Para que a ajuda chegue às comunidades indígenas, o lançamento de suprimentos se faz necessário e eficaz, devido às condições geográficas e físicas do local

Em grave situação de calamidade pública, já decretada pelo Ministério da Saúde (MS), tribos indígenas Yanomami encontram nas ajudas humanitárias a forma de sobreviver. Para levar alimentos e medicamentos à região, a Força Aérea Brasileira (FAB), sob coordenação do Ministério da Defesa (MD), atua com o transporte diário de cargas e evacuação aeromédicas.

Como parte da missão, na manhã do dia 24/01, a aeronave C-105, operada pelo Primeiro Esquadrão do Décimo Quinto Grupo de Aviação (1°/15° GAV – Esquadrão Onça) realizou, de forma inédita, o lançamento múltiplo de 2 toneladas de medicamentos e produtos médicos básicos de primeira necessidade, tais como soro, gases, seringas, dentre outros.

De acordo com os pilotos responsáveis pelo voo, Capitão Aviador Vitor Graeff e Capitão Renê Luiz Pereira Da Costa, a realização deste tipo de lançamento é importante porque confere à missão maior agilidade de entrega, o que gera, consequentemente, maior economia de meios e suprimentos. “Com o lançamento múltiplo, conseguimos levar uma maior quantidade de carga e, principalmente, de forma célere, uma vez que diversos procedimentos são reduzidos. Hoje, conseguimos, de uma só vez, transportar 5 cargas às tribos necessitadas. Um feito inédito para o nosso Esquadrão”, relataram.

Nesta missão, o lançamento múltiplo real ocorreu na região de Surucucu – interior do Estado de Roraima – e, lá, os medicamentos, serão transportados, por helicóptero, para serem usados nos tratamentos médicos realizados pelas equipes de saúde da Aeronáutica e do Governo Federal que se encontram no local.

De acordo com o Capitão Graeff missões como essas mostram o real objetivo da Força Aérea, que é poder chegar a lugares geograficamente impossíveis. “Nos dê uma missão e jamais deixaremos de cumpri-la”, finalizou o Capitão Graeff.

Voo inédito

O lançamento múltiplo é um procedimento que consiste em lançar de uma plataforma fixa apropriada, com a utilização de paraquedas, cargas a aproximadamente 1.000 pés, sendo possível o lançamento de até 5 cargas. Feitos desta magnitude, demonstram a grande competência logística desenvolvida pela Força Aérea, que aliada ao preparo e habilidade das tripulações, torna capaz a distribuição de grande quantidade de material utilizando apenas uma aeronave.

Essa foi a primeira vez que o C 105, operado pelo Esquadrão Onça, realizou um voo desta natureza, tornando-se um feito histórico e, acima de tudo, motivo de muito orgulho, uma vez que, com essa ação, puderam ajudar a salvar vidas.

Saldo positivo

Apenas no dia de hoje, a FAB já transportou 574 cestas, o que totaliza 9.874 quilos de cestas básicas e mais de 3 toneladas de medicamentos e materiais hospitalares. Simultaneamente, a Força Aérea realiza o transporte de combustíveis que abastecem as aeronaves utilizadas para transportar os insumos entre as comunidades, totalizando uma ajuda a mais de 30 mil indígenas em toda a região.

FONTE: Força Aérea Brasileira

Subscribe
Notify of
guest

79 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues

A única coisa boa´´ nisso tudo ( se é que se possível falar em algo bom´´, no meio de toda essa tragédia/crime ) é que fica demonstrado que o KC tem alta disponibilidade e é pau pra toda hora. Talvez isso sirva de vitrine pra eventuais clientes interessados.
Como disse num comentário anterior, vendo a quantidade de vezes em que a FAB é atuante em missões humanitárias e desastres naturais pelo Brasil, é que sempre me questiono se cortar o nº de KC´s foi uma decisão sábia.

Camargoer.

Caro Wilber. O prejuízo para a imagem do Brasil foi tao grande que não sei se alguém vai prestar atenção ao avião que levou (tardiamente) suprimentos. Tivessem feito isso meses ou anos atrás, teria sido uma vitrine. Agora foi uma vidraça.

