YF-23

O caça das fotos é o Northrop/McDonnell Douglas YF-23, protótipo que competiu com o Lockheed YF-22.
O YF-22 e o YF-23 competiram pelo programa Advanced Tactical Fighter (ATF) da USAF, concebido nos anos 80, a fim de prover um substituto para o F-15 Eagle. Os contratos para os dois projetos mais promissores foram fechados em 1986, com o YF-23 tendo sido entregue em 1989 e sua avaliação concluída em 1991.
Consta que o YF-23 perdeu por pouquíssimos pontos para o YF-22, por causa também de uma possível adaptação deste último para uso naval, que acabou não ocorrendo.
Em 2004, a Northrop Grumman ressuscitou o projeto do YF-23 para oferecê-lo à USAF como bombardeiro intermediário, para competir com o B-1R e FB-22, mas a idéia não foi adiante.
Não estranhem se o futuro caça russo PAK-FA tiver alguma semelhança com o YF-23…

Tags: , , , ,

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

No Responses to “YF-23” Subscribe

  1. Bosco 4 de setembro de 2008 at 0:12 #

    Este é o avião mais bonito que já foi imaginado.
    Só não ganhou porque o lóbi do empuxo vetorado ganhou a “queda de braço”. Empuxo vetorado este que não serve para absolutamente nada na época de mísseis com TVC supermanobráveis.
    Também a melhor performance em decolagens e aterrisagens em pistas super curtas e esburacadas por bombas que o sistema de empuxo vetorado proporciona também não faz muito sucesso hoje em dia (por enquanto) em um mundo pós-guerra fria, em que as potências globais testam suas armas de alta tecnologia contra esfarrapados guerrilheiros e terroristas do terceiro mundo.

  2. Bosco 4 de setembro de 2008 at 0:12 #

    Este é o avião mais bonito que já foi imaginado.
    Só não ganhou porque o lóbi do empuxo vetorado ganhou a “queda de braço”. Empuxo vetorado este que não serve para absolutamente nada na época de mísseis com TVC supermanobráveis.
    Também a melhor performance em decolagens e aterrisagens em pistas super curtas e esburacadas por bombas que o sistema de empuxo vetorado proporciona também não faz muito sucesso hoje em dia (por enquanto) em um mundo pós-guerra fria, em que as potências globais testam suas armas de alta tecnologia contra esfarrapados guerrilheiros e terroristas do terceiro mundo.

  3. CorsarioDF 4 de setembro de 2008 at 1:57 #

    Além do lobby forte ele era muito, mas muito mais caro que o F-22, pois era muito melhor equipado. Realmente uma “Avis Rara”, muito bonito mesmo. Quem sabe o PAK não pegue uma carona nesse perfil? Basta alterar um pouco o projeto, já que ele se parece mais com o F-22. No caso do Su-25 eles “copiaram” o desenho do A-9 concorrente do A-10 (que sagrou-se vencedor na disputa), então é só manter a tradição. Sds;

  4. CorsarioDF 4 de setembro de 2008 at 1:57 #

    Além do lobby forte ele era muito, mas muito mais caro que o F-22, pois era muito melhor equipado. Realmente uma “Avis Rara”, muito bonito mesmo. Quem sabe o PAK não pegue uma carona nesse perfil? Basta alterar um pouco o projeto, já que ele se parece mais com o F-22. No caso do Su-25 eles “copiaram” o desenho do A-9 concorrente do A-10 (que sagrou-se vencedor na disputa), então é só manter a tradição. Sds;

  5. Tiago Jeronimo 4 de setembro de 2008 at 2:21 #

    É um belo caça mas acho o F-22 mais bonito, não há dúvidas que o F-23 assim como o F-22 faz iria domina os ares, será que no futuro o projeto será oferecido para venda assim como a Northrop ofereceu o F-20A Tigershark?

  6. Tiago Jeronimo 4 de setembro de 2008 at 2:21 #

    É um belo caça mas acho o F-22 mais bonito, não há dúvidas que o F-23 assim como o F-22 faz iria domina os ares, será que no futuro o projeto será oferecido para venda assim como a Northrop ofereceu o F-20A Tigershark?

  7. RL 4 de setembro de 2008 at 8:51 #

    Tenho uma dúvida.

    No caso do PAK-FA, as asas não serão de enflechamento variável?
    Ao que parece, tanto o YF-22 e o YF-23 tem asas fixas.

