Kfir da FAC no Red Flag em 2012

O ministro da Defesa esclareceu que em 2023 ocorrerá a revisão sobre a possibilidade de aquisição de aeronaves e uma nova dotação orçamentária para esse fim

O ministro da Defesa da Colômbia Iván Velásquez revelou que a compra de novos caças para subsituir os velhos Kfir não foi concluída antes do final de 2022.

“Infelizmente, não conseguimos as pré-negociações que foram antecipadas no final do ano. Não conseguimos concretizar nem com os franceses, nem com os suecos. Ou seja, o Conpes que permitia essas aquisições por 668 milhões de dólares já expirou”, indicou o ministro.

Ao mesmo tempo, comentou que com o vencimento do Conpes será necessário apresentar um novo. “A definição da possibilidade de aquisição de aeronaves e a emissão de um novo conpes para esse fim já será objeto de nova revisão este ano”.

No entanto, o ministro comentou que a decisão de aprovar os novos conpes com o orçamento para a compra dos aviões terá de ser tomada pelo Governo. “É uma discussão que teremos no conselho de ministros. Não posso antecipar datas, nem que os novos conpes sejam aprovados”.

Por outro lado, frisou que a intenção de compra dos aviões tem a ver com a garantia da segurança. “O que temos dito é que se trata de não perder a capacidade na Força Aérea, as capacidades adquiridas, que não haja perda. Então, vamos revisar a compra dos aviões, a quantidade e assim por diante. Mas será uma discussão mais ampla, que teremos em Conselho de Ministros. O que estava acontecendo era de um conpes que havia sido aprovado no governo anterior e que o atual governo iria se valer”.

FONTE: Caracol Radio

Subscribe
Notify of
guest

149 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Welington S.

O Gripen foi pré-selecionado. Não duvido ele vir novamente em entrevista para dizer que o Barak não vai pra frente também assim como a questão da aquisição de Tank. Olha, sei lá, bicho. Que bagulho estranho isso aí.

MARS

Daí se perguntam o por quê de não sermos (os sul-americanos e latinos em geral) respeitados pelo resto do mundo… Pessoal que não cumpre palavra, e em muitas vezes nem contratos. Ai fica complicado!

Astolfo Roberval

Ah tá, porque lá fora nunca houve adiamento ou mudança de decisão de compra sobre caças, certo? Esqueceu da Suíça? Isso é apenas complexo de vira-lata seu, nada mais. No mais, não era palavra nenhuma: se cumprem contratos, e não foi assinado contrato nenhum. Esqueceu da Austrália cancelando um (agora sim) contrato multibilionário com os franceses sobre submarinos nucleares para firmar parceria com os americanos e britânicos? E aí? Os australianos não cumprem palavra? Eles não são respeitados pelo mundo?

Andre

Alemãs com o compra, não compra, compra com o f35. Egito desistindo aos 49 do segundo tempo dos su35….

Maurício.

“Ah tá, porque lá fora nunca houve adiamento ou mudança de decisão de compra sobre caças, certo?”

Não é caças, mas o Merlin e o Airbus A330 MRTT foram escolhidos, mas perderam no tapetão para os americanos Sikorsky S-92 e KC-46.

Silvano

Comentário típico de quem tem complexo de ser o que é.

Colômbia não assinou nada, eram apenas declarações, apenas uma intenção ou ideia de compra, não fizeram nada errado do ponto de vista legal ou mesmo ético.

Glasquis 7

Pessoal que não cumpre palavra, e em muitas vezes nem contratos. Ai fica complicado!”

É, está aí o caso dos submarinos australianos. Serve?

Fabio Araujo

Acabou o ano e com ele a autorização de gasto, vão ter que providenciar um novo orçamento!

BK117

Segundo outras fontes, com esse orçamento apertadíssimo daria pra comprar 3-4 Rafales ou 5-6 Gripens. Tendo em vista isso e o custo estimado de hora de voo dos dois, o Rafale não faz muito sentido.

Camargoer.

Ola BK. Pode ser apenas uma questão de orçamento anual. Por exemplo, segundo o relatório da FAB de 2020, ela vem pagando cerca de R$ 1,5 billhão por ano pelo financiamento do FX2 e ainda faltam cerca de R$ 14 bilhões. É difícil acompanhar os orçamentos miliares porque muitas vezes os números ficam propositalmente escondidos

Glasquis7

Eu disse a vc que essa compra não vinga a, apenas pressão pra melhorar as condições de negociação com o Tio Sam.

BK117

Lembrou muito o FX2: um presidente anuncia a escolha do Rafale e depois compram outro…
Podem estar tentando melhorar a negociação não só com o Tio Sam, mas com a SAAB também (ou até outros fabricantes). Contudo, devo concordar que o mais provável é que irão de F16 mesmo.

Mario José

Detalhe o nosso bonitão aqui reeleito, na ocasião junto com o outro maluco Sarcusi, estava bebado.

glasquis7

Apenas pressão, todos sabemos que a Colômbia vai de F 16.

George

Bem por aí.

