Home Força Aérea Brasileira SIMULAÇÃO: F-5EM da FAB versus Su-30MKV da Força Aérea Venezuelana

SIMULAÇÃO: F-5EM da FAB versus Su-30MKV da Força Aérea Venezuelana

10177
297

Modernizados no Programa F-5BR da Embraer, os caças F-5 da FAB ganharam uma sobrevida e também receberam novos armamentos, como os mísseis Rafael Python 4 para combate aproximado e Derby para combates BVR, além do alcance visual.

Em 2016, houve rumores de sobrevoos de caças Sukhoi Su-30 da Venezuela na fronteira com o Brasil e logo após ocorreu a movimentação de caças da Força Aérea Brasileira (FAB) na região norte de Roraima.

E se ocorresse um combate entre caças brasileiros e venezuelanos?

Para saber como poderia ser o combate aéreo em um cenário hipotético, assista à simulação a seguir.

Subscribe
Notify of
guest
297 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
2 meses atrás

Os SU-30 são muito superiores aos nossos F-5. Precisamos de, pelo menos, cinco F-5 para cada SU-30. Talvez, com o Link BR-2 operacional, podemos ter alguma vantagem. A FAB sabe disso. Nossa chance, atualmente, seriam os A-1M atacando-os no solo. Mas, com o sistema S-400 fica praticamente impossível. Sobrou o MCT-300 a nosso favor.

Glasquis7
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Lembro de ter perguntado ao senhor sobre um enfrentamento como este e sua resposta foi exatamente mesma.

“Sem chances”

Alexandre Cardoso
Alexandre Cardoso
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Exatamente no que estava pedindo para ti fazer, Alexandre, combate entre os SU – 30 contra os Gripens. Mas uma dúvida, se o armamento dos Gripens for o mesmo dos F5, o resultado será igual??? No aguardo do novo combate. Abraço, Obrigado pela simulação!!

Alexandre Cardoso
Alexandre Cardoso
Reply to  Alexandre Cardoso
2 meses atrás

… estava pensando em pedir para ti fazer, …

Pedro Rocha
Pedro Rocha
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Cel. Rinaldo Nery saudações! A Venezuela possui S-400? Acredito que todos os sistemas antiaéreos estejam situados na região de Caracas e a cobertura de radar seja dos duvidosos radares chineses (o Equador está destroçando esse sistema). No campo exclusivo de hipóteses, haja vista a menor possibilidade da Venezuela manter um conflito, no mínimo os EUA nos dariam apoio com armamento inteligente (ex misseis, bombas guiadas). O senhor sabe podemos não ter tais armamentos mas tenho proficiência em sua utilização. Eu particularmente acredito que em caso de uma aventura Venezuelana contra o Brasil ou a Colômbia os EUA vão intervir diretamente.

Pedro Rocha
Pedro Rocha
Reply to  Pedro Rocha
2 meses atrás

Digo temos total proficiência

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Pedro Rocha
2 meses atrás

Já temos bombas guiadas. Os S-300 (não 400, como corrigiram) não estão todos em Caracas. Noutra matéria antiga havia um mapa com a localização dos sistemas e sua cobertura radar. Difícil atravessar, só com um jamming muito bom. Até a USAF respeita.

Elcimar menassa
Elcimar menassa
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

mas acredito,como já li em um canal dedicado a área militar,que os russos não vendem esses misseis e radares com toda sua capacidade de rastreio e detecção,simplesmente para não dar a potenciais inimigos a chance de identificarem as falhas,sistemas embarcados,frequências possíveis,etc.. todo sistema russo é pensado para se trabalhar em conjunto como um todo,seja em varias dimensões da arena ant aérea,baixa,média,e alta altitude. tudo pensado para operar com seus radares,em rede, e sistemas de guerra eletrônica. o que sai para exportação vai com certeza com limitações.e nunca com a mesma capacidade que o que se usa na russia. mas mesmo… Read more »

JORGE PETROLA FERREIRA
JORGE PETROLA FERREIRA
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

S300 é um sistema móvel, não é fixo. Concepção de emprego exige que ele mude sua localização de tempos em tempos.

Glasquis7
Reply to  Pedro Rocha
2 meses atrás

Defesa Antiaérea da Venezuela

– S-300VM   30 km Altitude
– BUK-2ME  25 km Altitude
– S-125 Pechora 2M 20km Altitude
– Sistema MANPADS IGLA-S  3,5 km

O Coronel penas se enganou.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

Obrigado pela correção. Já é quase impossível mesmo assim.

Glasquis7
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Uma suíte de guerra eletrônica conseguiria enganar os radares de aquisição das baterias antiaéreas da Venezuela?

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

eles são de longe muito mais bem equipados…

300 unidades de artilharia antiaérea rebocadas de 23 mm ZU-23/30M1-4, várias centenas de mísseis antiaéreos Igla-S, pelo menos 11 baterias Pechora-2M S-125, 12 SAMs Buk-M2E e três baterias S-300VM Antey-2500.

comment image
comment image
comment image

comment image
comment image
comment image

comment image
comment image

comment image
comment image

Fonte: Forte.jor

Glasquis7
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
2 meses atrás

Em defesa antiaérea, ele são, de longe, melhores do que qualquer país da América Latina, isso eu sei mas, eu queria saber se existe a possibilidade de interferir nos radares das bateria antiaéreas com uma suíte de guerra eletrônica.

Kemen
Kemen
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

Interferir nos detectores dos misseis que foram lançados pelas baterias quando próximos do objetivo sim.

Glasquis7
Reply to  Kemen
2 meses atrás

Nos radares em terra não?

Kemen
Kemen
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

Vai depender da potencia do sinal do radar terrestre que chega ao objetivo, radares terrestres tem alta potencia de irradiação, e da distancia até esse radar. Depende de variaveis na ocasião. Já a potência do localizador do misil é baixa, dai a facilidade de jammea-lo quando estiver próximo.

MarcosJGB
MarcosJGB
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

Aí surgem aquelas perguntas imbecis dizendo: para quê investir de defesa antiaérea moderna e em quantidade? Infelizmente temos que primeiro derrotar os inimigos internos para depois tentar encarar os externos. O Brasil deveria ter no mínimo uma defesa antiaérea descrita acima, já iria deixar qualquer piloto preocupado.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Pedro Rocha
2 meses atrás

“ no mínimo os EUA nos dariam apoio com armamento inteligente”
Vai perguntar pra Argentina sobre esse negócio de ficar esperando “país X” chegar na hora H com os mísseis necessários.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

Os americanos nós ajudar dariam com tecnologia de ponta .
Alguns AIM 9L, F-4 Phantom recuperados , mais A4 para a MB e o Interpred que sairá de museu para ativa da MB kkkkkkkk.
Não podemos esquecer dos mísseis Minutman !

Pablo Astorga
Pablo Astorga
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

João Moita…

No podemos olvidar que el apoyo de Chile fue prácticamente decisivo contra Argentina en la Guerra de Malvinas. Chile transmitió en tiempo real toda la información de la fuerza aérea argentina a las Malvinas. Fueron masacrados en parte por eso.

Chile fue el único país sudamericano que apoyó abiertamente a los británicos en la Guerra de Malvinas.

Glasquis7
Reply to  Pablo Astorga
2 meses atrás

Os argentinos perderam por arrogantes e incompetentes.

Mania de culpar os outros pelos seus fracassos.

As ilhas se chamam Malvinas.

Kemen
Kemen
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

Alguma incompetência militar houve sim, como se publicou em analises mais detalhadas. Não aumentar a pista do aeroporto das Malvinas, permitindo a FAA operar A-4 e S.E. nas ilhas. Acreditar no inicio que não ocorreria reação do R.U.. Acreditar que o R. U. respeitaria a zona de exclusão que eles mesmos determinaram e divulgaram. Retirar as tropas mais treinadas das ilhas e deixar na maioria recrutas. Acreditar que os U.S.A. apoiariam mais um regime militar que eles ajudaram a criar em um pais da América, em vez do R.U. pais europeu. Acreditar que todos os paises Sul Americanos seriam favoraveis… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Kemen
Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

Se chamam Falklands.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Gabriel BR
2 meses atrás

Um veterano dos Royal Marines, que conheci no Oriente Médio, lutou lá naquela campanha e já era velho 10 anos atrás me disse que eles referem-se as tais ilhas como Fucklands. Lol

glasquis 7
Reply to  Pablo Astorga
2 meses atrás

“No podemos olvidar que el apoyo de Chile fue prácticamente decisivo contra Argentina en la Guerra de Malvinas”

Falklands meu caro, Falklands.

Si os militares argentinos tivessem brio, coragem e profissionalismo, não teriam enviado e abandonado os seus conscritos nas ilhas.

Culpar os outros pelas suas derrotas não fará com que as ilhas voltem a ser de vcs.

Kemen
Kemen
Reply to  glasquis 7
2 meses atrás

Malvinas.

Glasquis7
Reply to  Kemen
2 meses atrás

Falklands meu caro.

Os argentinos se renderam e entregaram a soberania das ilhas a UK. A rendição assinada por Galtieri é fácil de encontrar.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Pablo Astorga
2 meses atrás

Y tampoco podemos olvidar la situacion en la cual Francia se negó a hacer la entrega de los misiles Exocet a lá Argentina.
Y acerca la vergonzosa actuación de Chile, el hecho de que se hayan vendido de manera tan deshonrosa nunca se olvidará, y esta traición eternamente se recordará.

glasquis 7
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

‘Y acerca la vergonzosa actuación de Chile, el hecho de que se hayan vendido de manera tan deshonrosa nunca se olvidará, y esta traición eternamente se recordará” Amigo, vc não faz ideia do que está postando. A Inglaterra e o Chile tem uma história de mutua cooperação desde a guerra da emancipação do Chile. Assim como a Argentina tem um historial longínquo de traições. A começar por ter confiscado as embarcações que o Chile comprou dos EEUU e da Inglaterra na época da independência e a execução dos seus oficiais, passando pela traição da Argentina na Guerra do Pacifico obrigando… Read more »

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  glasquis 7
2 meses atrás

Bom, sei que é muito pedir, dado o historial da América Latina, mas o mínimo que o Chile deveria ter feito era ter se declarado neutro nesse conflito, somente pelo fato de ser um país vizinho, inclusive falando o mesmo idioma, em guerra contra uma potência europeia. Agora, que eles tenham tomado o lado da Inglaterra, inclusive participado com inteligência e apoio logístico contra a Argentina está simplesmente errado.

glasquis 7
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

O Chile apenas cedeu autorização de uso do seu espaço aéreo e dava alerta de decolagem de caças. Isso não foi o motivo pelo qual a Argentina perdeu a Guerra

Digite em You Tube:

tero,tero,tero, hoy le toca alos ingleses y mañana a los chilenos.

