tem um belo porrete na mão.
    O Brasil já deveria ter suas nukes a muito tempo..”.
    .
    Também sou dessa opinião, por mais que os brasileiros não concordem. Somos um “povinho pacífico”, e é justamente por isso que estamos nessa situação escabrosa. Não levantamos a bund@ da cadeira para nada. Somos assaltados dia e noite e só sabemos dar uma reclamada rápida, mudar o canal para novela e futebol.
    Como todo país sério e competente deveria ser, mas aqui não somos. O Brasil teria armamento nuclear para proteger suas fronteiras e nada mais. Deveria ter.
    Mas isso é outra história, sou a favor disso depois que resolvermos todos os outros cânceres metastáticos do momento.
    E que comece o mimimi.

  74. Para que MAD funcione, alguns fatores são necessários e eles não estão presentes nessa situação. O que você está propondo é fazer com que a balança pese CONTRA os EUA, e não à favor. Não é mais uma questão de poderio militar, até porque ele é inquestionável. É armas químicas? Isso seria o maior tiro no pé de todos os tempos.

  75. Bááá! Os EUA tem de convencer a China promover um golpe militar lá e depois fazer o rito de passagem, chamado por nós brasileiros “abertura política”, nos mesmos moldes perpetrado por Golbery e conduzido pelo Gen Figueiredo. A China, o japão e Coreia do Sul, serão os grandes perdedores caso ocorra um conflito, demorado ou não, naquela região. Claro que toda a região perderá. Inclusive a Austrália.

  76. Tem todos os fatores a China tem armas nucleares, os EUA tem e agr a Coreia tbm. O q eu disse da armas químicas é totalmente plausível de um lado tem o outra a de ter também

  77. Carlos Alberto Soares 10 de agosto de 2017 at 13:24

    Olá caro Carlos Alberto Soares.
    Aparentemente a matéria considerou (e muito bem explanado) somente o “lado Sul” da questão e, parece-me, esqueceu do “lado Norte”.
    O Sul provê uma enorme quantidade de alimentos e recursos “monetários” para o funcionamento do Norte. Caso o Sul entre neste colapso previsto na matéria, haverá “de cara” um desabastecimento drástico de alimentos, em toda península coreana. A fome provavelmente será terrível.
    Esta é uma questão que me parece muito relevante, mesmo que a China faça a “costumeira ajuda ao títere”, eventuais embargos da ONU poderão “azedar” para os chineses, também.
    Continua parecendo-me que a política da Coréia do Norte é de “tensionar a corda” até um limite; e este limite que determina é a China.
    Forte abraço

  78. O que eu disse é teoria dos jogos pura de um lado tem armas de destruição em massa o outro também tem que ter é a estratégia dominante. E ponto acabo o problema é só colocas as armas que as chances de um conflito acontecer diminuíram

  79. É, August, você lê a teoria, mas esquece de verificar o contexto como um todo. Existem N teorias por aí. A maioria não é aplicável. Como a sua.

  80. EParro 10 de agosto de 2017 at 14:46
    Caro Colega Forista
    O Donald “mordeu” a isca, burrão.
    O bloqueio demorará mais de ano para surtir efeitos,
    además os Han não entregam o que prometem.
    Blefe nesse jogo não funciona, ou você age ou age.
    Reitero, os Han latem mas não mordem.

  81. Muito sentimentalismo, Andre! As opcoes sao para a America. CS e Japao sangrarao hoje ou amanha por nao terem liquidado os vermelhos. Boiolice generalizada como no Ocidente. Nao tem negociacao com os comunas, objetivo delles: unificar a peninsula e vinganca contra Toquio e Washington. EUA vai esperar ataque a Guam ou ao continente? Pior depois. Sera que o Pentagono e a CIA sao tao incompetentes que nao monitoram os alvos? Quem quiser debater sobre passaros e abelhas que va pata outro site.

  82. Billy, na verdade não é questão de sentimentalismo por parte do André, mas acho que é mais uma falta de pragmatismo sua em não conseguir entender como o Mundo funciona, ou sequer de saber se os tais alvos são destrutíveis via armamento nuclear, ou principalmente sobre as consequências de um ataque desse tipo.

