quinta-feira, setembro 23, 2021

Gripen para o Brasil

Aeronave P-3AM Orion completa 10 anos de incorporação à FAB

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

A data marcou a modernização da Aviação de Patrulha, pois o modelo possibilitou a detecção, localização, identificação e, até mesmo, destruição de submarinos inimigos

O dia 30 de julho de 2021 celebra os dez anos da incorporação da aeronave P-3AM Orion à Força Aérea Brasileira (FAB). A data marca a modernização da Aviação de Patrulha, pois o modelo possibilitou, entre outras coisas, a detecção, localização, identificação e, até mesmo, destruição de submarinos inimigos – a chamada guerra antissubmarino (do termo em inglês Anti-submarine warfare – ASW). Além da capacidade ASW, o P-3AM também carrega poderosos armamentos, como os mísseis antinavio Harpoon, capazes de neutralizar embarcações de guerra a uma distância além do alcance visual.

Com quatro motores, a aeronave tem grande autonomia, podendo permanecer em voo cerca de 16 horas. Os modernos sensores eletrônicos embarcados, conferem ao Orion a capacidade estratégica de vigilância marítima de longo alcance. Além disso, durante esses dez anos de operação na FAB, o P-3 mostrou ser um avião bastante versátil, sendo empregado rotineiramente em missões de inteligência, vigilância e reconhecimento realizadas em toda a extensão territorial brasileira, demonstrando, assim, que a capacidade operacional deste vetor superaria todas as expectativas de um avião projetado inicialmente somente para missões sobre o mar.

Desde sua chegada, o P-3AM mostrou-se como um vetor aéreo com capacidade de emprego mundial. Com ele, foram realizadas missões de patrulha marítima em apoio a Cabo Verde, na África, missões de treinamento com grande destaque para o desempenho de tripulantes brasileiros na Escócia e em Portugal, além de várias missões de busca e salvamento em apoio a nações amigas, como Argentina e Chile.

O Comandante do Primeiro Esquadrão do Sétimo Grupo de Aviação (1º/7º GAv) – Esquadrão Orungan, Tenente-Coronel Marcelo de Carvalho Trope, destacou que as características da aeronave garantem ao Brasil um grande poder dissuasório. “Com o P-3 Orion, a FAB resgatou sua capacidade de Guerra Antissubmarino e fortaleceu suas ações de Patrulha Marítima e IVR. Cabe também destacar a segurança e robustez da aeronave, que após dez anos e milhares de horas de voo envergando as cores da Força Aérea Brasileira não registrou nenhum acidente”, ressaltou.

Logomarca

Para celebrar o evento histórico, o Esquadrão Orungan criou uma logomarca comemorativa. Além disso, a Revista digital contendo as fotos e relatos das missões mais importantes que a aeronave cumpriu nesses dez anos já está em fase final de elaboração, com previsão de ser lançada no dia 30 de setembro.

FONTE: Força Aérea Brasileira

- Advertisement -

58 Comments

Subscribe
Notify of
guest
58 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues

Esse é o tipo de aeronave que com certeza deveríamos ter mais unidades.
Aliás, uma hora a idade dele vai começar a pesar, e será necessário substituí-lo…quer ver quem vai ficar com essa responsabilidade: se vai continuar com a FAB ( duvido ) ou se a MB vai pegar a responsabilidade pra sí ( o que duvido ainda mais ).

Samuca cobre

Deveria ter no mínimo umas vinte unidades…
Olha o tamanho do mar Brasileiro!!!

Adriano Madureira

Acho que não precisa tanto, o litoral da Índia é gigante e só tem 12 poseidons…
comment image
comment image

Last edited 1 mês atrás by Adriano Madureira
Samuca cobre

Não dá pra comparar poisedon com P-3AM…

Pedro Tavares Nicodemos Filho

Jatos são caros de operar, e lhes reduzir a velocidade de cruzeiro lhes torna ainda mais anti-econômicos. Em toda a indústria de jatos de concepção tradicional a EMBRAER é quem mais tem refinado o conceito, mais que BOEING, que enfrenta um grande problema, mas eu não quero deixar ele aqui, guardo-o para mim, porque sou brasileiro, e não torço pelo time dos outros, mas pela EMBRAER, pela NOVAER e pela DESAER. A CCCP = URSS deixou uma imagem tão ruim, que ninguém dá brecha para a indústria aeronáutica russa, e ela é 100% auto-suficiente em tecnologia de fabricação de jatos… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Pedro Tavares Nicodemos Filho
DOUGLAS TARGINO

Acredito que 08 unidades dessas americanas como da foto era suficiente.