Isso quer dizer Hoje mataremos ingleses e amanhã mataremos Chilenos.

A Argentina ameaçou pela terceira vez consecutiva ao Chile. Vc queria que o Chile fosse neutro?

Anthony
Anthony
Reply to  Pablo Astorga
2 meses atrás

Sr Pablo Astorga, me permita perguntar: quando a Argentina apoiou o Chile?

Que eu lembre, a Argentina em outras ocasiões foi e contra o Chile, já se esqueceu?

Quem fere esquece, quem e ferido não!

horatio nelson
horatio nelson
Reply to  Pablo Astorga
2 meses atrás

as ilhas se chamam falklands…território ultra mariano britânico !

Kemen
Kemen
Reply to  horatio nelson
2 meses atrás

Se vamos usar um criterio real, seriam Malouines, que foi asimilado em espanhol como Malvinas. Esses dois nomes, se originam de linguas latinas, não de linguas anglo saxonicas.

Nelson Amura
Nelson Amura
Reply to  Kemen
2 meses atrás

FALKLANDS…não força…

Kemen
Kemen
Reply to  Nelson Amura
2 meses atrás

Malvinas, não apela, é histórico. Imagine se o R.U.tivesse ocupado Santos ou Vitória ou São Vicente ou a ilha Grande e muda-se seu nome para Thomas Cavendish. ____”Mas antes disso, atacou e incendiou as residências dos moradores da Ilha Grande, também conhecida como Ilha Placencia. Atracou em Ilhabela, de onde ordenou o ataque pirata à Vila de Santos e São Vicente. Incendiou engenhos produtivos, incendiou o Outeiro de Santa Catarina, fez prisioneiros velhos, mulheres e crianças e roubou muito ouro do Brasil, então Terra de Santa Cruz. Aterrorizou por meses as vilas da costa, perdendo um precioso tempo, o que atrapalhou a… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Kemen
Helio Mello
Helio Mello
Reply to  Kemen
2 meses atrás

Se o R.U. ocupar qualquer lugar e tiver apoio da maioria dos seus habitantes ele muda o nome para o que quiser e todos os outros se dobram a isso. Ou aqui ainda é Império do Brasil ou Estados Unidos do Brazil? A própria Ilha Grande que você cita era indígena e seu nome era Ipaum Guaçu, e nem por isso você diz que Ilha Grande tá errado. Já fizeram eleições na ilha, e optaram por manter a soberania britânica. A terra é deles e o nome que eles usam é Falklands.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Nelson Amura
2 meses atrás

FuckLands…

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

João,se você se refere ao não apoio dado à Argentina pelos EUA durante a Guerra das Malvinas,acho que a comparação não é válida pois são cenários muito distintos.A Argentina estava em guerra com o RU,que ao lado do Canadá é o principal parceiro americano no mundo,então era óbvio que os EUA apoiariam os britânicos contra quem quer que fosse. A França era parceira do RU na OTAN e na UE,então também era lógico que não apoiariam os argentinos. Além do mais,a Argentina foi o país agressor. Mas em um cenário onde a Venezuela invada o Brasil,com certeza os EUA nos… Read more »

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

Eu mais bem me referia à França.
Simplesmente quero dizer que os meios necessários para lutar e vencer uma guerra seja lá com quem seja, devem estar em prontidão nos estoques das FFAAS brasileiras, já bem antes do começo das hostilidades.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

Caro João está certíssimo.
Mas nossos oficiais trabalham com “arsenal virtual” e não há uma reserva de guerra seja de armamentos seja de recursos financeiros.
Não sabem que na hora que o pau quebra, é exatamente o equipamento feito em casa que faz a diferença.
Mas ao que parece, o mais importante é inflar a folha de pagamentos e choramingar por mais verbas salariais.
Até hoje estão na época em que o tamanho em números de pessoas define o poder de uma força militar.
Brasil é atrasado em tudo, doutrina, tecnologia, independência etc.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

Ai, ai, tava demorando…..

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Marcelo Andrade
2 meses atrás

A verdade é dura e amarga.
Aprenda a conviver com ela Marcelo !

CMitinga
CMitinga
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

Do outro lado Rússia e China provavelmente também apoiariam, daí não seria de estranhar chegarem alguns SU-35S “comprados” pela Venezuela rapidamente, com R-77-1 e R-37M, este com mais de 300 Km de alcance, o que ameaçaria seriamente nossos AWACS.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

“no mínimo os EUA nos dariam apoio com armamento inteligente”.

Maravilhoso mesmo ! Ficarmos esperando a caridade e o auxílio de um outro país para resolver nossos problemas em um hipotético conflito, e mostrar realmente que somos incompetentes,incapazes de nos defender de uma possível agressão externa.

Mendigar auxílio para mim seria pior do que perder…

Andre
Andre
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
2 meses atrás

Isso aconteceu com todos os países em toda história humana. Os núbias ajudaram os romanos contra Cartago. Os ingleses ajudaram os franceses na guerra dos 30 anos. Os soviéticos ajudaram os alemães e depois os americanos ajudaram os soviéticos na segunda guerra. Os soviéticos ajudaram os coreanos. Os americanos ajudaram Israel….e por ai vai.

Rodrigo M
Rodrigo M
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

Isso se chama politica. Além do histórico relacionamento USA x UK como aliados quase carnais, soma-se a trapalhada argentina o fato de um desgoverno de ditadura militar com viés populista e já desacreditado, em uma aposta furada. Não era de se esperar nada de diferente do tio Sam. . É preciso entender a volatilidade do contexto politico em cada situação, especialmente nesses países nos quais os governantes não seguem uma politica contínua de Estado mas sim de partidos e não conseguem enxergar um palmo a frente que não seja algo relacionado aos seus próprios interesse pessoais, o resultado nas relações… Read more »

Antunes Neto
Antunes Neto
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

Eu acredito que os EUA nos ajudariam sim.

Iam deixar de aproveitar de invadir país rico em Petroleo… Que invadiu país amigo?
.
Acho que não.

Andre
Andre
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

Acho que é situação muito diferente de uma hipotética guerra entre Brasil e Venezuela e da guerra das Malvinas. A Argentina era o agressor contra o maior aliado histórico dos EUA. O Brasil estaria em guerra contra um país subserviente à Rússia.

Poderíamos também pedir ajuda ao nosso fornecedor dos derby. Israel tem muita experiência em atacar territórios protegidos pelos mesmos sistemas aa.

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Andre
2 meses atrás

Aqui está a dura verdade, sem política nem ufanismo. O Brasil simplesmente não tem as menores condições de entrar em guerra contra a Venezuela. Mesmo que debochem, os sistemas anti aéreos estão muito além de alguma ameaça que a FAB poderia apresentar. E até que o Gripen chegue em números suficientes, eles também possuem a superioridade aérea. E a população venezuelana apoia firmemente o regime, mesmo que existam dissidentes. E para terminar o jogo, a economia do Brasil anda a um passo do colapso total. A condição sócio econômica do pais é muito frágil. Inclusive já houveram reuniões entre a… Read more »

Andre
Andre
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

Eu acho que este foram conecta dois universos paralelos e nós dois vivemos um universos muito parecidos mas com algumas diferenças.

Você está falando em economia do Brasil a um passo do colapso total, da condição sócio econômica em comparação com a Venezuela? No seu universo, os venezuelanos não fugiram às dezenas de milhares, a pé, para os países vizinhos? Ai no seu, não virou noticia a falta de papel higiênico na Venezuela?

E imagino que ai, uma guerra é definida apenas entre armas aéreas e armas anti aéreas. Aqui no nosso, nem aviões e nem aa ganham guerras sozinhas.

Sequim
Sequim
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

Pois é, João. Os argentinos contavam com os satélites dos EUA para ajudar a localizar a frota da Royal Navy e na “hora h” , o Pentágono desligou os equipamentos e deixou a Argentina na mão. A guerra das Malvinas/Falklands ensinou muitas lições.

Ersn
Ersn
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

Adicionando que mesmo armamento inteligente prescisa de treino e capacitação para uso,somente se nossos armeiros,técnicos e pilotos de ataque já estivessem acostumados a utilizar armamento inteligente norte americano isso seria possivel,sem falar na integração nas aeronaves

Daniel Ricardo Alves
Daniel Ricardo Alves
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

Ora, meu amigo . . . Você não quer comparar a Inglaterra que era e é, um aliado da OTAN (além de toda a ligação historica entre os dois paises) com a Venezuela que é aliada dos chineses e russos, né? Fora o fato que os americanos já colocaram a Venezuela sob uma série de sanções. Eu não tenho duvidas nenhuma, que se o negocio ficar feio, os dois lados vão apoiar os seus respectivos aliados.

Francisco Vieira
Francisco Vieira
Reply to  Pedro Rocha
2 meses atrás

Prezado Pedro, ao contarmos com os Estados Unidos nesse teatro, a finalidade da simulação perde o sentido.
Abraços.

Ted
Ted
Reply to  Pedro Rocha
2 meses atrás

Entrar numa guerra contando com alguém para nos defender? VC tá doido. Sera que algum parente seu vai pra linha de frente com um fuzil.