  83. Na moral, nunca vi um post com tanta insanidade nos comentários como esse…
    A CN poderia lançar um ataque devastador a Seul e região, especialistas estimam que o custo do primeiro ataque pode ser mais de 30 mil vidas, e isso contado apenas civis.
    Se a guerra for nuclear então… na casa de milhões…
    Mais da metade de Seul seria devastada, se for ataque nuclear ou biológico, tchau tchau Seul…
    A economia da CS ruiria em horas, todo capital estrangeiro migraria para outros ativos, em outros países…
    E os efeitos, de centenas de reatores nucleares derretidos? Esses efeitos ficariam apenas na CN? Seria eles levados por vento ou água?
    Se não perceberam o governo da CS está dando sinais sutis que não querem uma guerra.
    Como alguém falou em cima, fácil disser para atacar, pagar o preço, ser humanitário, quando não e você que tem um filho, esposa, família, negócios na região.
    Felizmente os governantes são assessorados e muito bem… e todos sabem que isso e uma insanidade tremenda que não tem cabimento nem mesmo cogitar a ideia.

  84. A China tem sim poder para amenizar a situação, porém está querendo obter máxima vantagem nas negociações. E já obteve avanço… o congelamento do escudo antimíssil dos EUA.
    Mas querem mais, desejam a retirada completa, ou parcial dos EUA da região. Desejam domínio bélico sobre os demais países na região, desejam ter reconhecida sua soberania sobre o mar da china.
    Os colegas que dizem que a China não vai arriscar falência pela CN, se esquecem que a China agora tem um enorme poder sobre a economia global. A prova disso foi a queda geral em 2015 quando ela desvalorizou sua moeda.
    Pergunta: Porque apenas alguns países podem ter armas nucleares? Porque apenas alguns podem ter misseis balísticos?

  85. A primeira pergunta que deve ser feita em relação a um eventual ataque à ilha de Guam é: os giroscópios desenvolvidos pelo norte-coreanos são precisos o suficiente para que um míssil atinja um pedaço de terra perdido no Pacífico um pouco maior que Ilhabela?

  86. Não como se você tivesse que entrar num clube especial para ter armamento nuclear. Simplesmente tenta-se fazer com que o menor número possível de países as tenha. Os dois países que tem a pretenção de desenvolver armamento nuclear, oficial ou extra-oficialmente, Irã e Coréia do Norte, são países ou com discurso de aniquilação total de algum inimigo (Israel, no caso do Irã, por exemplo), ou são totalmente instáveis, como no caso da Coréia do Norte. Instável nesse caso é um histórico de agressão e beligerância aliado à falta de prestação de contas com compromissos internacionais previamente acordados, etc.
    .
    Então, basicamente evita-se a proliferação deste tipo de armamento. Quanto mais armas nucleares no Mundo, maiores são as chances de serem mau utilizados, ou de simplesmente irem parar nas mãos de algum grupo radical que os usaria sem qualquer ressalva moral para algum atentado.
    .
    E no caso do Brasil, a minha humilde opinião é que seria totalmente temerário produzir esse tipo de artefato aqui. E não falo isso nem por causa das consequências da comunidade internacional não, que obviamente tornariam nossa vida ainda mais difícil, mas simplesmente porque o Brasil não é um país responsável o suficiente para ter esse tipo de poder nas mãos. Imagine políticos como os nossos com os dedinhos no botão vermelho? Nem pensar! O Brasil ainda tem que comer muito feijão com arroz de seriedade antes de poder sequer cogitar ter esse tipo de coisa em mãos. Se somos tratados sem seriedade pela comunidade internacional é porque assim o somos. Quando começarmos à ser sérios com nosso próprio país, e eventualmente tratarmos o Mundo de forma séria, o tratamento já vai ser diferente sem precisarmos de armas nucleares.

  87. Poggio, eu duvido. Na verdade eu duvido que eles tenham até desenvolvido uma ogiva. Uma coisa é detonar um artefato nuclear no subterrâneo. Outra coisa é disparar um míssil. E outra coisa completamente diferente é conseguir colocar esse artefato na ponta daquele míssil. Eu acho que ainda não chegaram lá não, mas pelo visto estão tentando.
    .
    O galho é que um dia pode ser que consigam fazer isso tudo, e espero que o problema seja resolvido antes disso.