BK117

Caro Camargoer, cheguei a pensar que fariam algum tipo de compras progressivas de pequenos lotes de acordo com o orçamento de cada ano (se isso é possível ou viável). Só sei que eles queriam comprar quantas aeronaves dessem com os US$ 678 mi e, segundo o jornalista colombiano Saumeth, nem a Dassault, nem a Saab, aceitaram as condições de compra.

Last edited 1 mês atrás by BK117
Camargoer.

Olá BK. Pois é. Pelo que sei, existem 3 meios para a importação de material militar. No primeiro, é feito um pagamento de todo o lote adquirido em uma única vez. Geralmente, isso é feito em compras pequenas. Claro que a compra pode ser dividida em lotes sucessivos, por exemplo na comprar de viaturas de transporte ou munições. No segundo, é assinado um acordo governo-governo para a compra de material excedente. Nestes casos, é comum que a compra seja parcelada. O A140 foi comprado assim. Os EUA também vendem material novo via FMS, que é essencialmente um acordo governo-governo. O… Read more »

BK117

Obrigado pelas informações, caro Camargoer!
Na nova matéria do Saumeth a compra foi caracterizada como “lote inicial” de 3 Rafale / 5 Gripen e pretendiam nesse ano assinar mais um lote para completar 16 aeronaves. As empresas não aceitaram por considerar arriscado dois contratos distintos.

Glasquis 7

segundo o relatório da FAB de 2020, ela vem pagando cerca de R$ 1,5 billhão por ano pelo financiamento do FX2 e ainda faltam cerca de R$ 14 bilhões. “

Eu tinha entendido que os caças só seriam pagos a partir de 2024.

https://veja.abril.com.br/economia/brasil-obtem-credito-de-us-54-bilhoes-para-comprar-os-cacas-gripen/
https://www.edrotacultural.com.br/fab-ainda-nao-comecou-a-pagar-o-gripen/

Camargoer.

Olá Glasquis. De fato, saíram muitas notícias sobre qual seria a carência do financiamento. O contrato foi bastante negociado, inclusive em relação ás taxas de juros. O financiamento foi de cerca de Sek 38 bilhões, ou cerca de R$ 20 bilhões hoje. Existem uma tabela no relatório financeiro da FAB que menciona uma dívida de R$ 14 bilhões e o pagamento em 2020 da ordem de R$ 1,5 bilhão (incluindo a parcela do principal e os juros do financiamento). A tendência é que os valores diminuam a cada ano, já que o principal da dívida vai diminuindo, refletindo na redução… Read more »

DanielJr

Um ponto Camargoer., eu vi algumas vezes na internet, então não tem fonte 100% nessa história, é que alguma parte do treinamento e outros gastos acessórios não estão incorporados no financiamento principal das aeronaves.

Então a FAB vai pagando uma parcela pequena dos aviões em si (pelo que entendi o pagamento deles, a grosso modo, começa quando o esquadrão for entregue ou comece a operar) e vão pagando normalmente esses outros custos, viagens à Suécia, alguns treinamentos, compra de equipamentos acessórios etc.

Camargoer.

Olá Daniel. Já li isso também mas também, mas não sei dizer. O que posso afirmar é apenas o valor que a FAB disponibilizou para 2023 para o programa FX2, cerca de R$ 1,3 bilhão. Não sei dizer que isso é apenas para o pagamento da parcela do financiamento ou se este valor inclui, por exemplo, os custos de reforma de Anápolis e outros gastos relacionados ao programa.

Camargoer.

Olá Glasquis. Segundo a lei orçamentária, a FAB terá cerca de R$ 1,3 bilhão em 2023 para o FX2, R$ 178 milhões para o KC-30 e R$ 321 milhões para o KC390

Velho Alfredo

A Colômbia confirma a compra do CEASAR.
Quantidade ainda não informada.
No ForTe não saiu nada.

glasquis7

Já subiu no telhado também, acabam de dar pé atrás e vão pelo sistema Israelense ATMOS 6X6 155X52 da Elbit Systems.

BK117

Já voltaram atrás também. Agora vão de ATMOS.

Alexandre

Eu acho que alguma coisa aconteceu com os Franceses nessa negociação, porque perderam o Ceasar para o Israelense Atmos.
Definitivamente, o Rafale subiu no telhado!

Jose Ponte

No final do dia optarão pelo F-16 , dada a interação com a USAF .
E se falarmos de custos de manutenção e facilidade logistica , para a Colômbia o F-16 sera quase a única opção .
Bem , apenas como vejo .

Adriano Madureira

Duvido muito que irão de aeronaves americanas,se forem espertos, farão como o Chile e irão de aeronaves européias…

Glasquis7

O Chile foi de F 16 Europeus???

Desculpem, não pude evitar… Foi mais forte do que eu

Adriano Madureira

Glasquis7, você não viu a notícia sobre os eurofigthers tranche 2 da RAF para a FACH ? Parece que irão substituir os F-5 em Puntarenas…

12 EUROFIGHTER TYPHOON TRANCHE 2 PARA LA FUERZA AÉREA DE CHILE

https://www.youtube.com/watch?v=Nhe28p95Z4M

glasquis7

Lenda meu amigo, isso é lenda de Youtuber que precisa angariar Likes para monetizar as suas vidas.

O Chile não vai de Typoon a menos que venham a um preço muito camarada e mesmo assim, a FACh não é louca de trocar F5 por Typoon.

