quarta-feira, setembro 22, 2021

Gripen para o Brasil

Quais são as opções dos EUA contra a Coreia do Norte?

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

O B-2 é uma das opções dos EUA para ataques cirúrgicos contra as instalações de mísseis da Coreia do Norte

À medida que a janela fecha rápido para a Casa Branca impedir Kim Jong-un de obter mísseis balísticos intercontinentais, observadores começam a analisar as opções militares do presidente Donald Trump

Com a janela fechando rápido para que os EUA possam parar Kim Jong-un de obter um míssil balístico intercontinental com ogiva nuclear, os observadores da Coreia do Norte estão começando a analisar as opções militares do presidente Donald Trump. Ele alertou na terça-feira que a Coreia do Norte seria engajada com “fogo e fúria” se continuar a fazer ameaças. Depois que as Nações Unidas concordaram com as mais rigorosas sanções no regime de Kim, a Coreia do Norte reiterou sua posição de que seu programa de armas nucleares é necessário para impedir uma invasão dos EUA. Para Trump e os EUA, não há escolhas fáceis.

1. Os EUA não podem fazer um ataque cirúrgico?

Provavelmente não funcionaria bem o suficiente. Os mísseis e instalações nucleares da Coreia do Norte estão dispersos e escondidos em todo o terreno montanhoso do país. Uma falha em atingi-los todos deixaria cerca de 10 milhões de pessoas em Seul, 38 milhões de pessoas na vizinhança de Tóquio e dezenas de milhares de militares dos EUA no nordeste da Ásia vulneráveis ​​a ataques com mísseis — com ogivas convencionais ou nucleares. Mesmo que os EUA conseguissem acabar com todos, Seul ainda seria vulnerável aos ataques da artilharia da Coreia do Norte.

2. Por que Kim pode apelar para armas nucleares?

“Mesmo um ataque limitado” pelos EUA “corre o risco de ser entendido pelos norte-coreanos como o início de um ataque muito maior, e eles podem escolher usar suas armas nucleares”, disse Jeffrey Lewis, diretor do Programa de não-proliferação da Ásia Oriental no Middlebury Institute of International Studies. De alguma forma, os EUA precisariam sinalizar tanto à Coreia do Norte quanto à China — principal aliado e parceiro comercial de Pyongyang — que um ataque militar cirúrgica é limitado e que eles deveriam evitar retaliação nuclear.

3. A mudança de regime é uma opção?

Uma nova liderança não conduziria necessariamente a uma nova maneira de pensar entre a liderança da Coreia do Norte. A exposição prolongada de Kim aos valores ocidentais, enquanto esteve na escola na Suíça, levou alguns a especular que ele poderia optar por abrir seu país para o mundo — até que ele tomasse o poder e provasse que eles estavam errados. Além disso, se Kim de alguma forma fosse alvo de remoção, a camarilha governante que o cerca teria que ir também — levando a uma lista de matança muito longa. A China, temendo tanto uma crise de refugiados como tropas americanas na fronteira, provavelmente procuraria sustentar o regime existente.

4. Isso significa que a guerra total é a melhor opção dos EUA?

Uma invasão em grande escala seria necessária para eliminar rapidamente a artilharia da Coreia do Norte, bem como seus programas de mísseis e de energia nuclear. No entanto, qualquer sinal de um ataque iminente — como o acúmulo de poder de fogo dos EUA, a mobilização de militares sul-coreanos e japoneses e a evacuação de cidadãos americanos na região — poderia induzir a Coreia do Norte a atacar preventivamente. A China e a Rússia também podem ser envolvidas. “Realisticamente, a guerra deve ser evitada”, disse John Delury, professor assistente de estudos internacionais na Universidade Yonsei, na Coreia do Sul. “Quando você executa qualquer análise custo-benefício, é uma insanidade”.