Xerem
Xerem
Reply to  Pedro Rocha
2 meses atrás

Esquece os EUA cara po voces adoram ser colonia hein

Paulo Siqueira
Paulo Siqueira
Reply to  Xerem
2 meses atrás

Bom seria se continuássemos satélite de Cuba!!!

JORGE PETROLA FERREIRA
JORGE PETROLA FERREIRA
Reply to  Pedro Rocha
2 meses atrás

Possui S-300 Comandante. Que já é uma arma fora de série.
A disuasão deles é com os EUA.

FighterBR
FighterBR
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Acho que é o S-300. A Venezuela não comprou o S-400.

Tutu
Reply to  FighterBR
2 meses atrás

São três sistemas S-300VM.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Rinaldo Nery, me esclareça uma dúvida por gentileza :

Bem, não entendo de mísseis e sua funcionalidade, mas ao ser lançando do f-5, o derby apesar de seu próprio radar de guiamento ele poderia ser guiado pelo radar da aeronave E-99 AEW&C ,sendo assim ampliada sua “visão” ou não funciona assim?

será que os E-99 não poderiam usar mísseis?
os ERJ-145 indianos usam mísseis não é?

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
2 meses atrás

“Será que os E-99 não poderiam usar mísseis?
os ERJ-145 indianos usam mísseis não é?”
Nunca vi um AWACS armado. Para mim não faz sentido.
Minha dúvida é se o E-99M, com o Link BR-2, poderia lockar o alvo e o caça com radar off conseguir engajar bem cedo com um míssil mais longo. Aí sim os Flankers só veriam a ameaça pelo MAWS, quando já estariam a poucos segundos de serem abatidos. 

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  GFC_RJ
2 meses atrás

Exato.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Há muito tempo havia visto uma Imagem do ERJ-145,um imagem publicitária da aeronave com misseis,e se não me engano era da aeronave indiana,como não conheço nada sobre a aeronave deles,eis a razão da minha pergunta,vai que a de lá tinha e eu não sabia…

Fora que veio a lembrança de um Dassault 50 armado com exocets e um dassault falcon com mísseis G-FRAW

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
2 meses atrás

Era um conceito da versão de patrulha marítima. Que eu saiba o único comprador foi o México e o deles não é armado.

DanielJr
DanielJr
Reply to  GFC_RJ
2 meses atrás

Acredito que não exista AWACS com mísseis, não faz sentido. Não temos nada com mais alcance do que o Derby, e o SU-30 detectaram os F-5 pelo IRST segundo o vídeo, então acredito que não seriam pegos totalmente desprevenidos.

Acho que na vida real os F-5 tentariam alguma tática um pouco diferente do que foi mostrado na simulação, não sei qual, para tentar ganhar vantagem na distância, lançar o máximo de Derby que der em uma “rodada” de disparos e depois dar um jeito de desengajar. Sem a surpresa do início do combate, as chances caem muito.

Salim
Salim
Reply to  DanielJr
2 meses atrás

F5 teria chance se fosse vetorado pelo E99 sem emissão radar, se misseis fossem também guiados pelo E99 . O E99 seria o game chante nesta batalha, porem náo temos F5 suficientes para envolver su30 . Ate o gripen na quantidade comprada teria uma batalha difícil. Lembrando que quando tivermos gripem operacional teremos movimentação destes paises e por ser compra por parte deles terão resposta bem mais rápida.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  DanielJr
2 meses atrás

“o SU-30 detectaram os F-5 pelo IRST segundo o vídeo, então acredito que não seriam pegos totalmente desprevenidos”. É por isso que precisa de um míssil mais longo, como o Meteor ou um AMRAAM, pois seria possível um fire and forget antes do alcance do radar e do IRST do oponente. Ocorrendo isso, o Flanker só vai notar o perigo no MAWS e pensar “fu…boom”! “lançar o máximo de Derby que der em uma “rodada” de disparos e depois dar um jeito de desengajar”. Não dá. Os Tigers carregam só 2 Derbys. Na simulação, o Sr. Galante deu uma molezinha… Read more »

DanielJr
DanielJr
Reply to  GFC_RJ
2 meses atrás

Concordo com você. Outra realidade é que não dá mais para os Tigers, estão irremediavelmente defasados.
No final desses combates todos, nós aqui iríamos falar coisas como “perdemos 15 caças, mas aqueles 3 que derrubamos foi por causa da manobra tal e tal”, igual fazem com alguns resultados em exercícios contra rafales e outros caças. Os nossos pilotos fazem uma tática diferente, pegam um ou dois em alguma vantagem que só ocorrerá uma vez, depois perdem 10 jatos quando o oponente aprende a novidade.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  GFC_RJ
2 meses atrás

obrigado GFC_RJ !

Tomcat
Tomcat
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Prezado Rinaldo Nery, e quando o MCT-300 estará operacional? Me parece que o desenvolvimento dos mísseis aqui no Brasil entraram em quarentena ano passado, pois faz muito tempo que nada se fala…

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Tomcat
2 meses atrás

Também não sei.

Salim
Salim
Reply to  Tomcat
2 meses atrás

Venezuela esta cogitando comprar misseis iranianos, ai complica bem cenário. Precisamos dar prioridade neste desenvolvimento e agilizar entrada operação full gripens e nova encomenda.

jef2019
jef2019
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Caramba? 5 para 1? achava algo em 4 para 2, mas então o cenário é pior ainda!!! preocupante!!!

JSilva
JSilva
Reply to  jef2019
2 meses atrás

Estamos falando de um dos aviões de combate mais bem sucedidos da Rússia, que forma sua espinha dorsal, projetado para combater o F-15, contra um caça de baixo custo que os Estados Unidos usaram para treinamento ou para exportar para países aliados de pouco orçamento…

E a simulação ainda foi camarada com 4 Derby para cada F-5, o que sabemos é que os nossos levam dois, não temos nenhuma persistência em combate (quantidade de armas e autonomia).

Aí é localizar (E-99), encontrar a melhor posição para lançar e desengajar o mais rápido possível.

Agnelo
Agnelo
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Prezado Cel Nery
Ainda há a possibilidade das Acoes Diretas de nossos Comandos e Indiretas de nossas Forças Especiais.
Além, claro, da Guerra Cibernética, no C2 deles, por exemplo.
Sds

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Agnelo
2 meses atrás

Sim. Usar tudo o que temos. E o que temos de melhor. Kid Preto!

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

O P3 não dispara aquele Harpoon para ataques terrestres ?

Peter nine nine
Peter nine nine
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
2 meses atrás

O p3 deverá ser capaz de disparar o harpoon… Desde que a FAB conte com eles, no entanto, são misseis anti navio, não de ataque ao solo.
Versões recentes deste míssil têm a capacidade de ataque ao solo, estando inclusive a serem integrados em diversos navios de marinhas OTAN, no entanto esta capacidade permite lhe apenas ser vectoado contra alvos fixos, eventualmente infraestrutura ou posições costeiras. O míssil não está de nenhuma forma especializado para o abate de alvos específicos terrestres, como AAs e/ou veículos.

Diogo Luiz Bizatto
Diogo Luiz Bizatto
2 meses atrás

Descaso com nossa soberania!
Uma vergonha um país como o nosso não possuir uma avião de caça avançado.

Last edited 2 meses atrás by Diogo Luiz Bizatto
Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Diogo Luiz Bizatto
2 meses atrás

Acho que o F-39 (que está caminho) vai resolver o problema…

Diogo Luiz Bizatto
Diogo Luiz Bizatto
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Verdade. Mesmo assim é um descaso.
Podemos dizer que estamos vulneráveis considerando a nossa força aérea atual?

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Diogo Luiz Bizatto
2 meses atrás

Diria que não estamos muito bem não. Mas treinamos para extrair do que temos o melhor desempenho. Por isso a realização do Exercício Tápio, em Campo Grande, que encerra amanhã.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Porém, fico extremamente ofendido quando certo comentarista teima em chamar a FAB de ¨aeroclube¨ em TODOS os posts dele, demonstrando TOTAL desconhecimento das ações da Força Aérea do país dele. Da Tápio nunca deve ter ouvido falar, tampouco das demais operações e exercícios (CRUZEX, Ágata etc.).

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Nestes casos, sugiro que ignore total. Não há o que se fazer contra haters.
Claramente o sujeito nunca viu um projeto na vida. Aliás, nunca sequer leu um livro decente em algum momento. Se perguntar o que acha de Douet ou de Seversky, vai responder que prefere beber gelado…

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Também acho, é um desrespeito total as nossas tripulações e ao nosso conhecimento.

Algo me diz que Eles teriam algumas surpresinhas.

Salim
Salim
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

A FAB sofre com falta material faz tempo, vivendo remendos e soluções meia boca como radar F5 e bvr derby ( pelo menos derby er ) o descaso com AMX também notório, ate o A1 marinha tem radar melhor. Alem da cúpula inflar tropa para justificar NR oficiais. Espero que Gripen e Meteor mude esta situação difícil dos valorosos combatentes FAB.

Carlos Eduardo Broglio Gasperin
Carlos Eduardo Broglio Gasperin
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Gostaria de parabenizar a Força Aérea Brasileira pois há muito tempo vem tirando leite de pedra. Nunca teve vida fácil. Extrair o máximo do equipamento e do piloto demanda muito estudo e treinamento. As pessoas deveriam se colocar no lugar dos pilotos, que têm muito mais chances de ir ao combate real e ter de confiar na doutrina e parar de achar que é piloto porque joga simulador 5h por dia.

Ted
Ted
Reply to  Diogo Luiz Bizatto
2 meses atrás

Descaso é diante de uma ameaça ter 70% da tropa na fronteira com a Argentina. Deve ser uma tática para preservar os soldados.

glasquis 7
Reply to  Ted
2 meses atrás

Antigamente a maior ameaça era a Argentina… Não faz tanto tempo assim, uns 30 a 35 anos.