Si vierem ( Muito difícil) ficariam 12 na região central (El Bosque ou Quintero) e os outros 12 iriam pro norte, Cerro Moreno.

Mas não vejo necessidade alguma do Chile ter Typoon, é um caça muito acima das ameaçasque a FACh precisa cobrir.

Tallguiese

Também acho que vai de F-16 o FMS arrebenta com as vendas dos outros países.

Glasquis 7

Não é apenas isso. Tem a comunalidade dos armamentos, as linhas logísticas e a experiência na operação do material.

Clésio Luiz

Estou chocado com essa notícia…

Humilde Observador

Li em outro meio que, o Gripen foi pré-selecionado, talvez voltem atrás na decisão e tenhamos exatamente a mesma reviravolta que tivemos no caso brasileiro.

Carlos Gallani

Eu gostaria de dizer o contrário mas o Gripen não vende, ainda mais contra um seguro F-16 sendo vendido mole mole via FMS!

bjj

Me parece, como muitos já suspeitavam, que esse primeiro processo de escolha serviu apenas como barganha para receber melhores propostas. Escolheram o Rafale, viram que saiu caro (quase 200 milhões de dólares por unidade) e agora irão rever o processo, possivelmente aceitando novas ofertas.

Pode ser a chance da Saab voltar ao páreo. Algumas unidades do Gripen C/D via leasing para entregar rápido e fechar o buraco da aposentadoria dos primeiros Kfir enquanto ganha tempo para entregar o Gripen E zero km, por um custo bem menor que o Rafale, seria uma proposta interessante.

Shiryu

Acho muito difícil a Suécia liberar qualquer aeronave que esteja a disposição enquanto estiver acontecendo a guerra na Ucrânia.

Humilde Observador

Ela se negou até em fornecer gripens para a Ucrânia oficialmente ontem.

Alexandre

A SAAB tem que definitivamente saber negociar e oferecer condições de compras pelo menos semelhantes as condições da concorrência.
O Gripen é um excelente caça, com capacidades extremamente atuais, baixo RCS, supercruise, códigos fontes abertos para integrar qualquer tipo de arma, baixo custo de hora voo e de manutenção.
Mas, para muitos governantes, a condição de pagamento é o que define.

Jadson S. Cabral

O problema é que aí seria a SAAB competindo com as capacidades de financiamento do estado americano. Se os EUA realmente quiserem, eles até doam caças F-16 com poucas horas de voo, pedindo que a Colômbia pague apenas pela modernização. Ou ainda, caso queiram aeronaves novas das versões mais modernas, os EUA podem financiar ad aternum, coisa que nem a SAAB nem a Suécia têm condições de fazer

André Sávio Craveiro Bueno

Se houver alguma possibilidade, é hora da diplomacia brasileira entrar em cena.

Silvano

Temos boas chances, pois são dois presidentes bolivarianos no poder.

Camargoer.

Caro Silvano. Lula é essencialmente um trabalhista, muito mais próximo de um socialismo das democracias européias que um viés “bolivariando”. Explico. Lula teve a oportunidade de disputar um terceiro mandato, mas não o fez. Já o presidente da Colômbia, eu ainda não sei dizer direito como classifica-lo.

Andre

E este mandato dele, que se incia agora não é o terceiro mandato?

Neto

Amigo, no bolivarianismo, o presidente muda a constituição para permanecer no poder.
.
Algo como o fujão queria fazer, se ganhasse o segundo mandato.

André Sávio Craveiro Bueno

O que Camargoer disse foi que Lula não quis forçar a barra para mudar a Constituição de forma a permitir uma segunda reeleição consecutiva.

Camargoer.

Olá Andre. Quando FHC era presidente, ele mudou a CF88 para permitir uma reeleição consecutiva. Quando Lula estava no segundo mandato, obtido graças á emenda constitucional aprovada por FHC para a sua própria reeleição, houve um movimento em torno de uma emenda constitucional que permitiria sucessivas reeleições. Lula discordou. A CF88 manteve a redação original. A disputa de um terceiro mandato é permitido pela CF88 desde que respeitado o interstício de pelo menos um mandato. Tanto que em 2022, dizemos que Lula foi eleito, não reeleito. Quem disputava a reeleição foi Bolsonaro. A CF88 permite que ele volte a disputar… Read more »

André Sávio Craveiro Bueno

Exato. Feliz 2023 a vocÊs!

Camargoer.

Olá Andre. Obrigado. Um feliz 2023 para você também

Glasquis 7

Tá aí uma singularidade nova. O Lula e o Petros são “bolivarianos”… Depois vou querer saber como explico isto aos ETs quando nos invadirem.

André Sávio Craveiro Bueno

Caro Glasquis, não deve ser fácil entender os brasileiros!

glasquis7

KKK

Esteves

Quando você entender, explica.

Camargoer.

Olá Esteves. Depois que o Glasquis explicar e você entender, tenta me explicar.

Underground

Não temos dinheiro para bancar os nossos, vamos bancar para os outros?
Se bem que aqui tudo é possível!!!

Pablo

E pq bancariamos ?