Willber Rodrigues

Tem uma forma de recuperarmos nossa imagem:

Investigue, coloque todo o peso da lei e mande pra cadeia cada um dos envolvidos, mandantes, apoiadores e cúmplices disso, e do dia 08/01. Cada um deles, sem reserva.
Isso mostrará pro mundo que aqui é sim um país sério, vai recuperar nossa imagem e vai desestimular´´ que quiser fazer isso no futuro.

Camargoer.

Olá Wilber. Concordo com você. Contudo, começo a pensar que este escândalo possa ser o Watergate de Bolsonaro. Para um jornalista investigativo, pode ser a grande chande de uma reportagem histórica. Talvez eu seja a primeira pessoa a chamar o caso de Yanomamigate.

Claudio

O maior corrupto da história do país não ficou preso , então não existe justiça, está na cara que as ONGs se aproveitaram de verba do governo e desviaram , e tem cacique que também faz parte da extração de ouro

Rinaldo Nery

Sugiro ler o livro “A farsa Ianomami”, de Carlos Alberto Lima Menna Barreto, Bibliex Editora, 1995.

Camargoer.

Olá Rinaldo. Obrigado pela recomendação. Vou ver se tem na biblioteca da universidade antes.

Frederick

Vale a leitura por inúmeros motivos.
E poucos são pelo que o livro se propõe.

Frederick

Aliás, me impressiona como uma obra abjeta ressurge com tamanha força e vira argumento de primeira mão daqueles que sequer sabiam de sua existência, até receber uma corrente do grupo do político predileto.

Aí se estrebucham pela falta “liberdade de expressão”. Ora, são todos escravos e subalternos a interesses doutrem. Meros replicadores de frágeis argumentos.

Last edited 10 dias atrás by Frederick
Felipe Morais

Não li ainda.
Mas, embora você não goste do conteúdo, acho interessante as pessoas terem duas versões sobre uma questão que é polêmica e, assim, terem subsídios para ter algum tipo de percepção própria.
Inclusive, se você tiver, para indicar, alguma indicação com algum outro ponto de vista que julgue mais adequado…

Frederick

Procure repositórios acadêmicos, relatórios de órgãos federais que lidam com o tema é até a legislação pertinente. Uma livro opinativo, de 30 anos, de alguém que não só não era da área como era um político local, numa época conturbada, não pode ser boa referência. Antes mesmo de ler. Hoje há críticas interessantes, de muito fácil acesso, sobre ações clandestinas na Amazônia, como garimpo ilegal, extração de madeira, minérios e de riquezas biológicas e de atos que pouco a pouco fragilizam nossa soberania. (cujo monitoramento dessas ações é, em parte, razão de ser de nosso programa espacial) E nesse mundo… Read more »

Last edited 9 dias atrás by Frederick
Camargoer.

Obrigado Fred. Quando preciso entender um assunto mais complexo, eu geralmente busco uma tese ou uma dissertação de mestrado. Os capítulos introdutórios são uma boa fonte de informação. Eu li a resenha do livro ontem. No atual contexto de crise, parece-me adequado ler este livro. Acredito que esta crise com os indígenas poderá trazer consequência para Bolsonaro e outro membros do primeiro escalão muito mais severas que qualquer outro evento incluindo os ataques de 08/jan; Se houve algum desmante, e parece que de fato aconteceu, a própria burocracia do sistema público mantém registros nominais inclusive quanto á datas e horários.… Read more »

Frederick

Caro Camargo,

Também me valho do mesmo itinerário; a leitura de pesquisas. Sendo que também dou atenção às conclusões e bibliografia.

Não gosto dessa obra desde o dia que a li pela primeira – e última – vez. Mas, bônus, curiosamente, muitas pessoas que conheço passaram a defender com fervor, na época, o Programa Espacial Brasileiro, motivados pela leitura. Fazer o quê?

Last edited 9 dias atrás by Frederick
Camargoer.

Olá Fred. Eu não conhecia este livro, mas eu e o RInaldo temos um velho hábito de sugerir títulos um para o outro, isso há mais de dez anos.. pelo menos. Ainda não consegui baixar o PDF, mas vou insistir.