    Galante, vou ser chato mais uma vez.
    Disponibilize para nós o Blog TERRESTRE.

    Abraços.

  8. RL 4 de setembro de 2008 at 8:51 #

    Tenho uma dúvida.

    No caso do PAK-FA, as asas não serão de enflechamento variável?
    Ao que parece, tanto o YF-22 e o YF-23 tem asas fixas.

    Galante, vou ser chato mais uma vez.
    Disponibilize para nós o Blog TERRESTRE.

    Abraços.

  9. Alfredo_Araujo 4 de setembro de 2008 at 9:19 #

    O F22 é multifuncional… pode operar as JDAM… nao acredito q com essa capacidade no F22 a USAF compre um outro aviao carissimo só para ser um aviao de ataque..

  10. Alfredo_Araujo 4 de setembro de 2008 at 9:19 #

    O F22 é multifuncional… pode operar as JDAM… nao acredito q com essa capacidade no F22 a USAF compre um outro aviao carissimo só para ser um aviao de ataque..

  11. FALCON 4 de setembro de 2008 at 10:04 #

    Lindo avião,o Brasil poderia aproveitar algun desses projetos americanos q não foram selecionados e fabrica-los sob licença,como por exemplo o F-20, acho q seria ainda um bom caça p/ os dias atuais,desde q seja modernizado claro,isso daria ao país o dominio de novas tecnologias.ABRAÇOS.

  12. FALCON 4 de setembro de 2008 at 10:04 #

    Lindo avião,o Brasil poderia aproveitar algun desses projetos americanos q não foram selecionados e fabrica-los sob licença,como por exemplo o F-20, acho q seria ainda um bom caça p/ os dias atuais,desde q seja modernizado claro,isso daria ao país o dominio de novas tecnologias.ABRAÇOS.

  13. hms tireless 4 de setembro de 2008 at 10:16 #

    Os Russos são mestres na arte de copiar.

  14. hms tireless 4 de setembro de 2008 at 10:16 #

    Os Russos são mestres na arte de copiar.

  15. Nelson Lima 4 de setembro de 2008 at 10:16 #

    Parece ser um bisneto do Tiger.Mais bonito do que o Raptor

  16. Nelson Lima 4 de setembro de 2008 at 10:16 #

    Parece ser um bisneto do Tiger.Mais bonito do que o Raptor

  17. Paulo Costa 4 de setembro de 2008 at 10:47 #

    O enflechamento variavel das asas não deverá ser mais usado
    nos projetos dos novos aviões,o avanço do tipo de perfil das asas
    compensa isto.O empuxo vetorado como está,diminue a vida util da turbina,questão de aumento de pressão interna,novos motores
    já foram ou serão desenvolvidos para evitar isto,com isto o
    custo deve aumentar.O F-23 foi cogitado para suprir as
    necessidades dos marines,possivel substituição dos F-18.

  18. Paulo Costa 4 de setembro de 2008 at 10:47 #

    O enflechamento variavel das asas não deverá ser mais usado
    nos projetos dos novos aviões,o avanço do tipo de perfil das asas
    compensa isto.O empuxo vetorado como está,diminue a vida util da turbina,questão de aumento de pressão interna,novos motores
    já foram ou serão desenvolvidos para evitar isto,com isto o
    custo deve aumentar.O F-23 foi cogitado para suprir as
    necessidades dos marines,possivel substituição dos F-18.

  19. Erich Hartmann 4 de setembro de 2008 at 13:23 #

    Mencionando trecho de post no blog naval “é certo que gosto não se discute, ou melhor, se discute mas sem chegar a consenso algum…”, mas, para meu gosto, o Raptor, no quesito beleza, tem linhas mais harmoniosas…

    Como diria o projetista francês M. Dassault: “Um avião para voar tem que ser bonito…”, e acho que para se vender também.

  20. Erich Hartmann 4 de setembro de 2008 at 13:23 #

    Mencionando trecho de post no blog naval “é certo que gosto não se discute, ou melhor, se discute mas sem chegar a consenso algum…”, mas, para meu gosto, o Raptor, no quesito beleza, tem linhas mais harmoniosas…

    Como diria o projetista francês M. Dassault: “Um avião para voar tem que ser bonito…”, e acho que para se vender também.