Wilson Lobe Junior
Wilson Lobe Junior
Reply to  Ted
2 meses atrás

A maior ameaça ainda é a Argentina.

ted
ted
Reply to  Wilson Lobe Junior
2 meses atrás

Realmente! os exportadores tem que tomar cuidado com os calotes. É um perigo vender para a Argentina. Grande ameaça.

CMitinga
CMitinga
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Apostando que do outro lado vai/deve chegar SU-35S com R-77-1 e R-37M.
E pessoal, vamos considerar que do outro lado não tem bobo nem ninguém dormindo. Lá o pessoal também não gosta de morrer.

Salim
Salim
Reply to  CMitinga
2 meses atrás

Fora o risco que teremos se comprarem misseis iranianos.

Andre
Andre
Reply to  CMitinga
2 meses atrás

Eu topo essa aposta. Aposto r$1000 que o su35s não chega até 2035.

sergio ribamar ferreira
Reply to  Diogo Luiz Bizatto
2 meses atrás

Concordo com o Sr. Diogo Luiz

Maurício.
Maurício.
2 meses atrás

Sendo bem realista, um combate Su-30 x F-5 seria algo nesse estilo:comment image

alexandre
alexandre
2 meses atrás

não haveria combate, somente 2 SU 30 descolariam desarmados, a combinação alerta aereo antecipado, derrubaria os Su 30…

Heinz Guderian
Heinz Guderian
2 meses atrás

Calma, o matador de Sukhois já está chegando!

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Heinz Guderian
2 meses atrás

O primeiro está a caminho… de barco.

Flanker
Flanker
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

Não entendi a ironia com o “De barco”. Qual o problema de virem de navio???

marcogandolfi
marcogandolfi
Reply to  Flanker
2 meses atrás

eles são fiotão ainda não sabem voar sozinho

Rene Dos Reis
Rene Dos Reis
Reply to  marcogandolfi
2 meses atrás

Ri muito , boa.

Salim
Salim
Reply to  Flanker
2 meses atrás

O de barco reflete a falta de urgência verificada, visto que precisamos destes caças operacionais para nossa defesa aerea para ontem.

Flanker
Flanker
Reply to  Salim
2 meses atrás

Tu tá falando sério? Tem guerra no horizonte? Qual a diferença entre vir de navio ou voando? No nosso cenário atual, se vierem voando só vai servir para desgastar as aeronaves em um voo desnecessário! Se os primeiros a serem entregues, no ano que vem, tiverem sua entrega atrasada pelo transporte maritimo, aí talvez, quem sabe, pode ser, que possam reclamar pela “demora” do transporte “De barco”……caso contrário , é só reclamação sem o menor motivo….

Andre
Andre
Reply to  Flanker
2 meses atrás

Pessoal joga muito video game e não consegue entender que os recursos limitados devem ser usados conforme as ameaças e o tempo mostrou que a fab acertou perfeitamente em não correr de maneira afobada com o fx e o fx2. Os gripen estão chegando não tivemos nenhuma ameaça séria nesse período antes de sua chegada.

Salim
Salim
Reply to  Flanker
2 meses atrás

O translado aéreo em si já contribui para homologação e confiabilidade, estes 30 dias entre. Translado ,preparacao e reapronto para vôo traria cronograma homologação em um tempo reduzido. . No mercado civil tentamos ao maximo acelerar e reduzir entrada produto mercado, tempo a mais custa muito, neste caso teremos estrutura parada esperando avião, defesa igual seguro, só sente falta quando precisa. Guerra lagosta deterioro em menos de uma semana, com fragata francesa em nossa costa e forca naval capitaneada por porta aviões costa África. Brasil e rico e previdente RSS só agimos depois que entornou caldo. Falta disciplina e preparo… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Salim
2 meses atrás

Ok. Eu coloquei meu pensamento e vc colocou o seu. São pensamentos conflitantes.Ficamos assim. Ponto.

glasquis 7
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

Já foi explicado que é um protótipo e é mais seguro trazer de navio.

Operações como esta, em que muito está em jogo, não se corre riscos desnecessários. Se o caça, por algum infortúnio, se perdesse no mar, as possíveis ventas futuras do mesmo, se veriam seriamente afetadas.

Sagaz
Sagaz
Reply to  glasquis 7
2 meses atrás

Não adianta, deixa a choradeira… Pessoal gosta de novela, tem que ter drama. O blog tem que ter a opção de desenhar, colocar música, afinal escrevendo eles jamais entenderão.

Heinz Guderian
Heinz Guderian
Reply to  Joao Moita Jr
2 meses atrás

Claro, vem novinho em folha.

Mauro
Mauro
2 meses atrás

Seria interessante simular com o uso dos E-99, já com novo radar modernizado. Na real seria essa a configuração. Se o alcance do novo radar for de mais de 700 Km, o F-5M terá uma capacidade situacional bem maior. Não foi a toa que o exército já levou duas vezes o Astros para a fronteira norte, sair de Brasília e ir até o norte não foi sem motivos. Basta localizar a bateria dos S-300 e regular o AV-MTC naquela posição, não tem erro. Lembrando que os S-300 não ficarão 24 horas em alerta, é nessa hora que seria o ataque,… Read more »

Ted
Ted
Reply to  Mauro
2 meses atrás

O AV300 não está operacional ainda

glasquis 7
Reply to  Ted
2 meses atrás

Pois é.

Mauro Cambuquira
2 meses atrás

Bela simulação, isso deve mudar vários pensamentos aqui. E o Coronel Nery conhece bem o cenário.
Muito esclarecedor. Espero que em uma eventual realidade, que desejamos que nunca aconteça, estejamos em situação diferente.
Parabéns a Trilogia!

Tomcat4,2
Tomcat4,2
2 meses atrás

Sinceramente ainda creio que a combinação F-5 EM + E-99 sairia vitoriosa numa situação desta mas, estamos a meses se começarmos a voar os Gripen’s E(não entra na conta o primeiro Gripen E que já está vindo, apenas os de produção que começam a ser entregues ano que vem ) e aí a supremacia aérea será ,em absoluto, nossa.

Flanker
Flanker
Reply to  Tomcat4,2
2 meses atrás

Esse que está vindo é de produção…o 1⁰. Assim que encerraram os testes vai ser colocado no mesmo nível de hardware e software dos outros e entregue ao setor operacional.

ted
ted
Reply to  Flanker
2 meses atrás

Exatamente! só falta 35

Gabriel
Gabriel
2 meses atrás

A simulação, me parece, considera as “condições ideias” dos aviões e mísseis, além de um provavel nivelamento na qualidade dos pilotos.

Pelas informações gerais da Venezuela, essas questões lá estão longe das ideais.

Bille
Bille
Reply to  Gabriel
2 meses atrás

É que, nesse caso, os SU30 utilizam “magia” para não ver seu inimigo e lançam seus mísseis utilizando os conhecimentos de antigos xamãs que sobrevivem na parte mais alta de salto Angel, sobre manejo das condições climáticas para amplificação do alcance radar utilizando manipulação da unidade do ar atmosférico nos FL350… os pilotos recebem conhecimentos de divindades, juntando isso tudo da esse resultado aí.

O Sr deve ser um grande planejador pelo “aparente” conhecimento. Parabéns jovem, o MD te espera. És poliglota: falas português e muitas outras m3rd4s.

Sagaz
Sagaz
Reply to  Bille
2 meses atrás

O que que o colega falou demais para tanto alarde? Aquele país que sucumbe diante da miséria, com forças armadas especialistas em surrar civis, contrabandear, traficar, etc… Deve amar muito aquele país para ter ficado tão ofendido.

Fabio Roberto
Fabio Roberto
2 meses atrás

Parabéns Galante, que venha mais videos desse estilo, com esse simulador é possível simular também confrontos terrestres e navais?

Rene Dos Reis
Rene Dos Reis
Reply to  Alexandre Galante
2 meses atrás

Ai ai ai já comecei a viajar aqui.

Salim
Salim
Reply to  Alexandre Galante
2 meses atrás

Muito bom.

Luís Henrique
Luís Henrique
2 meses atrás

Sim. É um absurdo os governos brasileiros terem demorado tanto tempo para estabelecer uma superioridade tecnológico para a FAB diante de vizinhos bem menores.

Desde 2006 a Venezuela possui esta vantagem com os Sukhoi.
E o Chile adquiriu F-16 novos em 2002.

Bem, a Venezuela recebeu F-16 em 1983. Então faz quase 40 anos que estamos atrás dos vizinhos em caças. Uma verdadeira vergonha.

Mauro
Mauro
Reply to  Luís Henrique
2 meses atrás

F-16 do Chile estão anos luz do Gripen. Brasil vai fabricar, Chile comprou alguns da Holanda já obsoletos e muito baratos, mais baratos que um A-29, e alguns novos em menor quantidade, não é tudo isso. Hoje não tem aviar AEW com os E-99. Venezuela comprou há muito tempo alguns F-16, na época eram altamente modernos, tem a ver com o petróleo que exportavam para os EUA e servia como compensação comercial. É duvidoso que tenham capacidade plena de combate de seus Su-30. Segundo alguns militares venezuelanos, suspeita-se que estes aviões eram usados e foram vendidos como novos. O Gripen… Read more »

Glasquis7
Reply to  Mauro
2 meses atrás

F-16 do Chile estão anos luz do Gripen.”

Qual diferença que os faz tão distantes se são caças 4.0 (o 16) e 4.5 (o Gripen E)?

rui mendes
rui mendes
Reply to  Mauro
2 meses atrás

Percebes TT de material militar … que até dá dó.
Há muito tempo, eu tinha dito, que comparar o SU 30 com o F5 MLU Brasileiro, era piada, mais os F16 Chileno comprados da Holanda, eram F16MLU , acho que tinham a versão M5 do MLU, que todos os F16 na Europa tinham, junto com os F16 dos EUA na Europa, pois são modernizados de maneira igual, por causa da NATO, essa versão, na altura, era comparada aos F16 blq 50.
Acho que actualmente, já vexiste a MLU versão M5.5

Glasquis7
Reply to  rui mendes
2 meses atrás

Os F16 MLU FACh são compatíveis com os utilizados na Europa. Todos são TAPE IV Os Block 50 são um pouco acima.