  88. Carlos Alberto Soares 10 de agosto de 2017 at 15:22

    Pois é, Carlos Alberto Soares, também acredito que eles ameacem muito, mas não creio que efetivem uma agressão. Nem os “chinélicos” e nem os “coreélicos” (com a devida licença do MO).
    Agora, é esperar o que sairá da cabeça de The Donald.
    Forte abraço

  89. Amigos,
    .
    Apenas complementando o que disse o Ivan Recife e outros comentaristas…
    .
    Essa situação pode despertar outras forças que estão em “estado de hibernação”, digamos assim…
    .
    O retorno de um Japão militarista não é uma impossibilidade. Há um movimento totalitário crescente por aquelas paragens, que ganha cada vez mais adeptos a medida em que todos entendem a sinuca de bico na qual estão, com a ameaça vermelha crescendo além mar e uma aparente impotência dos EUA ( por motivos políticos e não necessariamente materiais ) em lidar com essa situação…
    .
    Em teoria, japoneses já dispõe da tecnologia para uma arma nuclear, além dos artefatos para entregar a arma a domicílio ( não custa lembrar que o Japão já é capaz de explorar o espaço pelos seus próprios meios, detendo um competente programa espacial ).
    .
    Na Coréia do Sul, que é “linha de frente”, logo os falcões também se alinham… Hora contidos por uma vertente social-democrata, certamente serão pesadamente reforçados em sua razão pelo desenrolar dos eventos ( é uma sociedade consideravelmente conservadora ). Esse país também já dispõe de uma família de SRBM confiável, e detém a tecnologia para evoluir o artefato. Mesmo que de momento não dominem sobremaneira o processo e enriquecimento de urânio, os gênios para isso eles tem…
    .
    Enfim, mesmo que não acredite em conflito, será interessante ver os desdobramentos dessa situação na política externa dos grandes da Ásia. Penso que posições dúbias certamente serão suprimidas e um cenário com posições mais bem definidas se elevará… E isso, em termos de Extremo Oriente, representa perigosos pontos de inflexão, haja visto que ali todos são adversários em potencial de todos no final das contas, com rixas muito antigas e que ainda não foram superadas…
    .
    Na real, querendo ou não, a única força capaz de manter a coesão daquela região é ainda constituída pelos EUA. Sem o poder dissuasório deles, o Extremo Oriente seria muito mais instável…

  90. Tio Sam não vai fazer p nenhuma nem Japão nem Korea do Sul, muito menos a China e Russia, o que vai acontecer eh que a Koreia do Norte vai ficar bem sussa porque sabe o tamanho da porrada quando imaginar dar o primeiro soco.

  91. O cenário não é bom, nada bom.

    A relação do doberman mais próximo (China) é de suserano e vassalo com a Coreia do Norte. Os refugiados são ótima fonte de receita, gerando uma mão de obra ainda mais barata do que a nativa. Praticamente todos os bens de consumo duráveis e não duráveis da Coreia do Norte vêm da China. Portanto, os chineses não vão querer perder o psicopata de estimação, ainda mais um desse que faz um alarde tão grande no mundo.

    Segundo, atentem para o fato: o “gordinho” é um psicopata paranóico. Executou vários chefes militares próximos por paranóia, vive tentando executar/assassinar seus irmãos (de sangue) por paranóia e vive achando que a CIA quer invadir seu “país” e roubar os “planos de suas armas” por paranóia (esta até que fundamentada).

    Em terceiro lugar, atentem para o mercado negro que rola. Lembrem daquele Mig-21 que estava sendo transportado de Cuba pra lá dentro de um container. Agora, imaginem só, no mercado negro de verdade ele pode ter tido acesso até as maletas nucleares soviéticas, mais caças J-6/Mig-19 operacionais (vassalo chinês) e demais soluções que parecem obsoletas, porém, se lançadas em ataques kamikaze, não são tanto…

    Pela lucidez, o conflito não acontece. Politicamente (entendam epistemologicamente como todas as relações de poder) a China pode estar fazendo e acontecendo no campo militar, porém, economicamente é o maior mercado consumidor do mundo. Nenhuma empresa global pode se dar ao luxo de não estar na China. A maior economia do mundo (esse ano passa o PIB ianque, certamente) não pode dar-se o direito de refugar economicamente agora. Porque a economia é uma faca de dois gumes: um conflito que espante as multinacionais na China, causará um impacto devastador.