  21. König 4 de setembro de 2008 at 13:37 #

    Na verdade o TVC não interfere na durabilidade da turbina mas o TVC tem baixa duração cerca de 500 horas de vida.
    Saudações

  22. König 4 de setembro de 2008 at 13:37 #

    Na verdade o TVC não interfere na durabilidade da turbina mas o TVC tem baixa duração cerca de 500 horas de vida.
    Saudações

  23. Vassily Zaitsev 4 de setembro de 2008 at 19:24 #

    Parece que o editor quis dizer que a Northrop teria a incencibilidade de vender tal projeto aos Russos? Nem em sonho isso aconteceria.

    Saindo do tema, acho uma boa pedida a FAB participar do projeto PAK-FA, como fizeram os indianos, mas duvido que voe antes de 2015.

  24. Vassily Zaitsev 4 de setembro de 2008 at 19:24 #

    Parece que o editor quis dizer que a Northrop teria a incencibilidade de vender tal projeto aos Russos? Nem em sonho isso aconteceria.

    Saindo do tema, acho uma boa pedida a FAB participar do projeto PAK-FA, como fizeram os indianos, mas duvido que voe antes de 2015.

  25. Walderson 5 de setembro de 2008 at 10:54 #

    Amigo Bosco,
    vc hj está realmente muito cruel. Como pode dizer que o empuxo vetorado não serve pra nada. E as feiras? Como elas ficariam sem os aviões russos fazendo manobras de deixar a todos de queixo caído? Rs.
    Agora, falando sério, concordo contigo mais uma vez Bosco. Com os novos mísseis, o melhor para o piloto é ficar em casa. Ter uma daquelas dores de barriga que impede alguém de voar. Rs.

    Caro, Vassily Zaitsev (esse nome só com o Ctrl + c e Ctrl + V) Rs,
    hj, para se copiar qualquer coisa que seja, bastam fotos relativamente próximas. Não se precisa comprar projetos. Aí, o recheio fica a cargo do copiador.
    Um abraço, galera.

  26. Walderson 5 de setembro de 2008 at 10:54 #

    Amigo Bosco,
    vc hj está realmente muito cruel. Como pode dizer que o empuxo vetorado não serve pra nada. E as feiras? Como elas ficariam sem os aviões russos fazendo manobras de deixar a todos de queixo caído? Rs.
    Agora, falando sério, concordo contigo mais uma vez Bosco. Com os novos mísseis, o melhor para o piloto é ficar em casa. Ter uma daquelas dores de barriga que impede alguém de voar. Rs.

    Caro, Vassily Zaitsev (esse nome só com o Ctrl + c e Ctrl + V) Rs,
    hj, para se copiar qualquer coisa que seja, bastam fotos relativamente próximas. Não se precisa comprar projetos. Aí, o recheio fica a cargo do copiador.
    Um abraço, galera.

  27. König 5 de setembro de 2008 at 13:04 #

    A super manobralidade serve jsutamente pra isso pra evitar de o inimigo conseguir um “lock”.
    Ou então dava pra recauchutar uns MIG-25 com uma eletronica moderna (Que de manobravel tem muito pouco).
    Saudações

  28. König 5 de setembro de 2008 at 13:04 #

    A super manobralidade serve jsutamente pra isso pra evitar de o inimigo conseguir um “lock”.
    Ou então dava pra recauchutar uns MIG-25 com uma eletronica moderna (Que de manobravel tem muito pouco).
    Saudações

  29. Mauricio R. 5 de setembro de 2008 at 17:15 #

    O YF-22 venceu por ser praticamente operacional, necessitando um minímo de desenvolvímento, o que não acontecia c/ o YF-23, que era tecnicamente mto avançado e consequentemente apresentava maior risco de desenvolvímento e custo.

  30. Mauricio R. 5 de setembro de 2008 at 17:15 #

    O YF-22 venceu por ser praticamente operacional, necessitando um minímo de desenvolvímento, o que não acontecia c/ o YF-23, que era tecnicamente mto avançado e consequentemente apresentava maior risco de desenvolvímento e custo.

