Do J 21R ao JAS 39 Gripen, os caças a jato da Saab – J 35 Draken

Saab J 35 Draken

Por Sérgio Santana*

Apesar da sua conhecida neutralidade política e militar, a Suécia em setembro de 1949, a Real Força Aérea sueca, por meio da Administração Sueca de Material de Defesa, divulgou seus requisitos recentemente formulados para uma aeronave interceptadora de ultima geração, concebida para ser capaz de atacar bombardeiros hostis na faixa de velocidade transônica.

O requisito original especificava uma velocidade máxima de Mach 1.4 a 1.5, mas foi revisado seguidamente para Mach 1.7 a 1.8 e finalmente para Mach 2.0. O modelo tinha que ser tripulado por um único piloto, mas ser capaz de conduzir operações de combate sob todas as condições meteorológicas, noite ou dia, enquanto operava em pistas de pouso relativamente austeras, carregando todo o equipamento necessário para neutralizar bombardeiros a jato modernos.

Embora outros interceptadores como o Lockheed F-104 Starfighter da Força Aérea dos EUA estivessem sendo concebidos na época, esse caça teria que assumir um papel exclusivo da Suécia: a capacidade de operar a partir de estradas públicas reforçadas, que seriam usadas como parte de bases aéreas em tempo de guerra. A aeronave também precisava ser reabastecida e rearmada em não mais de dez minutos por conscritos com treinamento mínimo e, por fim, também deveria ser o substituto futuro para as aeronaves então ainda em desenvolvimento Saab 29 Tunnan e Saab 32B Lansen, já descritos na primeira parte.

Saab 210 experimental
Lilldraken, Saab 210 experimental usado para testes da configuração duplo delta

A SAAB começou a trabalhar na produção de uma aeronave para atender a esses requisitos. Estudos preliminares descobriram que a maioria dos problemas críticos colocados por esses requisitos poderiam ser atendidos com uma configuração de asa delta. No entanto, para obter uma localização aerodinamicamente desejável, a fuselagem dianteira precisava ser estendida, tornando a aeronave muito pesada. A solução ideal foi pensada para ser uma asa duplo delta. No entanto, esta configuração de asa era nova e não testada, o que foi resolvido com a construção do “Lilldraken”, “Pequeno dragão”, uma aeronave de teste para explorar o comportamento da nova asa. Foi possível dispensar o tailplane, resultando em um design geral limpo e simples.

O bordo de ataque da asa interna foi recuado 80° para desempenho em alta velocidade, e a asa externa 60° para bom desempenho em baixas velocidades. Os resultados produzidos por esses voos de teste levaram a um pedido de três protótipos Draken em tamanho real. Em 25 de outubro de 1955, o primeiro desses protótipos, sem pós-combustor, realizou seu voo inaugural. O segundo protótipo, equipado com um pós-combustor, involuntariamente quebrou a barreira do som durante seu primeiro voo enquanto subia. Durante 1956, a primeira versão operacional do Draken , designada como J 35A, foi encomendada para produção em série e a primeira aeronave de produção voou pela primeira vez em 15 de fevereiro de 1958

O Saab 35 Draken é conhecido pelo seu pioneirismo na aviação militar: além de ter sido a primeira aeronave de combate projetada com asas duplo delta (que lhe deu o efeito colateral de torná-la a primeira aeronave conhecida a ser capaz de executar a manobra Cobra, popularizada pelos Sukhoi “Flanker”), foi o primeiro modelo de combate construído na Europa Ocidental com real capacidade supersônica a entrar em serviço. Foi também uma das primeiras aeronaves construídas na Europa Ocidental a exceder Mach 2 em vôo nivelado, atingindo-o dois meses antes da sua entrada em serviço operacional, em 14 de janeiro de 1960 com o piloto de testes Erik Dahlström nos controles do protótipo J 35B.

O cockpit do Draken apresentava principalmente instrumentação de origem sueca. Modelos sucessivos introduziram várias melhorias nos acessórios do cockpit e novos aviônicos. Para clientes de exportação, o Draken foi equipado com um radar de controle de tiro Ferranti Airpass II, para a aquisição de vários alvos ar-ar ou ar-superfície, juntamente com um modo de mapeamento de solo trabalhando em conjunto com os sistemas de navegação da aeronave. Normalmente, duas unidades de rádio separadas seriam instaladas, junto com um link de dados de alta velocidade e dois sistemas de navegação. Como não há feedback natural colocado sobre o manche, forças artificiais foram geradas por um sistema q-feel. O Draken também foi equipado com um piloto automático de três eixos.

A fuselagem do Draken consistia em duas seções, dianteira e traseira, unidas por parafusos. A seção dianteira, que era parte integrante dos dutos de entrada de ar e parte da estrutura da asa acomodava o radar de controle de tiro, cockpit, trem de pouso do nariz, tanques de combustível integrais e vários sistemas. A parte traseira, que foi fabricada como uma peça única ao lado do resto da asa interna, continha o motor e o pós-combustor, tanques de combustível do tipo bolsa, armamento, trem de pouso principal e outros sistemas.

