sexta-feira, setembro 17, 2021

Gripen para o Brasil

Portugal entrega mais dois F-16 à Força Aérea Romena

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Em 14 de agosto de 2020, as duas primeiras aeronaves do segundo lote de cinco F-16 encomendados adicionais decolaram de Monte Real (Portugal) para o voo de entrega para Baza 86 Aeriana, Borcea/Fetesti.

Os seriais das aeronaves recém-entregues são 1614 (ex-FAP 15132) e 1616 (ex-FAP 15135). Os restantes três F-16 estão programados para serem entregues em outubro de 2020 (duas aeronaves) e um no início de 2021.

Segundo a Scramble Magazine, três irão receber os seguintes seriais: 1613, 1615 e 1617 (ex-Força Aérea Portuguesa 15122, 15134 e 15141) .

O contrato para os F-16 adicionais, no valor total de 130 milhões de euros, foi formalmente assinado pelos ministros da defesa de Portugal e da Romênia a 27 de janeiro de 2020.

O negócio incluiu a conversão técnica da aeronave para especificações romenas, a transferência de informações técnicas e a instalação da manutenção na Romênia.

Após a entrega dessas cinco aeronaves, o Fortele Aeriene ale Romaniei (FAR – Força Aérea Romena) tem um total de dezessete F-16 em seu estoque.

FONTE: Scramble Magazine / FOTOS: Adrian Sultănoiu – Revista Cer Senin

- Advertisement -

45 Comments

Subscribe
Notify of
guest
45 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues

E Portugal ficará com quantos F-16, depois dessas vendas?

Nuno

Com 28. 24 monoplaces e 4 biplaces.

Hugo Vigneron

Quem sabe num futuro próximo , nao venham alguns F-39 E .

Fabio Araujo

Parece que já estão começando a pensar na substituição dos F-16.

Fabio Araujo

Engano meu, Portugal decidiu modernizar os F-16 para seguirem atuando até 2040, ficou mais barato!

Peter nine nine

A substituição pretende se que seja iniciada algures a partir de 2030…pelo que nessa década, a de 30,uma nova plataforma deverá comessar a ser recebida. Cerca de 40 anos de serviço, mais coisa menos coisa, consoante o serviço de cada aeronave na altura da sua respectiva retirada, que é a esperança de vida dada a este tipo de caça. Quarenta anos. Interessante que esta relação entre Portugal e a Roménia não se limita apenas ao negócio dos F16s. De acordo com ambos os ministérios, a Roménia tem interesse na indústria têxtil militar portuguesa, onde parcerias serão criadas para o eventual… Read more »

Vitor Silva

Não é bem assim, a decisão será tomada em meado da década, ou moderniza-se para o padrão F-16V ou então poderá haver lugar a uma aeronave de uma nova geração.

MestreD'Avis

A Força Aérea Portuguesa quer F-35. Se não houver budget para F-35, e antes de 2030 não vai haver de certeza, irão modernizar os F-16 para padrão V. Em ultimo caso, a Lockeed Martin pode acenar com F-16V novos de fábrica.
Não faz sentido alterar uma cadeia logistica de quase 30 anos e um “know how” adquirido na operação e manutenção de F-16 para daqui a 10 anos mudar de um vector de 4 geração para um de 4+.

Hcosta

Não me parece que seja algo assim tão evidente. F-35: Será utilizado em que função? Irá a FAP poder aproveitar todas as suas capacidades e em funções que necessitem de stealth e que justifiquem a sua utilização? Devemos considerar um avião para a FAP ou para a OTAN? Um sistema isolado ou como fazendo parte de vários sistemas (AWAC’s, defesa anti-aérea…) Quanto irá custar a sua manutenção? É uma questão de perceber se compensa o seu alto custo de manutenção e se terá funções que o justifiquem. F-16V: Se forem novos, qual será o seu potencial de actualização dentro de… Read more »