  31. Bosco 6 de setembro de 2008 at 12:21 #

    A capacidade de manobra de um míssil com TVC supera de longe a capacidade de um caça que mesmo contando com o vetoramento do empuxo não pode exceder a capacidade que o elemento humano no cokpit suporta que é de 9 Gs (alguns afirmam ser de 12 Gs).
    Até o advento dos mísseis de 5° geração a balança pendia em favor dos caças que podiam escapar manobrando bruscamente do “envelope” de aquisição do sensor do míssil , mas com a capacidade de supermanobrabilidade, aliado a seekers com alto ângulo de aquisição do alvo e apontados pelo capacete do piloto o míssil leva vantagem 10 x contra 1.
    O combate tipo “dog fight” só é concebível no caso dos mísseis terem sido todos disparados e os combatentes passarem para o uso dos canhões. Aí, mesmo o caça tendo “vetoramento” ele é limitado devido à resistência humana e provavelmente entraria no cobate corpo a corpo a variável “sorte” ou o melhor preparo do piloto sobre o outro.
    Se os mísseis de 5º geração se mostrarem tão eficientes e previsíveis como se espera, o canhão dos caças vai para o museu. Não tem por que você continuar combatendo quando seus mísseis foram todos lançados. Passar a usar o canhão em uma dog fight não é a solução. Antes, os pilotos optavam pelo canhão porque 3 em cada 4 mísseis falhavam e o jeito era partir para a “ignorância”.
    E quando a munição do canhão acabar, vão se abalroar em pleno ar? Acabou os mísseis tchau. Voltem para a casa e como diz o Galvão, “tragam as crianças de volta”.
    A supermanobrabilidade voltará com força em um futuro próximo com o uso de UCAVs de combate aéreo, que assumiram formas altamente exóticas. Quando os dois lados de um conflito possuírem estes UCAVs “stealths” o dog fiht voltará a ser usado e novamente veremos o retorno dos canhões (ou raios lasers?) e combates como na 1° e 2° guerras, só que entre máquinas.

  32. Bosco 6 de setembro de 2008 at 12:21 #

    A capacidade de manobra de um míssil com TVC supera de longe a capacidade de um caça que mesmo contando com o vetoramento do empuxo não pode exceder a capacidade que o elemento humano no cokpit suporta que é de 9 Gs (alguns afirmam ser de 12 Gs).
    Até o advento dos mísseis de 5° geração a balança pendia em favor dos caças que podiam escapar manobrando bruscamente do “envelope” de aquisição do sensor do míssil , mas com a capacidade de supermanobrabilidade, aliado a seekers com alto ângulo de aquisição do alvo e apontados pelo capacete do piloto o míssil leva vantagem 10 x contra 1.
    O combate tipo “dog fight” só é concebível no caso dos mísseis terem sido todos disparados e os combatentes passarem para o uso dos canhões. Aí, mesmo o caça tendo “vetoramento” ele é limitado devido à resistência humana e provavelmente entraria no cobate corpo a corpo a variável “sorte” ou o melhor preparo do piloto sobre o outro.
    Se os mísseis de 5º geração se mostrarem tão eficientes e previsíveis como se espera, o canhão dos caças vai para o museu. Não tem por que você continuar combatendo quando seus mísseis foram todos lançados. Passar a usar o canhão em uma dog fight não é a solução. Antes, os pilotos optavam pelo canhão porque 3 em cada 4 mísseis falhavam e o jeito era partir para a “ignorância”.
    E quando a munição do canhão acabar, vão se abalroar em pleno ar? Acabou os mísseis tchau. Voltem para a casa e como diz o Galvão, “tragam as crianças de volta”.
    A supermanobrabilidade voltará com força em um futuro próximo com o uso de UCAVs de combate aéreo, que assumiram formas altamente exóticas. Quando os dois lados de um conflito possuírem estes UCAVs “stealths” o dog fiht voltará a ser usado e novamente veremos o retorno dos canhões (ou raios lasers?) e combates como na 1° e 2° guerras, só que entre máquinas.