As superfícies de controle de vôo consistiam em um leme, juntamente com elevons internos e externos, sendo as seções externas equipadas com pesos de balanceamento de massa. Cada superfície era operada por um macaco hidráulico em tandem, que era conectado a circuitos separados. Como medida de economia de peso, os sistemas hidráulicos operariam a uma pressão de linha duas vezes superior à usada no Saab 29 Tunnan.

Sistema de controle de voo para o Saab J 35 Draken – sistema mecânico com servo + pitch completos

A propulsão era fornecida por um único motor turbojato Svenska Flygmotor RM6B/C, um modelo versão licenciada do Rolls-Royce Avon 200/300. Uma turbina de ar de impacto, posicionada sob o nariz da aeronave, fornecia energia de emergência, enquanto o motor também apresentava uma unidade de partida de emergência embutida. A fim de reduzir sua distância de pouso quando necessário, o Draken foi equipado com um paraquedas.

Devido à falta de conhecimento sobre o projeto historicamente não comprovado da configuração de asa delta dupla sem cauda do J 35, o avião encontrou vários problemas no início de sua vida útil. O design instável da asa duplo delta dificultou o pouso das primeiras versões do J 35, pois eles precisavam ser estabilizados manualmente durante o pouso.

O projeto também permitia que o avião entrasse em “super estol”; que pode ser descrito como um estol incontrolável que afeta aeronaves com configurações de asa específicas ao experimentar altos números de ângulo de ataque (alfa). Devido a isso, os pilotos do J 35 foram treinados para evitar super estóis, e esse treinamento levou ao desenvolvimento da manobra “Cobra”, executada entrando em um estado de super estol controlado, ganhando alfa alto e então negando rapidamente o ângulo de ataque para contra-atacar o estol. Isso força a fuselagem a atuar como um freio aerodinâmico por alguns segundos, o que reduz rapidamente a velocidade.

A Real Força Aérea Sueca é a primeira força aérea a descobrir e desenvolver a manobra da cobra. Os suecos o chamaram de kort parad, que significa ‘desvio curto’. Inicialmente, foi usado durante o treinamento para ensinar os pilotos a combater o super estol, no entanto, também foi usado como uma manobra de combate que causaria a ultrapassagem de um caça inimigo em perseguição, permitindo que o piloto respondesse.

Histórico operacional

Saab J 35 Drakens com tanques suplementares sob a fuselagem e mísseis ar-ar RB-24 Sidewinder sob as asas

No final de 1959, as entregas do J 35A Draken começaram para a Real Força Aérea sueca , a primeira unidade a receber o tipo sendo a Ala F13, em Norrköping. No final de 1960, várias alas foram equipadas com o Draken e atingiram o status operacional.

Embora o J 35 Draken tenha sido projetado como um interceptador de alta altitude e não como uma aeronave de combate no alcance visual, ele provou ter uma boa capacidade de giro rápido e alta velocidade em todas as altitudes, tornando-o um avião de caça muito capaz. Os primeiros modelos destinavam-se exclusivamente a realizar a missão de defesa aérea.

No entanto, a fim de auxiliar os pilotos na conversão para o tipo, a Saab produziu um pequeno número de aeronaves de treinamento J 35C de dois lugares, a primeira das quais foi concluída em dezembro de 1959. Durante aquele ano, um modelo de caça de defesa aérea melhorado, designado como J 35B, foi desenvolvido, apresentando desempenho e equipamento aprimorados em relação ao J 35A. Entre outras coisas, era alimentado por um motor aprimorado equipado com pós-combustor ampliado, fuselagem traseira redesenhada, uma nova mira de rota de colisão S-7 construída pela Saab e radar de controle de tiro e integração com a rede de controle de defesa aérea STRIL 60.

Um total de 651 Drakens foram fabricados pela Saab. A frota sueca de Drakens compreendia um total de seis versões diferentes, enquanto dois modelos adicionais do Draken eram oferecidos a potenciais clientes de exportação. O modelo final do Draken a ser produzido foi o J 35F, que também foi a versão final a permanecer no serviço sueco, depois modificado para o padrão J 35J. Seus clientes de exportação incluíam a Dinamarca[26] e a Finlândia. Em maio de 1985, a Força Aérea Austríaca comprou 24 J 35Ds, que haviam sido reformados pela Saab.