MestreD'Avis

Sinceramente a mim parece bem evidente. A haver dinheiro: F-35, a não haver: renovar os F-16. A FAP que continuar a operar da mesma maneira que tem operado com os F-16, isso implica padronização com os aliados em termos de treinamento, manutenção e tácticas. Holanda, Bélgica(?), Dinamarca e Noruega, que fazem parte do consorcio europeu de F-16 vão para o F-35. UK e Espanha também vão utlilizar em parte das suas forças aéreas. Seria a evolução lógica. Justificaria o preço? De aquisição seria mais baixo que o F-16 novo ou o Gripen. Os F-16V manteriam a cadeia logistica e a… Read more »

Hcosta

Os custos de manutenção do F-35 não se limitam às peças. O mais caro poderá ser o RAM e os seus custos associados. Muitas mais horas de manutenção em relação aos outros dois. Para não falar das actualizações de software e integrações de armamento. Porque não ter dois modelos? Gripen e F-35 (cerca de 12). Um como caça de uso geral e outro para missões de alto risco (SEAD, ataque ao solo,..). Mas não sei se o F-16V terá grandes vantagens em termos de actualizações futuras e é recorrente a LM aumentar os custos de manutenção e não diminuir. A… Read more »

Mestre D'Avis

HCosta, não leve a mal mas parece que está a discordar apenas para ter razão. Manutenção inclui tudo. Acha que a LM aumenta custo das peças do F16 ao longo da vida? Sim, um radar novo deve ser mais caro hoje do que em 1985… Mas e o Gripen? Vai ficando mais barato? As peças são oferta? Não leva pintura RAM? Mas não tocou no que eu disse. Quantos F-35 voam em 2040? Quantos Gripen? Quantos F-16? E se a solução é ter 2 caças diferentes, ainda menos sentido faz comprar Gripen. Para isso aguentam-se os F-16 em melhor estado… Read more »

Hcosta

Não compares os custos de manutenção do F-35 com os restantes. Basta ver o rácio entre hora de voo e horas de manutenção. E certamente que os custos do RAM não é o mesmo. Mas com o F-35 não corremos o mesmo risco da Áustria com os Typhoon? Não consigo dizer qual é a melhor escolha. Temos que definir qual será a estratégia da FAP. E aí temos de considerar o que queremos da OTAN. Se for para manter o que se faz: 16 F-16 ou Gripen e, mais tarde, 12 F-35. Mas temos de ter em conta os custos… Read more »

MestreD'Avis

Qual é o rácio hora de voo/hora de manutenção do Gripen E? Já é publico apesar de não existir um caça no activo? O Gripen é diferente dos outos caças e quanto mais moderno mais barato fica? Eu comparo os custos do F-35 em relação ás suas capacidades. É mais caro mas oferece mais. Posso comparar os custos de um F-22 com um Spitfire, não posso é esperar a mesma capacidade de ambos O Peter já explicou bem qual a estratégia da FAP num post acima e para “manter o que se faz” daqui a 20 anos, há que dar… Read more »

Hcosta

Em que circunstâncias pensa que o f-35 vai ser barato? Como é possível o Gripen ficar mais caro do que o F-35? Achas que manter o RAM fica barato? E parece-me evidente a diferença de preço entre o Rafale, o F-18 e também o eurofighter em relação ao Gripen, ou será o Gripen mais caro de operar do que caças bimotores? O mais actual? Depende, se não tiveres dinheiro para manter o F-35 também não terás para um MLU. O Gripen é praticamente um avião, e de projecto, novo, o F-16 não. Será muito mais fácil integrar e mais barato… Read more »

MestreD'Avis

Primeiro que tudo calma, não me conhece de lado nenhum Vou explicar novamente, um Kia é mais barato que um Mercedes, tanto de comprar como de manter. O Kia faz 90% do que o Mercedes faz. O Kia é um excelente negócio hoje. Mas se daqui a 20 anos existirem 3000 Mercedes e 200 Kia, qual vai ter mais suporte?? Se não entende este ponto de vista não dá para discutir uma aquisição de caças que terão que durar 30/40 anos ao serviço. Não vou discutir mais com quem não vê outros pontos de vista, não responde a perguntas e… Read more »

