Home Aviação de Transporte Primeira turma de pilotos do KC-390 Millennium conclui curso de formação

Primeira turma de pilotos do KC-390 Millennium conclui curso de formação

2979
44
Embraer KC-390
Embraer KC-390 Millennium

Aviadores são experientes, oriundos de diferentes Esquadrões, tendo pilotado aeronaves como E/R-99, C-130, C-105 e P-3

Os 12 primeiros pilotos da nova aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB), o KC-390 Millennium, pertencente ao Primeiro Grupo de Transporte de Tropa (1° GTT) – Esquadrão Zeus, sediado em Anápolis (GO), concluíram nessa terça-feira (16), o curso de formação na aeronave. Com isso, estão aptos a realizarem missões operacionais de Transporte Aéreo Logístico.

A fase inicial do curso aconteceu em 2019 na sede da Embraer, localizada em Eugênio de Melo, distrito de São José dos Campos (SP). As três primeiras semanas, chamadas de Ground School (curso teórico da aeronave), foram seguidas de uma semana no simulador de voo da Embraer. O simulador recria as leis de controle do avião e permite que os pilotos se adaptem aos comandos de voo do tipo fly-by-wire. Encerrando a primeira fase, os pilotos voltaram para a Ala 2 – Base Aérea de Anápolis (GO) para iniciarem os voos de formação.

A fase de voos foram divididas em duas partes: EBFT (Extended Basic Fly Training), em que os pilotos realizam o treinamento de voo básico na aeronave, e o ALST (Aero Logistic Supervision Training), realizando missões de voos logísticos, onde operaram em diversas localidades e transportaram diferentes tipos de cargas, muitas delas em apoio à Operação COVID-19. Nas duas fases do treinamento, os pilotos do 1° GTT voaram com instrutores da Embraer.

O Comandante do 1° GTT, um dos pilotos formados, Tenente-Coronel Aviador Luiz Fernando Rezende Ferraz, ressalta a operacionalidade que a Força Aérea ganha com a formação, uma vez que são os primeiros 12 pilotos militares operacionais de KC-390 no mundo. “Saímos da esfera de treinamento e passamos para o emprego militar da aeronave, o que nos permitirá explorar cada vez mais as suas capacidades. É um salto muito importante não só para o projeto desenvolvido pela Embraer, como também para a FAB e para o Brasil”, disse.

Cockpit do Embraer KC-390

Início dos voos

A novidade para a maioria dos pilotos foi a transição de voar aviões a hélice para aviões a jato. “A adaptação, porém, não foi difícil. Nossa maior surpresa foi a superfície de comando, as leis de controle do KC-390, o comando fly-by-wire, que é diferente do que todos os 12 pilotos já voavam antes”, comentou o Major Aviador Rafael Portella Santos, um dos pilotos formados no KC-390, salientando que houve um esforço conjunto da FAB e da Embraer para que o curso acontecesse da melhor forma possível.

Os pilotos que participaram desta etapa são experientes, oriundos de diferentes Esquadrões e voaram projetos como E/R-99, C-130, C-105 e P-3.

FONTE: Força Aérea Brasileira

Subscribe
Notify of
guest
44 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio Araujo
Fabio Araujo
12 dias atrás

E com a pandemia essa turma já deve estar trabalhando muito pois as aeronaves de transporte da FAB, entre elas o KC-390, não param de voar levando cargas de Norte a Sul do país.

Francisco
Francisco
Reply to  Fabio Araujo
12 dias atrás

Aqui em canoas, já vi três vezes.

nonato
nonato
Reply to  Fabio Araujo
12 dias atrás

E quem estava pilotando antes do encerramento do curso? Ou eram voos de treinamento? Acho importante o curso, mas não entendo quem pilotava os aviões até agora. Claro que durante o desenvolvimento eram os pilotos de testes da Embraer. Mas pensei que pilotos da FAB já estivessem participando desde os testes e especialmente depois que foram entregues à FAB. A não ser que seja um curso mais completo para lidar com questões mais complexas. Por exemplo, imagino que pilotos da FAB que pilotam os E 190 da presidência não teriam dificuldade alguma para pilotar o KC 390. Por falar nisso,… Read more »

Marcos10
Marcos10
Reply to  nonato
11 dias atrás

Nonato,
O próprio texto informa que os pilotos treinaram fazendo vos para combate ao convid19.
Quanto ao nome Millenium, é da Embraer.

nonato
nonato
Reply to  Marcos10
11 dias atrás

Todos os vôos da Fab desde a entrega foram feitos por alunos?
Ou os pilotos da Embraer que pilotavam?
No caso do gripen, pilotos da Fab já fizeram curso e já pilotaram bem antes da entrega.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  nonato
10 dias atrás

Sim, Nonato. Já eram os pilotos da FAB em instrução. Desde o primeiro dia.