5. Como a Coreia do Norte pode retaliar?

A reação mais imediata provavelmente seria fogo de artilharia maciça em Seul e seus arredores. As instalações de artilharia da Coreia do Norte ao longo da fronteira podem ser ativadas mais rapidamente do que os recursos aéreos ou navais e mísseis balísticos maiores que podem atingir bases sul-coreanas, japonesas ou americanas na região com armas nucleares, químicas e biológicas. Esses países possuem sistemas de defesa de mísseis balísticos no local, mas não podem garantir que eles consigam abater todos. O Japão começou a oferecer conselhos aos seus cidadãos sobre o que fazer no caso de um míssil cair perto deles — essencialmente se esconder sob o solo — e as empresas dos EUA estão comercializando abrigos de mísseis. Embora não esteja claro se a Coreia do Norte pode atingir as cidades dos EUA como Denver e Chicago com um ICBM nuclear, é similarmente desconhecido se os sistemas de defesa dos EUA poderiam derrubá-lo — aumentando as ansiedades americanas.

6. Qual seria o preço econômico se a guerra começasse?

A Coreia do Sul é responsável por cerca de 1,9% da economia mundial e é o lar de empresas, incluindo a Samsung Electronics e Hyundai. Uma queda severa na atividade comercial devido à guerra na península causaria problemas generalizados na região e globalmente — e isso é sem o desdobramento das armas nucleares da Coreia do Norte contra o vizinho. Os mercados financeiros globais também sofrerão um tremendo choque no curto prazo, com migração para ativos seguros como o ouro, o dólar e o franco suíço. “A crise humanitária e a reconstrução econômica da península coreana após esse conflito nuclear exigiriam uma cooperação internacional em larga escala liderada pela China, os EUA e a União Européia e provavelmente levaria mais de uma década para reconstruir a economia”, de acordo com Para Rajiv Biswas, economista chefe da Ásia-Pacífico para a IHS Markit.

7. Quais as opções que permanecem na mesa?

Muitos analistas dizem que é hora de iniciar negociações para impedir que a situação se agrave. Parar a Coreia do Norte da obtenção de uma arma termonuclear, ou mísseis de combustível sólido mais avançados, é um objetivo que vale a pena perseguir, de acordo com Lewis. Por mais desagradável que possa parecer, isso significa oferecer recompensas para atrair a Coreia do Norte de volta à mesa de negociação. Lewis sugeriu que uma recompensa poderia ser reduzir os exercícios militares liderados pelos EUA em torno da Coreia do Norte. A questão do que pode ser oferecido aos norte-coreanos “é uma conversa que deve acontecer com o público, com o Congresso e com os norte-coreanos, em vez de ter essa conversa imaginária sobre cenários de guerra”, disse Delury. “A opção realista é a diplomática que coloca um freio nessa situação. E isso vai exigir muitas conversações”.

FONTEwww.independent.co.uk / Tradução e adaptação do Poder Aéreo

- Advertisement -

134 Comments

Subscribe
Notify of
guest
134 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Alex Nogueira

Que situação! Infelizmente deixaram chegar em um ponto longe demais, agora é baixar a cabeça e tentar conversar, pois qualquer intervenção militar certamente vai afetar o mundo todo. Coitado do planeta…

Diego mr

viram como umas bombinhas impõem respeito kk , ja estao pensando em ate negociar com o gordinho kk

Ivan BC

Pelo jeito a Coréia do Norte (CN) vai continuar por um bom tempo sendo a maior propriedade privada do mundo (o gordinho é dono de tudo e de todos), com milhões de escravos a sua disposição. Na minha humilde opinião, acho que em caso de conflito a China não tomaria posição. A China tem interessa na Coréia do Norte, mas acaba no momento que começar uma guerra, acho que será o primeiro a ficar inerte diante de um ataque contra a CN. A China é economicamente muito dependente do mundo, não apenas nas exportações, mas na importação de produtos. “”””A… Read more »

Bardini

“Quais são as opções dos EUA contra a Coreia do Norte?”
JDAM…
JDAM pra tudo que é lado…
https://www.youtube.com/watch?v=u88IjDi5Jhc