Luciano

Olá, Camargoer. A obra tem um cunho conspiracionista, pelo visto. É uma das utilizadas pela extrema direita – na época ainda em desenvolvimento para se tornar o que vimos recentemente – especialmente porque dá força a tese de que ONGs associadas à governos estrangeiros estariam pondo em prática um projeto de internacionalização da Amazônia. Duas coisas, entre outras, me impressionam na relação do absurdo indígena Yanomami e o retorno das citações a essa obra: muitos oficiais, de toda a cadeia hierárquica das 3 forças, topam levar adiante esse absurdo conspiracionista (por que?) mesmo tendo as provas atuais demonstrando o dolo… Read more »

Camargoer.

Olá Luciano. Voce tem razão sobre o livro. Terminei de ler o livro há pouco. Como diz o Autor, é apenas um desabafo, um grito de alerta sobre um movimento internacionalmente coordenado e financiado na Europa visando o desmembramento do território brasileiro, algo que aparece em cerca de 1/3 do texto. Os outros 2/3 tem pouca relação com a ideia defendida pelo Autor, que menciona falsos religiosos, falsos cientistas, falsos jornalistas, mas assegura que os garimpeiros são bem intencionados e sinceros. O Autor defende que as grande mineradores estão ao mesmo tempo interessadas em explorar os recursos minerais e também… Read more »

Camargoer.

Olá Fred. Terminei de ler o livro há pouco. Como diz o Autor, é apenas um desabafo, um grito de alerta sobre um movimento internacionalmente coordenado e financiado na Europa visando o desmembramento do território brasileiro, algo que aparece em cerca de 1/3 do texto. Os outros 2/3 tem pouca relação com a ideia defendida pelo Autor, que menciona falsos religiosos, falsos cientistas, falsos jornalistas, mas assegura que os garimpeiros são bem intencionados e sinceros. O Autor defende que as grande mineradores estão ao mesmo tempo interessadas em explorar os recursos minerais e também querem manter o acesso aos recursos… Read more »

Frederick

Pois…

Não uso a palavra “abjeto” gratuitamente.

Luciano

Quando crescer – e tiver minha alforria depois da tese defendida – eu vou ser assim, disposto a encarar trabalhos acadêmicos no café da manhã como se fosse jornal!rsrs Um grande abraço, Camargoer.

Camargoer.

Olá meu Amigo (sempre com letra maiúscula). Como está a tese? Lembre de avisar a data de defesa. Quero assistir. Quem sabe, consigo uma liberação do departamento para ir ver presencialmente? Seria uma ótima razão para ve-lo e abraça-lo.

Camargoer.

Olá Fred. O livro é mal escrito, após 30 anos nada que que está escrito lá se sustenta e seu conteúdo nada tem a ver com o problema enfrentado pelo indígenas nos últimos meses. Incluí-lo na discussão é apenas uma cortina de fumaça.

Frederick

Cortina de fumaça. Exato.

É muito triste ver gente que eu respeito partir do princípio que algo simplesmente inexiste só porque contraria o que a convenceram a crer.

Mas, é isso. Sigamos adiante.

Abraços, Camargo.

Felipe Morais

Tem no Libgen Camargoer.

Camargoer.

Opa. Legal Obrigado pela dica.

Camargoer.

Já baixei. Trabalho para o fim de semana

Frederick

Péssimo timing, Rinaldo.

Camargoer.

Olá Rinaldo. Encontrou uma disseraçao de mestrado bem interessante e um texto sobre a Funai que também merecem ser lidos. “A ação indigenista brasileira sob a influência militar e da Nova República (1967-1990)” e “OS MOVIMENTOS POLÍTICOS YANOMAMI: ANÁLISES DA CONSTRUÇÃO DE SUAS DEMANDAS E REIVINDICAÇÕES”. Estou tentando encontrar o PDF do livro que você sugeriu. Parece que tem uma verrsao disponível na internet.

Equilibrium

Camargo, sugiro procurar o Fórum Defesa Critica no google e se cadastrar. Vai te fazer bem.

Camargoer.