André Sávio Craveiro Bueno

Eu não falei em bancarmos. Falei em uso da diplomacia. Essa poderia ser feita junto aos colombianos e junto aos suecos. O maior interesse em uma venda é dos suecos.

Leandro Costa

André, eu concordo totalmente. Seria a oportunidade perfeita para a Diplomacia entrar em ação. Já temos bons laços com as FFAA Colombianas e é sempre bom lembrar que eles revitalizaram os AT-27 deles localmente, mas com ajuda da Embraer. Não acho que seria muito difícil dialogar e pensar em um acordo de aquisição dos Gripen que fosse bom para os dois lados.

André Sávio Craveiro Bueno

Concordo.

Rafael Coimbra

Alguém realmente está surpreso? Era obvio que isso iria acontecer… nem perdi tempo lendo a matéria quando o anúncio era a compra.. É como um trabalhador que ganha 3 salários mínimos falar que vai comprar uma Volvo XC90 nova… Balela…

M4|4v1t4

Na real o poder de compra da Colombia é maior que o brasileiro, que tem um percentual de gastos comprometido com gasto de pessoal, especialmente os gastos com pensões de parentes de alto-oficiais já mortos, pornográfico.

Portanto a Colômbia tem sim na prática mais dinheiro disponível para gastos operacionais.
Lembrando que a relação PIB de gasto com defesa lá não é como deveria ser, mas para os padrões latinoamericanos é acima da média. Comparando com o Brasil então …

Camargoer.

Caro M. Os gastos militares da Colômbia são da ordem de US$ 10 bihões por ano, metade dos gastos brasileiros que estão na casa dos US$ 20 bilhões. Os gastos da Colõmbia representam cerca de 3,4% do PIB, quase o triplo dos gastos brasileiros que estão na ordem de 1,3% do PIB. Isso significa que é mais fácil o Brasil aumentar os gastos em 5% (ou US$ 1 bilhão) do que a Colõmbia aumentar o mesmo bilhão (ou que representaria 10% do orçamento, elevando os gastos para astronômicos 3,8% do PIB.

Neto

Bem pontuado Camargoer, entretanto, pesa a favor da Colômbia o tamanho menor do território e contra as duas áreas costeiras.

Jadson S. Cabral

Mas aí já não estaríamos mais falando de poder de compra.

m4l4v1t4

O poder de compra colombiano continua sendo maior porque no nosso orçamento quase 80% é comprometido com gasto de pessoal. Não lembro o valor colombiano mas lembro de que não chega nem perto dos 30% do orçamento deles. Portanto, a Colombia tem sim mais dinheiro que o Brasil para gastar em defesa

Wilson Look

Pode me dizer como eles fazem isso sendo que seu efetivo é no mínimo o segundo maior da região, ficando na casa dos 300 mil?

m4l4v1t4

Apenas não dão pensão para parentes de Almirantes, Generais e Brigadeiros, come exceção da viúva.

A pensão de filhas de oficiais das FA no Brasil é fundamental para comer mais da metade do orçamento com gasto de pessoal e para financiar parte da carteira de clientes do shopping Iguatemi

Last edited 1 mês atrás by m4l4v1t4
Alexandre

Praticamente todos os Países aqui da região tem um gasto em torno de 80% de seus orçamentos com a folha de pagamento, isso não é exclusividade do Brasil. Então não há como a Colombia ter mais capacidade orçamentária que o Brasil para comprar e manter suas armas. Fora que, o Brasil compra muita coisa fora do orçamento, como foi o caso dos helicópteros H 225M, que , se não me engano, foi uma compra de governo a governo bancada pelo Ministério da defesa, e dos Mi 35, que foi uma contra partida dada na balança comercial com a Rússia que… Read more »

Velho Alfredo

A França mantém o Rafale pra manter a Dassault. É Política de Defesa, pra nao perder uma indústria q estava consolidada e é difícil de manter, depois q acabou a guerra fria, os conflitos árabes israelenses de alta intensidade e as guerras entre nações na África. Pra quem tem juízo e não tem $$ pra gastar aos montes, o Rafale é inviável. Cito ainda o q um colega piloto me passou (não é minha area), q com a mesma relação homem/hora um Rafale troca seus motores em 48 hrs, o F-18 em 2 hrs e o Gripen em 40 min.… Read more »

Gabriel

Qualquer semelhança com o Baziu, que também havia escolhido o Rafale e depois o mesmo foi desescolhido não é mera coincidência.

A pergunta que fica é se vai seguir o caminho de Algetina, que faz uma escolha a cada 6 meses e reinicia o processo, sem comprar nada.

(os nomes dos países foram mudados, pois um Governo mais ou menos sério no Brasil ou Argentina não tomariam atitudes levianas assim).

Andre

O Brasil não tinha escolhido o rafale. Aqui tivemos gente grauda queimando a largada

orivaldo

Soltaram aquela história do Rafale e pelo visto os americanos não caíram

Sensato

Acho mais provável que aquilo tenha sido uma tentativa de emplacar no grito uma compra mais vantajo$a pra quem fez o anúncio.

Arthur

Ué? Não eram esses caras que iam adquirir doze Rafale e tudo mais? Agora a Colômbia segue os passos da Argentina ou foi 1° de abril no mês de dezembro? E pensar que acreditei na história da compra… Puxa! Só falta dizer que Papai Noel não existe!