Protótipo do J 35

O design do J 35 Draken passou por várias atualizações. A última delas foi a versão J 35J, produzida no final dos anos 1980; quando o Draken havia sido quase totalmente substituído pelo Saab 37 Viggen no serviço sueco. O Draken J 35J foi efetivamente um programa de extensão de vida útil, que havia sido iniciado como resultado da entrega iminente do novo Saab JAS 39 Gripen, tendo sofrido vários atrasos. O programa de extensão destinava-se a manter o Draken voando na década de 2000, mas, como consequência de cortes orçamentários e altos custos de manutenção incorridos com o tipo, o Draken foi retirado do serviço sueco em dezembro de 1999, embora a aeronave tenha permanecido operacional desde então. em número limitado em funções militares e civis.

Todos os Drakens funcionaram como interceptadores com capacidade ar-terra limitada; a única exceção a essa regra foram os Drakens dinamarqueses , que funcionavam como aeronaves de ataque e eram capazes de transportar uma mistura de mísseis ar-terra AGM-12 Bullpup, contramedidas eletrônicas e maior armazenamento interno e externo de combustível. Os Drakens dinamarqueses foram os mais pesados da série a voar. E em 1993, os últimos J 35 da frota dinamarquesa foram aposentados.

Durante a década de 1990, a Finlândia atualizou sua frota 35XS com novos aviônicos, monitores de cockpit, sistemas de navegação/ataque e contramedidas eletrônicas; estes foram finalmente aposentados em 2000 para serem substituídos pelos F/A-18 Hornets.

A Áustria foi o último país a ter o Draken no serviço militar ativo. A Força Aérea Austríaca comprou J 35Ds reformados. Este foi o último avião de combate da Força Aérea Austríaca equipado com canhões internos como seu único armamento ar-ar devido à restrição do Tratado do Estado Austríaco de 1955, que proibia o transporte de mísseis ar-ar. Durante 1993, esta restrição foi abandonada como uma resposta às violações do espaço aéreo feitas pelos serviços de combate aéreo da vizinha Iugoslávia. Os mísseis americanos AIM-9 Sidewinder foram comprados. Em 2005, esses Drakens foram aposentados, tendo sido momentaneamente substituídos pelos antigos F-5 Tiger II da Força Aérea Suíça, enquanto esperavam que novos Eurofighter Typhoons tomassem seu lugar a longo prazo.

Nos Estados Unidos, a Escola Nacional de Pilotos de Teste (NTPS) operou seis Drakens que estavam anteriormente em serviço dinamarquês. Eles foram aposentados em 2009.

As versões do Draken

J 35A

J 35A (Adam). 90 aeronaves, incluindo aeronaves de teste, entregues entre março de 1960 e dezembro de 1961.29 J 35A foram encomendados em agosto de 1956, com mais 60 J 35A sendo encomendados em fevereiro de 1958. As 40 aeronaves iniciais entregues em 1960 foram entregues sem radar e mira. Isso foi corrigido em 1961 e 65 Adam foram equipados com radar e mira. 25 Adam foram convertidos em Saab 35C desarmados de dois lugares entre abril de 1961 e agosto de 1962. Foi equipado com um motor Rolls-Royce Avon Mk.48A (série Avon 200) produzido sob licença (designação sueca RM6BS da SFA (hoje Volvo Aero) equipado com um pós-combustor desenvolvido na Suécia. Dois tipos de pós-combustores passaram a ser usados no J 35A, resultando em duas variantes principais:

J 35A1 – versão inicial com pós-combustor curto e cauda curta. Apelidado de “Adam kort” (Adão curto). 65 construídos.

J 35A2 – versão posterior com cauda alongada para abrigar um novo pós-combustor (EBK66) para empuxo adicional. Apelidado de “Adam lång” (Adam long). O cone de cauda mais longo reduziu inesperadamente o arrasto, mas forçou a instalação de uma roda traseira retrátil. 25 construídos. O radar do J 35As era um modelo francês Thompson-CSF Cyrano RA 423 (designação sueca PS-02/A), já que o radar sueco originalmente planejado (LME PS -03) não foi desenvolvido a tempo. A mira era uma mira giroscópica avançada desenvolvida pela Saab tanto para o Saab 32B quanto para o Saab 35A, chamada S-6. Usava dados dos eixos de guinada e inclinação da aeronave, bem como outras fontes para dar pontaria precisa para o armamento. Os dados de alcance podem ser obtidos do radar ou definidos manualmente pelo piloto.

O armamento do J 35A consistia em dois canhões ADEN fixos de 30 mm nas asas com 90 cartuchos por canhão. Para cargas externas, o J 35A tinha nove pontos duros, oito sob as asas e um na barriga. Seis destes pontos alares podiam ser armados foguetes ar-solo altamente explosivos de Bofors 13,5 cm srak m/56. Os outros dois hardpoints de asa eram para os mísseis ar-ar RB-24/AIM-9B Sidewinder. Foguetes e mísseis não podiam ser montados simultaneamente nas asas. O hardpoint ventral poderia ter dois Sidewinders RB 24 ou um tanque alijável de 530 litros.