Juliano Bitencourt

“A opção realista é a diplomática que coloca um freio nessa situação. E isso vai exigir muitas conversações”. Depois de tudo que vimos sob Obama, ler uma asneira dessas é demais. Todos vimos o que ocorria sob o nazismo na Alemanha e comunismo da Rússia. Na CN certamente estão ocorrendo fatos escabrosos, diria mesmo demoníacos, com campos de concentração como os nazistas (que aprenderam com os soviéticos -vejam no youtube A verdadeira historia soviética)e terrores os mais imundos. Sou favorável a uma guerra total contra a CN, os milhões de seres humanos na CN merecem e nossa humanidade exige uma… Read more »

MARCELO SOUSA BASTOS

Ivan BC, *** Caramba, que ideia estúpida kkkkk por que alguém deixaria de ser dono de milhões de escravos? Por que alguém deixaria de ser dono de um país? *** não entendi, o que tem de obvio nisto ?? E estupidez ser sensato, humano e ético ??

Nonato

Quanto mais o tempo passa, pior fica. O maior risco é o de Seoul. O problema de atacar a Coreia do norte não pode ser feito em minutos. Qualquer ataque pode levar dias e semanas se envolverem navios e aviões ou mesmo horas se envolver mísseis de cruzeiro. É hora de usar inteligência maciça. Onde estão os silos de mísseis? Onde estão as armas químicas? Como destruir em poucos minutos a cadeia de comando? Acho que os alvos prioritários deveriam ser esses silos de mísseis balísticos, não importa quantos sejam, toda a artilharia ao longo da fronteira e os líderes… Read more »

André Bueno

Juliano Bitencourt 9 de agosto de 2017 at 15:16

Uma guerra total significa centenas de milhares de mortos nas Coréias e no Japão, principalmente, além dos soldados “ocidentais” e norte coreanos. Isso não é o jogo War. Os EUA estão em guerra permanente desde a segunda guerra do Iraque e seu orçamento e equipamentos não seriam suficientes, creio. Além da opinião pública, que conta muito por lá.

André Bueno

Nonato 9 de agosto de 2017 at 15:37
Não sei se os mísseis estão em silos. Normalmente as imagens mostram o disparo a partir de plataformas móveis.

GILMAR

Já está aparecendo mais um FDP propondo dar grana aos comunas. O problema é que tem imprensa demais dando espaço ao “porquinho vermelho”. Foda-se esse cara! Não tem coragem de atacar Guam ou qualquer outra parte do mundo. O que os EUA tem que fazer e apontar os Minuteman para cabeça daqueles boiotas e pronto!

Gustavo

Lá só se for no esquema de encostar alguns submarinos de ataque, 2 porta-aviões, vários navios de desembarque, tudo ao mesmo tempo, correria e gritaria… Padrão Blitzkrieg, com ajuda de Japão e Coreia do Sul, pro gordinho maluco não ter nem chance de terminar o flango dele. Assim Japão e Coreia do Sul não sofreriam os ataques… mas o trump não ta nem aí pra Seul ou Tóquio né… então deixa quieto, deixa assar mais um pouco.

Juliano Bitencourt

André Bueno 9 de agosto de 2017 at 15:38
São mais de 25 milhões de seres humanos sendo massacrados, abusados, tortutados, assassinados, destroçados TODOS OS DIAS há décadas e décadas. Libertá-los não tem NADA a ver com jogo War, mas tem tudo a ver com dever ético, com consciência, com decência e dignidade. Nós sabemos o que aconteceu na Alemanha Nazista e na Rússia Comunista. E sabemos o que ocorre na Coréia Comunista. Fechar os olhos para isso é cômodo e poupa nossas consciências, mas é INDECENTE.

Bruno Correia

De boa como nação soberana a Coreia do Norte tem todo o direito de possuir o artefato nuclear.