Felipe Morais

Pois é e a substituição do P3 não vai ser fácil, uma vez que as opções no mercado são bem caras e desenvolver algo baseado em algum avião da Embraer, além de igualmente caro, talvez não seja viável, vide a baixa demanda.

Adriano Madureira

comment image?w=1024&ssl=1

Só espero que a FAB tenha um plano para a substituição delas,mas com a revitalização das asas pela AKAER, a vida útil delas aumentou,dando uma sobrevida de mais alguns anos.

comment image?w=1024&ssl=1

Segatto

Acho que a velha parceria Brasil-Itália cairia bem para criar esse substituto, a EMBRAER já tem vários aviões civis que poderiam ser convertidos em MPA pela Leonardo como é o caso do Lineage do Paquistão

Felipe Morais

Tá com a Itália, como com a Suécia.

Allan Lemos

Essas aeronaves deveriam estar nas mãos da MB.

Fabio Araujo

São bons aviões, mas já estão chegando no fim da vida mesmo com as últimas atualizações que eles sofreram. Já começaram a pensar num substituto? E o projeto da Embraer?

glasquis 7

Essas aeronaves poderão voar até 2050. De onde vc tirou que estão chegando no fim da sua vida util?

Marcos10

Essas aeronaves são do primeiro lotes produzidos e estavam estocados no deserto por conta de fadiga precoce nas longarinas, que precisarão ser trocadas.

Marcelo Baptista

Já estao sendo trocadas. Por isto a sobrevida.

Salim

Vai dar 90 anos , vamos bater recorde do B52. Seria ate que razoável se não tivesse nada melhor para substituir, porem mercado tem muito superior e toda forca seria ta mudando. Se Brasil criar opção mais competitiva ,em valor aquisição e operacional , acredito ter mercado razoável. O P8 e caríssimo, porem tem apelo do vetor ser baseado o 737-800. Sugiro e190 e equipamentos suecos/israelenses. Olha exemplo do guarani sendo vendido por empresa Israelense.

glasquis 7

 porem mercado tem muito superior e toda forca seria ta mudando”

Na relação custo benefício, não tem nada melhor.

Olha exemplo do guarani sendo vendido por empresa Israelense.”
Exemplo sem nexo.

Os P3 são aeronaves altamente confiáveis e a sua durabilidade só é superada pelo Hercules.

A LM acaba de abrir sua linha de asas do P3 para renovação de frotas. Se o Brasil trocar as asas ate 2030, com certeza, essas aeronaves voarão até 2045/50 pois não há no mercado, nada que se compare. Todas as opções disponíveis são aeronaves mais caras de operar.

José Carlos da Silva Peixoto

Já está na hora da FAB autorizar a EMBRAER a começar a desen
volver um patrulheiro tendo como base a plataforma do 195E2 !!!
Vão esperar os P3 chegarem no final da sua vida util ? . A India já
está desenvolvendo baseados no Lineage 1000 , que estão com
prando no mercado de usados !!!!

Fernando EMB

Paquistão… E não Índia.

Jadson Cabral

Para vender pra quem??? Vocês são loucos? Querem que a Embraer siga o mesmo caminha da Engesa?
Mais importante que fazer o melhor é fazer o que se consegue vender

Glasquis 7

Nâo né? vai começar de novo esse papo de se fazer tudo aqui sem ter demanda suficiente para alimentar a escala de produção?

José Carlos da Silva Peixoto

Pelo que sei , só tem um voando em Santa Cruz !!!!!!

Zorann

O dia que der baixa, ficaremos décadas sem um substituto…. exatamente como da baixa dos P-2.

Adriano Madureira

As vezes tenho o mesmo pensamento…Como muitos meios militares que tínhamos, foram aposentados e não havia sequer algum tipo de planejamento para serem substituídos quando chegassem ao fim da vida útil…

Joao Moita Jr

Simplesmente não dá. Com exércitos de vereadores, senadores, ministros, comitivas, membros do judiciário, cargos para a família de todos eles em cima de tudo isso, ajuda moradia, ajuda palitó, ajuda tanga…
Infelizmente as prioridades do Brasil são outras.