Edu

O 1º de abril deles é chamado de Dia de los Inocentes, a data é 28 de dezembro.

Funcionário da Petrobras

Ou seja, a intenção de compra dos Rafales foi puro blefe.
É aquela velha história: “olhá só, não é bem assim”.

Last edited 1 mês atrás by Funcionário da Petrobras
Willber Rodrigues

Bem que eu estava achando estranho essa celeridade´´ da Colômbia em comprar Rafale….
No final, aposto que vai ficar entre Gripen ou F-16 via FMS mesmo.

Adriano Madureira

Se forem inteligentes irão de suecos …

Willber Rodrigues

O Kfir deles tá no bico do corvo e vai ser aposentado até o meio desse ano. Não sei se eles podem se dar ao luxo de esperar anos pro 1º Gripen ser entregue.
A menos….que a SAAB e a Força Aérea Sueca ofereçam Gripens usados a pronta entrega, como solução provisória.

Wilson Lobe Junior

O Brasil recebeu está mesma proposta de Gripens C tampão. So que nunca chegaram. So não se sabe qual lado roeu a corda.

Lucas Emanuel

Hoje teve reunião de Lula com Gustavo Petro, com essa afinidade dos governos é hora do BNDES financiar a venda do gripen com fabricação no Brasil, talvez um financiamento 50/50 com a Suécia

Camargoer.

Olá Lucas. Acho improvável que seja possível um financiamento deste tipo. O mais simples seria um financiamento de um banco sueco para a fabricação dos caças na Suécia, com a SAAB importando peças fabricadas no Brasil. Ou o contrário, como BNDES financiado a venda de caças fabricados no Brasil pela Embraer, sendo importado peças e componentes da Suécia para serem instalados nos aviões fabricados aqui. O financiamento é feito por um banco no país exportador porque a empresa que produz o bem precisa de recursos para bancar a produção em moeda local. Perceba que o importador (no caso a Colômbia)… Read more »

Esteves

Não existe produção/fábrica do Gripen no Brasil.

Neto

Existe uma linha de montagem do E mó Brasil. E existe a fabricação de componentes no Brasil.
.
A linha do F que seria no BR, deixou de ser prerrogativa do contrato.

Esteves

Existe uma linha de manutenção. Bastante reduzida. Limitada. Apertamos algumas seções.

O Brasil não tem e mesmo que tivesse não é proprietário do avião. Fizemos um contrato de compra com alguma transferência de aprendizado. Reduzida.

E basta.

Jadson S. Cabral

De manutenção e montagem final. Não só manutenção. A SAAB estruturas de sei lá o que montaram aqui produz algumas seções que serão utilizadas na montagens de aeronaves aqui, com outras peças que receberemos, já que não fabricaremos tudo. A grosso modo, receberemos boa parte do caça que será montado aqui, em quites ckd.,

Neto

A grande jogada, o modelo F, que teriamos co-propriedade pro desenvolve-los se foi.

DanielJr

Essa é a pior parte, nós montaríamos todos os modelos F de qualquer compra futura, agora serão todos suecos, não tem o que fazer.

Luís Henrique

Off: algo que não vi matéria é que o Irã provavelmente esta adquirindo 60 caças Su-35 ou mais de 60 e não somente aqueles 24 que eram do Egito.
Estão também discutindo possibilidade de fabricação de Su-35 no Irã.

Adriano Madureira

Ótimo 🤔🇮🇷‼️

Marcelo

Não vai construir nada no Irã !!!!
O Irã vai receber os kits da Rússia e vai montar os aviões em Teerã !!!!
No mesmo modelo que a Helibras (Airbus) faz aqui no Brasil,só monta os kit enviados da Europa !!!

Alberto

Vc é russo ou iraniano pra saber disso ? Na verdade reformulando a pergunta, vc é funcionário de alto-escalão da Rússia ou Irã pra ter esse informação?

Guizmo

Toma remedinho colega, menos exclamações

Luís Henrique

Haviam divulgado que a opção pelos caças franceses Rafale era baseada em entrega rápida, iniciando em apenas 12 meses (o que a França já fez com outros países, abrindo mão de caças que estão quase prontos para sua própria força aérea, ou seja, permitindo furar a fila) e também pelo financiamento com início de pagamento em 5 anos, etc. Acredito que a SAAB entrou em contato e ofereceu um financiamento semelhante ou melhor. E Gripen C emprestados ou alugados até a chegada de novas unidades do Gripen E. Somando ao fato que o Gripen E custa bem menos para adquirir… Read more »

Giancarlo Zamolo

Boa notícia para nós ! Com certeza este tema foi e será abordado entre os presidentes de Brasil e Colômbia e suas respectivas comitivas diplomáticas. Esta aberta novamente a chance de vendermos os Gripens NG versão E , parcialmente desenvolvidos e fabricados aqui ; gerando valor e mais conhecimento a nossa indústria aeronáutica – fortalecendo laços com um importante vizinho ao norte com o qual temos enorme fronteira. Sobre os comentários que vi aqui sobre não serem sérios por ” terem desistido” de última hora , ora vamos lá : Austrália cancelou USD 50 bi em submarino pra comprar SSN… Read more »

Emmanuel

Desculpa esfarrapa para não ter que explicar depois o porquê de comprar um caça muito mais caro, com custo hora/voo exorbitante e que não é superior ao concorrente.
Segue o jogo.