Caro. Eu gosto da trilogia. Acompanho ha mais de 20 anos. Tenho amigos aqui que tenho enorme carinho, como o Rinaldo, Eu já o conhecia de uma reportagem na revira Força Aérea sobre o A29 e foi uma feliz surpresa conhece-lo mais ainda aqui na trilogia. Muitas vezes a gente discorda, mas isso nunca mudou minha admiração por ele.É este debate educado e respeitoso que me levou a mudar de ideia inúmeras vezes e em outras reforçar a minha convicção. A trilogia para mim é um espaço precioso no qual eu posso sair da minha bolha profissional. Aqui, me sinto… Read more »

Equilibrium

Não se preocupe chefe, será só um complemento.

Camargoer.

obrigado pela sugestão. vou ver se consigo me adaptar em mais um forum de debate.

Luciano

Pois é, Camargoer. A trilogia é uma fonte de informações importante, tanto pelas matérias quanto pelos dados trazidos pelos foristas. Mas penso que o número de pessoas que ultrapassam o razoável é um pouco maior do que vc acredita. E tb aprendo muito com as postagens técnicas do Cel Rinaldo, embora discorde muitas vezes de suas opiniões políticas. Porém, ele sempre foi respeitoso comigo e aberto ao debate de ideias. O mesmo vale para alguns outros comentaristas que sabem ouvir uma opinião diversa sem ataques pessoais.

Camargoer.

Ola meu Amigo. Como estão as coisas? Concordo com você em todos os aspectos. No fim, o que vale a pena mesmo são os amigos, que no meu caso, incluo você. Tenho um enorme carinho e admiração por vocẽ e seu trabalho. O que percebi é que muita gente raivosa passa pela trilogia e depois some (ou apenas muda de apelido, mas não importa né?). Eu aprendi muito aqui. Muito mesmo. Meu carinho e gratidão aos colegas da Trllogia é muito grande.

Dickson Leite

É tudo invenção da Globo né. Eles querem internet né!

Rinaldo Nery

Eu não disse isso. Leia o livro e tire sua conclusão.

Camargoer.

Olá Rinaldo. Primeiro, obrigado pela sugestão de leitura. Terminei de ler o livro há pouco. Como diz o Autor, é apenas um desabafo, um grito de alerta sobre um movimento internacionalmente coordenado e financiado na Europa visando o desmembramento do território brasileiro, algo que aparece em cerca de 1/3 do texto. Os outros 2/3 tem pouca relação com a ideia defendida pelo Autor, que menciona falsos religiosos, falsos cientistas, falsos jornalistas, mas assegura que os garimpeiros são bem intencionados e sinceros. O Autor defende que as grande mineradores estão ao mesmo tempo interessadas em explorar os recursos minerais e também… Read more »

Equilibrium

Para de passar vergonha e gasta o nosso imposto com algo melhor.
“ai a ameacinha inhanomaminha, tô com medo das flexas, melhor mandar madeireiros e mineiros pra lá”
Faça-me o favor, nem parece o cara que pedalou um E-99 por conta de um radar de trânsito.

Rinaldo Nery

Não compreendi o seu elogio. É por conta do livro?

BLACKRIVER

NÃO VAI RESOLVER, ELES NÃO SABEM “LER DE VERDADE”

Minha sugestão é que vão lá conhecer, mas antes vão ao sul do Brasil e ao centro oeste e ao sudeste conhecer regiões agrícolas e agricultura de verdade…

Depois vão lá conhecer as terras que são da união é que se plantar um “cantinho” sustenta todo mundo!!!

Poderiam aprender com os PARECIS, que aprenderam a plantar soja com os gaúchos…

É fácil para esses idealistas defenderem o que não conhecem do conforto do seu AP

Heli

lembro que só os mais fanáticos da turma, lá nos anos 80 no Colegio Militar, levavam a sério os livros da Bibliex. Era tanto ufanismo das nossas FAs que aos olhares de um investigador criterioso logo surgiam questões não respondidas

Rinaldo Nery

Tem coisa boa e coisa ruim em qualquer editora

Camargoer.

Olá Rinaldo. Estou lendo pela primeira vez. Terminando, farei uma resenha que espero seja publicada pelo Galante. Percebi que parece ler o livro após 30 anos é uma boa experiência, porque podermos comparar o que se pensava quando o livro foi publicado com o que se desenrolou ao longo de 30 anos. Estou lendo com calma,

AMX

Acabei de escrever algo semelhante antes de ver seu comentário.
Livro EXCELENTE! Literalmente, um alerta.
Lamentável ver que hj todos consideram essa tribo imaginária como se fosse algo real. Mentira montada desde os anos 70.