J 35B (Bertil). 73 aeronaves, incluindo aeronaves de teste, foram construídas e entregues entre fevereiro de 1962 e março de 1963. 72 J 35B foram encomendados em fevereiro de 1958. 25 deles deveriam receber as 25 seções dianteiras do Saab 35A que sobraram da conversão do Saab 35C, mas modificadas para o padrão Saab 35B. Devido a problemas de fabricação, ocorreram atrasos na entrega de alguns subsistemas do J 35B, fazendo com que o J 35B fosse inicialmente entregue apenas com partes dos aviônicos planejados instalados. Isso resultou na existência de duas subvariantes primárias do J 35B historicamente:

J 35B (Prim) – versão de caça diurna inicial do J 35B. Sem radar e apresentava velhas miras Reflexsikte 4E/35 de giroscópio Ferranti tiradas de caças Saab J 29A e B descartados. Embora não tivesse radar, estava totalmente armado com canhões, foguetes e mísseis. Também era compatível com STRIL 60.72 construídos entre fevereiro de 1962 e março de 1963.

J 35B – versão posterior do caça para qualquer clima do J 35B. Já apresentava um radar PS-03/A e uma mira de radar S-7A-2, bem como o restante dos equipamentos e aviônicos inicialmente planejados. 69 aeronaves foram convertidas dos restantes J 35B'(prim) entre 1964 e 1966. As aeronaves foram enviadas para a Saab para conversão entre 1964 e 1965 e entregues novamente entre janeiro de 1965 a junho de 1966.

A aeronave base do Saab 35B era idêntica ao J 35A2 e apresentava o mesmo motor e pós-combustor. Diferente do J 35A, no entanto, era que o J 35B estava totalmente integrado ao sistema sueco STRIL 60. Como parte do STRIL 60, foi também a primeira aeronave sueca equipada com um ‘sistema de dados de controle’ (sueco: styrdatasystem ) que permitia o controle de solo através do envio de ordens digitais para a aeronave. Essas ordens eram armazenadas nos computadores da aeronave para que o piloto pudesse ler a ordem várias vezes e não precisasse memorizar o conteúdo.

O radar do J 35B era um radar sueco desenvolvido pela LME designado PS-03/A. Era superior e mais avançado em comparação com o francês PS-02 usado no J 35A. A sua mira era um modelo avançado S-7A-2desenvolvido pela Saab tanto para o J 35B quanto para o J 35D, que usava dados, entre outros, dos eixo de inclinação e guinada da aeronave, bem como do radar PS-03/A. Ele foi projetado especificamente para ataques frontais com foguetes ar-ar, algo que o J 35A também não tinha acesso. O armamento do J 35B era em sua maior parte equivalente ao J 35A, mas os canhões fixos de 30 mm akan m/55 ADEN nas asas tinham 100 tiros por canhão e a aeronave ganhou a capacidade de usar foguetes ar-ar de 75 mm Bofors srak m/57. Os foguetes eram disparados de casulos de foguetes Rakkaps m/57 montados em pares no suporte ventral, cada um contendo 19 foguetes.

Saab SK 35C

Sk 35C (Cesar). 25 exemplares inicialmente planejado para ser designado como J 35C, antes de ser renomeado para Sk 35C em janeiro de 1960. As seções dianteiras do 25 Sk 35C (J 35C) foram encomendadas em agosto de 1956.

A versão Cesar não tinha armamento, mas a pequena modificação significava que a aeronave poderia ser facilmente convertida de volta ao padrão J 35A, se necessário.

J 35D

J 35D (David). 120 aeronaves entregues entre maio de 1963 e abril de 1965 em 3 séries. O J 35D foi inicialmente planejado para ser designado J 35B2, antes de ser renomeado para J 35D em janeiro de 1960. 62 J 35B2 foram encomendados em 15 de novembro de 1958, com mais 60 aeronaves, destinadas a serem convertidas em aeronaves de reconhecimento S 35B2 (S 35E), sendo planejado para ser encomendado em novembro de 1960. No final, apenas 30 Davids (todos da série 1) foram convertidos para o padrão S 35E, tendo servido pela primeira vez como caça entre maio de 1963 e janeiro de 1964.

Devido a problemas de fabricação, ocorreram atrasos na entrega de alguns subsistemas do J 35D, resultando em que as duas séries J 35D iniciais fossem entregues apenas com partes dos aviônicos planejados instalados. A Série 3, no entanto, foi entregue com aviônicos completos, resultando inicialmente em duas subvariantes primárias do J 35 “David”:

J 35D1 – versão de caça inicial do J 35D. Sem radar e com miras velhas miras Reflexsikte; ainda assim estava totalmente armado com canhões, foguetes e mísseis, sendo compatível com o STRIL 60. 30 aeronaves entregues como série 1 entre maio de 1963 a janeiro de 1964, mas rapidamente colocadas de lado para conversão para o padrão S 35E e 24 aeronaves entregues como série 2 entre janeiro de 1964 a maio de 1964.

