Mais P-3 chegando

A equipe do Grupo de Acompanhamento e Controle na Empresa EADS-CASA (GAC-CASA) recebeu, em Sevilha, Espanha, a terceira aeronave P-3AM do contrato de modernização assinado pelo Comando da Aeronáutica por meio da Comissão Coordenadora para o Programa da Aeronave de Combate (COPAC). O FAB 7200 (P-3A – Orion Modernizado) foi trasladado ao Brasil pela tripulação do 1º Esquadrão do 7º Grupo de Aviação (1º/7º GAv – Esquadrão Orungan), que irá operá-lo na proteção do litoral brasileiro, da Amazônia Azul e de seus recursos naturais. A aeronave chegou a Salvador (BA), sede do esquadrão, dia no 11 de fevereiro.

FONTE: FAB

NOTA DO EDITOR: o Poder Aéreo já havia informado sobre a chegada da aeronave no dia 13

VEJA MAIS:

Tags: ,

Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

20 Responses to “Mais P-3 chegando” Subscribe

  1. Guilherme Poggio 16 de fevereiro de 2012 at 14:23 #

    Aliás, quem quiser a foto da capa da revista Forças de Defesa nº2 (está na barra lateral) em alta resolução é só entrar no endereço abaixo

    http://www.fab.mil.br/sis/enoticias/imagens/original/11351/il0c9278.jpg

  2. joseboscojr 16 de fevereiro de 2012 at 15:53 #

    Não havia me dado conta que nossos P-3 estão vindo com a sonda do MAD.
    Achava que esse equipamento estava em desuso tendo em vista a prática das marinhas em desmagnetizarem os cascos e do uso de aços amagnéticos em submarinos, o que piora a já não tão eficaz performance do equipamento, que era tido como muito inconsistente dado a só detectar submarinos próximos à superfície.
    O P-8 já não o utiliza e tão pouco os MH-60R.
    Gostaria de saber a opinião dos colegas.

  3. Roberto F Santana 16 de fevereiro de 2012 at 16:12 #

    Um avião que veio com atraso e com destinatário errado.
    Tinha que ir para a Marinha do Brasil.

  4. Mauricio R. 16 de fevereiro de 2012 at 16:44 #

    A FAB sabe o que fazer c/ uma aeronave dessas.
    A MB nem sabe p/ o que, aeronave de asa fixa serve.
    Voaram somente em helicópteros durante mto tempo, então estão sempre c/ a cabeça girando, girando, girando…

  5. Roberto F Santana 16 de fevereiro de 2012 at 17:08 #

    É fácil.
    Só tem que avisar que não dá para pousar em porta-aviões.

  6. Marcos 16 de fevereiro de 2012 at 17:18 #

    joseboscojr

    Não é só a sonda que está em desuso, é o próprio avião.
    Essa maravilha da tecnologia foi projetado na década de 50 e virou P-3 na década de 60. Não dúvido que esses aviões sejam dos primeiros lotes produzidos, já que estavam estocados no deserto. Tudo bem, tudo bem… o avião foi modernizado, mas… são cinquenta anos de uso.

  7. Daglian 16 de fevereiro de 2012 at 18:04 #

    O P-3 Orion teve três versões, basicamente, a A, a B e a C. As versões compradas pela FAB foram a A, modificada posteriormente pela EADS-CASA. Logicamente, as versões Alfa (A) foram antes produzidas e portanto são mais antigas. A FAB comprou suas unidades do Deserto do Arizona, unidades que eram da AMARC.

    As células adquiridas pela FAB possuem média de 46 anos, ou seja, são bem velhinhas.

    Resumi beeeeem resumido uma parte do texto da revista número dois da Forças de Defesa.

  8. Guilherme Poggio 16 de fevereiro de 2012 at 18:42 #

    Daglian disse:

    Resumi beeeeem resumido uma parte do texto da revista número dois da Forças de Defesa.

    Pô Daglian, tá entregando o ouro! :-)

  9. Observador 16 de fevereiro de 2012 at 19:00 #

    Pois é. Tem limitações.

    Mas qual é a alternativa?

    P-8? Sim, mas cada unidade só custou US$ 220 milhões para a Índia.

    A FAB tem dinheiro para isto?

    NÃO.

    E, de mais a mais, o P-3 ainda é operacional em várias FA’s mundo afora. E por muitos anos ainda será uma arma efetiva.

    Com o orçamento de fome da FAB, tá muito bom.

    E falando em orçamento, alguém tem idéia de onde serão feitos os cortes do MinDef?

  10. Daglian 16 de fevereiro de 2012 at 19:03 #

    Desculpe-me Poggio, realmente entreguei parte do ouro sim, mas uma parte muito pequena frente à qualidade da matéria. Na verdade, esta parte específica poderia ser encontrada sim em outra fonte, mas claro, seria mais demorado.