Acho que a FACh se daria melhor. Ainda mais se for com apoio do Condor que possui uma boa suíte de guerra eletrônica.

Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
Reply to  Mauro
2 meses atrás

O sistema anti colisão já é usado a um bom tempo!
Não é exclusividade do Gripen-E.
Lembro da matéria da RFA onde o coronel Silvio Potengy vôo no Mig 29, o sistema que em russo significava “botão de pânico” o mesmo(coronel Potengy) fez advertência que pilotos não entram em pânico!
Acidentes podem ocorrer com qualquer caça. Inclusive com o Gripen-E, não há como tu afirmar está tua tese, SOBRE acidente.

Charles
Charles
Reply to  Luís Henrique
2 meses atrás

Luís, só para reforçar teus comentários e lembrar que a Venezuela sempre esteve a frente do Brasil em termos de aviões de combate, possuindo o F-16, bronco e tal

Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
Reply to  Charles
2 meses atrás

Charles.
A Venezuela na frente do Brasil, na mesma época que os aviões precisava estar as 12 horas para disparar seus mísseis.

Imagina-se, a fonia forte de desespero em espanhol
_”aeronave inimiga brasileira as 6horas”!

As nesta época, foi é ruim estár na frente!
.

filipe
filipe
2 meses atrás

Os Sukhois 30 são muito superiores aos F-5M, porém com uma boa tática e electrónca é possível equilibrar esse duelo, dai a razão da FAB ir para os Gripens NG, os combates BVR são os mais adequados para o uso dessas aeronaves… Mas nunca subestime o treinamento e a experiência de um piloto de caça.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Bom, até chegar os novos aviões e combinando com os aviões de alertas antecipados, sempre seremos fregueses dos Su-30 e defesa antiaérea venezuelana.

Glasquis7
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Não há muita tática quando um R 77 te persegue.

Pablo Astorga
Pablo Astorga
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

Para un F-16 obsoleto de Chile sí, no tiene ninguna posibilidad de escapar, pero para un Gripen E con toda su suite EW y sistemas de autodefensa, es mucho más difícil.

Glasquis7
Reply to  Pablo Astorga
2 meses atrás

Para un F-16 obsoleto de Chile sí, no tiene ninguna posibilidad de escapar,”

Não pode faltar quem procura briga gratuita e tenta menosprezar sem ter ideia do que está postando.

Não postei ao senhor e tenha o mínimo de educação de postar em português.

Em respeito aos demais foristas.

Alex Faulhaber
Alex Faulhaber
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

O rapaz só fez um comentário e sem faltar respeito e a mim não incomoda que escreva em espanhol.

Ted
Ted
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

Qual o alcance de um R 77?

glasquis 7
Reply to  Ted
2 meses atrás

Em condições ideais, acho que 140 a 148 km. Não lembro bem mas sei que não atingem os 150 km.

DSC
DSC
Reply to  glasquis 7
2 meses atrás

Em condições ideais, o alcance máximo do R-77/RVV-AE (a versão original) é de cerca de 100km 🙂comment image

Last edited 2 meses atrás by DSC
Glasquis
Reply to  DSC
2 meses atrás

Tenho a impressão de que o alcance já foi ampliado.

JuggerBR
JuggerBR
2 meses atrás

É bem hipotetico, afinal eles não tem REVO pra atravessar a selva e vir aqui, nem nós temos motivos pra ir até lá.

Ted
Ted
Reply to  JuggerBR
2 meses atrás

Revo? Sabes o alcance de um Su30. Cindacta 4 já era.

glasquis 7
Reply to  Ted
2 meses atrás

Se não me engano, o SU 30 MKII, tem um raio de ação de 3.000 km.
Saindo ,de La Esmeralda, conseguiriam cobrir os Céus de Roraima e o Amazonas. Se conseguissem estabelecer bases mais próximas à fronteira, conseguiriam aumentar um pouco esse raio.

Isso em teoria.

bjj
bjj
Reply to  glasquis 7
2 meses atrás

Na verdade esse é o alcance máximo sem reabastecimento. O raio de combate é um valor difícil de saber porque depende da configuração do avião, altitude de voo, velocidade, etc.., mas segundo o ausairpower o raio de combate do SU-30 fica entre 700 e 1000 mn (1300 e 1850 km,respectivamente).

Alexandre Fontoura
Alexandre Fontoura
Reply to  bjj
2 meses atrás

Não chega a 1300km, não.

Alexandre Fontoura
Alexandre Fontoura
Reply to  glasquis 7
2 meses atrás

Isso não é raio de ação, mas alcance de traslado, sem armas e com máximo de combustível. Não sei o raio de combate ar-ar do Su-30, mas o do Su-35, segundo o seu fabricante (Knaapo), é de cerca de 1.100 km Hi-Hi-Hi.

Glasquis7
Reply to  Alexandre Fontoura
2 meses atrás

o SU 30 MKII, tem um raio de ação de 3.000 km.”

Me referia ao alcance. Veja que postei:

” Saindo ,de La Esmeralda, conseguiriam cobrir os Céus de Roraima e o Amazonas.”

Isso dá 1.200 km. Dá pra vir, lutar e retornar com tranquilidade. Meça o mapa e verá que estou certo.

Last edited 2 meses atrás by Glasquis7
Flanker
Flanker
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

Raio de ação é o mesmo que o raio de um círculo. É a distância máxima que a aeronave pode percorrer com determinada configuração de combate e poder retornar. Digamos que com x bombas e mísseis, a aeronave possa voar um total de 1000 km com o combustível carregado. Nesse caso, se a aeronave irá decolar e pousar na mesma base, o raio de ação é de 500 km.

glasquis 7
Reply to  Flanker
2 meses atrás

Eu usei o termo errado. Mas se calcular a rota desde La Esmeralda, vai ver que está dentro do raio.

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  Ted
2 meses atrás

Claro, todos ficariam olhando bovinamente o Cindacta 4 ser destruído. Sei. Menos colega. Bem menos.

glasquis 7
Reply to  Luiz Antonio
2 meses atrás

Mas, vai contrarrestar o ataque deles com o que, Guepard, Igla?

Ted
Ted
Reply to  Luiz Antonio
2 meses atrás

É verdade! Temos iglá e rbs 70. Sem falar nos poderosos f5. Tenho até pena dos SU30

Alexandre Fontoura
Alexandre Fontoura
Reply to  Ted
2 meses atrás

Su -30 cai no meio do caminho por pane seca. Uma missão de ataque seria somente num sentido, sem retorno. O raio de combate, hi-lo-hi, é de pouco mais de 800km, com 4ton de carga bélica, para poder levar o máximo de combustível.

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  Alexandre Fontoura
2 meses atrás

muitos não fazem cálculos. Tem que explicar.

Johnny
Johnny
2 meses atrás

Considerando que a Venezuela tem 22 SU-30 e o Brasil mais de 50 F-5, acredito que a simulação mais adequada fôsse um número maior de F-5 contra os caças venezuelanos, embora os F-16 bolivarianos ainda estejam operacionais, não sabemos quantos.

joel eduardo soares
joel eduardo soares
Reply to  Alexandre Galante
2 meses atrás

Boa tarde, já que é no campo imaginário a sugestão é de 6 gripen apoiando os f5BR.
Abraço!

MFB
MFB
Reply to  Alexandre Galante
2 meses atrás

Mas quantos SU estão em condições de voo lá kings?

JSilva
JSilva
Reply to  Alexandre Galante
2 meses atrás

Galante, um cenário com uma ou duas esquadrilhas de A-1M, escoltadas por F-5M e/ou Gripen, contra um alvo na Venezuela.

O banco de dados do jogo já possui o A-1M e Gripen E?

Salim
Salim
Reply to  Alexandre Galante
2 meses atrás

Teria que levar em consideração os que estão operacionais, ai ficaria mais equilibrado.

Caio Cipriano
Caio Cipriano
Reply to  Alexandre Galante
2 meses atrás

Mas depois da simulação ficou claro que p enfrentar eles ou é “independence day” (mandando um numero bem maior que os deles) ou é “fuga das galinhas”. Meio termo (em igualdade numérica) é “esquadrão suicida” hahaha

Flanker
Flanker
Reply to  Johnny
2 meses atrás

A FAB não tem “mais de 50 F-5″…..são 43 EM e 5 FM…..48 aeronaves.

Charles
Charles
Reply to  Flanker
2 meses atrás

Seria um suicídio estratégico, mas numa simulação tudo vale. Pergunta? A FAB faz esses tipos de simulações

Ted
Ted
Reply to  Charles
2 meses atrás

A FAB tem um simulador em Brasília. Tipo jogos de guerra numa tela gigante

Johnny
Johnny
Reply to  Flanker
2 meses atrás

Nesse caso, o dobro de tigers contra os quatro sukois, mas, pelo visto, não rola não. Pode torturar a simulação da forma que for. Resta mesmo aguardar o longo tempo até a chegada de um bom número de gripen.

MCruel
MCruel
2 meses atrás

Parabéns pela simulação. Assisti até o final? Não.. .minha raiva com tanto tempo de descaso com as coisas sérias no nosso Brasil não permitiu..

Carlos Eduardo Broglio Gasperin
Carlos Eduardo Broglio Gasperin
Reply to  MCruel
2 meses atrás

Ficou com raiva de tantos Derby despistados??? Kkkkkkkk cómo eu.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
2 meses atrás

Em uma parte do vídeo, alguns mísseis derby perderam o alvo devido a contramedidas dos sukhoi, provavelmente contra medidas eletrônicas.

Uma pergunta de um simples leigo: Se nossas aeronaves f-5 são desprovidos de tais meios, algo que só veremos nos F-39 Gripen, existem também meios de contramedidas eletrônicas baseadas em terra?