    A negociação tem que ser feita na ONU ou em encontro do G8. Alguem chega no Chinês e diz: -Você pode controlar seu vassalo?
    -Posso.
    -Vamos fazer uma ata no conselho de segurança da ONU, você comprometa esse controle.
    -Ok, porém vou querer umas bases militares como comprei na argentina e africa. Mas não é só isso, quero poder exportar armas pro Irã, e receber do jeito que eu quiser. Quero participar da Red Flag, e ainda quero umas vantagens “off the record sobre a Índia.” Então, tá tudo sussa…

  92. Leandro, um lider responde pela seguranca de seu povo. Inadmissivel um paiseco de quinta poder atingir com armas nucleares o territorio Americano. Atente para o enunciado da materia. Precisa de teatrinho pra voce entender que a solucao negociada esta esgotada? 15 Ago e a data marcada para ataque a Guam, territoria Americano! Mostra ai a sua opcao?

  93. Na ONU seria ideal sim, e seria interessante se mostrassem à China como ela pode sair perdendo com um louco desses ali na Coréia do Norte. Pode-se negociar com a China sim, fazer diversas ofertas que ela ache vantajoso. É bem provável que ela esteja esperando isso. Mas também, além da ONU, pode-se fazer um ‘summit’ com os países diretamente afetados na região, e tem que ser tudo público e em conjunto.
    .
    Não sei se o PIB Chinês passa o dos EUA esse ano. Ainda acho improvável que isso aconteça, mas faz algum tempo que não olho os números.
    .
    E não, bicho. O seu terceiro lugar você falou brincando, né? Por favor, diga que sim.

  94. Billy, já mostrei. Leia todos os comentários. Não é melhor resolver a questão com mais eficiência do que de fato agravar a situação? De fato, eu acharia mais interessante você, que está tão incisivo em seus comentários, dar uma olhada no que a Coréia do Norte REALMENTE declarou. Que lançaria até quatro mísseis Hwasong-12 que cruzarão os céus sobre Shimane, Hiroshima e Koichi, no Japão, e atingiriam a água entre 30 e 40km de Guam.
    .
    Nunca antes a Coréia do Norte deu tantos detalhes sobre algum teste de mísseis. Sim, teste de mísseis, porque não declararam que o alvo seria Guam, mas apenas que mostraria a capacidade deles de chegar lá. Então, eu acho que você está com o dedo nervoso para apertar o botão vermelho e está tomando decisões equivocadas sem ter as informações corretas. Espero mesmo que aqueles que tenham acesso aos botões vermelhos não reajam da mesma forma.
    .
    Se algum desses mísseis atingir Guam, as retaliações serão quase que imediatas, e quase que com certeza convencionais. Mas mesmo assim, não acredito que os mísseis acertem Guam. E não sou o único. O governador de Guam declarou que medidas especiais não foram tomadas, e a vida continua como qualquer outro dia. As linhas aéreas que operam sobre as áreas que a Coréia avisou que o míssil passaria também não fizeram qualquer mudança de planos. Vida que segue mesmo com o Chihuahua latindo, mas tem uns que ainda ficam nervosinhos.

  95. Povo achando que isso é Call Of Duty

    EUA não vão atacar a Coreia do Norte porque do lado tem 3 economias que negociam e muito com mercado americano.
    Não é como atacar a Síria ou Líbia
    Japão e Coreia do Sul sabem que uma guerra na península seria um retrocesso significativo no que lutaram pra conquistar em muitos anos em educação e civismo.
    Após guerra da Coreia, a Coreia do Sul foi um dos países que mais investiu em educação no mundo, resultado foi Hyundai, KIA, LG, Samsung, SK, kumho……e por ai vai

    Seul e Tóquio os policias não tem o que fazer nessas mega metrópoles de tão baixa é a criminalidade nesses países, acham que vão querer perder isso tudo?

    Vão ficar os dois latindo e nada de briga.

    E o Brasil não é respeitado, não é porque não tem armas nucleares, e sim porque tempos pior classe politica que possa imaginar, retrato de um povo sem cultura e educação.