J 35D2 – versão posterior do J 35D. Possuía radar PS-03/A e uma mira de radar S-7A-2, bem como o restante dos equipamentos e aviônicos inicialmente planejados. 66 aeronaves entregues como série 3 entre junho de 1964 a maio de 1965. Os restantes J 35D1 da série 2 foram modificados para o padrão J 35D2 ao longo de 1967 a 1968, após o que os sufixos D1 e D2 foram descartados em favor de apenas D.

J 35 equipados com 4 mísseis RB 24 Sidewinders

A aeronave base Saab 35D diferia bastante em comparação com as variantes anteriores. Por um lado, foi equipado com o motor Rolls-Royce Avon Mk.60 (série Avon 300) muito mais forte (designação sueca RM6CS), que foi produzido sob licença pela SFA (hoje Volvo Aero) e equipado com um pós-combustor desenvolvido na Suécia (EBK67), que poderia fornecer mais empuxo ao usar seu pós-combustor. Em segundo lugar, o David apresentava maior capacidade interna de combustível para maior alcance. Ele também apresentava dois hardpoints na barriga para poder montar dois tanques de queda externos de 500 litros para missões de alcance ainda maior (em comparação com um tanque de queda de 530 litros para o 35A, B e C). Apesar de ter mais combustível do que seus antecessores, o David era a versão Draken mais rápida , capaz de acelerar até ficar sem combustível.

Em termos de armamento e aviônicos, o J 35D era quase idêntico ao J 35B. Ele foi totalmente integrado ao sistema sueco STRIL 60 e também foi equipado com um ‘sistema de dados de controle’, permitindo que a aeronave recebesse ordens digitais do controle de solo. Ele também apresentava o mesmo radar PS-03/A e mira de radar S-7A-2 do J 35B. O armamento do J 35D era pelo menos inicialmente equivalente ao J 35B. Tinha dois canhões de 30 mm akan m/55 ADEN nas asas com 100 cartuchos por canhão, 4 hardpoints internos, 1 sob cada asa e 2 na barriga, para artilharia ar-ar externa, bem como 6 hardpoints externos para foguetes ar-terra. Em 1977, no entanto, um novo tipo de foguete ar-terra tornou-se disponível para o J 35D, o foguete antitanque de alto explosivo psrak m49/56 de 145 mm  e em 1978 , um novo tipo de míssil ar-ar, o AIM-9J Sidewinder (designação sueca RB 24J). O J 35D foi a última variante sueca do Draken equipada com 2 canhões.

Saab 35E – Versão de reconhecimento do Saab 35D designada S 35E (Erik). 60 aeronaves (35901–35960), incluindo aeronaves de teste, construídas entre 1963 e 1968 em 2 séries. O S 35E foi inicialmente planejado para ser designado S 35B2, antes de ser renomeado para S 35E em janeiro de 1960. Em 1958, a Real Força Aérea sueca planejou encomendar 60 caças J 35B2 (J 35D) em novembro de 1960, que deveriam ser convertidos em aeronaves de reconhecimento S 35B2 (S 35E) posteriormente. No final, 30 S 35E foram produzidos como aeronaves novas (35902–35931) e entregues entre julho de 1965 a maio de 1966 como série 1, enquanto 28 S 35E foram convertidos de J 35D (35932–35959) e entregues entre outubro de 1966 a janeiro 1968 como série 2. Mais duas aeronaves (35901 e 35960) também foram convertidas de Davids, mas nunca entregues.

A aeronave base do Saab 35E era quase idêntica ao J 35D e apresentava o mesmo motor e pós-combustor, o RM6CS e o EBK67. Diferia, porém, por não ter armamento ou radar, de modo a dar espaço para 9 câmeras Vinten, cinco no nariz e quatro na fuselagem, algumas montadas na vertical, outras montadas obliquamente. A aeronave, no entanto, foi equipada com um receptor de alerta de radar e pode montar um casulo de contramedida chamado Kapsel KB com chaffs sob as asas para aumentar sua capacidade de sobrevivência. A aeronave tinha 4 pontos duros primários no total para artilharia externa, 1 sob cada asa e 2 no centro. Para missões de longo alcance, era possível montar até 4 tanques alijáveis nesses pontos duros. Para missões noturnas, ele poderia transportar um sistema de reconhecimento infravermelho ativo de design EG&G em um casulo instalado em um ponto duro ventral.

J 35F

Saab 35F – Versão de caça designada J 35F (Filip). Entregue entre 1965 e 1972, produção total: 230. Esta variante tinha eletrônicos e aviônicos aprimorados, por exemplo, sistemas integrados de radar, mira e mísseis. O principal armamento da aeronave eram versões IR e SARH do míssil Hughes Falcon originalmente planejado para o J 35D, mas um dos canhões foi removido para dar espaço para mais aviônicos.