  33. Bosco 6 de setembro de 2008 at 12:54 #

    O F22 que é de longe o mais sofisticado caça da atualidade, sendo o único exemplo da 5° geração, não tem nenhuma intenção de entrar em combate de curto alcance (alcance visual) com seus adversários. Ele lava 6 Amraams, 2 Sidewinders e 1 canhão Vulcan com 640 projéteis.
    E pelo que me consta ainda não opera o AIM9X.
    Os americanos estão carecas de saber que se entrarem em “dog fight” com outro caça e este estiver armado com mísseis ar-ar de curto alcance de 5°geração “designados” pelo capacete com capacidade “off-boresight”, as chances do F22 (com TVC e Sidewinder) sair vitorioso são inferiores ao do oponente. Seu “vetoramento” serve apenas para lhe conferir uma manobrabilidade semelhante ou pouco melhor que a de um moderno caça de menores dimensões e não para lhe conferir uma superagilidade.
    Quando o F22 começar a usar os AIM9X e o capacete JHMCS, ai suas chances no combate de curto alcance contra um caça igualmente armado apenas se igualará.
    A superioridade o F22 deve ser explorada no combate além do alcance visual, onde a furtividade e o nível de consciência situacioal é preponderante.
    Não duvido que se houver novas versões do F22 o mesmo venha sem o vetoramento de empuxo (embora continue com o escape retangular por ter melhor desempenho na redução da IR), com o compartimento de míssil do Sidewinder otimizado para levar o Amraam e sem o canhão.
    O que leva os pilotos de F15 e F16 a travarem combates tipo dog fight é a confiança que os mesmos despositam no seu treinamento. Treinamento este que terá um papel reduzido em uma época ultratecnológica com os sistemas (capacete, mísseis, etc) fazendo todo o serviço, diminuindo o fator “treinamento” como fundamental na vitória.

  34. Bosco 6 de setembro de 2008 at 12:54 #

    O F22 que é de longe o mais sofisticado caça da atualidade, sendo o único exemplo da 5° geração, não tem nenhuma intenção de entrar em combate de curto alcance (alcance visual) com seus adversários. Ele lava 6 Amraams, 2 Sidewinders e 1 canhão Vulcan com 640 projéteis.
    E pelo que me consta ainda não opera o AIM9X.
    Os americanos estão carecas de saber que se entrarem em “dog fight” com outro caça e este estiver armado com mísseis ar-ar de curto alcance de 5°geração “designados” pelo capacete com capacidade “off-boresight”, as chances do F22 (com TVC e Sidewinder) sair vitorioso são inferiores ao do oponente. Seu “vetoramento” serve apenas para lhe conferir uma manobrabilidade semelhante ou pouco melhor que a de um moderno caça de menores dimensões e não para lhe conferir uma superagilidade.
    Quando o F22 começar a usar os AIM9X e o capacete JHMCS, ai suas chances no combate de curto alcance contra um caça igualmente armado apenas se igualará.
    A superioridade o F22 deve ser explorada no combate além do alcance visual, onde a furtividade e o nível de consciência situacioal é preponderante.
    Não duvido que se houver novas versões do F22 o mesmo venha sem o vetoramento de empuxo (embora continue com o escape retangular por ter melhor desempenho na redução da IR), com o compartimento de míssil do Sidewinder otimizado para levar o Amraam e sem o canhão.
    O que leva os pilotos de F15 e F16 a travarem combates tipo dog fight é a confiança que os mesmos despositam no seu treinamento. Treinamento este que terá um papel reduzido em uma época ultratecnológica com os sistemas (capacete, mísseis, etc) fazendo todo o serviço, diminuindo o fator “treinamento” como fundamental na vitória.

  35. konner 6 de setembro de 2008 at 13:31 #

    Indo de encontro a esta linha de raciocínio, o PAK-FA T-50, nas principais fontes há a ‘previsão’ de que ele seja armado com 2 canhões de 30 mm, contrariando essa tendência em se manter apenas um canhão ou a de suprimir esta arma.

  36. konner 6 de setembro de 2008 at 13:31 #

    Indo de encontro a esta linha de raciocínio, o PAK-FA T-50, nas principais fontes há a ‘previsão’ de que ele seja armado com 2 canhões de 30 mm, contrariando essa tendência em se manter apenas um canhão ou a de suprimir esta arma.

  37. Bosco 6 de setembro de 2008 at 13:50 #

    A única razão para se manter o canhão é para contemplar as situações excepcionais. Com certeza não é o foco de um caça de projeto atual o combate com canhões. Se os mísseis de BVR, e os de curto alcance e 5° geração forem todos disparados e ainda existirem “inimigos” no ar sobram 2 opções: entrar em combate “corpo a corpo” ou fugir (se tiver capacidade de supercruzeiro eu acho que o cara foge).
    Para um caça de 300 milhões de dólares como o F22, que terá produção limitada, e o valor que os americanos dão à vida humana (no caso, à vida humana “americana”) eu acho que a opção é fugir para combater amanhã.
    Se acabar a munição do canhão e ainda persistindo oponentes no céu, ainda sobram 2 opções: voltar para casa ou abalroar seu oponente rss.