O problema é que gera uma mudança de poder na região, coisa que não agrada os E.U.A.

Em vez de trabalhar para a paz na região ficar ameaçando com “fúria e fogo” não vai resolver o problema.

hannes

O caso da Coréia do Norte não tem solução, infelizmente. Se os EUA iniciam um bombardeio em larga escala para derrubar o regime do gordinho, milhões de pessoas morrem devido ao contra-ataque norte-coreano e Seul — sede de algumas das empresas mais importantes da economia mundial — é destruída; se os EUA não fazem nada, o gordinho continua com seu programa nuclear e seu reinado intacto, podendo até mesmo dominar a tecnologia para criar a bomba de hidrogênio no futuro, aumentando ainda mais seu poder dissuasivo. De todas as opções possíveis, a diplomacia — por mais ineficaz que possa parecer… Read more »

André Bueno

Juliano Bitencourt 9 de agosto de 2017 at 15:51

Com certeza o que lá ocorre é um horror. Mas o custo-benefício em vidas, de ambos os lados, será ainda maior. Se correr, o bicho pega, se ficar, o bicho come.
Penso que passou o tempo,perderam o timing para um ataque.

Clésio Luiz

Qualquer movimento sem aprovação dos chineses estará fadado ao fracasso. Tanto militarmente, quanto economicamente.
.
Resta saber se o governo chinês finalmente resolve destruir o monstrinho que eles criaram, ou se permanece tudo na mesma.

André Bueno

Clésio Luiz 9 de agosto de 2017 at 15:59

Teria a China ascensão suficiente para barrar ainda mais asneiras norte-coreanas?

Jr

André Bueno, esquece cara, não adianta tentar explicar o óbvio para certas pessoas, esse tipo de gente acha que o mundo é igual aos joguinhos de PlayStation que eles estão acostumados a jogar. Se fosse tão simples assim atacar a Coreia do Norte os EUA com certeza já o tinham feito como fizeram no Iraque, Afeganistão e Líbia. O Pentágono sabe que em relação a Coreia do Norte a ferida fica bem mais embaixo, e não é só porque a mesma tem armas nucleares não, mas a quantidade gigantesca de armamento convencional que a mesma tem a poucos KM de… Read more »

Tomcat3.7

Sei não viu, acredito que caminhamos para um colapso mundial em meio a guerras ferrenhas e esta ae pode ser o pontapé inicial.

André Bueno

Jr 9 de agosto de 2017 at 16:09

Além da variável China, muita bem citada pelo Clésio.

Jr

hannes, tem solução sim, é só a China parar de exportar componentes para os misseis coreanos, os EUA já mandaram várias indiretas para Pequm, vamos ver até quando a China vai continuar apoiando o gordinho maluco

Bardini

O maior problema para a China é enfrentar uma onda de refugiados, em caso de conflito.

Hawk

Não sei a China está disposta a pagar o preço do que o King Kong JR aprontar. Mas quem já leu o livro “Fuga do campo 14” dá para imaginar o que passa o povo de lá se não estiver “entre os amigo do rei” e a Venezuela faz tempo que está indo para o mesmo caminho. Bardini 9 de agosto de 2017 at 16:19 no livro, ele comenta que todo refugiado da CN primeiro vai pra China e depois de algum tempo daí sim para a CS. O maior vilão da história parecer ser os democratas. Eles estão tão… Read more »

Ivan BC

MARCELO SOUSA BASTOS 9 de agosto de 2017 at 15:18
Você não entendeu o que eu quis dizer! Eu quis dizer que um ditador jamais vai deixar de ter escravos e ser dono de um país por motivos éticos ou sensatez. Eu não esperaria uma mudança de comportamento do gordinho da CR pelo fato de estudar na Suiça, se tivesse bons valores e uma ética valiosa ele não seria ditador. Abraço!