Hcosta

Lamento mas quem não responde a perguntas é o senhor. E não me parece que as suas “afirmações” de que o F-35 será mais barato de operar só porque vão existir mais peças possa ser levada a sério. O Typhoon, apesar dos seus números, é barato de operar? E pode ter a certeza que o F-35 será mais caro. E como a SAAB produz aviões há pouco tempo… Assim fica fácil, escolhe-se o mais caro e sem poder utilizar para aquilo que foi desenhado e com outros custos associados (armamento). Nem falemos dos UCAV’s de combate aéreo. Como sou um… Read more »

Last edited 1 ano atrás by Hcosta
Peter nine nine

Deus nos livre… Seria o mesmo que estagnar… Nada contra o Gripen… Mas para quem tem F16, evolução é a geração seguinte… Permanecer na mesma geração é ficar no patamar que se estava, com devidas melhorias…

Up The Irons

Seria um salto e tanto em relação ao F-16, já que o Gripen E possui radar AESA de fábrica, capacidade supercruise, baixo RCS… E também é bem mais afiado! 😉

https://www.aereo.jor.br/2019/09/24/como-o-caca-gripen-se-sai-contra-o-f-15-f-16-f-18-f-22-rafale-e-eurofighter/

MestreD'Avis

Up The Irons, o F-16V tem AESA de fábrica. A actualização destes F-16 incluiria o mesmo. Essa é uma não questão.
Sei que é uma opinião impopular neste blog mas o que o Peter diz é a verdade. O Gripen E é superior ao F-16V mas não o suficiente para o colocar noutro patamar e justificar a Força Aérea Portuguesa mudar por completo os seus caças. Só o F-35 justifica isso
O Gripen E é um caça excelente e pode ser o melhor para o Brasil quando junta todos os pontos. Mas não é o melhor para Portugal.

Peter nine nine

Up the Iron… É um salto, mas essa não é a questão. É um salto dentro do mesmo patamar. Por mais, tirando o aclamado baixo rcs do gripen, diga me um sistema, sensor ou armamento que não pudesse ser intregado na plataforma F16, se vontade para isso houvesse? O próprio f16v é em quase todos os aspectos comparável. Daí eu dizer, é um salto, o tanto é desnecessário. A Força Aérea Portuguesa, não se enganem, quer a 5ª geração e tal é público ah vários anos. O mais probavel será o f35, porque representa o salto em geração pretendido e… Read more »

Hcosta

A FAP não tem capacidade operacional para fazer uso de todas as capacidades do F-35. Isto porque não tem AWAC’s, sistemas de recolha de informações relevantes (P3 de uma forma muito limitada), satélites, munições/ misseis de cruzeiro leves (e não sei qual será a situação em relação aos ataques ao solo), misseis anti radiação, etc… A OTAN tem. O F-35 não é invulnerável e será muito mais vulnerável se não tiver por detrás um conjunto de sistemas de apoio. Vamos seguir o caminho de uma maior integração com a OTAN? Concordo com esta ideia mas tem os riscos de ficarmos… Read more »

Peter nine nine

Hcosta… Pela sua lógica… Portugal também não absorve todas as vantagens do F16… Porque não tem awcs, etc. Maior integração com a OTAN? Mas em que parte da actual doutrina é que Portugal não gere a sua defesa e actividade militar de forma integrada com os seus parceiros e aliados? Sempre o fez com F16 e continuará a fazê lo com o que vier no futuro. Não me leve a mal, mas está a teimar sem me apresentar algo pertinente e que justifique essa mesma teimosia ou dúvida. O F16 era visto como tendo menos potencial evolutivo, mas isso era… Read more »

Hcosta

Poderemos afirmar que o F-16 é uma arma isolada que pode actuar em conjunto, Mas o F-35 é desenhado desde o início para tirar proveito da fusão de dados para além do stealth. E mesmo a capacidade stealth depende destes dados. A questão da FAP não aproveitar o potencial do F-16, é no sentido não como caça, mas como avião de ataque ao solo. Aí penso que se justifica a compra do F-35 pelo valor que acrescenta, principalmente nas missões SEAD’s. Mas a FAP precisa de investir muito nesta função e até mesmo criar novas doutrinas. Se F-35 for somente… Read more »