M65
M65
Reply to  Fabio Araujo
12 dias atrás

Em Manaus pelo menos três voos ! Têm a matéria e o filme do YouTube da FAB.

zézão
zézão
12 dias atrás

Foi saltando desse tipo de aeronave que veio a falecer o Soldado Pqdt no final de semana passado? Que houve? Ou também está censurado?

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  zézão
12 dias atrás

Não pelas imagens foi de um C-105 Amazonas.

zézão
zézão
Reply to  Fabio Araujo
12 dias atrás

Obrigado pela informação.

Junior
Junior
Reply to  zézão
12 dias atrás

Pelo que vi em fotos, eles estavam saltando de um C-295 e não de um KC-390. Não há censura alguma, esse lamentável episódio foi noticiado amplamente pela imprensa e no momento esta sob investigação para esclarecer o que realmente ocorreu

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  zézão
12 dias atrás

Bom, acho que você nem assiste tv e nem redes sociais, pois foi o que mais vi na tv e no insta falar da queda do rapaz kkk

zézão
zézão
Reply to  DOUGLAS TARGINO
12 dias atrás

Claro que não assisto, zé! Prefiro me informar pelo Blog do poder Aéreo, que por sinal anda mal frequentado ultimamente…

JuggerBR
JuggerBR
12 dias atrás

Alguém sabe o cronograma de entregas atualizados dos KC-390?

Vitor
Vitor
Reply to  JuggerBR
11 dias atrás

comment image

veja neste link o cronograma atualizado.

Skip
Skip
12 dias atrás

Porque o avião tem a bandeira da argentina se eles n contribuíram para o desenvolvimento?

Mauro
Mauro
Reply to  Skip
12 dias atrás

Ideologia pura, mas isso acabou.

Portugal pequeninho está dando sua contribuição, levou o KC-390 para a OTAN, feito inestimável.

Vou dar uma dica, dentro do site da Embraer tem um link especial que trata tudo do KC-390, todas as informações sobre a aeronave, lá fala sobre a participação de Portugal e da República Checa, mas não tem menção alguma sobre a Argentina ou a Fadea.

Marcelo Mendonça
Marcelo Mendonça
Reply to  Skip
12 dias atrás

Assim como a Rep. Tcheca, a Argentina tinha (não sei se ainda tem) uma pequena participação de componentes no projeto e havia a esperança que adquirissem a aeronave, coisa que nem os hermanos e nem os Tchecos fizeram.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Marcelo Mendonça
12 dias atrás

Os Tchecos dizem somente por volta de 2025.
Os Argentinos, melhor dizer nada.

Abraços.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Skip
12 dias atrás

Sim, eles contribuíram com o desenvolvimento.

Nilson
Nilson
Reply to  Skip
11 dias atrás

A FADEA fornece algumas partes do avião, está no projeto desde o começo. Outro dia passou um post sobre a FADEA entregando mais um pacote de peças. Se isso justifica a bandeira argentina no avião, tenho dúvidas, mas também não se pode falar que não fazem nada no projeto.

Roberto Messa
Roberto Messa
12 dias atrás

Grande passo!

Agora, é fazer 1 cargueiro p competir c o a124

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Roberto Messa
12 dias atrás

Necessitamos realmente disso?

Roberto Messa
Roberto Messa
Reply to  Filipe Prestes
10 dias atrás

O Brasil tem dimensões de continente que nem a Rússia.

Se tivéssemos 1 exército de vdd, isso já seria assunto sério há mt tempo.

1 transporte estratégico que nem o a124 é necessário para tranferir unidades a nível de brigada noves fora mudar bases aéreas.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Roberto Messa
11 dias atrás

Seus comentários servem apenas para esculhambar. Um mais sem sentido que o outro. Escreve aí a lógica de projetar, investir e comercializar um produto para competir com o maior cargueiro em produção do mundo.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
12 dias atrás

Pergunta de leigo: Qual é o alcance do C-390 com capacidade de carga máxima? É maior que do C-130?

Mauro
Mauro
Reply to  Filipe Prestes
12 dias atrás

Capacidade máxima do KC-390 é de 26 toneladas.
Capacidade máxima do C-130J-30 segundo o web site da Lockheed é de 19.950 Quilos. Arredonda para 20 toneladas.

Não é uma comparação viável, o KC-390 joga em outra liga.

Colocar 26 toneladas nos peito no C-130J ele simplesmente se desintegra.

Por exemplo, a nova versão do 8×8 Stryker do US Army não pode mais ser transportada pelo C-130J… fica acochado, o KC-390 leva com sobras.

A pegada do KC-390 é outra.

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  Mauro
12 dias atrás

Não tenho tanta certeza disso considerando a realidade. Até agora os C130J estão levando vantagens nas vendas e depois de vendido amigo, babau, uns 30 anos para voltar a repor. O KC-390, além dos 28 da FAB (venda em casa) e 5 unidades para Portugal (que também é da casa) não venderam mais nada.