Ivan Recife

John Delury, professor assistente de estudos internacionais na Universidade Yonsei, na Coreia do Sul, escreveu: “Realisticamente, a guerra deve ser evitada.” “Quando você executa qualquer análise custo-benefício, é uma insanidade”. . Ok! Ele tem razão nas duas afirmações, mas começa a viajar na maionese diplomática quando afirma no final: “A opção realista é a diplomática que coloca um freio nessa situação. E isso vai exigir muitas conversações”. . A diplomacia falhou, porque a ameaça dos canhões não era verossímil. A cúpula de Pyongyang não vai largar o poder assim facilmente e os chineses desconfiam até da própria sobra. Assim sendo,… Read more »

Ozawa

O grande e desengonçado cão com topete laranja começou a latir desesperadamente, assustou os vizinhos, o dono chegou da janela e disse: “_calma, gente, ele late sempre que ouve fogos…”

http://www.dw.com/pt-br/coreia-do-norte-n%C3%A3o-%C3%A9-amea%C3%A7a-iminente-diz-tillerson/a-40029919

Juliano Bitencourt

Os EUA devem negociar com a China a manutenção (e portanto não fechamento) do comércio US-China, e mesmo fortalecimento desta relação, em troca de sinal verde(secretamente) para uma ataque total das forças americanas, japonesas e sul-coreanas(600.000 guerreiros altamente treinados)contra os criminosos que comandam a CN. A UE deve entrar também nas negociações com a China, com seu mercado. A Rússia isolada não vai encarar essa. E sua pequena e recessiva economia não permitiria. É hora de decisões difíceis e dolorosas, que não podem ser postergadas. E que paguemos o preço, pois não tomar essa dicisão agora significa pagar um preço… Read more »

claudio

não sei não mas creio que a China tem algo na manga , um guerra entre os EUA e esse gordim …. poderia desestruturar a economia mundial ( inclusive a dos EUA e a China assumir um protagonismo …..sei não muita coisa por trás desse silêncio ….

claudio

obs China ta comprando TUDO desde a Africa até em terra BRASILIS …empresas ..áereas ….minérios , produções…..e 1 Bi e 200 Milhões de boquinhas ……….

Juliano Bitencourt

Jr 9 de agosto de 2017 at 16:09 “EUA sabem que uma guerra ali logo ao lado de 3 entre as 15 principais economias do mundo seria um desastre, tanto econômico como humanitário, milhares de pessoas morreriam, inclusive soldados americanos.” . Talvez você não saiba, mas JÁ ocorre há décadas seguidas um desastre humanitário permanente envolvendo TODA a população da Coréia do Norte. E também um desastre econômico, onde a miserável população norte coreana morre de fome, milhares todos os dias, mas parece que isso não importa nada para certas pessoas. De nada adianta se maravilhar com as tecnologias bélicas,… Read more »

Flick

Não deve ser ignorada a participação da Austrália nesse imbróglio.
Se houver pega-pra-capá, com certeza vai sobrar pra eles também.

edcarlos

Não existe opção boa, não se deve brincar com quem não tem nada a perder, e a Coreia do Norte não tem nada a perder. Espero que as pessoas na Coreia do Sul, no Japão e nas demais nações próximas estejam preparadas para o que virá.

-Saudações!

Jr

Juliano Bitencourt, como eu disse para o André Bueno é inútil tentar explicar o óbvio para certas pessoas, mas pelo menos essas “certas pessoas” são minoria aqui, a maioria não só entendeu muito bem porque essa situação da Coreia do Norte não é tão simplória de resolver, como também deram exemplos do porque os EUA não atacam o gordinho maluco. ” É hora de decisões difíceis e dolorosas, que não podem ser postergadas. E que paguemos o preço” Paguemos quem???? Você é que não deve ser, afinal os misseis da Coreia do Norte não tem capacidade de atingir a sua… Read more »

Adriano A.R.