Matheus

Se eu fosse o Molusco, já chegava no Petro e falava: Cupanhero Petro, vuthe tem que pegar os nossos Gripi, nois te vende 16 unidades e mais 10kg de Picanha.

Carvalho2008

não é uma hipótese absurda….tudo dependerá do valor da picanha….via BNDES….

Esteves

O Brasil não vende Gripen.

Glasquis 7

Por fim alguém contou pra ele.

Esteves

Tem uma turma que entende tudo errado.

Maurício.

Quem fez beicinho com a escolha pelo Rafale, já pode ficar mais tranquilo, o F-16 e o Gripen ainda podem ter alguma chance, claro, se esse “FX” colombiano não acabar virando uma novela mexicana.

Diego Tarses Cardoso

Depende agora do lobby da Saab e até Embraer, acho também o da Akaer, para o Gripen levar.

Bardini

Considerado o contexto regional da cumpanheirada no poder, em nosso atual momento, o que poderiam fazer é chamar o governo da Colombia para uma conversa e talvez, até o próprio Chile, que estaria visando Eurofighter usado. O fator chave aqui, é a questão de que o Brasil tem de comprar um segundo lote de Gripen E/F. Colocar ao menos a Colombia “no bolo” e fazer a negociação e o financiamento em conjunto, poderia ser algo vantajoso para todos os envolvidos. Seriam ao menos 42 aeronaves (26 FAB e 16 FAC). . Se a Colombia tem pressa, poderia ver a questão… Read more »

Marcelo

Vc pode esquecer o Chile, o Chile comprou 10 F-16 block50 novos e 36 F-16 block 15 semi novos com poucas horas de voo e esta passando por MLU para padronizar todo frota !!!
https://tecnodefesa.com.br/produtos-militares-usados-ilusao-ou-barganha/

Bardini

“e 36 F-16 block 15 semi novos com poucas horas de voo e esta passando por MLU para padronizar todo frota !!!” . Seminovos? Seminovos em pleno 2023, são os 10 C e D que eles compraram dos americanos. Aqueles F-16 A e B ex-Holanda, que são da década de 80, já estão no bico do corvo faz mais de uma década. E além de ter que modernizar estes velhos F-16 na marra, para continuar voando, eles tem de substituir F-5. . No mais, não é uma questão de “esquecer” isso ou aquilo. Foi notícia o possível interesse do Chile… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Bardini
Glasquis 7

“Aqueles F-16 A e B ex-Holanda, que são da década de 80, já estão no bico do corvo” Os F 16 MLU estão programados pra voar até 2040 e o Chile costuma dar de baixa suas aeronaves com algumas horas remanescentes. Sobre os F 5 TIII, escuto que eles vão pro saco desde 2008. Já foram vendidos pro Equador, pro Paraguai e até pra Argentina mas, voam e muito, até hoje e tem programada a sua operação até 2035. ” Foi notícia o possível interesse do Chile por Eurofighter. Vai sair? Sei lá…” Vai por mim. Isso é delírio. Só si a Inglaterra… Read more »

Alexandre

Concordo Bardini, esses caças F16 MLU tem 40 anos de uso em média, estão bem surrados. E obervamos isso no numero de horas de voo que eles atingiram no ano passado, a Fach divulgou que foram 30000 horas nos F 16 MLU. https://www.infodefensa.com/texto-diario/mostrar/3853019/f-16-mlu-fuerza-aerea-chile-completan-30000-horas-vuelo Se observarmos que eles chegaram mais ou menos em 2010, são 12 anos de uso, então podemos fazer uma conta básica: 30000 / 36 unidades / por 12 anos = 69 horas voo por ano por caça! Como podemos ver, muito baixa essa quantidade de horas voo, o que demonstra que estão poupando as aeronaves em função… Read more »

Glasquis 7

“ o próprio Chile, que estaria visando Eurofighter usado.” É lenda essa história dos Typoon TII na FACh. Papo furado de Youtuber. Existe sim um oferecimento de 24 Typoon e 24 Apache pro Chile por parte da Inglaterra mas até agora, a FACh guarda total silêncio ao respeito. Voltar a operar caças europeus seria um salto logístico enorme para a FACh. Criar a linha logística, os pilotos, as linhas de apoio e principalmente, o armamento. Isso sem considerar o custo de operação e tudo isso sem necessidade pois as suas ameaças são conhecidas e devidamente cobertas. O Chile fez a consulta… Read more »

Bardini

Onde tem fumaça, tem fogo. A questão é que o Chile vai precisar de novos caças. Para agora, o F-16 é um caminho lógico. Mais adiante, o F-35 poderia ser uma consequência do próprio tempo. Só sei que depois dos E-3D Sentry usados, não dúvido de mais nada. Nem de EF2000. . O Pillan II não está no mesmo patamar do Super Tucano. É coisa que poderia entrar na AFA, no lugar de T-25 e T-27. Mas aí tem que avaliar se o sistema de treinamento que montaram é bom e etc e mais etc… Mas se a FACh vai… Read more »

Glasquis 7

O Pillan II não está no mesmo patamar do Super Tucano.”