Gabriel
Gabriel
2 meses atrás

Senhores, muita calma, por favor. Nem 8 e nem 80. A simulação feita comprova, como a grande maioria já sabia, que o SU-30 é superior ao F-5M e vida que segue (isso considerando que os SU-30 da Venezuela estão minimamente operacionais e os misseis já recebidos ainda válidos). Com a inevitável chegada do Gripen E o cenário vai mudar rapidamente. Porém a realidade atual na região é bem diferente da vista na simulação. A preocupação “hoje” em relação a Venezuela não são seus SU-30 ou S-300, mas sim como acolher os venezuelanos que entram no Brasil por Roraima. O “cenário… Read more »

DanielJr
DanielJr
Reply to  Gabriel
2 meses atrás

Você tem razão, não estamos no caminho de lutar contra os Venezuelanos, mas ajudá-los através da Acolhida e isso não torna imoral a realização dessas simulações, elas apenas mostram possibilidades teóricas para debates como ocorrem aqui. Eu vejo que a maioria do pessoal que participa do fórum também não querem que o Brasil guerreie contra a Venezuela, mas mesmo assim discutimos o assunto como grupos que gostam de outras coisas também fazem pela internet. Se os argentinos forem realmente a falência, provavelmente o Brasil irá ajudá-los de alguma forma e isso também não é motivo para não ter uma simulação… Read more »

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  DanielJr
2 meses atrás

“Você tem razão, não estamos no caminho de lutar contra os Venezuelanos, mas ajudá-los através da Acolhida”. 

Prefiro operação contenção ! Não deixar nenhum passar pela fronteira,acho que já recebemos nossa cota de venezuelanos,não somos o celeiro do mundo.

Ted
Ted
Reply to  Gabriel
2 meses atrás

Quem te falou que os Su30 estão inoperante?

glasquis 7
Reply to  Ted
2 meses atrás

Conjecturas. Menosprezar o inimigo é o primeiro passo pra derrota.

Alexandre Fontoura
Alexandre Fontoura
Reply to  Ted
2 meses atrás

E quem te disse que todos estão operantes?

Glasquis7
Reply to  Alexandre Fontoura
2 meses atrás

Mas quando vc vai pra uma guerra, deve partir do pressuposto que o seu inimigo está 100% equipado pra não ter surpresas.

Tomcat4,2
Tomcat4,2
Reply to  Gabriel
2 meses atrás

Excelente Gabriel !!!

Bille
Bille
Reply to  Gabriel
2 meses atrás

Colocar como conjectura uma informação inverídica complica a analise.

Se tens informações 100% “confiáveis” de que os SU30 estão com pouca manutenção e degradados, está desprezando os mercenários russos que aportaram naquele país há pouco tempo. E ainda despreza o fato de poderem ser operados por mercenários russos (no desespero do regime, basta pagar).

Ou “aparentemente” tens mais informação que o MD (ou CIE, ABIN, etc…)

Ou pode ser sabedoria xamânica.

karlyson
karlyson
2 meses atrás

Já simulou os F-5BR com algum pod de guerra eletrônica? Ou junto com algum avião de guerra eletrônica?

Foxtrot
Foxtrot
2 meses atrás

Só simulação mesmo, ávida Real é completamente diferente. Nossos F-5 perdem em manobrabilidade, raio de ação, carga de armamento, camuflagem IR etc etc etc. Os R-77 não são facilmente enganados assim como prega a simulação. As poucas vantagens de vitória dos F-5 seriam em combates Dog fight com canhões e mísseis. Aí teríamos ótimas vantagens pois acredito na capacidade técnica de nossos pilotos e nas capacidades do A-darter, porém aí encontra-se outro problema, a FAB postergou a compra dos A-Darter. Outra vantagem teríamos com os MAR-01 abatendo os radares das baterias Venezuelanas, após isso ataque massivo com os MT-300 e… Read more »

glasquis 7
Reply to  Foxtrot
2 meses atrás

após isso ataque massivo com os MT-300″

Mas nesse caso, a Venezuela poderia neutralizar o Ataque de MT 300 com misseis Kh-555

Capa Preta
Capa Preta
2 meses atrás

A única chance dos F,5 , seria a operação conjunta com os R99.

O jogo vira com a operação Griphen- Reven essa,R99, meteor…com isso osa sukois gigantes brilhando igual uma árvore de natal nós radares não vão nem ver de onde veio o golpe

bjj
bjj
2 meses atrás

Parece que o que desequilibrou o combate não foi necessariamente o alcance dos mísseis e dos radares, nem o desempenho de voo, mas sim a efetividade dos mísseis. O Derby foi enganado com muita facilidade e teve uma taxa de acerto muito baixa. Se fosse um pouco mais resistente aos sistemas de despistamento, poderíamos ter pelo menos igualado o número aviões destruídos..

GFC_RJ
GFC_RJ
2 meses atrás

O principal problema no nosso lado foi que os R-77 são muito superiores aos Derbys. Para chegar a distância de engajamento necessária nos Derbys, os Flankers já tinham identificado e disparado contra os F-5, mesmo com guardião já passando o cenário aos Tigers antecipadamente. Para piorar, as contra-medidas dos Flankers tiraram muita onda com os Derbys… foi uma lavada. Também, o payload dos Flankers é uma covardia com os Tigers. O editor ainda deu uma canja, equipando os F-5 com 4 Derbys, coisa que eu nunca vi. Em terceiro, os radares curtos dos Tigers para engajar os Flankers complicaram ainda… Read more »

Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
Reply to  GFC_RJ
2 meses atrás

No simulador não pode abater ganhando dos Flankers!
Más na Cruzex, aonde os caças voam de verdade, conseguiu “abates” sobre F-15 e até Rafale!
Que coisa não???

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Marcelo Silveira 75
2 meses atrás

Nunca teve F-15 nas CRUZEX.

Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Rafale na Cruzex.
F15 na Red Flag

O importante é que houve abates de F-15, pelo f-5M!

Glasquis7
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Daqui a pouco vão dizer que derrubaram Raptores.

Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

Muito irônico da sua parte Glasquis 7.

Pensamento pra refletir:
“Chileno só conhece asa, porque vive no sovaco argentino”!

horatio nelson
horatio nelson
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

kkkkkk

bjj
bjj
2 meses atrás

Inclusive é curioso o fato dos Derby terem tido um desempenho aparentemente melhor contra os Rafales franceses, sendo que os Rafales possuem menor RCS e melhor sistema de guerra eletrônica em comparação com os SU-30 venezuelanos.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
2 meses atrás

Os F-5M são muitos inferiores aos SU-30, mas a FAB tem uns pod’s de guerra eletrônica para os A-1M, os F-5M podem usar esses POD’s? E usando eles poderiam ter uma melhor chance de evitar o R-77?

Fabio Araujo
Fabio Araujo
2 meses atrás

Eu gostaria de ver os SU-30 contra os Kfir C-10 colombianos armados com o I-Derby!

Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
2 meses atrás

Olá Alexandre Galante. Talvez há algumas ponderações como bem citastes, de o simulador não estiver atualizado. É inigualável comparações no que se A superioridade dos aviões Sukhoi SU-30 vs F-5 M. Más a TÁTICA apresentada no simulador é até grosseria quando comparado num cenário real hipotético.. 1°- O R-99 o detectou o inimigo antes e o f-5M não fez o uso de táticas eficiente! Porém na Cruzex já “abateu” Mirage 2000, F16, F-15 e até Rafale! No simulador não pode? 2°- O ECM(Contra medidas eletrônica) do F-5M não atuaram a contento? Uso do Sky Shield é só pra uso de… Read more »

Glasquis7
Reply to  Marcelo Silveira 75
2 meses atrás

Porém na Cruzex já “abateu” Mirage 2000, F16, F-15 e até Rafale! “

poderia postar a fonte desses abates pra analisarmos os dados?

Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

Postei errado F-15.
O F-15 foi na Red Flag em 2008.
Os demais na Cruzex.
Porém não foge à temática, que foram “abatido” pelo F-5M.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Marcelo Silveira 75
2 meses atrás

O F-5 é o que temos, e modernizá-lo foi a melhor opção antes da chegada de uma nova aeronave (F-39). Já imaginou o resultado se fosse o modelo antigo? A guerra é a administração das incertezas, e muita coisa acontece num combate. Eu quero um Porsche que vi numa loja aqui em Indaiatuba, mas meu salário só paga a minha Captur. O que posso fazer?

Glasquis7
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Grande parte dos operadores de F5 os tem modernizado pois são Caças Táticos Supersónicos que operam a custos muito abaixo dos caças empregados na atualidade e permitem manter a doutrina.

Acho que tanto os F5 BR quanto os F5 TIII seguirão operativos até 2030.

É um caça no final da sua história mas, na nossa região, apenas Peru, Venezuela e Colômbia tem caças superiores.

Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

Precisa de mais?

glasquis 7
Reply to  Marcelo Silveira 75
2 meses atrás

Como assim? não entendi a sua pergunta, precisa de mais o que?

Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
Reply to  glasquis 7
2 meses atrás

“Apenas Peru, Venezuela e Colômbia”

Precisa de mais países?

Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Valeu Coronel Rinado Nery.
Concordo com o Sr, e, estou tentando entender..
Porém é difícil aceitar a justificativa do simulador dando a vitória aos venezuelanos!rsrsrsrs.

E aquela “estórias” do valor humano!
O simulador levou em conta,a qualidade atrás do manche?
Era pilotos russos operando no Sukhoi venezuelanos?

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Marcelo Silveira 75
2 meses atrás

A qualidade do piloto e do seu treinamento faz diferença, sim. Mas, precisamos ter cuidado em simplesmente desmerecer os venezuelanos. Assim como pilotos de qualquer país sul americano. Não tive boa impressão dos venezuelanos nas CRUZEX e na VENBRA em que participei, mas isso foi antes dos SU-30. Acho que não ficaram parados no tempo.