  96. Não dá para deixar de notar que alguns comentários exalam desespero com a possibilidade do paraíso na Terra norte coreano vir abaixo. É muita aflição.

  97. Só isso?? Vai lancar QUATRO misseis de médio alcance possivelmente podendo carregar ogivas atômicas que sobrevoarão o espaço aéreo do aliado Japão e cairão a 30 km no mar da base de bombardeiros estratégicos dos EUA?? Que mais? Anexar a Áustria, Thecoslovaquia e a Polônia ? Tenho certeza que o Sr Trump também é um “Bulldog”…não uma galinha…

  98. É só isso sim. Claro que, se eu fosse americano, abateria os mísseis, só para demonstrar que também consigo. De quebra isso aumentaria a estabilidade na região, pelo menos possivelmente. Existe a chance também de desestabilizar ainda mais, mas acho pouco provável. Acho mais fácil as bolsas ao redor do Mundo subirem, principalmente a de Seul. Aliás, se eu fosse japonês, também abateria os mísseis e só de onda citaria que ‘o plano de vôo deles não foi aprovado.’ 😛
    .
    Entrar em pânico, criar um clima de insegurança e medo é justamente o que o norte-coreano lá quer, e usar isso para fazer pressão internacional para que ele tenha mais com o que barganhar na mesa de negociações. Ou você acha mesmo que ele acredita que pode destruir os EUA? Ninguém pode ser tão ingênuo assim.
    .
    Sério, se isso fosse um jogo de ‘Diplomacia 1914’ vc seria devorado vivo hehehehehehe. Aliás, recomendo o jogo, pelo menos para simular como a coisa funciona.

  99. O governo, as FFAA e autoridades norte coreanos são essencialmente histéricos. Histeria é um teatro, é negar a realidade. Quem não é histérico, é psicopata. Estes são os que mantêm a racionalidade que ainda existe. Mas são altamente perversos. Eu diria que quanto maior o desafio que lançam aos EUA, maior a perda de controle interno, esse desespero não é sem causa. A comunidade de inteligência e de segurança dos EUA certamente estão analisando a melhor forma de dar um empurrão que derrube o dominó. O problema é que se derrubaria o regime, mas não o sistema comunista. Pois este está disposto a matar quantos cidadãos for necessário para se manter no poder. A pergunta seguinte é: como derrubar esse sistema? Há possibilidade de insuflar uma guerra interna nas FFAA, uma secessão entre militares que não toleram ou concordam mais com este reino de horror contra o próprio povo? O gordinho (o único gordo da CN) me parece incompetente, mas o regime se sustenta baseado na imagem de sua divindade.

    Se a CN cair, a rica costa Chinesa estará cercada de países capitalistas, de livre mercado, democráticos, e altamente desenvolvidos, como a própria Coréia, Japão, além de sua possessão Hong Kong e de Taiwan. O capitalismo está elevando a China, mas para voltar a crescer como antes, precisarão de reformas, como implementação de livre mercado, que pressupõe livre pensar, para que idéias genuinamente inovadoras surjam. O comunismo é inimigo do livre pensar, mas não o império. O Império Chinês foi pródigo em inovações. Muitas são usadas no Ocidente até hoje. Mas o comunismo não inovou absolutamente nada na China.

  100. Seria mesmo de se estranhar que em tempos de “sociedade estupidamente correta”, fosse admitido um ataque nuclear. Devem estar muito preocupados discutindo como arrancar uma cutícula, ou como os transgênero.s. devem queimar a sua rosc@.
    Esquecem de quantos tiveram que morrer para chegar nessa sociedade que vivemos hoje. Só chegamos até aqui por sangue e sacrifícios. Sucessivas guerras é que permitiram que surgissem na sequencia sociedades prosperas e estabilizadas. A paz é fruto da guerra.
    Se para se evitar um mal ainda maior, é preciso cortá-lo ainda na raiz – embora essa já esteja bem crescida, que assim seja feito. Sim, estamos falando de milhões de vidas. E já que é para limpar a casa, aproveitem e levem junto o Irã, que logo ali na frente será ainda pior que a CN.