Camargoer.

Olá AMX. Estou lendo. Estou no capítulo 5. O texto é bem ruim. Faltou um bom editor para melhorar. Compare com um livro do Lira Neto ou do Fernando Moraes, por exemplo, que são excelentes escritores. Sobre o conteúdo, prefiro terminar de ler o livro antes.

Felipe Morais

Pois é cara. Vejo gente dizendo por aí que é tudo mentira, que é uma farsa, que isso está sendo usado politicamente. Tudo bem. Eu realmente não sei qual é a verdade e qual é a mentira. Mas custava o governo anterior ter feito algo similar? Custava ter o mínimo de proatividade e tentar fazer uma ação com essa? O custo disso, diante do orçamento total, é troco de pedra 90. Como uma ex chefe minha me disse há mais de 10 anos. “Não adianta você ser. Você também tem que parecer ser”. E isso é verdade. Fico revoltado com… Read more »

Rinaldo Nery

Concordo.

Willber Rodrigues

A mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta”.

Júlio César.

Camargoer.

Ola Felipe. Pois é. Fui um critico do governo Bolsonaro deste o seu início. Apontei erros e fatos que considerava equívocos todos, como a política externa, a política de segurança pública e até mesmo o discurso militarista, envolvendo as força armadas na política. Em todos os sentidos, teria sido ótimo se eu estivesse errado e os fatos me desmentissem. Infelizmente, eu estava certo na maioria das críticas. Os ataques de 08/jan foram extremamente graves, mas talvez fiquem restritos a uns poucos manés. Contudo, acredito que o Yanomamigate atingirá a cúpula do governo de Bolsonaro porque a documentação é farta e… Read more »

Diniz

Bom dia!
Se me permitem o comentário, sugiro que se atenham também aos comentários/críticas do ex-ministro, Sr. Aldo Rebelo sobre este assunto, como também a Amazônia e UNGs.

Frederick

As críticas do ex-MD são lúcidas e concordo com muitas delas, se não todas. No entanto, não há aderência de qualquer crítica sobre soberania, ONGs ou qualquer “ameaça” externa a esse cenário específico de omissão.

E a FAB tornou-se fundamental vetor de ajuda humanitária, nesse caso. Eis o valor demonstrado neste artigo do Poder Aéreo.

Last edited 10 dias atrás by Frederick
Rinaldo Nery

As ONG são tema suficiente pra um relatório sério… Tem muita, mas muita, ONG trambiqueira. Financiada pelo First World. Servi na Amazônia e sei. Bem diferente de “ambientalista do Leblon”.

Frederick

Que elaborem o relatório que bem entenderem e com a profundidade necessária.

Aqui, trata-se de outra coisa; das ações da FAB em um cenário de ajuda humanitária. Que também pede relatórios mil sobre responsabilidades.

Já que mencionou, há outra confusão; fazem pouco das opiniões técnicas de profissionais, colegas servidores federais, quem estão em campo, Rinaldo, não no Leblon.

E quando escrevo “campo”, é campo mesmo. Não nas bases aéreas com ranchos bacanas, clube de oficiais e vilas confortavelmente restritas entre missões. Coisa que, ambos sabemos, também tem na Amazônia. Certo?

Sejamos mais respeitosos com a profissão de nossos compatriotas.

Rinaldo Nery

Não critiquei servidor algum. E a FAB faz o que o GF manda no tocante às missões humanitárias. Só decola se for provocada para tal. E campo, eu estive neles muitas vezes. Não sei se você , ou alguém aqui, teve a oportunidade.

Frederick

Pessimamente escrito; quis dizer que as ações que levaram a essa crise humanitária deveriam ter relatórios mil sobre reponsabilidades. Não as da FAB, claro.

Quanto ao campo, eu ia para ver equipamentos e testava engenhocas. Coisa boba. Tinha relativo conforto e segurança. Nada parecido com minha casa, claro. Eu achava desagradável. Só isso.