Peter nine nine

Hcosta. Embora seja verdade que o F35 está desenhado para emprego em fusão de dados, numa net de diversos sistemas, ele ainda é um caça que, por si só, consegue retirar grande proveito das suas capacidades de forma isolada. Tal é uma das suas características, é multi role, tal como o F16, mas furtivo. O F35, por conta da sua modernidade e furtividade, com poderosos sensores no estado da arte, é um meio temível, representando, ainda mais, uma maior valia para uma país que careça de outros meios, nomeadamente os que refere. Mais uma vez, uma não questão. O f35… Read more »

Hcosta

Exactamente por o F-35 ser multirole e ser uma revolução. Vamos gastar muito dinheiro na sua compra e principalmente manutenção só para ser um caça? A minha ideia é ter alguns F-35 como caças e como aviões de ataque ao solo. Só assim se aproveita o investimento tão elevado em stealth. Complementam-se com aviões 4.5, estes muito mais baratos de operar. E não basta ter pilotos treinados, sabe-se lá em que números e em que circunstâncias, mas também ter um arsenal de acordo com as necessidades. E isso a FAP não tem no que se refere ao ataque ao solo… Read more »

Peter nine nine

Amigo, você já visitou Monte Real? Ambas as esquadras a operar F16 em Portugal estão capacitadas para combate ar ar e ataque ao solo. Os Amraam usados são, ou eram a um ano atrás, inclusive de versão mais moderna da que os espanhóis empregam nos seus Eurofighters. O que o faz crer que usamos os nossos caças só como caças? São caças multi role, são portanto de duplo uso para as funções que refere. O f35, se adquirido, terá de cumprir essas funções. Os nossos caças de ataque, são os nossos caças de combate aéreo. Quanto a arsenal, asseguro que… Read more »

Carlos Bernardo

Peter e Mestre vou vos resumir. Jovens brasileiros que concluem o a 2ª serie (ensino médio) ficam com a ideia de que os portugueses são ignorantes, burros e violentos. Por isso se a FAP não seguir a FAB, são burros por não o fazer e não há argumentação que demova este pensamento

Hcosta

De onde tirou a ideia de que sou Brasileiro? Portugal não correrá o risco de acontecer algo semelhante ao F-35 como o que aconteceu com o São Paulo? Compra-se a plataforma e depois não se continua o desenvolvimento, quer seja na sua operacionalidade ou evolução? O problema é haver pessoas que acham que em Portugal com meios desfasados fazem tudo os que os outros fazem. Os outros países é que são burros em gastarem dinheiro para terem uma verdadeira infraestrutura de ataque e defesa com vários meios. Em Portugal bastam uns F-16 com uns pods de EW e Sniper para… Read more »

Peter nine nine

Amigo, senhor Hcosta, não me leve a mal, mas você está completamente fora do tema. Portugal tem uma força pequena, mas enxuta, com meios em geral modernos. Para o contexto em que são empregues são capazes sim, e integradas conforme previsto são sim minimamente capazes e minimamente comparáveis a de outros parceiros, quando tendo em conta o seu reduzido tamanho. Nos não fazemos tudo o que os outros fazem, nem o queremos fazer, porque não é o mesmo contexto operacional. Se capacidades é o que lhe mais interessa, então mais um razão para ver maior potencial operacional no F35. Veja… Read more »

Hcosta

Os custos ainda não percebi porque serão acessíveis? Pelo menos podemos concordar que serão maiores? E que serão muito mais exigentes, nem que seja pelo facto de ser stealth? Eu não reclamo do F35. Reclamo de como parece fácil a escolha pelo F35 sem ter em conta se teremos o orçamento, a necessidade e a capacidade de ter assim tantos. O problema é querer seguir os países ricos e depois ficarmos com meios para propaganda. Não existem outras soluções/combinações ou prioridades? O que eu disse foi que a FAP, isolada, não tem condições para fazer missões num cenário de combate… Read more »