  38. Bosco 6 de setembro de 2008 at 13:50 #

    A única razão para se manter o canhão é para contemplar as situações excepcionais. Com certeza não é o foco de um caça de projeto atual o combate com canhões. Se os mísseis de BVR, e os de curto alcance e 5° geração forem todos disparados e ainda existirem “inimigos” no ar sobram 2 opções: entrar em combate “corpo a corpo” ou fugir (se tiver capacidade de supercruzeiro eu acho que o cara foge).
    Para um caça de 300 milhões de dólares como o F22, que terá produção limitada, e o valor que os americanos dão à vida humana (no caso, à vida humana “americana”) eu acho que a opção é fugir para combater amanhã.
    Se acabar a munição do canhão e ainda persistindo oponentes no céu, ainda sobram 2 opções: voltar para casa ou abalroar seu oponente rss.

  39. Bosco 6 de setembro de 2008 at 13:57 #

    Até com a finalidade de atacar alvos na superfície os canhões estão em desuso devido à altitude e ao ataque de precisão aos alvos não ocorrer mais à baixo nível, e sim em médio/alto e á grandes distância.
    Mas pode existir situações excepcionais em que um bravo piloto veja a necessidade de intervir com o canhão. Tem louco de tudo quanto é jeito .rss…
    Este quadro, é claro, ocorre entre potências armadas com equipamento de última geração. Nós, aqui da América Latina, ainda vamos usar muito dog fight, canhão contra alvos no solo e do jeito que a coisa vai até abalroamento. rss..

  40. Bosco 6 de setembro de 2008 at 13:57 #

    Até com a finalidade de atacar alvos na superfície os canhões estão em desuso devido à altitude e ao ataque de precisão aos alvos não ocorrer mais à baixo nível, e sim em médio/alto e á grandes distância.
    Mas pode existir situações excepcionais em que um bravo piloto veja a necessidade de intervir com o canhão. Tem louco de tudo quanto é jeito .rss…
    Este quadro, é claro, ocorre entre potências armadas com equipamento de última geração. Nós, aqui da América Latina, ainda vamos usar muito dog fight, canhão contra alvos no solo e do jeito que a coisa vai até abalroamento. rss..

  41. Bosco 6 de setembro de 2008 at 13:58 #

    Correção:
    devido à altitude de penetração e ao ataque de precisão…

  42. Bosco 6 de setembro de 2008 at 13:58 #

    Correção:
    devido à altitude de penetração e ao ataque de precisão…

  43. Bosco 6 de setembro de 2008 at 14:10 #

    Acho pouco provável que em um hipotético cenário de guerra em que uma dupla de F22 com armamento ar-ar padrão seja informada por um AWACS da presença de 14 “bandidos” há 300 kms de distância, sabidamente armados com mísseis de quinta geração e capacete com visor e capacidade de mira, decida após confirmar a “morte” de 12 por meio dos AMRAAMS (supondo que cada AMRAAM tenha acertado um caça) ainda decidam entrar em combate de curto alcance com os 2 restantes.
    O mais provável é que continuem no supercruzeiro e voltem para casa para poderem lutar mais um dia, do que insistirem em um combate equilibrado mano a mano.
    Um abraço.

  44. Bosco 6 de setembro de 2008 at 14:10 #

    Acho pouco provável que em um hipotético cenário de guerra em que uma dupla de F22 com armamento ar-ar padrão seja informada por um AWACS da presença de 14 “bandidos” há 300 kms de distância, sabidamente armados com mísseis de quinta geração e capacete com visor e capacidade de mira, decida após confirmar a “morte” de 12 por meio dos AMRAAMS (supondo que cada AMRAAM tenha acertado um caça) ainda decidam entrar em combate de curto alcance com os 2 restantes.
    O mais provável é que continuem no supercruzeiro e voltem para casa para poderem lutar mais um dia, do que insistirem em um combate equilibrado mano a mano.
    Um abraço.

  45. Baschera 6 de setembro de 2008 at 16:36 #

    Á luz dos equipamentos e mísseis com tecnologia de 5º geração, aliado aos custos de desenvolvimento de um caça como os F-22 e F-23, acho que até mesmo os USA não tem dinheiro suficiente para seguir adiante. Em breve a linha de montagem do F-22 será encerrada, se não me engano em 2010. Repararam que os americanos pouco falam do F-22 ?? Não acho que seja tudo o que falam. Parece-me que seu destino será muito parecido com os F-117, que já foram “aposentados”. Há exemplo destes, o F-22 só será usado em certas condições muito específicas. Mas questiono se o custo disto vale a pena. Parece que o congresso americano também tem sérias dúvidas. Mesmo dilema dos DDG-1000 Zumwalt.
    Sds.