Adriano Madureira

Também penso nisso João Moita, mas cabe a nós exigir mudanças… Vejo municípios bunda suja, sem eira e nem beira, do tamanho de um ovo, que mal produzem nada para o sustento do município Aqui no RN tem município com 37.905 km² e população de 1 718 habitantes, mas tem que ter Vereadores(12)… Sou contra essa farra de municípios e sou totalmente contra emancipação política, onde distritos de um determinado município se tornam um também. Só servem para mais gastos como: Controladoria, ouvidoria e procuradoria geral do município, orgãos de previdência, Promotoria entre outros. Felizmente a melhor coisa que esse governo… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Adriano Madureira
Marcelo Baptista

Boa Adriano, agora cabe a nós buzinarmos nos ouvidos dos deputados, para que este novo pacto federativo seja analisado e passe. Pois se depender do interesse deles nao passa nada disto, já que os interesses deles sao privados.

Wellington R. Soares

Não esqueçamos que nossas forças armadas estão igualmente inchadas e com mais de 75% do orçamento comprometido com gastos em pessoal, auxílios, benefícios, etc…
Com o orçamento das FAs daria sim pra ter mais equipamentos de ponta, mas será que estão dispostos a “cortar” a própria carne ?
Existem muitos países com orçamentos menores que o nosso, porém com Marinhas muito mais poderosas e capazes.

José Carlos da Silva Peixoto

Verdade !!!!

Elias

Eu projeto um Brasil melhor…mas cada um é cada um 😐

Flanker

Totalmente sem um avião de patrulha e, principalmente, ASW a FAB ficou de 1996 até 2011. A FAB operou os Neptune de 1959 até 1976 e os Tracker de 1961 até 1996.

glasquis 7

Demora a dar baixa nesses vetores. São muito confiáveis e tem aceitado bem as modernizações e implementações de Up grade. Além disso, tem um custo operacional compatível com o que oferece.

Filipe

10 anos de muitos bons serviços ao Brasil, agora vamos substituir os aviões Turbo Hélices por aviões Turbo Fans , muito provavelmente será o EMB190-E2 Lineage 1000 , o Paquistão já encomendou 10 aeronaves EMB190-E2 Lineage 1000 dessas para substituir o P3C-Orion.

Fernando EMB

Não existe E2 Lineage!!!

Filipe

vc trabalha na EMBRAER?

Claudio Pepe

Sim, ele trabalha na Embraer.

Marcos Cooper

“Não existe E2 Lineage!!!”
Parte 2.
Não fale besteir. O Paquistão simplesmente comprou aeronaves usadas e vai converter.

Adriano Madureira

10 anos?! Já?! Tempus fugit…

Joao Moita Jr

“Si vis pacem para bellum”

Maurício.

Vejo muitos criticarem o Caracal porque opera com restrições, mas quase ninguém fala dos problemas do P-3, que ficou uma década operando com fissuras nas asas…Mas, como não é francês, ninguém crítica…

Flanker

Os P-3 não operaram durante os 10 anos com fissuras nas asas. Esse problema apareceu em alguns exemplares após já estarem em operação. E a FAB já sabia que as asas precisariam de manutenção desde que as aeronaves foram escolhidas para passar por modernização. Já o Caracal é um helicóptero novo, zero horas, que apresenta um problema crônico grave, e ainda não completamente solucionado. São coisas bem diferentes.

Maurício.

Flanker, como você sabe, a Lockheed Martin já tinha alertado a FAB sobre os problemas das fissuras antes mesmo das aeronaves serem modernizadas, a própria FAB já sabia disso, mesmo assim não fez nada, fazendo só agora, com a akaer revitalizando as asas, mesmo assim, quantas aeronaves já estão com as asas revitalizadas? Uma? Acho que não dá nem duas… Sendo que o contrato com a akaer até aqui prevê 3 pares de asas, e o resto das aeronaves, vão ficar com as fissuras? Uma década operando sim com restrições, com tempo entre revisões menor, exatamente como acontece com o… Read more »

Flanker

Corrosão onde? Se tem, deve ser corrigido e cobrado de quem fez a modernização e de quem faz a manutenção. Volto a dizer, que não tem como querer comparar uma aeronave usada, de décadas de idade, com um aparelho novo, saído de fábrica. O P-3 tem restrições pela idade….e o H225M tem restrições por falha de projeto.

Maurício.