Me referia ao “Tucano”, não ao “Super Tucano”, uma aeronave muito à frente e com prestações muito superiores às do Pillan II

Onde tem fumaça, tem fogo.”

Eu acho que nem fumaça há nesse alvoroço todo dos Youtubers. Seria uma loucura diversificar agora as linhas logísticas da FACh se algum dia quer operar F 35.

Só se vierem a preços muito mas, muito interessantes.

Esteves

Necessário. Benefício mútuo e necessário.

Glasquis 7

O Chile tem muito a oferecer. Sempre se encontram os benefícios quando a vontade política ajuda.

Esteves

Acho que a Argentina tem impedido. Quem sabe com eles distraídos com o futebol as coisas com o Chile avancem.

Last edited 1 mês atrás by Esteves
Willber Rodrigues

Já ví vários comentaristas falando de interesse do Chile pelo Eurofighter….de onde saiu isso, afinal?

Glasquis 7

A Inglaterra vai atualizar parte da sua Frota de Typoon (uns 62 caças no total, ACHO!, não tenho certeza desses números). Então a RAF, com a aperente intenção de reduzir os custos de modernização, ofertou 24 Typoon ao Chile sob a condição que o Chile entre nessa modernização junto. Esta informação vazou e os Yutubers ficaram loucos e falaram que o Chile vai ter os caças mas na verdade, a FACh não se pronunciou sobre o assunto. Deve estar estudando mas eu não acredito que o Chile vá a comprar estes caças. Normalmente, as compras de material bélico no Chile… Read more »

Esteves

O impedimento é financeiro e a quantidade é exagerada. Fazem proposta de 2 sabendo que o cliente vai pensar no segundo item (Apache).

Os ingleses vão ter que vender esses Typhoon. Mas não cá.

Willber Rodrigues

História estranha…
Exportaram o Typhoon pra Arábia Saudita, Áustria, Catar, Omã e Kwait, mas oferecem esses caças usados pro….Chile?
Porque não ofereceram isso pra esses países do OM que já operam esse caça, com muito mais grana pra isso ( sem ofensa ) ?

Glasquis 7

O Chile e a Inglaterra tem uma parceria antiga.

Adriano Madureira

mas se passasse para caças europeus, iria ter autonomia para usar o caça quando, como, onde e contra bem quiser… De quê adianta comprar caças via FMS se você tem que aceitar certas clausulas contratuais onde seus equipamentos militares serão apenas caros enfeites em hangares ou para ser usado em paradas militares?! Vou por um trecho de uma reunião de um subcomitê de congressistas americanos sobre vendas militares para parceiros. “Sr. Poe. Eu quero voltar para o Paquistão. nós temos tido a questão com o Paquistão se eles são leais ou se estão jogando conosco por anos sobre a questão… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Adriano Madureira
Glasquis 7

“mas se passasse para caças europeus, iria ter autonomia para usar o caça quando, como, onde e contra bem quiser…” E acaso o Chile não pode usar livremente seus atuais caças na atualidade? O Brasil não pode usar seus F 5??? Isso é lenda. Os F 16 do Chile podem ser usados sem nenhum problema nem autorização dos EEUU. “O Peru quando quis adquirir seus caças, inicialmente cogitaram caças americanos, mas foi devido as clausulas de uso das aeronaves que preferiram aeronaves de nacionalidade não americana.” O Peru tem um histórico de aproximação aos russos e uma certa preferência do… Read more »

Esteves

O que está transcrito, se verdadeiro, é a justa preocupação do congressista. Se venderem, existe chance das armas/aviões serem usadas contra os norte-americanos? Não se trata de imposição. Nem de tutela. Fazem negócios com um país que não é um aliado para esse país não procurar um inimigo. Vendem dentro de um limite de segurança com o objetivo de não entregar tecnologias sensíveis e impedir que essas armas/aviões transformem-se em fogo amigo/inimigo. Vendem o F16 para usar o F16 contra o Zé. Aconteceu o mesmo na Guerra da Lagosta. Os norte-americanos avisaram que estávamos impedidos de usar aviões fabricados por… Read more »

Adriano Madureira

Mas é verdade caro esteves…


FOREIGN MILITARY SALES: PROCESS AND POLICY

https://www.govinfo.gov/content/pkg/CHRG-115hhrg25841/html/CHRG-115hhrg25841.htm

João Fernando

O Cabral, piloto de testes da Embraer, me falou pessoalmente que na guerra da lagosta ele estava dentro do F80, armado, pronto para combate, esperando a ordem de decolar para atacar o inimigo. Está inclusive no livro dele

Alexandre

Essa questão do uso de armas norte americanas é de conhecimento público, existem vários relatos de países diferentes , em regiões diferentes e com sistemas de governo diferentes. Não dá pra dizer que isso “no ecxiste”. O caso do Paquistão foi um exemplo real, quando usaram os F16 contra caças da India, e foram chamados a realidade pelos EUA. Temos agora o caso da Turquia, que faz parte da OTAN, mas que deixou de receber os F35 supostamente em função dos S 400, mesmo já tendo adiantado uma parte do pagamento. Mas percebemos que a questão do S400 foi apenas… Read more »