  46. Baschera 6 de setembro de 2008 at 16:36 #

    Á luz dos equipamentos e mísseis com tecnologia de 5º geração, aliado aos custos de desenvolvimento de um caça como os F-22 e F-23, acho que até mesmo os USA não tem dinheiro suficiente para seguir adiante. Em breve a linha de montagem do F-22 será encerrada, se não me engano em 2010. Repararam que os americanos pouco falam do F-22 ?? Não acho que seja tudo o que falam. Parece-me que seu destino será muito parecido com os F-117, que já foram “aposentados”. Há exemplo destes, o F-22 só será usado em certas condições muito específicas. Mas questiono se o custo disto vale a pena. Parece que o congresso americano também tem sérias dúvidas. Mesmo dilema dos DDG-1000 Zumwalt.
    Sds.

  47. Marine 6 de setembro de 2008 at 17:14 #

    Bosco,

    Excelente analise, mostra-se que sabe muito mais do assunto do que eu…rs. So gostaria de dizer que especialmente no Afeganistao tem havido muitas ocasioes sim em que pilotos de F-16, F-15 e outros tem provido apoio aereo com seus canhoes a pequenos elementos terrestres aliados chamando por ajuda em situacoes desesperadoras…

    Ex: “Robert’s Ridge” e muitos outros.

    Sds.

  48. Marine 6 de setembro de 2008 at 17:14 #

    Bosco,

    Excelente analise, mostra-se que sabe muito mais do assunto do que eu…rs. So gostaria de dizer que especialmente no Afeganistao tem havido muitas ocasioes sim em que pilotos de F-16, F-15 e outros tem provido apoio aereo com seus canhoes a pequenos elementos terrestres aliados chamando por ajuda em situacoes desesperadoras…

    Ex: “Robert’s Ridge” e muitos outros.

    Sds.

  49. Renato Clemente 18 de agosto de 2009 at 18:05 #

    Feio que doi!!! O F22 é de longe mais bonito que YF23. Esse caça tem jeito de caça europeu, ele é que gostam de criar esses design estranhos, com asas de enflexamento reverso, caças sem derivas traseiras etc

  50. Renato Clemente 18 de agosto de 2009 at 18:05 #

    Feio que doi!!! O F22 é de longe mais bonito que YF23. Esse caça tem jeito de caça europeu, ele é que gostam de criar esses design estranhos, com asas de enflexamento reverso, caças sem derivas traseiras etc

Trackbacks/Pingbacks

  1. Novos ângulos do YF-23 Blackwidow II - 13 de novembro de 2008

    […] YF-23 Blackwidow II concorreu com o YF-22 na década de 90 e perdeu. Mas ele quase ressuscitou em 2004, […]

  2. Novos ângulos do YF-23 Blackwidow II - 13 de novembro de 2008

    […] YF-23 Blackwidow II concorreu com o YF-22 na década de 90 e perdeu. Mas ele quase ressuscitou em 2004, […]

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

95, 102 e 116 milhões de dólares: aproveite que os preços do F-35 estão despencando…

…afinal, sem motor a tendência de um avião é cair mesmo! – Brincadeiras à parte com o fato do valor dos motores do […]

Brasil espera uma proposta da Suécia para empréstimo de caças Gripen para uso da FAB

Suécia teria oferecido ao Brasil empréstimo ou aluguel de caças suecos enquanto os comprados não chegam; entregas só começam em […]

Rio pode ser a primeira cidade a receber o A380

O Galeão pode ser o primeiro aeroporto da América do Sul a receber o Airbus A380-800 e o Boeing 747-8, […]

Compre sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Cerimônia marca entrega da frota completa das aeronaves de patrulha da FAB

As aeronaves P-3AM Orion foram recebidas a partir de 2011   A Base Aérea de Salvador (BASV) realizou na quarta-feira […]

Contrato de 12 aviões A330 MRTT para a Força Aérea Francesa

Aeronaves receberam o nome ‘Phénix’ e custarão 3 bilhões de euros, incluindo sistemas de apoio e treinamento. Terão três pontos […]