Flanker, não vou me alongar muito porque meus comentários aqui no aéreo estão ficando todos presos.
Eu concordo que não tem como comparar uma aeronave velha com um aparelho novo, mas a questão não é essa, a questão é que ambos aparelhos possuem problemas, possuem falhas e com isso restrições, com tempo entre as revisões menor, gastando mais dinheiro para mantê-las, e isso é um fato, diferentes aparelhos, diferentes problemas, mas no final do dia o que importa é que ambas possuem problemas e restrições, simples assim.
Aqui sobre a corrosão:
https://www.defesanet.com.br/fab/noticia/24850/Aviacao-de-patrulha–crise-e-oportunidade/

Flanker

Quanto à indisponibilidade de ambos os tipos de aeroanves citados, eu concordo. Já a resportagem do link, sendo do Pepê……já não levo a sério….mas, entendi o que vc quis dizer. Abraço.

M65

Guardião do Atlântico sul.

glasquis 7

E do Pacífico sul também.

Teropode

Bem , no mercado já 2 novos aviões para esta missão , na minha percepção o exemplar japonês seria mais razoável nteressante para o Brasil pois abriria uma relação de alto nível com um parceiro econômico de longa data , além disso o aparelho deles possui ótimo desempenho além de ser um quadrimotor , garantindo uma melhor segurança para vôo em águas azuis .

Carlos Alberto Soares
Pedro Tavares Nicodemos Filho

Quero ver o novo turboélice bimotor da EMBRAER substituir os ORION P-3 como ASW, AEW, avião cisterna e versão cargueira com baixo custo! Por óbvio que o seu conceito não é o de operação em pistas improvisadas, e isso é assim por uma questão de refinamento aerodinâmico, que leva à menor custo de operação, e muito menos ruído. Isso apenas usando uma concepção tradicional, mas refinada, mais lisinho. Os DASH 400 da Bombardier estão saindo de linha e os ATR-142 italianos também tem um projeto antigo demais, porém com menor custo de aquisição e operação que os aviões canadenses. Infelizmente… Read more »

Flanker

Acho que esse novo turboelice da Embraer terá tamanho, alcance e payload bem menores do que os do P-3AM. Portanto, não serviria para substituir os aviões da Lockheed. Se for um avião da Embraer, penso que deveria ser algo na categoria do E190 ou E195, tanto os primeiros como os atuais E2.
Quanto aos Be200, o Chile teria encomendado algumas unidades em 2019. Já receberam alguma ou algumas delas?

Last edited 1 mês atrás by Flanker
Salim

Bem lembrado, talvez o novo turboélice da Embraer funcione, vamos aguardar dados maiores dos mesmos, talvez este seja o futuro.

Nilo

Com características excepcionais como voo à baixa altitude e baixa velocidade, mantendo nesta condições baixo consumo de combustível, como vigilância maritima ainda veremos por uns bons anos o ORION P-3, a Akaer absorveu tecnologia de revitalização das asas da aeronave, já em 04/2021 entregou as primerias asas revitalizadas ao PAMA-GL.

asa orion.jpeg
Last edited 1 mês atrás by Nilo
Wagner

Caramba, passa rápido o tempo…

Salomon

Não se preocupem caros foristas e patrícios. Ao final o P3 será substituído pelos Traders que estarão saindo novinhos do forno! É rir para não chorar.

Rommelqe

Entendo que o primeiro contrato com a AKAER englobou o fornecimento de tres pares de asas, já entregues. Haverá outro contrato, acredito, pois teríamos que substituir as asas em pelo menos oito aeronaves no total.
O proprio CHILE, Glaquis, não teria interesse de substituir asas em suas aeronaves? Lembrar que todo o ferramental da LM foi comprado pela AKAER!
ABs

Glasquis 7

A canadense IMP Aerospace já fez isso nos P3 da ARCh em 2016.

Foi num programa denominado Orion III que incluiu a troca das asas e estabilizadores, revisão estrutural, novos motores mais potentes, novo cockpit digital e um paquete de manutenção.

Rommelqe

Caro Glaquis, verdade, agora que vc falou me lembrei deste pacote do Chile. Abs

Últimas Notícias

Eve, da Embraer, e Bristow firmam parceria para desenvolver operações de UAM com pedido de até 100 eVTOLs

Melbourne, Flórida, 23 de setembro de 2021 – A Eve Urban Air Mobility, uma empresa da Embraer, e a...
- Advertisement -
- Advertisement -