Peter nine nine

Contam se com os dedos das mãos os países com a capacidade de isoladamente levar avante uma intervenção isolada num cenário altamente contestado. Somos sim um exemplo, de um país pequeno, com um baixo orçamento de defesa, mas que ainda assim mantém os seus humildes meios em boas condições e, quando pode, actualiza ali e acolá, dado-lhes capacidades que quando não são boas são pelo menos mínimas e aceitáveis. Quando é que enviamos NPOs para combater a pirataria? Não me recordo. A necessidade do F35 nós temos, como está claro, ainda mais se seguirmos o seu pensamento. Em 15 anos… Read more »

Hcosta

Antes de mais agradeço por manter a discussão num nível aceitável. O outro senhor não fez isso. Mas permita alargar a discussão. A questão será porque mantemos as nossas forças em níveis minimamente aceitáveis? E pode ter a certeza que existe propaganda, não é feita pelos militares mas sim pelos políticos. A actualização das VdG, os NPO desarmados, os drones, etc. Mas, apesar do que diz, Portugal tem grandes despesas inúteis, como os quartéis (penso que temos mais do que Espanha) e bases da Força Aérea, entre outras. O problema é que querem aumentar os custos e não diminuir a… Read more »

Last edited 1 ano atrás by Hcosta
Peter nine-nine

Mas permita alargar a discussão. A questão será porque mantemos as nossas forças em níveis minimamente aceitáveis? É essencial que, com o reduzido orçamento, se consiga cumprir com uma generalidade de padrões aceitáveis. Esse orçamento não nos permite a maiores devaneios. E pode ter a certeza que existe propaganda, não é feita pelos militares mas sim pelos políticos. A actualização das VdG, os NPO desarmados, os drones, etc. Não percebo onde é que um político anunciar o trabalho feito se qualifica por si só como propaganda. Que mal têm os drones? Quanto aos NPO, para quem fala em desperdício de… Read more »

Peter nine-nine

Note ainda que, quanto a CAS, para mim COIN já é outra coisa onde o CAS pode ou não estar incluído, fala-se na obtenção de um meio de asa fixa de baixo custo e rendimento para instrução avançada e ataque leve, algo em que, como muitos destes pontos, já referi. Podemos estar a falar de um Super Tucano, nas palavras do ministro da defesa, ou de um M346, tendo em conta a proximidade com a indústria italiana.

Peter nine-nine

6 a 10 vectores já seria o suficiente.

JuggerBR

País minúsculo, noventa vezes menor que o Brasil e com aviões, ao menos por enquanto, melhores que os nossos..

José de Souza

Quatro letras para você: OTAN

Sagaz

E terapia também, menos mimimi

Marcelo

Tenho duvidas se nao eh melhor pegar novos de fabrica. Esses ai devem voar mais uns 15 anos apenas.

Marcelo

nao me incomoda. Imagino que propagandas sao necessarias para manter uma linha editorial independente.

Sérgio Luís

Fico imaginando o quê Portugal tem de melhor que estes f-16 ??

Peter nine nine

Não percebi a pergunta

Peter nine nine

Calculo que para quem vê de fora, deve imaginar que ah por aqui alguma arma secreta… Mas não há…
Ocorre que está se a pensar para daqui a 10 anos e sabido é que em 10 anos não haverá entidade que os aceite, daí chamarem lhe alienações… Estão a alienar o que não vão usar a prazo para que não ficassem com 40 F16 estacionados às portas de Monte Real quando algo novo eventualmente chegue.

Gabriel BR

É um avanço tecnológico considerável para a Força Aérea Romena

Últimas Notícias

Governo argentino reserva US$ 664 milhões para compra de caças JF-17 Thunder em 2022

Segundo o site Aviacionline, foi apresentado ao Congresso Nacional da Argentina o projeto de orçamento para o ano fiscal...
- Advertisement -
- Advertisement -