Salim
Salim
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

No passado recente Iraque acreditou que forca aérea iraniana.estava inoperante apos revolução e fuga pilotos e sem suporte USA. O que vimos foi Ira dar surra no Iraque com os f14 e f4 e também f5.

Alexandre Fontoura
Alexandre Fontoura
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Mas também não devem ter avançado muito, cel. Lembro de ter lido uma notícia no site da FAMBV comemorando os 8 anos de emprego dos Su-30 que, na ocasião, os 23 aviões disponíveis haviam completado, no período, 6.800 h de voo. Acho difícil que os pilotos deles tenham um excelente nível de treinamento, com cada aeronave voando menos de 50h/ano…

Glasquis7
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Desculpe, eu tenho entendido que a FAV tem sim uma série de limitações tanto na sua organização quanto na sua logística mas, será que os pilotos entram nesse pacote?

Pergunto por que considero que os pilotos de aeronaves uma elite dentro das FA’s e os pilotos de caça, uma elite dentro da elite.

Desde este ponto, acredito que deve haver na Venezuela um grupo de 100 caras capacitados para pilotar com grande efetividade os SU. Se os caças vão estar 100% em condições bom, aí já é outro problema.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Marcelo Silveira 75
2 meses atrás

Os F-5 são caças leves da década de 60, derivados de um Treinador a jato. A modernização trouxe sua eletrônica embarcada para a década de 90, com radar mais moderno e um missil bvr com radar ativo. Porém devido às limitações do caça o radar é pequeno e não se compara a radares instalados em caças maiores em termos de alcance de detecção e os misseis não são os mais modernos e possuem alcance Inferior à maioria dos outros BVR. Os Su-30 foram fabricados após 2006. Derivam do Su-27 que é um caça pesado de superioridade aérea da década de… Read more »

Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
Reply to  Luís Henrique
2 meses atrás

Luís Henrique. A M2 Browning .50 é de criação de 1918 e faz ainda muito estragos, uma das melhores pistola a Colt 1911 é base de muitos exército ainda hoje, B52 é tão antigo quanto o F-5. O SISTEMAS embarcado evoluiu infinitamente mais rápido que a parte física, mas isso não quer dizer que o aparelho não seja ainda capaz de certas atribuições! O f-16 é da década de 70 sua base, más evoluiu, e está igualmente mortal! Porque? Por que o sistema é atualizado e sua forma física refeita “rejuvenesce”. É apenas uma máquina, podendo ser modificada estruturalmente, nada… Read more »

Glasquis7
Reply to  Marcelo Silveira 75
2 meses atrás

Não se comparam metralhadoras com caças,

tecnologicamente não há como apoiar uma comparação como essa.

Se seguirmos essa linha de raciocínio, uma boa pedrada na cabeça também faz muito estrago e as pedras foram criadas antes do planeta existir.

O F5 BR ainda é um caça de respeito no contexto no qual se encontra inserido, salvo algumas exceções, como mencionei antes, MIG 29 do Peru, SU da Venezuela, IAI Kfir da Colômbia. Com a chegada do JAS 39 E deverá encontrar seu valor como caça da segunda linha de defesa

Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

A comparação é como uma parábola:.
Não é por ser feito no tempos atrás que ainda não funciona., não se adequa.

glasquis 7
Reply to  Marcelo Silveira 75
2 meses atrás

Nisso vc está certo.

Alexandre Fontoura
Alexandre Fontoura
Reply to  Luís Henrique
2 meses atrás

Os F-5 dos anos 60 eram os do modelo A/B. Nem radar tinham. Os F-5E/F são da década de 70. No mais, concordo.

Flanker
Flanker
Reply to  Marcelo Silveira 75
2 meses atrás

1. F-15 só na Red Flag 2008 2. Os Sky Shield operam com os A-1. 3 e 4. Os pilones certificados para operar o Derby no F-5 são os externos das asas. Para o F-5, levar 2 Python 4 e 2 Derby, mais o tanque no centerline, já está no limite. Não limite de peso, mas limite aerodinâmico, pois os Derby provocam bastante arrasto, prejudicando a manobrabilidade. 4 Derby seriam demais. Quanto à serventia dos F-5M: colocou a FAB em contato com tecnologias de geração, como HMD e introduziu a FAB na arena BVR, em conjunto com os F-2000. O… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Flanker
Glasquis7
Reply to  Flanker
2 meses atrás

Dúvida,

F-15 só na Red Flag 2008″

Nessa época já operavam os Derby?

Flanker
Flanker
Reply to  Glasquis7
2 meses atrás

Os Derby foram adquiridos em 2006. Na Red Flag 2008 os F-5M usavam os cabides do Derby, que tem capacidade de simular o próprio míssil. Então, acredito que tenham sido usados naquela operação, sim.

images (24).jpeg
Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
Reply to  Flanker
2 meses atrás

Show muito boa explicação.
Com respeito e humildade.

Last edited 2 meses atrás by Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
Reply to  Flanker
2 meses atrás

Grato Flanker.
Parabéns pela resposta é principalmente pela humildade.
Exemplo para alguns neste meio.
Abraço.

Last edited 2 meses atrás by Marcelo Silveira 75
Salim
Salim
Reply to  Flanker
2 meses atrás

Quem levo FAB ao cenário bvr foi um oficial Francês que veio dar treinamento nos mirage em Anápolis. FAB acordou ai e começou nossa doutrina bvr. Treinamento e doutrina bvr ninguém da ou vende. FAB evoluiu bastante nesta doutrina.

Flanker
Flanker
Reply to  Salim
2 meses atrás

Sim, foi por isso que citei os M2000 no meu comentário. Os franceses deram o pontapé inicial e a FAB treinou, aprimorou e desenvolveu com os M2000 e com os F-5M.

Cleber
Cleber
2 meses atrás

Se fizer uma simulacao dessas com o Gripen NG com sua suite de guerra eletronica avancada + E – 99 Modernizado = perde a graca .

Henrique de Freitas
Henrique de Freitas
Reply to  Cleber
2 meses atrás

Seria muito legal Gripen+R99+Meteor, esse será o futuro cenário.

Cleber
Cleber
Reply to  Henrique de Freitas
2 meses atrás

Quando me referi ao Gripen , me referia ao pacote completo com o meteor .

jef2019
jef2019
2 meses atrás

Muito bacana a simulação….e realmente por mais que torcemos não teríamos chance contra os su-30 em igualdade numérica. A questão ai é que normalmente a força defensora disponibilizará um número maior de vetores em relação a força atacante, a qual necessariamente teria que reservar um bom número de caças para defesa de seu próprio território e caracas …teríamos essa vantagem, precisaríamos de algo como 50% a mais de vetores em relação a quantidade atacante, ou seja, 6 F5EM frente a 4 SU-30, ai estaria mais equilibrado o cenário…Mas 2 coisas chamaram a atenção, a elevada taxa de erro dos mísseis… Read more »

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  jef2019
2 meses atrás

Quando o bandido chega a uma determinada distância do E-99, o mesmo realiza uma ¨safe escape¨. Numa situação real não estaria sem escolta. Que poderia ter sido abatida também, claro.

jef2019
jef2019
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Olá Rinaldo…mas por enxergar mais longe, teoricamente o E99 se movimentaria sempre evitando a aproximação da cobertura radar do caça inimigo não é isso? Pois uma vez identificado fica dificil fujir de caças supersônicos…Me lembro de ter visto em alguma live sobre se nossos E99 modernizados teriam ou não despistadores, onde foi mencionado que se esse recurso precisar ser utilizado ocorreu algo de muito grave na execução da missão…ou não seria bem assim?

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  jef2019
2 meses atrás

Sim, o E-99M possui MAWS e chaff/flare dispenser. Eu teria optado por um decoy dispenser, mais efetivo para aeronaves com grande RCS. A safe escape pode surtir efeito, sim.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Já realizei uma safe escape na Operação Poraquê, em Manaus, em 2008. Surtiu efeito e não fui abatido.

Fabiano
Fabiano
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Prezado Rinaldo…o senhor sabe se a fab ainda usa o sbat 127? Se não qual o motivo pois acredito ser um foguete efetivo.obrigado

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Fabiano
2 meses atrás

O SBAT 127 é um foguete ar-solo. Acho que não se usa mais. Mas pode ser fabricado novamente a qualquer momento.

Fabiano
Fabiano
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Obrigado pela resposta. Perguntei pois a Suécia e a Rússia usam armas semelhantes e acredito que ainda é uma arma efetiva apesar da pouca sofisticação. Abraço!

Xerem
Xerem
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Coronel Rinaldo Nery ainda mais com o primeiro E-99 modernizado com os 732 km que eram 350 ou 500 km se nao me engano nao e mesmo ? Entao acho que nao tem como ser abatido ja que o missil do SU-30 so vao ate 150km .

Carvalho2008
Carvalho2008
2 meses atrás

Seria legal simular os Mike com o Skyshield

sidney pereira
sidney pereira
2 meses atrás

Que tal um conflito com a China ou Rússia tudo por causa da intromissão nos assuntos da Venezuela.

Allan Lemos
Allan Lemos
2 meses atrás

Se fôssemos um país sério,teríamos dado urgência ao programa FX no momento em que a Venezuela adquiriu os SU-30. Mas os incompetentes daqui não veem problema nos vizinhos operarem armas mais avançadas do que as nossas. E esse é o país que almeja ter um assento permanente no Conselho de Segurança. É uma piada.

Ersn
Ersn
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

Na época da ditadura.enquanto os venezuelanos estavam recebendo os novíssimos caças supersônicos de última geração para superioridade aérea o F16AB15 os nossos governantes queriam mesmo era um avião subsonico de ataque nacional sendo que a escolta dele seria o F5E que naquela época já estava uma geração atrás do F16A ,essa diferença não é de hoje.