O J 35F existia em duas variantes principais:

J 35F1 – versão inicial sem busca infravermelha e sensor de rastreamento sob o nariz.

J 35F2 – versão posterior com um sensor infravermelho Hughes N71 de busca e rastreamento sob o nariz. Esta foi uma mudança na linha de produção do não. 35501 fuselagem. Os mods Hawé I e II foram executados nos conjuntos de radar P/S-01/011 no início dos anos 1980 para melhorar a resistência ao ECM.

Saab 35J – Versão de caça designada J 35J (Johan). Em 1985, o governo sueco decidiu modificar 67 J 35F2s para o padrão J 35J. A aeronave recebeu uma vida útil mais longa, eletrônica modernizada, um canhão modernizado, duas posições para mísseis AIM-9 Sidewinder adicionais sob as entradas de ar e maior capacidade externa de combustível. A modificação ocorreu entre 1987 e 1991. O J 35J operacional final voou pela última vez em 1999.

Variantes de exportação

As tentativas de exportação do Saab 35 começaram antes mesmo de a aeronave terminar o desenvolvimento na Suécia. Durante o final da década de 1950, a Saab ofereceria a aeronave para, entre outros, a Força Aérea da Alemanha Ocidental, a Força Aérea Australiana e a Força Aérea Suíça.

Saab 35H – Saab 35H (Helge) foi uma versão de exportação proposta do J 35D para a Força Aérea Suíça em 1958. H significa Helvetia, Suíça em latim. Um demonstrador construído a partir do protótipo Fpl 35-5. Competiu e perdeu contra o Dassault Mirage IIIS. Nenhum vendido ou entregue. No entanto, o teste e a aquisição do Mirage III foram falhos, levando a um escândalo após graves estouros no orçamento. Como resultado, o comandante da Força Aérea Suíça, o chefe do estado-maior e o ministro da defesa foram forçados a renunciar. Durante os testes, o Saab 35H demonstrou uma taxa de subida 20-40% superior ao Mirage III e teve uma corrida de decolagem 35% mais curta.

Saab 35X – Saab 35X (Xerxes) foi uma série de variantes de exportação do J 35D e J 35F que a Saab ofereceu ao longo dos anos 1960, 1970 e 1980. X significa exportação. O Saab 35X foi oferecido à Bélgica em 1967, Argentina em 1968, Venezuela em 1969, Chile em 1971, Cingapura em 1975, Tunísia em 1976 e Malásia em 1980. No entanto, nenhum dos países mencionados comprou o Saab 35 no final.

Saab F 35 da Dinamarca

Saab 35XD – O Saab 35XD era uma versão de caça-bombardeiro de exportação do Saab 35F para a Força Aérea Real Dinamarquesa. X significa exportação e D para Dinamarca. Ele competiu e venceu o Mirage III e o Northrop F-5 em 1968.

Três variantes do Saab 35XD foram produzidas, todas com capacidades semelhantes de armamento:

F-35 – versão de ataque de assento único. 20 construídos;

RF-35 – versão de reconhecimento de assento único com um nariz de câmera semelhante ao Saab 35C. Não foi possível equipar o AGM-12B Bullup. 20 construídos;

TF-35 – aeronave de treinamento de dois lugares com apenas um canhão. 11 construídos (6 inicialmente, 5 depois).

A Dinamarca queria adquirir um terceiro e quarto esquadrão de S 35XD (23-46 aeronaves) após a compra inicial. As negociações continuaram durante a primavera de 1971 e uma oferta foi feita em maio de 1971. O O interesse dinamarquês concentrou-se em um radar da LME chamado SAX 500, um novo sistema de navegação e um sistema de artilharia eficaz , como o Saab BT-9. No entanto, devido aos cortes da Força Aérea Dinamarquesa feitos durante o inverno de 1970/1971 (de 7 esquadrões para 4) não foi possível adquirir essas aeronaves.

Após o cancelamento de mais aeronaves 35XD dinamarquesas, a Saab ofereceu à Força Aérea Dinamarquesa 2 variantes de ataque ao solo Draken de baixo preço baseadas no Saab 35F em 1971:

Saab 35FD – versão de ataque de assento único para a Dinamarca baseada no Saab 35F. O sufixo FD significa versão F, Dinamarca. Mas foi cancelado em outubro de 1971 e nenhuma aeronave foi adquirida.

Saab 35FD HÖG – versão de ataque monoplace para a Dinamarca baseada no Saab 35F. O sufixo HÖG é sueco para alto. Esta versão foi planejada para ser equipada com um Sistema de Entrega e Navegação de Armas (WDNS).