  101. Juliano, a saída menos destrutiva para todos seria convencer a China que a CN precisa mudar, como a própria China mudou. A remoção do gordinho e mudança completa de governo. Pode até permanecer comuna, contanto que saiba jogar bola. Se a China fosse convencida à pelo menos cruzar os braços enquanto o ‘ocidente’ lida com a CN, já seria suficiente. O problema disso tudo é ver quem é que pagaria a conta.
    .
    Eu não concordaria com a aquiescencia sobre demandas da CN. Já passou da hora de dar um basta nisso e acho que as sanções sobre a CN devem ser as mais rigorosas possíveis e estratégias gula mesmo o regime. Isso pode forçar a mão deles e fazer com que acabem partindo para a agressão mesmo, o que respaldará qualquer ação militar contra o ‘regime do gordinho.’

  102. Mesmo que os mísseis norte coreanos acertem seus alvos seriam interceptados pelos sm-3 e thaad se for mísseis de menos de 1000 km até pelos patriots além de terem que sobreviver do ataque dos EUA e aliados ou seja 4 cadastro de defesa. Sobre a destruição de Seoul é muito maximizado como disse antes só foquetes e mísseis podem atingir Seoul artilharia de tubo não. Os mísseis podem e vai ser interceptados pelos patriots e thaad só sobrando os foguetes e há estimativas q muitos projéteis n funcionam. As pessoas tem q saber que uma guerra pontual pode evitar uma guerra de proporções muito maior é o preço a se pagar, todas , delitos todas as vezes que escolheram a paz para evitar uma guerra maior nunca funcionou só fez essa guerra maior acontecer mais violenta e brutalmente

  103. Leandro Costa 11 de agosto de 2017 at 10:49
    “Pode até permanecer comuna, contanto que saiba jogar bola.”
    .
    Leandro, mas o problema é JUSTAMENTE o comunismo. Que causou (ou causa) os mesmos problemas em Cuba, União Soviética, China (e agora começando na Venezuela). A China justamente abandonou, renegou uma parte do comunismo, a parte econômica, adotando o arqui-inimigo capitalismo. Se o comunismo deixou de esmagar os cidadãos chineses com miséria e fome, continua esmagando sua liberdade, seu direito de ir e vir, seu direito de pensar, tira a humanidade das pessoas transformando-as em robos, em porcas e parafusos de um sistema. O problema portando É o comunismo. A China tem que completar seu avanço, sua transição, e abandonar completamente o comunismo social e político, e na minha opinião ficaria bem na fita, voltaria ao leito histórico (mais de 99% de sua história) restaurando o Império, materializado na restauração da dinastia Qing.
    O Japão se deu bem mantendo a dinastia Yamato, que sá estabilidade e solidez ao país. Depois da grande instabilidade, e do abismo comunista com a revolução cultural e genocídio, a China vem se reerguendo economicamente com o capitalismo. Tá na hora dos Qing!

  104. Juliano, a China conseguiu fazer o que a URSS de Gorbachev tentou fazer. O pior é que a população Chinesa, de maneira esmagadora, não tem muitos problemas com isso. É o jeito dos caras. É te garanto que o politicamente correto por lá não tem vez. Isso é coisa de ocidental mongoloide mesmo. Então, enquanto o politburo chinês continuar atendendo os anseios da população, a coisa lá vai continuar comuna mesmo, por pior que isso seja horroroso e vil aos nossos olhos. O ideal seria não deixar espalhar, né? Mas melhor não pensarmos na teoria do dominó de novo.
    .
    Assim como nos países do leste europeu e a própria URSS, a mudança tem que partir de dentro, caso contrário não vai haver legitimidade e pode ser passageiro. Mas a situação na China não indica que isso esteja nem remotamente perto de acontecer, e aprenderam bem a lição com os protestos da Praça da Paz Celestial de 1989.
    .
    O jeito usar a expansão da influência chinesa da forma que for mais beneficente para o ocidente. Basta analisar com afinco, saber usar o que está disponível.
    .
    Sotilli, é por gente que pensa assim, que o Brasil não deve ter armamento nuclear.

  105. JCRB 11 de agosto de 2017 at 12:33
    “Só quer guerra quem nunca entrou em uma.”
    Diga isso para TODAS as potências da história ao longo dos séculos de existência destas.