Em minha humilde opinião, não há mais o que fazer senão monitorar minuciosamente os movimentos do regime e investir pesadamente em um guarda-chuva anti-mísseis cercando a Coréia do Norte (a lá Israel). Não há ataque preventivo que seja eficaz, a não ser o total, e isso é uma loucura sem precedentes e impensável. Ninguém assinaria isso, nem mesmo Trump. É preciso entender que o regime se nutre desse “conflito” e silenciar é a melhor política. Os Chineses mantém a Coréia do Norte respirando e tem o poder de moderar os ânimos. O fato é que não querem. Botar pressão econômica… Read more »

edcarlos

Enquanto isso lá nos EUA:

https://www.youtube.com/watch?v=oa6yJrQYNQc

Saudações!

Walfrido Strobel

De novo leio o absurdo de acusarem Obama pela situação da Coreia do Norte, tem dois culpados pela situação, o Pres. Dem. Harry S. Truman que de 1950 a jan/1953 não conseguiu ganhar a guerra e o Pres. Rep. Dwight D. Eisenhower que pulou fora fazendo com que a ONU assinasse uma trégua no meio de 1953 que dura até hoje.
Se Obama tivesse atacado a Coreia do Norte seria responsabilizado pela morte de milhares de Sul Coreanos nos ataques a Seul, mesmo sem as nukes.

Gil

Eu já não sei se devo catalogar o brasileiro como um povo lacaio ou lacaio e retardado, já dou por sentado que somos apatridas. USA ainda hoje ocupa militarmente a Alemanha com mais de 40 mil soldados Somente em Okinawa tem quase 30 mil soldados. Na Coreia do Sul tem a minucia de 35 mil soldados USA ademas tem quase 600 bases pelo mundo e um nefasto e extenso historico de intervenção em terceiros paises (entre eles o Brasil) desde o final da WWII A Coreia do Norte somente não foi invadida como Libia graças a que tem armas atomicas… Read more »

Luiz Trindade

Acho que se perdeu a oportunidade de frear a Coréia do Norte para adquirir armamento nuclear. Agora se sentar na mesa e procurar acordos com ela e se fazer o que era impensável até um ano atrás que é reconhecer ela, Coréia do Norte, como uma nação nuclearmente armada. Do contrário, Deus nos guie nas outras opções sendo uma delas uma guerra!

Antonio Palhares

Existem as linhas e as entre linhas deste imbróglio todo. Não existem soluções simplistas para esta situação. Se fosse fácil os Estados Unidos teriam resolvido. O detalhe é a China. O gordinho é o Pit Bul dos Chineses, ele é útil e interessante como instrumento de desgaste contra os Estados Unidos e pode causar danos sérios e irreparáveis a Coréia do Sul e Japão. Não sei se somente bravatas resolvem este caso. Que entrem em sena os especialistas.

João Bosco

Creio que há alguns detalhes a serem observados neste caso: 1 – Será que a China, ansiosa em se tornar a maior potência econômica do mundo , vai querer uma guerra em suas fronteiras? 2 – Será que a mesma China vai querer sacrificar suas relações econômicas com os EUA e aliados por causa de um ditador maluco? O que rende mais, o comércio EUA-China ou o comércio China- CN ? 3 – a mesma coisa poderia ser questionada com relação à Russia … Putin vai querer se sacrificar economicamente em relação à CN? 4 – Os EUA vão esperar… Read more »

Alex Tomich

A China faz jogo duplo, obviamente, interessa a eles uma CN nuclear capaz de destruir cidades na CS, Japão e principalmente EUA, enquanto a China fica na boa, fora dessa guerra….. E sai ganhando muito, certamente…. Ou é quem menos perde….

hannes

Vocês subestimam demais o poder da China.

Esse cenário irreal onde os EUA fazem pressão na China e esta última é obrigada a aceitar de bico calado, se é que existiu alguma vez nas últimas décadas, não existe mais hoje em dia. Atualmente, ambos falam de igual pra igual.

Se a China decidir que o gordinho deve ficar no poder, ele vai permanecer lá independentemente da vontade dos americanos.