    Desculpe-me profundamente, foi um erro que não percebi antes de apertar entrer.

  11. Guilherme Poggio 16 de fevereiro de 2012 at 19:49 #

    Caro Daglian

    Foi só uma brincadeira

  12. Gila 16 de fevereiro de 2012 at 19:58 #

    Sim o avião é antigo, porém não é rodado. Foram fabricados e depois pouco utilizado e logo estocado. Ou seja apesar de ser antigo ele não foi utilizado por muito tempo. E o P-3 até o P-8 entrar em operação é o melhor avião de patrulha do mundo. Tanto que a NAVY ainda tem muitos deles voandos ( quando falo muitos é uma coisa absurda, falo pq já vi pessoalmente).

  13. Daglian 16 de fevereiro de 2012 at 20:06 #

    Caro Poggio,

    Mesmo assim, fica como lição para que eu pense melhor antes de postar!

    Abraços.

  14. Marcos 16 de fevereiro de 2012 at 20:50 #

    Haveria como fazer um E-170/MP ????

  15. Mauricio R. 16 de fevereiro de 2012 at 22:58 #

    Marcos,

    Havendo mercado tdo é possível, mas veja que o EMB-111, não fez assim uma boa figura; do pto de vista comercial.

  16. edcreek 17 de fevereiro de 2012 at 7:51 #

    OLá,

    Marcos quando serviço é bem feito deve ser elogiado, nesse caso o avião foi a melhor escolha em custo beneficio por tempo no ar e o up-grade, isso não passa de pegação de pé e mania de criticar tudo…

    Usuarios atuais de P-3 mundo afora:

    Australia, Canada, Grecia, Alemanha, Japão, Nova Zelandia, Portugual, Espanha, Estados Unidos etc etc etc, a lista vai longe….

    Se estamos desatualizados o mundo inteiro está!!!!

    Abraços,

  17. Eleazar Moura Jr. 17 de fevereiro de 2012 at 9:29 #

    E o armamento dos P-3 quando chega? mísseis anti-navio Harpoon, torpedos MK-48, etc

  18. Giordani RS 17 de fevereiro de 2012 at 10:42 #

    Bom, o P-3 foi produzido na Década 50 do Século Passado e chegou ao brasil na segunda Década do Século XXI…são +/- 60 anos…pode-se presumir então que lá por 2040 cheguem os F-15! Uhuuu!
    :-(

  19. Marcos 18 de fevereiro de 2012 at 17:10 #

    edcreek

    A lista vai longe, disso eu sei, mas enquanto os da lista estão de saída, os nossos estão de entrada.
    Só como exemplo: EUA: Boeing P-8; Japão: Kawasaki P-X.
    ——-

    Mauricio R.

    De fato o Emb-111 não foi aquele sucesso todo, embora que ao longo dos últimos trinta anos foram essas aeronaves que acabamos utilizando. E perguntei sobre um eventual P-190 porque justamente o P-8 é um derivado do Boeing 737. O próprio P-3 é um derivado do Electra.

  20. Mauricio R. 18 de fevereiro de 2012 at 20:28 #

    Mais um trabalhinho p/ o Hércules:

    “The SC-130J Sea Herc will offer an affordable replacement for the P-3 Orion maritime patrol aircraft (MPA) and anti-submarine warfare aircraft (ASW),…”

    (http://www.defensenews.com/article/20120216/DEFREG03/302160008/Singapore-Lockheed-Unveils-Plans-2-C-130-Variants?odyssey=mod|newswell|text|FRONTPAGE|s)

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Estado Islâmico pode dar nova vida ao A-10 Thunderbolt II

Por Jennifer H. Svan Meses depois de protelar a viagem para o cemitério, o aguerrido A-10 Thunderbolt II está sendo […]

Agência Look, o ‘point’ dos aficionados das Forças de Defesa em São Paulo

Bem no Centro de São Paulo, na Av. São Luiz 258 – República, existe desde 1968 uma loja especializada na […]

Vídeo: caças Gripen, Viggen e Draken em rara apresentação fora da Suécia

Vídeo publicado no youtube em 20 de setembro e divulgado pelo blog oficial do Gripen mostra uma rara apresentação conjunta […]

Primeiro F-35A australiano faz seu voo inaugural

Voo da primeira de 72 aeronaves do tipo que equiparão a RAAF foi realizado pelo piloto de testes da Lockheed […]

Xavantes detonando flutuantes

Demonstração realizada em praia de Natal, em 1983, incluiu ataques com bombas incendiárias, foguetes e metralhadoras contra barcaças – Entre […]

Detectado defeito de fabricação em caças Eurofighter

Descoberta de defeito nas fuselagens traseiras levou Alemanha e Grã-Bretanha a reduzirem as horas de voo anuais das suas frotas […]