Saab 35XD – O Saab 35XD foi fortemente modificado para torná-lo um caça-bombardeiro; em comparação com as versões suecas, as asas externas foram completamente redesenhadas e a aeronave apresentava 9 hardpoints no total. Podia transportar uma grande variedade de munições da OTAN, como 10.000 lb (4.535,92 kg) de bombas da OTAN, mas também foguetes Mighty Mouse e mísseis AGM-12B Bullpup. Para defesa aérea, apresentava dois canhões ADEN de 30 mm e também podia montar dois AIM-9B Sidewinders[69] (mais tarde AIM-9N2s) nos hardpoints extremos. Tinha um contrapeso no nariz no lugar do radar. No entanto, o Saab 35XD foi equipado com um computador balístico da Saab chamado BT-9R. Funcionou com bombas e foguetes e até permitiu o lançamento de bombas.

Saab TF-35 da Dinamarca

Durante a década de 1970, os Drakens dinamarqueses receberam novos altímetros, receptores de alerta de radar US ALR-45 (mais tarde atualizados para ALR-65) e dispensadores de chaff e flare em seus cones de cauda. Durante a década de 1980, os Drakens dinamarqueses receberam uma atualização chamada WDNS (Weapon Delivery and Navigation System).

Esta atualização incluiu principalmente um Marconi 900 Series HUD e um Ferranti LRMTS (telêmetro a laser e buscador de alvos marcados) que exigia a instalação de um novo nariz no F-35 e no TF-35. Este nariz era o mesmo usado no RF-35, mas não tinha janelas de câmera na lateral.

A capacidade de guerra eletrônica também foi aprimorada, pois os Drakens dinamarqueses foram equipados com receptores de alerta de radar ALR-69 (com seis antenas na aleta vertical, duas em cada ponta da asa e duas sob o nariz) e a capacidade de transportar pods de jammer ALQ-162 sob o wingtips. A última atualização foi concluída em 1986 e atualizou os sistemas de mira de armas e precisão de navegação para uma capacidade semelhante à dos General Dynamics F-16 Fighting Falcons da Força Aérea Dinamarquesa.

Saab 35S – Saab 35S (Sigurd) foi uma série de Drakens de exportação vendidos para a Força Aérea Finlandesa a partir de 1970. S significa Suomi (Finlândia em finlandês). Na Finlândia, o Saab 35 recebeu a designação DK (de Draken).

A série consistia em 4 versões:

Saab 35XS – versão de exportação dedicada do Saab 35F para a Finlândia. X significa exportação e S para Suomi. 12 unidades foram construídas pela Saab e montadas sob licença pela Valmet na Finlândia.

Saab 35FS – ex-sueco J 35F1s vendido para a Finlândia. 24 vendidos e usados como caças.

Saab 35BS – ex-sueco J 35Bs vendido para a Finlândia. 8 vendidos e usados como treinadores avançados, com exceção de um que foi usado para treinar mecânica.

Saab 35CS – ex-sueco Sk 35Cs vendido para a Finlândia. 5 vendidos e usados como treinadores. Voou desarmado.

No serviço finlandês, o Draken foi equipado exclusivamente com o míssil soviético R-13M às vezes. Em meados da década de 1980 , os Drakens 35FS e 35XS foram atualizados com os mesmos pilares extras do sueco J 35J. Em 1993, o 35XS também recebeu contramedidas de flare e chaff.

Saab 35OE da ÁustriaFoto Aldo Bidini

Saab 35Ö (Saab 35OE) – Saab 35Ö ( Östen ) ou Saab 35OE (nome internacional) foi uma versão de exportação do Saab 35D para a Força Aérea Austríaca. O sufixo Ö significa Áustria (sueco: Österrike , alemão: Österreich ). Como a Força Aérea Austríaca carecia de um sistema de designação adequado, o Saab 35Ö recebeu o nome de J 35Ö na Áustria. O prefixo J é um resquício dos Saab J 29Fs que a Áustria operou durante a década de 1960. Os austríacos chamavam seus Saab 105Ös de J 105Ö, por exemplo. A Saab recomprou aeronaves 24 J 35D da Força Aérea Sueca em meados da década de 1980 e as converteu na versão Saab 35Ö para exportação para a Áustria.

O Saab 35Ö era mais ou menos igual ao Saab 35D, mas apresentava o cockpit à prova de pássaros atualizado do Saab 35F. A Áustria recebeu o Saab 35F como opção, mas como a Áustria foi proibida de usar mísseis após a Segunda Guerra Mundial, não fazia sentido escolher o modelo F com um canhão em vez do modelo D com dois canhões. No entanto, rapidamente ficou claro que os Drakens austríacos precisavam de mísseis para proteger seu espaço aéreo e, após a queda da URSS e a eclosão das Guerras Iugoslavas, a Áustria foi autorizada a usar mísseis. Isso foi seguido pela Áustria adotando vários tipos de AIM-9 Sidewinder, como o AIM-9P3.