Juliano Bitencourt

O maior ganho para a China seria se tornar outro Japão, capitalista e imperial (trocando o regime forte comunista pelo regime forte imperial), e cada vez mais desenvolvida. Com a vantagem de não estar subordinada militarmente aos EUA. O comunismo na China foi um fracasso sangrento, genocida. Foi o capitalismo que a elevou entre as nações. E se combinar o capitalismo com a volta do Império do Meio, com um Imperador Qing de fato, mantendo o atual parlamentarismo, e dando mais liberdade de mercado, empreendedorismo e inovação, a China pode, ao invés de dividir o mundo, torná-lo mais rico e… Read more »

Walfrido Strobel

Tem outro detalhe, a China pode assistir a esta confusão toda ser sair de casa e se meter, depois vai dizer que o cidadão era maluco, instável, etc.
Mas os EUA terão gastos altíssimos em caso de conflito, coisa de bilhões de dólares que a Coreia do Sul não vai pagar com o próprii prejuizo que vai ter no conflito e depois com a reunificação.
Conforme ja postei a Alemanha ja gastou mais de um trilhão de dólares com sua reunificação.

Rodrigo M

Para nós fica a lição:
Só se é respeitado quem tem um belo porrete na mão.
O Brasil já deveria ter suas nukes a muito tempo..
Mas.. Continua deitado eternamente em berço esplêndido, confiando na sorte.
Sem uma capacidade nuclear plena de nada adianta 100, 200 ou 300 Gripens, frente a uma potência como os EUA.

Bruno

Manda uma equipe de operações especiais mandar uma bala na cabeça desse comédia, resolvido.

Walfrido Strobel

Rodrigo M, não sei se teriamos necessidade de ter nukes, elas nos causariam problemas no início.
Quanto aos problemas criados por elas, depois de um tempo a coisa é esquecida, lembrem que India e Paquistão sofreram pressoes e embargos, mas hoje nem se fala mais nisso.

Ivan Recife

Hannes, . O problema não é o “gordinho” no poder. O problema é o “gordinho” com armamento nuclear de longo alcance. . Este é um “perigo real e imediato”. Se a ameaça era contra a Coreia do Sul e Japão, agora a ameaça é contra os Estados Unidos da América. . Neste contexto a China, por mais poderosa que seja hoje e no futuro, não vai querer escalar o jogo, pois um ‘inferno nuclear’ provocado pelos ‘cowboys’ poderá ser maior e mais devastador que o que está à disposição deles… … com uma diferença: Os ianques podem colocar um pouquinho… Read more »

Leandro Costa

É bom lembrar que a culpa maior disso é da própria China como patrocinador da CN. A China jamais deveria ter deixado a CN iniciar esse tipo de desenvolvimento, e foi a China, olha do por seus próprios interesses, que salvou a CN no final de 1950 e garantiu sua sobrevivência para se tornar sua buffer zone.
.
O trabalho da diplomacia agora é justamente convencer a China que a CN é um inconveniente também para ela, assim como para toda a região.

Ricardo José L Leal

“A pergunta é a seguinte. Os norte-coreanos querem mesmo ter arma nuclear, ou querem é chegar tão perto que ela fique a seu alcance? (…) Eles se expõem a risco maior tendo as armas nucleares [mísseis com ogivas, etc]. Sua capacidade de pressão aumenta se chegarem perto de ter, mas não tiverem. (…) Se [uma negociação] acontecer, precisa ser por agora. Os Estados Unidos, a Coréia do Sul e o Japão declararam todos que desejam negociar. Todos os sinais porém sugerem que a Coréia do Norte está acelerando no sentido de obter capacidade de lançar arma nuclear e dissuadir qualquer… Read more »

Últimas Notícias

Embraer amplia o Programa Pool com a Cobham, da Austrália

Singapura – 22 de setembro de 2021 - A Embraer anunciou hoje a assinatura de uma extensão e ampliação...
- Advertisement -
- Advertisement -