  106. Leandro Costa 11 de agosto de 2017 at 13:23
    E eu poderia dizer que é por gente como você que o Brasil é o que é hoje.
    Nada do que eu falei está fora do que um militar pensa.
    Sobre o Irã em específico, o que falta as fr@ng@s do politicamente correto entenderem ? Que esses caras, lá por 2025 em diante, principalmente numa alternância de poder (assumindo alguém com perfil parecido ao do presidente da época do Lula, fugiu o nome), iriam dar um jeito de explodir uma ou algumas bombas nucleares no coração de Israel. E aí, meu amigo, sabe o que iria acontecer ? Os Juds, mandarão pelos ares todo o Oriente Médio. Já que está no inferno, então que se abrace o capeta. Nem o Paquistão acho que seria poupado. E aí ?

  107. Leandro Costa 11 de agosto de 2017 at 13:23
    “É te garanto que o politicamente correto por lá não tem vez. Isso é coisa de ocidental mongoloide mesmo. Então, enquanto o politburo chinês continuar atendendo os anseios da população, a coisa lá vai continuar comuna mesmo, por pior que isso seja horroroso e vil aos nossos olhos”
    .
    O politicamente correto surgiu na União Soviética, quando nas apresentações do estado da economia para o politburo, os dados da economia planificada eram péssimos, então simplesmente falsificavam os dados, colocando todos muito positivos, pois seria “politicamente incorreto” apresentar os números verdadeiros (porque senão iriam para os Gulags). O politicamente correto é cria comunista, significa impedir as pessoas de dizerem verdades incovenientes para a esquerda, que é a grande promotora do politicamente correto no Ocidente.
    Se você (cidadão chinês) disser as verdades incovenientes ao regime chinês, será punido. Portanto o politicamente correto está vivíssimo e muito atuante na China sim.
    O politburo chinês não atende aos anseios da população, atende exclusivamente aos PRÓPRIOS anseios. Os anseios da população você viu como tratam na Praça da Paz Celestial.

  108. É isso aí, JCRB. Isso não significa que devemos abrir as pernas como na onda pós PGM, e nem que nos furtarem os do conflito caso atacados, mas desejar, ninguém sério deseja. Apenas loucos e aqueles que acham que podem bancar um conflito. Aventureiros que deixam a bravata falar mais alto que a razão, como no caso da Junta Militar Argentina, por exemplo, que se ferrou. E olha que a diferença naquele caso não era tão absurdamente gigantesca quanto o caso CN x EUA.

  109. Juliano Bitencourt 11 de agosto de 2017 at 15:28
    Enviei agora comentário parecido com este acima, pois pensei que tinha se perdido na net. Peço que o desconsiderem.

  110. Não Juliano. Sim, o politicamente correto é criar da esquerda, mas é coisa que já vem lá de Gramsci. Coisa da escola da Frankfurt. Não tem nada a ver com maquiagem as contas para salvar o pescoço. Absolutamente Nada a ver com isso. Fosse esse o caso nós brasileiros já fazíamos isso até no regime militar! Era só deixar de fazer as contas com o cálculo do petróleo/combustíveis, que nossas contas fechavam bonitinhas. Aí veio a década de 1980 e a coisa toda imploding.
    .
    A safadeza do politicamente correto no Mundo ocidental, as sensibilidades aguçadas e sempre em alta, não tem por lá não. É característica do povo chinês mesmo. Até mesmo do russo. É sim, a China atende aos anseios mínimos do povo sim. Acesso à educação de alto nível, inclusive, mandandi enxurradas de alunos para as melhores instituições de ensino superior do Mundo, já te do como absorve-los quando retornarem e seu conhecimento para uso do Estado, etc. Tecnología, orgulho nacionalista, etc.
    .
    Para um povo que vivia explorado por ocidental tais, que posteriormente amargou guerra, miséria e fome, com história tão sofrida, a maioria esmagadora deles não conhece esse negócio de liberdade. Nunca conheceram, e não tem noção de comparação alguma. Nunca os chineses estiveram tão bem como povo, e por isso simplesmente não há vontade de mudança. A praça da Paz celestial ensinou ao politburo chinês que deveriam afrouxar um pouco as amarras e assim o fizeram.
    .
    E vou SEMPRE lutar contra o comunismo, mas vou sempre ser realista quanto à meus inimigos, sempre vou tentar ver as coisas como elas são, justamente para tentar me proteger do que não gosto.