Em 1992 os Drakens austríacos receberam uma atualização dando-lhes um receptor de alerta de radar (RWR), contramedidas chaff e flare e o míssil AIM-9P5. O RWR e o sistema de contramedidas foram desenvolvidos em colaboração com o Comando Real de Material Aéreo Dinamarquês FMK ( Flyvematerielkommandoen ) e eram muito semelhantes aos sistemas usados nos WDNS Drakens dinamarqueses . A atualização foi realizada pela Valmet na Finlândia. Esta versão é comumente chamada de “J 35Ö Mark 2” sob uma variedade de grafias: J 35Ö Draken MK2, J-35 Oe Draken Mk.II .

Especificações (J 35F Draken)

Comprimento: 15,35 m; Envergadura: 9,42 m; Altura: 3,89 m; Área Alar: 49,2 m2; Peso vazio: 7.865 kg; Peso bruto: 11.000 kg; Peso máximo de decolagem: 11.914 kg; Propulsão: Svenska Flygmotor RM6C motor turbojato de pós-combustão com 5.765kg empuxo seco e 7.800kg com pós-combustor; Velocidade máxima: 2.100 km/h; Alcance: 2.750 km com tanques externos; Teto de serviço: 20.000m.

Armamento

Canhões: Um (no J35F, com 120 cartuchos, para acomodar os aviônicos necessários para a integração do míssil Falcon ou dois canhões akan m/55 ADEN de 30 mm com 100 cartuchos por canhão, nos demais modelos;

Pontos duros: seis subalares e ventrais com capacidade total para 2.900 kg, com provisões para transportar combinações de foguetes de 75 mm ou 135 mm sob as asas, mísseis ar-ar RB 24, RB 27 e RB 28, tanques alijáveis e bombas de vários tipos (a versão de exportação dinamarquesa, F-35, foi modificada de acordo com os padrões da OTAN e armadas com bombas de 454kg)


*Bacharel em Ciências Aeronáuticas (Universidade do Sul de Santa Catarina – UNISUL), pós-graduado em Engenharia de Manutenção Aeronáutica (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/MG). Colaborador de Conteúdo da Shephard Media. Colaborador das publicações Air Forces Monthly, Combat Aircraft e Aviation News. Autor e co-autor de livros sobre aeronaves de Vigilância/Reconhecimento/Inteligência, navios militares, helicópteros de combate e operações aéreas

Subscribe
Notify of
guest

17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Silvano

Muito bom. Duas sugestões de matéria para o Sério Santana, a primeira sobre o Avro Canada CF-105 Arrow, como era realmente esse avião, e o que aconteceu com ele, em termos geopolíticos. Para mim este foi um dos episódios mais tristes da história da aviação mundial. A outra seria sobre o F-20A Tigershark, este outro caso sempre me entristeceu bastante, aquele painel já naquela época todo digital, e um avião que fazia coisas que o F-16 não era capaz. Outro caso triste de fim de um programa que tinha tudo para dar certo, foi impedido por questões comerciais e políticas.… Read more »

santiago

Já existe uma extensa matéria aqui no site sobre o f20

Palpiteiro

Carimba que foi top

Clésio Luiz

Só uma correção no texto: a velocidade máxima dele é de Mach 2. Na altitude que o Draken voa para atingir isso, duas vezes velocidade do som é aproximadamente 2.100 km/h, não 2.450. Isso são velocidades relativas ao solo.

Last edited 1 mês atrás by Clésio Luiz
Alexandre Galante

Valeu! corrigimos. Abs

Humilde Observador

O Draken lembra uma nave espacial.

Andre K

Lembra algumas naves imperiais de Star Wars.

Fernando

Eu acho ele parecido com os caças de Buck Rogers no Século XXV

Underground

Nessa mesma época os Argentinos desenvolviam suas aeronaves: Pulqui I, Pulqui II. E já tinham um projeto para uma aeronave supersonica. Não concluíram o Pulqui II e por óbvio, não seguiram em frente com o supersonico, que acabou sendo desenvolvido na Índia.

Wilson Look

Tanto o Pulqui I como o II foram construídos e voaram, apenas não saíram da fase de protótipo.

Hilton

Ótima matéria sobre a indústria militar aérea da Suécia! 👏🏽👏🏽👏🏽

GRAXAIN

FERAS!!!! Isso é engenharia no mais alto grau e recursos limitados!

Carvalho2008

os caças mais bonitos até hoje, F104 starfighter, J36 Draken e F-5

Last edited 1 mês atrás by carvalho2008
Alex Faulhaber

Esse Draken era horroroso!

Nei

Boa tarde. Não digo horroroso, acredito que seria mais para diferente para época, mas também poderoso para a época.

Carlos Crispim

Trabalho fantástico, essa matéria é pra gente ficar horas lendo e relendo.

Santiago

Também acho ele bem feio e se é feio não voa bem kkk