Magalhaes_RJ

Bardini,

Legal essa idéia do Pilan II, mas acho que para o 2º EIA seria interessante aeronaves com cockpit lado a lado e não em tandem como nos Pillan, T-27…
Acredito que a família Grob 120 seja bem legal para ser substituta dos T-25, caso não seja desenvolvido nada nacional.
Em relação aos futuro caça da FAC acho que podem considerar o Gripen também…se colocar os dele no bolo com nosso segundo lote seria uma idéia bem legal…vai que !
Mas acho que a pressão política americana vai ter muito peso nesse processo…

Apenas uma humilde opinião de um leigo..

Bardini

Grob 120 é algo extremamente racional, mas tem a questão de que seria puramente importado. Acho mais fácil e certo, a FAB adquirir o Sovi da NOVAER, neste caso.

Last edited 1 mês atrás by Bardini
Magalhaes_RJ

Concordo que também teria essa opção nacional, mas com o Grob pronto pra produzir e vender seria uma interessante opção, mesmo sendo importado.

Andre

Está parecendo a história do f7-m na fab quando ela quis comprar mais f5 e os EUA barraram.

Deve ser para melhorar a oferta do f16.

Ney Jorge Hitos Ferreira

Argentina 2.0

Carlos Campos

A verdade é que a compra ia ser de lotes de 3 caças ao longo de alguns anos, nem a Dassault nem SAAB quiseram, ou seja tá ruim pra pagar, imagina manter

Ander

Efeito Lula a vista, presidente da Colômbia está desde sábado no Brasil e se reunio hoje segunda feira com Lula.

Funcionário da Petrobras

Veio para a posse meu caro.

Anselmo da Costa Andrad

Comprar, operar e manter um equipamento tão sofisticado como um caça requer somas altíssimas de dinheiro, e isso é visto como impopular pelos políticos.

Last edited 1 mês atrás by Anselmo da Costa Andrad
Esteves

Os militares deveriam aproximarem-se da sociedade civil. Explicar pra que querem comprar aviões de 100/200 milhões de dólares que não sabem pilotar, não sabem manter, não fabricam e não tem grana para abastecer/reabastecer e se tiver que engajar, não tem reposição de mísseis.

Comprar pra ter? Pra mostrar ao vizinho?

GRAXAIN

O ótimo (RAFALE) parece ser o inimigo do bom (GRIPEN)… Novelas sul-americanas na compra de caças, NORMAL!

Jose Ponte

Vão de F-16 no final do dia .
Preços especiais , acesso a peças de reposição , manutenções acessíveis , interoperacionalidade entre forças aéreas ….
Meu ponto de vista ….

Funcionário da Petrobras

Também acredito, mas duvido que venham F-16V novos.
EUA tentarão empurrar alguns F-16 de segunda mão usados, de geração ultrapassada, como sempre fizeram para os países da AL.

Last edited 1 mês atrás by Funcionário da Petrobras
Kemen

Vão importar uma merreca e esse lero lero todo, esta parecendo a Argentina. Que pobreza. No Chile andam dizendo que vão comprar Typhon versão 1 usados. Estão malucos, vão suar para mante-los e atualiza-los, ou vão ficar no chão.

Glasquis 7

No Chile não, apenas alguns youtubers. Delírios de quem precisa e likes e visualizações para sobreviver.

E os Typoon oferecidos são Tranche 2. O Tranche 1 tem uma série de limitações quanto às modernizações possíveis.

Last edited 1 mês atrás by Glasquis 7
Coronel James Braddock

O Brasil poderia sugerir um emprestimo via bndes para a Colombia realizar a compra do gripen, desde que a quantidade minima fosse de 80 unidades e no minimo 50% delas construida no Brasil.

saab não iria dizer não e seria um otimo negocio para os nossos irmãos colombianos

Camargoer.

Olá Coronel. Existem duas possibilidades. Na primeira, a Colômbia assinaria um financiamento de exportação com o BNDES para a Embraer fornecer os aviões. O banco financiaria diretamente a Embraer com reais para produzir os aviões e a Colômbia pagaria parcelas em moeda estrangeira (provavelmente dólares) ao banco por um período de 10 a 20 anos. O problema é que a Embraer ainda não produz o F39, portanto a Colômbia só receberia os primeiros caças daqui 5 anos, por exemplo. O BNDES não pode financiar a compra de aviões feitos na Suécia. Isso teria que ser feito por um banco sueco.… Read more »

Luiz armando Martiny

Com essa mixaria não compra nada muito menos 16 caças que dizem querer!

Camargoer.

Olá Luiz. US$ 650 milhões é suficiente para comprar 5 F39 novos ou 3 F35 ou Rafales.

George

John entrou na padaria para comprar sonhos. O padeiro virou para ele e disse – John, o sonho acabou!

Luiz Trindade

Rapaz… Acaba logo com essa discussão e compra logo o Gripen.

H.Saito

Estava esperando o dinheiro do BNDES para comprar os aviões e dar calote quando possível.