Marcelo Silveira 75
Marcelo Silveira 75
2 meses atrás

Confesso quê estou muito contrariado com o resultado! Lendo a quase 20 anos a trilogia, com muita informação e palpites a respeito da qualidade humana da FAB, principalmente quando comparado com força aérea bolivariana, que o simulador me deu um nocaute, um choque de realidade! Não quero NEM imaginar meu otimismo caindo por terra quando me surpreender o simulador, no abate do Gripen-E por outras aeronaves latinas americanas, sejas lá quais for, más me decepcionarei bem mais, se for um Sukhoi!😢😢😢 Quem sabe o simulador seja o VAR no hipotético combate entre a FAB e a força aérea de El… Read more »

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Marcelo Silveira 75
2 meses atrás

Marcelo, choques de realidade nos fazem ¨descer do salto¨ (quando é o caso) e voltar ¨às pranchetas¨, reavaliar as táticas e o treinamento. Sempre é bom. Salva vidas e equipamentos.

Marco Moutinho
Marco Moutinho
2 meses atrás

Boas. Esta simulação lembrou-me um combate recente e bem real, na fronteira Indo-Paquistanesa, SU-30 contra F-16. Foi comentado aqui esse assunto. Pelo que parece o F-16 equipado com AMRAAM não se portuou muito bem. Confirmem se não foi verdade.

Kemen
Kemen
2 meses atrás

Premissas: Caça contra caça, pilotos do mesmo nivel, sem alerta antecipado. F-39 armado com o Meteor, o SU-30 MKV que se cuidem, 1,2 a 1,0. F-5 BR com o nosso melhor missil, os F-5 que se cuide, 5 a 1. Premissas: Caça contra caça, pilotos do mesmo nivel, com alerta antecipado (FAB), Venezuela não tem. F-39 armado com Meteor, o SU-30 MKV que se cuide, 1,8 a 1,0. F-5 BR com nosso melhor missil, o F-5 que se cuide, 3 a 1. Obs: Essa estimativa é minha, não considero situações particulares que podem ocorrer num combate aéreo, não considero operação… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Kemen
Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  Kemen
2 meses atrás

Desculpe. Pilotos do mesmo nível? Só nesse aspecto a diferença seria brutal. Considerar pilotos do mesmo nível invalida qualquer resultado.

Ricardo Rodrigues
Ricardo Rodrigues
2 meses atrás

Boa noite, séria possível utilizar alguns drones para ajudar na defesa ou até mesmo no ataque com os nossos mísseis que hoje a FAB usa ? E como está o projeto do nosso míssil de logo alcance?, na minha visão usar os drones para fazer os agressores gastar mísseis e combustível a deixa eles com algumas brechas é os drones armados pode passar um pouco mais batido

Jef2019
Jef2019
2 meses atrás

Me lembro de que a um tempo atrás a Venezuela começou a fazer graça com seus SU-30 perto das fronteiras do Brasil e da Colômbia…depois fiquei sabendo que acabaram perdendo um proximo a divisa
.com a Colombia…alguem sabe o que aconteceu naquele episódio??
..

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  Jef2019
2 meses atrás

Pelo que li na época, foi barbeiragem dos pilotos venezuelanos. Naquele caso nem precisariam de defesa aérea contra eles.

Luiz Antonio
Luiz Antonio
2 meses atrás

Não questiono a inferioridade das plataformas, no caso o F-5M em relação aos Flankers, porém, não sou tão pessimista. Em um primeiro combate, como o da simulação a desvantagem seria inevitável, porém considero que a proficiência dos pilotos brasileiros, a atualização dos comandos de operações e doutrinas atuais, começariam fazer a diferença com os desdobramentos que ocorreriam certamente. Operações conjuntas com a aviação de ataque criaram uma baita confusão para os venezuelanos levando os combates para o território deles (vide as operações dos “Ghibli’s“.na Líbia e no Afeganistão. São alvos difíceis a baixa altura e os venezuelanos não são a… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Luiz Antonio
Zeca
Zeca
2 meses atrás

Segundo o DCS, o R-77 não é aquela Brastemp. Considerando que ambos os simuladores estejam corretos, a conclusão é que o Derby é realmente fraco. Importante ressaltar que muito vai depender da versão do míssil simulada e da acuracidade do simulador. O SD-10, por exemplo, parece ser sido melhorado artificialmente.

Satyricon
Satyricon
2 meses atrás

Muito interessante.
Mas eu gostaria mesmo é de ver um comparativo entre outras duas simulações:
Su-30 x F-39 e
Su-30 x F-35
Assim teríamos um balizador do Benchmark atual
Fica a sugestão Galante

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
FABIO MAX MARSCHNER MAYER
2 meses atrás

A superioridade dos SU-30, do ponto de vista apenas do equipamento, é notória. Mas equipamento precisa estar bem manutenido. E os pilotos, bem treinados. E mesmo os mísseis, bem manutenidos. E a doutrina também tem influência. A Venezuela é um país falido. Suas forças armadas sofrem com isto. E seu ditador é um idiota, mas não seria tão burro a ponto de atacar algum vizinho, salvo um ato de desespero, numa possibilidade de perder o poder, que hoje em dia, é remota. Penso que a pior deficiência dos F-5 é o alcance baixo. E que quando chegarem os F-39, o… Read more »

ted
ted
Reply to  FABIO MAX MARSCHNER MAYER
2 meses atrás

O ditador idiota é amigo dos russos e frequentemente os TU160 estacionam por aquelas bandas. E se numa hipotética guerra hemisférica tais bombardeiros cruzassem o nosso espaço aéreo escoltados por SU30 venezuelanos? e ai estrategista o que vc faria?

Almeida
Almeida
2 meses atrás

A eficiência dos Derby nesta simulação é ruim pois estão sendo lançados bem no limite de seu alcance, quando já não possuem muita caoacidade de manobra. Se os F-5EM se aproximassem mais um pouco antes de disparar, poderiam ter um resultado melhor.

Já os R-77-1, por terem um alcance bem maior, acabam atingindo os F-5EM dentro de sua no escape zone.

Flávio HFS
Flávio HFS
Reply to  Almeida
2 meses atrás

Acabei plagiando seu comentário… kkkk

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Almeida
2 meses atrás

Sim. Também pensei o mesmo. Só 2 detalhes: 1) não deve ser o R-77-1 que possui 110 km de alcance, deve ser os R-77 mais antigos (rvv-ae) com 80 km de alcance, ainda assim superior aos 60 km do derby. 2) na simulação poderiam ter incluído os R-27 que a Venezuela dispõe. Apesar de serem mísseis semi-ativos (sargh), possuem alcance bem superior aos Rvv-ae chegando na casa dos 110 km mais ou menos. Aí creio que a simulação seria ainda mais complicada para os F-5 pois teria que entrar na defensiva e realizar manobras evasivas bem antes, perdendo controle situacional… Read more »

Flávio HFS
Flávio HFS
2 meses atrás

Não menosprezando as qualidades da suíte EW dos SU-30, muito menos a sua notória agilidade para manobras evasivas, mas olhando a simulação, na maioria das vezes os Derby ‘s foram lançados estando no alcance máximo do míssel. Acredito que 60 milhas é o alcance máximo cinetico do míssel. Seu NSZ deve ser bem menor que 60 milhas. Sendo assim, bastaria os SU-30 lançarem os R77, virarem o nariz em 180°, ligarem o PC e se afastarem até o limite do alcance cinético do Derby. No fim bastaria realizar manobras evasivas para se desvencilhar do míssel que não conseguiria realizar manobras… Read more »

Salim
Salim
Reply to  Flávio HFS
2 meses atrás

Nez derby em torno 25 km , derby er tem alcance 100 km, porem o nez provável do derby er náo acheii ainda, alguem tem alguma fonte?!

bjj
bjj
Reply to  Salim
2 meses atrás

Salim

Os valores encontrados na net referente à NEZ geralmente são cerca de 1/3 do alcance máximo, ou um pouco mais. A NEZ do I Derby ER deve ser de uns 35 km.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Flávio HFS
2 meses atrás

NEZ. É isso mesmo .Há q sair do envelope do radar dos SU-30. Qual o limite lateral?

Flávio HFS
Flávio HFS
Reply to  Rinaldo Nery
2 meses atrás

Corrijam me se estiver errado mas acredito que os SU 30 MK2 da Venezuela usam o radar Pesa N011M. Se for este o azimute é +-70°, alcance de busca de 400km e rastreio de 200km para alvos de grande RCS. É possível usar movimento eletromecânico, elevando o azimute para +- 90° , mas não sei se os da Venezuela tem este arranjo.

glasquis 7
Reply to  Flávio HFS
2 meses atrás

Mas aí tu elevou muito o nível do debate.
Como é que a gente faz pra acompanhar agora?

DSC
DSC
Reply to  Flávio HFS
2 meses atrás

AFAIK, o radar dos Su-30MKV da Venezuela é o N001VEP, não o N011 Bars.

Flávio HFS
Flávio HFS
Reply to  DSC
2 meses atrás

Tem certeza? O N001 e suas versões são da década de 90. Foram usados nos Su 30 mkk que foram vendidos para a China.

glasquis 7
Reply to  Flávio HFS
2 meses atrás

tenho entendido que os Derby da região, (salvo algum caso de informação classificada) tem alcance máximo de 65 km. considerando condições perfeitas pra engajamento.

Flávio HFS
Flávio HFS
Reply to  glasquis 7
2 meses atrás

Acredito também que este valor de 65 km é o mais correto, mas como eu ouvi a citação de 60 milhas na simulação, eu trouxe este valor para o comentário.

Almeida
Almeida
Reply to  Flávio HFS
2 meses atrás

Pois é, a tática adotada pelos F-5BR foi bem ruim para o cenário. Com a detecção avançada proporcionada pelo R-99, poderiam ter se esgueirado por trás dos Flankers e atirado primeiro de uma posição muito mais vantajosa e dentro na NEZ do Derby. Possivelmente seriam então massacrados pelos R-77, mas nesse caso os venezuelanos teriam perdas maiores.

Seria bem interessante o Galante refazer a simulação com estes novos parâmetros!

Flávio HFS