Eu não embrenhava por dias e dias a fio na floresta, com apoio precário, atrás de populações esquecidas por Deus e pelas autoridades.

E nem você.

Last edited 9 dias atrás by Frederick
Rinaldo Nery

Pousei em algumas. Não, não me embrenhei na floresta. Ia de Caravan. Me embrenhei só no Estágio de Selva, no 54° BIS, em Humaitá, AM.

Bille

Normalmente os maiores ativistas de fórum nunca pisaram na Amazônia, nunca fora numa tribo indígena para saber do que se trata e nunca interagiram com uma ONG na Amazônia. Só repetem a retórica de universidades e da Goebbels. E outra: normalmente os trabalhos acadêmicos dessa área só tem 1 viés ideológico. Qualquer outro não passa pela banca ou orientadores. E é por isso que é difícil ver qualquer contraponto ao discurso do “coitado do índio” e que “ as ONGs precisam levar assistencialismo porque o governo na faz nada”. Uma universidade no Brasil não deixa existir um discurso desmentindo. Depois… Read more »

Frederick

Pela tônica recorrente, me leva a crer que nunca pisou numa tribo ou numa universidade, mas tem uma conta bem ativa no Telegram.

É o mundo inteiro conspirando contra o que creem. Que delícia de hospício…

Last edited 5 dias atrás by Frederick
Maurício.

Com o Heleno no governo, eu achei que a região seria cuidada como se deve, ledo engano, Heleno se tornou um político da pior espécie, cantando musiquinha contra o centrão e depois de mãos dadas com o mesmo, virou uma espécie de protetor do Willy Wonka, passava panos quando o 007 dos pendrives falava em AI-5.

Frederick

Rapaz, também senti falta daquele general que, até de forma razoável, questionou a política indianista do governo a época.

Parecia que de fato entendia da coisa e que colaboraria com o tema. Eu cri. Debalde.

Maurício.

Tem comentário antigo meu, acho que lá no forte, logo que o presidente foi eleito na época, onde eu disse que eu estava tranquilo pois o Heleno estava no governo. Eu via aquelas entrevistas antigas dele na band, ele de farda, falando com propriedade, fui enganado direitinho…rsrsrs.

Romão

Cara, o Heleno sempre foi mal caráter. Era coroinha do Silvio Frota. Nunca prestou!

BLACKRIVER

Só mais um “M” de pantufas com soldo garantido no final do mês… não importa o que aconteça…

AMX

Você o apoiou?
Demonstrou seu apoio?
Todos querem que os outros façam, menos eu.

Luciano

Boa noite. Como é bom ver as Forças Armadas cumprindo seu papel constitucional, ajudando os que realmente precisam e demonstrando competência e prontidão!

BLACKRIVER

Se as forças armadas cumprissem realmente seu papel constitucional e ajudassem quem realmente precisa que neste caso são os pagadores de impostos… as áreas “indígenas” que não são indígenas e sim uma área tão pública quanto o quintal de uma base área ou de um quartel… não seriam áreas invadidas por criminosos de todos os tipos, crenças, cores, origens, interesses e ideais… seriam realmente áreas presepadas e sob o controle do governo federal…
Mas…

BLACKRIVER

Recomendo a todos irem a Boa Vista e conversar com pessoa comuns nas ruas sobre esses índios… https://www.youtube.com/watch?v=fRmtC1gMoqE Depois recomendo a todos irem conhecer os índios… Por últimos recomendo fazer uma conta simples… hectares de terá disponível para cada família indígena que está vivendo essa situação e comparar com regiões de agricultura familiar do oeste de SC… Afinal são em torno de 18 mil “índios” vivendo em uma área do tamanho do estado de Pernambuco, detalhe… dentro dessa reserva já teve a maior e lhes área agrícola do estado de Roraima onde se produzia arroz… Mas… https://m.folha.uol.com.br/poder/2010/05/730661-sem-fazendeiros-producao-de-arroz-na-raposaserra-do-sol-retrocede-a-patamar-de-oito-anos-atras.shtml https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/883994/evolucao-do-cultivo-e-custo-de-producao-do-arroz-irrigado-em-roraima Depois voltem… Read more »

Rinaldo Nery

É por aí… Mas a maioria aqui votou na esquerda, e tudo que puderem imputar ao governo anterior leva-os ao frenesi.