Nilson
Nilson
Reply to  Luiz Antonio
11 dias atrás

Muito difícil alguém trocar o C-130, provado e aprovado nas suas lidas, pelo KC-390 ainda em fase de testes. Só tem 2 voando, ainda não está testado. Creio que à medida que o KC-390 for provando sua capacidade na prática conseguirá mais alguns contratos. Principalmente nos nichos em que o C-130 não é tão rápido ou capaz. Agora, para quem precisa pousar em Antártica ou pista de terra, o KC-390 ainda tem que provar muita coisa para entrar no páreo, não tem como arriscar sem ter certeza.

Mauro
Mauro
Reply to  Nilson
11 dias atrás

Airbus e Boeing pousam na Antártida e no polo norte, é o que mais tem é aviação civil pousando nessas pistas, e suas turbinas são baixas, qualquer avião civil pousa no gelo, isso é bobagem, a maior dificuldade seria a relativa falta de infra estrutura, mas o KC-390 é muito mais avançado em aviônica que o C-130, tem até sistema de visão noturna EVS, então se torna ainda mais fácil. O C-130 tem quatro motores, o KC-390 tem dois, e são mais altos, a probabilidade de um detrito atingir quatro enormes motores é muito maior que atingir dois, mais altos… Read more »

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Luiz Antonio
11 dias atrás

O KC390 é muito superior… Porém isso não é tudo o que conta para fechar uma venda.

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  Fernando EMB
11 dias atrás

Boa noite Fernando
Não questionei a qualidade e superioridade do KC-390 em relação ao C-130, pois as diferenças são brutais. Me referi apenas às dificuldades desse mercado, tradicionalmente ocupado pela concorrência. Particularmente entendo que o pessoal de vendas da EMBRAER esta muito devagar para quem quer conquistar um nicho de mercado difícil. Estão faltando ações mais agressivas, pois os clientes alvos operam outro produto (C-130 no final da vida útil) e devem ser convencidos a trocá-lo por outro (KC-390)

Last edited 11 dias atrás by Luiz Antonio
Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Mauro
12 dias atrás

Olá, Mauro! E qual é o alcance de ambos com carga máxima?

nonato
nonato
Reply to  Filipe Prestes
12 dias atrás

2730 km com 23 toneladas de acordo com a fab. Vai de Brasília a qualquer lugar do Brasil.
Fonte FAB:
https://www.fab.mil.br/kc390/

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  nonato
11 dias atrás

Pelo que vi no site da USAF, com capacidade máxima o C-130 J pode cobrir 3.700 km sem a necessidade de reabastecer. Esse alcance de 2.700 km é um problema para o C-390, não?

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Filipe Prestes
11 dias atrás

Não… Bota a mesma carga do C130 e veja como fica o alcance do KC390.

Marcos10
Marcos10
12 dias atrás

Os participantes do projeto não tem obrigação contratual de comprar a aeronave.
No caso da Argentina, são responsáveis pela rampa traseira.

Nilson
Nilson
Reply to  Marcos10
11 dias atrás

E mais algumas peças, não me lembro de cor, mas por aí tem os gráficos mostrando as partes que são feitas na FADEA.

Filipe Prestes
Filipe Prestes
Reply to  Marcos10
11 dias atrás

De fato obrigação não tem. Mas num exercício de suposição e hipótese, vc já imaginou a Alemanha ou Espanha não adquirindo o A-400 na qual ambas eram parte do projeto? O mesmo pode-se aplicar á Argentina e á Rep. Checa.

Leonardo M.
Leonardo M.
12 dias atrás

Alguém saberia me dizer se uma versão civil desse avião seria viável?
Pq a Embraer não oferece uma versão civil igual a LM faz com o c130?

Robsonmkt
Robsonmkt
Reply to  Leonardo M.
12 dias atrás

Provavelmente uma versão civil dele seja mais cara do que uma versão cargueiro de uma aeronave civil de carga equivalente, visto que uma aeronave projetada desde o início para ser militar tende a ter requisitos mais rigorosos e específicos que a tornam mais cara do que uma projetada para função civil.

Tutu
Reply to  Robsonmkt
11 dias atrás

A Embraer já projetou o C-390 desde o início para atender todos os requisitos da aviação civil, sendo esse um dos seus diferencias frente ao C-130J, qualquer empresa aérea de carga que queira opera-lo não encontrará problemas nesse aspecto.
A questão é que para a maioria das empresas uma aeronave civil convertida já supre suas necessidades.

Last edited 11 dias atrás by Tutu
Marcos10
Marcos10
11 dias atrás

“Os pilotos que participaram desta etapa são experientes, oriundos de diferentes Esquadrões e voaram projetos como E/R-99, C-130, C-105 e P-3.”

No caso de um jato, ainda mais com asa varrida, é que primeiro você não tem o deslocamento de ar das pás das hélices sobre a asa – isso deve ter salvado muita aeronave de estol -, segundo você sempre vai ter de vir com a aeronave estabilizada, não dá para fazer a aeronave afundar na aproximação e depois, para “matar” a razão de descida excessiva, alterar o ângulo de ataque.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Marcos10
10 dias atrás

O que é ¨asa varrida¨?