  111. Leandro, dei apenas um exemplo de um dos casos onde o politicamente correto foi aplicado. Fico contente que tenha concordado comigo que o politicamente correto é coisa de comuna.
    Por lá não tem sensibilidade aguçada em alta porque não precisa. Tem um TACÃO ameaçando todos. Os comunistas não precisam se exaltar.
    A educação na China é boa na parte de exatas, mas o resto é mera lavagem cerebral comunista. Anseio mínimo para mim é poder pensar o que quiser e expressar livremente esse pensamento. Isso para mim é o básico do básico.
    A China tem uma ínfima fração de sua história, um milésimo de segundo do total, onde foi explorada por ocidentais. E se comparar com o império, o regime comunista é infinitamente mais repressivo. Tinham sim mais liberdade.
    Ser tangido feito gado não é meu conceito de nunca ter estado tão bem. Se simplesmente não há desejo de mudança, porque o TOTALITARISMO?

  112. É muito louco isto ai.
    .
    Se for para atacar, ou se a a situação chegar as vias fato, nao ha outra solução aos EUA que não seja varrer a Coreia do Norte do mapa com armas nucleares. A Coreia do Norte não vai se render, ou o governo cair sem que eles lancem seus misseis com armas nucleares.
    .
    Pode ter o escudo que imaginar, mas sinceramente, nao creio que seja 100% seguro, a ponto de se garantir que arma nuclear nenhuma alcance seu alvo. E nem sabemos se armas quimicas e biologicas nao seriam amplamente usadas.
    .
    Pelo que imagino, ou vc atola o pé na jaca ou nem chega perto. Não há meio termo.

  113. Então… a situação acabou de ficar mais complicada!
    Embora não seja oficial o jornal Global Times, que é muitas vezes usado para passar recados extraoficial, soltou o seguinte:

    “A China deve deixar claro que se a Coreia do Norte lançar mísseis que ameacem território dos EUA primeiro, e os EUA retaliarem, então a China irá permanecer neutra. Se os EUA e a Coreia do Sul realizarem ataques e tentarem derrubar o regime norte-coreano e mudar o quadro político da Península Coreana, então a China terá de os impedir. ”

    Ao que parece a China está estipulando uma linha vermelha para ambas as partes.
    Uma guerra dessas proporções arruinaria a economia da China e dos EUA e levaria o resto do mundo junto, por isso duvido que aconteça.

  114. Pedro, acho até que ficou mais claro. Resta saber se o gordinho vai ficar de braços cruzados no caso de retaliação, o que acho difícil.
    .
    Juliano,eu concordo com quase tudo mesmo. Tenho a mesma visão sobre liberdade. Porém eles não tem a mesma visão. Ainda mais depois de décadas de doutrinação. Então para o chinês comum, está tudo numa nice. É triste, mas é a realidade.

  115. Leandro Costa 12 de agosto de 2017 at 8:56

    Não penso que os EUA iram atacar primeiro, seria muitas vidas na conta de Trump! Só se ele for louco mesmo, kk . Mas se atacarem com certeza a CN vai revidar com tudo, pois sabem que não conseguiriam vencer. Penso eu que o objetivo deles no caso de ataque seja causar o maior estrago possível.
    Nesse cenário ficaria muito ruim para os EUA, muitos mundo afora colocariam todo o penso das mortes em cima dos EUA, perderiam poder político, e ficaria uma sensação que eles estão dispostos a sacrificar seus aliados. Claro se a CN não conseguir causar muitos danos a coisa se reverte e os EUA ganham mais prestigio e uma posição de pressão sobre a China.
    Para a China e um problema grande essa guerra. Se a CN sair da sua esfera de influência, quando tempo Taiwan ficaria? Ou Hon kong? E como ficaria suas reivindicações no mar da china? Entrar na guerra custaria bilhões. Os riscos são grandes nas duas opções.
    Se realmente chegar num ponto insustentável, talvez a melhor saída para a china seria ela mesmo promover um golpe de estado.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here