Marcelo

É mesmo?? Caro fabiano??? Explica pra gente o que A FAB faz alem de levar porcamente ajuda humanitária. Explica para um leigo como eu, como aviões e helicópteros de Garimpeiros voam sem serem incomodados por lá? Seria culpa da esquerda e seus eleitores também??

ex-Fabiano

Acho ridículo querer imputar ao último governante toda a responsabilidade de uma situação precária que ocorre não apenas na Amazônia mas em todo o país, pois eu executo trabalhos voluntários em SP, estado mais “rico” da nação, com moradores de rua e comunidades carentes onde a fome e desnutrição é uma realidade e está instalada desde sempre, vejo pessoas sem ter o que comer ou vestir ficar esperando receber um sopão e roupas usadas fruto da caridade alheia. Onde estava a ministra Guajajara que não viu e nada fez antes, só cuidava de seus penachos para a festa da posse.… Read more »

Camargoer.

Caro Ex. Há um erro em sua análise. Primeiro, é preciso entender o significado de crime de genocídio. Isso ocorre quando uma pessoa ou autoridade atua de modo deliberado, por ação ou inação, para promover a morte de pessoas ou grupo de pessoas que constituem uma minoria. O exemplo mais conhecido é o do holocausto (que aliás inspirou o direito internacional para instituir o crime de genocídio), mas também teve o caso de Ruanda, ou o genocídio na Servia. Durante a pandemia, muita gente pensou em acusar Bolsonaro de genocida em função das mortes por Covid. Isso foi um erro… Read more »

AMX

Penso que seria “gazes” no lugar de “gases”.
À parte isso, recomendo a todos o livro A Farsa Ianomami, do Cel. Carlos Alberto Lima Menna Barreto.
Triste ver a sociedade como um todo, hoje, falando dessa tribo imaginária como se fosse algo real. Mentira montada desde os anos 70.

Frederick

Aí, ó. Outro que dá crédito pra lelé da cuca que “descobriu” uma “verdade oculta”.
Haja paciência…

Last edited 8 dias atrás by Frederick
Camargoer.

Olá AMX. Terminei de ler o livro há pouco. Como diz o Autor, é apenas um desabafo, um grito de alerta sobre um movimento internacionalmente coordenado e financiado na Europa visando o desmembramento do território brasileiro, algo que aparece em cerca de 1/3 do texto. Os outros 2/3 tem pouca relação com a ideia defendida pelo Autor, que menciona falsos religiosos, falsos cientistas, falsos jornalistas, mas assegura que os garimpeiros são bem intencionados e sinceros. O Autor defende que as grande mineradores estão ao mesmo tempo interessadas em explorar os recursos minerais e também querem manter o acesso aos recursos… Read more »

AMX

Larga mão de ser pitaqueiro. O que vc faz é só deturpar tudo em favor da esquerda, e acha que todo aquele que não pensa como vc é extremista.

Last edited 6 dias atrás by AMX
Camargoer.

Caro AMX. Quando o debate se torna uma questão de ataque pessoais é porque se esgotou. Não preciso e nem quero manter diálogo com gente mal educada e desrespeitosa. Então, Vá Ser Feliz. Procure outros inimigo para fazer escada. Eu vou prefiro ficar com meus amigos. Vai lá. Tchau.

ednardo curisco

é tão bom as FA sendo notícia pelo que devem fazer, e não dando corda a doido

João Adaime

Esta ação da Força Aérea é um ótimo treinamento para ser usada em caso de um conflito que exija o envio de materiais para o interior da Amazônia. O grosso chega de avião e o miúdo é redistribuído por helicópteros e outros meios.
Na hora da execução, já ter praticado antes, faz muita diferença.

Rinaldo Nery

Há décadas a FAB faz isso.

João Adaime

Caro comandante
Estou me baseando no que a nota da FAB disse:
“realizou, de forma inédita, o lançamento múltiplo de 2 toneladas de medicamentos e produtos médicos básicos de primeira necessidade, tais como soro, gases, seringas, dentre outros.”
Do jeito que foi feito, segundo a FAB, foi inédito.